Minha namorada - O outro lado 2

Um conto erótico de Carla
Categoria: Heterossexual
Contém 1369 palavras
Data: 17/10/2023 21:48:50

Continuando...

Evandro se tornou alguém presente na minha vida, principalmente nas festas particulares que fazíamos entre eu as meninas e o pessoal das republicas, apesar de ter entrando nesse mundo de orgias e loucuras eu ainda tentava equilibrar, evita estar sempre nessa loucura, porém pelo menos uma vez da semana eu passava do limite, já era fichinha carimbada dos meninos, foi então que rolaria a semana do saco cheio, como não ia em casa a muito tempo, comprei minha passagem e fui para o interior, lá seria bom para me limpar dessa vida mundana que estava levando na universidade.

Cheguei a fazenda na noite de sexta feira, vi meus pais e depois fui para meu quarto onde tomei um banho e capotei na cama, passaria ali uma semana. No sábado acordei era umas oito da manhã, quando fui tomar café dei de cara com Henrico na mesa, ele estava ali para passar o feriado também, dei um sorriso para ele, logo após o café resolvi ir para a piscina já que estava muito calor, coloquei um de meus biquínis e fiz uma nota mental que deveria comprar mais, passei a manhã ali tomando sol e tomando banho de piscina. Foi então que a tarde tive a chance de estar com Henrico a sós, ele logo me pegou nos braços e me beijou, eu não recusei, gostava da sua atitude, ele era carinhoso e tinha uma pegada gostosa, diferente dos meus companheiros de putaria ou de João, transar com ele sempre era uma surpresa e ele tinha uma boa capacidade de sempre me deixar molhada e gozada, porém foi somente no domingo de manhã que saímos para cavalgar e ocorreu nossa transa depois das férias, ele me comeu de jeito debaixo de um pé de limão no pomar atrás da minha casa, ele meteu todo seu pauzão e antes de gozar fez questão de ir nos meus peitos. A melhor foda daquela semana foi quando já nos dias de voltar, era quinta feira já, estávamos transado pelo menos duas vezes por dia e nesse dia meus pais foram para a cidade na missa, assim como a maioria dos empregados, ficamos eu e Henrico na casa e logo que estávamos sozinhos a brincadeira começou, ele foi me chupando e me excitando, aquilo era gostoso, ele foi até me deixar a ponto de gozar, foi então que mudamos de posição e eu agora o chupava, babei bastante naquele pauzão e como agora estava fazendo anal resolvi dar esse presente a Henrico, o coloquei deitado e sentei naquela piroca, rebolei bastante com a buceta e quando achei que devia mudei de buraco. Henrico abriu um sorriso sádico e surpreso, eu fui encaixando devagar aquele pau, até a cabeça passar e eu sentir a imponência daquele homem, ele esperou eu respirar e quando comecei a rebolar ele foi movimentando sua pelve, seu pau foi ganhando terreno até entrar todo, eu fechei meus olhos sentindo dor e prazer quando os abri vi Henrico me olhando com um sorriso de canto de boca e olhos serenos, sua mão segurou na minha cintura e como eu fosse nada sentir ele me levantar e começar meu martírio, ele foi socando devagar, mas logo aumentou o ritmo, arrebentando minhas pregas, eu estava a um tempo dando a bunda, mas Henrico ali estava literalmente acabando comigo, seu olhar era de sadismo ele gostava de ver minha expressão de dor, o que o incentivava a meter ainda mais forte, eu comecei a gritar, de tanto que ele metia, porém a dor já tinha dado lugar a um prazer imenso, meu grelo estava teso, pingando por sentir aquele pau, foi então que comecei a me masturbar e foi tocar umas duas vezes que meu corpo contraiu todo, eu tremia, e gozava loucamente, ele não parava de meter, eu queria gritar mas num saía voz, eu estava sem forças, aquilo prolongou por uns bons segundos até que ele tirou do meu cu seu pau e gozou na minha cara. Naquele dia eu dei a bunda mais duas vezes para ele e continuei nos dias seguintes, até o domingo quando voltei para a universidade.

João não me procurava a bastante tempo, foi então que surgiu a tradicional festa a fantasia, eu fui de sininho, eram fantasias sensuais e a intenção do grupo era sair dali e estender a festa depois em outro lugar, em casa começamos nosso esquenta, sai chapada para festa, tanto que lá eu e Suellen e as meninas dançamos como se não tivesse amanhã, Evandro estava ali comigo também, eu rebolava e sentia sua pica dura na calça, aquilo me excitava e como não vi João resolvi que iria ter sexo com Evandro, foi então que num dado horário ele me puxou para o estacionamento lá ficamos nos beijando até que ele tirou o pau pra fora e me fez chupar, ele socava a pica na minha boca e eu chupava como uma menina submissa, foram algumas minutos assim até que ele resolveu meter, eu encapei o menino, ele comeu a bucetinha ali mesmo, a transa foi rápida, porem depois de ele gozar ele resolveu ir embora e queria que eu fosse junto, coisa que eu num queria, então voltei para festa sem ele.

No meio do caminho para encontrar as meninas vi um professor meu, André, ele estava vestido de Jedi, puxou conversa comigo, pagou uma bebida e ficamos ali conversando, quando dei por mim eu estava novamente no estacionamento, dessa vez pressionada numa Hilux prata, por André que me beijava, ele era baixinho, pouca coisa maior que eu, branco, cabelos calvos, tinha bigode grisalho, gordinho, olhos pretos, devia ter em torno de 46 anos. Ele segurava minha nuca encaixando os dedos no meu cabelo e bagunçando um pouco meu penteado, sua outra mão explorava meu corpo, ele me virou de costas, agachou e enfiou a língua direto na minha bucetinha, ele chupava e eu lembrava que Evandro tinha metido ali a pouco, isso me dava tesão, peguei na minha bolsa e cheirei meu pó, pois queria gozar ali com ele, foi então que uma onda de prazer veio e gozei na boca daquele safado, ele então levantou e sem pedir licença cuspiu no meu cu e enfiou sei pau, não era comprido, mas era grosso, ele meteu por alguns minutos e então me fez agachar e gozou tudo na minha boca. Cuspi ali no chão aquela porra densa e meio amarelada, levantei, André ainda se esfregou mais um pouco em mim, depois sai dali e fui para onde as meninas estavam, nem olhei como eu estava. Foi então que João apareceu, eu estava louca ali dançando, ele estava bêbado, conversamos, nos beijamos e então quando a festa estava acabando ele me acompanhou até minha casa.

Quando chegamos, nos beijamos um pouco, ele me jogou na cama quando achei que ele iria me comer ele apagou encima de mim, eu estava exausta o efeito de tudo passando e então me entreguei ao sono profundo, acordamos os dois com ressaca. Depois que João foi embora fui olhar meu celular e tinha uma mensagem de André dizendo.

André: "Adorei a noite, espero repetir a dose."

A partir daquele dia, João começou a me procurar mais, me chamando para sair, ver filmes, conversar e claro transar, ele estava mais amoroso, como quando iniciamos nosso namoro, eu comecei a evitar sair com as meninas, eu queria João de volta, ele era o cara que eu amava, Suellen não gostava da minha atitude, dizia que eu estava sendo burra, porém eu era apaixonada nele. André durante as aulas sempre olhava pra mim com cara de tarado e por mensagem fazia convites, eu sempre recusava, Evandro comecei a me afastar, até pelo motivo de estar saindo apenas com João.

Foi então que durante um jantar João me pediu em namoro de novo, ali eu resolvi largar a vida de putaria e voltar como uma cadelinha para o meu amado, ele me deu uma aliança, fomos para um motel caro e transamos muito gostoso, achei justo ali dar meu cuzinho para ele, coisa que eu tinha viciado principalmente fazendo com Henrico. As férias logo chegaram e eu voltei para a fazenda, onde larguei minha vida promiscua...

Continua...

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 80 estrelas.
Incentive Segredos_da_Nicolly a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Concordo com Marcelomotta, mas, o tal do joão é Corno Frouxo, já sabemos o que vai rolar.

1 4
Foto de perfil genérica

...só quero ver que bicho dará no final desta história louca...😂😂😂...👁

0 0
Foto de perfil genérica

Nossa isso tá ficando cada vez melhor, eu até reli o começo pra me indentificar em que e parte do relato dele ela tá agora, e ainda tem muita coisa pra acontecer, não esquece de detalhar oq rolou quando ela fez aquele vídeo pra divulgar a festa usando o plug rs É muito excitante! Acho q não tem como agora, mais se der em algum momento mesmo cm uma lembrança, detalha mais essa parte das orgias pra ver oq ela fez ou fizeram cm ela rs

Enfim, nota 1000!! Muito top

0 0
Foto de perfil de Almafer

O que vai acontecer daqui prá frente será que ele vai virar um cara liberal kkkkkk

0 0
Foto de perfil de Line171

Vim ler esta série indicada por um amigo e fiquei emocionada, pois é de fato muito boa, a história te prende nessas indas e vindas do amor e a trajetória de conflito da Carla que ao mesmo tempo que ama o garoto, não consegue se desvencilhar dos prazeres do sexo promíscuo, é incrível, gostei muito você consegue encantar o leitor.

2 0
Foto de perfil genérica

caraca muito bom, esta ficando cada vez mais melhor, cara estou torcendo muito para ela largar o vicio e também que ela realmente tenha largado a putaria, apesar que o Evandro pode exigir alguma coisa dela.

top demais parabéns

0 0
Foto de perfil de Super Canalha

Esse foi tão curtinho Nicolly, mas ele passa a sensação que a história se intensifica agora no próximo, estou adorando, meus parabéns.

3 0
Foto de perfil genérica

O passado sempre volta pra cobrar.

Nada contra quem tem esse tipo de vida de solteiro (a) mas se eu começo a namorar uma menina é descubro que ela tinha essa vida de vadia solteira eu largava na hora, não tenho um psicólogo pra separar o antes e o depois.

E duvido que ela deixou a vida promíscuo pra trás.

Ótima continuação.

3 4