Além das Aparências: Encontrando o Próprio Caminho. Capítulo Vinte e Quatro.

Um conto erótico de Fernandinha Loira
Categoria: Heterossexual
Contém 3048 palavras
Data: 27/09/2023 10:33:55

Ao leitor,

Você está pronto para uma jornada fascinante e envolvente da vida? Entre 2007 a 2010. Meu diário é um relato sincero e humano das minhas experiências, desafios e triunfos. Ao ler minhas palavras, você será transportado para o mundo de uma mulher forte e determinada que enfrentou as complexidades da vida, do amor e da busca por um lugar no mundo.

Eu poderia estar vendendo este conteúdo via E-book, mas resolvi disponibilizar gratuitamente, então valorizem...

Descubra os segredos, as alegrias e as tristezas que eu compartilho em meu diário. É uma história que vai cativar você do começo ao fim. Portanto, não perca a chance de me conhecer através do meu próprio texto. Leia meu diário e embarque nessa jornada hoje mesmo!

Diário de Fernanda — Segunda, 2 de julho de 2008.

Querido diário,

Desculpe por não escrever nas últimas semanas, a vida tem sido movimentada. Mas voltei para atualizar as novidades.

Primeiramente, passei alguns dias sem atender devido à minha menstruação. É importante cuidar de mim mesma e dar ao meu corpo o descanso de que ele precisa.

Neste intervalo, fiz às últimas provas da faculdade e realizei algumas compras no Brás, para me preparar para o inverno. Comprei roupas quentinhas e um belo par de botas de couro, que vão me manter aquecida durante os dias mais frios.

Minha mudança para o novo apartamento na Rua Augusta tem sido incrível. Estou faturando mais e me sinto mais confortável e segura aqui. A proximidade com a região da Avenida Paulista facilita muito a minha vida, já que a maioria dos meus clientes, desses safadinhos que traem suas esposas e namoradas, estão por aqui.

Também reservei um tempo para cuidar de mim. Fui ao salão de cabeleireiro, onde fiz um novo corte nos cabelos e renovei a cor loira. Além disso, cuidei das mãos e dos pés, pintando as unhas de vermelho: os homens amam mulheres que pintam às unhas da cor vermelha, são pequenos detalhes que fazem toda a diferença.

Amigo diário: decidi contar para a minha irmã, Helen, sobre a minha mudança de apartamento e região. Foi um passo importante, e ela reagiu compreensivamente, o que me deixou aliviada. A família é essencial, e mesmo que ela não saiba de todos os detalhes da minha vida, é bom poder compartilhar parte dela com ela. Falei para a Helen, depois eu contaria para os meus avôs, mãe e assim vai…

A vida segue seu curso, com seus altos e baixos. Hoje, eu, Fernanda, voltei a atender, foi mais um daqueles dias de atendimentos aqui no apartamento, e tive apenas dois clientes. Mas hoje vou te contar sobre o encontro com o Sandro, um rapaz de 23 anos, estudante de direito na PUC, ele chegou aqui por volta das 15:00 – 15:15 hrs.

Sandro é do meu tamanho, tem 1,79 de altura, pele branca, olhos castanhos, cabelos pretos e compridos até os ombros, lisos e pretos. Ele chegou todo tímido, também, né? Apareci para o cliente apenas de calcinha vermelha e sutiã preto, para quebrar o gelo e fazer com que ele se sentisse mais confortável, decidimos tomar uma cerveja juntos. Dividimos uma latinha, ele sentado no sofá, e eu sentada em seu colo, conversando e trocando confidências sexuais. Sandro perguntou-me, se eu namorava, eu respondi que os meus namorados eram os meus clientes, rimos e a coisa esquentou.

À medida que o tempo passava, o clima ficava cada vez mais quente entre nós. Os olhares se intensificaram e as mãos não conseguiam ficar paradas. Surgiram carícias, toques sutis e beijos cheios de desejo, ele inclusive chupou meus peitinhos. Foram momentos de pura excitação enquanto explorávamos nossos corpos, balançando eles para frente e para trás, entregávamos aos prazeres da carne.

Após um tempo na pegação no meu sofá, deslizei até o chão bem lentamente, falando para o cliente que iria tirar a roupa dele, comecei pela calça jeans preta, ele retirou a blusa, depois eu a cueca, meias e tênis, foram tudo parar no chão. E o pênis do cliente, hein? Ah, seu pau era grandinho, com veias grossas, cabeça rosada e macia, o trocinho estava durão, (babando) para me pegar, rs.

Peguei seu pau com uma das mãos enquanto a outra foi parar massageando as bolas, masturbei ele e “caí de boca” na gulosa, chupando loucamente, movimentando a cabeça e a língua em círculos, não foi possível enfiá-lo todo na boca, uma parte eu preenchia na punheta; que pau apetitoso, caro diário, por mim ficaria o programa todo chupando. Sandro comportou-se bem, não apertou a minha cabeça, gemeu suplicando por mais boquete, por mais carinho, deixou-me fazer o trabalho e só parei quando ele despejou porra na minha língua.

Fui ao banheiro me lavar e voltei limpinha. Em seguida, sugeri que comecemos na cama, mas o cliente quis me pegar no sofá. Logo após eu me aproximar dele, Sandro me fez deitar no sofá com as pernas abertas e chegou roçando a língua no meu clitóris (chupando), chupou por um bom tempo, me permitindo gemer e apertar sua boca contra a minha pepequinha. Gozei rapidinho! Depois ele subiu para chupar os meus peitinhos e me beijar.

Detalharei, querido diário, algumas posições em nossa transa nesta tarde. Ele meteu um preservativo no pau e veio me atacar no “papai e mamãe” me foder, e foi gostoso a penetração, brincamos à beça no sofá, ele conduzia os movimentos, eles tinham variações entre o lento e o rápido, o que me fez gozar de novo, bem gostoso, nos beijamos de montão, passamos por momentos de desejo e sedução, avançando e recuando suavemente. A cada nova penetração, nossos corpos pareciam encontrar um ritmo perfeito, como se estivéssemos dançando uma melodia sensual e ardente.

Nós já estávamos cansados na segunda posição que experimentamos foi batizada de “Entrelaçados”: nós dois deitados de lado frente ao outro e os nossos corpos se encaixavam perfeitamente, intenso e apaixonado. Em seguida, partimos para a posição “Montanha Russa”, na qual eu com a intensidade do prazer cavalgava em cima dele no anal, e parecia aumentar a cada movimento.

Quando Sandro me pegou de quatro, nos entregamos ao relaxamento e ao prazer, permitindo que nossos corpos se explorassem completamente. Seguiu-se nesta posição por muito tempo, entre a pepeca e o cuzinho em que nos envolvemos num êxtase indescritível. Mas o clímax chegou e os nossos corpos estavam unidos numa sinfonia de prazer inebriante e intenso.

Por fim, eu, Fernanda, tomei uma gozada no rosto, foi assim... Fiquei ajoelhada no chão e Sandro de pé, ele retirou o preservativo e, se divertiu de maneira deliciosa, gozando em mim, esfregando o pauzão no meu rosto, explorando seus desejos e luxúria, movendo meus dedos nos olhos fechados para tirar o gozo que havia caído neles, fomos levados pelo prazer até a exaustão. Espalhei àquela porra toda do pescoço para baixo, sua porra tinha odor forte o que me deixou um pouco enjoada na hora.

Depois que tudo acabou, levantei do chão para ir ao banheiro tomar uma chuveirada, Sandro entrou no banheiro comigo, mas foi apenas para jogar o preservativo usado no lixo e saiu. Ele não tomou banho, quando retornei do banheiro, ele já estava vestido. O cliente pagou e deu mais cinquenta reais de caixinha. Ficamos de “bobeira”, tomamos cerveja até dar o tempo de 1 hora. Sandro disse: “que eu tinha a bunda mais gostosa e apertadinha de todas que já pegou, que fui a responsável pelo melhor boquete de sua vida. ”

Obrigada, faço o que posso, não é mesmo, caro diário? Ele foi embora com a promessa de novos encontros, tomara…

Querido diário, hoje foi um dia intenso e cheio de sensações avassaladoras. Espero que os próximos atendimentos me proporcionem ainda mais histórias para escrever em você. Até amanhã!

Com carinho,

Fernanda

Diário de Fernanda — Quarta, 4 de julho de 2008.

Caro diário,

Parece que o frio em São Paulo não dá trégua, e eu tenho me enrolado em cachecóis e suéteres para enfrentar essa temperatura gelada dos últimos dias.

A faculdade tem corrido bem, e minhas amigas. Flávia, Juliana e Alyssa, estamos planejando uma viagem para a Argentina. Estou realmente animada com a ideia de passar um tempo com elas em um lugar novo, será a minha primeira viagem internacional.

A grande novidade é um presente que recebi de um novo cliente chamado Custódio, de 51 anos. Ele me deu um colar lindo, feito de ouro branco. Custódio parece estar mais envolvido do que a maioria dos meus clientes e fez uma proposta interessante: ele quer que eu seja exclusiva dele e está disposto a pagar 5 mil reais mensais por essa exclusividade. Estou sinceramente pensando nisso, mas ainda não decidi.

Custódio é um homem interessante, com uma aparência bonita, olhos verdes, cabelos lisos curtos-grisalhos, ele media por volta de 1,85 de altura. Hoje, quando ele veio ao meu apartamento, eu estava usando um vestido curto de cor vinho, que, se me permite dizer, me caía muito bem, não usava calcinha, deixei o homem enfurecido de tesão. O cara ficou apaixonado na primeira trepada, devo ter mel na pepeca, não tem explicação, os homens ficam loucos comigo.

Pensando aqui. — Estou pensando sobre essa proposta, pois sei que isso significaria uma grande mudança na minha vida, porque darei para um homem, ao invés de vários. Mas, por enquanto, continuo refletindo sobre o assunto, e quem sabe, em breve, decidirei.

Hoje foi um dia de três atendimentos aqui no apartamento, mas quero contar para você sobre o encontro com o especial, Custódio, um homem casado há 17 anos. Ele foi o último cliente do dia e chegou aqui por volta de (18:30), fiquei imediatamente impressionada com sua aparência, Custódio trazia com sigo, uma maleta preta de couro e uma sacola mediana da cor preta.

Assim que Custódio chegou, pude notar que ele estava com um penetrante para mim, então decidi provocá-lo, erguendo meu vestido, eu não usava calcinha e suas reações seguiram no automático. Custódio largou tudo em cima da mesa e veio me beijar para quebrar o gelo, sua pegada era forte e às vezes ele apertava meus quadris. Nossas roupas, essas, logo ficaram jogadas no chão. Foi quando fomos para a cama. Conforme o tempo passava, o clima entre nós, ficou cada mais quente, chupei seu pau muito rápido. Houve preliminares deliciosas, momentos de beijos intensos e toques sensuais. Custódio me chupou de quatro, ele abria às minhas nádegas e metia a boca na bunda para chupar meu cu e a pepequinha, ele parecia estar cada vez mais à vontade e aquilo me deixava animada ao ponto de eu gemer.

Então, começamos a explorar o sexo, ele meteu um preservativo no seu pau de (15 cm). Começamos com a clássica posição do “Papai e Mamãe”, em que ficamos, cara a cara, nos conectando de maneira íntima e intensa. Custódio metia rápido e com força, ele “devastou” a minha bocetinha, no começou, doeu, segundos depois, comecei a achar prazeroso. Em muitos momentos com ele, eu provoquei Custódio, dizendo para meter mais rápido, foram táticas para seu orgasmo vir com antecedência. Custódio caiu na minha conversa, otário, rs. Enquanto me fodia, eu ficava olhando para o teto, para o relógio, para vários outros lugares no quarto, abraçada no seu pescoço, ele estava extremamente cheiroso, hummm…

Em seguida, passamos para a posição conhecida como “Cowgirl Reversa”, em que fiquei por cima dele e de costas pulando no anal, rebolando, controlando o ritmo e a intensidade dos movimentos. O pau do cliente entrou inteiro em mim. Foi uma sensação incrivelmente prazerosa. Ele gostava de interagir com às mãos, apertando, tocando em várias partes do meu corpo.

Mudamos então para a posição do “Cachorrinho”, onde fiquei de quatro, antes de tudo, ele abriu os pequenos lábios da minha pepeca, para ver meu buraquinho rosado, não muito depois, ele se posicionou atrás e meteu na minha pepeca, e mais tarde no anal.

Suas mãos me apertavam no pescoço, nos ombros, nos quadris, nas coxas, mas devo confessar que gosto desse contato, ainda mais quando estou excitada. Ele também era de dar mordidinhas, que me causavam uma mistura de dor e prazer.

Trepar de quatro sempre me proporciona uma sensação de entrega e prazer absoluto, eu me sinto mais vadia do que já sou de quatro. Custódio, tinha uma barba rala, ele raspava ela nas minhas costas, conforme o tempo passava, minha pele ficou avermelhada e dolorida, mas deu para suportar essa dorzinha, rs.

Gozei no pau do cliente, e meus fluidos, saíam conforme ele movimentava o pênis. Em poucos minutos seu orgasmo chegou, mas antes, ele tirou o preservativo e jogou seu “mel” em cima do meu corpo, na bunda e nas costas. Fizemos uma pausa merecida para descanso breve. Continuamos por alguns minutos na cama, onde beijamos na boca, trocamos carícias, brinquei com os pelinhos da sua barriga, e ele chupou meus peitinhos.

— “Você tem mesmo 20 anos, Lara? — Ele perguntou…

— “Por quê? ” — Eu perguntei.

— “Porque você transa como uma mulher de mais idade. ”

Eu não entendi porra nenhuma, mas logo mudamos de assunto!

Depois tomamos banho juntinhos, rolou mais beijos e pegação enquanto a água quente nos aquecia. Desci para chupá-lo e lá fiquei por um longo período me dedicando no pau e nas bolas do cliente.

Do boquete seguimos molhados para a cama. Mas antes de continuarmos. Custódio tirou da sacola um brinquedinho sexual, eram aquelas bolinhas tailandesas, eram novas, estavam no plástico da embalagem, ele perguntou seu eu topava brincar um pouquinho. Respondi que sim, que topava!

Tirei o brinquedinho da embalagem, eram seis bolinhas grudadas por um cordãozinho, com cerca de dois centímetros de espaço de uma para outra. Peguei um óleo a base coco, fiquei de quatro na cama, pedi para ele passar o óleo tanto na pepeca, quanto no meu cuzinho. Custódio, ele passou a porra do óleo sorrindo em mim.

Daí o safado foi introduzindo às tais bolinhas na minha pepequinha, uma, duas, três, quatro, cinco e a última seis, ficando só a ponta do cordãozinho para puxá-las. Aí ele puxou e introduziu novamente e puxou de novo. No meu cu, foi o mesmo, perdemos uns dez minutos nessa brincadeira, com as bolinhas tailandesas.

Então deixamos às bolinhas de lado, excitado, Custódio meteu o segundo preservativo, não satisfeitos, partimos para a “Tesoura”, uma posição em que nossas pernas se entrelaçavam, permitindo uma penetração mais profunda e intensa. Os movimentos eram ritmados e cheios de paixão, nos levando a uma conexão ainda mais intensa. Ele era tão safado quanto eu, deve ser por isso que Custódio ficou apaixonado e me fez a tal proposta.

Seguimos para a posição “de ladinho” uma troca de prazeres mútuos, onde ambos podíamos nos deliciar com o toque e o sabor um do outro. Foi uma experiência bastante prazerosa e excitante. Custódio, já não estava com aquele gás do começo, ele maneirava nos movimentos de penetração.

Por fim, exploramos a posição de “Dominadora”, em que Custódio se deitou de costas e eu dominei o ritmo e a intensidade dos movimentos. Foi uma oportunidade de demonstrar meu poder e satisfação sexual, o que nos levou a um clímax cheio de êxtase e satisfação. Gemíamos com extrema violência, acho que se o pau dele tivesse osso teria quebrado, é que a gente se empolgou um pouco além da conta.

— “Deixa eu gozar na cara? ” — Custódio para mim no final!

— Se você me der mais cem reais, eu deixo. — A minha resposta.

Ele aceitou. Eu ajoelhada. Custódio em pé na cama; masturbando o pênis perto do meu rosto. Enfim, fechei os olhos ouvindo os gemidos do Custódio e, no final, tomei uma cusparada de sêmen na bochecha esquerda. A quantidade foi menor que a primeira vez!

— “Você é uma delícia pessoalmente, Lara. ” — Custódio para mim, com olhar de homem excitado e apaixonado.

— Ah, obrigada, só um pouquinho! — Respondi sorrindo para ele ainda com a cara melada de porra, rs.

Transamos até nos sentirmos completamente exaustos, nos entregando aos nossos desejos e prazeres mais íntimos. Foi uma experiência ardente e inesquecível.

Custódio disse que já vinha olhando algum tempo as minhas fotos do site e, que só não veio antes, porque estava esperando sua esposa e seus dois filhos viajarem de férias para o Ceará. Ele é pai de um casal, Ana Caroline, de 25 anos, e Diego, de 18 anos. Custódio, mostrou-me as fotos dos filhos, eles são lindos, ela é gata.

Perguntei a Custódio; se ele tinha tesão pela Ana Caroline, ele demorou para responder, pensou bem antes de dar a resposta. Ele confessou que uma vez entrou escondido no banheiro do quarto da filha, para vê-la enquanto ela tomava banho. Dei a ideia para ele, que podia ser a Ana Caroline da próxima vez que viesse me visitar, e pedi, que trouxesse uma roupa usada. Custódio gostou da minha ideia, senti que ele ficou mexido com minha proposta.

Caro diário: ainda não consigo acreditar que eu disse àquilo para Custódio, e o pior, eu tenho talento para isso, rs, acredita?

Daí começou toda aquela história que eu disse no começo, a tal proposta para ser exclusiva dele. Pedi alguns dias para pensar. Ele ficou decepcionado por não decidir na hora, mas aceitou esperar meu tempo. Tomamos banho juntos, ele voltou a chupar meus peitinhos no chuveiro, depois desci para chupá-lo, mas seu pau não tinha mais forças, então me levantei para terminar o banho.

Já vestidos, ele me presenteou com o tal do colar. Custódio colocou ele no meu pescoço, o colar é lindo, brilha que só, que luxúria meu Deus. Ele pagou meu cachê além do que havíamos combinado. Acompanhei ele até a porta, demos um beijo na boca, na hora dele ir, eu o chamei de “papai”, Custódio olhou para mim e sorriu sem graça, falou algo que não consigo lembrar e desceu de elevador.

O melhor de tudo, é que a cada dia a minha conta bancária está mais cheia de dinheiro, porém, não posso comemorar este feito com meus familiares, eles não aceitariam eu ter virado puta!

Querido diário, preciso colocar as ideias no lugar, hoje foi um dia intenso e cheio de conexões. Espero que essas memórias permaneçam vivas em minha mente por muito tempo. Agora, é hora de descansar e aguardar pelos próximos encontros.

Com carinho,

Fernanda.

fernandaciqueiralacerda@gmail.com

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 53 estrelas.
Incentive Fernandinha Loira a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Fernandinha LoiraFernandinha LoiraContos: 37Seguidores: 59Seguindo: 0Mensagem Olá! Meu nome é Fernanda e estou muito animada em compartilhar um pouco sobre mim com você. Sou uma mulher de 35 anos, apaixonada pela cidade de São Paulo, onde nasci e cresci. Minha jornada de vida tem sido repleta de experiências significativas e aprendizados que me moldaram em quem sou hoje. Sou casada e mãe de uma menina encantadora, que traz muita alegria à minha vida. Minha família é uma parte essencial de mim, e procuro sempre dedicar tempo e amor aos que amo. Fui garota de programa por 3 anos, 8 meses e 18 dias. Sou grata por cada lição que a vida me presenteou e estou pronta para abraçar o que o futuro reserva. Vamos caminhar juntos nessa jornada de autoconhecimento e crescimento!

Comentários

Foto de perfil de Kratos116

Mais um ótimo capitulo deste relato incrível.O que mais me chamou a atenção foi no final você dizendo que" a cada dia minha conta bancária está mais cheia mas você não pode comemorar com seus familiares.Dever ser muito frustante você ver que seu " sucesso profissional " e não poder compartilhar sua alegria com sua família

0 0