""NÃO É GAY, É APENAS SEXO"". Meu cunhado e eu aprendemos a nos satisfazer. 2

Um conto erótico de Fuckme
Categoria: Homossexual
Contém 4261 palavras
Data: 12/10/2023 14:38:20

"Droga, cara", eu disse levemente. "Como você mantém essa coisa escondida?"

"Não é fácil", ele respondeu enquanto se sentava. "Mas você vai me ajudar com isso, certo?"

Em resposta, ajoelhei-me entre as pernas musculosas dele e coloquei a cabeçona do seu pauzão grosso na boca.

"Aaaaah, é isso... Huuuuuuuuum que deliiiicia aaaaaiiiiihhh", ele gemeu.

Por causa do tamanho e da curva do seu piruzão, não consegui colocar muito mais do que a cabeçona inchada e cerca de um centímetro do seu eixo na minha boca. Porque ele já estava segurando seu piruzão, seu prepúcio já estava enfiado sob a crista de sua coroa e eu usei minha língua para brincar ao longo da borda sensível. Sabendo o que gosto quando fico com a cabeçona pulsando na boca, usei uma mão para acariciar o comprimento restante de seu eixo grosso, enquanto a outra mão começou a brincar com suas enormes bolas peludas e pesadas. Proporcionalmente ao tamanho do seu caralhão gigantesco, elas eram igualmente grandes. Elas pesavam na minha mão e me perguntei se era devido ao tamanho ou ao acúmulo de líquido reprodutor nelas.

"Oooooooh Trabalhe esse maldito pauzão, huuuuuuuuum que boquinha delicioooosa e quentinha oooooooh", ele disse suavemente. "Pooooorra, Não vou durar muito se você continuar assim. Huuuuuuuuum Já faz tanto tempo que nada aconteceu comigo, exceto minha mão, tocou nele, me sinto como um adolęscente de novo. Oooooooooooh tesão do caraaaaaaaaalho, iiiiiisso, assiiiiiiiiiim oooooooh mame esse caralhão grande e grosso oooooooh"

Eu puxei minha boca, mas continuei usando minhas mãos nele. "Huuuuuuh Eu chupei você naquele fim de semana Jefferson. Não faz tanto tempo, hum?"

"Poooorra Isso foi há mais de um mês cara e desmaiamos antes de qualquer um de nós gozar."

"Oh."

"Na verdade, não gozei desde antes disso."

"Caramba cara." Fiquei chocado ao ouvir isso. "Nem mesmo se masturbando?"

"Não. Só tenho uma chance quando a família não está em casa. Amélia não gosta que eu faça isso."

A necessidade era palpável em sua voz. Não querendo fazê-lo esperar mais pela liberação, voltei minha boca para seu pauzão necessitado e o ouvi respirar fundo de satisfação. Enquanto eu trabalhava em seu piruzão latejante, eu estava consciente e respondia aos sons de prazer que ele fazia. Não por pena, mas pelo desejo de fazê-lo se sentir bem, fiz tudo o que pude para prolongá-lo. Logo senti seu caralhão inchar mais e ficar incrivelmente mais duro ao primeiro sinal de seu orgasmo iminente.

"Meu Deeeeus oooooooh Estou quase lá cara, assiiiiiiiiiim oooooooh me faz feliz por favoooooooor oooooooooooh", disse ele um momento depois. Sua respiração estava pesada e sua voz era firme e dominante de uma forma que eu nunca tinha ouvido antes. "Oooooooooooh Porra, chuuuuuuuupe meu pauzão, huuuuuuuuum engole gostoso oooooooooooh mame gostosinho igual a um bezerrinho huuuuummm."

À medida que continuei trabalhando seu pauzão monstro, o pequeno fluxo constante de pré-sêmen saindo de sua cabeçona pulsante aumentou. Logo estava borbulhando, disparando em pequenos jatos. À medida que se misturava com a minha saliva, engoli facilmente.

"Huuuuuuuuum Porra, siiiiiiiim. Coma esse suquinho de pau. Oooooooh" Jeff soltou um gemido alto que eu tinha certeza que qualquer pessoa de fora da vizinhança seria capaz de ouvir. Ele colocou uma mão pesada na minha cabeça, me firmando enquanto começava a empurrar seu varão necessitado e latejante para dentro da minha boca. "Huuuuuuuuum Vou lhe dar um bocado de coisas boas em um minuto. Oooooooooooh continua huuuuuuh que tesão cara assiiiiiiiiiim, chupa gostooooso huuuuuuuuum"

Foi então que pensei no que fazer com a carga dele. Eu nunca tive a intenção de engoli-lo, planejando deixá-lo gozar no chão. Agora percebi que não havia como fazer isso acontecer sem tirá-lo do momento. Se eu parasse no último momento, ele acabaria atirando em si mesmo por causa da curva do seu pauzão envergado. A única coisa que pude fazer foi colocar na boca e cuspir depois.

Jeff respirou fundo. "OOOOOOOOOOOH POOOOORRAAAAA. TÃÃÃÃÃO PEEEEERTO. QUASE LÁ HUUUUUUUUUM."

Imediatamente, um fluxo espesso deixou seu piruzão monstro com uma força tão poderosa que pensei que ele tivesse começado a mijar na minha boca. Atingiu o céu da minha boca e se espalhou, cobrindo tudo densamente. Eu me preparei para outra rajada, mas nada aconteceu.

"Caraaaaaaalhooo, Espero que você esteja pronto", ele anunciou. " PUTA QUE PARIIIIIIIU, OOOOOOOOOOOH MEU DEEEEEEEUS, AÍ VEEEEEEEM. TOOOOOMAAAA OOOOOOOOOOOH"

Foi então que percebi que antes tinha sido uma injeção de pré-gozo. O mais rápido que pude, usei a minha língua para limpar a minha boca e a sua picona necessitada o melhor que pude e estava a engoli-la quando o seu orgasmo me atingiu. Senti o cabeção do seu caralhão de cavalo inchar ainda mais na minha boca, enquanto um jato mais espesso e poderoso do que o que eu havia sentido antes deixou seu canal de mijo. O local onde atingiu o céu da minha boca permaneceu dolorido por horas devido à força sustentada. Por dois segundos inteiros, minha boca se encheu de sua porra grossa, quente e cremoa. Como uma arma, senti seu piruzão latejante recuar e engoli rapidamente o máximo que pude enquanto seu eixo recarregava. Seu próximo tiro, embora não tenha durado tanto, foi igualmente forte e poderoso. Enquanto eu estava engolindo, seu piruzão monstro descarregou pela terceira vez, enchendo completamente minha boca de espermas fartos como uma tigela de mingau quente. Seu cacetão latejou vomitando restos do seu sacão inchado e eu estava com minha boca entupida de porra reprodutora.

"OOOOOOOOOOOH SIIIIIIIIIIIM. AAAAAAAAAAAAAHH ENGULA ESSA MERDA UUUUUNNNNNGH CARAAAAALHO", ele ordenou enquanto seu pauzão grosso atirador se liberava novamente.

Foi o último tiro poderoso de seu caralhão, mas pude senti-lo continuar a pulsar enquanto um fluxo constante de gozo fluía para minha boca. Com o volume de sua ejaculação reduzido, finalmente consegui limpar a boca. Quando seu orgasmo finalmente diminuiu, continuei com a boca em seu cacetão de cavalo garanhão, passando do prazer para a limpeza.

"Puta meeeeeeeeerda oooooooooh meu Deeeeeeeus Porra, isso foi bom pra caraaaaaalho cara, jesuuuuuuus", disse ele sem fôlego.

Quando nada mais vazou de sua cabeçona, parei surpreso por ele ainda estar duro. "Oh Porra, Quanto tempo leva para você amolecer?" Eu perguntei enquanto me levantava com a intenção de sentar ao lado dele. Fiquei surpreso quando ele agarrou meus quadris e me puxou para perto.

"Normalmente bem rápido", disse ele enquanto abria o zíper do meu short. "Mas minhas bolas ainda estão cheias."

Eu disse rapidamente: "Não posso fazer isso de novo. Meu queixo está dolorido demais Jefferson".

Jeff riu enquanto puxava meu pau e começava a acariciá-lo. "Desculpe. Acho que é a minha vez."

"Você não precisa."

"O inferno que eu não. Você tá duro como o inferno. Eu não posso deixar você assim pô."

Eu engasguei quando ele levou meu pau em sua boca. Eu não conseguia acreditar como era bom. Não apenas o boquete, mas também ter sua mão poderosa em mim. Eu podia sentir as cócegas de sua barba e bigode em minha pele e gemi com as sensações que tomavam conta de mim. Ele assumiu o controle do meu corpo facilmente, trabalhando meu pau como se já tivesse feito isso antes e soubesse o que fazer. Contra os sons dele a chupar a minha pika, pude ouvi-lo a cerrar os punhos e senti o movimento rítmico do seu corpo contra mim. Por causa da minha excitação já elevada com esse encontro, não demorei muito para chegar ao meu limite. "Uuuuunnnnngh Eu vou gozaaaar", eu sussurrei. Tentei me afastar, mas ele me agarrou com força, me segurando em sua boca. Percebendo que ele pretendia engolir minha carga, gemi: "Ooooooh, meeeeerda. Assiiiiiiiiiim Aaaaaaaaaaaaahh" Não muito depois eu estava fazendo isso. Nem perto do volume dele, Jefferson engoliu facilmente tudo o que surgiu. Quando estava terminando, ouvi ele gemer abafado ao redor do meu pau e senti um líquido quente atingindo minha perna enquanto seu caralhão grosso descarregava pela segunda vez. No momento eu não me importei com a bagunça quente escorrendo pela minha perna como se fosse mijo de tanta porra, no auge do meu orgasmo.

"Cacete cara, Isso foi muito quente huuuum puta meeeerda, que delícia foi isso jesuuuuuuus", disse ele depois de me soltar.

"Uaaau, Realmente foi Jefferson, pooooorra." Olhei para baixo e o vi brincando com seu caralhão grosso murchando. Meus olhos se moveram para minha perna e vi o luar refletindo em sua grande carga de esperma espessa descendo por ela. "Puta que pariiiiiiiu Jefferson, Você tem que cuidar disso com mais frequência. Tem esperma cremoso pra caraaaaalho por toda parte... e essa foi sua segunda vez em menos de 10 minutos!"

"Desculpe cara", ele disse timidamente. "Espero que isso não seja mais um problema."

Não foi. Começamos a servir um ao outro regularmente. Às vezes era apenas uma punheta, enquanto assistíamos a um jogo. Outras vezes, chupávamos um ao outro sempre que conseguíamos um pouco de privacidade. Não passou uma semana sem que brinquemos com os paus um do outro.

Surpreendentemente, descobrimos que o sexo com nossas esposas também melhorou. Meu tempo com Jefferson sempre foi seguido por uma ótima sessão com Kátia. Pode ter sido a necessidade de afirmar minha masculinidade, mas acho que não.

Como Jefferson estava agora fisiologicamente saciado, ele descobriu que Amélia era mais receptiva a encontros íntimos. Eles ainda não fizeram tanto sexo quanto ele queria, mas, comigo, ele estava gozando mais do que no ano passado.

"Oooooooh Merda, cara", Jefferson disse com a boca em volta do meu pau. "Você está melhorando muito nisso, huuuuuuuuum."

"Poooorra e você tá ótimo também jeff." Estávamos na minha cama, deitados de lado, nos chupando. Nossas esposas tinham levado as crianças para passar o dia, então naturalmente aproveitamos a oportunidade para cuidar um do outro.

"Ooh Siiim, mas você está colocando mais do meu caralhão envergado na boca." Ele começou lentamente a empurrar seus quadris contra mim, movendo um pouco de seu comprimento para dentro e para fora da minha boca.

Na tentativa de impedi-lo de ir muito fundo, movi minha mão para baixo de seu eixo largo para segurar suas bolas pesadas e pressionar contra ele. Ao fazer isso, meus dedos alcançaram embaixo dele e acidentalmente roçaram seu buraquinho. Jefferson grunhiu em resposta. Ele puxou seu piruzão monstro para fora da minha boca, pressionando com mais força contra meus dedos que ainda estavam presos entre suas bochechas.

"Desculpe", eu disse rapidamente enquanto puxava minha mão.

Ele tirou meu pau e olhou para mim com um sorriso envergonhado. "Ooooh Não, cara, isso é muito bom. Continue brincando com minha bunda."

Hesitante, voltei minha mão para sua bunda enquanto colocava seu piruzão latejante de volta em minha boca. Eu lentamente passei um dedo ao longo de sua fenda peluda e suadinha, o provocando enquanto o chupava. Eu nunca tinha brincado com um cuzinho antes, então não sabia exatamente o que fazer. Meu método nada mais era do que mover lentamente meu dedo para frente e para trás entre suas bochechas firmes e cabeludas. Depois de alguns minutos, ele gemeu e nos rolou de modo que ficou de costas na cama e eu em cima dele. No movimento, meu dedo pressionou contra seu buraquinho apertado e enrugadinho e eu o senti me chupando necessitado com um gemido excitado. Tomando isso como um bom sinal, comecei a me concentrar mais nisso. Agarrando cada uma de suas bochechas com a mão, usei meu dedo médio para brincar com o anelzinho rosadinho apertado e fui recompensado com outro gemido rouco e abafado no meu pau. Porque minhas mãos não estavam mais em seu piruzão, minha boca estava tendo dificuldade em acompanhar suas estocadas e a saliva começou a escorrer por seu eixo. Ver o fluido me deu uma ideia. Molhei meu dedo com ele e comecei a brincar novamente com seu buraquinho piscante. Lentamente, pressionei contra ele e senti abrir-se com relutância para mim. Mal cheguei ao primeiro nó do dedo, quando seu piruzão monstro inchou e ele empurrou para cima com força.

"Oooooh, meeeeerda que delícia huuuuuuuuum", Jefferson disse em torno do meu pau ainda em sua boca. Ele soltou um longo gemido quando seu caralhão latejando explodiu fortemente como um hidratante.

Tentei, inutilmente, manter meus lábios em volta dele enquanto ele continuava a foder na minha boca vomitando jatos de esperma cremoso. Sua carga vazou pelas laterais e desceu por seu eixo latejante enquanto eu tentava segurar seu corpo resistente. Somente quando seu orgasmo diminuiu é que eu consegui. Foi nesse momento que percebi que todo o meu dedo havia entrado em seu cuzinho apertadinho e quentinho.

"Oooooooooooh Droga, caraaaaalho isso foi bom pra cacete huuuuuuuuum", disse ele depois de soltar um suspiro explosivo.

"Então você gosta de brincar com sua bunda?" Mexi o dedo que ainda estava atolado em seu cuzinho piscante.

Ele riu. "Porra, Acho que sim. É a primeira vez que alguém faz isso. Você já brincou com sua bunda?"

"Não. E antes que você tenha alguma ideia, acho que não estou pronto para isso."

"Eu só estava pensando, não oferecendo." Com meu dedo ainda em seu cuzinho aconchegante, ele nos rolou e ficou em cima de mim. "Mas posso dizer que foi definitivamente um dos melhores orgasmos que já tive."

"Bom para você", eu disse enquanto ele colocava meu pau na boca e me levava ao meu próprio orgasmo.

Jefferson não conseguia brincar o suficiente. Sempre que estávamos juntos, se tivéssemos tempo suficiente, ele queria. Passamos da inserção de um único dedo para a capacidade de colocar três nele e até foder com os dedos. No processo, descobrimos sua próstata e a sobrecarga orgástica que ela produzia.

"Às vezes ainda não consigo acreditar que estamos fazendo isso", disse Jefferson com um gemido manhoso.

Ele estava relaxado no meu sofá, com a bundona musculosa e cabeluda pendurada para o lado. Eu estava de joelhos entre as pernas dele no chão com três dedos fodendo seu cuzinho enrugadinho e sedento enquanto o chupava. Parecia uma coisa natural de se fazer quando fiz isso pela primeira vez e rapidamente descobri que ele não só gostava, mas também achava quente. Substituí minha boca pela mão livre, acariciando-o lentamente enquanto falava. "Eu não posso acreditar que seu piruzão é tão grande, parece um cacetão de cavalo garanhão de verdade."

"Você também não é tão pequeno." Ele se esticou para agarrar meu pau latejante e começou a acariciá-lo. "E o seu parece melhor que o meu. Olhe essa maldita maçaneta."

Meu cano quase reto de 17 centímetros era encimado por um capacetão que era significativamente mais largo do que o resto do meu eixo. "Não importa a aparência quando você dirige o mais fundo possível", retruquei.

"Siiiiim, mas quando você encontra alguém, aposto que eles sabem disso."

Dei de ombros sabendo que era verdade. Mesmo agora, quando Kátia e eu fazíamos sexo, ela adorava a sensação da cabeçona do meu pau inicialmente a abrindo.

Continuei a trabalhar lentamente seu eixo com uma mão enquanto a outra entrava e saía de seu cuzinho apertadinho e sedento. Olhando para baixo, fiquei paralisado ao ver seu buraquinho se esticando e flexionando em volta dos meus dedos. Molhado e escorregadio por causa do cuspe que usei como lubrificante, ele brilhava convidativamente.

Jefferson deu um puxão um pouco mais forte no meu pau e, pensando que ele queria uma pegada melhor, ajustei minha posição me aproximando dele. Ele mudou a mão fazendo meu pau roçar em seu buraquinho dilatadinho ocupado. Ao fazer isso, ele se empurrou mais fundo em meus dedos.

Sem pensar muito nisso, me inclinei e o coloquei em minha boca novamente. Eu tinha acabado de encontrar um bom ritmo quando ele me puxou novamente. Aproximando-me, a cabeçona do meu pau lutou por espaço com meus dedos em seu buraquinho piscante e sedento. Eu o senti pressionar contra mim, enfiando meus dedos mais fundo enquanto ele esfregava meu pau em sua abertura necessitada. Levantando meus olhos, eu o vi deitado ali com os olhos fechados enquanto ele continuava a mover meu pau em seu buraquinho. Levei um momento de luta interna antes de arrancar seu pauzão da boca e tirar meus dedos de sua bunda. Quase imediatamente ele posicionou meu pau em sua abertura virgem e necessitada e começou a empurrá-lo. Olhei para baixo e me pressionei hesitantemente contra ele. Eu esperava que ele protestasse, mas vi a cabeçona do meu pau lentamente abri-lo e desaparecer gradualmente. Quando seu anelzinho rosadinho e apertado caiu em volta da minha coroa, nós dois soltamos um gemido alto e rouco. Eu nunca tinha sentido nada tão apertado, quente e aconchegante como ele e meu pau ficou mais firme à medida que me aprofundava nele. Quando bati em sua próstata, ele soltou outro gemido prazeroso e eu vi seu piruzão cavalar cuspir uma espessa bola de pré-gozo. Não demorou muito para eu me enterrar profundamente nele. Parando por um momento, permaneci imóvel apreciando a sensação do meu pau latejante dentro do canal quente e apertadinho dele. Eu nunca tinha feito sexo anal com ninguém, então esta foi a primeira vez para mim. Lentamente, me afastei com a intenção de começar minha foda. Quando a cabeçona pulsando do meu pau se arrastou sobre sua próstata novamente, Jefferson gritou uma série de obscenidades, quando seu caralhão inflado começou a disparar involuntariamente. Com seu piruzão latejante arqueado em seu abdômen, sua carga cremosa se acumulou densamente em seu estômago, eventualmente transbordando e escorrendo pelos lados. Impulsionado por assistir seu orgasmo e sentir seu espasmo na bunda ao redor do meu pau, Eu coloquei meu pau de volta nele quando comecei a descarregar jatos seguidos e fartos de esperma cremoso dentro dele. Eu não podia acreditar que com apenas duas estocadas violentas eu estava acabado.

Depois que meu pau se acalmou e recuperei o fôlego, me afastei dele com cuidado e fui ao banheiro para me limpar. Quando voltei, Jefferson havia sumido. Não tive notícias dele até a noite seguinte, quando ele me enviou uma mensagem de texto.

"Estamos bem?"

"Eu estou, se você estiver", respondi.

Demorou alguns dias para não ficarmos constrangidos um com o outro e um pouco mais para voltarmos a jogar. Não querendo assustá-lo, fiquei longe de sua bundona musculosa e deliciosa quando nos acariciávamos ou chupávamos e ele não pedia por isso.

"Foda-se", disse Jefferson, frustrado. Ele me arrastou de costas na cama e subiu em cima de mim, montando em minhas pernas. "Poooorra cara, Ter seu pau na minha bunda foi ótimo."

Fiquei ali em estado de choque enquanto ele alinhava meu pau e lentamente se empalava nele, gemendo prazeroso e rouco a cada centímetro invadindo seu cuzinho aconchegante.

Já se passaram quase dois meses desde que meu pau esteve em seu cuzinho quentinho e apertadinho e não havia nenhuma indicação de que isso aconteceria.

Assim que ele se acomodou no meu colo pentelhudo, Jefferson não perdeu tempo e começou a me montar e rebolar. Inclinando-se para trás, ele colocou as mãos na cama para se apoiar enquanto subia e descia freneticamente. Ao fazer isso, seu grande caralhão de cavalo balançava para cima e para baixo, jogando pré-gozo sobre mim, ele e a cama.

Ao observá-lo, minha própria excitação cresceu. Não apenas pela fricção no meu pau, mas por assistir sua exibição sexual sem reservas. Eu já o tinha visto em êxtase muitas vezes, mas isso não se comparava à visão de seu corpão peludão e musculoso dando prazer no meu pau. Por vontade própria, minhas mãos alcançaram os pequenos mamilos rosadinhos e bicudinhos que apareciam em meio à massa de pelos encaracolados e escuros do peitoral e começaram a beliscá-los e puxá-los da mesma maneira que brincava com os de Kátia, quando ela estava me montando. Meus quadris começaram a subir e descer lentamente para encontrá-lo. Meu pau latejava freneticamente e estava adorando a sensação do seu cuzinho apertadinho e aconchegante.

"Uuuuungh siiiiiiim aaaahhh Oooooh, meeeeerda, cara oooooooh", ele gemeu como um animal no Cio desenfreadamente. "Aaaaaaaaaaaaahh assiiiiiiiiiim É isso huuuuuuuuum. Foooooooda-me pooooorra oooooooh Deeeeeeeus uuuuungh."

Ouvir isso era tudo que eu precisava. Abandonando todas as reservas que eu tinha, comecei a investi-lo com seriedade FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP socando profundamente meu pau num ritmo constante FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP enquanto ele gemia alto e xingava palavras obscenas de prazer FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP...

Apesar de tudo o que havíamos feito antes, este foi o momento mais íntimo que nós dois já compartilhamos. Não era sobre amor ou qualquer coisa remotamente emocional. O que estávamos experimentando era uma diminuição das nossas inibições, expondo os nossos desejos sexuais. Apesar de aproveitar meu tempo com Jefferson, eu estava constantemente preocupado em “virar gay”. Mas neste momento, concluí que não seria gay se não fosse eu quem implorasse por pau. Meu melhor amigo, meu cunhado precisava de algo de mim e fiquei muito feliz em dar a ele. Não porque eu simplesmente teria um ótimo orgasmo, mas porque pude ver o quanto ele estava gostando.

Enquanto ele saltava firmemente sobre mim, Jefferson continuou a gemer como um animal e a lançar palavras de merda. Seu piruzão gigantesco e pesado, estava vermelho e parecia mais inchado do que o normal e o prepúcio estava totalmente retraído, puxando firmemente os lóbulos de sua cabeçona e abrindo seu buraco peniano. Um fluxo espesso e opaco de pré-sêmen fluía da ponta. A maior parte descia por seu eixo grosso e latejante, mas ocasionalmente seu caralhão de cavalo pulsava e enviava um tiro que era arremessado e pousava em uma superfície aleatória. Seus músculos flexionavam e inchavam conforme ele se movia e ele estava coberto por uma fina camada de suor.

Mesmo nesse estado, pensei que ele era o epítome da masculinidade. Minhas mãos começaram a explorar a área ao redor de seus mamilos sensíveis, brincando com seus peitorais peludos e abdômens tensos. Sempre tive inveja de seu corpão maior e pela primeira vez na vida senti abertamente os músculos que invejava.

“Oooooooh Estou tããããão perto”, ele finalmente avisou. "Pooooooorra Foda-me com mais fooooooorça. Me dê esse pau, cara. Mete forte nesse cuzinho caraaaaalho oooooooooooh"

Levantei meus quadris da cama. Ao mantê-los elevados, eu não estava dando a ele outra escolha a não ser chegar ao fundo do poço FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP... soquei firmemente minha vara profundamente e ritmado FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP dando o máximo de prazer e sentindo prazer com seu cuzinho aconchegante FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP FLOP...

"OOOOOOOOOOOH POOOOOOORRA QUE DELIIIICIA UUUUUNNNNNGH É ISSO. ASSIIIIIIIIIIM FODA-MEEEEEEE. QUERO SENTIR VOCÊ GOZAR NA MINHA BUNDA OOOOOOOOOOOH." Ele intensificou seu movimento me montando como um louco, me empurrando para o limite. Com um grito alto e rouco, empurrei profundamente nele e jorrei espermas cremosos repetidamente, sentindo minhas bolas esvaziando em um prazer doloroso. "OOOOOOOH MEU DEEEEEEEUS SIIIIIIIM SIIIIIIIM SIIIIIIIM, ASSIIIIIIIIIIM MEEEEE AAAAAIIIIIHHH EERDA", ele gemeu enlouquecedor e em profunda luxúria, "PUTA QUE PARIIIIIIIU OOOOOOOOOH EU SINTO ISSO. TÔ SENTIIIIIINDO VOCÊ HUUUUUUUUUM ESTÁ GOZAANDOOOO EM MIIIIIIIM. AAAAAAAH TÃÃÃÃÃO GOSTOSO. CARAAAAALHO CONTINUE ME FUDENDO FORTE, ESTOU PERTO. OOOOOOOOOOOH AÍ VEM. AAAAAIIIIIHHH VOU GOZAAAAAR UUUAAHHGG."

Mesmo que eu o tenha sentido gozarr em minha boca e visto seu pauzão monstro descarregar em seu estômago, isso não me preparou para o que seu piruzão de cavalo fez. Ele bateu em mim quando a primeira saraivada começou. Com a cabeçona inchada do seu caralhão curvado e descontrolado apontada ligeiramente para cima, um fluxo grosso deixou seu caralhão subindo por cima da minha cabeça. Até hoje juro que ouvi o som batendo na parede atrás de mim antes de terminar de deixá-lo. Quando ele se levantou e bateu de volta em mim, o primeiro tiro terminou e um segundo, igualmente grosso e longo, seguiu rapidamente. Aterrissando cremoso e fervente no meu rosto, cobriu um dos meus olhos e reflexivamente fechei os dois. Não sendo mais capaz de ver, fiquei lá continuando a fodê-lo freneticamente enquanto sentia as cordas quentes subsequentes pousarem em meu corpo.

Minutos depois, ele caiu trêmulo em cima de mim. Pressionando seu peitoral peludão e suado arfante contra o meu, ele colocou sua essência entre nós e respirou pesadamente contra meu pescoço. Apesar de tudo, ele continuou a mover a bundona quente e esfolada no meu pau. Demorou alguns momentos até ele dizer em meu ouvido: " Noooossa, Isso deveria ter acontecido há muito tempo. Se eu soubesse que uma foda poderia ser tão boa, estaríamos fazendo isso no ensino médio."

"Sério?", foi tudo o que meu cérebro confuso conseguiu dizer quando o senti limpar meu olho.

Jefferson sentou no meu colo, meu pau amolecido ainda dentro dele. Ele olhou diretamente para mim com um olhar uniforme enquanto perguntou: "Você está bem?" Embora sua voz estivesse composta, pude ver preocupação em seus olhos.

Dei-lhe um pequeno meio sorriso enquanto balançava levemente os quadris. "Melhor do que jamais estive, ok."

"Boooooom." A essa altura meu pau já havia escorregado do cuzinho guloso e sedento dele. Ele se levantou e pegou uma toalha que jogou em mim. "Vou tomar um banho. Convido você para se juntar a mim, mas já estamos quase atrasados".

Olhei para o relógio enquanto limpava o suco da bola do meu corpo. "Meeeerda. Eu não percebi o quão tarde era. Eu deveria estar pronto quando Kátia chegar em casa." Eu rapidamente me vesti, colocando minha camisa enquanto saía do quarto. "Te vejo mais tarde."

Continua

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 21 estrelas.
Incentive Fuckme a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil de Amandha CD Putinha

Que teeeeesããããããoooo... Que delíííííciaaa... ter um macho me fudendo é tudo de bom... tesão no Cuzinho é muuuito bom

0 0
Foto de perfil genérica

O prazer da descoberta. Quanto mais explorarem mais vão descobrir. E não duvido nada que muito em breve você também vai sentar nesse caralhão de cavalo do seu cunhado e vai adorar.

1 0
Foto de perfil genérica

PARECEM DOIS ADOLESCENTES DESCOBRINDO JUNTOS AS DELÍCIA DO SEXO. PELO JEITO SÓ JEFFERSON GOSTA DE SER PASSIVO NÉ?

1 0