Conto de despedida

Um conto erótico de Jota_
Categoria: Gay
Contém 2131 palavras
Data: 13/10/2023 18:14:30
Última revisão: 13/10/2023 21:39:26

"Posso chegar mais cedo?", Fred pergunta. "Claro! Estarei sozinho, pode chegar", J responde.

Finalmente o grande dia havia chegado. J estava no quarto do hotel, tremendo feito vara verde, olhando pela janela a vista avantajada do "skyline" paulistano. Faltava ainda uma hora para os fotógrafos, seu pai e os demais padrinhos chegarem, mas o J quis chegar antes no hotel do making of de noivo só pra ficar ansioso, tem gente que curte sofrer por antecedência né. Ainda bem que o Fred resolveu vir antes, pensava ele, quando alguém bateu na porta. Era ele. "Porra J, olha essa gravata, meu. Toda torta. Você quer que daqui a 15 anos seus filhos vejam o álbum do seu casamento e falem 'papai estava com a gravata torta e comprida!'? Não, né. Vem cá que eu dou um jeito".

Com o Fred era assim. Eles não se viam por meses (Fred voltou à sua cidade no interior depois da faculdade), tinha ano que nem se viam, mas, quando se reencontravam, era como se não tivessem se afastado por mais que alguns dias. Amizade de verdade deve ser isso, né?

Enquanto Fred refazia o nó da sua gravata, J o observava com um sorriso involuntário no rosto. Que caminho suas vidas teriam tomado se, depois daquela balada louca em Berlim, há DEZ ANOS (!!), eles tivessem decidido ficar juntos? Será que teriam brigado? Se separado e impossibilitados de continuarem amigos? "J, volta pra Terra, deixa eu centralizar. Levanta a cabeça e olha pra frente". Nesse momento, seus olhares se cruzaram. E J foi transportado para dez anos atrás, algumas noites antes da famigerada balada em Berlim.

*

Passava das dez da noite quando o trem chegou a Varsóvia, naquele janeiro frio pra caramba. Vida de mochileiro não tem transfer esperando no saguão da estação, o trajeto até o hostel era à pé mesmo. Frio da porra, estava até nevando. J quase escorregou ao descer as escadas, "cuidado com o piso congelado ou!", "mal, não vi, tava distraído. Você viu esses flocos de neve caindo?". Era a primeira vez que J via aquilo, ele achava que só existia nos desenhos animados. Que incrível! As pontinhas definidas, o hexágono perfeito, e vários deles caindo do céu. Parecia mágica. CABUM, J escorregou, claro. "Po mano, presta atenção aí, se você se machucar não vou cuidar de você não hein", Fred disse, "tá bom, vamos chegar rápido vai, to quase congelando". Antes, viram uma loja de conveniência aberta e compraram uma vodka polonesa pra "esquentar um pouco".

O hostel era no conceito "boutique", tinha apenas 6 quartos. E eles tinham reservado uma suíte com duas camas, só no leste europeu para eles se darem ao luxo dessas coisas mesmo rs. Era um negócio familiar num predinho bem charmoso, antigo. No andar de baixo, a família morava, e nos de cima funcionava o albergue. Como chegariam tarde, os donos deixaram as instruções de como entrar num bilhete. Para a surpresa deles, eles eram os únicos hóspedes lá. O hostel tinha uma sala com sofás, poltronas, sala de TV, uma mini cozinha e o corredor que dava para os quartos e banheiros daquele andar. Parecia uma casa mesmo! Aconchegante como eles nunca tinham visto durante o mochilão todo. E até com uns snacks e frutas em cima da mesa. O quarto deles era naquele andar mesmo, super confortável também. "Aaahhh que cama gostosa! Era tudo o que eu precisava", falava J já tirando a roupa e colocando um pijama, pois o aquecedor deixava o ambiente quentinho. Fred fez o mesmo.

"Passa a vodka aí J!". Eles não estavam com sono pois tinham dormido bastante no trem, então resolveram beber para depois dormir. Não sei se foi a vodka, o ambiente aconchegante, o fato de estarem sozinhos, o ar polonês, mas a conversa entre os dois fluiu ó, uma beleza. Como dois amigos podiam se conhecer tanto assim? Fazer o outro dar risada, se zoarem, se divertirem? J, já vermelho do álcool, não podia deixar de sentir um calor extra, se é que vocês me entendem. E ele reparou que Fred, além da alegria normal de uma conversa entre amigos, também estava com um olhar diferente. O que ficava evidente pelo volume debaixo do samba-canção que ele usava. Fred era bem mais dotado que J, então não era tão fácil disfarçar, ainda mais numa roupa de baixo fininha de seda. Num determinado momento, ele deu tanta risada de algo que J falou que dobrou as pernas de um jeito que J viu claramente aquele pau meia bomba. Acho que o Fred percebeu que tinha se exposto, voltou à postura normal, ficou meio sem graça e falou "cara, vou tomar um banho, já volto".

J ainda estava bobo com a imagem que acabara de ver. E o pau dele estava bobo também, pulsando toda hora. Ouviu Fred abrir o chuveiro, deu um respiro fundo, fechou os olhos, e quando os abriu, viu que a fechadura da porta do banheiro era bem avantajada. Gente, mas era demais. E estava sem a chave! Será que tinha caído? Hmm...será que...ahn...quando menos percebeu, J já estava de joelhos espiando pelo buraco da fechadura. BUM! Dava pra ver certinho o chuveiro. Fred não tinha fechado a cortina. Safado. Será que foi de propósito? J, porra, para de pensar tudo isso, aproveita a vista que daqui a pouco ela acaba. Ele puxou um banquinho pra ficar mais confortável.

"Ahhh esse meu amigo é gostoso demais", pensava J, vendo o Fred ensaboar aquele peitoral definido, acariciar os mamilos, limpar os braços...a água escorria pela cabeleira castanho clara do amigo, J só seguia as mãos de Fred, que ensaboavam agora o abdômen delicioso, magrinho, com uns gominhos em formação...até que ele viu aquelas mãos chegarem mais pra baixo...pegarem no pau...afastar a pelinha...e começar um movimento de vai e vem tão gostoso que Fred fechava os olhos, a água caindo pelo seu corpo, o gemido baixinho, hmmmm, hhmmmm. Ele passou mais sabonete líquido nas mãos e acelerou o vai e vem, a cabecinha toda vermelha, os dedos deslizando pela extensão toda daquele mastro lindo que fazia J babar. Até que Fred passou de novo sabonete nos dedos, mas...ao invés de se punhetar, ele começou a enfiar, um a um, os dedos no seu botãozinho. Com a outra mão, ele continuava a tratar o pau.

WTF!! Aquilo era demais para J. O Fred, seu bromance da faculdade quase toda, estava se deliciando no prazer anal, a menos de 2 metros do J. J tirou os shorts do pijama, a cueca, colocou-se de lado para deitar um pouco o corpo e continuar espiando, e pegou no seu cacete que já estava todo babado. Com o pré-gozo ele lambuzou o resto do pau e começou a bater uma devagarinho, até a cabecinha sair totalmente da pele, enquanto espiava o amigo se punhetando e enfiando o segundo e depois o terceiro dedo no cuzinho. Veemmmmm Fred, J murmurava baixinho, vemmm meu gostoso, J estava mesmo com vontade de entrar no banheiro e cair de boca naquele instrumento perfeito do Fred, mas não tinha manha pra isso não. O máximo que ele fez foi aumentar o volume dos gemidos, já que o amigo estava debaixo do chuveiro. E...por que não?? Ele cuspiu nos dedos, lambuzou-os bem, e, pela primeira vez na vida, enfiou-os no seu buraquinho peludo (sim, J é peludo, pra quem não lembra). E começou a sincronizar a punheta e a dedada com o Fred: quando ele enfiava, J enfiava também, quando ele colocava mais um dedo, J colocava também, o ritmo do vaivém no pau também estava em sintonia. Quando Fred começou a acelerar o movimento e a gemer um pouco mais alto, J fez o mesmo, e o gozo dos dois veio praticamente junto. AAHHNNNHHNN CARAAALHOOOO FRED, J até tapou a boca, acho que Fred não ouviu, mas aquela gozada que ainda estava rolando estava boa demais. Os jatos voaram, bateram na testa e até no cabelo preto de J (porra, como vou disfarçar isso, pqp, pensava ele), e lá dentro, separado apenas pela porta, Fred também jorrava seu leite pelas paredes do box, num transe tão gostoso de ver que o cuzinho de J piscava adoidado querendo mais. Ainda se recompondo daquele orgasmo fenomenal, J se apressou para se limpar da melhor maneira possível, se arrumar e deitar na cama, e fingir que nada aconteceu. "Quem sabe", pensava ele, "em Berlim não damos um passo a mais?".

*

"J? Ou...J?", Fred encarava o amigo estalando os dedos. J voltou a si, ao quarto do hotel, ao ambiente onde seria sua noite de núpcias dali a algumas horas, e se viu encarando os olhos meio esverdeados do amigo. "Oi, ahn?", "Você estava pasmando, cara", "Ahn..é, ahn...deve ser o nervosismo do casamento, cara", "Imagino!! Chegou o grande dia, né, J?", "pois é Fred, chegou". Dando os últimos ajustes no alinhamento da gravata, Fred sentenciou: "Pronto, cara, agora você está perfeito", e colocou um sorriso matador no rosto. Num movimento automático, os dois se abraçaram. E não imaginem um abraço de leve e tapinha nas costas não, gente. Foi um senhor abraço, desses que só amigos de verdade sabem se dar. Ao se afastarem, os dois ficaram vermelhos ao constatarem que os olhos de ambos estavam marejados. "Bora te casar, J?", "Bora, Fred!”, respondeu J, “Bora me casar". E as lágrimas correram pelos rostos de ambos.

Às vezes o não dito tem mais peso do que o dito. Nenhum dos dois precisou dizer, mas é claro que os quase 13 anos de amizade passaram diante deles naquele momento, e AH, como eles gostaram do que viram. Tampouco ninguém precisou dizer que a gaveta que eles tinham fechado há 10 anos, lá em Berlim, deu uma chacoalhada violenta ali. O que fazer?, pensava J. "Fácil", ele mesmo respondeu mentalmente, e pegou uma "chave imaginária" e trancou de vez qualquer sentimento mais profundo pelo amigo, como haviam se prometido depois daquela balada berlinense.

*

Aproximadamente cinco anos se passaram desde o casamento de J quando a gaveta voltou a tremer. Foi quando J foi à maternidade visitar o filhinho de Fred, que tinha nascido no dia anterior. "Olha, J, esse meninão aqui", dizia Fred todo babão, enquanto a esposa dele estava dormindo pesadamente na cama. "Fred, lindão mesmo, mas não tinha como não ser né hahaha", falou J, "e po, nascer justo ontem...", "Hahaha pois é. Eu adorei, sabia? Meu filho e meu melhor amigo fazerem aniversário no mesmo dia, que coincidência, né?", e os dois se olharam sorrindo, "aliás, a gente comprou um presente pra você, deixa eu pegar lá".

*

J não dá tanto valor a coincidências, eu também não. Às vezes nos apegamos demais a meros acontecimentos, a aleatoriedades da vida, como se elas quisessem "dizer algo mais". Às vezes, queremos acreditar tanto no "algo mais" que depositamos nas coincidências um peso demasiado. Por isso, prefiro acreditar que as coisas podem acontecer ao acaso, sim, dentro das probabilidades do cotidiano, e que isso não é nada demais.

*

[Nota do autor]

Alguma coisa deve ter escapado da gaveta nesse último chacoalhão, pois fui tomado por um desejo que há muito estava adormecido. Foi nesse contexto que busquei um alívio aqui na CDC - não quis cair na besteira de me afundar em sites de vídeo pornô, o texto sempre me excitou - e continua me excitando - mais. Foram quase 8 meses de jornada aqui no site, tempo em que tive acesso a textos maravilhosos em todos os sentidos, de autores fodas e com muito talento, capacidade e dedicação. Até me inspirei para voltar a escrever - quando menos vi, já foram, contando com esse, 12 contos. E olhem que eu não escrevia desde o colégio!

Agora, meus caros, é tempo de tentar recolocar o que escapou da gaveta de volta dentro dela. O que me motivou a tomar essa decisão? Digamos que foi uma coincidência que fugiu das probabilidades cotidianas, e que me fez repensar o que passei e o que eu quero passar daqui pra frente.

Adorei esse tempo que passei aqui, agradeço do fundo do coração quem leu, quem curtiu, quem comentou meus textos, quem me inspirou. Vocês são foda! Pensei se eu deveria excluir o meu perfil para ajudar nesse processo de fechar a gaveta bem fechadinha, mas achei melhor não, fiquei apegado às minhas criações rs (arrogante né? haha). O que vai acontecer é que vou passar menos tempo aqui, com certeza vou escrever menos, mas duvido que eu consiga sumir. Então não se surpreendam com comentários desse autor em alguns contos - e mesmo algumas publicações novas, vai saber -, e tampouco se decepcionem se eu não comentar nada, tudo vai depender do quanto passarei a frequentar a CDC daqui pra frente.

Obrigado a todos, mesmo!

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 66 estrelas.
Incentive Jota_ a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Loirinha gostosa

Olá, Jota_, fiquei feliz com teu comentário no meu. É sempre uma delicia ler teus contos. Este não foi excessão, uma bela história. Espero que volte a escrever. Bjus.

0 0
Foto de perfil de Jota_

Obrigado Loirinha! Quem sabe eu volte 😉

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Jota_

Obrigado, Mr. Love! Que legal que o texto atraiu e agradou mesmo um autor de contos hétero 😊

1 0
Foto de perfil genérica

Jota, porque paraste de escrever?

0 0
Foto de perfil de Jota_

É uma longa história! Hahaha não cabe aqui nos comentários, envolve umas histórias meio malucas. Mas terei o maior prazer de te contar melhor fora daqui 😜

0 0
Foto de perfil genérica

Gostaria e saber dessas histórias meio malucas também.

0 0
Foto de perfil genérica

Não vai ter o "conto da volta"? Estou esperando 🤭🤭🤭🤭🤭🤭🤭

0 0
Foto de perfil de Jota_

Hahaha...pra voltar tem que ter novas inspirações. Quer tentar? Hahahah 😜

0 0
Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

O (PH) e Apolo988, são a mesma pessoa, sou novinho ainda so tenho 23, obrigado por seu incentivo!

Perto de você nem sei escrever! Rsrsrsrs

0 0
Foto de perfil de Jota_

Cara, não fala essas coisas, meu pau aqui deu até uma pulsada hahahah!

Se quiser conversar melhor, tô no cdcanonym@tutanota.com 😉

0 0
Foto de perfil genérica

Me desculpa, não sei o que é CDC!

0 0
Foto de perfil de Jota_

É a Casa dos Contos! Rs

Meu email é esse que eu passei aí em cima

0 0
Foto de perfil de KyreD

Muito bom, mas esse negócio de gavetinhas, não deu certo comigo, tive recentemente q desintegrar o armário(ia dar bosta ficar guardando meus sentimentos sem processa-los devidamente), depois tranquei o amor em algum lugar fundo na minha cabeça. De vez em qnd ainda o ouço sussurrando, dou um grito mental e mando ele calar a boca. 😃 #loucura

Ta difícil arrumar um tempo pra mim gozar em paz😐

1 0
Foto de perfil genérica

Garanta tempo pra gozar. Não abra mão disso. É essencial pra saúde mental. Beijos nas suas cabeças.

2 0
Foto de perfil de Jota_

Vem cá que eu te ajudo a gozar em paz 😈

Putaria à parte, se quiser conversar me procura cara! Não sou só sacanagem não hahaha

E sabe de uma coisa? Escrever ajuda. E eu sinto que você (e o PauloPE) têm de tudo pra serem autores excelentes 😉

1 0
Foto de perfil de Solepa

Concordo com o Jota_

Coloca no papel, pelo menos.

Mas, além de tudo, permita-se ser feliz do jeito que tiver que ser.

0 0
Foto de perfil genérica

Ando com a cabeça bem desorganizada, mas tentando arrumá-la. Os contos que tenho lido têm me feito repensar quem eu sou, para além do meu casamento de mais de 35 anos. Claro que essas novas reflexões têm sido acompanhadas de gozadas muuuuuuito boas. E ainda tem o Jota que, mesmo não conhecendo pessoalmente, está me seduzindo pelos contos e comentários. Minha imaginação vai pra o espaço. Muito bom isso!

2 0
Foto de perfil de Jota_

Se quiser ajuda pra organizar suas gavetas, cara...ops, melhor não, capaz de eu jogar tudo pro ar hahaha.

Por que você não tenta escrever? Me ajudou bastante. Tenho certeza que daí sairia coisa muito boa viu.

E não precisa conhecer pessoalmente pra seduzir não hehehe. A imaginação não funciona só presencialmente hehe

0 0
Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível
Foto de perfil de Solepa

Belo conto.

Emocionante.

0 0
Foto de perfil de Jota_

Obrigado!

0 0
Foto de perfil genérica

Mano, não estou conseguindo mandar msg privada. Minha conta está ativa mas não consigo acessar para digitar msg.

0 0
Foto de perfil de Jota_

Tb tava dando pau pra mim, mas voltou faz pouco tempo!

0 0
Foto de perfil de Loirinha gostosa

Maravilha de conto, amei. Me senti viajando junto e vendo o desenrolar das coisas. Está de parabéns! Venha ler os meus. Bjus.

1 0
Foto de perfil de Jota_

Obrigado!! Li seus contos e pqp, adorei também!

0 0
Foto de perfil genérica

E aí, mano? KD a parte três do romance com o Fred? Já resolveram lagar as iludidas e e se comerem? 😈😈😈😈😈😈😈 Seus fãs estão ansiosos aqui.

0 0
Foto de perfil de Jota_

Tá todo engraçadinho...levou uma surra de pica no fds é?

0 0
Foto de perfil genérica

Aqui nada entra, mano. Sabe disso. E o fds foi paradão, na seca.

0 0
Foto de perfil de Jota_

Nada entra até entrar né, mano 😜

0 0
Foto de perfil genérica

Nunca vai entrar, mano. Agora, vc e o Fred, já que os dois enfiam os dedos nos rabos, estão loucos para receber rolas de verdade. Aceitem isso de uma vez e partam pra dentro um do outro.

0 0
Foto de perfil genérica

Jota, pelo amor de Deus não some, tem criança chorando aqui (no caso, eu, um marmanjo). Kkkkk

Parabéns pelo conto! Aliás, por todos os contos. Sua escrita é diferente de tudo que eu li aqui. Ela é gostosa pra um leitor e inspiradora pra um escritor. Falo do ponto de vista dos dois.

Esse final com o Fred me lembrou os contos de outro autor aqui do CDC que li há anos atrás e adorava, infelizmente não me lembro o nome. Com certeza são inspirações, mesmo que inconscientes, para as coisas que eu escrevo. :')

Sempre digo que o tempo é senhor de todas as coisas. Ele põe tudo no seu devido lugar, cedo ou tarde. Então se dê um tempo. Aos poucos as coisas vão se ajeitando nas gavetas, ou saindo delas... Algumas vão e outras ficam, tudo no seu próprio ritmo e indo pra onde tem que ir. E torço para que então você nos agracie com sua presença aqui em forma de conto ou comentário sempre que possível!

1 0
Foto de perfil de Jota_

Hahahah cara! Fica tranquilo que não vou sumir não. Ainda mais de comentar seus contos, que eu corro pra ler assim que saem!

Ler seus elogios foi bom demais viu. Eu fico bobo como deu pra "conhecer" gente bacana demais nesses meus poucos meses de cdc.

E sim, dar tempo ao tempo. Um passo de cada vez. São mantras pra mim hehehe, e quando tenho alguma hesitação me esforço pra lembrar disso.

Muito obrigado pelo carinho cara!!

0 0
Foto de perfil genérica

Opa! Conhecendo você agora, por este conto de despedida. Muito bom! Fiquei curioso com o que tem nas suas gavetas. Epero que vc consiga arrumar tudo. Ou jogue tudo fora, que também é uma opção. Espero que você continue a escrever, se vc tiver vontade. Escrever direito é um trampo danado, e custa... mas a mim também dá muito tesão. Abraços

0 0
Foto de perfil de Jota_

Haha obrigado! Estou arrumando, vai dar certo. Por enquanto tá bagunçado demais pra conhecer hahaha. E não vou sumir, já tô vendo que é difícil diante de tanto texto bom que aparece (os seus inclusive). Escrever é bom demais!

0 0
Foto de perfil genérica

Vamos mudar o "despida" por um "até breve"? Você é muito bom. Suas interações com um certo leitor aí (🤭🤭🤭🤭🤭🤭), em vários contos de autores diversos, são um deleite à parte na CDC. Tenho certeza ambos sentiremos sua falta. Então, que seja um "até breve".

0 0
Foto de perfil de Jota_

E aí cara! Eu volto sim, viu. Valeu pelo elogio! Hahaha e que bom que vc gostava de acompanhar nossas interações nos comentários. Foram todas muito sinceras 😉😈😜

0 0
Foto de perfil de Jota_

Aliás, vocês mineiros viu. Seus conterrâneos mexeram comigo hahah

0 0