ENZO DIVIDE A MÃE COM OS AMIGOS

Um conto erótico de GABRIEL SILVA
Categoria: Grupal
Contém 3878 palavras
Data: 31/10/2023 20:42:19
Assuntos: GABGBANG, Grupal, Mãe

"Maldito Enzo! Sua mãe estava gostosa pra caralho esta noite naquele pequeno biquíni vermelho!" Anderson disse levantando sua cerveja e agarrando sua virilha.

Eu ri e balancei a cabeça. "Eu diria que combinava com o batom dela, não é?

Anderson sempre teve uma queda pela minha mãe, quero dizer, também não posso culpá-lo, porque minha mãe ainda é uma mulher linda aos quarenta anos. Sim, eu sei que ela é minha mãe, mas merda, ela é gostosa. Ela é um sonho loiro de olhos azuis com um conjunto de seios e uma bunda larga e algumas pernas malhadas muito sexy.

"Acho que seu pai saiu perdendo com o divórcio de Rosi." Anderson acrescentou com um sorriso."

"Realmente?" Perguntei.

"Sim, ele está certo." Rony concordou.

"Uau." Eu disse e olhei para o teto. Estávamos no quarto fazendo nossa própria reunião. Eu realmente não queria ir à festa de halloween da minha mãe, mas mamãe me implorou. Acusando-me de não vir com a frequência que deveria. Então cedi e trouxe Rony e Anderson, já que nós três crescemos juntos e mamãe também achou que era uma boa ideia. Ela também pensava neles como seus filhos. MAS eles certamente não pensavam nela como uma mãe.

Rony continuou: "Sim, ela está uma gata será que vai deixar a gente dormir aqui hoje."

"Acho que sim pois haverá batom no meu pau esta noite." Anderson riu.

"Tudo bem, ela pode colocar no meu, em vez disso." Rony ficou magoado e deu um tapa no meu ombro.

Eu apenas balancei a cabeça com sua brincadeira. Eu estava acostumado a ouvir isso. Eu estava mais preocupado com mamãe. Eu sabia que ela deixaria, mas tinha medo deles fazer ou dizer alguma coisa idiota!"

"Ele está terminando a festa?" Rony perguntou.

Eu balancei a cabeça.

"Você acha que deveríamos ir e ver se ela precisa de ajuda?" Anderson perguntou com uma piscadela.

"Não, cara, vamos deixá-la em paz, tenho certeza de que ela vai ficar bem." Eu disse.

"Você é uma Gay, Enzo!" Anderson riu.

"Um o quê?!"

"Você tem medo da mamãe" ele respondeu.

"E como você sabe isso, idiota?"

"Bem, você nunca tentou transar com ela, sua mãe."

Rony riu e me deu um tapa no ombro: "Sim, você disse que ia tentar no seu aniversário de dezoito anos, acho que foi uma maldita piada, certo?"

"Eu tentei, mas ela recusou." Eu menti. Nunca tive coragem de tentar.

"Certo!" Anderson riu.

"Se Rosi abrisse as pernas, você correria para as montanhas." Rony disse.

"Foda-se! Eu disse que tentei!"

"Bem, não estávamos lá para ver, então como vamos saber?" Anderson sorriu. Ele sempre foi o único a ver através das minhas besteiras.

"Vocês dois precisam parar com isso agora mesmo!" Eu agarrei.

Rony de repente riu e se levantou: "Foda-se essa conversa! Eu me pergunto quais filmes travessos este gayzinho tem em seu esconderijo secreto." Ele deu um tapa no meu ombro e foi até o armário onde eu guardo meus vídeos pornôs escondidos. Eles estavam todos em uma pequena sacola na prateleira de cima. Não sei por que eu tento escondê-los, porque não é como se mamãe já não soubesse sobre eles.

"Então, acho que todos nós vamos dar empregos uns aos outros e encerrar a noite", Anderson riu.

"Foda-se essa merda." Eu disse e dei um tapa na nuca de Anderson. Fiquei aliviado por eles estarem falando sobre outra coisa além de eu foder minha mãe.

Rony pegou a sacola, trouxe-a e colocou-a na mesinha de centro e nós três vasculhamos ela. Então, de repente, a boca de Anderson caiu: "Oh merda! De jeito nenhum?" Ele engasgou e pegou pen drive que não estava em uma caixa de joias.

"O que é?" Eu perguntei torcendo a tampa de outra cerveja, minha quinta da noite e, caramba, eu também estava com uma boa vibração.

"Não tenho certeza do que é? Não está marcado." Rony disse virando-se para mim.

"Aposto que é pornografia gay." Anderson riu.

"não sou gay. Mas estou começando a me perguntar sobre você." Eu disse dando-lhe um sorriso malicioso.

"Foda-se, Enzo." ele disse e me apontou o dedo médio.

"Bem, só há uma maneira de descobrir." Rony ri.

"Eu não sou gay, seu idiota!" Anderson retrucou.

"Você não, idiota, o vídeo!" ele disse e se aproximou e colocou o pen drive na tv. Então ele me jogou o controle remoto e sentou-se no sofá entre nós. "Anderson, se você tocar minha perna eu vou foder o seu mundo." ele riu.

Eu ri disso também e liguei a TV e rapidamente apertei o botão play. Eu estava interessado em assistir o que estava no pen drive sozinho. E eu certamente sabia que não era pornografia gay. Mas, que assim seja. Não havia nada de errado em ser gay.

O vídeo liga e há uma japonesa deitada de costas e ela está nua e há um grupo de caras reunidos em volta dela. Os caras também estão nus e bombeando seus paus.

A porta do quarto do andar de cima se abre de repente e mamãe sai no patamar acima de nós. "Enzo? Querido, você está aí?"

Apertei rapidamente o botão de pausa e nós três erguemos os olhos quase que instantaneamente. Ela ainda estava de fantasia e biquíni e tinha uma garrafa de vinho em uma mão e uma taça na outra. E nem é preciso dizer que mamãe estava bêbada.

"Sim, mãe. Estou aqui com Anderson e Roy. Estamos apenas assistindo vídeos."

"Oh, que bom, estou tão feliz! Achei que vocês já tinham ido embora"

"Não, decidimos ficar mais uma noite, se estiver tudo bem para você."

"Oh, querido, você sabe que é."

"Obrigado, mãe."

"Então, posso descer, não vi vocês a noite toda." Mamãe perguntou, mas ela não esperou por uma resposta e apenas começou a descer os degraus, seus saltos altos pretos de três polegadas clicando nos degraus de madeira.

"Ah Merda!" Levantei o controle remoto para desligar o filme, mas Rony arrancou-o da minha mão, correu e sentou-se na velha poltrona reclinável. Levantei-me e estava prestes a recuperá-lo quando Anderson agarrou meu braço e me puxou de volta.

"Sente-se, Enzo!" ele sussurrou.

"Cara, que porra é essa?!" Eu sussurrei e ele sorriu e me deu um sinal de positivo.

Mamãe já estava descendo as escadas quando soltei meu braço de seu aperto. Ela riu e se sentou no pequeno sofá entre Anderson e eu. "O que vocês estão assistindo?" Ela perguntou, sentando-se no sofá entre Anderson e eu.

Ninguém disse uma palavra e Rony parece estar com medo de ligar o vídeo novamente.

"Oh Enzo, espero que você não esteja assistindo o filme pornô." e antes que eu possa impedi-la, ela se aproxima e pega o controle remoto de Rony e rapidamente liga o vídeo novamente.

Sua boca caiu e seus olhos se arregalaram: "Oh, meu Deus, você está assistindo pornografia!" ela ofegou. Eu meio que esperava que ela desligasse, mas ela não o fez. Na verdade, ela apenas riu.

Anderson e Rony olharam para mim e depois um para o outro.

"Podemos desligar isso, mãe."

"Não, Enzo, está tudo bem. Devo dizer que sua festa é muito melhor do que a que estava acontecendo hoje, agora." ela ri e me entrega o controle remoto. "É melhor eu ir!" ela estava prestes a se levantar quando a garota do vídeo começou a receber vários tratamentos faciais dos homens que estavam ao redor. Um por um, os caras montam em seu corpinho e gozam na mulher até que seu rosto e seios pequenos fiquem cobertos de gosma.

Mamãe apenas olha com espanto. Então ela coloca a mão na boca: "Oh meu Deus! Ela deve ter feito algo muito ruim!"

"O que você quer dizer, mãe?" Eu pergunto.

Ela olhou para mim: "Isso deveria ser uma punição."

A atriz do vídeo, se você quiser chamá-la assim, começa a lamber o esperma dos lábios. Aí ela sorri e levanta a cabeça e abre a boca para mostrar toda a porra que tem dentro.

"Bem, se você me perguntar, parece que ela está gostando do castigo." Rony riu.

Mamãe tomou um gole de vinho, na verdade um gole, e continuou observando a ação atentamente.

"Você já teve um cara gozando na sua cara, Rosi?" Anderson perguntou.

Eu dei a ele um olhar calado, mas ele apenas encolheu os ombros.

Mamãe de repente virou a cabeça e olhou para ele: “Anderson?! Como você pode me perguntar uma coisa dessas?”

Anderson balançou a cabeça e apenas encolheu os ombros novamente.

"Estávamos apenas nos perguntando, só isso." Rony disse. "Quero dizer que você provavelmente não gosta de algo assim. Não é?"

Mamãe o lançou um olhar sério, mas então sua expressão se suavizou e ela sorriu: "O que Livia diria se soubesse que você me perguntou tal coisa, Rony?"

"Inferno, Rosi, o que nossas mães pensariam se soubessem que estávamos aqui assistindo a um vídeo do Bukaki com você?"

"Toque." Mamãe deu uma risadinha. "Caramba, não é mais como se vocês fossem meninos, vocês três têm 18 anos." ela riu. "Meu Deus, para onde foi o tempo?" Mamãe virou a taça de vinho, inclinou-se e pegou a garrafa para se servir de outra, mas não conseguia segurar a garrafa direito. Então, em vez disso, servi para ela.

"Ah, obrigado, querido!" ela disse e pegou o copo e tomou um gole. Então, de repente, ela olhou para Roy: "Como você sabe como se chama isso?" Mamãe apontou para a TV com sua taça de vinho. Um pouco do vinho derramou em sua perna.

Rony sorriu maliciosamente: "Só responderei sua pergunta se você responder a minha, Rosi."

Mamãe deu uma risadinha e balançou a cabeça, "Roy?!"

Ele ri.

"Oh cara! Olhe isso!" Anderson disse. "Aquele cara entrou na boca dela e ela engoliu tudo!"

"Minha nossa!" Eu engasguei e mamãe me olhou meio chocada.

"Nossa, não acredito que estou sentado aqui assistindo um filme pornô com meu filho." ela disse e começou a rir.

"E ainda por cima um vídeo do Bukaki." Rony acrescentou.

Mamãe parou de rir: "Ok, cara, qual era a pergunta que eu deveria responder de novo?" ela balançou a cabeça e esfregou as têmporas, "Não consigo me lembrar."

Mamãe estava bêbada pra caralho.

"Eu perguntei a você, você já deixou um homem gozar na sua cara?" Rony disse.

Mamãe olhou para mim.

"Está tudo bem, mãe. Responda, sim. Quero dizer, eu também estou bastante interessado."

Ela sorriu e tomou um gole de vinho, "Meu Deus." Ela revirou os olhos, "Ok, se vocês querem saber. Sim, eu deixei um cara gozar na minha cara. A resposta e sim.

"Você gostou, mãe?"

Mamãe fez uma pausa e depois assentiu: "Sim, devo dizer que gostei, Enzo. Ok?" Então ela olhou para Rony e acenou com a cabeça. "Sua vez, imbecil.

Rony sorriu: "Eu sei sobre Bukaki, porque minha ex-namorada Sabrina está muito interessada nisso."

"Realmente?" Mamãe perguntou com os olhos arregalados.

Cortei o vídeo e me sentei, fiquei muito interessado em ouvir isso também.

"Sim, Sabrina me convenceu a recrutar alguns dos meus amigos."

"Quantos?" Mamãe perguntou de repente, ela parecia tão interessada quanto eu.

"Não, você tem que responder outra pergunta, Rosi."

"O quê? Outra pergunta?"

"Sim, acho que é justo, mãe."

Ela olhou para mim, como se perguntasse de que lado você está. "Enzo?"

Eu apenas sorri e dei de ombros.

"Tudo bem. Não... espere!" ela se abaixou para pegar a garrafa de vinho, mas eu cheguei antes dela. Eu peguei e ela estendeu o copo e eu enchi mais uma vez.

"Obrigado, querido." ela toma um gole. "Agora estou pronta." ela deu uma tapinha no peito.

"Então, quando o cara veio na sua cara, você... lambeu?" Rony perguntou dando-lhe um olhar sério.

"Sim, Rosi, você engoliu como aquela vadia do vídeo." Anderson perguntou com entusiasmo e colocou a mão na virilha e começou a se acariciar através das calças de ginástica.

Ela olhou para ele com os olhos arregalados: "Ânderson, pare com isso!"

"Ah, vamos, mãe, conte-nos." Empurrei minha mão para dentro do meu short de ginástica e comecei a esfregar meu pau também. Eu estava certamente a ficar duro com a ideia da minha mãe comer o esperma de outro homem.

Mamãe olhou para mim e depois para minha mão: "Enzo? Querido, você pode parar, por favor?" Ela desviou o olhar.

"Receio que não, mãe. Você nos fez falar disso."

"Entendi essa merda, certo!" Rony riu, levantou-se e puxou o short para baixo e seu pau saltou para fora de seus limites. Foi longo e duro, como o pau de um jovem deveria ser. Ele tirou o short e os chutou para o outro lado da sala e abriu bem os braços e se virou para que mamãe pudesse vê-lo por inteiro.

Ela se engasgou e colocou a mão na boca, "Roy! Querido, coloque seu short de volta neste instante!"

Rony apenas riu e sentou-se e começou a acariciar seu eixo.

Mamãe não desviou o olhar, ou melhor, não conseguiu desviar o olhar. Ela engoliu em seco e lambeu os lábios nervosamente.

Rony fixou os olhos nela e deu-lhe um leve sorriso: "Você vai contar para minha mãe se eu não contar?"

"Sim, porque você não conta para a mãe dele, Rosi. Dessa forma, ele pode dizer a ela que vizinha prostituta ela tem morado ao lado dela." Anderson retrucou e empurrou as calças de ginástica para baixo para mostrar sua dureza sobre o assunto também.

O lábio inferior da mamãe começou a tremer e ela olhou para mim: "Enzo, você vai deixá-los falarem comigo assim?"

Não sei o que me deu coragem ou coragem para fazer isso, mas me levantei e abaixei meu short também, bem ali na frente da minha própria mãe. "Apenas enfrente, mãe, você é uma vagabunda."

"Eu não sou!" ela bebeu sua taça de vinho. "Vou voltar para a sala." ela disse, mas não tentou se levantar. Na verdade, ela olhou para o pau de Anderson, para o pau de Rony e depois para o meu. Ela tinha a aparência de um ratinho nervoso e fofo com três gatos famintos na frente dela.

Eu apenas sorri e balancei a cabeça e me sentei ao lado dela e abri as pernas: "Está tudo bem, mãe." Abaixei-me e peguei seu pulso e puxei sua mão e apoiei-a na minha coxa.

"Enzo..." ela balançou a cabeça.

Inclinei-me e beijei-a suavemente nos lábios.

"Ah, Enzo... por favor."

Peguei a mão dela e coloquei logo acima do meu pau, "Toque-me, mãe. Toque no seu filho."

"Mas Enzo..." ela choramingou.

"Vá em frente e faça isso, mãe. Você sabe, você também quer."

Ela olhou nos meus olhos com uma mistura de desejo e hesitação, mas lentamente baixou os dedos trêmulos até meu pau. No começo ela apenas descansou ali, mas depois cruzou a mão em volta do meu pau totalmente ereto e depois acariciou com ternura e amor. Sua mão estava fria e meio suada, mas merda, era tão bom.

"Eu não sou assim mãe, e amo você. Agora me masturbe."

Ela assentiu e se inclinou e me beijou, e não do jeito habitual da mamãe também. O beijo que me foi dado agora foi cheio de paixão.

Ousei enfiar minha língua em sua boca e ela recebeu de boa vontade e chupou!

Eu podia sentir o gosto do vinho em sua língua e sua respiração. Era como se meus sentidos estivessem em alta.

Anderson estendeu a mão e tocou a perna dela e ela olhou para ele e com a mão livre ela estendeu a mão e agarrou sua pequena masculinidade atarracada. Ele não era muito sortudo no departamento de pau, mas tinha seus 17 cm.

"Ah, sim!" Anderson gemeu de prazer quando mamãe começou a masturbá-lo. Então ela volta sua atenção para mim e começa a sacudir meu pau também, meu pau era o maior tinha cerca de 20 centímetros. mas Mamãe com certeza agia como se tivesse muita prática nisso. E, caramba, certamente estávamos colhendo a recompensa.

"Oh mãe! Isso é bom." Eu gemi.

Mamãe apenas riu, recostou-se e fez sua mágica em Anderson e eu. "Você é maior que seu pai, Enzo. Na verdade, acho que seu tamanho vem do lado paterno da família." ela riu. "Meu tio era enorme."

"Oh merda, você fodeu seu tio?" Rony perguntou, acariciando-se ainda mais rápido agora.

Mãe, apenas sorriu: "Todos os três tios. Foi na noite do meu aniversário de dezoito anos, veja bem. Foi uma grande festa. Eles esperaram tão pacientemente que eu atingisse a maioridade. E, meu Deus, eles me foderam tão bem também. Foi difícil esconder do seu pai que no casamento já não era virgem" A mãe disse.

Puta merda, ela estava falando sério?! Meu tio Moacir, Micon e Joel. Eu nunca teria pensado nisso? E todos os três eram casados. O pensamento me excitou. Mamãe com certeza era uma vagabunda!

Ela olha para Anderson: "Você está quase pronto, não está?"

Anderson estava com as costas arqueadas e uma expressão tensa no rosto. Ele estava se contendo. Ele não queria ser aquele que chegou cedo demais. Mamãe libera meu pau e se inclina e bate a ponta da língua contra a cabeça do pau dele. Uma quantidade considerável de pré-sêmen escorria de seu buraco de xixi.

"Oh MERDA, oh merda, merda!" ele respirou, esforçando-se para se conter.

Mamãe penteou o cabelo para trás e olhou para ele: "Está tudo bem, querido. Quero que você goze para mim." E com isso dito, ela coloca o pau gordo de 17 centímetros de Anderson em sua boca e começa a descer lentamente sobre ele.

"Merda! PORRA!" Anderson chorou e colocou as mãos em cima da cabeça de mamãe e enfiou sua carne profundamente em sua garganta e liberou uma carga profundamente em sua garganta. Mamãe nem tentou se afastar, em vez disso ela engoliu tudo e sem engasgar-se.

Anderson agora afundou de volta no sofá, sem fôlego, exausto e certamente satisfeito pra caralho.

Mamãe se afastou dele e lambeu os lábios: "Meu Deus! como isso é gostoso." Ela riu e estendeu a mão e colocou a mão em volta do meu pau, novamente. "Mamãe, seu bebê é tão duro."

"Ah, cara, me sinto deixado de fora aqui, Rosi." Rony brincou e se levantou e se aproximou. "Sai da frente, cara!" ele retrucou para Anderson. Mamãe sorriu e ficou claro que ela estava gostando da atenção juvenil que dávamos a ela.

Anderson rapidamente se levantou e saiu do caminho e Rony pulou no sofá de couro e abriu as pernas. "Agora vá direto ao assunto, vagabunda!" ele sorriu.

Mamãe colocou a mão no peito e fingiu um olhar chocado: "Por que, Rony, é assim mesmo que se fala com uma senhora?" então ela começou a rir e soltou meu pau e deslizou de joelhos no sofá. O que coincidentemente trouxe a bunda dela para perto do meu rosto. Ela colocou o pau de 19 centímetros de Rony na boca e imediatamente começou a descer sobre ele freneticamente. Levando-o ao máximo com cada impulso de sua boca.

Eu observei sua bunda balançar de um lado para o outro e para cima e para baixo enquanto ela trabalhava nele. Pude sentir o cheiro da sua buceta e ver que a virilha do seu biquíni estava encharcada. Ela estava tão excitada.

Desamarrei os laços que prendiam a roupa no lugar e a pequena aba caiu expondo suas bocetas rechonchudas e raspadas. Eu não queria um boquete, queria mais. Eu queria foder a buceta da mamãe. Mas ela me deixaria?

Rony me deu um aceno de cabeça e de repente agarrou cada lado da cabeça da minha mãe e começou a fodê-la. E mamãe sendo a boa vadia que ela era, ela apenas relaxou e o deixou fazer isso. Rony balançou os quadris com força e rapidez, empurrando seu pênis dentro da boca dela, uma e outra vez. Mais uma vez ele olha para mim, desta vez com um olhar impaciente, como se perguntasse: "Que porra você está esperando, cara?!"

Tirei meu short e me posicionei atrás de minha mãe. Meu pau estava pulsando e meu coração trovejava no peito com antecipação. Agarrei seus quadris e ela tentou se sentar, mas Rony a segurou no lugar e continuou batendo.

Rapidamente bati com a minha pika até ao fundo dentro da buceta da minha mãe. Parecia tão cremoso e liso.

Mamãe gemeu sobre o pau de Rony com minha intrusão repentina. Chame-me de egoísta ou imprudente, mas eu não me importava se isso a machucaria ou não. Eu estava dentro da boceta apertada e aveludada da minha mãe e foi maravilhoso. Comecei a meter na sua buceta apertada e enterrei as minhas unhas nas suas ancas gordas.

Ouvi Rony ofegar e soube que ele mandou sua carga para casa. Ele soltou mamãe e ela se levantou até encostar as costas no meu peito.

"Oh Enzo! OH MEU DEUS!!!" ela engasgou e tentou se afastar, mas eu passei meu braço esquerdo em volta de seu pescoço e a segurei pela cintura com meu braço direito e a puxei com força contra mim, impedindo qualquer recuo que ela pudesse ter. Depois comecei a bombar a buceta com ainda mais força, fazendo com que os seus joelhos saltassem contra as almofadas.

"Dê para ela, Enzo!" Anderson exclamou e deu um soco na palma da mão.

A briga deixou mamãe e ela foi dominada pela sensação de seu próprio prazer.

E mantendo meus braços trancados em torno dela, eu lentamente manobro seu corpo para frente até que ela esteja de bruços no sofá com sua bunda doce no ar. Ela virou a cabeça, que era a única parte de seu corpo que ela conseguia mover no momento, e abriu a boca e suspirou: "SIMMM!! DEUS! Oh meu bebê, dê porra para a MAMÃE! Ah, sim!"

Os seus gritos de prazer excitaram-me e comecei a torcer e a moer a minha pika dentro da sua vagina, tentando desesperadamente agradá-la ainda mais.

"Estou tão perto, querido!!!" ela ofegou. "Oh, meu Deus!"

E eu também. Pude sentir meu orgasmo crescendo. Tirei os meus braços à volta dela e levantei-me sobre as minhas mãos e comecei a fodê-la com força e rapidez.

Mamãe fechou os olhos e sua boca se abriu: "Ooooo! Sim! OHHHH!!" ela gritou a plenos pulmões.

Depois, de repente, senti a buceta dela agarrar a meu pau e o seu pequeno corpo começou a tremer debaixo de mim. Ela estava gozando! Minha querida mãe estava tendo um orgasmo e fui eu quem deu isso a ela! Esse mesmo pensamento fez-me ejacular e ejaculei profundamente com ela e infunde-lhe as entranhas. E quando terminei, desabei nas costas de minha mãe, exausto e esgotado.

Mamãe gemeu e de alguma forma ela se virou embaixo de mim até ficarmos rosto colados. "Você foi absolutamente maravilhoso, Enzo" ela sussurrou em meu ouvido enquanto acariciava minha nuca com as pontas dos dedos.

Nunca me senti tão próximo da minha mãe como naquele dia. Eu certamente iria gozar em casa com mais frequência, AGORA! Fomos para o quarto dela e fizemos sexo os 3 a noite inteira, foi quando ela me contou muitas de suas histórias sexuais, mas a que mais me excitou foi uma vez em que ela foi na cadeia, um dia conto a vocês,

Foi aí que descobri que minha mãe era uma verdadeira puta.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 49 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 64Seguidores: 166Seguindo: 21Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil genérica

Amei o seu conto e gostaria de saber mais sobre sua mãe e as transas dela. E queria receber fotos dela. Meu e-mail é adriano_sp_pv8@hotmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Série nova? Espero que sim para suprir a ansiedade da outra temporada da série anterior!

0 0