O cara meteu de tudo que é jeito na minha mulher.

Um conto erótico de Coroa casado
Categoria: Heterossexual
Contém 2354 palavras
Data: 11/10/2023 06:15:47
Última revisão: 09/01/2024 07:16:48

Decidimos dar um tempo nas nossas aventuras liberais. Para continuar apimentando o casamento, passamos a fazer sexo virtual com minha esposa se exibindo para outros machos e só eu metendo nela. Ela se exibe na cam, com os dois se mostrando e masturbando. Teve vezes que metemos com o cara assistindo. Era gostoso socar por trás, com ela debruçada na mesinha do computador, gemendo e mexendo a boca como estivesse chupando o tarado espectador.

Moramos no Japão e anualmente vamos passear no Brasil, visitando parentes e fazendo compras. Desta vez, planejamos conhecer as cidades históricas de Minas. Fomos de avião até Belo Horizonte onde alugamos um carro. A primeira visita foi Sabará. Passamos por Congonhas onde apreciamos as esculturas do aleijadinho. Nessas, saltou aos olhos a arquitetura colonial, igrejas, tudo construído no auge do ciclo do ouro.

Somos nisseis, descendente de japoneses. Ela, quarentona ainda com tudo em cima. A maturidade a deixou ainda mais sexy. Pele alva e clara, seios pequenos, cinturinha que realça a bunda redonda. Safada, diria eu, depois que se liberou, experimentando rolas de outros homens. Quem viu as fotos dela pode dizer se sim. Ela parecia ansiosa em chegar logo a Ouro Preto. Eu sabia que ela conversava com alguém de lá. Mal nos acomodamos numa pousada no centro histórico, ela já ligou para ele.

Esse cara conhecemos no jantar. Era um dos sujeitos que tinha assistido a gente fazendo sexo pela cam. Afonso, seu nome. Uns vinte anos, estudante da UFOP. Já nos esperava no restaurante, me cumprimentou estendendo a mão e depois, sem qualquer cerimônia, abraçou minha mulher e já se beijaram de forma libidinosa. Pelo jeito tinham conversando bastante pela net. Demorou para desgrudarem, denotando todo tesão acumulado que sentiam. Me senti o perfeito corno assumido.

No dia seguinte, fomos conhecer o Parque das Andorinhas. Mika no banco de trás do carro com Afonso e eu de motorista. Trocando amassos e eu assistindo pelo espelho retrovisor. Andando devagar na estradinha de terra batida. Certa altura, ela pediu para parar. Estávamos na frente de um portal abandonado. Ali não tinha nada de interessante. Os dois abraçados, indo para trás da casinha que servia de portaria.

Sei bem quando a minha mulher está com a libido à toda. O rapaz a beijava no pescoço, com as mãos entrando por baixo da saia. Não demorou para ele agachar, abaixando a calcinha com ela facilitando tudo. Ele já tinha visto eu chupando ela virtualmente. Sabia como isso a deixava louquinha de tesão. Caiu de boca na bucetinha dela, fazendo um oral caprichado. Ela de pé, saia na cintura, pernas entreabertas com as mãos na cabeça dele.

Vi que ela teve seu primeiro orgasmo. Abaixou a calça dele com cueca e tudo. Pegou no cacete admirando tamanho e espessura. Já tinha visto, porém, gostou de apreciá-lo assim ao vivo, pulsando em suas mãos. Deu um beijo na cabeça e iniciou o boquete que sei bem o quanto é delicioso. Acho que Afonso preocupado em não gozar logo, retirou o pau da boca dela. Parecia que tinham combinado previamente.

Ela pegou uma camisinha e me deu a bolsa. Encapou a tora, se virou, apoiou na parede empinando a bunda. O garoto bem taradão já se posicionou tendo alguma dificuldade para penetrá-la. Ela é bem apertadinha e precisa de certo jeito para entrar laceando a xoxota. Acho que estava tão úmida que quando entrou, deu para ele ir fundo, iniciando a cópula. Ela começou a gemer daquele jeito diferente quando está com outro.

Eu de pau duro, porém, preocupado que chegasse alguém, torcia para que acabassem logo. Mika de olhos fechados e boca aberta recebendo as socadas no xoxota. Teve outro orgasmo e após breve inatividade, passou a rebolar. Para mim, o sinal evidente de espera que o parceiro goze e termine logo. Coisas que aprendi em anos de fodas com aquela fêmea. O seu comedor metia com vontade, saboreando a oriental casadinha, sem se importar comigo. Até que gozou, socando fundo nela. Ficaram assim um tempo engatados. Ele agarrado no quadril dela, com certeza soltando porra e mais porra. Ela parada passiva, esperando o término da foda.

Quando tirou, vi a camisinha cheia de gala. Ajeitaram as roupas, trocaram mais beijos e abraços. Afonso não parando de elogiá-la, dizendo o quanto ela era incrível e gostosa. Coisa que eu sei mais do que ninguém. Seguimos desta vez com ela no banco de passageiro. Um silêncio esquisito no carro. Falar o que? Eu corno ainda excitado com a situação. Minha esposa talvez pensando sobre o fato de ter acabado de dar para um macho diferente. Afonso, todo feliz como vivendo um sonho.

Andamos um bocado pelo parque. Certa altura, chegamos numa cachoeira que para vê-la, teríamos que descer por algo parecido com um túnel. Mika, toda animada para ir. Meio cansado, disse que ficaria esperando eles. Não sei a distância, mas, eles demoraram bastante. Quando retornaram, ele ajudando ela na subida, já percebi pela carinha feliz dela. Só disse:

- Deu de novo pra ele?

- É, ele quis fazer de novo. Depois te conto tudo. Muito bonita a cachoeira!

Puta que pariu! O cara mal tinha dado uma, comeu ela mais uma vez. Tínhamos reservado um quarto numa pousada. Acabamos pegando mais um quarto ao lado para Afonso. É claro, eu como bom cuckold, pagando tudo. Durante o jantar, em público ela como minha esposa e ele como acompanhante. Era só irmos para um local mais reservado como o estacionamento, a coisa invertia, com eles se atracando aos beijos. Nunca tinha visto ela tão puta e assanhada!

Na volta para a pousada, ela pediu para passarmos numa farmácia para comprar mais preservativos. Porra, já gastaram a cartela que ela carregava na bolsa? Ah, não ia deixar assim. Comprei o que ela pediu e também um tubo de gel lubrificante. Enquanto isso, eles ficaram no carro namorando. Na pousada, nosso quarto tinha 2 camas. Uma de casal e uma de solteiro. A noite, apesar de ter seu quarto próprio, Afonso se acomodou no nosso a convite da Mika.

Ela se desnudou sem cerimônia, exibindo o corpinho de pele macia. Afonso é que estava um pouco constrangido com a minha presença. A agarrei dizendo no ouvido dela que ela deveria dar para mim primeiro. Afinal, estava a tarde inteira de pau duro precisando aliviar. Ela respondeu apenas dizendo ¨depois, amor, depois¨. Eu me senti escanteado. Um marido que passou por situação assim sabe bem como é.

Ela tirou as roupas dele e ficaram se pegando. Depois, com seu macho deitado de costas na cama, ela subiu por cima, iniciando a cavalgada. Essa é outra das posições prediletas dela, controlando a foda. Logo estavam os dois copulando pra valer, ambos gemendo numa foda animada. Fiquei pelado também, peguei o gel lubrificando meu pau que até pulsava de tão duro. Fui até eles e passei outro tanto do gel na borda do cu exposto dela. Ela sentiu o gelado do lubrificante. Só virou o rosto para mim dizendo para esperar um pouco.

Nem quis saber. Empurrei as costas dela, fazendo-a deitar o tronco sobre o corpo do cara que não parava de meter. Peguei na minha vara e direcionei para o anelzinho fechado. Encostei a cabeça no botãozinho e forcei. Não entrou na primeira. A safadinha piscava o cu dificultando tudo. Afonso quando me viu por trás dela sacou na hora que eu pretendia fazer uma dupla penetração. Até colaborou segurando firme o quadril dela.

Mika resolveu deixar. Repeti tudo novamente e senti quando a cabeça entrou. Ela soltou um ¨áááiiii¨ sonoro. Nem quis saber. Nessa hora eu queria castigá-la. Arregaçar o cuzinho dela, não importando se causava dor. Ela estava dando tanto para esse carinha que merecia um pequeno suplício. Fui enfiando mais e mais. Tive a impressão de sentir meu pau tocar na piroca do Afonso dentro dela, tendo apenas a pele que separava o cu da buceta dela.

Comecei o vai e vem. O amante dela também, ambos cuidando para não sair das carnes dela. Mika gemia soltando ¨áááiiis¨ seguidos. Às vezes até gritava sei lá se dor. Eu estava tarado demais! Ela conformada suportando duas varas atochadas nela. Certa altura acho que se acostumou. Fazendo aquilo que sempre faz, tocando uma siririca quando está por cima. Logo estávamos os três concatenando os movimentos numa foda deliciosa.

Com certeza para ela também, pelo jeito que ensanduichada, colaborava comigo e seu amante. Logo disse que ia gozar. Teve um orgasmo forte, intenso que a amoleceu, fazendo-a cair sobre ele. Eu já sentindo o gozo vindo aumentei o ritmo das socadas até que gozei. Gozei e gozei. Meu pau pulsava dentro do cu da esposinha, soltando porra e mais porra. Estávamos ambos parados naquela leve tontura pós coito e só Afonso continuava metendo de baixo para cima.

Pela posição que eu estava, agachado com todo peso nas pernas flexionadas, desengatei lentamente. Quando minha pica saiu por inteiro, da florzinha do cu começou minar minha porra, tamanha quantidade de gala que ejaculei. Levantei e fui ao banheiro me lavar. Quando voltei, eles ainda estavam metendo. Mais tranquilo passei a assistir a foda, observando cada detalhe. Afonso demorava para gozar. Mika buscando mais orgasmos. Assim ficaram. Até que finalmente pararam e foram ao banheiro.

De madrugada acordei meio zonzo, procurando o celular para ver as horas. Minha esposa não estava na cama. Na penumbra vi que ela estava na cama de solteiro, de quatro com Afonso comendo ela de novo. Nossa, já tinha perdido a conta de quantas vezes ele fodeu minha esposinha. Já nem queria mais assistir. Virei para o lado e adormeci. Pela manhã acordei com a Mika dormindo nua ao meu lado. A cama do lado vazia. Ele tinha ido para o outro quarto.

Eu tinha planejado seguir viagem a Diamantina onde iriamos hospedar. Mika porém, perguntou se podíamos ficar mais um dia em Ouro Preto. Segundo seu amante, seria interessante passear por Mariana e Lavras Novas. Meio a contragosto, concordei em prolongar a estadia ali. Notei que ela às vezes andava meio de lado. A buceta dela é apertadinha e bem rasa. Até meu pau que não é tão grande, quando dou uma socada mais funda, ela geme de dor porque a ponta bate no colo do útero. Como o cacete do Afonso era maior que o meu, devia estar judiando lá no fundo das carnes íntimas dela.

Nesse passeio, ao visitar mais cachoeiras, Mika deu mais um vez pro cara a céu aberto. Depois de muito agarra agarra, deitaram na grama e o mineiro meteu por trás, de conchinha. De volta à pousada, mais fodas. O pau do cara não abaixava nunca! Ela adorando a disposição dele em meter, meter e meter. O cara cheio de tesão queria aproveitar cada momento com minha esposa! O que me incomodou foi que ela por cima cavalgou e quando atingiu o clímax, na hora do orgasmo, o beijou profundamente. Gozou com a boca colada na dele, chorando de tesão!

A noite, ela manifestou desejo de dormir com ele no quarto ao lado. Já meio chateado, pensei em negar. Porém, como eu estava cansado, deixei. Afinal, se ela estava gozando um bocado que fosse. Quando acordei, ela estava dormindo de bruços ao meu lado. Ela deve ter dado um monte para Afonso naquela noite. Talvez o cuzinho também. Para ter certeza, afastei parte da calcinha para o lado e olhando o botãozinho não deu para ter certeza. Se eu esperava ver as pregas arrombadas, elas pareciam normais.

Sonolenta, Mika resmungou algo e virou. Nessa, vi que tinha papel higiênico entre a buceta e tecido da calcinha. Puta que pariu! Porque papel ali? Tirei o papel e vi marcas de gosma seca. Não era líquido dela! Parecia porra seca! Dei uma cheirada e fiquei mais cismado ainda. O mineiro deveria ter enchido ela de porra, tanto que quando ela voltou para o nosso quarto, devia estar escorrendo e ela colocou o papel para estancar!

A toquei para despertá-la. Ela acordou dando bom dia. Já fui perguntando:

- Porra, Mika, você deu pra ele sem camisinha?

- Desculpe, amor. É que fizemos muitas vezes e na última, tinha acabado as camisinhas. Na hora, deixei fazer assim mesmo.

- Puta que pariu! E ele comeu teu cu também?

- Só uma vez e com camisinha. Mesmo lubrificada, estava difícil dele meter sem gel, só com cuspe. Tive de ir por cima para doer menos. Daí usamos mais camisinhas.

Era hora de reassumir o controle. Decidi por um ponto final naquilo dizendo:

- Vamos voltar hoje mesmo pra São Paulo.

- Ah, amor, vamos ficar aqui mais um dia. Um dia só, está bem?

- Não dá, Mika! Lembra que temos que comprar um monte de coisas que os amigos lá do Japão encomendaram.

Sob protestos dela, voltamos. O fato do cara querer comer ela toda hora não é novidade. Ele só queria aproveitar a chance de comer uma japonesinha casada. O que me incomodava era o entusiasmo dela em se entregar para ele. Eu devo confessar: o que me incomodava era ciúmes! Coisa que pensei que já estava superada.

De volta ao Japão, no primeiro dia, tomei um banho de imersão demorado e relaxante no ofurô. Quando saí, ao me aproximar da sala onde está o computador, vi Mika totalmente nua se exibindo. E nem preciso dizer quem estava na tela do PC. Era Afonso com o cacete duro de fora. Apesar da minha esposa já estar planejando nova ida a Minas no próximo ano, mesmo não tendo conhecido muitas outras cidades históricas, vou passar longe de lá. Talvez Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Nordeste ou Amazonas.

Foi chato constatar que a máxima é verdadeira: Amor de pica onde bate fica...

*****************************************************************

P.S. A Mika com certeza vai contestar este conto. Nos outros, disse que algumas coisas não aconteceram do jeito que contei. Que faltou contar coisas. Então sugeri que ela escrevesse sua versão dos fatos. Até me propus ajudá-la revisando o texto, sem alterar a essência. Gostaríamos de saber o que vocês acham disso. Quem não viu as fotos dela, deixe e-mail nos comentários que a divulgação de contos envia. Obrigado aos que leram e votaram.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 140 estrelas.
Incentive Coroa Casado a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Receber um elogio teu é um privilégio que guardarei pra sempre. Tua japonesinha seria uma personagem minha se não a tivesses criado. A Madalena passará pelo mesmo período de chantagem como a Nanete (se lembra? A esposinha do parlamentar). E antes de ela se vingar vai engolir muito sapo, digo, se entregar a muitas sodomias. Beijinhos

0 0
Foto de perfil genérica

Cara, que tesao. Mande mais fotos dela, e se vierem ao Rio Grande do Sul, será um prazer conhecê-los. Arthur.reg.aventureiros@gmail.com

0 0
Foto de perfil de Anjo Prateado

Sempre um tesão ler histórias da tua deliciosa Mika... Muito excitante esse encontro dela com esse mineiro sortudo. Lendo, fico imaginando a minha esposa fazendo algo parecido. Fico de pau duro, porem, não sei se teria tal coragem. Abs.

0 0
Foto de perfil genérica

Como sempre um relato maravilhoso, cada vez mais a Mika surpreende, parabéns pela esposa maravilhosa que vc tem. No aguardo de mais aventuras de vocês.

0 0
Foto de perfil genérica

Muito bom, excelentes contos, gostaria de admirar as fotos da Mika, segue e-mail: leonardotrab12@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Excelente muito e excitante show deixa eu admirar as fotos @obaoba53

0 0
Foto de perfil genérica

Eita que essa sua japonesa deve ser uma delícia, manda fotos pra mim ver... rickgrimmesvanced@gmail.com

0 0
Foto de perfil de Daniel20

Muito bom os seus contos, eu tinha parado de frequentar o site por um tempo, mas sua volto com esse conto maravilhoso. Pode enviar as fotos no meu e-mail antigo: danielvirgem69@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Ansioso por fotos dessa delícia, tem dela metendo? delmairdss021321@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Excelente casal...3.000 estrelinhas...amooo orientais pena que quase nada por aqui.. Parabéns..

0 0
Foto de perfil de cariocaa1976

irmão que conto magnifico, que sonho, adorei, parabéns para vocês

0 0
Foto de perfil genérica

Olá, meus queridos

Sempre estou lendo e relendo os vossos relatos, são prazerosos e encantador, saibam que são referencias para mim...comecei a escrever as minhas experiencias, ficarei grato em recebe-los e mostrar a avaliação.

Fiquei feliz com as fotos, quando estiver outras me envie também, anhanguerag5@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Muito safada a Mika rs,se estiverem a fim de alguma aventura no Japão entrem em contato: marciolung2210@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Sensacional!!! Uma japonesinha já é uma delícia, casada então deve ser indescritível! Mande as fotos pra soprajogaratoameusjogos@gmail.com vou adorar homenagear a sua esposa!

0 0
Foto de perfil de Adelia

Dizem que tudo que é bom, vicia. Esse mineiro deve mesmo ter uma pica muito gostosa. A ponto da tua esposa querer dar tanto assim. Também tinha o fato aproveitar o tempo, estando em viagem. O amante também deu o máximo vivendo com tesão cada minuto. Teus contos como sempre narrados com primor e muito excitantes. Bjs.

0 0
Foto de perfil de Huomoerectus

Pô cara! Demais tua Japinha. Manda fotos para eu bater umas em homenagem!

jorgejose23@yahoo.com

0 0
Este comentário não está disponível

Listas em que este conto está presente