VALENTÃO ENCURRALA PAI E MÃE PARTE IV, a aceitação de Paulo como corno.

Um conto erótico de Gabriel silva
Categoria: Heterossexual
Contém 4294 palavras
Data: 28/09/2023 17:52:20

continuação...

Paulo vai ate a cozinha e começa admirar Aline cozinhando Ela estava tão confortável e provocante e estava completamente alheia à hipocrisia da risada silenciosa que escapou quando ela pegou Paulo alto e nu e sua enorme ereção entrando na cozinha.

"Você está rindo de mim?" Ele sussurrou de forma um tanto sedutora em seu ouvido, circulando as mãos em volta de sua cintura e pressionando a dureza de sua virilha em suas nádegas.

"Bem. Você está entrando na cozinha sem roupa ..." Sua voz se transformou em um suspiro quando ele a silenciou com um beijo suave em seu pescoço. Ela respirou com mais dificuldade quando ele deu um pequeno beijo por cima de seu ombro e pelas costas.

Ela se moveu para se virar. Ela sabia como queria que isso acontecesse e o melhor palco para esse show era o quarto.

Seu marido sussurrou docemente em seu ouvido, só que de forma mais sedutora do que no escritorio, enquanto ele gentilmente restringia seu esforço para se afastar da bancada da cozinha.

Enquanto suas mãos acariciavam avidamente os seios de sua secretaria , os livrando do sutiã, mais beijos quentes e sensuais no outro lado de seu pescoço a derreteram e a inclinaram sobre a bancada, apoiando a cabeça nos braços que estavam esticados sobre o granito frio. Seus dedos circularam a aréola de seus mamilos antes de amassá-los hesitantemente. Os beijos em seu pescoço continuaram pelos ombros e pelas costas, cada um mudando de intenso para gentil e vice-versa.

Ele a acariciou, observando os contornos de seu corpo enquanto movia as mãos até sua cintura. Ele tirou a saia dela e passou pelas meias até que ele caiu no chão, onde ela gentilmente saiu e o chutou para o lado.

Ajoelhando-se, ele teve um vislumbre do belo rabo da sua secretaria e da pele escura da sua rata perfeitamente barbeada. Isso o excitou ainda mais. Ele suspirou em agradecimento enquanto se aninhava em sua fenda. Sentindo a respiração dele, ela arqueou as costas e esticou a pélvis. Atentivamente, ele traçou a língua desde o cóccix até o clitóris, parando para beijar e chupar os lábios no caminho. Finalmente, ele começou a sacudir sua pequena e endurecida protuberância.

Sua mão esquerda envolveu sua coxa e seus dedos juntaram a língua no clitóris. Puxando a cabeça para trás, ele observou o corpo dela tremer enquanto suas respirações profundas se transformavam em gemidos pequenos e agudos enquanto ele colocava o dedo médio e depois o indicador da mão direita no quente e tensa vagina dela. Depois de senti-la se contorcer em seus dedos por um tempo, ele a deixou parada com a língua firme em seu ânus.

Ela ofegou repetidas vezes enquanto os dedos dele se moviam verticalmente em seu túnel pulsante e sua língua disparava em todas as direções ao redor de seu buraco enrugado.

Então ele se levantou e, como esperado, enfiou seu pênis inchado em sua boceta inegavelmente molhada. Ela soltou um longo gemido quando ele empurrou profundamente dentro dela o máximo que pôde.

Ele empurrou e puxou todo o comprimento de 20 centímetros de sua masculinidade sólida nos primeiros ritmos, antes de se estabelecer em um ritmo que fazia patrão e secretaria respirarem e ofegarem, sincopados.

Com mãos fortes ele foi capaz de agarrar os pêssegos tonificados de sua bunda. Ele logo descobriu que os sucos escorrendo de sua boceta estavam fazendo seus polegares escorregarem. Ele concentrou o movimento lubrificado de seus polegares ao redor das ondulações de seu buraco muscular, sondando com sensibilidade. Ela gemeu suavemente. Ela gostou.

Ele empurrou um polegar, com uma unha profunda, dentro de sua bunda, massageando seu esperma na área circundante com o outro polegar. Ela gemeu um pouco mais forte. Ele brincou com a ponta do polegar para dentro e para fora.

"Oh. Ah. Ah, sim", ela murmurou.

"Você gosta disso, Aline?"

"Mmmmmmm." Veio a resposta, seguida por uma série de suspiros estridentes enquanto ele trocava o polegar pelo indicador.

Os seus músculos começaram a ter espasmos à volta do seu pau que empurrava. Ele sentiu uma vontade de prazer da virilha para cima e gemeu: "Aline, você me deixa te foder aqui?"

"Eu quero muito me sentir lá."

"Sim. Sim, por favor." Ela respirou, entre gemidos.

"Tem algo para lubrificar" ela disse apontando para o armário acima.

Ainda bombeando, ele estendeu uma mão para abrir o armário com a outra mão ainda apertando tanto a nádega direita dela que a pele ficou branca na ponta dos dedos.

Examinando rapidamente o conteúdo do armário, ele logo reconheceu a garrafa de manteiga.

Ainda fazendo amor lentamente com ela, com as duas mãos ele dispensou uma quantidade de manteiga diretamente em seu ânus. Ela se contraiu com a temperatura fria da manteiga na área quente e latejante do períneo. Ela empurrou o torso o mais plano possível sobre a bancada, inclinando convidativamente a bunda para cima.

Ele recolocou o seu aperto no seu lugar original em cada uma das nádegas dela e aumentou rapidamente a velocidade e a força do seu pénis empurrando para dentro e para fora da bunda encharcada dela, as suas bolas saltando contra o interior das coxas dela. Ela se engasgou, depois gemeu e chorou. Alto.

Seus polegares fortemente cobertos de manteiga afundaram sem esforço dentro e ao redor de seu ânus. Ele a fodeu ainda mais rápido. Ela chorou ainda mais. Ele permitiu que o ímpeto de seu ato de amor louco e apaixonado deixasse seus polegares e dedos deslizarem e deslizarem. Ela miava como um gatinho faminto, mas tremia como um coelho assustado. A visão diante dele era irreal. A sensação era irreal.

"Ahhhhhhh." Ela gemeu.

"Acho que estou indo!"

Quase na ponta dos pés, ele continuou investindo nela do jeito que ela gostava. Moendo o mais profundamente possível. Ele agarrou as torneiras da pia próxima para aumentar sua vantagem. Entre suspiros inquietos ela gozou, seus músculos apertando todo o seu eixo. Ele diminuiu o passo.

Ele puxou para fora. Segurando seu pau duro, molhado e pulsante com a mão esquerda, ele esfregou-o sensualmente na manteiga que cobria sua boceta e desceu por sua fenda. Ele empurrou o ânus dela com o polegar direito. Havia lubrificação mais que suficiente, mas ele guiou-se cuidadosamente para dentro do buraco apertado.

Usando seus gemidos acelerados como guia, ele lentamente enterrou sua virilha nela, parando se ela ficasse em silêncio. A sensação foi incrível. Ele absolutamente adorava essa mulher linda. Ele se inclinou para que mais da pele dela tocasse a dele. Ele segurou seus ombros enquanto eles continuavam seu amor primitivo, pela primeira vez analmente.

Ela foi dominada pelos novos sentimentos que seu patrão lhe trouxera. Ela pensou que essa deveria ser a maneira mais pessoal de duas pessoas tão apaixonadas uma pela outra poderem se conectar.

"Eu te amo", ela exclamou sem fôlego entre suspiros e choros.

"Te amo aline." Ele sussurrou.

Sentir seu hálito quente em sua orelha causou arrepios em sua espinha novamente. Seus gemidos ficaram mais profundos e mais altos. A emoção e a sensação estavam fervendo dentro dele. Quase involuntariamente, ele sentiu seus quadris moerem mais rápido e com mais força.

"Estou chegando!"

"Ah. Hahhhh. Hahhhh."

"Você está me fazendo gozar de novo." Ela gaguejou, pressionando as unhas nos braços dele que envolviam seu pescoço.

Ali, no calor e no suor, numa série de suspiros, gemidos e espasmos, eles atingiram o clímax simultaneamente e depois caíram no chão.

Ela se sentou e olhou para o patrão.

"Obrigado!" Ela sussurrou, fofa.

Após o jantar Paulo Levou Aline e Cristiano ate sua casa e despediu se de Aline com um beijo na frente de Cristiano que fingi-o ignorar

Ao sair do carro Cristiano diz a Paulo.

" semana que vem estarei lá, diga a sua esposa que sou um homem de promessaNa segunda feira Cristiano conversou com Daniel na escola disse que sentia muito por tudo e que queria ser seu amigo, e para provar conversaria com o treinador para colocar Daniel no time de futebol da escola

Daniel ficou entusiasmado, mas disse que era muito ruim no futebol

Cristiano disse que Daniel faria o teste na sexta feira e teria a semana toda para treinar e que seu treino começaria hoje a tarde aqui na escola mesmo e ele seria seu professor.

Naquela tarde Cristiano tentava de todas as maneiras achar uma posição para Daniel jogar, porém ele era péssimo em todas elas, foi ai que Cristiano teve a ideia de colocá-lo no gol, pois a escola tinha um excelente goleiro e um reserva ne jogaria, e foi a melhor opção para Daniel que no gol até se saia bem porem ainda faltava treino, eles treinaram todos os dias horas e horas até que na sexta feira no dia do teste de Daniel ele passou e entrou no time como o segundo goleiro.

Cristiano viu que seu esforço para cumprir parte da promessa que fez a Andrea tinha acontecido, então disse a Daniel que para comemorar iria em sua casa hoje para beber uma cerveja.

Cristiano já tinha parte de sua promessa cumprida faltava só arrumar uma menina tonta capaz de querer Daniel como namorado, pois ninguém queria namorar um nerd.

Conversando com alguns contatos ele ouve falar de boatos de uma menina que saia com meninos por dinheiro pois era muito necessitada. Mas ninguém sabia se era verdade

Cristiano ligou para Andrea e disse que precisava de 500 reais e que depois lhe contaria o porquê, Andrea depositou na mesma hora.

Foi então que Cristiano foi a casa da menina,

Chegando lá uma casa sem muros e bem simples de um bairro simples, antes bater Cristiano ouviu um barulho de choro de uma mulher que murmurava para a filha que o dinheiro dava pra comer ou pagar a energia, Cristiano fica em dúvida se colocaria esta menina em seus planos pois embora ele fosse um valentão que intimidava todo mundo ele tinha sentimentos, mas pensando em tudo e em como ele era fissurado em Andrea ele acabou batendo na porta e chamando a tal garota.

Ao atender a porta saiu uma menina pouco magricela com cabelos pintado de vermelho e roupas meio punk.

"oi você é a Kerem"

"sim o que quer"

" sou o Cristiano estudamos na mesma escola"

"sei quem você é"

" tem uma sorveteria no fim da rua podemos conversar lá"

"desculpe não estou a fim de tomar sorvete"

"eu pago"

"desculpe não posso"

"por favor Kerem"

“tudo bem, você tem o tempo de eu terminar meu sorvete"

Chegando na sorveteria

"tenho uma proposta pra você"

"se for sexo ao contrário que todos dizem não sou uma prostituta"

" bom não é bem isso"

"o que é então?

"quero que finja namorar um amigo meu por um mês"

"mas nem, por que eu faria isso"

" ele é um cara legal e eu pago sua conta de energia e ainda te dou um pouco de dinheiro"

"não, você estava me espionando?

" desculpe deu pra ouvir quando cheguei"

" então Cristiano, não tenho tempo para isso Pois estudo muito"

" Perfeito vocês podem estudar juntos, ele ama estudar"

"kk você não desiste"

"passa seu pix vou depositar 300 da sua energia mais 200 pra comprar umas roupas te pego hoje as 18 horas"

"você não desiste"

" temos um acordo?

"ok as 18"

" combinado"

As 18 horas Cristiano bate na porta da residência dos Vargas com algumas cervejas e acompanhado de Kerem.

Daniel atente e chama eles para assistir um filme na sala ao passar 15 minutos Cristiano diz a Daniel se pode ficar na piscina enquanto eles terminam de assistir Daniel diz que sua mãe está na piscina e seu pai já chega, mas se ela não for usar mais ele pode usá-la sim.

Cristiano viu que estava rolando um clima entre os 2 então resolveu sair e deixar seu plano seguir"Olá, Sra. Vargas ", disse ele com uma voz profunda. "Desculpe incomodá-lo. Posso voltar mais tarde, se você quiser."

“Não há necessidade de voltar”, disse ela. "Deixe-me nadar algumas voltas antes de você tratar a água." "E", ela acrescentou, "você pode largar as coisas da Sra. Vargas .. Chame-me de Andrea ."

Andrea se levantou e caminhou até o outro lado da piscina. Ela timidamente afrouxou a gravata da parte superior do biquíni, de modo que quase caiu. Então, ela deu um mergulho suave na água. Conforme planejado, seu mergulho arrancou a parte superior do biquíni. Andrea nadou até a parte rasa, com os seios perfeitamente expostos.

Ela se levantou na água rasa e inclinou a cabeça para trás, tirando o cabelo do rosto com as duas mãos, ao mesmo tempo que dava uma bela visão de seus seios. Seus mamilos estavam rígidos e Cristiano tinha uma grande protuberância em seu short por causa de seu pênis atento.

Andrea veio até a escada e estendeu a mão para Cristiano. "Ajude-me a sair da piscina, por favor, Cristiano", ela pediu. Cristiano pegou a mão dela e a ajudou a sair, e enquanto ela fazia isso, a outra mão roçou a virilha de Cristiano. Ela deu a ele uma olhada em seus seios grandes, parando perto o suficiente para que Cristiano pudesse tocá-la, se quisesse.

"Uh, acho que você perdeu alguma coisa, Andrea ", disse ele enquanto pegava a parte de cima do biquíni da piscina e entregava a ela.

Quando ela começou a colocar a blusa de volta, ela disse: "Você poderia vir aqui e amarrar minha blusa para mim?"

Cristiano se aproximou e começou a amarrar a blusa, mas suas mãos se atrapalharam nervosamente nos laços antes de acertar. Andrea começou a secar sedutoramente a água de seu corpo.

Então ela disse a ele: "Por que você não termina as piscinase depois volta aqui para nadar e tomar uma cerveja gelada. Meu marido Paulo estará em casa e nós três podemos ir nadar ."

"Claro", disse ele, ainda paralisado pela imagem dos seios nus de Andrea . "Vou trocar de roupas e depois volto."

"Obrigada, Cristiano. Você é um querido", ela disse e se inclinou e beijou sua bochecha, aproveitando para passar a mão em sua virilha novamente.

Depois que ele foi embora, Paulo desceu e ele e Andrea nadaram na piscina.

"Você tem certeza de que ainda concorda comigo transando com o garoto da piscina?" Andrea perguntou enquanto nadava.

"Absolutamente", disse Paulo .

*************************

Quando Cristiano voltou, meia hora depois, Paulo e Andrea estavam na piscina, relaxando. Cristiano disse “Olá” para Paulo e Andrea enquanto se aproximava. "Oh, oi", disse Andrea enquanto descia. "Isso foi rápido. Vou pegar uma cerveja para cada um de nós e já volto. Cristiano, por que você não entra na piscina? A água está perfeita."

Cristiano tirou a camisa e o short e entrou na piscina, vestindo apenas cueca. Ele nadou um pouco e conversou um pouco com Paulo, ambos esperando por Andrea. Ela saiu de casa carregando três cervejas e entregou uma para Paulo e Cristiano.

"Espero que vocês dois não se importem se eu ficar aqui deitada e me bronzear enquanto vocês nadam", disse ela. Ela tirou a parte de cima do biquíni e colocou-o no deque da piscina. Vocês dois já viram meus peitos, de qualquer maneira."

“Por mim tudo bem”, disse Paulo.

Cristiano repetiu a aprovação de Paulo. "Por mim tudo bem e até melhor assim."

Andrea sentou-se na espreguiçadeira, recostou a cabeça e fechou os olhos.

"Sabe", disse Paulo a Cristiano, "Andrea achou que você é um cara muito dotado. Todos nós tínhamos nossas fantasias sexuais. sobre como é foder um jovem negro, ou até mesmo com 2 homens. Acho que você será recebido calorosamente por ela.

Cristiano ficou surpreso com os comentários de Paulo, pois aquela resistência do casal havia sumido nem que fosse apenas por um momento. Ele saiu da piscina, caminhou até o lado de Andrea e deu uma boa olhada em seu corpo curvilíneo. Parado ao lado da poltrona dela, ele disse: "Paulo me disse que você poderia me dar uma 'boa recepção calorosa todas as vezes', mas não explicou o que isso significava."

Andrea se levantou e disse a Paulo : "Querido, tudo bem se eu der uma recepção calorosa a Cristiano?"

"Vá em frente", disse Paulo, "vou apenas observar. Por enquanto."

Andrea puxou Cristiano para ela, estendeu a mão e colocou a mão na nuca dele, puxando-o para mais perto, e cobriu sua boca com seus lábios úmidos e abertos. Segurando o beijo, ela estendeu a mão e encontrou a mão esquerda dele, colocando-a em um de seus seios. Enquanto eles continuavam a se beijar - mais apaixonadamente, agora - ele estendeu a mão direita e começou a massagear o outro seio e mamilo da mesma maneira.

Andrea estendeu a mão e passou a mão sobre a protuberância em sua cueca. Ela agarrou seu pênis através do tecido e então deslizou a mão para baixo, dentro de sua cueca. Ela envolveu seus dedos em torno de seu pênis duro e lentamente acariciou seu comprimento. Ele retribuiu o favor, deslizando a mão por dentro da parte de baixo do biquíni. Ele esfregou a boceta dela e depois mergulhou um dedo entre os lábios molhados da boceta dela.

"Oh Deus", Andrea gritou, "Isso é tão bom." E para Paulo ela disse: “Ele está com o dedo dentro de mim”.

Andrea interrompeu o longo beijo e disse a Cristiano: "Querido, você já esteve com? Alguém mais velho que você?"

Cristiano respondeu: " você foi minha primeira vez. Você já esteve com um homem negro antes?"

Você foi meu primeiro", respondeu Andrea.

"que bom"

"Você quer comer minha buceta? Uma buceta casada e branca?" Andrea perguntou. "Porque eu certamente gostaria que você fizesse isso novamente !"

"Oh sim!" ele disse, e se moveu entre as pernas dela.

Andrea estava do outro lado da piscina, de frente para o marido, e quando Cristiano se reposicionou, ela olhou para Paulo com um grande sorriso e fez um sinal de positivo com o polegar para cima. Paulo retribuiu o gesto com a mão esquerda... a direita estava enrolada em seu pau duro.

Cristiano tirou o biquíni de sua bunda redonda, jogou-o de lado e se inclinou. Ele plantou um beijo suave de boca aberta nos lábios de sua boceta e então começou a deslizar a língua para cima e para baixo em sua fenda molhada.

Com a boca ainda sobre o clitóris dela, Cristiano deslizou um dedo na sua buceta molhada, e começou a fodê-la com ele.

Ela soltou um contentamento: "Oh, sim! Isso é bom!"

Encorajado, ele começou a bater o dedo em sua buceta suculenta, forte e rápido, batendo nas dobras molhadas com a palma da mão a cada golpe.

Paulo, vendo sua esposa ter sua boceta lambida por Cristiano, sabia que ela estava chegando ao orgasmo, porque ela segurou seus seios, apertando-os e beliscando seus mamilos.

Cristiano também sentiu que ela estava se aproximando e dobrou o dedo, apertando-o com força em seu ponto G, enquanto chupava com força seu clitóris.

Ela soltou um grito e colocou as duas mãos na cabeça dele, tentando empurrá-la em sua boceta enquanto enrijecia seu corpo em um orgasmo intenso.

Assim que ele surgiu para respirar, ela puxou-o pela cabeça até a boca e beijou-o com avidez, saboreando seus próprios sucos por todo o rosto.

Finalmente, ela o empurrou e ordenou: "Tire esse short! Quero seu enorme pau na minha boca!"

Em dois segundos, ele estava tão nu quanto ela, e ela estava de joelhos na frente dele. Ela se virou quando ele saiu da área , então os dois ficaram de lado para o marido que observava, para que ele pudesse apreciar a vista. Lentamente, Andrea levou cada vez mais o pau de Cristiano para dentro da boca, até chegar ao fundo da garganta. Ela subiu e desceu o pau dele várias vezes assim, e então pegou as mãos dele e as colocou na cabeça. “Sou toda sua, Cristiano”, disse ela. "Vá em frente e foda-me a boca!"

Não demorou 10 minutos para que ele estivesse pronto para gozar e disse: "Estou me preparando! Onde você quer?"

"Bem na minha cara!" ela disse, desligando-se por apenas alguns segundos. "Jogue seu esperma em cima de mim!"

Ele fodeu-lhe a boca durante mais 30 segundos, e depois agarrou a sua pila molhada e escorregadia, e começou a masturbá-la em frente da cara dela.

Ela abriu a boca, mas não queria que ele mirasse; ela queria sentir o calor de seu esperma espalhando-se por seu rosto.

Ele esguichou esperma quente nos olhos dela, no nariz e nos lábios, finalmente espremendo as últimas gotas na boca ainda aberta.

"Isso foi ótimo, Cristiano!" ela disse, e lambeu a língua nos lábios, reunindo todo o esperma que conseguiu alcançar. "E aposto que Paulo também soltou um monte, apenas observando."

Cristiano olhou para o outro lado da piscina e viu Paulo parado ali, nu com o pau na mão.

Andrea então disse aos dois: "Porque não vamos para dentro, para o quarto. Assim que o Cristiano se recuperar, quero o pau grande e preto dele dentro da minha buceta". Andrea se limpou com uma toalha, agarrou Cristiano pelo pau e o levou para dentro do quarto. Paulo seguiu em frente, sabendo que Andrea estava determinada a foder com os 2 novamente.

Uma vez no quarto, Andrea sentou-se na ponta da cama, com Paulo parado ao pé da cama e Cristiano na frente dela.

Paulo então disse a Andrea: "Diga a Cristiano como você quer."

"Cristiano", ela disse, "eu quero seu pau preto bem fundo na minha boceta. Por favor, use-me, faça de mim sua vagabunda branca."

"Então vá para a cama, Andrea ... e abra as pernas", ordenou Cristiano.

Andrea obedientemente rastejou para a cama e abriu as pernas pronta para recebê-lo.

“Diga a Cristiano o que você quer agora”, disse seu marido Paulo.

Andrea estava tão excitada agora como sempre esteve. Apertando os mamilos com uma das mãos e esfregando furiosamente o clitóris com a outra, ela implorou a Cristiano: "Foda-me... por favor... Cristiano... quero que você me foda!"

Cristiano subiu na cama e guiou seu pau para dentro da boceta de Andrea. Já Paulo subiu na cama também, beijando Andrea que logo lhe proporcionava uma bela chupeta.

"Oh meu Deus", Andrea gemeu quando Cristiano empurrou quase todo o comprimento de seu pênis em sua boceta com um golpe forte. Sentir as suas grandes bolas redondas baterem com força nas nádegas dela enquanto a sua pila chegava ao fundo da buceta dela. doeu um pouco, mas ela não se importou.

Com Cristiano enterrado profundamente dentro dela enquanto sua boceta agarrava seu pau como um torno, Paulo então disse a ela: "com meu pau na boca Fale pra ele, Andrea, diga a ele o que você quer."

Andrea nunca esteve tão animada, ou se sentiu tão suja e desagradável em sua vida quando respondeu: "Foda-me, Cristiano... por favor... foda minha boceta branca casada com seu grande pau preto."

Com golpes longos, profundos e muito lentos, Cristiano começou a foder Andrea. Vendo a expressão de frustração em seu rosto enquanto a provocava, Cristiano sabia o que ela queria, mas a fez implorar.

"É assim que você quer, vadia... bem e devagar", brincou Cristiano.

"Não, por favor, com mais força, me foda com mais força", ela implorou.

Aumentando o ritmo, Cristiano lentamente começou a foder Andrea cada vez mais. Gemendo, gemendo e se debatendo na rola de seu marido enquanto ele fazia, todo o corpo de Andrea se contraiu quando seu primeiro orgasmo sacudiu seu corpo. Foi o maior orgasmo que ela já teve e encheu todo o seu ser de êxtase. Enquanto Andrea se contorcia de prazer percorrendo-a repetidas vezes, Cristiano não lhe deu descanso e continuou a fodê-la.

Virando o corpo de Andrea sobre as mãos e os joelhos, Cristiano abriu rudemente suas bochechas brancas e mergulhou seu pau nela por trás, estilo cachorrinho. Apesar da foda que acabara de fazer, Andrea ainda não tinha se acostumado com o tamanho do pau de Cristiano e a penetração áspera nesta posição parecia muito mais profunda do que antes.

Gemendo alto enquanto a cabeça de seu pênis empurrava com força contra seu colo do útero, mais uma vez Cristiano estava profundamente dentro de sua boceta e Andrea estava no céu. Segurando Andrea pelos quadris, Cristiano começou a fodê-la com os golpes profundos e poderosos que ela tanto desejava.

Paulo brincou com os mamilos de Andrea enquanto Cristiano fodia sua esposa, dizendo a ela: "Era isso que você queria? Um grande pau preto bem dentro de você?"

"Sim!" Andrea gemeu.

"E você é uma prostituta de pau preto, não é?" Paulo continuou. "Diga. Diga a Cristiano o que você é."

Ela tirou o pau da boca e disse.

"Cristiano", ela disse, "eu sou uma vagabunda... uma prostituta por pau preto!"

Andrea perdeu toda a noção do tempo. Perdendo a conta de seus orgasmos, Cristiano continuou batendo nela. Ambos atingiram o clímax várias vezes com o corpo jovem de Cristiano produzindo volume após volume de esperma, que ele depositou em sua boceta, e Paulo em sua boca.

Uma hora depois, Andrea, exausta, estava deitada na cama, tremendo. "É melhor deixá-la dormir um pouco", disse Paulo. Ele e Cristiano saíram da sala.

Já era noite antes de Andrea acordar. Ela saiu do quarto nua, cansada e dolorida. O esperma de Cristiano tinha secado na sua buceta e nas pernas.

Cristiano e Paulo conversava na piscina tomando uma cerveja.

"Bem", disse Paulo, "era isso que você queria?" tornar minha esposa sua vadia ??"

“Não foi tão Difícil”, disse Cristiano , “foi melhor que isso ”. Ela valeu todo esforço.

“Muito obrigado por tornar minha esposa vadia, agora ela está outra na cama”.

"A propósito", minha irmã não para de falar em você, "Aline disse que está apaixonada por você?"

"Bem", disse Paulo maliciosamente, "eu também estou por ela cunhado rsrs."

Andrea que escutara tudo e apenas sorriu da conversa.

"parece que todos estão felizes, inclusive eu com meus dois machos.

continua

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 81 estrelas.
Incentive Gabriellll a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil genéricaGabriellllContos: 64Seguidores: 166Seguindo: 21Mensagem Escritor nas horas vagas se tiver ideias de conto me mande no e-mail lxvc1987@hotmail.com

Comentários

Foto de perfil de Amandha CD Putinha

Que delííííciaaaaaaaa de foda... marido cúmplice... cunhado cúmplice... esposa e irmã cúmplices...

Que vontade de estar junto deles

0 0
Foto de perfil genérica

desde a primeira parte é perceptível que são autores diferentes de contos traduzidos diferentes, e tudo bem, construiu e montou muito bem as primeiras partes, mas essa mudança de personalidade dos personagens foi muito estranha, além de "garoto da piscina" puts kkkkk

0 0
Foto de perfil genérica

Por ler muitos contos com histórias está tudo muito fácil pro Cristiano. Não duvido nada das coisas acabarem mau pra ele.

Histórias muito boa, parabéns.

1 0
Foto de perfil genérica

Ansioso pelo próximo espero q adicione mais sexo anal

1 0
Foto de perfil de Apollojr

Bem excitante, mas as coisas mudaram muito rápido. Outra coisa são as transições entre uma cena e outra, fica meio confuso. Mas fora isso muito bom, espero uma saga longa dessa família liberal

1 0
Foto de perfil genérica

Já tô pensando quando o filho descobrir, isso se ele descobrir!

1 0