Capítulo 31 - A loira me pegou de jeito...

Um conto erótico de Depravadototal
Categoria: Trans
Contém 2244 palavras
Data: 10/03/2023 13:32:21
Assuntos: Dominação, Gay, Trans

Continuando de onde parei...

Quando voltei ela estava deitada de bruços na cama, já fui alisando aquele rabão, dando beijinhos e mordidinhas, ela ficava dando gritinhos e me chamando de safado, depois ela se virou me puxando pra cima dela, foi a primeira vez que senti o pau dela me tocar, achei meio estranho o pau na minha barriga mas não falei nada continuei na putaria com ela, fiquei deitado em cima dela beijando e me esfregando, de repente ela rola o corpo ficando por cima de mim e com os pés ela foi abrindo minhas pernas e se encaixou no meio, na mesma hora eu dei um empurrão nela gritando.

- Opa! Peraí.

Ela mudou totalmente a expressão e gritou com tom de raiva.

- Como assim? Peraí o quê? Agora é minha vez de gozar tu tá de palhaçada comigo é?

Eu confesso que fiquei morrendo de medo, tinha muitas estórias sobre os travestis naquela época, que ficavam com gilete debaixo da língua pra cortar os outros entre outras, tinha que dar um jeito de sair da situação então falei.

- Não, calma, é que eu não estou acostumado.

Nisso ela deu um sorriso e falou.

- Ah bebê, tá com medo da tia te machucar é? Pode deixar que eu vou com calma, vou fazer bem gostosinho não vai doer não, vem aqui comigo.

Ela saiu da cama e puxou uma espécie de maca que estava embaixo, já tinha um colchão com cobertura de um material parecido com couro, me mandou deitar ali e eu deitei de barriga pra cima, ela foi até o guarda roupas e depois voltou com um tubo grande na mão, abriu o tubo e despejou um óleo em cima do meu corpo todo falando que era óleo de massagem, ela começou a massagear meu corpo, no pescoço, no peito, na barriga, nas coxas, massageava tudo inclusive o meu pau, mas não batia punheta fazia massagem mesmo, nisso meu pau ficou duro de novo, ela riu e falou.

- Tá gostando né safado? Relaxa que vai ficar melhor ainda.

E continuava me massageando, até que ela começou a dar mais atenção ao meu pau, ela subia as mãos pelo pau e descia, fazia movimentos somente de baixo para cima, depois somente de cima para baixo, depois ela começou a massagear embaixo das bolas, aquilo me deu um tesão louco, ela ficou massageando embaixo e o pau ao mesmo tempo, logo eu falei que ia gozar ela riu e disse.

- Goza, goza gostoso vai bebê.

E eu gozei, gozei muito nem parecia que eu já tinha gozado duas vezes, dei uma gozada tão forte que melei minha barriga, meu peito e até no meu rosto pegou, ela riu e falou.

- Nossa bebê, ainda tinha todo esse leite guardado?

E caiu de boca lambendo toda minha porra, lambeu tudo até do rosto, depois ela veio e me beijou, quando beijou senti um liquido doce na boca, ela derramou minha porra na minha boca, acabei engolindo, depois ela chupou meu pau deixando ele limpinho e me mandou virar de costas, eu fiquei muito receoso mas obedeci de medo, ela derramou óleo nas minhas costas e recomeçou a massagem, apertava meu pescoço, descia pelas costas até a cintura, ficava massageando na lombar e depois pulava pras pernas, ela não tocava na minha bunda o que me fez relaxar um pouco, ela massageou muito os meus pés, subia pela canela, as coxas, e ia pras costas de novo, ficou quase uma hora assim, e de repente quando ela ia descer da cintura pras pernas ela passa a mão na minha bunda, eu travei na hora e me tranquei todo, ela riu e disse.

- Calma bebê, tá com medo do quê? Não vou te machucar não (risos), você precisa se acostumar com o toque na bunda também sabia?

Falou isso e encheu a mão na minha bunda apertando ela com força, aquilo me deu um arrepio na espinha e uma sensação estranha, mas foi rápido, ela já foi pra coxa e continuou a massagem, mas dessa vez quando subiu de volta veio com as duas mãos na minha bunda, eu me tranquei todo de novo e ela deu um tapão falando pra eu relaxar, e ficou só massageando a bunda, aos poucos a massagem foi ficando boa, ela só pegava na bunda mesmo não tocava no meu cuzinho, eu fui me acostumando com o toque dela e fui relaxando cada vez mais, ela passou mais óleo e ficou mais algum tempo ali, descia até a coxa e depois subia até a cintura, e de repente numa dessas subidas eu senti o dedo mindinho dela ir bem no meu cuzinho, e ele entrou, ao mesmo tempo que eu gostei daquilo eu me assustei porque o dedo entrou muito fácil, mesmo sendo o mindinho achei que não entraria, ela riu falando.

- Aí, tá vendo? Nem doeu né safado.

Começou a fazer um vai e vem com o dedinho e com a outra mão continuava me massageando, aquilo foi ficando gostoso, logo ela tirou o dedinho e enfiou outro mais grosso, acredito que o dedo do meio, ficou brincado com ele dentro de mim enquanto ainda me massageava, de repente ela tira o dedo e se afasta um pouco, olhei pra trás e vi ela derramando óleo no corpo todo dela, se lambuzou toda, inclusive o pau, ela disse.

- Vou te mostrar a famosa massagem tailandesa.

Subiu em cima de mim e começou a esfregar os peitos no meu corpo todo, desde o pé até a cabeça, depois de algum tempo assim ela se deitou em cima de mim, encaixou o pau no meio da minha bunda, eu ficava pensando no que poderia fazer pra sair dali, mas eu estava com medo da reação dela, não conseguia pensar em nada, eu estava deitado de bruços com os braços pra trás e ela em cima de mim, se esfregando toda, até que começou a esfregar somente o pau, ficava esfregando ele no meio da minha bunda, começou a me beijar, dar mordidinhas e chupadas leves no rosto e nos pescoço, então ela pegou na minha nuca, aquilo me deu um arrepio que foi da coluna pro resto do corpo todo, fiquei todo arrepiado, ela percebeu e deu uma atenção maior na minha nuca, aquilo estava muito bom, de repente eu senti a cabeça daquele pauzão encostando no meu cuzinho, comecei a “suar frio” pensando como poderia sair dali, entendi que não teria como e lembrei do que minha mãe disse, se alguém me pegasse de novo a hora que eu percebesse que não teria como fugir relaxar e deixar a rola entrar, e foi o que eu fiz, relaxei o corpo e deixei rolar, ela começou a forçar a cabeça, depois de algumas investidas a cabeça entrou, eu soltei um grito, senti meu cu sendo rasgado, mesmo com o óleo a cabeça entrou arrebentando meu cuzinho, logo ela começou a se movimentar devagar, ia enfiando cada vez mais aquela rola grande e grossa dentro de mim, eu sentia cada centímetro entrando, ela fazia um vai e vem lento, sem forçar muito, e de repente forçava pro pau entrar mais, eu gritava e gemia, e ela falava no meu ouvido.

- Que cuzinho gostoso, caralho quero comer muito teu cu bebê, é uma delícia, porra que tesão.

Depois ela voltou a chupar minha nuca de novo e quando eu percebi estava com os joelhos fora da maca, no chão e a bunda empinada, nesse momento ela subiu mais o corpo e soltou o peso, fazendo o pau dela entrar todo no meu cu, arregaçando meu cú sem dó, quando entrou tudo ela colou o rosto no meu e falou.

- Agora sim, entrou tudo, agora eu posso fuder teu cuzinho bebê, vou deixar ele todo arrombado.

E começou a me fuder com mais intensidade, ela não metia com muita força, mas era o suficiente pra me fazer gritar muito, a dor era intensa, eu sentia como se o pau dela tivesse empurrando meu estômago e ela empurrava cada vez mais, me agarrando por trás e chupando, mordendo e beijando, meu rosto, minha orelha e minha nuca, o fato dela me chupar, morder e beijar me excitava, mas o pau no cu doía muito, então era uma sensação estranha e louca de tesão e dor ao mesmo tempo, depois de algum tempo assim ela empurrou o pau todo e forçou ele gemendo no meu ouvido e gritando.

- Caralhooo! Que cu gostoso porra! Vou gozar! Vou encher teu cu de porra caralhooooo!

Senti o pau latejando dentro de mim e alguns jatos fortes, depois os jatos pararam, mas o pau ainda latejava e ela disse que ainda estava gozando, meu cu ficou todo melado e quentinho, mas continuava doendo muito, ela ficou assim deitada em cima de mim com o pau atolado até ele amolecer totalmente e sair sozinho, meu cu queimava e doía ao mesmo tempo, minhas pernas estavam moles, ela se levantou e me puxou para irmos tomar uma ducha.

No banho ela começou a me beijar de novo, me apertar, senti o pau dela duro na minha barriga, então ela me mandou chupar, me agachei e fui chupar o pau dela, estava receoso, mas fui me entregando, abri a boca e abocanhei aquela rola grossa que mal entrava na minha boca, tinha um gosto bom e a sensação dele entrando e saindo da minha boca era gostosa, comecei a gostar daquilo e a chupar com mais vontade, foi então que ela segurou minha cabeça e empurrou o pau tentando enfiar tudo na minha garganta, mas como eu não tinha prática não consegui e me engasguei, quase vomitei, ela pediu desculpas e disse que não ia forçar mais, que ia deixar eu chupar a vontade, e eu chupei, chupei muito até que ela segurou novamente minha cabeça e falou.

- Vou gozar bebê, toma todo o leitinho toma.

E gozou muito na minha boca, achei muito amarga a porra dela então engolia de uma vez, ela enchia a boca e eu engolia, até ela parar de gozar, me levantou e nos beijamos de novo, terminamos o banho e voltamos pro quarto, fui pegar minhas roupas e ela me agarrou por trás falando.

- Calma bebê, a brincadeira ainda não acabou, ainda tô cheia de tesão.

E começou a beijar e chupar minha nuca, ela percebeu que era meu ponto fraco, logo eu senti aquele pauzão dura na minha bunda, ela esfregava muito ele enquanto me beijava e chupava por trás, me mandou ficar de 4 na cama e caiu de boca no meu cuzinho, chupou ele gostoso, depois passou lubrificante no meu cuzinho e no pau dela e novamente foi enfiando aquela rola enorme aos poucos dentro de mim, me fazendo sentir ela me rasgando mais uma vez, eu sentia que ela estava arrebentando meu cú, doía muito, eu gemia, gritava, mas ficava parado aguentando, ela deu um tapão na minha bunda que ardeu mandando eu relaxar, depois de socar muito de 4 me virou de ladinho, depois de frango assado, ela só faltou me virar do avesso ali, me fudeu em todas as posições possíveis, eu só ficava pensando, “essa porra não goza não caralho?” Ela socava a rola sem parar e não gozava, até que depois de meter muito avisou que ia gozar e meteu a rola toda dentro, segurou bem no fundo e me encheu de porra mais uma vez, quando ela tirou o pau eu senti a porra escorrendo, sentia meu cu aberto, minhas pernas estavam bambas, meu corpo todo mole, fiquei deitado ali e sem perceber acabei dormindo.

Acordei no meio da noite com ela me puxando, eu estava deitado de lado e ela por trás me puxando pra ela, senti o pau duro se encaixando, então abri as pernas e deixei ela meter de novo, pra minha sorte ela gozou rápido, me pegou de ladinho e meteu assim até gozar.

Depois acordei de manhã com ela batendo o pau meia bomba na minha cara e falando.

- Acorda princesinha, tá na hora de tomar seu leitinho matinal.

Quando acordei ela veio enfiando o pau na minha boca e me mandando chupar, chupei até ela gozar e depois ela me deu uma toalha e escova de dentes falando pra eu ir tomar um banho, quando saí do banho ela puxou minha toalha, se ajoelhou na minha frente e disse.

- Agora eu vou tomar o meu leitinho.

E chupou meu pau até eu gozar gostoso na boca dela, depois falou.

- Agora vamos tomar o café, porque o leitinho já tomamos né (risos).

Tomamos café da manhã e depois ficamos conversando um pouco, então falei que tinha que ir embora e ela me disse.

- Primeiro eu vou dar mais uma metida nesse cu gostoso bebê, vem aqui vem.

Eu pensei “caralho essa porra não cansa não?” e tentei fugir mas ela me agarrou por trás e já foi encaixando aquele pauzão na minha bunda, quando me dei conta já estava com o cu cheio de lubrificante e sentindo a cabeça entrar, ela me fodeu mais uma vez, sem dó, metia com vontade, deixou meu cu todo arregaçado, assim que ela gozou eu me vesti rápido e saí pra ir embora, meu cu doía muito, eu saí do apartamento e percebi que estava andando com as pernas meio abertas e a bunda empinada, fui até o ponto de ônibus assim, mas quando cheguei em casa eu me ajeitei, aguentei a dor e entrei sem dar mancada.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 73 estrelas.
Incentive Depravadototal a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Excelente conto!! Estranho é vc não continuar ou escrever outros contos...tem muito talento..

0 0
Foto de perfil genérica

3 estrelonas. Venha dar uma lida nos meus também. Bjs.

0 0
Este comentário não está disponível
Foto de perfil genérica

Nossa saudades deste contos gostoso, que dá muito tesão quando vem próximo,Pedro, negrinho, maguila!

0 0
Foto de perfil genérica

O cara estava sendo o fodão, agora virou o putão...triste...preferia que fosse corno daquela putinha fodedeira

0 0
Foto de perfil genérica

Muito top adoros este episódios com revira voltas ainda mais quando um ativo dar gostoso o cozinho, muito dlc agora só falta da para o Pedro, hehe!

0 0
Foto de perfil genérica

O pior capitulo dos 31, uma estória que seguia bem interessante de repente perdeu todo o interesse nem deu para ler até ao fim 100 pontos negativos, sem interesse, fui....

0 1
Foto de perfil genérica

Triste gosto muito tá sua escrita, como um escritor você tem muito talento , mas nesse capítulo ignorou totalmente a própria personalidade do personagem que foi escrito por você mesmo, era um série muito boa mas que pelo visto não acompanharei mais.

0 1
Foto de perfil genérica

Até agora ele só foi passivo forçado. Vamos ver quando ele vai ser espontaneamente. A fila é grande: Pedro, Neguinho, Júnior, Maguila e , por que não o pai já que o mesmo come o outro filho.

Acho que ele tem uma quedinha pelo Maquila que sempre o respeitou.

Aí vai começar o troca-troca geral.

Fazendo jus ao nome do autor.

1 0