Maratona de Sexo 1 1/2

Um conto erótico de Solepa
Categoria: Heterossexual
Contém 616 palavras
Data: 12/10/2023 21:40:00

Já contei que meu primeiro casamento terminou por falta de sexo (ela não gostava).

E dei uma palhinha, em “Entre o Ser, o Estar, e o Querer”, da “Maratona de sexo” que eu e a atual fizemos. Ela sempre foi muito fogosa, a ponto de, antes mesmo de morarmos juntos, transarmos todos os dias durante um mês inteiro. E não era pá pá pá e pimba. Teve banhos de espuma; suítes de motel – indo de carro, de moto, ônibus, ou a pé -; no mato; no banco do carro; na mesa do escritório; no depósito da empresa; na escadaria, corredores e terraço do prédio onde morávamos; na piscina de plástico no terraço; na praia (em plena luz do diaTeve acompanhamentos, como sorvete; refri gelado; chocolate quente; frutas (morango e banana) temperadas na sua “grutinha”.

Aos detalhes . . .

Eu estava separado há quase dois anos, e morava relativamente perto do serviço. Sozinho.

Ela falou para os pais que ia fazer um “bico” como cuidadora de uma idosa por algum tempo, à noite. Com algumas exceções teria que passar o dia todo. E foi num desses dias, que fui trabalhar de carro para poder “almoçar” em casa. O calor daquele dia me deu a ideia de levar sorvete para sobremesa. Comprei pistache e hortelã. Ela me esperava na porta, usando apenas uma camisa comprida, sem nada por baixo, e somente o botão abaixo dos seios fechado.

Trocamos um beijo ardente na entrada, e fui logo tomar um banho. Saí pelado, e ela já me esperava deitada, com o camisão todo aberto, e os seios à mostra. Iniciamos com longos e deliciosos beijos, enquanto trocávamos carícias por todo o corpo, dando toques especiais nas genitálias. Dei uma mamadinha nela, mordiscando os mamilos. Coloquei um pouco de sorvete na boca, e voltei a mamar, provocando-lhe arrepios e calafrios por todo o corpo. E assim fui comendo o sorvete pelo seu corpo. No peito, no umbigo, nas coxas . . . depois foi a sua vez, mas fez diferente. Colocou o sorvete nos meus peitos, e, com a boca em um, chupava e mordiscava o mamilo, e no outro com a mão, espalhava o sorvete, beliscando o mamilo, o que me fazia arrepiar todinho. Demorou-se por ali uns instantes, e depois colocou sorvete na cabeça do meu pau, e logo abocanhou, antes que ele murchasse com aquele gelo. Os sabores que escolhi deram um toque todo especial de extremo frescor. Me virei de lado e ela também se deitou de lado, e iniciamos uma das mais eletrizantes 69 da nossa vida. Eu enfiava sorvete na sua xaninha, e catava tudinho com a língua, chupando até a última gota. E ela fazia o mesmo com meu pau, chupando desde a cabeça até os ovos. Lambia tudinho sem deixar nenhum vestígio de sorvete.

Lambi seu cuzinho com bastante sorvete, também. Enfiei o dedo anelar ali, e o médio e indicador na xaninha, enquanto chupava e siriricava o clitóris com a língua, a fazendo estremecer. Em poucos instantes ela começou a retesar o corpo, anunciando o gozo. Aumentei a intensidade dos meus movimentos, até que seu corpo convulsionou e estremeceu todo, com muitos espasmos, intercalados por retesamentos. Então, de súbito, empurrou minha cabeça, segurou minha mão, e ficou inerte por instantes. Até a boca parou de me chupar. Aos poucos foi relaxando, e tirou minha mão das suas genitálias, tendo vários chiliques e arrepios. Deu leves chupadas e lambidas no meu pau só para limpar a baba (mistura de sorvete, saliva, e melzinho), e atirou-se de costas ao meu lado.

Tomei banho e fui trabalhar. Passei a tarde nas nuvens, só lembrando da 69 de antes, e imaginando como seria o segundo ato, logo mais à noite.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 21 estrelas.
Incentive Solepa a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de SolepaSolepaContos: 23Seguidores: 37Seguindo: 1Mensagem Não sou assinante. Só me comunico por aqui ou por e_mail. Sou homem branco, cabelo curto e grisalho. 1,69m, 50kg. Passando uma beirinha dos 60. . . . sou um cara certinho, que resolveu desafiar a física, a moral e a ética, e sair da linha . . . trôpego, desorientado, confuso, mas com muita vontade de ultrapassar alguns limites e romper barreiras - de preferência sem machucar ninguém -. Podendo até ser infiel, mas com lealdade aos que me rodeiam e confiam em mim. Seguindo essa linha, e considerando que me situo entre a Androginia e a Bissexualidade, estou disposto a experimentar alguns prazeres distintos.

Comentários

Foto de perfil de Yumi Submissa

Criatividade faz toda diferença. E, pelo que li nos seus contos até agora, criatividade não te falta. Só lamento que o fogo dela tenha apagado. Mas é nosso destino né?

Todos nós apagaremos um dia. Feliz aqueles casais que apagarem ao mesmo tempo de modo que o sentimento de falta não esteja presente

1 0
Foto de perfil de Solepa

Valeu pela leitura e pelo comentário.

Como sempre com palavras muito suaves.

Sim. Muita criatividade. E ela sempre me acompanhou, mas a iniciativa de conhecermos a praia naturista foi dela . . . hehe . . .

0 0
Foto de perfil de Loirinha gostosa

Olá, fiquei feliz com teus comentários. Li este, super excitante por sinal. É uma delícia quando se tem um parceiro que gosta da coisa. Bjus.

1 0
Foto de perfil de Solepa

Valeu.

Sempre fomos muito fogosos, até ela entrar na menopausa (pior que não quis tratamento).

0 0