HORMÔNIOS MALVADOS CH. 13

Um conto erótico de lobo curioso
Categoria: Heterossexual
Contém 48809 palavras
Data: 04/03/2023 12:54:01

CAPÍTULO 13

A tarde de quinta-feira viu Jacob indo de bicicleta para a casa dos Miller logo após a escola, exatamente como ele havia planejado no dia anterior com grande expectativa. Seu coração batia loucamente em seu peito como um tambor. Ele não tinha certeza se era por causa de toda a energia nervosa que tinha, ou pelo fato de estar pedalando sua bicicleta como se estivesse tentando estabelecer um novo recorde de velocidade terrestre.

Ao chegar ao seu destino, Jacob imediatamente viu o SUV de Donna Miller. Ele rapidamente notou que a tampa do porta-malas estava aberta, com a ex-modelo glamourosa (agora transformada em mãe suburbana) descarregando o que parecia ser uma sacola cheia de mantimentos.

Jacob andou de bicicleta pela entrada da garagem e silenciosamente parou apenas alguns metros atrás da Sra. Miller, que estava curvada na cintura. Ela parecia estar esticada se esticando na área de carga, tentando recuperar uma lata que havia rolado de uma de suas sacolas de compras.

Jacob não pôde deixar de olhar com admiração para a linda MILF. Por causa da posição vulnerável da Sra. Miller, sua saia preta justa tinha subido confortavelmente e agora estava mais apertada em torno de seus quadris, dando ao sortudo adolescente uma visão fantástica de seu traseiro bem torneado.

Assim que Donna pegou a lata de legumes fugitiva, Jacob anunciou sua chegada: "Oi, Sra. Miller! Precisa de ajuda?"

" OH! " Donna exclamou em choque. A Sra. Miller rapidamente se virou para encontrar Jacob atrás dela, ainda sentado em sua bicicleta, com sua mochila sobre os ombros. Ela rapidamente notou que ele estava usando seu traje habitual: bermuda cargo, algum tipo de camiseta de personagem de quadrinhos e tênis. Colocando a mão no peito, ela continuou, "Oh meu Deus, Jake... eu não sabia que você estava aí!"

"Sinto muito se a assustei, senhora." Jaco respondeu. "Eu só pensei que talvez você precisasse de uma mão." Ele achou que essa seria uma boa maneira de começar a agradar a si mesmo e ganhar alguns 'pontos de brownie' com ela.

Olhando ao redor para as sacolas de compras em seu SUV, Donna concordou, "Bem, agora que você mencionou, sim... eu definitivamente preciso de alguma ajuda." Ela sorriu e acrescentou: "Obrigada, Jake... seria muito gentil da sua parte!"

Estacionando sua bicicleta ao lado da garagem dos Millers, Jacob respondeu: "Claro, Sra. Miller ... não há problema algum."

Enquanto os dois recolhiam as sacolas de compras no baú de Donna, Jacob aproveitou a oportunidade para verificar o resto da roupa da Sra. Miller. Junto com sua saia lápis na altura do joelho, Donna estava usando uma blusa pulôver verde-esmeralda lisonjeira. A blusa era sem mangas, com estampa canelada, e ajustava-se apenas o suficiente para mostrar os seios fartos da dona de casa. O cabelo loiro platinado de Donna estava preso em um coque da moda e ela colocou um par de sapatos de salto alto de couro nos pés. Mesmo quando fazia compras para sua família, parecia que a ex-modelo ainda estava pronta para a passarela.

Com várias sacolas na mão, Jacob seguiu de perto a Sra. Miller através de sua garagem e para a cozinha... mantendo os olhos grudados no balanço suave de seus quadris curvilíneos o tempo todo. Ao mesmo tempo, o adolescente lascivo podia sentir seu pênis flácido começando a se mexer de novo em sua bermuda cargo.

Depois de colocar as malas e a bolsa na bancada da cozinha, Donna comentou: "Minhas desculpas por você ter que fazer isso, Jake. Eu realmente pretendia estar em casa a essa hora. No entanto, meu almoço semanal com o grupo de esposas do pastor corri um pouco tarde. Depois, parei no supermercado e devo ter perdido completamente a noção do tempo!"

Colocando suas sacolas no balcão ao lado das de Donna, Jacob respondeu: "Sinceramente, Sra. Miller... não é nenhum problema. Fico feliz em poder ajudar!"

Donna voltou a sorrir para o adolescente ansiosamente prestativo, e só então percebeu que o rosto de Jacob estava coberto por uma camada de suor. "Oh, meu Deus! Jake... você está suando!"

Jacob riu, "Eu acho que aquele passeio de bicicleta da escola foi um pouco mais cansativo do que eu esperava!"

Donna perguntou: "Posso pelo menos pegar algo gelado para você beber?"

Assentindo, Jacob respondeu, "Sim, senhora... um pouco de água seria ótimo... contanto que não seja muito incômodo."

"Sem problemas," Donna respondeu enquanto caminhava até a geladeira. A cada passo, seus sapatos de salto alto estalavam de forma audível contra o piso de ladrilho e polido da cozinha. Enquanto ela se inclinava e procurava uma garrafa de água gelada, Jacob aproveitou a oportunidade para ajustar a crescente ereção que ameaçava crescer dentro de seu short. Ao mesmo tempo, ele aproveitou a chance para mais uma vez verificar discretamente o traseiro bem torneado da Sra. Miller.

"Ah-ha! Aqui vamos nós..." Donna comentou, enquanto se levantava novamente e fechava a porta da geladeira. Entregando uma garrafa de água gelada para Jacob, ela acrescentou, "Os mais frios estão sempre na parte de trás." Ela então apontou para os bancos na ilha da cozinha. "Agora vá, sente-se e beba sua água enquanto eu guardo essas compras."

Colocando sua mochila no chão e sentando-se em um dos banquinhos, Jacob respondeu: "Obrigado, Sra. Miller." Ele então torceu a tampa da garrafa e tomou vários goles do líquido refrescantemente frio.

Logo depois que ela começou a guardar as compras, Donna de repente sentiu o cheiro de um cheiro familiar enquanto conversava com Jacob. Era o mesmo cheiro exótico da noite do sábado anterior, e os vapores causaram uma reação imediata na esposa do pregador. Exatamente como da última vez, o corpo da Sra. Miller começou a experimentar uma sensação de aquecimento espalhando-se por seus seios, junto com um zumbido agradável dentro de seus mamilos subitamente endurecidos.

Jacob observou enquanto a linda mãe se ocupava com suas tarefas domésticas e não pôde deixar de se surpreender com o quão bem as coisas estavam indo até agora. Até o momento, não houve nenhum silêncio desconfortável ou tensão constrangedora de qualquer tipo entre eles. Era como se nada tivesse acontecido na noite de sábado anterior... talvez exatamente como a Sra. Miller queria.

Quando Jacob terminou sua garrafa de água, ele sentiu sua confiança crescer - junto com o monstro em suas calças. Fixando seu olhar lascivo na ex-modelo enquanto ela deslizava pela cozinha, o adolescente perguntou: "Então, Sra. Miller... minha mãe mencionou que você queria que eu ajudasse a configurar um novo computador?"

Donna fechou a porta da despensa e respondeu: "Sim ... isto é, se você não se importa?" Ela então caminhou até a ilha e acrescentou: "Karen mencionou que você era muito bom com eletrônica e coisas dessa natureza." Quando Jacob começou a descer do banquinho, ela levantou a mão e acrescentou: "Mas só quando você estiver pronto... não há pressa."

Girando a tampa de volta na garrafa vazia, Jacob respondeu: "Não tem problema. Estou pronto agora... apenas me mostre o caminho!" Enquanto ele seguia Donna pela casa, os olhos cobiçosos da adolescente mais uma vez se fixaram em seus quadris largos e balançantes. Ele não estava totalmente certo, mas Jacob poderia jurar que a linda dona de casa estava colocando um pouco mais de vigor em seu andar enquanto caminhava na frente dele.

Uma vez na sala de estar, Donna apontou para várias caixas empilhadas contra a parede ao lado da televisão. "O novo computador está bem ali... o entregador acabou de deixá-lo esta manhã."

Jacob caminhou até uma mesa na sala de estar e examinou o antigo computador existente. Depois de alguns momentos, ele comentou: "Uau... essa coisa está realmente desatualizada."

Donna aproximou-se de Jacob e, mais uma vez, o cheiro químico encheu seus pulmões. Ela respondeu: "Sim ... bem, estamos pensando em atualizá-lo há algum tempo. Com Sara precisando de algo mais avançado, achamos que havia chegado a hora de finalmente puxar o gatilho."

Jacob caminhou até a pilha de caixas e disse: "Bem, acho que você fez uma ótima escolha. Este novo computador definitivamente deve ser mais do que poderoso o suficiente para atender às necessidades de Sara. Este modelo é realmente melhor do que o que eu tenho. de volta em casa."

As sensações de calor e formigamento se intensificaram e se espalharam pelo corpo de Donna. Foi então que suas suspeitas foram confirmadas...Jacob era a verdadeira fonte do cheiro exótico! De alguma forma, a adolescente estava produzindo feromônios sexuais altamente carregados, fazendo com que sua libido disparasse. Evidentemente, esse era outro efeito colateral dos hormônios de crescimento experimentais que o Dr. Grant havia injetado no pobre menino.

Precisando de algum espaço para clarear a mente e pensar, Donna desculpou-se abruptamente, "Jake, se você me der licença... vou deixar você com isso, então."

Jacob abriu a caixa da torre da CPU e respondeu: "Claro, Sra. Miller. Esta configuração não deve demorar muito."

Antes de sair da sala, Donna declarou: "Bem, não se apresse. Assim que terminar, venha me encontrar no meu escritório ... você se lembra do caminho?"

Jacob respondeu: "Sim, senhora ... no final do corredor, último quarto à direita."

Assentindo com a cabeça, Donna respondeu: "Correto. Agora, se precisar de alguma coisa enquanto isso, não deixe de me avisar."

Momentos depois, Donna estava sentada em sua mesa, revisando todas as informações que havia compilado sobre o Dr. Grant e seus controversos experimentos hormonais. Agora não havia mais dúvidas de que um poderoso afrodisíaco era o culpado por seu deslize, levando-a a realizar todos aqueles atos lascivos com Jacob em seu SUV atrás do velho restaurante abandonado no fim de semana anterior. A esposa do pregador sentiu um grande alívio, sabendo agora que suas ações naquela noite de sábado não eram inteiramente culpa dela. Esse novo conhecimento pode não ter tirado toda a sua culpa, mas pelo menos ajudou a aliviar o peso do remorso que ela sentia.

A mente de Donna na última semana parecia obcecada em reviver o incidente indecente da noite de sábado. Após o lamentável evento com Jacob, ela voltou para casa para seu marido com uma fome sexual que não sentia há anos. A Sra. Miller até recorreu ao uso de David e seu pênis de tamanho médio em uma tentativa desesperada de satisfazer seu apetite voraz. Infelizmente para Donna, seu marido pregador de meia-idade e sua libido em declínio nunca poderiam esperar acompanhar sua esposa faminta sexualmente, nem saciar sua luxúria desenfreada.

Nos dias seguintes, o corpo de Donna zumbia continuamente de excitação. Como seu marido inadequado não era capaz de acompanhá-la, a esposa do pregador excitado recorria vergonhosamente à masturbação sempre que David estava fora de casa.

Apenas na noite anterior, Donna acordou repentinamente de um sono profundo que foi perturbado quando Jacob e seu apêndice ímpio invadiram seus sonhos. As visões vis e pecaminosas que ela tinha visto acenderam chamas abrasadoras de excitação sexual dentro dela. Com um desejo impróprio queimando em seu corpo ágil, a mãe casada sabia que só havia uma maneira de encontrar alívio (e esperar voltar a dormir).

Nas primeiras horas da noite, Donna virou a cabeça para encontrar David dormindo pacificamente de costas. Mantendo um olhar atento sobre o marido, ela lentamente serpenteou a mão direita para baixo entre as pernas longas e sedosas e passou os dedos sobre a vagina coberta de calcinha. Um súbito suspiro escapou de sua linda boca enquanto ela aplicava pressão em seu zumbido clitóris, causando pequenas ondas de choque de prazer emanando de suas virilhas.

O ronco suave de David confirmou que ele provavelmente não acordaria tão cedo. Sentindo-se encorajada por ser seguro o suficiente, Donna abriu mais as pernas e deslizou a mão direita para dentro da calcinha de algodão, para encontrar-se encharcada.

Donna passou os dedos pelos lábios vaginais lisos e pêlos púbicos loiros aparados e ralos. Ela engasgou novamente (ainda mais alto do que antes), quando seus dedos exploradores fizeram contato direto da pele com seu clitóris cheio de sangue. Tentando permanecer o mais imóvel e quieta possível, a esposa do pastor começou a dedilhar sua pequena e sensível protuberância, mesmo quando estava deitada ao lado de seu alheio e adormecido marido.

Nos minutos seguintes, Donna se esforçou freneticamente em direção a um clímax muito necessário. Quando ela sentiu seu orgasmo prestes a florescer, ela fechou os olhos, e seus gemidos suaves se transformaram em sussurros cada vez mais altos, "Sim... Sim ... SIMS!! "

De repente, David bufou alto, acordando parcialmente, e os olhos de Donna se abriram quando ela congelou de medo. Depois de alguns segundos, a esposa assustada deu um suspiro de alívio quando seu marido rolou rapidamente, de costas para ela, e instantaneamente voltou a dormir.

Donna manteve a mão direita enterrada entre as pernas enquanto permanecia imóvel pelos próximos momentos. Assim que ela ouviu que David havia voltado a roncar, ela cuidadosamente saiu da cama. A esposa do pastor então se esgueirou para o banheiro principal e fechou e trancou a porta suavemente atrás dela. Uma pequena luz noturna na parede próxima iluminava levemente o banheiro, apenas o suficiente para que Donna se sentisse confiante de que poderia deixar as luzes apagadas.

Sem perder tempo, Donna enfiou a mão por baixo da camisola e puxou a calcinha encharcada de seus quadris para baixo de suas longas pernas. Depois de sair da roupa acanhada, a dona de casa excitada sentou-se no vaso sanitário. Ela então voltou seus dedos para seu sexo quente e começou a se preparar novamente para o orgasmo que seu marido involuntariamente lhe negou.

Enquanto ela se aproximava cada vez mais do clímax, a mente de Donna voltou para o sonho perturbador, mas erótico que a acordou antes... Era uma reprise da noite de sábado anterior, quando ela voltou para casa. No entanto, desta vez não era seu marido quem ela cavalgava enquanto eles se acasalavam vigorosamente em sua cama conjugal. Foi no colo de Jacob que a esposa do pregador montou!

Com a visão pecaminosa e imoral de cavalgar o pênis de Jacob estampada em sua imaginação, a vagina de Donna de repente se sentiu vazia... ela precisava desesperadamente de algo para preencher o vazio. Ela estava prestes a enfiar dois dedos em sua vagina suculenta, quando notou sua escova de cabelo sobre a bancada. De repente, um pensamento perverso veio à mente.

Convenientemente ao seu alcance, Donna agarrou a escova pelo cabo macio de plástico. Ao examinar sua forma cilíndrica e grossa, ela se lembrou de ter comprado o item algumas semanas antes em seu salão favorito. Mal sabia Donna naquele momento (quando sua cabeleireira Tiffany ligou para a compra), que ela acabaria se rebaixando e enfiando aquele inocente produto para o cabelo profundamente em sua boceta carente e faminta.

Relutante, a dona de casa desesperada segurou a escova de cabelo pelas cerdas macias enquanto colocava a ponta arredondada do cabo entre os lábios de sua vagina babando. Donna então deu uma última olhada na porta do banheiro.

Embora a iluminação do banheiro fosse muito fraca, havia brilho suficiente para que Donna confirmasse que a fechadura estava realmente acionada. A última coisa que ela precisava era que seu marido pregador ultraconservador abrisse a porta e encontrasse a mãe de seus filhos sentada no banheiro, com as pernas abertas e se violentando com uma escova de cabelo de plástico!

" OOOhhhhhhh!!!! " Donna gemeu de alívio, enquanto deslizava o cabo da escova o mais fundo possível em seu sexo trêmulo. Ela o segurou no lugar por alguns segundos enquanto o girava, saboreando sua sensação sublime e penetrante. Era como se uma coceira terrível dentro dela finalmente estivesse sendo coçada.

Donna recostou-se contra o tanque de água do banheiro e abriu ainda mais as pernas. Fechando os olhos, ela então começou a se masturbar imodestamente com sua escova de cabelo improvisada. Seus pensamentos instantaneamente voltaram para o sonho vívido e assombroso que ela teve com Jacob. Em sua mente, ela podia ver claramente o adolescente subdesenvolvido deitado de costas, com a cabeça apoiada no travesseiro de seu marido ausente. O menino estava sorrindo com confiança para ela enquanto ela cavalgava descaradamente seu pau monstruoso como uma prostituta barata e descarada.

Quase não demorou para Donna atingir seu orgasmo. A súbita explosão de prazer veio sobre ela de repente... tão rápido na verdade, que a esposa que estava chegando ao clímax não conseguiu conter-se antes de gritar de alegria e êxtase. Ela imediatamente colocou a mão esquerda sobre a boca em uma tentativa de abafar qualquer outra explosão inadvertida.

Ainda tentando recuperar o fôlego, Donna permaneceu sentada no vaso sanitário, recuperando-se de seu tão desejado clímax. Ela continuou a estimular lentamente sua boceta devassa com a escova de cabelo, ouvindo atentamente qualquer sinal de que David pudesse ter acordado de seus gritos ilícitos de paixão. Não ouvindo nenhuma evidência de qualquer movimento de seu marido, a excitada esposa do pregador relaxou e retomou seu autoprazer pecaminoso na solidão escura de seu banheiro principal.

Vários minutos e outro orgasmo depois, Donna jogou a escova de cabelo violada de volta no balcão, sentindo nojo de si mesma quando ela caiu na pia. Sua luxúria dolorida agora um tanto saciada, a dona de casa humilhada se limpou e recolheu a calcinha descartada do chão.

O mais silenciosamente possível, Donna voltou para o quarto, onde jogou a calcinha encharcada no cesto de roupas sujas. Depois de vestir uma calcinha de algodão limpa, ela puxou a peça fina por suas pernas longas e sensuais e ajustou-as em seus quadris curvilíneos.

Donna então cuidadosamente voltou para a cama com David. O ronco suave de seu marido a assegurou de que ele ainda estava dormindo, alegremente inconsciente de quais atos perversos sua adorável esposa estava fazendo.

Depois de se enfiar sob as cobertas e ficar confortável, Donna ficou deitada entorpecida na cama, olhando para o teto. Ainda bem acordada ao lado de seu marido adormecido, sua imaginação correu solta enquanto repetia mais uma vez seu sonho inquietante. Mesmo depois de ter alcançado dois orgasmos no banheiro escuro, o mero pensamento da incrível masculinidade de Jacob fez com que seu sensível clitóris voltasse à vida.

Donna teve que lutar contra o desejo avassalador de colocar a mão de volta na calcinha e tentar chegar a um terceiro orgasmo. Ela então rolou para o lado, de costas para David, e tentou ignorar o calor crescente entre as pernas. Enquanto ela estava deitada na cama quente, tentando desesperadamente encontrar o sono, a esposa frustrada sussurrou no escuro: " Querido Deus... o que aquela criança fez comigo?! "

De volta ao presente, Donna estava sentada à escrivaninha em seu escritório, olhando fixamente para o monitor do computador. Mesmo que seus olhos azuis cristalinos estivessem fixos na tela... nada registrado. Ela estava preocupada com apenas uma coisa... o adolescente no final do corredor. Bem, talvez não tanto quanto ele, mas o apêndice incrivelmente enorme que pendia entre suas pernas! Ainda perdida em pensamentos, Donna podia sentir o calor familiar se espalhando de sua vagina, subindo por sua barriga e em seus seios envoltos em sutiã.

Devido ao formigamento em sua boceta, Donna involuntariamente apertou suas coxas juntas, o que apenas aumentou ainda mais as sensações excitantes que ela estava experimentando. Ela não pôde deixar de notar que o reforço de sua calcinha de seda havia umedecido com sua essência feminina, uma vez que escorria de sua vagina chorosa.

Como se estivesse em transe, Donna ergueu a mão direita e começou a segurar delicadamente o seio esquerdo através do tecido fino da blusa. Ela fechou os olhos, e um leve gemido murmurou em sua garganta enquanto seu polegar roçava o mamilo duro e sensível cutucando o bojo transparente de seu sutiã verde-esmeralda.

A memória dos eventos da noite de sábado anterior se repetiu vividamente mais uma vez na cabeça de Donna. Ela se lembrou de como o pênis quimicamente aprimorado de Jacob parecia em suas mãos... tão rígido e tão poderoso. A esposa do pastor ainda podia se lembrar da sensação de sua ponta em forma de cogumelo quando o pênis do adolescente deslizou por sua língua, e como ele estremeceu violentamente em sua boca enquanto vomitava corda após corda enorme de sua grossa e cremosa semente masculina em sua garganta.

O devaneio de Donna foi interrompido inesperadamente quando ela ouviu: "Com licença, Sra. Miller?"

" Ahhh!! " Donna gritou quando seus olhos se abriram para encontrar Jacob parado na porta de seu escritório. A assustada dona de casa rapidamente tirou a mão do peito, pedindo a Deus que ele não tivesse visto o que ela estava fazendo. Ela instantaneamente se repreendeu por não ter fechado a porta.

Donna gaguejou, tentando agir o mais normal possível, "Jake... você, uh... me assustou um pouco." Sentando-se ereta em sua cadeira e se recompondo, ela continuou com um sorriso, "Eu, umm... estava me sentindo um pouco cansada, e... eu acho... eu cochilei um pouco."

Jacob deu alguns passos para dentro da sala e disse à esposa afobada: "Desculpe, Sra. Miller." Os olhos da adolescente se fixaram nos mamilos dolorosamente eretos de Donna tentando cutucar o tecido fino de sua blusa e acrescentou: "Eu não queria interromper seu uh... 'cochilo'."

Acenando para ele, Donna respondeu: "Está tudo bem." Ela então desligou o monitor do computador e acrescentou: "Não dormi muito bem ontem à noite e acho que finalmente está me alcançando". Mal sabia Jacob, mas ele tinha sido a causa do atual surto de insônia da Sra. Miller. Ela passou boa parte de seus momentos de vigília naquela manhã se escondendo no banheiro principal, masturbando-se com a memória de seu pau incrível. Ela então perguntou: "Você precisa de alguma coisa?"

Jacob respondeu: "Eu só queria que você soubesse que terminei de configurar o computador."

Feliz por poder mudar de assunto, Donna respondeu alegremente: "Já terminou? Isso foi rápido."

"Sim, senhora. Não foi tão difícil, na verdade." Ele deu mais alguns passos para ficar bem em frente à mesa da Sra. Miller e continuou: "A impressora está funcionando bem e verifiquei se ela estava se conectando corretamente à Internet. Também espelhei todos os arquivos de Sara do computador antigo para o novo, além disso, tomei a liberdade de instalar uma versão mais recente da proteção antivírus. Acho que ela está pronta."

Com Jacob na sala, o cheiro avassalador havia retornado, inflamando ainda mais a excitação de Donna. Tentando mascarar sua empolgação, Donna sorriu e disse: "Muito obrigada, Jake. Eu realmente aprecio seu tempo e trabalho... e tenho certeza que Sara também."

Balançando a cabeça, Jacob respondeu, "Eh... não é grande coisa, Sra. Miller... honestamente."

Donna respondeu: "Bem, é para mim. O pobre David teria levado o dia todo para preparar tudo isso ... isto é, se ele pudesse fazer isso." Com os antebraços sobre a mesa, ela se inclinou para a frente e acrescentou: "Infelizmente, meu marido não entende muito de computador".

De repente, a menção de seu marido trouxe um sentimento de culpa para Donna. David Miller era um homem maravilhoso... um marido e pai amoroso... um pilar da comunidade e um verdadeiro homem de fé. No entanto, (naquele momento), tudo o que sua leal esposa de 23 anos conseguia pensar era em provar esse adolescente na frente dela e seu pau incrível.

Jacob riu, então disse, "Bem, se você precisar da minha ajuda novamente... com qualquer coisa... por favor, não hesite em pedir." O adolescente esperava que isso lhe rendesse mais favores com a Sra. Miller, e ela permitiria que ele continuasse a namorar Sara.

Com um tom ligeiramente sério em sua voz, Donna respondeu: "É muita gentileza sua oferecer, Jake." Ela então se levantou da cadeira e disse, enquanto caminhava ao redor de sua mesa: "Eu definitivamente vou manter isso em mente." Ela então cruzou os braços, recostou-se e descansou o traseiro bem torneado contra a borda da mesa.

Depois de uma pausa breve e um tanto estranha, Jacob comentou: "Ah, a propósito... eu não sabia o que você queria que fosse feito com o computador antigo, então apenas o coloquei nas caixas que sobraram do novo um." Ele apontou com o polegar por cima do ombro e acrescentou: "Posso carregá-los para a garagem se você quiser... ou onde você achar melhor."

Donna assentiu e respondeu: "A garagem deve estar bem, mas podemos nos preocupar com isso depois." Ela então apontou para o sofá, indicando para Jacob se sentar. Ela acrescentou: "Acho que, por enquanto, é melhor discutirmos algumas coisas enquanto temos uma chance."

"Sim, senhora," Jacob respondeu, enquanto se aproximava e se sentava no sofá. Ao afundar em sua almofada confortável, ele podia sentir seu pulso acelerar enquanto se perguntava aonde essa conversa poderia levar. Afinal, parecia que a Sra. Miller estava querendo que eles agissem como se nada tivesse acontecido entre eles no sábado à noite... agora parecia que ela pode ter mudado de ideia.

Donna respirou fundo e disse: "Para começar, quero que você saiba que fiz algumas pesquisas sobre os testes de WICK-tropina e o caso pendente contra o Dr. Grant. Acontece que tenho um contato no governo do estado, que pôde me fornecer algumas informações que achei bastante interessantes."

Enquanto Donna resumia suas descobertas, Jacob assentiu como se estivesse prestando atenção em cada palavra dela. No entanto, olhando para a Sra. Miller vestindo sua saia lápis justa e blusa justa enquanto ela se recostava contra a mesa, sua mente começou a divagar. Seus pensamentos se voltaram para um vídeo pornô que ele assistiu em seu computador na outra noite. Em uma cena, uma atriz loira interpretando uma professora estava prestes a punir um de seus alunos adolescentes turbulentos. Pensar em quanto a MILF diante dele se parecia com a linda modelo do vídeo agora causava agitação adicional nas calças de Jacob.

Jacob saiu de seu devaneio quando a Sra. Miller se endireitou e caminhou para trás de sua mesa. Ao se inclinar e abrir a gaveta de baixo, ela disse: "Portanto, Jake, agora que sua história foi confirmada, aceito sua explicação sobre sua situação e a camisinha que o Sr. Rayford encontrou no berçário da igreja. Eu também quero você saber que vou manter este assunto estritamente entre nós." Donna então jogou a bolsa Ziplock em sua mesa e acrescentou com um tom severo e maternal: "No entanto, espero que você se comporte de agora em diante e nunca faça nada assim em nossa igreja, NUNCA mais ... eu mesmo claro?"

Olhando fixamente para os penetrantes olhos azuis de Donna, Jacob respondeu, "S-Sim, senhora... eu prometo... nunca mais."

O olhar de Donna suavizou, e o canto de sua boca se curvou em um leve sorriso quando ela disse, "Bom menino."

Sentindo uma grande sensação de alívio, Jacob então decidiu arriscar uma pergunta: "Sra. Miller... se eu puder perguntar... o que isso significa até onde...?"

"Você continua namorando Sara?" Donna perguntou, terminando a pergunta de Jacob para ele enquanto caminhava até o sofá.

"Sim, senhora", Jacob respondeu humildemente, enquanto observava a Sra. Miller sentar-se ao lado dele no sofá.

Cruzando as mãos no colo, Donna suspirou e disse: "Jake, nos últimos dias, pensei muito nisso e devo dizer... ainda tenho minhas reservas." Antes que Jacob pudesse protestar, a Sra. Miller acrescentou: "Primeiro, quero lhe fazer uma pergunta... e preciso que seja completamente honesto comigo. Sara sabe alguma coisa sobre sua... condição?"

Balançando a cabeça inflexivelmente, Jacob respondeu, "Não, senhora... ela não sabe de nada! Eu posso te prometer isso."

A Sra. Miller assentiu tranqüilizadora, "Ok. Não se preocupe... eu acredito em você." Como sua filha nunca foi muito boa em mentir ou esconder coisas dela, Donna já sabia a resposta. Como seu pai, David, Sara sempre foi honesta, quase ao extremo.

Donna continuou, "Eu quero que você saiba que eu quis dizer o que eu disse outro dia. Eu realmente fiquei feliz quando você e Sara começaram a se encontrar. Você vem de uma boa família, que o criou para ser um jovem bom e respeitoso. homem."

Sentindo-se cautelosamente otimista, Jacob respondeu: "Obrigado, Sra. Miller."

Donna ergueu o dedo indicador e acrescentou: "No entanto, as coisas mudaram significativamente agora que tivemos que lidar com sua infeliz 'situação'." Os olhos da Sra. Miller olharam para o colo de Jacob, e ela podia facilmente ver o enorme caroço se formando dentro dos limites restritos de sua bermuda cargo cáqui. O perfume inebriante que Jacob exalava já havia feito seu corpo inteiro formigar com desejo sexual.

"Minha situação'?" Jacob perguntou. "Sra. Miller... eu tive essa condição o tempo todo que Sara e eu saímos e eu prometo, nada nunca aconteceu."

Acenando com a cabeça, Donna respondeu: "Sim ... isso é verdade, mas agora eu sei sobre sua condição, e nós dois estamos bem cientes do que poderia acontecer ..." Ela respirou fundo e continuou com um tom severo. , "Jake ... Sara é virgem, e pretendo que ela permaneça como tal, pura e inocente, até o dia em que ela arranjar um marido. Ela tem um futuro brilhante pela frente, e eu me recuso a ficar parado e observá-la fazer más escolhas ou ser vítima de influências externas. Já vi tudo isso acontecer antes e não permitirei que ' isso ' aconteça com minha filha." Ela enfatizou a palavra 'isso' enquanto apontava diretamente para a protuberância crescente no short de Jacob.

Com um tom tranqüilizador, Jacob respondeu: "Sra. Miller... eu sei que Sara está empenhada em abster-se de sexo antes do casamento e eu respeito sua escolha. Você tem que acreditar em mim... eu realmente gosto e respeito sua filha muito e nunca iria pressioná-la a ir contra suas crenças, ou fazer qualquer coisa para trair como ela foi criada."

"Eu acredito em você, Jake", respondeu Donna. "Tenho certeza de que seus sentimentos por Sara são verdadeiros e honrados." Ela fez uma pausa por alguns segundos e acrescentou: "Também tenho certeza de que Sara gosta tanto de você quanto você dela... e foi assim que cheguei a esta encruzilhada crítica."

Jacob perguntou, um tanto perplexo, "' Encruzilhada ', Sra. Miller? Não tenho certeza se entendi."

Donna respondeu com um suspiro: "Jake... eu não sou boba... já estive 'voltando no quarteirão' vezes o suficiente para saber o que vocês adolescentes querem..." Ela revirou os olhos e acrescentou: "Bem... .o que TODOS os homens querem, na verdade. Não importa o quão bom e respeitoso você possa parecer... no fundo e até certo ponto, todos os homens são basicamente... bem... porcos imundos."

A Sra. Miller notou o olhar chocado no rosto de Jacob e continuou: "Quero dizer, sem ofensa, Jake... não é sua culpa... vocês homens estão programados dessa maneira. O que é importante agora é o quão bem você é capaz de mostre autocontrole e controle seus impulsos básicos." Mais uma vez, Donna olhou para a virilha de Jacob. Uma vez que ela viu seu monstro novamente, se contorcendo dentro de sua prisão de tecido de algodão, ela acrescentou: "E se você continuar vendo minha filha, você definitivamente precisará controlar a sua."

Com um sorriso, Jacob perguntou, "Espere... eu ouvi você correta, Sra. Miller? Você está bem em permitir que Sara continue me vendo?"

Donna então se levantou do sofá e encarou Jacob. Olhando para o adolescente, ela respondeu: "Bem, meu jovem, tudo depende de você."

"É mesmo?" Jacob perguntou, com uma leve confusão.

Donna colocou a mão direita no quadril e respondeu: "Sim, é verdade... certamente é. Jake... até que uma cura seja encontrada para sua condição, preciso de uma garantia sua de que você manterá isso... .coisa nojenta sua... longe da minha filha inocente." A Sra. Miller não pôde deixar de olhar mais uma vez para a chamada 'coisa nojenta' de Jacob, lutando para se libertar de sua escravidão restrita. Junto com as sensações de formigamento agora dançando ao longo de suas terminações nervosas, Donna podia sentir-se começando a suar, e seu pulso acelerou visivelmente.

"Então, o que você está dizendo é que eu tenho que mostrar autocontrole e controlar meus impulsos sempre que estou perto de Sara?" Jacob perguntou.

Acenando com a cabeça, Donna respondeu: "Sim... é exatamente o que estou dizendo."

Jacob endireitou-se no sofá e defendeu seu caso, "Sra. Miller... acho que você tem que admitir, fiz um bom trabalho fazendo isso até agora. Tenho certeza que se você permitir mim, posso provar que sua fé em mim é bem merecida."

Donna zombou: "Fé? Em você ? Um adolescente cujo corpo nada mais é do que uma fábrica de hormônios sexuais humanos?" Ela balançou a cabeça e continuou: "Não, Jake. Sinto muito... mas não posso confiar em mim mesma para ter fé em você, mais do que pensar que poderia simplesmente pegá-lo agora mesmo e jogá-lo fora. janela!"

Donna então suavizou seu tom, "Jake... o problema é este... até agora, você tem controlado sua 'condição' masturbando-se frequentemente... estou correto?"

Jacob assentiu e disse: "Sim, senhora."

"Pense nisso por um segundo," Donna continuou, "Se você e Sara continuarem seu namoro, vocês dois provavelmente passarão mais e mais tempo juntos. Quer esse tempo juntos seja em encontros, na casa um do outro, escola , ou igreja... vamos encarar isso, Jacob... você , meu jovem, é basicamente uma bomba-relógio esperando para explodir."

Encolhendo os ombros, Jacob perguntou: "Sra. Miller... com todo o respeito... o que mais você sugere? Estou fazendo o melhor que posso."

Donna voltou para seu lugar no sofá ao lado de Jacob. "Bem... depois de muito pensar e procurar, eu tive uma ideia... uma proposta, pode-se dizer."

Intrigado, Jacob franziu a testa e perguntou: "Uma proposta? Que tipo de proposta?"

Donna se aproximou de Jacob e respondeu: "Um acordo... entre nós dois."

"Acho que você quer dizer um 'arranjo secreto'?" Jacob perguntou com ainda mais curiosidade.

Sentando-se um pouco, Donna suspirou e confirmou: "Sim, Jake... um acordo secreto... e um que não deve ser menosprezado." Ela respirou fundo e disse: "Pela sua promessa de manter sua... 'condição' em suas calças e longe de Sara, vou manter seu segredo e permitir que você e ela continuem namorando. E junto com isso... ."

Depois de outro breve momento de silêncio constrangedor, Jacob perguntou, um pouco confuso, "Sim... Sra. Miller?"

Uma mistura de culpa e auto-aversão girava dentro de Donna enquanto ela tentava continuar com sua declaração. A esposa do pastor sabia que o acordo que estava prestes a apresentar a Jacó era pecaminoso e vergonhoso... e acima de tudo, muito perigoso.

Donna estava prestes a arriscar tudo: seu casamento, sua família, sua reputação e a vida maravilhosa que ela havia construído. No entanto, ela pensou que o risco seria totalmente justificado se isso significasse proteger a virgindade de sua filha da abominação ímpia de Jacó... (e para não mencionar, satisfazer sua própria curiosidade mórbida e desejo perverso).

A Sra. Miller deu outra olhada no colo de Jacob, e o desejo que sentiu de colocar as mãos naquela incrível besta dele mais uma vez deu-lhe a motivação para completar sua oferta. Ela continuou: "Junto com você mantendo sua parte no trato, estarei disposta a... 'ajudá-lo'... de tempos em tempos." Ela olhou para cima e fixou os olhos no adolescente, arqueando a sobrancelha enquanto avaliava sua reação e esperava por sua resposta.

Enquanto Jacob encarava os olhos azul-gelo da Sra. Miller, ele sentiu seu pênis inflado estremecer de excitação. O adolescente não podia acreditar na sua sorte! Ele não apenas continuaria tendo permissão para namorar Sara, mas sua linda mãe agora estava oferecendo seus 'serviços' a ele como um bônus... isso definitivamente era uma vitória para todos!

Tentando abafar seu entusiasmo, Jacob perguntou: "Você realmente vai estar disposta a fazer isso, Sra. Miller? 'Ajudar-me', quero dizer?"

Segurando seu olhar, Donna respondeu: "Se é isso que vai ser necessário para garantir a felicidade de minha filha, preservando sua virtude... então sim." Notando um olhar perplexo no rosto de Jacob, a Sra. Miller acrescentou: "Lembre-se do que eu disse a você, Jake... minha principal prioridade é a segurança e o bem-estar de minha filha. Mesmo que isso signifique que eu tenha que ter certeza. ..sacrifícios, para fazê-lo."

Jacob não pôde deixar de sorrir ao comentar: "Uau, Sra. Miller... isso é um grande sacrifício!"

Com um tom severo na voz, Donna respondeu: "Sim, é, e perigoso também. É por isso que é imperativo que mantenhamos este nosso acordo em segredo, bem guardado. Ninguém jamais poderá descobrir ! "

Jacob poderia dizer que Donna estava falando sério pelo brilho que ela tinha em seus olhos azuis cristalinos. Ele riu, "Não se preocupe, Sra. Miller... nos últimos meses, aprendi muito sobre guardar segredos. Você pode contar comigo!"

Donna suspirou e respondeu: "Bem, Jake, é exatamente com isso que estou contando... pelo bem de nós dois!" Seus olhos então desceram até que ela novamente se viu olhando para o caroço considerável no short de Jacob. Em um tom mais suave, ela perguntou, "Então, Jacob, imagino que você não tenha se aliviado hoje?"

Jacob balançou a cabeça, "Não, senhora... desde que vim direto para cá logo depois da escola, não tive chance."

Por causa dos efeitos inebriantes dos feromônios de Jacob, Donna não conseguiu mais lutar contra a tentação. A excitada mãe deslizou para fora do sofá e se posicionou de joelhos na frente de Jacob. Ela podia sentir que o reforço de sua calcinha já estava molhado e pegajoso. Olhando para o adolescente confuso, ela disse suavemente, "Talvez eu deva ir em frente então... e ajudá-lo?"

Jacob respondeu com um sorriso, "Sério?"

Donna acenou com a cabeça e respondeu: "Sim... sério. Podemos considerar isso como a assinatura oficial do nosso 'contrato' e como um 'obrigado' por seus serviços hoje."

Olhando de volta para os impressionantes olhos azuis de Donna, Jacob acenou com a cabeça e disse: "Isso parece bom para mim, Sra. Miller!"

Sem perder tempo, Donna começou a desabotoar o short de Jacob. Enquanto trabalhava para desafivelar o cinto do adolescente, ela afirmou calmamente: "Agora, é assim que eu vejo, Jake. condição médica."

O nível de excitação de Jacob caiu um pouco quando ele ouviu a temida 'palavra com B'. " Limites , Sra. Miller?" ele perguntou, enquanto observava a linda mulher mais velha puxar o zíper para baixo com seus dedos finos de manicure francesa.

"Sim, Jake... limites," Donna respondeu, agarrando o short de Jacob pelo cós. Ela começou a puxar a roupa esfarrapada e disse com um grunhido: "Levante-se para mim."

Quando Jacob ergueu os quadris para ajudar, ele perguntou: "Que tipo de limites?"

Uma vez que Donna tinha colocado o short de Jacob abaixo de seus quadris, ela se absteve de puxar e olhou para o adolescente. "Você sabe... como nas limitações." Vendo a decepção nos olhos de Jacob, ela suspirou e disse: "Olha, Jake, embora eu tenha concordado em ajudá-lo com sua condição... há algumas coisas que simplesmente não posso e não farei. A menos que você Esqueci... sou uma mulher casada."

Enquanto olhava para as alianças brilhantes na mão esquerda de Donna, Jacob respondeu: "Não, senhora... não esqueci... nem um pouco."

Com um leve sorriso, Donna disse: "Bom... então, desde que estejamos na mesma página... tudo ficará bem." A dona de casa de meia-idade voltou a puxar o short de Jacob, junto com sua cueca. Quando ela deslizou as duas roupas pelas coxas magras dele, ela zombou e acrescentou: "Espero que você não tenha pensado que realmente iríamos - BOA CÉU!! "

Assim que Donna puxou o short de Jacob até os joelhos, ela foi pega de surpresa quando o pau furioso do adolescente saltou para fora e ficou ereto em toda a sua glória impressionante. Embora parcialmente horrorizada, a esposa do pastor estava totalmente cativada pelo falo impossivelmente grande pulsando a apenas alguns centímetros de seu rosto.

Donna já tinha visto a deformidade de Jacob na noite de sábado anterior na escuridão de seu SUV mal iluminado. No entanto, agora que a coisa estava ao ar livre em plena luz do dia, parecia ainda maior e mais ameaçadora - com sua tonalidade arroxeada e enormes veias azuis salientes cruzando todo o seu comprimento e circunferência intimidantes.

Donna assistiu como se estivesse hipnotizada, enquanto o monstro hipnotizante de Jacob estremecia no ritmo de seus batimentos cardíacos. A cada poucos espasmos ou mais, outra porção perolada de pré-sêmen borbulhava de sua fenda e gotejava tentadoramente pelo longo eixo pulsante do leviatã.

O perfume exótico de Jacob se intensificou e só serviu para aumentar a excitação da bela esposa do pastor. Com a cabeça girando e o pulso acelerado, a sra. Miller sentiu-se completamente embriagada.

Timidamente, Donna estendeu a mão e segurou o pênis de Jacob com ambas as mãos. Com seus dedos finos firmemente enrolados ao redor do pólo inacreditavelmente grosso de carne humana, ela podia sentir o pulso de Jacob e seu sangue bombeando através de sua sinuosa rede de veias e artérias.

Completamente fascinada, Donna engasgou e sussurrou: "Meu Deus... é... é... magnífico !" Como uma mariposa atraída por uma chama, a cativada mulher casada se inclinou e deu um beijo suave na ponta em forma de cogumelo de Jacob.

Donna se afastou, e um fio fino de pré-sêmen saiu de seu lábio inferior e permaneceu na cabeça bulbosa do pênis de Jacob. A ex-modelo usou a língua para quebrar a conexão pegajosa e gemeu em aprovação enquanto jogava o líquido saboroso e viscoso em sua boca quente.

Um leve gemido tirou Donna de seu transe e a lembrou de que ela e seu novo 'amigo' não estavam sozinhos. Ela olhou para cima para encontrar Jacob olhando para ela com um olhar necessário em seus olhos castanhos suaves. Enquanto ela vagarosamente deslizava as mãos para cima e para baixo no eixo lubrificado, Donna murmurou: "Meu Deus, Jake... você deve estar sofrendo algo terrível!"

Assentindo, Jacob respondeu, "Sim, senhora... está ficando muito ruim, e uh... eu realmente preciso de sua ajuda."

Os cantos da boca de Donna se curvaram em um sorriso travesso quando ela respondeu: "Claro... esse é o nosso acordo, afinal." Ela então apertou ainda mais o pau dolorido de Jacob e acrescentou: "Não se preocupe... vou ajudar a aliviá-lo, mas não se esqueça... também espero que você cumpra sua parte no acordo. ."

O aperto mortal de Donna em seu tesão furioso fez Jacob gemer e afundar nas almofadas macias do sofá. Ele respondeu com um tom levemente desesperado, "Ah sim, senhora... eu prometo cumprir minha parte!" Naquele momento, o adolescente teria prometido à Sra. Miller quase tudo no mundo... inclusive seu filho primogênito, se ela tivesse pedido. Tudo o que ele conseguia pensar, porém, era o quanto ele queria ver e sentir seu enorme pedaço de carne recheado dentro da boca sexy desta linda mulher casada.

Enquanto Donna bombeava a masculinidade latejante de Jacob com um ritmo constante e constante, mais de seu pré-sêmen pegajoso saiu borbulhando de sua fenda, escorrendo por seu eixo e em seus dedos firmemente agarrados. Sem pensar, a esposa do pregador passou a língua pela cabeça em forma de cogumelo do pênis de Jacob. Depois de engolir a amostra coletada de doce pré-sêmen, ela alertou o adolescente uma última vez: "Tudo bem, jovem... é melhor você não me decepcionar!" Depois que Jacob concordou com a cabeça, ela envolveu seus suculentos lábios vermelhos ao redor da ponta babada de sua enorme lança.

Jacob sorriu e gemeu de alívio quando Donna começou a usar as mãos e a boca como uma profissional experiente. Enquanto observava a cabeça da mãe casada balançar para cima e para baixo, ele disse com um grunhido: "Ohhh, Sra. Miller! Isso é incrível !"

A menção do sobrenome de casada de Donna trouxe pensamentos de David à sua mente e, junto com isso... uma onda repentina de culpa. Ela não pôde deixar de se sentir horrível por cometer esse ato pelas costas do marido. Ele não merecia nada disso... ele era um parceiro de vida gentil, amoroso e fiel que sempre a tratou como uma rainha.

Donna tentou racionalizar e justificar suas ações lembrando a si mesma que este era um sacrifício que ela estava fazendo por Sara, e que o pacto profano com Jacob era um mal necessário que ela tinha que fazer. Ela sentiu que seria justificada se, no final das contas, conseguisse proteger a virtude de sua filha inocente da abominação perversa desse adolescente desengonçado.

Depois de mais ou menos um minuto fazendo felação, Donna puxou a cabeça para trás e se endireitou. Jacob observou confuso e levemente preocupado enquanto ela se levantava de seus joelhos. Um tanto tonta, a ex-modelo sentiu suas pernas longas e bem torneadas balançarem um pouco enquanto caminhava de salto alto até sua mesa.

Desapontado por Donna ter parado e preocupado que ela pudesse estar tendo dúvidas, Jacob perguntou: "Sra. Miller? Há algo errado?"

"Não, não... não há nada de errado... acabei de me lembrar de uma coisa," Donna respondeu enquanto usava as costas da mão para limpar um fio de gosma que pendia de seu queixo. Tirando seus sapatos de salto alto, ela continuou: "Acontece que esta é uma roupa nova e não quero manchar". Tirando o top da saia, ela acrescentou, "Graças a você e aquela sua... coisa, eu tive que jogar fora meu vestido de sábado à noite. Eu simplesmente me recuso a estragar mais minhas roupas!"

Jacob ficou um pouco chocado quando Donna agarrou sua blusa na bainha inferior e rapidamente puxou-a para cima e sobre a cabeça, expondo um sutiã verde-esmeralda tipo espartilho. Seus deliciosos seios em forma de C balançavam ligeiramente dentro da vestimenta restritiva, mas de aparência sexy.

Depois de pendurar a blusa nas costas da cadeira da escrivaninha, Donna começou a abrir o zíper da saia lápis. Enquanto a ex-modelo lutava com o irritante pequeno prendedor, ela olhou para Jacob sentado no sofá e o encontrou olhando para ela com os olhos arregalados. "O que é esse olhar?" Ela perguntou a ele. Deslizando o zíper na parte de trás da saia justa, ela riu levemente e acrescentou: "Você não deveria estar tão chocado. Como você deve se lembrar, eu costumava ser modelo... sutiã e calcinha era apenas uma parte do trabalho."

Jacob assistiu maravilhado quando Donna se inclinou para frente, balançando os quadris enquanto deslizava a saia por suas longas pernas. Ele não pôde deixar de notar o pingente de cruz de ouro brilhante pendurado em seu pescoço, refletindo na luz enquanto balançava suavemente para frente e para trás. Ele então perguntou: "Você já modelou coisas como roupas íntimas?"

Saindo de sua saia, Donna respondeu com indiferença, "Oh sim... um pouco." Ela então se endireitou e colocou a roupa na cadeira em cima de sua blusa descartada. Donna então acrescentou: "Na verdade ... muito do meu trabalho inicial consistia em posar para vários catálogos de lingerie."

Donna agora estava em seu escritório sozinha com Jacob, vestindo nada além de seu sutiã de cetim verde e uma calcinha combinando com corte de biquíni. A esposa do pregador não pôde deixar de pensar que deveria ter vergonha de se expor tão ousadamente ao adolescente, mas, em vez disso, um pequeno arrepio travesso percorreu sua espinha.

Enquanto Donna se aproximava do sofá, Jacob perguntou: "Sra. Miller? E o resto de... você sabe... sua roupa?" Se ela não ia permitir que ele fizesse sexo com ela, Jacob esperava que ele pudesse pelo menos ver a ex-modelo em toda a sua glória nua.

Donna respondeu com um toque de confusão, "O resto da minha roupa?" Rapidamente ela percebeu o que Jacob queria dizer. Ela bufou e disse: "Jovem... eu NÃO vou ficar nua na sua frente! Como eu disse antes... eu sou casada e feliz, e há certos limites que eu simplesmente não vou cruzar." Ela colocou a mão no quadril e continuou: "Quero que você saiba, desde o dia em que me aposentei como modelo há mais de duas décadas, nenhum homem, exceto meu marido, ainda me viu nua, e pretendo continue assim."

Tentando soar genuíno e salvar a situação, Jacob respondeu: "Desculpe se ofendi, Sra. Miller. Acabei de lembrar que você disse antes que não queria estragar mais suas roupas ... isso é tudo o que eu quis dizer."

"Isso é tudo, hein?" Donna respondeu, um tanto sarcasticamente. "Bem, Jake... tanto quanto eu aprecio sua preocupação cavalheiresca sobre a condição do meu guarda-roupa, você pode ficar tranquilo sabendo que este é um conjunto mais antigo. Portanto, não seria uma grande perda se fosse sujo ou manchado."

Donna então deu outra olhada na coisa sobrenatural que estava presa aos lombos de Jacob. Enquanto ela respirava mais de seus vapores potentes, seu desejo de continuar soprando o jovem adolescente voltou à tona. "Agora," ela começou em um tom mais suave. "Por que não voltamos ao processo de 'fechar nosso acordo'?"

"Sim, senhora!" Jacob respondeu com entusiasmo. Com os olhos continuando a beber na adorável visão da MILF conhecida como a mãe de Sara, ele sorriu e comentou: "Sra. Miller... quero agradecer novamente por concordar em me ajudar assim."

Donna voltou a se ajoelhar e, com voz severa, disse: "Agora, Jake... você deve se lembrar de duas coisas. Primeiro, só estou fazendo isso principalmente para proteger Sara e sua virtude. Em segundo lugar... isso acordo é apenas temporário. Quero dizer, uma vez que o Dr. Grant desista do antídoto e você volte ao normal... esse nosso acordo vai parar imediatamente, e nosso 'acordo' chegará ao fim. que?"

Jacob acenou com a cabeça em resposta.

Enquanto Donna observava Jacob continuando a acariciar seu pau incrivelmente grande, ela substituiu as mãos dele pelas dela. Ela então suspirou e disse com um tom simpático: "Eu só rezo por você para que haja uma cura. Caso contrário, não tenho certeza se essa coisa caberia dentro de uma mulher ... se você não tomar cuidado , você pode acabar matando alguém!"

Jacob respondeu: "Também espero uma cura, Sra. Miller, mas mesmo que não haja, tenho a sensação de que tudo ficará bem."

"Realmente?" Donna recuou e respondeu em um tom surpreso e incrédulo. "Você quer me dizer que estaria disposto a viver o resto de sua vida com esta deformidade? Esta... abominação?"

Jacob respondeu: "Se for a vontade de Deus, então... sim. Afinal, fomos ensinados que tudo acontece por uma razão... certo?"

Donna continuou deslizando as mãos para cima e para baixo no eixo lubrificado de Jacob. Percebendo cada vez mais a secreção pegajosa dele escorrendo para os dedos dela, ela respondeu: "Bem, sim, mas Jake... tenho certeza de que Deus nunca planejou que isso acontecesse com você ! "

Jacob encolheu os ombros e respondeu: "Quem sabe? Deus trabalha de maneiras misteriosas." Depois de alguns segundos, ele acrescentou: "Além disso, acho que você está errado, e caberia perfeitamente dentro de uma mulher..."

"Ah, você sabe?" Donna perguntou, enquanto parava os movimentos de sua mão. "E como, diga-me, você pode ter tanta certeza disso?"

Jacob sorriu para si mesmo, sabendo por um simples fato que caberia (e havia atualmente quatro mulheres que ele conhecia que poderiam testemunhar e provar sua afirmação). No entanto, ele também sabia que compartilhar esse conhecimento com a Sra. Miller não seria um caminho muito sábio a ser seguido naquele momento. Então, em vez disso, ele respondeu com confiança: "Apenas um palpite... como você sabe, o corpo humano é uma coisa milagrosa. Afinal, Deus criou as mulheres para dar à luz."

Donna zombou: "Sim, estou bem ciente disso, Jake! A menos que você tenha esquecido, eu dei à luz três filhos meus."

Jacob sorriu, "Exatamente... é por isso que tenho certeza que caberia."

Com uma risada, Donna respondeu: "Concordo... Ele projetou mulheres para dar à luz... significando sair do corpo. Não tenho certeza, no entanto, se Ele alguma vez quis algo assim... coisa, para entrar no canal de parto de uma mulher."

Jacob então murmurou, "Bem... só há uma maneira de descobrir..."

Donna olhou para cima e pegou o olhar determinado de Jacob. "O que você disse?" ela respondeu em um sussurro.

Jacob encontrou os olhos dela e postou com um leve sorriso, "Que tal, Sra. Miller? Quer tentar?"

Os olhos de Donna se arregalaram de choque e ela balançou a cabeça. " NÃO! " Ela então se levantou e acrescentou, "Absolutamente não! Jake... Estou chocada que você tenha sido tão ousado a ponto de me fazer uma... pergunta tão ultrajante!"

Jacob sentiu-se encorajado pela resposta trêmula de Donna. Desta vez, ela não mencionou nada sobre seu marido ou seu casamento. Ele também notou uma mancha escura se formando na frente de sua calcinha verde-esmeralda. Ganhando confiança, ele cutucou, "Vamos, Sra. Miller... Você não está pelo menos um pouco curiosa?"

Donna olhou para a imponente serpente de Jacob, balançando de um lado para o outro bem na frente dela. Ela achou a ideia de copular com sua monstruosidade aterrorizante, mas estranhamente atraente. Seu pulso acelerou quando ela se lembrou do sonho perturbador que teve com Jacob, deitado embaixo dela em sua cama conjugal, enquanto ela montava o adolescente e cavalgava em cima de seu apêndice ímpio. A ideia de ser empalada pelo monstro desagradável (de verdade desta vez, em carne e osso) fez sua vagina pingando tremer. Donna sussurrou: "Eu... eu não acho que deveríamos. Quero dizer... isso seria... errado."

Jacob percebeu que Donna estava pelo menos contemplando a ideia. Seu peito arfava e seus olhos estavam paralisados ​​em sua ereção latejante. A mancha escura em sua calcinha havia se expandido, enquanto seus mamilos em forma de borracha ameaçavam furar o tecido macio de seu sutiã. "Bem, Sra. Miller... por que não tentar? Pelo menos assim, poderíamos saber com certeza e resolver o debate. Será o nosso segredinho... uma espécie de subcláusula em nosso 'contrato' ."

A mente de Donna estava nublada pelo conflito, uma combinação de curiosidade e indecisão, enquanto ela girava nervosamente as alianças de casamento no dedo com o polegar. Ela mordeu o lábio inferior como se para reorientar sua força de vontade e lutar contra a tentação. Ela orou silenciosamente por libertação e determinação renovada. No entanto, no final, não haveria escapatória para a fiel esposa... não hoje, pelo menos.

O corpo de Donna formigava, quase queimando de desejo. O reforço de sua calcinha já estava completamente encharcado. Os feromônios quimicamente misturados que ela estava respirando tinham tomado o controle total dela. Uma excitação irresistível estava dominando todos os seus pensamentos anteriores de remorso e esmagando qualquer esforço dela para resistir.

"Senhor... por favor, perdoe-me!" Donna sussurrou, enquanto enfiava os polegares no cós de sua calcinha verde-esmeralda e lentamente a puxava sobre sua bunda bem torneada. Ela instintivamente mexeu os quadris para ajudar a roupa frágil a deslizar por suas pernas longas e sensuais, antes de finalmente se juntarem em torno de seus pés delicados.

Donna não tirou o sutiã... ela teimosamente se recusou a desnudar os seios para a adolescente descaradamente persuasiva. Ela se convenceu de que era uma forma de tentar manter algo sagrado para seu pobre marido, bem como uma débil tentativa de preservar algum tipo de dignidade própria.

Deixando a calcinha descartada no chão, Donna se aproximou de Jacob. Ele agora tinha um sorriso travesso espalhado em seu rosto bonito enquanto mais uma vez começava a se masturbar. Em sua vida passada, Donna tinha visto e provado mais do que seu quinhão de pênis... alguns maiores que outros. No entanto, nada de sua experiência passada poderia chegar perto da arma hedionda sendo empunhada pela jovem adolescente que agora estava sentada no sofá de seu escritório.

Jacob podia ver Donna hesitar um pouco enquanto ela parecia estar perdida em pensamentos. Ele se perguntou se ela talvez estivesse perdendo a coragem e reconsiderando, ou talvez estivesse apenas esperando por mais instruções. "Vamos, Sra. Miller... suba logo!"

Expressando um suspiro de resignação, Donna se arrastou para o sofá e montou no adolescente, com os dois joelhos agora em cada lado dos quadris dele e afundando nas almofadas macias do sofá. A ex-modelo então segurou o falo intimidador do menino com a mão direita e sussurrou: "Só vamos descobrir se ele cabe dentro de mim... só isso."

Jacob acenou com a cabeça em concordância. Nesse momento, ele lembrou que tinha uma camisinha. Ainda estava em sua mochila na cozinha. Ele debateu se seria uma boa ideia desistir de seu uso, mas o adolescente rapidamente decidiu não fazê-lo. Jacob temia que isso pudesse quebrar o feitiço se ele o fizesse, e a Sra. Miller poderia mudar de ideia.

Quando Donna deslizou a enorme cabeça de Jacob entre os lábios brilhantes de sua vagina, um sentimento de culpa e pavor tomou conta dela. Por mais de duas décadas, nenhum outro homem além de David a havia tocado sexualmente. Agora, ela estava prestes a quebrar seus sagrados votos matrimoniais e permitir que um pênis que não pertencia a seu amado marido dentro de sua casada e até então imaculada boceta.

Com a ponta em forma de cogumelo do pênis de Jacob posicionada ameaçadoramente em sua entrada ensopada e molhada, Donna murmurou: "Por quê? Por que estou fazendo isso?" O adolescente sorridente não respondeu. Ele, como a mulher casada pairando apenas alguns centímetros acima de seu pênis ereto, já sabia a resposta. A Sra. Miller estava sob a influência avassaladora dos hormônios perversamente manipulados pelo Dr. Grant. Ela precisava ver se o pênis de Jacob caberia dentro dela porque... no fundo, ela só tinha que saber.

Donna fechou os olhos enquanto relutantemente se abaixou e murmurou, "Eu sinto muito, David... por favor... por favor me perdoeEEEEEE !!! " De repente, seus olhos se arregalaram quando a glande bulbosa da lança de Jacob a penetrou. abertura apertada em um impulso rápido. Com ambas as mãos, a Sra. Miller agarrou a parte de trás do sofá acima da cabeça de Jacob e engasgou, " Oww! Oww! Oww! "

Desde que ela deixou o mundo da modelagem mais de duas décadas antes, Donna só tinha feito sexo com um homem... seu marido. Como o pênis de David era de tamanho médio, tentar acomodar o monstro de Jacob estava fazendo a Sra. Miller se sentir como se fosse uma virgem sendo deflorada novamente.

Tentando recuperar o fôlego, Donna procurou relaxar e controlar os músculos vaginais, a fim de permitir-se algum tempo para se ajustar à imensa circunferência de Jacob. Surpreendentemente, depois de apenas alguns momentos, a dor inicial lentamente se transformou em uma sensação estranha, mas agradável. " Ohhhhhhhh... " A Sra. Miller gemeu, enquanto se abaixava um pouco mais e sua boceta trêmula engolia mais um centímetro ou mais de penetração.

Jacob olhou para o belo rosto de Donna, com uma expressão mista de dor e prazer. Ele colocou as mãos nos quadris largos e curvilíneos dela e disse: "Você está indo muito bem, Sra. Miller... faltam apenas dez centímetros."

Donna olhou para Jacob e, com um olhar exasperado de horror, perguntou: " Dez??! " Ela então fechou os olhos e sussurrou: "Oh, meu Deus... me ajude! "

Nos próximos minutos, Donna repetiria o processo de afundar mais um centímetro ou dois, então parando e permitindo que sua boceta apertada se ajustasse ao tamanho e comprimento da enorme masculinidade de Jacob. Desde que ela deu à luz Sara, a última de seus três filhos, a mãe casada não experimentou uma pressão tão imensa e plenitude dentro de sua vagina apertada.

Depois de um tempo, Donna finalmente chegou ao fundo e se empalou totalmente no imenso mastro de Jacob. Com suas nádegas perfeitas agora descansando contra as coxas da adolescente, a Sra. Miller lentamente girou seus quadris em um movimento circular. Ela mordeu o lábio inferior e gemeu com as sensações constantes, novas e agradáveis ​​que agora irradiavam de dentro de seu núcleo.

Jacob olhou para Donna e encontrou seu rosto radiante coberto por uma leve camada de suor. Seus olhos estavam fechados, como se ela estivesse se concentrando em algo, e ela tinha um leve sorriso nos lábios. Falando baixinho, ele comentou: "Viu a Sra. Miller? Eu disse que caberia!"

Abrindo os olhos, Donna olhou para Jacob. Com descrença, ela respondeu: "Você estava certo, meu menino." Enquanto ela continuava rolando os quadris em cima dele, ela engasgou, "Oh meu Deus... você estava tão certo! É tão... GRANDE !"

Voltando aos seus sentidos, Donna parou seus movimentos suaves e rítmicos. Mostrando um pouco de desapontamento em sua voz, ela comentou, "Bem... com esse debate resolvido... eu acho que talvez... umm... eu provavelmente deveria... sair agora." A mulher casada notou o sorriso de Jacob em seu inadvertido duplo sentido. Donna balançou a cabeça, "Eu quis dizer, saia... do seu colo." Ela então acrescentou baixinho: "Oh, pelo amor de Deus ... adolescentes de mente suja!"

Vários segundos se passaram e Donna ainda não havia se levantado do colo de Jacob. Em vez disso, ela ficou na posição, com o pau dele completamente aninhado em sua boceta, e distraidamente voltou a rolar os quadris de forma circular. Um pequeno gemido escapou de seus lábios e ela fechou os olhos novamente. Franzindo a testa, ela engasgou, " Ohhhh! " Em sua mente, Donna estava gritando para si mesma parar... agora não havia mais necessidade de eles continuarem fornicando. No entanto, estava começando a se sentir muito bem... e precisou de pouco para se convencer quando justificou que mais alguns segundos não fariam mal.

Jacob podia sentir a boceta de Donna apertando firmemente em seu eixo e notou que seus quadris agora estavam girando um pouco mais rápido do que antes. Ele também podia sentir sua essência feminina pingando profusamente em seus testículos inchados enquanto ela continuava mexendo em sua vagina superaquecida. "Uh... Sra. Miller?"

Mantendo os olhos fechados e balançando lentamente a cabeça, Donna respondeu: " SShhhhhhhh!!! " Ela tentou ao máximo imaginar que era seu marido com quem ela estava tendo relações sexuais, e não o adolescente desengonçado que estava abaixo dela. Em um sussurro rouco, ela acrescentou: "Não... não fale."

Jacob baixou a voz, "Mas eu pensei que você disse que ia sair agora?"

Desta vez, Donna não pôde deixar de sorrir com o comentário sugestivo. "Oh, não se preocupe... unghh ... eu estou... ohhh!! " Enquanto seu corpo se ajustava mais e mais ao apêndice de tamanho não natural de Jacob, a Sra. Miller começou a se esfregar agressivamente em cima do colo dele. .

Donna podia sentir seu orgasmo iminente crescendo como as nuvens escuras de uma tempestade que se aproxima. Seu clitóris cheio de sangue raspava continuamente contra o osso pélvico da adolescente magra, e a deliciosa fricção de sua união fazia com que faíscas de prazer dançassem ao longo de suas desgastadas terminações nervosas. Sua voz começou a falhar enquanto ela continuava, "Eu não vou... ohh !! Demora... agora. Apenas me dê... ahhh !! Alguns... mais... ohhhh Deus !! Ssssegundos ... unghhhhh !!"

Um grande sorriso se espalhou pelo rosto de Jacob. "Não se apresse, Sra. Miller." Olhando para os seios envoltos em sutiã que balançavam a apenas alguns centímetros de seu rosto, ele acrescentou descaradamente: "Não estou com pressa!" Foi ótimo para Jacob ter a boceta quente, casada e MILF de Donna enrolada em seu pênis e sentir seu delicioso aperto. Além disso, o adolescente excitado estava ficando perverso ao ver a esposa do pregador rebaixar-se, enquanto o usava como seu próprio brinquedo sexual.

Os gemidos de Donna rapidamente se transformaram em um canto suave e constante: " Oh ! Oh ! Oh ! Oh !" Seus quadris se tornaram um borrão quando eles foram para o colo de Jacob, fazendo-o afundar ainda mais na almofada do sofá. Seus testículos agora saltitantes batiam lascivamente contra as bochechas suadas de sua bunda enquanto eles batiam ritmicamente em sua virilha.

Sem aviso, o raio caiu, fazendo com que os olhos de Donna se arregalassem e seus dedos apertassem com mais força as costas do sofá. Ela gritou quando os choques elétricos explodiram de dentro de seu clitóris e rapidamente percorreram toda a extensão de sua espinha. "Oh, que coisa!! OOhhhh, simmm!!! " O intenso prazer fez Donna tremer e se debater descontroladamente no colo de Jacob.

" Uuunnngggghhhh... " Donna gemeu, enquanto o poderoso orgasmo percorria seu corpo e (muito cedo) começava a diminuir. A mãe casada então balançou os quadris em frustração, tentando prolongar a euforia extática pelo maior tempo possível. Seu cérebro estava lhe dizendo que ela deveria parar antes que tornasse as coisas piores do que já eram. No entanto, seu corpo simplesmente se recusou a ouvir... estava faminto por mais.

Donna de repente passou de moagem para quicar suavemente no colo de Jacob. Ela rapidamente encontrou um ritmo constante de subir até a metade do poste lubrificado do adolescente e depois cair de volta, emitindo um grito agudo cada vez que atingia o fundo. A cada ciclo, uma sensação de formigamento subia de sua barriga, atravessava seus seios e se acomodava em seus mamilos duros como diamantes. Logo, a fricção dos mamilos sensíveis de Donna contra as copas de seu sutiã tornou-se demais para ela. Com alguma tristeza, ela percebeu que estava prestes a falhar com o marido mais uma vez.

Donna parou de pular e colocou as duas mãos atrás das costas. Enquanto desabotoava o sutiã, ela voltou a girar lentamente os quadris na tentativa de continuar alimentando as chamas que queimavam entre as pernas.

Jacob observou em antecipação como Donna deslizou as alças soltas de seus ombros delicados e abaixou seu sutiã-espartilho, revelando a ele o último de seus tesouros escondidos. Seus seios podem não ter sido tão grandes quanto as aldravas possuídas pelas outras mulheres na vida de Jacob. No entanto, as alegres e deliciosas xícaras C da Sra. Miller ficavam surpreendentemente altas e orgulhosas em seu peito, acentuando perfeitamente sua figura esbelta.

Os olhos do adolescente se arregalaram ao ver a bela (e agora completamente nua) mãe de três filhos sentada em seu colo. Ele imaginou que seria assim que Sara ficaria nua, já que ela era basicamente uma versão mais jovem de sua mãe.

"Uau!" Jacob comentou com uma sensação de admiração. "Sra. Miller, eu só tenho que dizer... você é tão linda! Sem dúvida, você poderia facilmente ser uma modelo hoje, se você quisesse."

Donna não pôde deixar de achar os comentários de Jacob bastante lisonjeiros. Ela sabia que para uma mãe de meia-idade, ela era considerada muito bonita. No entanto, ser elogiada dessa maneira pelo mesmo adolescente que estava namorando sua linda (e muito mais jovem) filha sem dúvida aumentou sua confiança. Radiante de orgulho, ela respondeu com um sussurro rouco: "Ora, obrigada, Jake."

Ao deixar cair o sutiã ao lado deles e na almofada do sofá, Donna de repente percebeu que Jacob não estava usando camisinha. A princípio, ela pensou em perguntar se ele tinha um para usar. No entanto, ela rapidamente decidiu abandonar a ideia. Donna recusou-se a se desalojar de Jacob, e o intenso prazer causado por ter suas entranhas agitadas pelo falo inacreditavelmente grosso do adolescente. Cada vez que a ponta do pau de Jacob batia ansiosamente em seu colo do útero, Donna sentia tanto uma necessidade de desejo quanto sinos de alerta iminente tocando dentro dela.

Continuando a rolar os quadris, Donna comentou entre suspiros e gemidos, "Agora Jake... Oh ! Você não pode... Ahh ! Termine dentro de... mim !"

A maneira que Donna estava esfregando sua boceta fumegante em seu pau deixou Jacob à deriva em uma nuvem eufórica. Ele acenou com a cabeça preguiçosamente e respondeu: "Sim, senhora! Eu entendo... você não quer... arriscar uma gravidez."

Donna voltou a pular gentilmente no monstro de Jacob, fazendo com que ela se aproximasse rapidamente de um segundo orgasmo. Balançando a cabeça, ela respondeu em um sussurro ofegante, "Não... não é isso. Ungh !! Você simplesmente não pode... Oh !! Prometa-me... Jake! Ah !!" Como a Sra. Miller havia feito a cirurgia de laqueadura logo após o nascimento de Sara, o risco de gravidez não era seu medo. Seu pedido foi simplesmente uma débil tentativa dela de manter algum senso de lealdade a David, não permitindo que a semente de outro homem enchesse seu ventre e profanasse sua boceta casada.

"Não se preocupe, Sra. Miller," Jacob respondeu. Ele então agarrou os quadris subindo e descendo de Donna com as mãos. "Eu prometo... te avisar!" Cravando os dedos em sua carne macia e flexível, Jacob ajudou a domar os movimentos frenéticos de Donna, empurrando para cima dentro dela.

"Sim... sim... me avise... Unghh! " Donna gemeu, sentindo outro raio prestes a cair. "Devemos...manter alguns...bou... BOUNDARIEEEESSSSS!!!! " A Sra. Miller mais uma vez começou a se debater no colo de Jacob quando uma segunda onda da tempestade atingiu. A mãe que chegava ao clímax soltou o sofá e instintivamente agarrou os dois seios que balançavam. Apertar seus seios firmes e deliciosos com suas mãos delicadas aumentou muito o início de seu orgasmo que se aproximava. "SIM!! OHHHHH... YEEEESSSSSS!!!!! " Donna gritou, enquanto cavalgava descaradamente para fora da crista de seu tsunami em um paroxismo de prazer pecaminoso.

Donna se recuperou rapidamente ... ou melhor, ela nunca parou nem ficou para trás. Jacob ficou bastante impressionado com a mãe de meia-idade e sua resistência surpreendente, porque mesmo suas parceiras mais jovens (Rachel e a Sra. Turner) normalmente precisariam de uma pausa depois de terem tido dois orgasmos tão poderosos. Talvez sua irmã Rachel estivesse certa... Sra. Miller pode parecer exteriormente uma esposa de pregador afetada e adequada, mas, no fundo, ela era uma vadia enrustida.

Donna olhou para baixo e viu o olhar apreciativo nos olhos de Jacob enquanto ele bebia em sua bela forma nua em plena exibição. A esposa do pastor sabia que deveria sentir culpa e vergonha - no entanto, os feromônios continuaram a alimentar sua excitação e nublaram seu julgamento. Em vez de relutância, a Sra. Miller estava experimentando uma sensação avassaladora de vivacidade e sentiu um estranho desejo de fazer um show. Era como se a religiosa conservadora estivesse voltando para uma versão mais jovem de si mesma, que ela pensava ter deixado para trás: uma prostituta em busca de emoção e atenção.

Completamente cedendo à luxúria, Donna acelerou o passo, engolindo cada vez mais o enorme pedaço de carne de Jacob com sua boceta faminta. Ela sentou-se ereta, arqueou as costas e jogou os ombros para trás, exibindo com orgulho seus seios empinados e suculentos para o prazer de visualização excitante de Jacob. Na noite do sábado anterior, o cofre contendo o passado secreto da Sra. Miller foi aberto... Hoje, no entanto, as portas foram literalmente arrancadas de suas dobradiças.

Não demorou muito para que Donna estivesse montando Jacob com golpes completos, deixando seu enorme pênis quase sair de seu corpo, antes de mergulhar para baixo e tomar todo o seu comprimento até a raiz. O som obsceno da vagina encharcada da Sra. Miller envolvendo a masculinidade latejante da adolescente agora acompanhava seus gritos de prazer que reverberavam por toda a casa.

Jacob ficou cativado pela performance de Donna. A maneira como ela o cavalgava com absoluto abandono a fazia parecer mais uma estrela pornô experiente do que a esposa de pregador certinha que ela pretendia ser. Seu cabelo, que antes estava preso em um coque elegante, agora estava solto, e suas mechas loiras platinadas balançavam descontroladamente sobre seu lindo rosto. O pingente de cruz de ouro que ela usava em volta do pescoço também saltava continuamente de um seio cremoso para o outro. O adolescente grunhiu: "Uau, Sra. Miller! Isso é... incrível! "

"Oh Deus!" Donna murmurou, um pouco sem fôlego. Seu corpo coberto de suor começou a se cansar, mas ela se viu incapaz de parar. Como se não tivesse mais controle de suas ações, ela continuou a subir e descer, e em um sussurro rouco, ela perguntou, "Seu garoto desagradável... o que... você... fez comigo?" Devido aos efeitos avassaladores dos feromônios, ela sentiu que não conseguia parar de foder o adolescente, mesmo que seu marido David tivesse entrado na sala naquele exato momento.

Com cada longa volta para cima e para baixo no pênis de Jacob, Donna podia sentir-se chegando a outro orgasmo eletrizante. No entanto, desta vez ela sentiu que algo estava diferente. Ao contrário de seus dois clímax anteriores, Donna agora sentia uma sensação de calor extremo começando a crescer profundamente dentro de seu núcleo. O calor intenso rapidamente se espalhou em seu peito, e seus mamilos duros como diamantes logo queimaram como se estivessem sendo lambidos por chamas ardentes.

Em busca de alívio, Donna se inclinou para frente de modo que seus seios saltitantes ficassem a poucos centímetros do rosto jovem e bonito de Jacob. Ela choramingou em um tom ligeiramente desesperado, "Socorro! Ajude-me...Jake! Eles estão... queimando!!!! "

Sem precisar ser informado duas vezes, Jacob alegremente tirou as mãos dos quadris giratórios de Donna e agarrou seus seios vacilantes, com sua carne firme e maleável. Ele inclinou a cabeça para a frente, colocou a boca contra a carne deliciosamente sedutora das mamas da Sra. Miller e começou a chupar avidamente uma de suas protuberâncias rosadas em forma de borracha.

Mudando de um seio para o outro a cada poucos segundos, os esforços de Jacob finalmente tiveram o efeito necessário quando a língua rodopiante da adolescente trouxe o alívio refrescante para seus mamilos superaquecidos que Donna ansiava. Logo, os gemidos de desconforto da Sra. Miller se tornaram cânticos de prazer. " Ohh!! Ohh!! Ohh! "

Batendo violentamente seus quadris no colo de Jacob, a corrente elétrica que flui entre os seios cobertos de saliva da Sra. Miller e a boceta ensopada tornou-se muito intensificada. Quanto mais ela se aproximava do clímax, mais alta se tornava a voltagem, até que Donna começou a rezar por um alívio misericordioso de sua doce tortura. "Oh, Deus! Por favor... Deus!! "

Donna colocou a mão direita na nuca de Jacob e puxou o rosto dele para mais perto de seu peito ardente. Com os olhos bem fechados e com os dentes cerrados, ela persuadiu seu parceiro adolescente a dizer: "Mais difícil ... Mais difícil !! "

Jacob apertou os seios macios de Donna com força e começou a sugar seus mamilos rígidos como se não houvesse amanhã. Para Donna, o aumento da estimulação de Jacob lambendo seus seios era emocionante. No entanto, a esposa desesperada continuou a implorar. "Eu disse... mais forte ...Jake... HAAARRRDDDEEEERRRR!!!! "

Naquele momento, Jacob afundou os dentes na carne de borracha de um dos mamilos dolorosamente eretos da Sra. Miller, enviando uma faísca direto para seu barril de pólvora. Ao mesmo tempo, ele empurrou seus quadris para cima, arando a ponta de seu pênis diretamente na entrada arrebatada do ventre de Donna. A explosão foi imediata e de tirar o fôlego, fazendo com que os olhos e a boca de Donna se abrissem enquanto ela era engolfada pelas chamas.

Donna parou de pular e congelou quando o orgasmo alucinante tomou o controle total dela. Ela estremeceu incontrolavelmente enquanto o inferno abrangente varria seu corpo, do topo de sua cabeça até as pontas de seus lindos dedinhos bem cuidados. A esposa de meia-idade tentou gritar, mas o som que ela fez foi mais como o gemido de alguém sendo torturado.

À medida que a tempestade de euforia dentro de Donna continuava a crescer, ela começou a temer que o êxtase paralisante nunca terminasse. A Sra. Miller novamente arqueou as costas, puxando o seio da boca de Jacob. Com seus peitos molhados de saliva apontados para o teto, ela gritou para os céus, "Querido Goooodddd!! Ajude-me!! Não... não é... pareppnnnnnggggg!! AAAAAAHHHHHHH!!!!! "

Jacob assistiu com total admiração ao testemunhar a esposa do pastor sofrer com seu orgasmo destruidor. Donna continuou a tremer violentamente, e sua voz esganiçava uma nota longa e aguda que lembrava o que ela soava quando cantava no coro da igreja nas manhãs de domingo. "Caramba!" o adolescente sussurrou, ao sentir o estrangulamento que a vagina da Sra. Miller tinha em seu pênis, como se estivesse tentando persuadir o lote de massa de bebê que ele tinha fermentando em suas bolas. Ao mesmo tempo, mais e mais do suco quente da boceta de Donna escorria para seu saco de nozes. Agora, o jovem adolescente estava arrependido de ter prometido desistir antes. Jacob teria adorado nada mais naquele momento do que bombear a mãe quente e MILF de Sara cheia de sua carga espessa e agitada para que seus fluidos sexuais pudessem se misturar profundamente dentro do corpo apertado de Donna,

Momentos depois, Donna estava deitada em cima de Jacob, com a cabeça apoiada no encosto do sofá enquanto desfrutava dos tremores secundários ocasionais que ainda permeavam seu corpo. A cada respiração, ela sussurrava: "Oh, Deus!" enquanto ela vagarosamente voltava à terra e tentava recuperar o foco.

Donna então notou a sensação de contração do pau latejante de Jacob mexendo profundamente dentro de sua vagina. Empurrando-se para cima, ela olhou para ele e comentou: "Oh meu Deus! Coitadinho... você ainda não terminou."

Jacob balançou a cabeça e respondeu com determinação: "Não, senhora. Estou chegando muito perto, no entanto."

Donna levantou do colo de Jacob e deslizou para o chão, então ficou de joelhos. Segurando firmemente sua haste pulsante com seus dedos ágeis, a Sra. Miller acrescentou: "Não se preocupe... Eu a levarei pelo resto do caminho." Ela então começou a trabalhar fervorosamente o pênis do adolescente com sua boca quente e mãos hábeis.

Conforme Jacob se aproximava da linha de chegada, ele olhou para além da cabeça balançando de Donna e para a parede logo atrás dela. Ele novamente notou a réplica emoldurada pendurada ali, da capa da revista que apresentava uma Sra. Miller muito mais jovem durante seus dias de modelo. Uma emoção incrível o percorreu, quando Jacob percebeu que tinha acabado de fazer sexo com uma modelo da vida real e, com sorte, não seria a última vez! As únicas desvantagens que ele conseguia pensar, porém, era que ele não tinha sido capaz (desta vez) de gozar nela... e que ele nunca poderia se gabar disso para nenhum de seus amigos.

Graças a Donna e seus magníficos talentos para agradar o pau, a carga dentro dos testículos doloridos de Jacob rapidamente passou de fervente para fervente. Ele agarrou as almofadas macias e afundou no sofá. "Ohhh...Sra. Miller! Ahhh!! É... gozo!!!! "

Donna gemeu em aprovação quando a primeira corda da carga cremosa de Jacob explodiu em sua garganta. Estando melhor preparada desta vez, a Sra. Miller engoliu quase todo o líquido quente e espesso que esguichou em sua boca faminta e se acomodou em sua barriga. O pouco que escapou escorreu por seu queixo e pingou nas curvas de seus seios macios e empinados.

Recuperando o fôlego, Jacob observou enquanto Donna usava a língua para limpar sua masculinidade de qualquer resquício de resíduo pegajoso. Percebendo o entusiasmo dela (e devido ao fato de seu pênis ainda estar ereto), ele decidiu ser ousado e perguntar: "Então Sra. Miller... que tal outra tentativa?"

Donna jogou a cabeça para trás e olhou para o gigante que estava segurando em suas mãos. Uma leve vibração ocorreu em sua vagina enquanto ela contemplava a oferta atrevida de Jacob. Depois de alguns segundos, e com um brilho malicioso nos olhos, a Sra. Miller lambeu o canto da boca para coletar as últimas gotas do sêmen de Jacob de seus lábios. Antes que ela pudesse responder, porém, seu celular começou a tocar inoportunamente.

Percebendo que o toque era do marido, Donna achou melhor não ignorar a ligação. A Sra. Miller levantou-se e caminhou rapidamente até sua mesa. Isso deu a Jacob sua primeira oportunidade de ver as costas elegantes e bem torneadas da esposa nua. Ele estava mais do que satisfeito.

Quando Donna pegou o telefone em cima da mesa, ela rapidamente notou várias mensagens de texto perdidas. Depois de deslizar a tela com o dedo indicador, ela colocou o telefone no ouvido. "O-Oi, querida!!"

A voz de Donna falhou com uma cadência arriscada quando Jacob se esgueirou por trás dela e, sem aviso, esfregou bruscamente a ponta de seu pênis sugestivamente contra a fenda de sua bunda suada. O monte pegajoso de sua vagina estava vazando seu doce néctar mais uma vez, cobrindo o eixo de Jacob enquanto ele apontava mais para baixo entre suas coxas. Donna se inclinou ligeiramente para a frente (quase imperceptivelmente), seu corpo aparentemente tendo vontade própria - reagindo com antecipação ao ser espancado por trás por Jacob enquanto falava ao telefone com seu marido sem noção...

Depois de alguns segundos, porém, a sanidade de Donna voltou e ela empinou. Afastando-se, ela se virou para enfrentar Jacob, um olhar de advertência em seus olhos. "Uh... sim... Jake ainda está aqui." Ela então baixou o olhar e notou que as estrias de seu sêmen ainda marcavam seus seios nus. "Ele uhh... acabou de terminar." A insinuação do que ela acabara de dizer imediatamente a fez se sentir culpada. Ela então perguntou: "Onde está Sara? Ela não está com você? Quer dizer, está tudo bem falar sobre... você-sabe-o quê?"

David explicou que Sara estava na loja de conveniência comprando uma Coca-Cola, enquanto ele abastecia o carro. Portanto, era seguro discutir o presente surpresa que eles ganharam para a filha.

Ao ouvir o som sóbrio da voz de seu marido, Donna de repente se sentiu muito exposta e teve um senso sóbrio de humildade. Mesmo que David não pudesse vê-la, ela ainda pegou a blusa da mesa e segurou-a contra o peito em uma tentativa humilde de esconder sua nudez e vergonha imodesta.

Os olhos de Donna se arregalaram abruptamente. "Sério? Você... você está quase em casa?" Ela então apontou para Jacob e fez sinal para que ele se vestisse. "Oh... me desculpe, eu perdi suas mensagens de texto mais cedo, querida. Como eu disse... eu estive ocupada... você sabe... ajudando Jake." Outra onda de culpa tomou conta dela, quando ela olhou para encontrar Jacob enfiando o objeto obsceno que precisava de sua 'ajuda' de volta em suas calças.

Fazendo o possível para colocar a blusa de volta enquanto falava ao telefone, Donna perguntou: "Eu pensei que você e Sara passariam a noite lá e voltariam para casa amanhã?"

Enquanto ouvia o marido, Donna vestiu a saia e começou a subi-la até os quadris estreitos. Com o telefone apoiado entre a bochecha e o ombro, ela continuou: "Bem, infelizmente não planejei nada para o jantar. Talvez você pudesse parar no caminho e pegar uma pizza? Tenho certeza que Sara ficaria mais do que feliz com isso." A esposa traidora também achou que isso lhe daria mais tempo para fazer as coisas voltarem ao normal antes de sua chegada.

Depois de recolher a calcinha descartada no chão, Donna encerrou a ligação. "Ok, querida. Por favor, tenha cuidado, e vejo vocês dois quando chegarem em casa." Depois de uma breve pausa, ela respondeu a David: "Eu também te amo... tchau."

Donna caminhou até o sofá e disse a Jacob: "Você precisa ir." Depois de pegar o sutiã na parte de trás do sofá, ela acrescentou: "Eles voltarão para casa daqui a pouco e preciso tomar um banho". Ela então notou a grande mancha de seus fluidos corporais combinados na almofada do sofá e acrescentou: "Além disso, preciso limpar este lugar."

Enquanto ele vestia o short de volta, Jacob perguntou, "Eu pensei que eles iriam passar a noite em Augusta... aconteceu alguma coisa?"

Donna balançou a cabeça. "Não, nada aconteceu. O evento acabou cedo, só isso, então eles decidiram voltar para casa hoje à noite."

Jacob sorriu, "Legal... isso significa que Sara estará na escola amanhã e eu vou vê-la antes de partirmos para Atlanta."

A menção do nome de Sara causou outra onda de culpa e vergonha em Donna. Ela não só traiu seu amado marido, mas também seu precioso filho. Ela tinha acabado de cometer adultério com o garoto que por acaso estava namorando sua doce e inocente filha. Sua única maneira de justificar toda a situação era dizer a si mesma que isso foi um sacrifício que ela fez para proteger Sara e preservar sua virtude.

Enquanto Donna apressava Jacob de volta ao corredor e à cozinha, ela o lembrou: "Agora lembre-se de Jake... ninguém... e quero dizer, ninguém NUNCA pode descobrir sobre isso!"

Pegando sua mochila do chão, Jacob respondeu: "Não se preocupe, Sra. Miller." Jogando a mochila no ombro, ele acrescentou: "Eu prometo levar nosso segredo comigo para o túmulo."

Donna respondeu com um tom firme, mas suplicante: "Por favor, certifique-se de fazer isso!" Ela então abriu a porta para Jacob sair. Tentando agir como se tudo estivesse normal (e, no caso de algum vizinho intrometido estar olhando), Donna acrescentou em tom formal: "Mais uma vez, Jacob... muito obrigado por sua ajuda hoje na configuração do novo computador. "

Antes de sair pela porta da garagem, Jacob respondeu: "De nada, Sra. Miller! Acho que devo agradecer a você também." Antes de dar um passo, ele perguntou: "Então... suponho que isso signifique que você estará me ajudando de novo?"

Donna suspirou e disse: "Sim, Jake... Vou ajudá-lo novamente." Ela então ergueu o dedo e afirmou com firmeza: "Isso é ... contanto que você cumpra sua parte no trato."

Jacob sorriu, "Sim, senhora... pode contar comigo e uh... já estou ansioso por isso."

Donna podia sentir uma contração involuntária em sua boceta ansiosa e, sem nem pensar, ela respondeu inadvertidamente em voz baixa: "Sim ... eu também ..." Seu rosto imediatamente ficou vermelho como uma beterraba, quando ela percebeu o que acabara de fazer. disse. Em um tom severo, ela acrescentou: "Agora vá... eles vão chegar em casa logo."

Depois de observar Jacob montar em sua bicicleta e sair pedalando, Donna fechou e trancou a porta. Ela então começou o processo de (o mais rápido possível) livrar a si mesma e à casa de todas as evidências de sua fornicação pecaminosa antes que sua família inconsciente chegasse em casa.

********

" Ohhhhhhh!!!! " Um gemido prolongado escapou da boca de Karen, enquanto ela estava deitada de bruços. Ela instintivamente levantou os quadris nus do colchão do quarto de hóspedes, enquanto Melissa Turner continuava com sua massagem profunda. Erguendo a cabeça, a mãe nua perguntou em um sussurro pesado: "É mesmo necessário... ungghhh!! Nessa região em particular? Ohhh!!! "

Melissa riu: "Receio que sim..." Deslizando seus dedos ágeis ao redor da vagina pingando de Karen, a jovem advogada acrescentou com um tom suave: "Para fazer isso corretamente, tenho que me concentrar em suas partes mais estressantes. E acredite em mim, Karen, esta é a principal fonte de todo o seu estresse."

Karen respondeu suavemente: "Mas eu pensei que isso seria... ohhhh ... apenas uma massagem normal. Ela então olhou por cima do ombro para a amiga e engasgou: "Melissa! W-Por que você está... nua? "

Melissa não respondeu. Em vez disso, ela sorriu quando os quadris carnudos de Karen começaram a girar no ritmo junto com seus dedos ocupados. "Confie em mim... você vai se sentir muito melhor depois que toda a sua tensão for liberada. Agora... eu preciso que você respire profundamente e relaxe."

Karen assentiu e deitou a cabeça no colchão. Ela engasgou audivelmente e agarrou os lençóis quando Melissa adicionou mais pressão à área sensível entre suas pernas. "Ó meu Deus!!!" ela exclamou, enquanto a tensão continuava a crescer.

Melissa sussurrou: "Continue respirando, Karen... essa é a chave para uma boa liberação." O jovem advogado agora se concentrava nas áreas ao redor do clitóris da mãe casada.

Um fluxo constante de " Oh! Oh! Oh! " saiu da boca de Karen enquanto a pressão crescente se tornava de extrema urgência.

Os dedos de Melissa logo ficaram encharcados com o doce néctar de Karen, enquanto ela começava a dedilhar levemente o clitóris ensanguentado de sua cliente. O jovem advogado disse com encorajamento: "Não se contenha, Karen... deixe toda essa tensão fluir para fora de você."

A estimulação adicional fez com que Karen apertasse ainda mais os lençóis. "Sim...sim... sim! " ela cantou, enquanto esperava que a explosão ocorresse, e trouxesse com ela seu doce alívio.

Em um sussurro rouco, Melissa acrescentou: "Boa menina... está quase acabando. Agora, apenas deixe acontecer... você vai se sentir muito melhor!" Usando as pontas dos dedos, Melissa pressionou-os diretamente contra o clitóris sensível de Karen e começou a esfregar firmemente em movimentos circulares.

" YESSSSSS !!! " Karen gritou, enquanto se sentava, apenas para se encontrar na cama em seu quarto escuro. Ela rapidamente percebeu que estava sonhando e olhou para ver que Robert não estava na cama ao lado dela. Uma luz escapando por baixo da porta fechada do banheiro principal era uma evidência de que ele já estava no chuveiro (e esperava que não tivesse conseguido ouvir sua esposa chamando).

Karen murmurou em frustração, "Oh, pelo amor de Pete!!" Ela então deitou a cabeça no travesseiro macio e acrescentou: "Apenas mais um sonho maluco..."

Depois de alguns momentos deitada na cama ouvindo a chuva da manhã, Karen percebeu que seu sonho vívido a deixara bastante excitada. Olhando para a porta fechada do banheiro, ela pôde ouvir o som fraco do chuveiro ainda ligado. Achando que era seguro o suficiente, a esposa frustrada e com tesão enfiou a mão direita entre as pernas longas e sedosas.

Karen achou o reforço de sua calcinha bastante úmido. Ela engasgou de surpresa quando seus dedos finos rasparam em seu formigante clitóris que estava escondido sob o tecido de algodão. Por alguma razão, sua pequena protuberância parecia estar ainda mais sensível do que o normal.

Sabendo que Robert geralmente demorava um pouco para se preparar para o trabalho, Karen imaginou que teria tempo suficiente para dar a si mesma o tão necessário alívio. No entanto, masturbar-se não era o que a linda dona de casa desejava naquele momento.

Jogando para trás o edredom, Karen saiu da cama. Ela então abriu a porta do banheiro principal e entrou, para descobrir que seu marido ainda estava no chuveiro.

Robert se virou, agradavelmente surpreso ao encontrar Karen parada na porta do chuveiro. "Bem, bom dia, linda..." cumprimentou sua linda esposa, com uma pitada de desejo. Ele não pôde deixar de notar o quão sexy ela parecia, vestida apenas com sua camiseta justa e calcinha com corte de biquíni.

"Bom dia, bonitão", respondeu Karen com um sorriso ao cumprimentá-lo. "E, como ainda é cedo, pensei que talvez pudesse entrar e me juntar a você..."

Depois de desligar a água, Robert aproximou-se de Karen. Ele podia ver seus mamilos endurecidos empurrando contra seu top justo. Com óbvia relutância, ele respondeu: "Caramba, querida... em qualquer outro momento, eu aceitaria com prazer." Ele então pegou uma toalha da prateleira próxima e continuou: "Infelizmente, hoje não é um bom dia para mim."

Implacável, Karen respondeu com um sorriso malicioso e malicioso: "Nem mesmo para uma rapidinha?"

Secando-se com a toalha, Robert riu, "Por mais tentador que isso pareça, temo que terei que recusar. Devo chegar ao escritório em menos de uma hora."

"Você tem que ir cedo de novo ? O que desta vez?" Karen perguntou, agora com um toque audível de frustração.

Enrolando a toalha na cintura, Robert respondeu: "A alta administração vai reestruturar a região que supervisiono e tenho uma reunião de orçamento agendada com todos os meus gerentes de vendas esta manhã. Precisamos discutir como as mudanças os afetarão, e nossos planos para o próximo trimestre." Ele então deu outra olhada em sua voluptuosa esposa, "Acredite em mim ... se eu pudesse acabar com tudo, eu o faria."

Karen suspirou, "Eu sei... é só que..." Ela colocou a mão no peito liso de Robert e acrescentou, "Já faz um tempo desde que nós... você sabe." Ela arqueou uma das sobrancelhas e mordeu o lábio inferior para enfatizar sua insinuação nada sutil.

Robert assentiu e carinhosamente acariciou a bochecha de Karen, "Estou bem ciente, e sinto muito ... é tudo minha culpa. Tenho estado tão ocupado com o trabalho ultimamente, e agora é você quem está sofrendo por isso. " Ele se aproximou e disse: "Eu prometo, porém, que vou compensar você neste fim de semana."

"Este fim de semana?" Karen respondeu, com alguma confusão. "Você se lembra que estamos indo para Atlanta?"

Indo até a pia, Robert respondeu: "Bem, claro, eu me lembro." Enquanto se preparava para fazer a barba, ele continuou: "Achei que seria um pouco divertido aproveitar um tempo sozinho na suíte do hotel... vai ser como uma mini-lua de mel!"

Karen encostou-se no balcão e retrucou: "Você esqueceu que Jake vai conosco?"

Olhando para o reflexo de Karen no espelho, Robert respondeu: "Não, certamente não esqueci. Lembre-se, porém, Jake vai ter uma suíte só para ele."

Karen zombou: "Sim... com uma porta de comunicação. Não quero que nosso filho adolescente... você sabe... ouça o que estamos fazendo!"

Enxaguando sua navalha, Robert respondeu: "Acho que você não precisa se preocupar com isso. Jake provavelmente estará muito envolvido em seus videogames para sequer pensar em nós. Além disso, ele tem aqueles cancelamento de ruído fones de ouvido que você comprou para ele. Sempre que ele usa essas coisas, eu juro, uma bomba pode explodir e ele nem percebe!"

Karen deu uma risadinha e disse: "Não xingue... mas você provavelmente está certo." Ela respirou fundo e acrescentou: "Tudo bem, mas vou segurá-lo, senhor! Além disso, posso ter uma pequena surpresa reservada para você..."

Sorrindo, Robert olhou para Karen e respondeu: "Bem, que coincidência... Acontece que eu também tenho uma surpresa para você."

Karen sorriu, "Oh, sério, agora? Isso é intrigante... Eu me pergunto o que poderia ser? Que tal me dar uma pequena dica?"

"Nu-uh!" Robert rapidamente atirou nela.

Karen pressionou mais forte, "Oh, qual é... nem mesmo um pequenino? Você sabe o quanto eu odeio esperar."

Terminando de fazer a barba, Robert balançou a cabeça e respondeu com uma risada: "Não ... você só terá que esperar e descobrir neste fim de semana."

Franzindo o rosto, Karen fez beicinho: "Ok ... vá em frente e guarde seus segredos. Enquanto isso, o que meu querido marido gostaria de tomar no café da manhã?"

Enxugando o rosto com a toalha, Robert respondeu: "Provavelmente não terei tempo de comer nada, mas café seria ótimo."

"Bem, acho que vou descer e começar um pouco." Karen beijou a bochecha de Robert e depois voltou para o quarto.

Depois de vestir o roupão, Karen desceu as escadas para a cozinha. Ao chegar, ela se surpreendeu ao descobrir que Jacob já estava lá, vestido para a escola e sentado à mesa, comendo seu cereal.

Vendo sua mãe parada na porta, Jacob a cumprimentou: "Bom dia, mãe!"

Um tanto perplexa, Karen respondeu: "Bom dia, querida! Uau ... você acordou mais cedo do que o normal para um dia de aula! Achei que você ainda estaria dormindo na cama e eu teria que subir como sempre e te acordar."

Jacob balançou a cabeça e sorriu, "Bem, você não precisa se preocupar em fazer nada disso hoje."

"Eu posso ver isso", Karen riu, divertida. Ao começar os preparativos para fazer um café, ela perguntou: "Então, o que motivou você a acordar tão cedo hoje? Animada com a viagem para Atlanta?"

Antes de pegar outra colherada de flocos de milho, Jacob deu de ombros e respondeu: "Sim, mais ou menos... eu acho."

Karen franziu o rosto, "'Mais ou menos... você acha'?" Ela se virou e recostou-se na bancada. "Bem, deve ser alguma coisa. Quero dizer, na maioria dos dias de escola, eu praticamente teria que te arrastar para fora da cama... especialmente em uma manhã chuvosa como esta."

Jacob assentiu, incapaz de esconder um sorriso, "É a Sara... ela vai estar na escola hoje!"

Os olhos de Karen se arregalaram, "Ohhhh... entendo." Ela então inclinou a cabeça para o lado e perguntou: "Espere... pensei que ela e o pastor Miller ainda estivessem em Augusta?"

Jacob continuou, "Na verdade, eles chegaram em casa cedo ontem à noite. Sara me mandou uma mensagem ontem à noite e perguntou se eu queria me encontrar no laboratório antes do início das aulas, para que pudéssemos trabalhar juntos em nosso projeto de química." Ele então deu outra mordida e murmurou: "Eu pretendo ir embora logo depois de terminar de comer."

"Jake, não fale com a boca cheia", afirmou Karen enquanto se virava para olhar pela janela... a chuva agora caía ainda mais forte. Ela acrescentou: "E espero que você não planeje ir a pé para a escola com este tempo ... está chovendo muito lá fora!"

Jacob se virou em sua cadeira em direção à janela e suspirou, "Não foi tão ruim antes." Ele então se virou para a mãe e disse: "Eu ia andar de bicicleta de novo, mas agora acho que vou ter que pedir carona ao papai".

Karen balançou a cabeça, "Não, querida, seu pai não poderá levá-la hoje. Ele precisa ir direto para o escritório esta manhã e, além disso, sua escola está indo na direção oposta." Depois de ligar a cafeteira, ela ofereceu: "Deixe-me me vestir e depois vou buscá-la".

Certificando-se de engolir esse tempo antes de responder, Jacob respondeu: "Obrigado, mãe ... isso seria ótimo!"

Antes de sair da cozinha, Karen foi até Jacob e se inclinou, perguntando baixinho: "Você está bem esta manhã com... você sabe?" Ela então inclinou a cabeça ligeiramente, apontando para baixo em direção a sua virilha.

Jacob acenou com a cabeça, "Sim, mãe... eu acho que estou bem." Ele não podia acreditar no que acabara de sair de sua boca. Na verdade, ele iria recusar a oferta de sua linda mãe para 'ajudá-lo' novamente naquela manhã. No entanto, Jacob não queria correr o risco de chegar atrasado à escola, porque queria passar mais tempo com Sara.

Ainda despertada pelo sonho vívido que ela teve antes, Karen pressionou um pouco mais forte, "Você tem certeza? Nós não precisamos de algo ruim acontecendo na escola... se é que você me entende." Ela estava fazendo o possível para fazer soar como se isso fosse mais para o benefício de Jacob... e não dela.

Depois do sexo alucinante que ele teve com a Sra. Miller no dia anterior, Jacob passou boa parte da noite anterior em seu quarto, masturbando-se várias vezes com modelos pornôs que pareciam a boa esposa do pregador. Ele se sentiu confiante de que tudo ficaria bem esta manhã e respondeu: "Tenho certeza, mãe. Como eu disse a você na outra noite... Tenho tudo sob controle."

Endireitando-se, Karen colocou a mão no quadril e suspirou: "Tudo bem... contanto que você tenha certeza." Ela então se virou e começou a sair da cozinha, gritando de volta ao sair da sala: "Apenas me dê alguns minutos para me vestir e depois podemos sair."

Jacob olhou com admiração enquanto Karen partia, seus olhos grudados em seu traseiro balançando e nas sedutoras linhas da calcinha que foram delineadas contra o tecido sedoso de seu roupão. Ele se repreendeu um pouco por recusar a chance de ter outra manhã 'ir' com sua mãe. Ajustando a haste rígida em seus shorts, Jacob prometeu a si mesmo não se masturbar novamente naquele dia para tentar salvar os lotes frescos que ele estava agitando em suas bolas para o próximo fim de semana...

Enquanto Karen subia as escadas, ela pensou consigo mesma: "Devo estar perdendo meu apelo sexual. Dois homens acabaram de me rejeitar em questão de minutos." Ela decidiu naquele momento fazer todas as paradas naquele fim de semana e lembrar a seu marido Robert exatamente o que ele estava perdendo ultimamente...

********

Estacionando na vaga de estacionamento da escola de Jacob, Karen mencionou ao filho: "Tia Brenda me ligou ontem à noite. Os resultados dos seus exames de sangue e sêmen chegaram, e ela os levará para casa hoje mais tarde."

Jacob inclinou a cabeça para o lado. "Para a casa? Por que não apenas dar os resultados para você pelo telefone?" Seus olhos então se arregalaram e ele perguntou com alguma preocupação: "Isso significa que eles encontraram algo ruim?"

Karen riu, então estendeu a mão e alisou o cabelo rebelde de Jacob. Balançando a cabeça, ela respondeu: "Não, querida... nada de ruim! Sua tia está vindo para que ela e eu possamos sair... como um dia de spa para irmãs."

"Dia do spa?" Jacob perguntou com uma leve confusão.

"Sim... um dia de spa", respondeu Karen. "Sabe... fofocar um pouco... tomar um café... talvez fazer as unhas..."

Jacob franziu o rosto. "Ah... então você quer dizer tipo, 'coisas de garotas'?"

Karen acenou com a cabeça e respondeu zombeteiramente: "Sim ... 'coisas de garota'."

Percebendo o SUV da Sra. Miller estacionando do outro lado, Jacob disse: "Bem, divirtam-se com isso... acho que vejo vocês em casa depois da escola."

Quando Jacob agarrou a maçaneta da porta para sair, Karen respondeu: "Espere aí, senhor ... você não está esquecendo alguma coisa?" Ela tocou a bochecha com o dedo.

Jacob suspirou. "Mãe... nós temos que fazer isso?"

Karen respondeu: "Esses passeios não são gratuitos, você sabe ... você ainda tem que pagar o flautista." Ela acrescentou: "Além disso, você estava todo animado para me beijar na outra noite em seu quarto ... você não parecia muito envergonhado de sua velha mãe então."

Jacob zombou, "Mãe... isso foi diferente... nós estávamos em particular." Ele apontou para a janela, "Além disso, há pessoas andando por aí, e Sara está bem ali!"

"Não se preocupe... ela ainda está no carro... ela não vai ver nada." Karen então virou a cabeça e novamente ofereceu sua bochecha.

Jacob sabia que não haveria como escapar de Karen Mitchell. O adolescente relutante deu uma olhada rápida para fora para garantir que ninguém mais estivesse por perto para ver. Ele então se inclinou e beijou a bochecha macia de sua mãe. Ao abrir a porta para sair, ele rapidamente deixou escapar: "Obrigado pela carona!"

Com um sorriso, Karen brincou: "De nada, urso aconchegado... te amo!"

" Moooommm !!!" Jacob choramingou, com os dentes cerrados. Ele então olhou por cima do ombro para garantir que ninguém tivesse ouvido o uso do apelido embaraçoso por sua mãe. Sentindo que era seguro, ele respondeu em voz baixa: "Também te amo." Ele então rapidamente fechou a porta e saiu para se encontrar com Sara.

Karen notou que Sara estava parada embaixo do toldo, esperando por Jacob. Enquanto observava seu 'urso aconchegado' atravessar o estacionamento em direção à linda adolescente loira, a mãe amorosa sentiu uma estranha sensação de perda.

Karen estava genuinamente feliz que as coisas estivessem indo tão bem entre Jacob e Sara. Afinal, ela sempre soube que chegaria o dia em que ela não seria mais a mulher mais importante na vida de seu homenzinho... era a ordem natural das coisas. Ela sabia que era errado sentir qualquer outra coisa além de felicidade por eles. No entanto, quando os dois adolescentes desapareceram no prédio da escola, o coração de Karen começou a doer um pouco com o aperto do que ela sabia ser ciúme.

********

Por volta da hora do almoço, Karen estava sentada à mesa do pátio à beira da piscina, lendo a Bíblia e tomando chá gelado. Como o céu finalmente clareou, ela aproveitou a pausa no tempo para fazer um pequeno trabalho em seu jardim de flores. Agora, ela estava fazendo uma merecida pausa para colocar a leitura da Palavra em dia. Uma passagem particular do Segundo Livro de Samuel que ela estava lendo se destacou para ela: " Então eles armaram uma tenda para Absalão no telhado, e ele dormiu com as concubinas de seu pai à vista de todo o Israel... "

De repente, Karen ouviu a buzina de um carro. Aguçando os ouvidos, ela reconheceu o familiar ronronar do motor do BMW de Brenda estacionando em sua garagem. Depois de marcar sua página no Good Book, ela se levantou da cadeira reclinável da piscina e caminhou até o jardim da frente para cumprimentar sua irmã.

Depois de sair do carro, Brenda abriu o porta-malas e começou a tirar as malas do porta-malas. "Ei, irmã... importa-se de me dar uma mão?"

"O que é tudo isso?" Karen perguntou, com uma risadinha.

"Ah, só algumas coisas", Brenda respondeu com um leve grunhido, enquanto se inclinava para pegar uma sacola na parte da frente do porta-malas.

"Coisa?" Karen perguntou.

Brenda se endireitou e respondeu: "Sim... você sabe... suprimentos para nossa tarde 'somente para meninas'." Ela então apontou para as duas sacolas mais próximas de Karen. "Pegue isso, não é? Acho que você vai gostar do que tem dentro!"

Depois de pegar as sacolas, Karen colocou a mão dentro de uma e tirou uma garrafa de vinho. Depois de verificar o rótulo, ela sorriu e disse: "Pinot grigio ... meu favorito!" Ela então olhou para a irmã e acrescentou: "Brenda ... essa marca é meio cara ... você não deveria ter gasto tanto."

Brenda fechou o porta-malas e deu de ombros, "Ehhh... nada é muito caro para minha irmã mais velha." Ela então perguntou: "Então, o que você acha de colocarmos essa coisa no gelo, enquanto revisamos os resultados do teste de Jacob?"

Karen acenou com a cabeça e respondeu: "Ok ... parece bom para mim", enquanto levava Brenda para dentro de casa.

Momentos depois, as duas irmãs estavam sentadas no sofá da sala tomando café. Karen devolveu os documentos do laboratório para Brenda e perguntou: "Então, de acordo com os resultados dos exames de sangue, Jacob está bem, fisicamente?"

Brenda tomou um gole de café e assentiu enquanto colocava a xícara na mesa. "Sim... ele está perfeitamente saudável... nada com que se preocupar."

Karen sorriu com alívio, "Bem, louvado seja o Senhor por isso!" Ela então perguntou: "E a outra coisa? O crescimento anormal de seu... pênis?"

Brenda cruzou as longas pernas cobertas por meias e recostou-se no sofá. "Agora, isso é outra história."

"O que você quer dizer?" Karen perguntou, franzindo a testa.

Brenda suspirou e disse: "Simplificando... meu colega disse que nunca viu nada nem perto da condição de Jacob, em todos os seus anos praticando medicina. Ele está completamente perplexo com a composição química complexa da amostra de sêmen de Jacob."

Karen disse preocupada: "Bem, isso não parece muito bom."

Brenda descruzou as pernas e se inclinou para a frente. "Como eu disse... tecnicamente, Jacob está bem. Seu sistema reprodutivo é apenas um pouco... diferente. Suponho que você poderia dizer, foi... sobrecarregado."

Karen respondeu: "' Supercharged '?"

Brenda acenou com a cabeça e explicou: "Veja desta forma... uma alta contagem de espermatozóides para a maioria dos homens saudáveis ​​é de cerca de 200 milhões de espermatozóides por mililitro."

"OK?" Karen respondeu, um pouco confusa.

Brenda continuou: "A proporção de contagem de esperma de Jacob, por outro lado, mede cinco vezes essa quantidade."

Com um olhar de horror, Karen inclinou-se ligeiramente para trás e respondeu: "Cinco vezes? Deus do céu!"

Brenda acrescentou: "Além disso, existem os feromônios avassaladores que o corpo de Jacob produz sempre que ele fica excitado." Com uma leve risadinha, ela disse: "Nós já sabemos como esses bad boys podem fazer as mulheres agirem... digamos... fora do personagem."

Karen não pôde deixar de corar com o comentário nada sutil de Brenda e acenou com a cabeça em concordância. "Sim, eu sei o que você quer dizer."

"Então, quando você considera tudo o que aconteceu e a quantidade absurda de sêmen que ele ejacula... bem, vamos encarar... Jacob agora é basicamente um serviço de reprodutor humano."

Karen fechou os olhos e respondeu asperamente: "Serviço de garanhões? Brenda... você faz parecer que ele é uma espécie de aberração. Estamos falando do meu filho!"

Sentindo que Karen estava ficando chateada, Brenda se aproximou de sua irmã e disse: "Karen, quero ajudar Jake tanto quanto você. Afinal, ele é meu sobrinho e penso nele como se fosse meu próprio filho. . Eu não queria ofendê-lo... por favor, me perdoe."

Karen suspirou e suavizou o tom de voz: "Sinto muito, Brenda... não deveria descontar tudo em você. Sei que você só está tentando ajudar. Estou muito frustrada porque o escritório do promotor e o Dr. Grant ainda precisam chegar a um acordo judicial, para que talvez Jacob possa ser curado dessa bagunça.

Pegando sua xícara de café, Brenda perguntou: "Então, nenhuma notícia de qualquer tipo do escritório do promotor distrital? E aquele promotor assistente de quem você me falou?"

"Você quer dizer a Sra. Turner?" Karen balançou a cabeça, "Não... ontem ela apareceu, mas não muito depois de chegar, ela recebeu uma ligação de seu escritório e teve que sair abruptamente para ir a uma reunião."

Brenda arqueou a sobrancelha. "Que tipo de reunião?"

Karen encolheu os ombros, "Ela não disse... mas com a forma como ela saiu com tanta pressa, presumi que tinha algo a ver com o Dr. Grant."

Brenda ponderou a informação de Karen por um momento e então disse: "Bem, vamos esperar que algumas boas notícias venham disso".

Depois de uma respiração profunda, Karen perguntou: "Até lá... há algo que possamos fazer enquanto isso?"

Brenda respondeu: "Bem, estou feliz que você perguntou." Ela então colocou seu copo de volta na mesa e continuou, "Para começar... meu colega pediu outra rodada de amostras de Jacob."

Karen inclinou a cabeça para o lado. " Mais amostras? Por quê?"

Brenda respondeu: "Por alguns motivos. Primeiro, ele gostaria de saber a opinião de um amigo, alguém que por acaso é bioquímico."

Karen recuou. "Um bioquímico? Você realmente precisa trazer mais pessoas para isso? Achei que tínhamos concordado em manter isso discreto."

Tentando soar tranquilizadora, Brenda respondeu: "Estamos ... lembre-se ... tudo isso está sendo feito anonimamente. Ninguém jamais descobrirá sua identidade ou a de Jake. Acredite em mim, Karen, este médico é excelente em seu campo da química genética".

"E ela pode ajudar, como?" Karen perguntou com uma pitada de ceticismo.

Brenda respondeu: "Espero que ela seja capaz de quebrar e identificar os componentes desconhecidos encontrados no sêmen de Jacob. Então, teoricamente, eles seriam capazes de fazer a engenharia reversa dos efeitos anormais que ocorreram em seu corpo."

Karen sorriu um pouco. "Você quer dizer, encontrar uma cura?"

Brenda devolveu o sorriso. "Esse é o plano... sim. Considere isso um 'plano B' apenas no caso de o escritório do promotor não conseguir fechar um acordo com o Dr. Grant."

Karen então perguntou: "Você disse que havia algumas razões para mais amostras?"

Brenda assentiu: "Sim... desde a primeira rodada de amostras, meu colega estabeleceu uma linha de base para a condição de Jacob. Ele gostaria de obter amostras adicionais a cada duas semanas ou mais, à medida que avançamos. Desta forma, ele diz, ele deve ser capaz de rastrear quaisquer mudanças que ainda possam ocorrer em seu corpo."

Karen acenou com a cabeça, dizendo: "Bem, isso faz sentido, eu suponho. Eu precisaria trazer Jake de volta ao seu escritório, então... para fornecer as novas amostras?"

Balançando a cabeça, Brenda respondeu: "Não... já trouxe tudo de que precisava comigo hoje. Achei que, se você e Jake concordassem com isso, eu poderia ir em frente e extrair as amostras necessárias, enquanto estou aqui."

" Você vai fazer a extração?" Karen perguntou. "De seu sêmen, quero dizer?"

Brenda acenou com a cabeça, "Claro, eu posso fazer isso." Depois de uma pausa, ela acrescentou: "Embora... eu não posso deixar isso ficar louco como da última vez. Agora que sei o que esperar, devo ser capaz de me controlar e não trair Mark novamente."

"Boa sorte com isso..." Karen murmurou baixinho. Olhando para o relógio, ela disse, "Bem, Jake chegará da escola em algumas horas... você pode perguntar a ele então."

"Perfeito!" Brenda respondeu com um sorriso. "Isso deve nos dar bastante tempo antes que ele chegue aqui."

"'Muito tempo'? Para quê?" Karen perguntou, um pouco perplexa.

Brenda se levantou do sofá e pegou as sacolas que trouxera do carro. "Que tal você pegar o vinho no refrigerador e subirmos? Pelo que me lembro, tenho outro paciente que preciso atender hoje." Vendo a expressão de confusão no rosto de Karen, a bela ginecologista acrescentou: "E para quem eu preciso realizar uma operação de natureza... mais delicada." Ela então deu a sua irmã um sorrisinho travesso enquanto se dirigia para fora da sala.

"Ah sim... aquela operação," Karen percebeu, timidamente. "Eu definitivamente vou precisar de um pouco de álcool."

Um pouco depois, no banheiro principal, Karen tomou um gole de vinho de uma taça de haste longa. Ela então colocou o vaso estriado ao lado de uma vela bruxuleante na plataforma de ladrilhos da banheira, que se encostava na parede espelhada. A adorável mãe então afundou de volta até que a água morna e ensaboada cobriu calmamente quase todo o seu tronco até o pescoço. Enquanto descansava a cabeça contra o suporte acolchoado, ela fechou os olhos e disse suavemente: "Devo dizer, Brenda... você fez um ótimo trabalho escolhendo aquele vinho."

Brenda sentou-se em frente a Karen. Ela, assim como a irmã, tinha o cabelo preso em um coque no alto da cabeça. No entanto, sentada um pouco mais ereta, as bolhas de banho repousavam logo acima dos seios cosmeticamente aprimorados do ginecologista. Com uma risada, Brenda respondeu: "Percebi que você gostou... você praticamente bebeu a garrafa inteira sozinha!"

Sentindo-se bastante tonta, Karen riu e respondeu: "Não é minha culpa ... isso é muito bom!" Normalmente, ela nunca teria ousado beber tão cedo. No entanto, a dona de casa cristã sentiu que precisava de um pouco de 'coragem líquida' naquela tarde. Afinal, não era todo dia que ela tomava banho com outra mulher, ainda mais depois de depilar as partes mais íntimas... (mesmo que tenha sido a irmã mais nova quem fez isso).

A princípio, Karen ficou um pouco apreensiva em permitir que Brenda conduzisse a 'operação'. No entanto, o delicioso vinho que ela bebeu rapidamente acalmou seus nervos. A mãe normalmente rígida agora se sentia totalmente relaxada, com a atmosfera calma acalmando seus medos e o álcool agora correndo em suas veias.

Depois de tomar seu próprio gole de vinho, Brenda colocou a mão no joelho de Karen sob a água e perguntou: "Então, diga-me, mana... como se sente... lá embaixo?" Ela então arqueou a sobrancelha, enquanto esperava a resposta de sua irmã.

Karen sentou-se um pouco e depois esfregou as coxas. Ela franziu o rosto e respondeu: "Parece, bem, meio estranho... mas de uma forma estranha, também..."

"Bom?" Brenda interveio, enquanto tentava ansiosamente terminar a frase de sua irmã.

Karen riu. "Eu ia dizer, meio... safado ."

Os olhos de Brenda se arregalaram. "'Naughty'? Oh meu... minha irmã tensa parece estar relaxando em sua velhice!"

"'Velhice'? " Karen respondeu com uma risada. Ela então jogou um pouco de água em Brenda e acrescentou: "Você não é muito mais jovem do que eu, sabia!"

Brenda riu e então respondeu jogando água de volta em Karen. "Isso pode ser verdade... mas você sempre será a irmã mais velha, não importa o que aconteça!"

Karen franziu o rosto e mostrou a língua para Brenda zombeteiramente.

"Eu vi isso!" Brenda disse com um suspiro. "Eu vou contar ao papai sobre você!" Ela então voltou a jogar água maliciosamente em Karen.

Nos momentos seguintes, as duas irmãs reviveram com alegria um pouco de sua juventude. Eles riram e gritaram enquanto jogavam água um no outro de brincadeira, como se fossem mais uma vez companheiros de banho de infância.

Depois que as mulheres adultas terminaram suas brincadeiras indisciplinadas, elas se acomodaram e voltaram a desfrutar de seu banho de espuma vagaroso. "Então, me diga..." Brenda disse antes de tomar outro gole de vinho. "Qual dos seus homens vai conseguir ver o 'novo você' primeiro?"

"Meu homem'?" Karen perguntou, perplexa com a confusão. Depois de ver Brenda arquear a sobrancelha, ela zombou e respondeu: "Há apenas um homem ... e é Rob, é claro. Estou planejando surpreendê-lo no sábado à noite."

Brenda colocou sua taça de vinho na plataforma de ladrilhos e perguntou: "Isso significa que você não está mais tendo relações sexuais com Jake?"

Karen hesitou por um momento, então respondeu humildemente, "Bem... só quando for necessário."

Brenda riu, "'Só quando é necessário'?" Ela então perguntou, um pouco mais a sério: "E quanto ao controle de natalidade? Pelo que me lembro, o Dr. Taylor queria que você parasse de tomar a pílula por enquanto".

"Sim, é verdade, mas estamos usando os preservativos maiores que seu amigo sugeriu", respondeu Karen.

Com uma intriga crescente, Brenda indagou ainda mais: "Mana, você está permitindo que Jake fique dentro de você quando ele ejacular?"

Karen assentiu com culpa, "Às vezes... sim."

Brenda sentou-se para a frente. "Karen ... como você sabe, essas coisas não são 100% eficazes. Várias de minhas pacientes acabaram engravidando por causa de um preservativo defeituoso e estourado. Basta uma vez, para apenas um dos pequenos nadadores de seu filho encontre seu ovo... e com a carga que Jake está empacotando... as chances o tornam ainda mais perigoso."

Brenda colocou a mão na coxa de Karen debaixo d'água. "Sugiro fortemente que você reconsidere a tentativa do Midoxinol. Deixe-me dizer-lhe, estou tomando há meses e realmente gostei... Não experimentei nenhum efeito colateral negativo." O que o bom médico não revelou à irmã foi o único efeito colateral comum da droga... aumento do estro feminino e da libido. Brenda praticamente fez sua própria boceta jorrar com umidade excitada enquanto ela descrevia (em tantas palavras) o risco emocionante e excêntrico de Jacob engravidar Karen.

A fantasia perversa e travessa de Brenda foi interrompida quando Karen respondeu: "E quanto ao estrogênio? Essa é a única razão pela qual o Dr. Taylor queria que eu parasse de tomar a pílula em primeiro lugar."

Brenda balançou a cabeça: "Como eu disse naquele dia em meu consultório, isso não afetará seus níveis de estrogênio porque funciona como um espermicida. Ele cria uma barreira protetora que mata qualquer esperma antes de entrar no útero. Além disso, é conveniente porque uma pílula por dia lhe dará proteção 24 horas, assim como o controle de natalidade tradicional."

"Eu me pergunto por que o Dr. Taylor não sugeriu que eu tentasse antes?"

Brenda respondeu: "Provavelmente porque Midoxinol ainda não está disponível para o público em geral... tecnicamente, ainda está em fase de teste clínico."

Karen perguntou: "Então, para tentar, eu teria que participar de um teste?" Ela temia ter que se tornar outra 'cobaia' para a comunidade médica, como seu filho havia sucumbido.

Brenda balançou a cabeça, "Não há necessidade. Como já sou uma participante (além de ginecologista licenciada), tenho acesso a todos os suprimentos de que precisamos." Um sorriso tímido e astuto se espalhou pelo belo rosto do médico. "Na verdade... eu só trouxe alguns comigo hoje, para você experimentar. Isto é... se você estiver interessado."

Karen pensou por alguns segundos, então riu, "Bem... eu só poderia tentar, porque esses preservativos que estamos usando podem ser bastante irritantes para a minha área vaginal."

O sorriso de Brenda desapareceu um pouco quando ela avisou: "Você precisa ter em mente que pode levar vários dias para o Midoxinol atingir sua eficácia total. Portanto, se você começar a tomá-lo, sugiro que continue a fazer com que Jacob use os preservativos por talvez uma semana, só para garantir."

Brenda notou que Karen de repente estremeceu o rosto e começou a se balançar ligeiramente de um lado para o outro. "Você está bem?"

Karen assentiu. "Sim, acho que sim. É engraçado, acabei de mencionar como as camisinhas irritaram minha vagina, e agora... parece que está queimando lá embaixo."

Brenda colocou a taça de vinho vazia na mesa e disse: "Você pode estar sentindo um aumento de sensibilidade por causa da solução de cera". A adorável médica então ficou de joelhos, expondo a incrível metade superior de seu corpo nu. Ela apontou com a mão para a superfície acolchoada do assento e disse: "Sente-se aqui e deixe-me dar uma olhada".

Karen levantou-se e sentou-se na almofada macia... seu corpo nu brilhando à luz suave das velas do brilho da água espumosa do banho. Mantendo o pé direito na água, ela colocou o pé esquerdo na borda da banheira.

Brenda se aproximou e gentilmente empurrou a perna esquerda de Karen para o lado com a mão direita. Sentindo alguma resistência, ela disse à irmã: "Agora, agora... não precisa ser tímida... preciso dar uma olhada mais de perto. Além disso... gostaria de ver todo o meu adorável trabalho manual." Ela então seguiu sua declaração com uma piscadela e um sorriso.

Karen revirou os olhos e disse: "Você é horrível." No entanto, ela relaxou e permitiu que sua irmã abrisse suas longas pernas.

Por causa do banheiro mal iluminado, Brenda teve que se inclinar para examinar a vagina de Karen. Enquanto ela corria seus dedos bem cuidados levemente ao longo das bordas externas da boceta agora sem pelos de sua irmã, ela não pôde deixar de notar seu clitóris endurecido espreitando entre as delicadas dobras de seus lábios.

"Você sabe..." Brenda disse suavemente, "Sendo uma ginecologista, eu já vi meu quinhão de vaginas ao longo dos anos... mas eu só tenho que dizer mana... você tem uma boceta absolutamente linda."

Pega de surpresa pelo comentário de Brenda, Karen respondeu: "Obrigada... eu acho?" Ela não sabia mais o que dizer. Afinal, esse não era exatamente o tipo de elogio que ela esperava ouvir de sua irmã mais nova.

Karen não pôde deixar de estremecer com as sensações vergonhosas, mas agradáveis, criadas pelos dedos exploradores de sua irmã, bem como pelo hálito quente de Brenda em sua vagina completamente careca. Por alguma razão, ela se sentiu estranhamente desapontada quando Brenda se afastou abruptamente e disse: "Exatamente como eu suspeitava, há um pouco de vermelhidão e irritação, mas não se preocupe... eu vim preparada."

Brenda pegou um pequeno pote de plástico e tirou a tampa. Ao mergulhar dois dedos na solução cremosa e branca, ela comentou: "Já vi isso acontecer com bastante frequência com iniciantes como você. No entanto, essa loção sempre parece funcionar".

Enquanto Brenda aplicava a mistura perfumada na área púbica de sua irmã, Karen perguntou: "Primeiras? Você quer me dizer... já fez isso antes com outras mulheres?"

Mantendo sua atenção focada no trabalho em mãos, Brenda respondeu casualmente: "Ah, sim, claro. Ocasionalmente, algumas das garotas do escritório e eu ficamos até tarde e fazemos isso umas pelas outras." Ela então olhou para Karen com um sorriso atrevido e acrescentou: "Esses estribos de exame realmente são úteis!"

Os olhos de Karen se arregalaram e um pequeno suspiro escapou de sua boca. Foi em parte uma reação à declaração de Brenda, mas principalmente por causa dos efeitos imediatos da loção em suas regiões inferiores. A coceira ardente havia desaparecido completamente e havia sido substituída por uma agradável sensação de formigamento.

Brenda olhou para cima para avaliar a condição de sua irmã e perguntou: "Você está bem?"

Karen assentiu, mordendo o lábio inferior e respondeu: "Mmm-hmm ..."

Brenda mergulhou os dedos de volta no frasco para obter uma quantidade ainda maior da loção. Enquanto esfregava suavemente a área afetada com a solução cremosa, ela disse com um sorriso confiante: "É uma sensação melhor... não é?" A linda médica então começou a deslizar seus dedos ágeis entre as dobras delicadas da vagina de Karen, chegando perigosamente perto do clitóris vibrante de sua irmã.

Karen mais uma vez se sentiu traída por seu próprio corpo. A dona de casa geralmente conservadora sabia que era pecaminosamente errado gostar do toque de outra mulher (especialmente quando essa mulher era sua irmã mais nova). No entanto, devido a todo o álcool inebriante misturado com os hormônios radicais agora fluindo por sua corrente sanguínea, Karen não impediu Brenda, nem seus dedos exploradores. Em vez disso, ela se recostou contra a parede espelhada e descaradamente abriu as pernas ainda mais para a irmãzinha, perguntando grogue: "O-o que tem nessa coisa?"

Enquanto Brenda continuava a espalhar o creme de alívio na boceta agora chorosa de Karen, ela encolheu os ombros nus e respondeu: "Para dizer a verdade... não tenho muita certeza. É algum tipo de remédio caseiro que um dos meus enfermeiras trazem de vez em quando. Acho que ela disse que é uma receita secreta de família trazida do 'velho país'. É tudo natural... e até comestível, acredite ou não."

A excitação de Karen continuou a crescer e seus pensamentos vagavam, até que ela inadvertidamente criou uma visão inadequada em sua mente de Brenda e as enfermeiras em seu consultório. Ela os imaginou todos nus, revezando-se nos estribos de exame enquanto depilavam as vaginas uns dos outros... até que estivessem todos nus e macios como o bumbum de um bebê.

Um gemido lascivo escapou acidentalmente da boca de Karen. Brenda olhou para cima para encontrar sua irmã mais velha com os olhos fechados e a mão direita segurando gentilmente um de seus seios grandes e caídos. Era fácil ver que Karen agora estava totalmente excitada... portanto, a jovem médica decidiu ajudar a aliviar o óbvio sofrimento de sua 'paciente'.

Mergulhando as pontas dos dedos de volta no pote de loção, Brenda falou suavemente: "Ok... estou quase terminando. Só preciso garantir que tenhamos uma cobertura completa para que você obtenha o máximo benefício deste produto... certo? "

Karen concordou com a cabeça e murmurou um "Ok ..." quase inaudível. Ela imediatamente engasgou e deu uma guinada para frente quando os dedos exploradores de Brenda deslizaram por seu clitóris cheio de sangue. Uma onda de choque disparou direto para seus seios, fazendo com que seus mamilos rosados ​​endurecessem instantaneamente e começassem a formigar.

"O-o que você...d-está-fazendo?" Karen perguntou em um sussurro ofegante enquanto fechava as pernas, prendendo a mão de Brenda entre suas coxas.

Com uma voz calma, Brenda respondeu: "Relaxe, Karen. Como eu disse... só quero ter certeza de que estamos recebendo a cobertura adequada". Ela acrescentou com um sorriso, "Afinal, não queremos nenhuma vermelhidão ou irritação lá embaixo, quando você revelar essa beleza para Rob no fim de semana... não é?"

Karen respondeu balançando a cabeça.

Brenda colocou a mão esquerda na coxa direita da irmã, empurrou suavemente e disse: "Tudo bem, então... deixe-me terminar." Karen obedeceu e lentamente abriu as pernas, permitindo que Brenda tivesse acesso irrestrito à sua vagina hipersensível.

Nos minutos seguintes, Brenda usou seus dedos hábeis para administrar o "tratamento" incomum nas regiões mais íntimas de Karen. Ela fez o possível para manter o ato 'clínico' do que estava fazendo, indo. No entanto, testemunhar sua bela e nua irmã mais velha se contorcendo em óbvia excitação sexual era simplesmente demais para o bom médico. A excitada irmã mais nova não resistiu a enfiar a mão esquerda entre as próprias pernas e acariciar-se debaixo da água ensaboada do banho.

A conversa de Karen e Brenda havia cessado. Os gemidos suaves das duas mulheres eram os únicos sons que emanavam de dentro do banheiro principal iluminado por velas (além do barulho suave da água do banho). Os dedos incansáveis ​​e talentosos do médico casado levaram as duas respectivas vaginas ao frenesi e logo as levaram a um clímax estrondoso.

A respiração de Karen tornou-se rápida e superficial conforme ela se aproximava cada vez mais de seu orgasmo. Tentando permanecer em silêncio, ela disse a si mesma que isso era errado e que deveria impedir Brenda e seu toque inapropriado. No entanto, ela não fez tal coisa e, em vez disso, encostou-se na parede espelhada e relutantemente se rendeu à irmã e a seu prazer impróprio.

Com Karen gemendo mais alto e apalpando seus seios grandes e macios, Brenda sabia que sua irmã estava no limite. A médica excitada agora lutava com um desejo pecaminoso de remover os dedos e, em vez disso, acabar com Karen usando sua boca quente e suculenta.

Brenda não era estranha a comer buceta. Ela havia experimentado bastante na faculdade e, sem o conhecimento de seu marido Mark, secretamente se entregava a uma porção ocasional da iguaria doce e almiscarada. Sua última experiência fora na noite da quinta-feira anterior, quando ela e a enfermeira Jenny estavam sozinhas no consultório. Juntos, eles cuidaram das necessidades um do outro, seguindo sua 'sessão de depilação' mensal.

Depois de lutar com seus pensamentos ilícitos, Brenda achou melhor não forçar Karen muito, muito rapidamente. Por mais tentada que estivesse em provar seu suculento fruto proibido, Brenda decidiu esperar até outro dia para talvez mergulhar a língua no doce pote de mel de sua irmã conservadora.

Ansiosa para fazer Karen cruzar a linha de chegada, Brenda parou de se tocar e concentrou toda a sua atenção no clitóris vibrante de sua irmã. Ela aplicou pressão adicional com os dedos e dedilhou furiosamente o botão mágico de Karen, fazendo com que a excitada mãe suspirasse " Oh meu... " enquanto abandonava toda pretensão de decoro.

Enquanto a maré continuava a subir, Karen podia sentir a pressão familiar crescendo dentro de seus seios, junto com o formigamento intenso dentro de seus mamilos endurecidos. O que antes considerava perturbador, a esposa de meia-idade agora dava boas-vindas às estranhas sensações em seu peito, pois sabia muito bem o prazer eufórico que logo viria.

Incapaz de se conter por mais tempo, o choramingo de Karen logo se tornou um mantra suave e constante de "Ohhh... Ohhh... Ohhh's !" Ela soltou o aperto que tinha em seu peito inchado e, em seguida, colocou a mão esquerda espalmada contra a parede espelhada. Inclinando-se para frente, Karen se preparou para a experiência do orgasmo vergonhoso que ela sabia que estava prestes a ser provocado por seu irmão mais novo.

A combinação de loção e lubrificante natural transformou a vagina superaquecida de Karen em uma bagunça quente e cremosa. Os dedos ocupados de Brenda estavam causando um som lascivo de 'shluck' para acompanhar os gemidos de prazer mal contido de sua irmã mais velha.

Karen fixou os olhos em Brenda e viu o brilho travesso nos lindos olhos azuis de sua irmã mais nova. Com uma súbita sensação de constrangimento e em um último esforço para preservar um pouco de sua dignidade, ela sussurrou entre respirações ofegantes: "Brenda... eu... eu acho que estou bem... a loção funcionou. M... talvez...você deveria...s-parar, ser-antes...."

Brenda não ouviu a irmã. Em vez disso, ela sorriu maliciosamente. Ela então aplicou ainda mais pressão na boceta encharcada de Karen, empurrando-a além do ponto sem retorno.

Karen fechou os olhos e gritou em desespero: "Oh, Brenda!! Você... você vai... me fazer... Ohhhhhh, Brendaaaaa!!! " Karen arqueou as costas e agarrou os dois seus seios, enquanto as ondas quebravam. "OHHHHH MYYY... GOODNESSSSSS!!! " ela gritou, jogando a cabeça para trás em puro êxtase.

Brenda observou sua irmã mais velha balançar em paroxismos de puro prazer, enquanto seu orgasmo seguia seu curso. " PATA MERDA!! " O médico gritou de surpresa, quando o leite quente começou a sair dos mamilos latejantes de Karen, pousando no pescoço e no peito de Brenda. Ao ser atingido pelo fogo amigo, o jovem médico instintivamente deslizou para trás, enquanto mais líquido cremoso jorrava em jorros rítmicos dos seios deliciosamente lactantes de Karen. Brenda sussurrou em total admiração pela cena altamente erótica, "Oh meu... Deus!! "

Alguns momentos depois, Karen recostou-se na parede espelhada enquanto se recuperava de seu último e intenso orgasmo. Ainda segurando seus seios vazando, ela fechou os olhos enquanto se deliciava com os pequenos tremores secundários que continuavam a surgir dentro de seus mamilos formigando.

Um tanto impressionada com o que acabara de testemunhar, Brenda olhou para o próprio peito. Ela assistiu abismada, enquanto pequenas gotas do leite materno de Karen escorriam de seus seios e deslizavam por sua barriga. Olhando para a irmã, Brenda perguntou, pasma: "Karen? Que diabos foi isso? Você... você não está grávida ... está?"

A voz desconcertada de Brenda tirou Karen de seu devaneio relaxado e sonhador. Assim que ela percebeu o que acabara de acontecer com sua irmã, o contentamento pós-orgásmico de Karen desapareceu de repente e foi substituído por um sentimento de vergonha.

Com as pernas ainda abertas, Karen agora se sentia estranhamente exposta e envergonhada. Ela então deslizou de volta para se juntar a sua irmã na banheira, fazendo com que a superfície da água quente do banho ondulasse e beijasse o fundo de seus gloriosos seios da mãe. Uma vez acomodada, ela respondeu suavemente: "Não, Brenda ... posso garantir a você que não estou grávida". Ela então encolheu os ombros e disse humildemente: "Isso meio que ... acontece."

Brenda inclinou a cabeça para o lado, "Então... você apenas amamenta sempre que experimenta um orgasmo?"

Karen confirmou acenando com a cabeça.

"Isso é normal? Quero dizer, você sempre fez isso?" Brenda perguntou, enquanto se aproximava de Karen, colocando suas longas pernas sobre as pernas igualmente sexy de sua irmã.

Balançando a cabeça, Karen respondeu: "Não... nem sempre. Começou não muito depois de eu começar a ajudar Jake com seu... problema. No começo, acontecia de vez em quando, mas agora se tornou mais frequente, com o passar do tempo. Agora, isso acontece quase toda vez que chego ao clímax. Também notei que a quantidade que expresso também aumentou."

Intrigada, Brenda ponderou por um segundo e então perguntou: "Houve alguma outra mudança?"

Karen assentiu. "Meus mamilos sempre foram sensíveis, mas agora estão supersensíveis . Além disso, meus seios ficaram maiores."

Os olhos de Brenda se arregalaram. "Realmente?"

Olhando para o peito, Karen respondeu: "Sim. Antes de tudo isso começar, eu era um 38DD ... agora, estou com um 40DDD. Tive que sair e comprar todos os sutiãs novos."

"Eles ainda estão crescendo?" Brenda perguntou, com alguma preocupação.

Karen balançou a cabeça. "Não... graças a Deus. Parece ter nivelado."

"Bem, tenho certeza que Rob notou as mudanças. O que ele tem a dizer sobre isso?"

Karen riu e respondeu: "Tudo o que eu tinha para dizer a ele é que era devido aos 'hormônios', e ele deixou passar imediatamente. Felizmente, ele é crédulo (assim como a maioria dos outros homens) quando se trata do corpo feminino."

Sem pedir permissão, Brenda estendeu a mão e gentilmente segurou os seios de Karen com as mãos. "Meu Deus... eles são incríveis," ela sussurrou enquanto acariciava suavemente os magníficos e pesados ​​cabides de sua irmã. O irmão mais novo sempre teve inveja dos seios naturalmente grandes de Karen.

Depois de alguns segundos, Brenda comentou: "É fascinante como os hormônios do sêmen de Jake também afetaram seu próprio corpo". Continuando com seu exame simulado, ela perguntou: "Então me diga... como é?"

A voz de Karen engasgou em sua garganta quando ela se pegou quase confessando o puro êxtase que sentia, sempre que permitia que Jacob descarregasse seu sêmen (seja com camisinha, ou principalmente sem camisinha) dentro de sua vagina. Essas provavelmente foram a causa raiz do crescimento e lactação originais de seus seios, junto com suas ingestões orais anteriores. Ela definitivamente não tinha feito isso antes disso, e agora só expressava leite com os orgasmos intensos que só as inseminações de Jake desencadeariam... mas ela não poderia dizer isso a sua irmã. Percebendo (e esperando) que ela provavelmente havia interpretado mal a pergunta de Brenda, Karen olhou fixamente para o nada enquanto sua mente vagava em pensamentos pensativos.

Karen estava observando as mãos de Brenda acariciando e explorando seus seios sensíveis enquanto ela procurava uma resposta adequada. Ela sabia que sua irmã era médica e, portanto, isso era praticamente uma rotina para ela. No entanto, ela achou o toque do Dr. Sullivan reconfortante e estranhamente erótico. Isso a lembrou de quando Melissa massageou suavemente seus seios um dia no sofá da sala.

Olhando para trás, para sua irmã, Karen finalmente deu uma resposta e perguntou: "Você se lembra de como era, quando Daniel ainda era um bebê e amamentava? Aquele ingurgitamento desconfortável que você sentia pela manhã, quando acordava? "

Brenda acenou com a cabeça em concordância, "Ah sim... eu me lembro bem."

Karen continuou: "Bem, foi assim para mim no começo. Então, conforme eu ficava mais excitada sexualmente, meus seios começaram a inchar com mais pressão até que finalmente cheguei ao clímax... e então o leite é liberado, como você viu antes."

"Qual é a sensação?" Brenda perguntou, com curiosidade despertada.

"Bem, eu tenho que admitir... quando isso acontece, é..." Karen então parou por um segundo.

"É o que?" Brenda perguntou, em um sussurro.

Um pequeno sorriso tímido apareceu no rosto de Karen quando ela respondeu: "É ... incrível! " Enquanto Brenda continuava a acariciar os seios incríveis de sua irmã mais velha, a excitação de Karen reacendeu, fazendo-a acariciar secretamente sua boceta recém-depilada debaixo da água do banho com sabão. Ela explicou ainda: "O orgasmo começa na minha vagina e depois se espalha para os meus seios. É diferente de tudo que já experimentei!"

Olhando fixamente para a irmã, Brenda reclamou: "Agora você só quer me deixar com ciúmes!" Ela então notou que os mamilos rosados ​​de Karen ficaram eretos e gotas de leite começaram a vazar de uma de suas protuberâncias endurecidas. Instintivamente, a irmã mais nova curvou-se e lambeu um mamilo lactante, recolhendo com a língua o doce líquido da irmã mais velha. O movimento inesperado pegou Karen desprevenida, fazendo-a suspirar de choque e prazer.

Depois de engolir o leite materno cremoso de sua irmã, Brenda contemplou: "Mmmm... você sabe... da próxima vez que eu estiver aqui, também gostaria de obter algumas amostras de você. Pode ser uma boa ideia analisar algumas testes adicionais... apenas para estar seguro."

Antes que Karen pudesse responder, eles ouviram a voz de Jacob vindo do outro lado da porta do banheiro. "Mãe? Você está aqui em cima?"

Como por um reflexo natural, Karen imediatamente se afastou da irmã. "Jake? Você... Você já voltou da escola?"

Jacob franziu o rosto. "Já está em casa? Mãe... são 3:30... a mesma hora que eu sempre chego em casa todos os dias."

Em um tom chocado, Karen respondeu: "Oh meu Deus ... acho que devemos ter perdido completamente a noção do tempo!"

"Nós?" Jacob perguntou, agradavelmente surpreso. Ele sorriu e acrescentou: "Eu notei o carro da tia Brenda na garagem... ela está aí com você?"

Brenda gritou do outro lado da porta, respondendo: "Ei, garanhão! Sim, estou aqui."

"Legal!" Ele então tentou girar a maçaneta, apenas para descobrir que estava trancada. "Posso entrar?"

"Não tu não podes!" Karen respondeu rapidamente, enquanto se levantava da água do banho e pegava duas toalhas próximas. Mesmo que Jacob não pudesse ver nada, ela ainda se sentia envergonhada por ter sido pega nua e na banheira com seu irmão adulto. Enquanto entregava uma toalha a Brenda, Karen acrescentou: "Além disso... tenho certeza de que você tem dever de casa para começar."

"Awww, vamos, mãe..." Jacob choramingou. "Eu prometo, não vou espiar!"

Brenda riu quando Karen revirou os olhos e respondeu: "Jacob Mitchell! Você ouviu o que eu disse." Depois de se enrolar em sua toalha branca e fofa, Karen saiu da banheira e continuou: "Agora, vá para o seu quarto ... sairemos em apenas um minuto. Estamos terminando nosso, uhhh ..."

"'Coisas de garotas'... sim, eu me lembro." Jacob comentou, referindo-se à conversa que teve com sua mãe naquela manhã. Percebendo que era uma batalha perdida, ele cedeu e disse: "Tudo bem... estarei no meu quarto, então."

"'Coisas de menina'?" Brenda perguntou, enquanto vestia o roupão. Ela então comentou com uma risada: "Essa é uma maneira muito 'classificada' de dizer isso!"

Amarrando a faixa em seu roupão, Karen respondeu: "Bem, o que você esperava que eu dissesse? Eu não ia contar ao meu filho adolescente que sua tia viria hoje para encerar a área mais privada de sua mãe!"

"E algumas outras coisas que provavelmente o surpreenderiam..." Brenda acrescentou com um sorriso malicioso.

"Isso fica entre nós... entendido?" Karen respondeu, enfaticamente. Ela então suspirou e acrescentou: "Eu sei que deveria ter impedido você, mas esses hormônios têm me levado a fazer todo tipo de loucura recentemente."

Brenda pegou o pequeno frasco de loção e, enquanto recolocava a tampa, disse: "Oh, não seja tão dura consigo mesma. Afinal... nós éramos apenas duas mulheres adultas fazendo algumas... 'coisas de garotas' ."

Karen reiterou: "Estou falando sério, Brenda. Você deve me prometer que não vai contar a ninguém ."

Brenda acenou com a mão com indiferença para Karen, mas finalmente cedeu: "Não se preocupe, irmã. Prometo nunca dizer nada que manche sua imagem completamente limpa."

"Obrigado." Quando Brenda entregou a ela o pote de loção caseira, uma Karen confusa perguntou: "Você não quer isso de volta?"

"Você pode ficar com esse... eu tenho muito mais em casa." Brenda respondeu. "Além disso, só para garantir, você provavelmente deveria fazer outra aplicação hoje à noite para evitar qualquer irritação adicional." Depois de pegar as taças de vinho, ela perguntou: "Ou, se preferir... posso aplicar para você... Você realmente pareceu gostar mais cedo." A irmã mais nova então mordeu o lábio inferior e arqueou a sobrancelha.

Karen lentamente balançou a cabeça e suspirou, "Brenda... você é horrível!"

********

Depois de arrumar o banheiro, Karen vestiu um sutiã limpo, um conjunto de calcinha e um confortável vestido de algodão. Ela então caminhou pelo corredor até o quarto de Jacob. Lá ela encontrou Brenda sentada ao lado da cama com seu filho, enquanto sua irmã explicava a necessidade de outra rodada de esperma e amostras de sangue.

Karen não pôde deixar de notar que Brenda ainda não havia se vestido e ainda estava vestida apenas com o roupão. Ela achou que estava tudo bem, já que Robert ainda não chegaria em casa por um tempo.

Enquanto Brenda se preparava para obter as amostras de sangue de Jacob, Karen perguntou: "Brenda... você gostaria de ficar para o jantar? Papai está vindo."

Entusiasmada, Brenda respondeu: "Claro... seria ótimo!" Virando-se para Karen, ela acrescentou: "Mark e Danny não estarão em casa, de qualquer maneira."

Antes de sair da sala, Karen disse: "Tudo bem então, bem, já que você estará ocupado fazendo isso, vou em frente e vou até a cozinha para começar a preparar o jantar... Volto em alguns minutos ."

Brenda virou-se para Karen e respondeu: "Não se apresse, irmã... Tenho tudo sob controle." Ela então sorriu e piscou para sua irmã mais velha.

Karen lentamente balançou a cabeça e suspirou: "Sim... eu sei. É disso que eu tenho medo..."

Alguns minutos depois, Brenda estava terminando de rotular os frascos de sangue de Jacob que ela havia obtido com a data e hora. Depois de armazenar os tubos de vidro em seu kit médico, ela começou a produzir dois grandes frascos de amostra em sua bolsa. Segurando os recipientes de plástico, Brenda disse: "Ok, garanhão... uma amostra abaixo... mais uma para ir." Enquanto removia as tampas plásticas brancas, ela perguntou: "Acho que você gostaria de alguma ajuda, como da última vez?"

Jacob sorriu e respondeu inflexivelmente: "Sim, senhora!"

Brenda revirou os olhos e riu, "Acho que foi uma pergunta idiota de se fazer!" Voltando para sua mochila, ela acrescentou: "Tudo bem, jovem... você sabe o que fazer."

Enquanto Jacob tirava as calças e a cueca, ele notou que Brenda estava recuperando o que parecia ser algum tipo de dispositivo médico. Era branco e retangular... mais ou menos do tamanho de uma caixa de sapatos. Com alguma curiosidade, Jacob perguntou: "Tia Brenda? O que é isso?"

"Esse?" Brenda respondeu, colocando a caixa estranha na mesa de Jacob. "Esta, meu querido sobrinho, é uma unidade de transporte de espécimes de última geração. Isso ajudará a manter suas amostras de sêmen viáveis ​​até que eu possa levá-las de volta ao laboratório para armazenamento adequado."

"Legal." Jacob comentou, sentando-se ao lado de sua cama. Agora nu, exceto por seu 'Dr. Who' T-shirt, ele começou a acariciar seu pênis endurecido enquanto observava sua linda tia brincar com a unidade de armazenamento.

"Tudo bem", comentou Brenda, virando-se para Jacob, "Vamos obter essa amostra." Seus olhos se arregalaram quando ela viu seu sobrinho sentado em sua cama, masturbando-se lentamente. Ela murmurou baixinho: "Meu Deus... essa coisa é ENORME! " Na verdade, parecia ainda maior do que era, apenas duas semanas antes.

Enquanto Brenda atravessava a sala, o cheiro exótico exalado por Jacob logo encheu os pulmões do médico. Os feromônios reagiram imediatamente, fazendo com que uma onda quente de excitação se espalhasse por todo seu corpo delicioso. Ela se lembrou da promessa que fizera a si mesma de não ceder a mais nenhuma tentação. A amorosa esposa e mãe tinha toda a intenção de usar apenas as mãos e a boca com o sobrinho, depois voltar para casa e descontar suas frustrações não satisfeitas no marido, Mark.

Brenda ficou de joelhos na frente de Jacob, colocando os dois recipientes de plástico no chão ao lado dela. Ela então substituiu a mão de seu sobrinho pela sua e olhou em seus olhos. Acariciando lentamente seu eixo rígido, ela disse, "Jake, antes de começarmos, preciso estabelecer algumas regras básicas. Como você deve se lembrar, da última vez em meu escritório, as coisas ficaram um pouco... loucas."

Jacob respondeu rapidamente: "Sinto muito, tia Brenda, se ultrapassei meus limites... não queria causar nenhum problema a você."

Brenda balançou a cabeça, "Você não... e não há necessidade de se desculpar. Eu sou o adulto e o profissional. Eu deveria ter tido mais controle sobre a situação, mas tudo me pegou desprevenida."

Jacob não pôde deixar de sorrir, "Mas você gostou... certo?"

Enquanto Brenda deslizava suas mãos delicadas e bem cuidadas para cima e para baixo no eixo inchado de Jacob, sua mente voltou para aquele dia em seu escritório. A lembrança de estar curvada sobre sua mesa de exame, enquanto seu querido sobrinho a dominava, fez sua vagina umedecida estremecer.

O brilho de suas alianças de casamento à luz do sol da tarde trouxe Brenda de volta à realidade, no presente. Por mais que ela quisesse experimentar o incrível monstro de Jacob novamente, ela se lembrava de sua promessa. "Jake... eu não posso quebrar meus votos de casamento de novo." Ela já havia traído Mark duas vezes. No fundo, Brenda sabia que não era uma boa ideia continuar abusando da sorte.

Jacob tentou raciocinar, "Tia Brenda... Tio Mark nunca descobriria... pelo menos não de mim. Além disso, você mesmo disse. Tecnicamente, já que você é meu médico, essa foi apenas sua maneira de ajudar meu."

Seu lento, mas constante acariciar o pênis de Jacob agora estava fazendo gotas de pré-sêmen borbulhando para fora de sua fenda e escorrendo para os dedos finos de Brenda. Tentando permanecer forte, ela respondeu: "Jake, querido, estou tentando ajudá-lo. Sei que pode parecer estranho, mas de agora em diante, precisamos manter isso o mais clínico possível. Portanto, estou disposta a ajudá-lo com uma punheta, ou talvez usando minha boca, mas isso tem que ser o limite... entendeu?"

A contragosto, Jacob assentiu e respondeu: "Sim, senhora."

Brenda sorriu. "Bom menino."

Jacob então tentou barganhar. "Sabe, tia Brenda... isso provavelmente aconteceria muito mais rápido, se talvez... você me desse algo para olhar."

Brenda riu, "Essa é a sua maneira de tentar me tirar do meu roupão?"

Jacob respondeu enquanto encolheu os ombros. "Se funcionar... claro. Vamos encarar... você pode ser minha tia, mas ainda é uma MILF gostosa!"

Brenda corou e disse: "Obrigada, Stud... Agradeço o elogio!" Ela então apertou o pau do sobrinho com mais força e acrescentou: "Mas vamos tentar do meu jeito primeiro..."

Minutos depois, Brenda (ainda vestindo seu roupão) estava na mesa de Jacob enquanto fechava as tampas dos dois frascos cheios de espécimes. Jacob estava deitado de costas, se recuperando do boquete de classe mundial que acabara de receber de sua tia, Dra. Sullivan. Olhando para o brinquedo Millenium Falcom pendurado no teto, ele comentou enquanto recuperava o fôlego: "Uau, tia Brenda ... isso foi incrível ! "

Brenda riu, enquanto etiquetava um dos frascos de amostra com a data e a hora. "E aqui você pensou que eu era apenas mais um rostinho bonito!"

Jacob se ergueu até onde estava se apoiando com os cotovelos. "Eu quero dizer isso. Onde você aprendeu a ficar tão bom nisso?" Ele não estava menosprezando os boquetes que recebeu das outras mulheres em sua vida... mas as habilidades orais de sua tia Brenda estavam em um nível totalmente diferente.

Colocando o frasco de plástico rotulado no recipiente especial de armazenamento médico, Brenda respondeu: "Simples... de anos de prática. Além disso, disseram-me que tenho um talento natural."

Jacob acenou com a cabeça em concordância. "Você pode dizer isso de novo!"

Brenda sorriu enquanto começava a rotular o segundo frasco. "Sua mãe sempre pensou que eu era conhecida por ser uma 'transa fácil' no ensino médio e na faculdade. Mas a verdade é que eu poderia manter a maioria dos garotos com quem namorei satisfeitos apenas com punhetas e boquetes. Não Não me interpretem mal - ao contrário da minha irmã 'cheia', eu não era virgem quando me casei. No entanto, eu era muito particular sobre quais namorados eu permitiria que entrassem na minha calcinha.

Jacob então perguntou: "O que há de tão diferente da última vez? Quero dizer... aquele dia em seu escritório quando você não conseguiu que eu terminasse... daquele jeito, e acabamos tendo que... você sabe."

Brenda colocou a segunda garrafa de plástico na unidade de armazenamento e respondeu: "Vamos apenas dizer que eu estava sem prática e despreparada para um desafio tão... único. Com nossas vidas agitadas e horários de trabalho horríveis, já faz um bom tempo desde que pude fazer isso pelo seu tio Mark. E como a maioria dos talentos, ou você o usa ou o perde.

Jacob riu, "Bem, não há dúvida sobre isso, tia Brenda... você não perdeu nenhum de seus talentos!"

Jacó estava correto. Os talentos de Brenda realmente haviam retornado, principalmente por ela ter recentemente aprimorado suas habilidades com o marido. Desde aquele dia em seu consultório, a jovem médica atacava o pobre Mark em quase todas as oportunidades. Era como se o incidente com Jacob (e seu pênis extraordinariamente grande) tivesse aumentado a já forte libido feminina de Brenda. Mesmo agora, ela já estava fazendo planos para mais tarde naquela noite... Ou pelo menos, essa era sua intenção.

Jacob endireitou-se e acrescentou: "Tia Brenda, só para você saber... eu realmente aprecio sua ajuda em tudo isso."

Brenda fechou a tampa da unidade de armazenamento, fechando-a com um silvo quando lufadas de vapor de gelo seco se dissiparam no ar. Voltando-se para Jacob, ela respondeu: "De nada, garanhão. Afinal, somos uma família e sempre fico feliz por ser de-" Ela então viu seu sobrinho na cama. Jacob ainda estava nu da cintura para baixo, mas o que chamou sua atenção foi o fato de que seu pau incrivelmente grande ainda estava muito ereto e em pé no mastro completo.

"Oh meu Deus, Jake!" Brenda engasgou. "Como no mundo você ainda pode estar nessa condição?" Ela apontou para a unidade de armazenamento e continuou: "Especialmente depois de ejacular tanto sêmen". Ela tinha certeza de que seu tratamento 'talentoso' tinha sido mais do que suficiente para drenar suficientemente seus testículos aumentados de seu conteúdo. Agora parecia que Brenda estava errada.

Jacob encolheu os ombros, "Você pensaria assim, mas... às vezes eu tenho que fazer isso duas vezes, para que caia." O adolescente então zombou e se gabou: "Caramba ... houve casos em que nem duas vezes foram suficientes!"

" Mais de duas vezes?" Brenda perguntou em um sussurro intrigado. Se ela tivesse sorte, seu marido Mark talvez pudesse ir duas vezes de vez em quando, mas isso exigia que ele fizesse um longo período de descanso entre as rodadas. Mesmo em seu melhor dia, a esposa amorosa não conseguia se lembrar de Mark ter conseguido ir três (muito menos mais de três) vezes. Isso era simplesmente inédito!

Brenda deu um passo em direção à cama, com o cheiro dos feromônios de Jacob pairando pesadamente no ar. Ela podia sentir o formigamento agradável se intensificando em sua vagina molhada, enquanto escondido sob seu roupão branco e macio, seus mamilos rapidamente ficaram duros como pedra. Junto com sua excitação sexual quimicamente carregada, o médico casado logo começou a sentir outra coisa... inveja.

Brenda não pôde deixar de sentir um pouco de ciúme de Karen. Como sua irmã mais velha vivia e dormia na mesma casa que Jacob, ela tinha acesso ilimitado a seu falo bizarramente grande. Brenda os imaginou passando as tardes (ou sempre que podiam) trancados juntos, brincando na cama do adolescente... fazendo sexo quente e casual e usando inúmeras camisinhas... A mãe amorosa aliviando o 'sofrimento' do filho , ao mesmo tempo em que satisfaz suas próprias necessidades sexuais reprimidas.

Desde aquele dia em seu escritório, Brenda sentia extrema culpa e remorso por ceder tão facilmente a seus impulsos pecaminosos. Ela tornou-se inflexível que, doravante, ela permaneceria fiel a Mark e manteria sua boceta exclusivamente para o pau dele.

Brenda amava o marido mais do que a própria vida. No entanto, ao mesmo tempo, ela sabia que se uma cura fosse encontrada, ela teria apenas um número finito de chances de experimentar o êxtase desenfreado com a masculinidade sobrenatural de seu sobrinho. O fato torturante de que Karen não tinha tais preocupações (ou assim ela acreditava) irritou a invejosa irmã mais nova.

A luta interna de Brenda continuou enquanto ela olhava ansiosamente para Jacob e a abominação obscena ligada a seu corpo adolescente e subdesenvolvido. Ela podia ver a coisa pulsando como se estivesse acenando para ela... tentando-a... desafiando-a a sujar seus votos de casamento mais uma vez.

"Jake..." Brenda começou suavemente. Seus olhos ainda estavam fixos na ereção imponente de seu sobrinho, enquanto ela continuava: "Parece que você ainda precisa de alguma ajuda."

Jacob assentiu com entusiasmo, "Sim, senhora!"

Como se estivesse falando com uma de suas pacientes em sua clínica, Brenda instruiu: "Por que você não vai em frente e se deita na cama?"

Inquestionavelmente, Jacob atendeu ao pedido de sua tia. Ele tinha grandes esperanças de onde isso estava indo... se não sexo, então talvez pelo menos outro de seus fantásticos boquetes. Depois de se posicionar com as costas na cabeceira da cama, ele tentou conter a empolgação e perguntou: "Tudo bem, tia Brenda?"

Enquanto Brenda desamarrava a faixa que mantinha seu roupão seguro, ela respondeu: "Está tudo bem, garanhão. Apenas me ocorreu que, já que sou tecnicamente seu médico interino..."

Os olhos de Jacob se arregalaram de choque assim que Brenda deslizou o roupão de seus ombros delicados, deixando-o cair no chão em uma poça atrás dela. Olhando para sua linda tia em toda a sua glória nua, ele sussurrou: " Caramba!! "

Um sorriso travesso se espalhou pelo lindo rosto de Brenda. Segurando a parte inferior de seus seios de dar água na boca, ela continuou, "...não posso, em sã consciência, deixá-lo nesta condição atual."

*******

Mesmo antes de Karen girar a maçaneta, ela podia ouvir uma música muito familiar escapando do quarto de Jacob. O dueto das batidas constantes da cabeceira contra a parede foi acompanhado pelas molas da cama rangendo alto em um protesto ruidoso.

Assim que Karen empurrou a porta e entrou na sala, sons adicionais se juntaram ao coro vulgar. Os gemidos e gemidos de duas pessoas perdidas em um abandono sexual feliz serviam como harmonia, enquanto o tapa lascivo de pele contra pele fornecia seu ritmo frenético.

Karen sentou-se em uma cadeira de escrivaninha próxima, dando a si mesma um assento na primeira fila para o obsceno concerto incestual que acontecia diante dela. O ar estava infundido com o cheiro almiscarado de suor e sexo, junto com o cheiro exótico e perfumado dos feromônios de Jacob. Esses vapores combinados permearam os pulmões de Karen e causaram uma reação imediata em seu corpo, acendendo sua própria excitação sexual.

A estrela feminina montou a cintura fina de seu colega de elenco muito mais jovem, montando-o com tudo o que ela valia. O pênis da adolescente brilhava com uma camada lubrificante de seu doce e cremoso suco de boceta enquanto mergulhava cada vez mais fundo em seu corpo sexy de MILF.

Brenda se inclinou para a frente, colocando as mãos na cabeceira de balanço do sobrinho. Abaixar seu torso permitiu que Jacob capturasse um de seus mamilos duros como pedra em sua boca. Uma vez agarrado, ele começou a mamar na teta deliciosa, fazendo-a gritar: "Oh meu Deus! Sim, Jake!! Chupe a teta da sua tia Brenda... chupe com força... mais forte !!! "

Jacob atendeu ao pedido de Brenda enquanto movia suas mãos de menino dos quadris giratórios de sua tia e agarrava seus jarros que balançavam descontroladamente. Ele começou a beliscar um de seus mamilos, enquanto ao mesmo tempo atacava ferozmente o outro com a boca e a língua. O adolescente pegou sua protuberância sensível entre os dentes da frente e mordeu, enviando uma faísca elétrica dos seios agitados de Brenda direto para sua boceta superestofada.

Brenda estava experimentando uma sobrecarga sensorial, pois as coisas rapidamente saíram do controle. A médica casada começou a bater seus quadris largos e curvilíneos no colo de Jacob. Seus dedos agarraram com mais força a cabeceira da cama, "Oh, Deus!! Oh, Fuc-!! Eu estou... eu estou gozando... gozando! " Com um mergulho final, ela jogou a cabeça para trás e gritou: quando sua boceta explodiu, "OHHH GAAAWWDDDD!!!! "

Karen não pôde deixar de sentir uma leve pontada de inveja, ao testemunhar a cena de sua irmã, debatendo-se nos espasmos do êxtase culminante, desdobrando-se diante dela. O aumento do formigamento em sua vagina estava fazendo Karen se contorcer e apertar as coxas. Ela já podia sentir o reforço de sua calcinha umedecendo de excitação.

Depois que seu incrível clímax terminou, Brenda saiu de cima de Jacob e se deitou de costas. Recuperando o fôlego, ela olhou para Karen e notou um olhar de advertência no rosto de sua irmã. "O que?" ela perguntou, com uma leve risadinha.

Karen respondeu severamente: "Eu pensei que você tinha dito que iria resistir e não deixar as coisas ficarem malucas novamente desta vez. Algo sobre 'permanecer fiel' ao seu marido?"

Brenda suspirou entre suas respirações pesadas e respondeu: "Bem, esse era o plano original. Mas, ao que parece, meu paciente precisava de mais do meu... cuidado especial."

Karen zombou: "'Cuidados especiais'? É assim que você está chamando agora?"

Brenda notou que Jacob estava agora a seus pés, segurando seu tesão furioso. Reconhecendo sua intenção, ela levantou os joelhos e abriu as pernas longas e sedosas para facilitar o acesso dele. Ela respondeu a Karen: "Acredite em mim, irmã... eu tinha toda a intenção de aliviá-lo com outro boquete, mas meu uh... maxilar estava muito dolorido."

Olhando fixamente para a irmã, Karen respondeu incrédula, "Oh... seu maxilar estava muito dolorido... entendo." Ela então testemunhou com consternação quando seu filho usou a ponta de seu pau para reentrar casualmente na buceta devassa e acolhedora de Brenda. "Jake! Cadê a sua camisinha?"

Jacob parou, olhou para sua mãe e respondeu, entre golpes hesitantes, "Mas mamãe... Tia Brenda disse que eu não precisava de um."

"Sem 'mas', meu jovem!" Karen repreendeu: "Você conhece as regras." Relutantemente, Jacob se desvencilhou e se preparou para sair da cama.

Brenda interrompeu: "Está tudo bem, Karen... lembre-se, estou tomando aquele anticoncepcional." Ela pegou a masculinidade de Jacob por seu eixo e colocou sua cabeça bulbosa para trás contra os lábios de sua boceta molhada e brilhante. Ela acrescentou: "Não se preocupe, irmã... vai ficar tudo bem... eu prometo."

Após um momento de apreensão, Karen cedeu e (contra seu melhor julgamento) deu um leve aceno para que continuassem.

Brenda fez sinal para Jacob continuar e imediatamente engasgou quando a ponta de seu enorme pau penetrou no limiar de sua abertura apertada. "Oh merda! Oh merda ..." ela choramingou, enquanto observava a poderosa espada de seu sobrinho afundar lentamente cada vez mais fundo, até que fosse bolas profundas dentro de suas profundezas ardentes. Deitando a cabeça no edredom e fechando os olhos, ela murmurou, "Oh... Deus!!! "

Karen estremeceu com a blasfêmia profana de Brenda atacando seus ouvidos, mas só pôde observar enquanto ela e Jacob entravam em um bom ritmo. Como um corredor de maratona, ele logo encontrou seu ritmo perfeito. "Oh! Ah! Oh! Ah! " Brenda gritou, tendo rapidamente se lembrado de diminuir o tom de sua linguagem, já que sua piedosa irmã mais velha estava na sala. Com cada mergulho de seu falo anormalmente grande, Jacob tinha constantemente alcançado terminações nervosas dentro de sua boceta que até agora nunca haviam sido tocadas.

A fumaça potente e os atos lascivos que aconteciam diante dela logo fizeram Karen se contorcer mais uma vez em seu assento. Seus mamilos doíam por atenção, e sua vagina recém-encerada estava encharcada e queimando de desejo. Ela pensou em deixá-los e ir para seu quarto para um 'tempo privado', mas por algum motivo, Karen achou a cena de sexo entre sua irmã casada e seu filho adolescente fascinante demais para ignorar e abandonar.

Brenda agora estava com os olhos fechados, enquanto gritava palavras de encorajamento para Jacob. "Sim, Jake! Mais fundo!! Mais forte!!! " Sua mão esquerda segurou a parte de trás da cabeça de seu sobrinho, enquanto ele voltava a chupar os seios grandes e macios de sua tia. Sua mão direita descansava no traseiro magro do adolescente, como se ajudasse a guiar seus movimentos.

Esperando que Brenda e Jacob estivessem muito envolvidos em sua paixão para notá-la no momento, Karen foi contra seu melhor julgamento e lentamente subiu seu vestido. Mantendo os olhos focados no casal incestuoso, ela deslizou a mão direita para baixo em sua calcinha de algodão e traçou os dedos ao longo das dobras lisas e molhadas de seu sexo sem pelos. A mãe conservadora ainda achava estranho, e um tanto ousado, estar totalmente careca ali embaixo. No entanto, ela não podia negar que agora também achava isso bastante emocionante.

Karen sentiu que havia atingido um novo ponto baixo. Lá estava ela, masturbando-se no quarto do próprio filho, observando lascivamente enquanto a irmã casada fazia sexo ilícito com o sobrinho que mal tinha idade para completar a idade. A mãe excitada lembrou a si mesma que era apenas por causa desses hormônios perversos que todas essas coisas horríveis aconteciam. No entanto, naquele momento, ela só conseguiu racionalizar e castigar-se fracamente enquanto afastava esses pensamentos. Qualquer vergonha ou medo de ser pega também foi superado pelas sensações deliciosamente perversas que percorriam seu corpo. Concentrando sua mente em se render à luxúria, Karen abriu mais as pernas enquanto mergulhava mais fundo em sua boceta trêmula.

Karen jogou a cabeça para trás, sua respiração tornando-se errática, enquanto se aproximava mais uma vez daquele cume maravilhoso. Sua mão esquerda estava beliscando suavemente um de seus mamilos formigando através do tecido de seu sutiã e vestido de verão fino. Enquanto isso, os dedos de sua mão direita estavam fodendo seu clitóris inchado em um ritmo furioso debaixo de sua calcinha com corte de biquíni.

Ao se aproximar do clímax, Karen ouviu Jacob grunhindo em desespero: "Tia Brenda! Ugh! Estou quase! Ugghh!! Pronto!!!"

Entre seus gemidos e gritos, Brenda respondeu: " Ohh! Sim! Ahh!! Jake! Goze...goze dentro... meeeee! "

Karen se inclinou para frente, abriu os olhos e ficou chocada ao encontrar Brenda olhando em sua direção. Voltando o olhar de sua irmã, a mãe mortificada foi atingida por uma onda repentina de remorso por ter sido pega se masturbando. No entanto, o momento momentâneo de contrição foi passageiro e não foi motivo de constrangimento suficiente para fazer Karen parar.

As duas irmãs continuaram olhando, fixas nos olhos uma da outra, enquanto elas rapidamente corriam uma contra a outra para a liberação quase simultânea. A primeira a chegar ao topo da montanha foi Karen, que mordeu o lábio inferior para abafar os gemidos de prazer proibido. Segundos depois, a boca de Brenda se escancarou e seus olhos reviraram quando Jacob liberou uma inundação torrencial de esperma profundamente em seu seio trêmulo, provocando o orgasmo mais intenso de sua vida.

"Sim... sim!! Oh meu Deus... SEEESSSS!! ME ENCHA!!! " Brenda gritou descaradamente, seu corpo se contorcendo e convulsionando como se estivesse em um ataque epiléptico.

Karen observou sua irmã mais nova com um leve ciúme quando seu próprio clímax autoinduzido começou a diminuir. Seu orgasmo foi bastante agradável, mas no fundo ela sabia que se entregar era uma pálida comparação com o puro êxtase que Brenda sem dúvida estava experimentando agora. Apesar dos perigos, riscos e (para não mencionar) imoralidade pecaminosa que isso implicava, Karen não podia deixar de desejar que fosse seu útero sendo preenchido com a carga cremosa e massivamente espessa de babymakers de Jacob naquele momento, em vez de sua irmã.

Alguns minutos depois, Karen endireitou humildemente o vestido e se preparou para voltar para a cozinha. Ainda se sentindo um pouco envergonhada e envergonhada, ela tentou agir normalmente e disse: "Preciso descer e continuar preparando o jantar".

Enquanto vestia o roupão, Brenda respondeu: "Tudo bem. Depois que eu me vestir, desço e ajudo você." Fechando a roupa, ela continuou, "Primeiro, porém... posso usar seu chuveiro?"

Karen respondeu com uma risada e disse: "Claro ... sirva-se. Você já sabe onde está tudo." Antes de sair, ela notou várias poças de sêmen manchando o edredom recém-lavado de Jacob. Virando-se para Jacob, ela disse, "Jake... você precisa se limpar também, e certifique-se de trocar o-" Karen parou de falar quando percebeu que ele estava dormindo profundamente. Ela não pôde deixar de abrir um sorriso e comentar: "Típico homem, eu acho ..." Pegando um cobertor próximo, Karen o usou para cobrir seu filho nu.

Brenda sussurrou ao lado de Karen: "O garotinho deve ter se desgastado... eu sei que ele me matou". Sentindo uma leve dor em sua boceta recém-fodida, ela riu e acrescentou: "Talvez eu tenha que mudar meus planos e dar a Mark a noite de folga mais tarde". Observando Brenda sair, Karen só conseguia olhar, boquiaberta, para os tufos brancos do sêmen de seu filho escorrendo lascivamente pelas pernas de sua irmã.

Mais tarde, no andar de baixo, as duas irmãs se reuniram na cozinha e estavam ocupadas preparando o jantar. Karen trabalhava com costeletas de frango, enquanto Brenda cortava legumes para uma salada.

De repente, um Jacob totalmente vestido entrou na sala. Ele comentou: "Uau ... algo cheira bem!"

Brenda olhou para Jacob e respondeu: "Ei, garanhão... tirou uma boa soneca?"

Jacob riu, "Sim... desculpe por adormecer mais cedo."

Brenda respondeu: "Tudo bem ... você se esforçou, coitada ... nós entendemos." Ela então deu ao sobrinho um sorriso e uma piscadela.

Karen se afastou do fogão e cumprimentou o filho: "Oi, querido... você está com fome?"

Jacob assentiu e respondeu: "Sim, senhora... muito ."

Karen caminhou até a ilha da cozinha e ficou ao lado de Brenda. "Que tal eu fazer algumas daquelas batatas com queijo que você tanto gosta?"

"Sim por favor!" Jacob respondeu com um sorriso. "Quando comemos?"

Olhando para o relógio enquanto pegava várias batatas e uma faca, Karen respondeu: "Bem, seu pai e seu avô devem estar aqui em cerca de quarenta e cinco minutos, então eu digo ... não mais do que uma hora ou mais. você tem algum dever de casa que precisa terminar?"

Jacob pegou um pedaço de cenoura que Brenda havia lhe oferecido da tábua de cortar e o enfiou na boca. "Sim, senhora", respondeu ele, mastigando o vegetal crocante.

"Querida, não fale com a boca cheia." Karen repreendeu levemente. Quando ela começou a descascar uma batata, ela acrescentou: "Por que você não vai para o seu quarto e faz suas tarefas, até que o jantar esteja pronto? temos que nos preocupar com eles enquanto estivermos em Atlanta neste fim de semana."

Jacob assentiu enquanto pegava outra fatia de cenoura de Brenda. "Ok, mãe... é uma boa ideia."

Karen começou a descascar uma segunda batata e então acrescentou: "Ah... e certifique-se de trocar o edredom da sua cama. Você e o 'bom médico' aqui o deixaram em um estado e tanto."

Brenda olhou para Karen e retrucou, brincando: "Foi tudo em nome da medicina, minha querida irmã!"

Olhando para Brenda, Karen zombou: "'Medicina'? Ok ... você fica com essa desculpa."

Brenda não respondeu. Em vez disso, ela colocou um tomate cereja na boca e respondeu encolhendo os ombros e sorrindo para o irmão mais velho.

Karen balançou a cabeça e suspirou. Ela se virou para Jacob e disse, "De qualquer forma... apenas certifique-se de trocar a roupa de cama antes que seu pai e vovô George cheguem aqui."

Desta vez, Jacob engoliu em seco antes de responder, "Não se preocupe, mãe... eu já cuidei disso."

Os olhos de Karen se arregalaram de surpresa, "Oh, você tem? Bem, obrigado."

Jacob assentiu e riu, "De nada... eu meio que imaginei que você iria querer, considerando a condição dele."

Brenda riu e disse a Jacob: "Você tem que admitir... essa sua coisa... realmente faz uma bagunça." Ela então disse em um sussurro pesado: "Por sua causa, provavelmente ainda estarei vazando suas coisas até amanhã..."

Jacob sorriu e respondeu, "Desculpe, tia Brenda... apenas pense nisso como algo para se lembrar de mim." Ambos caíram na gargalhada.

Horrorizada, Karen ergueu as mãos em protesto. "Tudo bem, tudo bem... chega desse tipo de conversa na minha cozinha!" Faca na mão, ela apontou para Jacob, "Seu... dever de casa." Ela então olhou para Brenda, "E você... apresse-se e termine com essa salada. Eu tenho outras coisas que você poderia começar a me ajudar."

Com uma forte pitada de sarcasmo, Jacob e Brenda responderam simultaneamente: "Sim, ma'aaaaaaam !"

Depois que Jacob saiu da cozinha, Brenda voltou a preparar a salada. Após alguns momentos de silêncio um tanto constrangedor, Brenda declarou: "Você não precisava fazer isso antes."

"Huh... Fazer o quê?" Karen perguntou inexpressivamente enquanto continuava a trabalhar as batatas.

Brenda respondeu: "Você sabe ... sente-se naquela cadeira sozinha e se masturbe."

Karen abaixou a cabeça e respondeu: "Oh meu Deus, Brenda ... você deve trazer isso à tona?" A mãe envergonhada já podia sentir suas bochechas começando a corar. "Eu esperava que pudéssemos esquecer isso."

Brenda respondeu casualmente: "Você deveria ter se juntado a nós."

Os olhos de Karen se arregalaram, " Juntaram-se a você??"

Brenda continuou, "Quero dizer... eu sei que a cama de Jake é apenas de solteiro, mas poderíamos facilmente ter arrumado espaço para você."

Karen colocou a batata meio descascada e a faca sobre a bancada. Ela não podia acreditar na pura depravação e blasfêmia absoluta que ouvia de sua irmãzinha. "'Abriu espaço' para mim?" A irmã mais velha zombou e continuou: "Brenda... você é horrível... você sabe disso?"

Brenda respondeu casualmente: "Oh, vamos ... pense nisso. Poderíamos ter dado a Jake seu primeiro ménage à trois e feito dupla com aquele monstro dele!" Ela se inclinou para a irmã e acrescentou: "Além disso, poderíamos ter feito um show para ele e realmente explodido sua mente ..."

Por alguns segundos, Karen ficou sem palavras. Finalmente, sua indignação borbulhante transbordou: "Primeiro... Não! E segundo... absolutamente não! Estou bem ciente de como as coisas ficaram loucas por aqui ultimamente, mas NÃO vou fazer sexo a três com meu filho e Minha irmã!" Antes que Brenda pudesse oferecer uma refutação, Karen acrescentou: "Além de tudo isso... não importa o que possa ter acontecido no banho entre nós antes, eu não sou lésbica. Isso foi simplesmente um lapso momentâneo de fraqueza... quando eu permiti que você... a..."

"Tirar você?" Brenda perguntou suavemente, arqueando a sobrancelha.

Aturdida, Karen assentiu e sussurrou: "Sim... isso! "

Brenda colocou a mão no ombro de Karen, "Olha, irmã... você é uma mãe maravilhosa, e eu sei que você só tem feito essas coisas para ajudar Jake. Como você disse... essas foram algumas tempos loucos. Então, até encontrarmos uma cura e as coisas voltarem ao normal, é melhor você relaxar um pouco. Você pode realmente descobrir que pode se divertir um pouco, enquanto ao mesmo tempo reduz um pouco do seu estresse.

Depois de um momento, Karen respirou fundo e disse: "Sei que vou me arrepender disso, mas tenho que admitir uma coisa. O que você fez na banheira mais cedo... sei que foi errado, mas... " Dando uma olhada rápida para garantir que Jacob não estava por perto, ela acrescentou com um sussurro, "Eu meio que... gostei." Sua mente imediatamente voltou para Melissa Turner e como seu corpo reagiu ao toque gentil do jovem advogado durante as duas sessões de massagem anteriores. De alguma forma, havia uma forma diferente de intimidade e sensualidade no que haviam compartilhado. Não é melhor ou mais satisfatório do que estar com Robert... apenas diferente.

Karen levou as mãos ao rosto e exclamou: "Meu Deus... talvez eu esteja me tornando lésbica!"

Brenda não pôde deixar de rir. "Karen, querida... eu posso te garantir honestamente... você não é lésbica."

"Como você pode ter tanta certeza?" Karen rebateu.

"Porque eu não sou, é por isso! Eu sei que você é muito mais conservador do que eu nessas áreas, mas você não experimentou outras garotas na faculdade?"

Karen balançou a cabeça.

"Nem um pouco? Com ​​seu colega de quarto, pelo menos? Eu sei que fiz com o meu... muito . "

Karen franziu o rosto com desgosto e respondeu: "Meu Deus, não! O que há com as mulheres hoje em dia? Existe algum tipo de 'clube lésbico' secreto que eu não saiba?"

Brenda riu. "Não, Karen... não há nenhum clube secreto. É só que algumas mulheres - na verdade, muitas mulheres, não têm o mesmo tipo de bloqueio sobre papéis sexuais que os homens têm. Pessoalmente, acho que não há problema em aproveitar o toque suave ocasional de uma mulher. Isto é, desde que eu seja discreto sobre isso e não interfira com meu casamento ou minha família.

Karen pegou a faca e voltou a descascar as batatas. "E quanto a sua 'ajuda' com Jake? Você acabou fazendo sexo com ele de novo, depois de prometer a si mesma que não faria. Você não considera isso uma traição?"

Brenda voltou sua atenção para a salada. "Bem... isso é meio que uma área cinzenta. Posso estar dividindo os cabelos aqui, mas não considero que seja trapaça. Eu posso ter feito isso no começo, mas não é como se eu estivesse ficando com um passado namorado, ou algum colega de trabalho aleatório, ou— "

"Ou algum universitário da vizinhança?" Karen disse, terminando a frase de sua irmã por ela e referindo-se ao único deslize de Brenda alguns anos antes em um churrasco do Memorial Day. Ela imediatamente sentiu remorso por desenterrar e jogar aquele horrível incidente passado na cara de sua irmã. Karen rapidamente se desculpou: "Sinto muito, Brenda ... isso foi injusto da minha parte."

Brenda respondeu mais solenemente: "Não... não se preocupe. Eu fiz isso e sou culpada. Acredite em mim... eu me odeio por isso ter acontecido." Ela olhou para Karen e disse: "Só para você saber, desde aquele dia, mantive minha promessa... nada disso jamais aconteceu de novo, nem acontecerá." Misturando os ingredientes da salada, o irmão mais novo continuou: "No entanto, com Jake, é diferente. Ele é meu sobrinho e meu afilhado. Eu não poderia amá-lo mais do que se ele fosse meu próprio filho, e estou disposto a fazer, ou sacrifício, o que for preciso para ajudá-lo, e você, a superar essa insanidade."

Odiando ver sua irmã mais nova, geralmente vivaz, tão mal-humorada, Karen decidiu aliviar o clima. Ela bufou e brincou, "Como o 'sacrifício' que você fez no quarto de Jacob mais cedo?"

Brenda olhou para encontrar um grande sorriso no lindo rosto de sua irmã mais velha. Ela zombou e riu de volta, "Ok, Karen ... agora quem está sendo horrível?"

Karen levantou a mão, como se estivesse fazendo um juramento falso e respondeu: "Ei... você não teve escolha... você teve que 'cuidar' do seu paciente." As duas irmãs se entreolharam e então caíram na gargalhada infantil.

"Eu só tenho que dizer," Brenda começou, "Com o tipo de arma que seu filho está empunhando... toda mulher deveria ter a chance de 'sacrifício' assim... se é que você me entende." Embora agora estivessem sozinhos na cozinha, Brenda baixou a voz e acrescentou com um olhar compreensivo: "Karen, não me entenda mal, adoro fazer sexo com Mark, mas o orgasmo que experimentei quando seu filho descarregou dentro de mim eu era... oh meu Deus... verdadeiramente alucinante." Ela riu e disse: "Eu te digo ... é uma coisa boa que eu estou naquele novo controle de natalidade!"

Karen sabia sem dúvida a que Brenda estava se referindo. Ela se lembrava muito bem do êxtase sobrenatural e dos clímax intensos que ela experimentou anteriormente, aquelas poucas vezes que seu filho explodiu suas entranhas e encheu sua boceta vulneravelmente desprotegida com seu esperma viril e cientificamente projetado. Mesmo agora, a lembrança de suas cópulas ilícitas sem camisinha causaria um leve estremecimento no fundo de sua vagina.

Olhando distraída, Karen respondeu inexpressivamente, "Confie em mim... eu sei exatamente o que você quer dizer." Embora seu corpo ansiasse por experimentar a emoção de seu filho bombeando seus potentes bebês crus e profundamente dentro de seu útero novamente, Karen sabia que se entregar a tais desejos com Jacob era muito arriscado... ou era?

Percebendo sua confissão inadvertida, depois de uma breve pausa, Karen perguntou timidamente: "Brenda... enquanto ainda estamos sozinhos... sua oferta para as pílulas anticoncepcionais ainda está na mesa?" Ela deu a seu irmão mais novo um olhar esperançoso.

Um sorriso largo e travesso se espalhou no lindo rosto de Brenda. Como se lesse todos os pensamentos pecaminosos fervendo na mente de sua irmã mais velha, o bom médico respondeu com voz rouca: "Sim... oh sim... certamente é."

*******

No sábado, os Mitchells passaram a maior parte do dia no extenso campus da Georgia Tech University, em Atlanta. Jacob recebeu um tratamento de primeira classe durante a visita, cortesia do antigo colega de faculdade de Robert, Jim Bishop. O aluno do primeiro ano do ensino médio e seus pais dedicaram a manhã a visitar a escola de engenharia da universidade e a se reunir com vários de seus professores e membros do corpo docente de alto escalão.

Depois de comer um delicioso almoço em um local favorito, The Varsity, os Mitchells retomaram sua turnê pela amada alma mater de Robert. Eles passaram o resto da tarde com o exuberante ex-aluno e patriarca da família, mostrando-lhes o campus e verificando todos os seus antigos pontos de encontro. Karen achou especialmente fofo ver seu marido tão animado, enquanto ele descrevia e revivia a glória de seus últimos dias de faculdade.

Robert ficou particularmente orgulhoso quando visitaram o complexo de golfe no departamento de atletismo. Lá, sua esposa e filho puderam ver o troféu lindamente exibido de quando seu time venceu o campeonato ACC de golfe durante sua temporada sênior. Os Yellow Jackets competiriam mais tarde no Torneio Nacional da NCAA naquele ano. Embora não tenham vencido tudo, a equipe terminou em um respeitável 5º lugar.

Mais tarde naquela noite de sábado, os Mitchells estavam de volta em suas suítes separadas no hotel. Eles estavam se preparando para jantar com o amigo de Robert, Jim, e sua esposa, Tammy. Jacob procrastinou como sempre, descansando em sua cama e jogando em seu telefone. Ele também levou algum tempo para enviar uma mensagem de texto para Sara. Ele se sentiu bem quando ela respondeu a mensagem, dizendo que estava ansiosa para vê-lo novamente na escola na segunda-feira.

Os pais de Jacob estavam em sua luxuosa suíte king adjacente. Robert tinha acabado de tomar banho e agora estava se barbeando na pia do banheiro.

Enquanto isso, Karen estava sentada na penteadeira do quarto, vestindo um conjunto de sutiã e calcinha preto de renda que ela havia comprado recentemente (especificamente com o marido em mente). A combinação de lingerie acanhada se encaixa perfeitamente nela, exibindo seu traseiro redondo e matronal e apertando e levantando seus seios de dar água na boca, criando um vale profundo de decote arregalado. Para completar, ela enfeitava suas pernas longas e sensuais com meias pretas de seda até a coxa, com bainha com ligas pretas rendadas... outro favorito de Robert.

Depois que Karen terminou de pentear seu cabelo castanho brilhante, ela começou a trabalhar na maquiagem. Depois de aplicar base e delineador, ela estava prestes a começar com a sombra quando Jacob entrou de repente no quarto sem avisar. Ao ver sua linda mãe quase nua, ele comentou baixinho: "Uau, mãe... lindas cuecas!"

Lembrando-se de seu estado de vestimenta (ou falta dela), Karen imediatamente pulou do banquinho da penteadeira e correu para a cama king-size para recuperar seu roupão. Deslizando os braços para dentro da vestimenta de cetim, Karen repreendeu o filho com um sussurro pesado: "Jacob Mitchell! Você não sabe bater?" Amarrando a faixa do roupão, ela acrescentou: "Depois de todos esses anos reclamando sobre como Rachel iria simplesmente invadir seu quarto, eu acho que você, de todas as pessoas, aprenderia a mostrar algum respeito pela privacidade."

Jacob riu e respondeu, "Caramba, mãe... eu não pensei que seria grande coisa, já que eu vi você de cueca antes. Caramba, eu até vi você totalmente nua... várias vezes!"

Aproximando-se de Jacob, Karen continuou em um sussurro baixo, "Cuidado com a linguagem, jovem... e isso é diferente , Jake."

Encolhendo os ombros, Jacob perguntou: "Como assim?"

Karen apontou para a porta parcialmente aberta do banheiro e disse: "Bem, para começar... seu pai está bem ali ." Ambos podiam ouvir os sons de Robert cantarolando uma música enquanto continuava seu processo de preparação. "Eu não acho que ele acharia particularmente divertido entrar aqui e ver sua esposa desfilando em nada além de sutiã e calcinha com seu filho adolescente na sala... você acha?"

Após uma breve pausa, Jacob balançou a cabeça. "Não, acho que não."

Karen suavizou o tom e continuou: "Jake... aquelas ocasiões em que eu me dispo na sua frente são apenas para quando estamos sozinhos e estou ajudando você durante nossas... 'sessões'. Fora disso, devemos fazer as coisas em um relacionamento normal de mãe e filho... especialmente perto de seu pai... ok?"

Balançando a cabeça em concordância, Jacob respondeu: "Você está certo... me desculpe, mãe. Acho que não estava pensando."

Karen sorriu, "Está tudo bem. Apenas seja um pouco mais consciente no futuro... e bata primeiro." Ela então colocou as mãos nos ombros de Jacob e perguntou em um tom normal, "Agora... você precisa de alguma coisa?"

"Sim, senhora... temos alguma aspirina ou talvez algum Tylenol?"

Karen franziu a testa. "Tylenol? O que há de errado, querida? Você não está se sentindo bem?" Ela então colocou a mão na testa de Jacob e acrescentou: "Bem... você não parece estar com febre."

Jacob balançou a cabeça, "Não... não é nada disso. Eu me sinto bem, exceto por uma pequena dor de cabeça."

Karen recuou. "Oh, bem, isso faz sentido... você provavelmente só precisa comer alguma coisa."

Jacob assentiu ligeiramente, "Pensando bem, estou com muita fome... talvez você esteja certo."

Karen riu, "Talvez? Eu sei que estou certa. Veja, isso é o que acontece quando você passa todo o seu tempo mandando mensagens de texto para Sara, em vez de almoçar."

"Uh-oh... você viu isso?" Jacob sabia da regra estrita de sua mãe sobre não usar o celular à mesa durante as refeições. Ele tentou ser astuto, escondendo o telefone debaixo da mesa enquanto mandava mensagens de texto, mas, evidentemente, não tinha sido furtivo o suficiente.

Karen colocou a mão no quadril e zombou. "Claro, eu vi isso... não pense que você está se safando de nada, meu jovem!"

Jacob sorriu, "Estou surpreso que você não me impediu."

Karen foi até a cômoda e abriu a mala de viagem de Robert. Enquanto ela vasculhava seu conteúdo, ela respondeu: "Eu quase fiz, mas então percebi que, como não estamos em casa, podemos quebrar um pouco as regras ... e eu poderia deixar passar."

"Então, acho que o que você está dizendo é... 'O que acontece em Atlanta... fica em Atlanta'?" Jacob perguntou.

Karen então olhou para cima com um olhar divertido e respondeu: "Exatamente..." ela então ergueu o dedo indicador e avisou: "Mas não tente puxar essa linha hoje à noite no jantar, ou eu definitivamente vou tirar o telefone de você. você."

Balançando a cabeça, Jacob respondeu: "Não, senhora... não vou."

Depois de alguns segundos procurando, Karen exclamou: "Ah...aqui está! Eu sabia que ele tinha algo aqui."

Jacob caminhou até Karen e perguntou: "O que é isso, mãe?"

"Naproxeno", respondeu Karen, segurando o pequeno frasco e sacudindo-o, fazendo os comprimidos chocalharem. "Seu pai sempre se certifica de levar algum tipo de analgésico sempre que viaja." Ela tirou a tampa do frasco e entregou a Jacob dois de seus pequenos comprimidos azuis. "Um geralmente resolve, mas vá em frente e pegue dois... só por segurança."

Karen entregou a Jacob um copo d'água que estava sobre o criado-mudo. Depois que Jacob engoliu as pílulas, ela disse: "Agora, preciso terminar de me arrumar, e você provavelmente deveria se vestir, senhor... nossos graciosos anfitriões, Sr. e Sra. Bishop, estarão aqui em cerca de trinta minutos. para nos pegar."

"Sim, senhora... e como sempre... obrigado, mãe." Jacob respondeu.

Karen sorriu, "De nada, querida. Agora, mexa-se... está ficando tarde." Quando Jacob saiu da sala, ela gritou: "Ah, e Jake... não se esqueça de usar a gravata!"

Um pouco mais tarde, e agora completamente vestida, Karen parou na frente do espelho de corpo inteiro, olhando para seu reflexo de vários ângulos. Ela estava usando seu novo vestido justo - uma peça de seda, preta e justa que ela estava guardando para uma ocasião especial. Descia um pouco acima dos joelhos e tinha um decote cavado que mergulhava apenas o suficiente para mostrar uma quantidade respeitável do decote cremoso da dona de casa normalmente vestida de maneira conservadora. As mangas compridas transparentes e rendadas e os detalhes de pedraria no quadril deram ao vestido de Karen a quantidade certa de um toque extra de elegância.

Karen escolheu usar um par de estiletes pretos para completar sua roupa. As bombas sexy de salto alto tinham um design aberto com pequenos strass na parte de trás dos calcanhares.

"Olá, linda!" Robert exclamou, ao entrar na sala, agradavelmente encantado por encontrar sua esposa vestindo seu vestido novo.

"Ei, você", respondeu Karen enquanto virava o corpo e continuava a olhar para seu reflexo com admiração. A bela e piedosa dona de casa sempre se esforçou ao máximo para nunca ser vaidosa, mas no momento não podia deixar de se sentir satisfeita com o que via.

"Não se preocupe... você está incrível! " Robert comentou, colocando-se atrás de Karen e envolvendo os braços em volta da cintura dela, logo abaixo de seus seios generosos.

Karen respondeu: "Desculpe... não quero ser vaidosa. Só que estava esperando a oportunidade certa para usar isso para você."

Olhando nos olhos de Karen através do reflexo do espelho, Robert perguntou: "É esta a surpresa de que você está falando? Se sim, então eu gosto muito disso!"

Enquanto Robert acariciava seu pescoço, Karen respondeu, rindo: "Não, boba. Estou guardando isso para mais tarde... isto é, contanto que você se comporte."

Robert riu, "Bem, com você assim... vai ser uma tarefa difícil. Falando nisso depois... lembre-se, eu tenho uma surpresa para você também."

Olhando amorosamente nos olhos de seu marido, Karen respondeu: "Oh, isso mesmo. Bem, nesse caso... você pode pelo menos me dar uma pequena dica?"

Robert inalou profundamente e com um sorriso travesso, comentou jocosamente: "Que fragrância adorável ... é um novo perfume?"

Karen riu, afastando-se do marido e apontando zombeteiramente para o peito dele. "Não tente mudar de assunto, senhor! Você sabe que vou continuar te incomodando sobre isso a noite toda, então é melhor desistir."

Roberto suspirou. Como sempre, ele não pôde deixar de ceder facilmente à sua adorável esposa: "Ok ... acho que devo ir em frente e contar a você. Lembre-se de como você tem me pedido para falar com meu médico sobre minha falta de energia na cama e disfunção erétil ocasional?"

Karen acenou com a cabeça, "Sim... por meses agora."

Robert continuou: "Bem, finalmente conversei com o Dr. Owens, durante meu check-up anual na semana passada."

"E o que ele tem a dizer...está tudo bem?" Karen perguntou com curiosidade misturada com um pouco de preocupação.

Robert acenou com a cabeça, "Sim... está tudo bem. No entanto, ele me deu uma lista de vitaminas para experimentar, junto com uma receita de Viagra."

Perplexa, Karen inclinou a cabeça, "Viagra?"

Robert riu, "Sim... você sabe... a pequena pílula azul?"

Karen revirou os olhos, "Sim, querida... eu sei do que você está falando."

Robert continuou: "O Dr. Owens disse que o tipo que ele prescreveu é uma versão mais poderosa, de liberação prolongada. Isso significa que, depois de tomá-lo, posso ir por mais tempo e também nos permitirá ser mais... espontâneos. " Ele então acrescentou brincando: "Quem sabe, talvez possamos até competir com aquele casal recém-casado ao lado!"

Karen franziu o rosto e respondeu: "Recém-casados?"

"Uh-huh", afirmou Robert. "Eles estavam fazendo check-in ao mesmo tempo que nós, mais cedo. Um jovem casal de Buckhead... eles estão voando para Miami pela manhã para seu cruzeiro de lua de mel nas Bahamas."

Karen riu: "Querida, não tenho certeza se devemos competir com alguém. Afinal, não somos tão jovens quanto costumávamos ser. Podemos acabar nos machucando !"

Robert deu de ombros, puxando Karen de volta para si com um sorriso de menino e disse: "Bem, com certeza seria divertido tentar..."

Karen balançou a cabeça e sorriu. "Você pelo menos se lembrou de trazer o Viagra com você?"

"Claro", respondeu Robert. Ele fez um gesto com a cabeça em direção à cômoda. "As pílulas estão na minha bolsa. Deixei cair várias delas no meu frasco de Naproxeno."

Os olhos de Karen se arregalaram de choque. "Naproxen? Querida... por que diabos você faria isso? Ambas as pílulas são azuis... e se você as misturar?"

Robert zombou: "Não se preocupe, querido... isso não vai acontecer. O Viagra tem um formato diferente do Naproxen, então posso diferenciá-los facilmente. Além disso, não queria que você entrasse na minha bolsa e encontrando acidentalmente o frasco de remédios... já que eu esperava surpreendê-lo."

Karen tentou o seu melhor, mas não conseguia se lembrar exatamente como eram as pílulas que tinha dado a Jacob. Na época, ela não tinha motivos para pensar que o frasco contivesse outra coisa senão naproxeno. Agora, no entanto, ela estava preocupada com a possibilidade distinta de ter dado inadvertidamente ao filho um medicamento para disfunção erétil... e os efeitos que isso poderia ter sobre ele em breve.

Robert apertou a cintura de Karen com mais força e sussurrou em seu ouvido: "Talvez possamos enviar Jake antes de nós para jantar com os bispos, e então podemos alcançá-los mais tarde..."

Karen se desvencilhou do marido e o repreendeu de brincadeira: "Agora, agora ... você precisa ser um bom menino e esfriar a cabeça ... podemos brincar mais tarde, quando voltarmos." Ela endireitou a gravata de Robert e acrescentou: "Por enquanto, preciso ir verificar nosso filho para ter certeza de que ele está se arrumando como eu pedi. Ele provavelmente está brincando, como sempre." Ela deu um beijinho na bochecha do marido e depois usou o polegar para limpar a mancha carmesim que havia marcado. Enquanto Karen se afastava, ela disse abafada: "Apenas seja paciente... Vou fazer valer a pena esperar, você verá..."

Robert observou sua linda esposa sair da sala. Olhando para seu bumbum redondo e bem torneado enquanto balançava suavemente de um lado para o outro sob seu vestido justo, ele sussurrou para si mesmo: "Seja paciente? Isso vai ser mais fácil dizer do que fazer!"

Depois de bater na porta de comunicação para a suíte contígua de Jacob, Karen gritou ao entrar no quarto: "Ei, querida... como está indo aqui?" Fechando a porta, ela encontrou Jacob parado na frente do espelho, lutando com a gravata. Karen ficou feliz em ver que pelo menos ele havia tomado banho e (a maior parte do tempo) estava vestido.

"Ok, eu acho." Jaco respondeu. "Agora, se eu pudesse fazer essa coisa estúpida cooperar!"

"Como você está se sentindo fisicamente?" ela perguntou preocupada e ignorando a pequena frustração dele com a gravata. "Você está bem?"

Jacob respondeu: "Sim, senhora... eu me sinto bem, exceto por aquela dor de cabeça incômoda." Ele então viu o reflexo de Karen no espelho atrás dele. Virando-se para contemplar a adorável visão que era sua mãe, ele exclamou: "Puta merda, mãe! Você está incrível ! "

Karen sorriu calorosamente, "Obrigada, querida, mas... de novo, você precisa prestar atenção ao idioma."

Jacob se aproximou de Karen, olhando-a da cabeça aos pés. "Desculpe, mãe, mas uau... quero dizer... UAU! " Ele sabia que Karen era linda, mesmo em casa sempre que ela usava camisetas e calças de ioga e tinha o cabelo preso em um rabo de cavalo simples enquanto ela limpava a casa. Agora, com seu novo vestido, sapatos e maquiagem ousada, sua mãe, antes sóbria e dona de casa, atingiu um nível totalmente novo!

Karen riu, enquanto começava a ajudar Jacob com a gravata. "Bem, pelo som de você e as reações de seu pai, eu suponho que esta velha senhora limpa muito bem, hmm?"

"'Muito bom'?" Jacob perguntou. Ele então zombou e continuou: "Mãe ... isso deve ser o eufemismo do ano. Você parece uma concorrente do Miss América!"

Continuando a ajudar Jacob com a gravata, Karen fechou os olhos incrédula e balançou a cabeça para ele, dizendo com uma risadinha: "É muito gentil da sua parte dizer, mas não acho que eu iria tão longe . pai, você obviamente vai ter que ser um pouco tendencioso, mas ainda assim... eu aprecio isso."

"Pronto... tudo pronto para ir!" Karen comentou, endireitando a gola da camisa social de Jacob uma última vez. Ela então sorriu e disse, enquanto corria os dedos pelo cabelo de Jacob: "Tenho que dizer... devo ser a mulher mais sortuda de Atlanta esta noite. Tenho um jantar marcado não apenas com um, mas com dois de os homens mais bonitos da Geórgia!"

Jacob perdeu o foco enquanto olhava para os olhos castanhos e quentes de sua mãe e respirava a fumaça inebriante de seu doce perfume. Mais uma vez, ele sentiu um desejo irresistível de tentar beijar os lábios vermelhos e exuberantes de sua linda mãe. Sem nem pensar, ele se aproximou de sua boca e disse baixinho: "Nós somos os sortudos, mãe ..."

Antes que seus lábios pudessem se tocar, Karen jogou a cabeça para trás e perguntou consternada e incrédula: "Jake... o que diabos você pensa que está fazendo?" Ela olhou rapidamente para a porta fechada e continuou: "Jovem... essa é a segunda vez que você tenta essa façanha. Já tivemos essa discussão e pensei com certeza que colocaríamos essa coisa de beijo atrás de nós. Quando eu disse não, eu quis dizer NÃO !"

"Desculpe, mãe," Jacob respondeu, tentando soar arrependido. "Eu não pude evitar... você está tão bonita."

Karen tentou não sorrir. "Bem, obrigado pelo elogio, querida, mas você tem que se controlar. E se seu pai tivesse entrado agora e visse você tentando isso?" Vendo o olhar de rejeição em seu rosto, ela suavizou seu tom de voz e continuou, "Além disso... você ainda não beijou Sara?"

Jacob acenou com a cabeça, "Sim, senhora... nós nos beijamos algumas vezes."

Karen respondeu: "Bem, aí está ... é com ela que você deveria fazer isso, não comigo."

Jacob então mentiu: "Bem, é isso, mãe. Sara é a primeira garota que eu realmente beijei, e estou preocupado se estou fazendo certo. Eu só esperava que talvez você pudesse... você sabe... deixe-me saber como estou indo, ou se você tiver alguma dica." (Ele convenientemente deixou de fora o fato de que já estava recebendo muitas 'lições' de sua irmã mais velha, Rachel.)

Karen respondeu, impassível, "Jake... eu não vou ser sua parceira de prática de beijos. Como eu já disse antes, isso é completamente inapropriado - e muito fora dos limites."

De repente, eles ouviram a voz de Robert vindo do outro lado da porta, "Ei, pessoal." Ele então abriu a porta e continuou, "Jim e Tammy estão lá embaixo esperando por nós... vocês estão prontos?"

Karen colocou o braço em volta do ombro de Jacob e respondeu: "Sim, estamos, querido... estamos terminando."

Robert entrou na sala e disse surpreso: "Uau, querido ... você realmente fez Jake usar gravata e nem é domingo de Páscoa. Parece bom, campeão!"

"Obrigado, pai," Jacob respondeu, tentando soar alegre.

Enquanto os Mitchell percorriam o corredor do hotel, Karen caminhava de braços dados com seus dois "meninos". Usar os saltos agulha facilmente a tornava a mais alta do grupo.

De repente, Robert saiu em uma leve corrida para alcançar as portas do elevador à frente deles. Vendo que Jacob parecia um pouco abatido, Karen passou o braço direito em volta do ombro dele e puxou-o com força para o seu lado enquanto eles continuavam a andar. Ela sussurrou, "Não se preocupe com antes, querida... eu não estou brava. Vou te dizer uma coisa, se você ainda tiver alguma dúvida ou preocupação, podemos conversar mais sobre isso depois... ok?"

Jacob podia sentir seu leviatã adormecido começando a se mexer levemente. O abraço de Karen fez com que o lado esquerdo do rosto dele pressionasse confortavelmente contra o seio macio dela. Ele descobriu que o material macio de seu vestido novo era bom contra sua bochecha, e o doce aroma de seu perfume cheirava absolutamente celestial. Seu único desejo era que, de alguma forma, houvesse uma chance de ter algum 'tempo sozinho' de qualidade com sua mãe durante esta viagem da faculdade, mas essa possibilidade sempre seria improvável com seu pai os acompanhando. Suspirando resignadamente em seu destino para o fim de semana, Jacob sorriu e disse, "Isso seria ótimo, mãe... obrigado."

Na maior parte, a reunião de convívio das famílias da noite transcorreu esplendidamente. O restaurante cinco estrelas do centro da cidade era de primeira qualidade, e a comida e as bebidas que os Mitchells e Bishops comiam eram fabulosas.

Karen achou a esposa de Jim, Tammy, bastante amável e parecia que eles tinham muito em comum. Ambas eram mães donas de casa, que passavam muito tempo como voluntárias em suas igrejas e grupos de PTA. A Sra. Bishop veio originalmente do norte da Carolina do Sul, e ela, como Karen, era uma morena linda e peituda. No entanto, Tammy era um pouco mais baixa que a Sra. Mitchell, medindo apenas 5 pés e 5 polegadas de altura. As duas mães passaram a maior parte da noite em conversas cordiais com uma cara garrafa de vinho pinot grigio. Na verdade, era da mesma safra que Brenda havia mostrado a Karen no dia anterior.

Assim como os Mitchells, os Bishops tiveram dois filhos pequenos. O filho mais velho deles era um filho chamado Jimmy (que os acompanhou para jantar naquela noite) e que já estava no segundo ano da Georgia Tech. Jim Sr. pediu a 'Júnior' para comparecer à refeição para que Jacob tivesse alguém de sua idade para conversar, bem como, obviamente, para oferecer algumas informações sobre a vida estudantil atual na escola. A decisão provou ser boa, pois os dois meninos se deram bem na hora (tanto que, com o passar da noite, eles pareciam ser melhores amigos há anos).

O outro filho dos bispos era sua filha, Katie, que atualmente estava no último ano do ensino médio. Uma versão ágil e mais jovem de Tammy (embora de óculos e um tanto estudiosa e tímida), o plano de Katie era frequentar a alma mater de sua mãe, Clemson University na Carolina do Sul, no outono seguinte.

No final da noite, enquanto as duas famílias saboreavam uma sobremesa e um café, Karen se inclinou para Jacob, que estava sentado à sua esquerda. "Jake... você está se sentindo bem?" Preocupada por ter inadvertidamente dado a Jacob dois comprimidos de Viagra no hotel, Karen importunou o filho com a mesma pergunta várias vezes durante o jantar. Ela foi capaz de usar sua dor de cabeça anterior como desculpa para sua persistente 'maternidade', apesar do crescente aborrecimento de seu filho.

Como todas as vezes que Karen perguntou a ele naquela noite, Jacob respondeu: "Sim, mãe... estou bem." Desta vez, porém, ele acrescentou: "Só para você saber... a dor de cabeça passou. Acho que você estava certo... eu só precisava comer alguma coisa."

Karen sorriu com a resposta de Jacob. Ela ficou feliz em saber que a dor de cabeça dele havia passado, mas ficou ainda mais satisfeita por ele não mostrar sinais óbvios de ter tomado o Viagra. A mãe preocupada sentiu um grande alívio por aparentemente ter se esquivado de mais uma bala.

Ao longo da noite, Robert e Jim passaram a maior parte do tempo contando histórias e relembrando os 'bons velhos tempos'. Karen ficou feliz em ver que seu marido estava se divertindo enquanto se reencontrava com seu antigo colega de faculdade. No entanto, à medida que a noite avançava, ela estava ficando cada vez mais preocupada com o número de bebidas que eles consumiam.

Aparentemente, o Sr. Bishop tinha uma alta tolerância ao álcool e bebeu continuamente bourbon direto durante a noite, sem mostrar nenhum sinal de intoxicação óbvia. Por outro lado, Robert era conhecido por ocasionalmente tomar apenas algumas cervejas ou uma bebida alcoólica (geralmente uísque) de vez em quando. Assim, apesar de seus melhores esforços, ele não poderia esperar acompanhar seu velho amigo e isso começou a aparecer. Preocupada com o fato de que sua tão esperada noite de paixão com o marido estivesse realmente em perigo, Karen usou sua inteligência e encontrou uma maneira de terminar graciosamente a noite com os bispos.

De volta ao hotel, Jacob disse boa noite para sua mãe e seu pai e depois foi para sua suíte. Seu plano era jogar alguns jogos e talvez espancar algum pornô antes de dormir. Com a maneira como seus pais flertaram durante a viagem de volta, eles aparentemente queriam um 'tempo a sós' juntos. Portanto, ele imaginou que com eles preocupados, seria seguro em seu quarto usar seu laptop e fones de ouvido para assistir a alguns de seus vídeos favoritos de MILF.

Na suíte contígua, Robert parou ao lado da cama king-size e começou a tirar a gravata. "Eu quero que você saiba..." ele murmurou um pouco para Karen, "Eu fui em frente e peguei o Vi-ar-ga antes de sairmos do hotel, e agora eu acho... está começando a fazer efeito."

Enquanto Karen estava na cômoda, removendo seus brincos pendentes e outras joias brilhantes, ela olhou para o reflexo de Robert no espelho. Ela riu e respondeu: "Oh, você fez agora? Entendo, alguém deve estar muito ansioso esta noite!"

Robert respondeu: "Sim ... também estou ansioso para ver essa surpresa de que você estava falando."

Karen notou que a voz de seu marido estava um pouco arrastada e ele estava um pouco cambaleante, mas não foi o suficiente para deixá-la preocupada com sua condição geral. Ela mesma estava bastante embriagada com o excesso de vinho caro que ela e Tammy haviam bebido, mas imaginou que sua própria intoxicação quente ajudaria a adicionar um pouco de 'combustível' ao fogo...

Depois de colocar seus preciosos enfeites em uma pequena caixa de joias, Karen caminhou até o marido e o beijou... o gosto de uísque ainda estava forte em seu hálito. Ela disse suavemente: "Bem, deixe-me refrescar um pouco e depois mostrarei a você essa surpresa."

Enquanto estava no banheiro, Karen tirou o vestido novo e o pendurou com um cabide. De pé na frente do espelho, a esposa bêbada levou um momento para admirar seu reflexo. Seu cabelo e maquiagem ainda estavam imaculadamente impecáveis. O novo sutiã sexy, o conjunto de calcinhas e as meias até a coxa com sua liga rendada que agora a adornava a faziam parecer (e se sentir) como uma modelo de lingerie.

Sem pressa, Karen reservou um tempo para retocar o batom e aplicar um pouco de perfume adicional em certas áreas específicas - ou seja, no pescoço, atrás das orelhas e na cavidade profunda entre os seios de dar água na boca. Ela podia sentir sua vagina recém-encerada já escorregadia com seu lubrificante natural em antecipação. No último segundo, a bela dona de casa puxou o cós de sua calcinha preta para longe de seu corpo e borrifou um pouco da névoa perfumada ao longo do topo de seu monte nu, esperando que seu marido entendesse a dica. Para um efeito dramático final, ela decidiu deixar seus saltos agulha por enquanto.

Karen deu uma última olhada em si mesma no espelho e decidiu que agora estava pronta para voltar para o marido que a esperava ansiosamente. Tirando o roupão de cetim preto do gancho, vestiu-o e amarrou a faixa. De costas para a porta do banheiro, ela respirou fundo uma última vez e girou a maçaneta. Finalmente chegou a hora de sua grande revelação...

"Ok, garotão... espero que você esteja pronto para..." Karen parou no meio da frase assim que entrou no quarto, apenas para descobrir que Robert havia adormecido profundamente. Ele puxou as cobertas, tirou a cueca e subiu na cama antes de desmaiar imediatamente.

"Ah, não, Rob... você só pode estar brincando comigo!!!" Karen exclamou com desconsolada decepção. Ela se aproximou da cama e disse enquanto o sacudia pelo ombro, "Rob... Querido... acorde!" Ela podia dizer pelo ronco suave de seu marido que ele provavelmente estava fora à noite. Cruzando os braços sob os seios, Karen bufou em frustração irritada, "Bem, isso não é apenas pêssego!!"

De repente, através da fina parede da suíte contígua veio um grito abafado de " Muuummmm!!! " Karen imediatamente reconheceu a voz de Jacob, e foi em um tom que ela já conhecia muito bem... seu filho estava em apuros. Nada no mundo poderia ser mais assustador para uma mãe do que ouvir seu filho pedir ajuda, não importa a idade.

Karen correu para a porta que separava as duas suítes. No entanto, suas pernas ainda estavam um pouco bambas em seus saltos altos por causa dos efeitos prolongados do vinho. Uma vez que ela entrou na sala, seu nariz captou um cheiro familiar e ela encontrou o ar inundado com o perfume exótico de Jacob. Desta vez, porém, algo foi muito diferente.

O cheiro era muito mais forte do que o normal... tanto mais que realmente deixou Karen sem fôlego. Acendendo com uma onda imediata de excitação, ela podia sentir os vapores quimicamente atados envolvendo seu corpo, fazendo com que sua pele inflamasse com sensações agradáveis ​​de formigamento.

Um candeeiro de mesa próximo iluminava suavemente o quarto com um brilho quente. Jacob estava na cama queen-size encostado na cabeceira. Ele estava vestindo uma camiseta 'Star Wars', com o edredom puxado até a cintura. Olhando além de Karen para a porta de comunicação, ele sussurrou: "O... papai está com você?"

Karen olhou por cima do ombro e notou que a porta ainda estava aberta. Ao se aproximar para fechá-la, ela respondeu: "Não... ele está dormindo profundamente no momento." Ela então caminhou até o pé da cama e notou o braço de Jacob se movendo para frente e para trás enquanto ele voltava a se acariciar debaixo do edredom. "O que há de errado, querida?" ela perguntou preocupada, embora já tivesse uma boa ideia do motivo de sua situação.

Jacob choramingou, "Mãe... algo está errado. Dói... muito mesmo!" Normalmente, Jacob sempre mentiria sobre a 'dor' que sentia, mas não era mentira dele desta vez.

Karen sentou-se na cama ao lado de Jacob. A combinação do álcool em seu sistema e o cheiro forte na sala estava fazendo com que ela se sentisse tonta. "Jake... você provavelmente está experimentando outro acúmulo de fluido seminal... já aconteceu antes."

Jacob balançou a cabeça. "Não, mãe... assim não! Isso é bem diferente... meus testículos estão muito mais inchados do que o normal, e..."

Após uma breve pausa, Karen perguntou: "E o quê, querida?"

"E parece... estranho," Jacob respondeu. "Mãe, para ser sincero... estou um pouco assustado. Nunca aconteceu nada assim antes ."

"Tudo bem... deixe-me dar uma olhada." Karen disse, enquanto começava a puxar o edredom. " Oh, meu Senhor!!! " ela recuou, e gritou com a visão ímpia surgindo imediatamente diante dela.

Jacó estava certo. Aquilo era diferente... muito diferente. Seu pênis extraordinariamente grande agora tinha uma cor alarmante de roxo escuro, enquanto as veias que cruzavam seu enorme eixo eram quase pretas. O pré-sêmen, que geralmente escorria de sua ponta em pequenos filetes, agora estava fluindo em um fluxo constante - uma poça considerável já havia se formado nos lençóis da cama. Os testículos doloridos de Jacob também se tornaram visivelmente aumentados e agora eram de cor semelhante à sua masculinidade pulsante.

Jacob continuou a acariciar seu eixo protuberante, "Eu não sei o que aconteceu. Tudo estava bem até pouco tempo atrás. Então, de repente começou a inchar e mudar de cor."

Karen ficou sem palavras enquanto olhava horrorizada, sabendo muito bem que isso tinha sido o resultado do Viagra... e era culpa dela. Mesmo tendo sido um acidente, foi ela quem deu a droga ao filho e, portanto, agora era a responsável por seu sofrimento. A profunda culpa que ela sentia agora era quase tão intensa quanto a esmagadora excitação sexual que estava inflamando seu corpo... quase.

Levantando-se da cama, Karen deu um tapinha no peito de Jacob e tentou tranquilizar o filho. "Jake... vai ficar tudo bem."

Enquanto Karen lentamente se afastava dele, Jacob perguntou com preocupação: "Mãe? Onde você está indo?"

Karen levantou a mão e disse: "Já volto... espere um segundo."

Com as pernas bambas, Karen voltou para a suíte que dividia com Robert. Lá, ela encontrou o marido na mesma posição em que o havia deixado... de costas, profundamente adormecido.

Karen pegou o celular da bolsa e entrou no banheiro. Deixando a porta entreaberta para poder ficar de olho em Robert, ela encontrou o contato que queria em seu telefone e apertou a discagem rápida. Depois de alguns segundos, a mãe preocupada sussurrou ao telefone: "Ei... desculpe incomodar tão tarde, mas você pode falar?"

Brenda estava deitada na cama, encostada na cabeceira e lendo uma história erótica em seu Kindle. Ela olhou para o marido Mark ao lado dela, que estava deitado de costas para a esposa enquanto roncava suavemente. "Sim, mana, claro... o que foi?"

Karen suspirou e disse: "Acho que temos um GRANDE problema."

Depois que Karen explicou tudo para sua irmã mais nova, Brenda fez algumas perguntas sobre a situação atual de Jacob. Depois de ponderar sobre os fatos, o jovem médico respondeu: "Não se preocupe, Karen... ele vai ficar bem."

"Mas o que devo fazer?" Karen perguntou, ainda preocupada. "Ele está com muita dor, e sua coisa parece ainda mais terrível do que o normal!"

"Relaxe, irmã", respondeu Brenda. "Eu sei que pode parecer assustador, mas é apenas uma superabundância de sangue coletado em seus órgãos genitais... provavelmente parece pior do que realmente é."

"Então, o que você sugere que eu faça?" Karen perguntou.

Brenda respondeu: "Bem, eu sei que você provavelmente não quer arriscar levar Jake ao pronto-socorro... a menos que seja absolutamente necessário."

"Correto." Karen sussurrou ao telefone.

Depois de uma respiração profunda, Brenda disse: "A única outra opção que posso pensar seria fazê-lo ejacular até que o Viagra saia de seu sistema."

"Isso faria isso?" Karen perguntou.

"Sim, provavelmente isso resolveria o problema." Brenda respondeu, sua boca se curvando. Depois de uma pausa, ela perguntou: "A propósito, onde está Rob?"

Karen espiou pela porta novamente. "Ele está dormindo... bem... desmaiado, na verdade. Ele estava tentando acompanhar seu antigo colega de faculdade no jantar esta noite e acabou exagerando no uísque."

O sorriso de Brenda se alargou, "Bem, considere isso uma bênção."

Karen retrucou incrédula: "Como isso é uma bênção?"

Brenda respondeu: "Porque com Jake tendo tomado duas doses... e sem saber como o Viagra está reagindo com o WICK-Tropin em seu sistema, quem sabe quanto tempo vai demorar? Você, meu querido, pode estar em uma noite muito longa..." Olhando novamente para seu marido adormecido, Brenda acrescentou com um sorriso travesso, "Devo dizer... estou com ciúmes de você agora."

Karen bufou e revirou os olhos, "Eu já te disse ultimamente que você é horrível ?"

Brenda riu: "Hoje não, você não." Em um tom mais sério, ela continuou, "Karen...Jake vai ficar bem, mas por favor me mantenha informado e me ligue de volta se as coisas não melhorarem nas próximas horas."

Karen respondeu: "Ok ... eu vou. Obrigado, Brenda ... te amo."

"Também te amo." Brenda retribuiu. Antes de encerrar a ligação, ela acrescentou: "Ah... e irmã? Divirta-se para mim esta noite!"

Fechando o telefone e colocando-o no criado-mudo junto com o Kindle, Brenda deu uma rápida olhada em Mark. Ela então colocou a mão direita sob o edredom, juntando-se à mão esquerda que havia vagado ali durante a conversa com Karen. Puxando a calcinha já encharcada para o lado, a ginecologista excitada passou o resto da noite fantasiando sobre todos os tipos de cenas sexuais perversamente travessas que ela imaginava acontecendo entre sua irmã, Karen, e seu sobrinho, Jacob. O pensamento excêntrico da linda mãe rechonchuda e seu filho bonito e excitado brincando e fodendo a noite toda para quem sabe quantos orgasmos incontáveis ​​(enquanto seu cunhado sem noção roncava bêbado no quarto ao lado) trouxe o médico desviante para vários de seus próprios clímax naquela noite. Brenda finalmente desmaiou de exaustão,

De volta ao hotel em Atlanta, depois de apagar as luzes, Karen se aproximou da cama e cobriu Robert com um edredom quente. Enquanto ela olhava para seu marido adormecido, Karen agora tinha que lidar com duas tensões de culpa... primeiro, a culpa de ter causado este acidente para Jacob, e outra de agora ter que abandonar seu esposo para corrigir isso. aquela situação.

Sentindo que estava seguro e que ele não acordaria, Karen se inclinou, beijou Robert na bochecha e sussurrou: "Desculpe, querido, mas nosso filho precisa de mim agora. Podemos tentar novamente outra hora." Afastando-se, ela silenciosamente saiu para voltar para a sala adjacente e para seu filho doente.

Assim que Karen entrou novamente na suíte de Jacob, ela o encontrou na cama, ainda batendo punheta. Ela foi novamente atingida por sua fumaça avassaladora, fazendo com que seus mamilos imediatamente se contraíssem e zunissem de excitação.

Vendo sua mãe parada na porta, Jacob perguntou em pânico: "Mãe? Devemos ligar para alguém? Talvez tia Brenda?"

"Acabei de falar ao telefone com ela." Karen respondeu, enquanto fechava e trancava a porta.

"Você fez?" Jacob perguntou. "O que ela disse?"

"Em primeiro lugar, querida... temo que tudo isso seja minha culpa, e quero que saiba que sinto muito."

"Sua culpa?" Jacob respondeu, enquanto continuava a se acariciar. "Como isso pode ser sua culpa?"

Karen se aproximou e parou ao lado da cama. "Lembra-se hoje à noite, quando eu lhe dei o Naproxen para sua dor de cabeça?"

"Sim?" Jacob respondeu, desconfiado.

Karen suspirou enquanto se sentava ao lado da cama, "Bem...acontece que não era Naproxen...por engano, eu dei a você algumas das vitaminas Vi do seu pai." Por alguma razão, a mãe culpada não conseguiu contar a ele toda a verdade. Ela sentiu uma terceira onda de culpa acrescentando-se à sua lista de problemas.

Os olhos de Jacob se arregalaram. "Vitaminas?" Franzindo o rosto, ele perguntou: "Que tipo de vitamina faria isso ?" Ele então apontou para seus órgãos genitais doloridos.

"Bem..." Karen continuou sua mentirinha inocente, "O médico dele deu uma receita para ele durante o check-up anual. É um tipo especial de vitamina, para homens da idade do seu pai." Ela então se sentou ao lado da cama. "Foi totalmente acidental quando eu os dei a você, porque ambos os medicamentos são semelhantes em forma e cor. Como eu não sabia que seu pai havia colocado suas... vitaminas no mesmo frasco que o Naproxen, eu não tinha razão. em tudo para verificar. Baby, eu sinto muito..."

"Está tudo bem, mãe... como você disse... foi um acidente." Jacob sorriu, tentando aliviar o remorso visível de sua mãe. Ele então perguntou: "Tia Brenda tem alguma sugestão de como consertar isso?"

Karen acenou com a cabeça, "Na verdade ela fez, e é realmente muito simples." Seus olhos voltaram para os genitais inchados de Jacob. A coloração púrpura profunda escureceu ainda mais. "Até que a droga possa sair do seu sistema... você vai ter que tentar ejacular, para aliviar a pressão."

Jacob zombou, "Eu tenho tentado desde que começou, mas como você pode ver... não tive sorte!"

Karen se levantou e respondeu: "É por isso que vou te ajudar..."

Enquanto Karen começava a afrouxar a faixa de seu roupão, Jacob perguntou: "Mãe? Não que eu esteja reclamando nem nada, mas e a sua regra de não me ajudar quando o papai está em casa? "

Karen olhou para a parede que separava as duas suítes. "Seu pai está dormindo e provavelmente está fora à noite. Então, desde que fiquemos quietos, tudo bem." Voltando-se para Jacob, ela acrescentou, "Além disso... não estamos quebrando a regra... porque tecnicamente, não estamos em nossa casa."

Os olhos de Jacob se arregalaram assim que Karen tirou o roupão dos ombros e permitiu que a roupa de seda deslizasse por seus braços, caindo atrás dela e caindo no chão. Esquecendo-se completamente de seu desconforto, ele parou de acariciar seu pênis e sussurrou: " Uau!!! "

Mais cedo naquela noite, quando Jacob entrou na suíte de seus pais sem avisar, ele não teve a chance de dar uma boa olhada em Karen em sua calcinha sexy. Ela saltou do banquinho da penteadeira e rapidamente correu para a cama para pegar seu roupão, cobrindo imediatamente suas delícias. No entanto, agora em seu quarto de hotel suavemente iluminado, seus olhos podiam se deleitar com a deliciosa visão de sua mãe e saborear cada uma de suas deliciosas curvas. "Uau, mãe! Você está... incrível !! Você pertence a um catálogo de lingerie."

Karen sorriu ao ficar diante de seu filho em toda a sua glória, vestindo apenas sutiã, calcinha, meias e salto alto. "Ora, obrigada, baby", ela respondeu suavemente. Aproximando-se da cama, ela acrescentou: "Isso era para ser uma surpresa para o seu pai, mas infelizmente... nós vimos como isso funcionou."

Jacob perguntou: "Você quer me dizer que estou começando a ver você neles antes mesmo do papai?"

"Sim, você está", respondeu Karen enquanto tirava os saltos. Subindo na cama, ela se acomodou entre as pernas de Jacob.

Jacob observou enquanto Karen ficava de quatro e segurava sua dolorosa ereção. Ele sorriu quando notou as enormes mamas de sua mãe ameaçando transbordar de seu minúsculo sutiã preto. "Oh, bem... eu acho que a perda do papai é definitivamente o meu ganho."

Karen olhou para um Jacob e comentou: "Acho que é." Ela então olhou para a parede uma última vez. "Mas não fale mais sobre o seu pai, ok? Apenas se acomode e relaxe."

Jacob assentiu e respondeu: "Sim, senhora..." enquanto se recostava na cabeceira da cama.

Karen ficou horrorizada com a diferença visível no pênis de Jacob... parecia ainda mais ameaçador do que nunca. Depois de apenas alguns golpes, seus dedos já estavam generosamente cobertos com seu pré-sêmen espesso e viscoso.

Enquanto se masturbava com o filho, Karen rezava para que os efeitos do Viagra não lhe causassem nenhum dano permanente. Esperançosamente, uma vez que a droga terminasse seu curso e saísse do sistema de Jacob, ele se sentiria melhor, e não haveria quaisquer efeitos físicos persistentes de seu terrível erro.

Não demorou muito para que Jacob começasse a emitir um gemido gutural, e Karen sabia por experiência que ele estava se aproximando rapidamente de um orgasmo. Ela pensou consigo mesma que estava ouvindo algo que nenhuma mãe jamais deveria ouvir vindo de seu filho, mas por causa dos últimos dois meses era um barulho com o qual ela já estava muito familiarizada.

Karen olhou para Jacob e encontrou um olhar tenso em seu rosto, "Jake? Você está chegando perto?" Sua mão apertada estava começando a doer por tentar manter um aperto firme no eixo inchado e alongado de seu filho.

Jacob assentiu e respondeu com uma respiração difícil, "Sim... mas mãe... quanto mais perto eu chego... mais dói ! É como se minhas bolas estivessem prestes a explodir!"

Normalmente, Karen teria corrigido Jacob por usar tal gíria suja. No entanto, agora não era o momento para suas advertências habituais. Seu filho estava sofrendo, e seu único pensamento no momento estava focado em trazer-lhe o alívio que ele tanto precisava.

Karen olhou para o escroto fortemente distendido de Jacob. Ela podia ver alguns movimentos estranhos dentro do saco roxo, pois uma enorme carga de esperma sem dúvida estava sendo agitada pelos testículos hiperativos de seu filho. A mãe cheia de culpa abaixou-se sobre o antebraço esquerdo e deu um beijo amoroso em um de seus testículos doloridos.

Os gemidos de Jacob ficaram ainda mais altos. "Mãe... dói... muito mesmo !!!"

Tomada de compaixão por seu filho, Karen respondeu: "Eu sei, querida... só precisamos colocar para fora. Talvez isso ajude." A simpática mãe então envolveu seus lábios pintados de vermelho ao redor da cabeça do pênis que vazava profusamente de Jacob. Ela gemeu de prazer quando seu doce fluido cobriu sua língua sexy e trêmula, acendendo suas papilas gustativas e aumentando a excitação de seu corpo. Ela então ajustou sua posição para poder usar as duas mãos junto com a boca na tentativa de satisfazer a fera furiosa de seu filho.

Com a ponta do pênis ainda mais sensível do que o normal, a combinação de sucção e rotação da língua de Karen contra a coroa de seu pau (e o brilho travesso nos olhos dela quando ela olhou para ele), estava rapidamente levando Jacob ao limite. Como um vulcão prestes a entrar em erupção, o adolescente podia sentir a pressão familiar e formigante crescendo enquanto seu sêmen semelhante à lava subia pelo eixo de seu pênis. Ele agarrou o edredom com as duas mãos e gritou: "Oh, mãe!! Está vindo... gozo!! Ohhh Moooommmm... AAAAAAAAHHHHHHHH!!!!! "

Com medo de que Robert pudesse acordar com o uivo de Jacob, Karen rapidamente colocou a mão esquerda sobre a boca dele. " Shhhhh! " Ela tentou acalmá-lo, "Jake...você precisa ficar quieto!"

A única resposta de Jacob foi arquear as costas e continuar seu berro abafado na palma da mão delicada de sua mãe, " Mmmmppphhhhhhh!!! "

A mão direita de Karen continuou sua longa jornada para cima e para baixo no eixo trêmulo de Jacob. "Ó meu Deus!!!" ela gritou abruptamente em estado de choque, enquanto corda após corda maciça de sêmen irrompia no ar da glande do pênis contraído de seu filho. Cada explosão de seu esperma disparava até a metade do caminho para o teto antes de pousar com um ' splat! ' no estômago de Jacob, nos braços de Karen e em todo o edredom da cama. Espantada, ela acrescentou: "Deus do céu! É... é só... é tanto !!" antes de colocar seus lábios macios e vermelhos na ponta gêiser de seu filho, e levar o resto de sua ejaculação quente e escorregadia por sua garganta e em seu estômago.

Um pouco depois, após ter recebido um segundo boquete, Jacob deitou na cama, recuperando o fôlego. Karen saiu do banheiro (tendo também engolido outra carga), ainda vestida com seu sutiã sexy, calcinha e meias. Ela se limpou e trouxe uma toalha limpa para fazer o mesmo para o filho. Enquanto ela limpava o sêmen de seu estômago e peito, ela disse: "Sinto muito por mais cedo, mas você estava falando muito alto e tive medo de que fosse acordar seu pai."

Jacob balançou a cabeça, "Está tudo bem, mãe... eu entendo. Eu sei que você só estava tentando evitar que fôssemos pegos."

Karen perguntou, enquanto começava a limpar o edredom. "Isso ajudou? Você se sente melhor?"

"Um pouco, eu acho," Jacob respondeu. "A pressão dentro da minha bola - os testículos diminuíram um pouco, mas posso sentir um pouco da dor já voltando..."

Karen notou que o escroto pesado de Jacob ainda estava muito inchado e descolorido. Seu pau pulsante, duro como pedra, ficou para cima, parecendo um foguete espacial raivoso de cabeça roxa. Era bastante evidente que a avaliação anterior de Brenda estava correta... A situação de Jacob não seria uma solução rápida. Com o maxilar já começando a doer, a determinada mãe sabia o que tinha que fazer. Karen então olhou para o filho e perguntou: "Jake? Por acaso você tem alguma dessas camisinhas com você?"

No outro dia, Brenda havia dado a Karen um suprimento para um mês da droga experimental de controle de natalidade, Midoxinol... e não precisou de muita persuasão. Brenda deduziu corretamente, pelas insinuações tímidas de sua irmã mais velha, que Karen estava mostrando algum interesse em ter seu próprio filho Jacob gozando dentro dela (sem saber que ele já havia feito isso, inseguramente, várias vezes). Embora Karen tivesse começado a tomar as pílulas ansiosamente apenas um dia antes, na sexta-feira, Brenda havia avisado que poderia levar alguns dias ou mais para que o anticoncepcional fizesse efeito total. Sendo esse o caso, Karen achou melhor atender ao aviso de sua irmã mais nova e continuar usando preservativos com Jacob (pelo menos por mais alguns dias).

Jacob sorriu com a pergunta de sua mãe e imediatamente se levantou, "Sim, senhora! Na verdade, eu guardei dois deles. Fiz exatamente como você me disse... esteja sempre preparado."

Karen riu, "De todas as coisas que eu tento te ensinar... essa é a única direção que você presta atenção e segue?"

Jacob deu de ombros e perguntou: "Devo tirá-los da minha mala?"

Uma luta interna agora ocorreu dentro de Karen. Era uma batalha entre sua culpa por ter abandonado Robert, a preocupação de ela e Jacob serem pegos, e sua própria excitação avassaladora. Depois de vários segundos pesando suas opções e olhando para a parede fina que os separava de seu marido adormecido, uma lógica vencedora finalmente surgiu. Karen virou-se para Jacob e, contrariando o julgamento, disse: "Sim, Jake... vá buscar as camisinhas."

Depois de recuperar com entusiasmo os dois preservativos de sua mala, Jacob se virou para encontrar Karen de pé ao lado de sua cama, tirando sua calcinha preta de seda. Uma emoção incomparável percorreu seu corpo quando sua mãe deslizou a peça minúscula de seus quadris curvilíneos e expôs seu traseiro redondo e matronal para seu prazer visual.

Karen permitiu que a calcinha deslizasse pelas pernas cobertas de meias até os pés. Ela então saiu deles e se curvou para pegar a roupa rendada do chão. Quando Karen se levantou novamente e se virou para encará-lo, os olhos de Jacob se arregalaram quando ele viu que o púbis de sua mãe agora estava completamente sem pelos.

Vendo um olhar chocado no rosto de Jacob, Karen perguntou: "O quê? O que você está olhando, seu pateta?"

Jacob gaguejou, incapaz de desviar os olhos, "Mãe... você umm... você... se barbeou... aí embaixo?"

Percebendo a que Jacob se referia, Karen riu e respondeu: "Oh, você percebeu isso, hein?" Ela então largou a calcinha na beirada da cama e suspirou apaticamente: "Mais uma surpresa que originalmente era para o seu pai..."

"Você quer dizer que eu serei o primeiro a ver isso também?" Jacob perguntou surpreso.

"Uh-huh." Ela então brincou, timidamente: "Bem ... você é o primeiro homem de qualquer maneira."

Um sorriso grande e conhecedor se espalhou pelo rosto de Jacob. "Oh, agora eu entendo... isso é parte das 'coisas de garota' que você e tia Brenda estavam fazendo no banheiro ontem." Outra emoção passou por ele quando imaginou sua linda mãe e tia juntas na grande banheira jacuzzi, depilando as áreas privadas uma da outra.

"Não foi só isso", respondeu Karen com um sorriso brincalhão. Ela então levantou a mão e mexeu os dedos bem cuidados. "Também fizemos as unhas."

Jacob se aproximou de Karen. "Da próxima vez... posso assistir? A parte de barbear, quero dizer." Originalmente, um de seus objetivos era tentar um trio quente com a Sra. Turner e sua mãe. Agora, ele estava se perguntando se seria possível fazer sexo com duas irmãs casadas, todas de uma vez (e nada menos que sua mãe e sua tia)... Isso seria incrível !

Karen franziu o rosto e zombou: "O quê? Não! Você não pode assistir."

"Bem, porque não?" Jacob respondeu, encolhendo os ombros. "Eu vi vocês dois nus... várias vezes."

"Porque eu disse... é por isso." Karen afirmou, enfaticamente. Ela então se sentou ao lado da cama e acrescentou: "Lembre-se ... precisamos manter alguns limites ... minha ajuda não é para ser divertida e divertida. Além disso ... não sei se haverá até mesmo ser uma próxima vez. Ainda não decidi se vou continuar depilando lá ou não.

Enquanto Jacob observava sua mãe engatinhando na cama de quatro, a visão de seu traseiro bem torneado e os picos de sua vagina nua lhe deram uma ideia. "Ei, mãe... gostaria da minha opinião?"

Sentada no meio da cama, Karen olhou para Jacob e perguntou: "Sobre o quê?"

Jacob se aproximou da cama e respondeu: "Você sabe... se deve continuar com a depilação."

Karen revirou os olhos e abaixou a cabeça, bufando: "Agora, há uma opinião que toda mãe quer ouvir de seu filho!"

Jacob colocou as camisinhas na mesinha de cabeceira e disse: "Vamos, mãe... deite-se e eu vou te dizer o que eu acho."

Karen distraidamente obedeceu a seu filho, os efeitos combinados do álcool e sua própria excitação quimicamente aumentada agora nublando seu julgamento. Ela se encolheu na cama e deitou com a cabeça apoiada em um travesseiro macio. Com os pés plantados no colchão e os joelhos apontados para o teto, ela perguntou: "Jake? E a dor? Achei que você precisava da minha ajuda."

"Eu posso esperar... não é tão ruim, ainda..." Jacob respondeu inocentemente, sua mente focada em outro lugar enquanto ele se posicionava aos pés de Karen. Ele então colocou as mãos nos joelhos dobrados de Karen... a textura sexy e sedosa de suas meias pretas transparentes parecia elétrica na ponta dos dedos. Enquanto gentilmente separava as pernas de sua mãe, ele continuou, "Eu prometo... isso só vai levar um segundo."

Karen ofereceu pouca resistência quando Jacob abriu bem suas pernas. Ela fechou os olhos envergonhada, perguntando a si mesma por que diabos ela estava permitindo que seu filho examinasse sua parte mais sagrada e íntima do corpo - apenas para responder rapidamente à sua própria pergunta... os hormônios. Depois de alguns segundos, ela ouviu o filho sussurrar ' Uau! ' e sentiu o colchão se movendo enquanto ajustava sua posição.

De repente, Karen sentiu o hálito quente de Jacob em suas regiões inferiores, fazendo-a abrir os olhos. "Jake?" ela perguntou enquanto levantava a cabeça, tentando ver além de seus bicos gêmeos envoltos em sutiã. Mesmo assim, ela só conseguia ver o topo da cabeça do filho. "O que você está fazendo?"

Jacob nunca tinha estado tão próximo e pessoal com a vagina de Karen. Ele agora se via cativado pelo sexo totalmente nu de sua mãe. Assemelhava-se a uma delicada flor rosa, brilhando com deliciosas gotas de orvalho da manhã. Ele achou a combinação de seu perfume natural, junto com a doce fragrância de seu novo perfume, bastante inebriante. "Mãe...eu realmente acho que você deveria manter isso aqui embaixo...você tem uma buceta tão linda!"

Karen se encolheu. "Jake... eu já te disse antes sobre usar essa palavra nojenta. Agora, se você quer minha ajuda, se apresse e pegue um dos cond- OH!!" Ela parou no meio da frase e engasgou assim que Jacob a surpreendeu beijando a carne macia e cremosa da parte interna de sua coxa. Erguendo-se mais sobre os cotovelos, ela olhou para ele e disse com uma respiração pesada: "Jovem! Pare com isso de uma vez e pare de brincar!"

Jacob olhou para cima com um sorriso travesso por entre as pernas abertas de Karen e respondeu: "Espere aí, mãe... eu quero tentar uma coisa..."

Os sinos de alarme dispararam imediatamente dentro da cabeça de Karen, uma vez que ela instintivamente percebeu o que Jacob pretendia fazer. Ela disse a si mesma que precisava impedir que esse comportamento impróprio continuasse. No entanto, em vez de movê-lo ou afastá-lo, ela permaneceu imóvel e tentou argumentar com o filho. "Não, Jake... você não pode fazer isso!"

"Por que não?" Jacob perguntou.

Karen respondeu: "Bem, para começar... eu sou sua mãe."

"Isso mesmo... você é minha mãe, e você constantemente se sacrifica e cuida tão bem de mim. Pela primeira vez, deixe-me cuidar de você."

Karen sorriu fracamente, "É muito gentil da sua parte oferecer, mas eu sou a mãe aqui... é meu trabalho cuidar de— oh que coisa!!" A obediente Mãe ofegou novamente assim que a língua de Jacob deslizou ao longo de todo o comprimento de seu corte ensopado e úmido. Um choque elétrico saiu de sua vagina e se espalhou por todo o corpo quando a cobra oral de seu filho adolescente fez contato direto com seu clitóris vibrante.

Usando a ponta da língua, Jacob sondou mais fundo entre os delicados lábios vaginais de Karen. Ele instantaneamente ficou viciado no sabor e na textura do doce e picante néctar feminino de sua mãe.

"Ah, Jake!" Karen sussurrou. "Você precisa... Mmmm ...oh meu Deus! Você precisa... parar! Querida...nós não deveríamos... Ohhhhh ...fazer isso!" Gentilmente colocando a mão no topo da cabeça de Jacob, Karen só se viu falhando em suas fracas tentativas de afastá-lo.

Jacob poderia dizer que havia pouca ou nenhuma convicção na voz de sua mãe e rejeições indiferentes. Erguendo a cabeça para respirar, seus lábios brilharam com uma camada lisa da essência feminina de sua mãe. Quando Karen aproveitou a breve oportunidade para fechar as pernas, ele disse: "Por favor, mãe... deixe-me fazer isso por você."

Em tom de súplica, Karen balançou a cabeça e respondeu: "Jake..."

"Vamos, mãe... o papai nunca fez isso por você antes?"

Karen acenou com a cabeça, "Sim, ele tem... mas não por muito tempo, receio." Quando ela permitiu que Brenda depilasse sua vagina completamente, a esperança de Karen era que o gesto impertinente de aliciamento reacendesse o desejo de Robert de transar com ela novamente, assim como ele fazia quando eram mais jovens. Ela continuou: "Portanto, se alguém vai fazer isso por mim ... deve ser ele."

Jacob respondeu: "Bem, como você pode ver, papai não está aqui agora... mas eu estou."

Por mais tentada que estivesse, Karen vasculhou sua mente em um debate, pois sabia que isso estava errado. Até agora, ela havia justificado tudo o que havia feito com Jacob como decorrente de seu dever maternal de ajudar seu filho com seu 'problema'. No entanto, isso seria diferente... nada poderia ser mais pecaminoso do que cometer esse ato de sexo oral com seu filho, a fim de apenas satisfazer sua própria necessidade luxuriosa. Na verdade, era seu marido, Robert, quem deveria satisfazer seus desejos femininos... e não seu filho adolescente.

Jacob podia ver Karen mordendo o lábio, sentindo que ela estava refletindo e realmente contemplando sua oferta. Ele deu um empurrão final: "Mãe, lembre-se do que mencionamos antes ... ' O que acontece em Atlanta ... fica em Atlanta '." Sua alegação era meio tola, já que havia sido feita em referência ao uso do telefone celular e NÃO à situação lasciva atual, mas mais uma vez o julgamento normal de Karen foi comprometido.

Depois de mais alguns segundos, Karen cedeu enquanto respirava fundo e deixava os joelhos caírem para o lado. Um sorriso diabólico se espalhou no rosto de Jacob enquanto sua mãe lentamente abria as pernas, expondo seu doce e suculento molusco careca para ele mais uma vez. Com um tom animado, ele sussurrou: "Tudo bem, mãe!" O adolescente rapidamente se reposicionou, deslizando os braços por baixo de suas ancas e agarrando suas coxas agradavelmente grossas e sedosas cobertas por meias. Baixinho, ele comentou: "Agora é disso que estou falando!"

Karen afirmou fracamente, "Ok, Jake... Eu concordei que podemos fazer isso esta noite, mas assim que chegarmos em casa, tudo tem que voltar ao normal— Ohhhhhh!!!" Assim que a boca de Jacob se fechou na vagina vazando de sua mãe, seus olhos se arregalaram em choque, e ela caiu de volta no colchão, descansando a cabeça no travesseiro fofo.

Totalmente surpresa com o talento da língua juvenil de seu filho, Karen olhou fixamente para o teto e sussurrou para os céus : , ela então colocou a mão direita na cabeça dele, para ajudar a guiá-lo para seus lugares favoritos.

Jacob se banqueteou ansiosamente com a vagina saturada de Karen como se fosse um pêssego maduro da Geórgia... os ruídos de sucção que ele fazia eram absolutamente obscenos. Querendo impressionar sua mãe, ele usou todos os truques e técnicas que lhe foram ensinados por sua irmã mais velha. Ao ouvir os gemidos e arrulhos contínuos de sua mãe, ele sentiu gratidão por Rachel por ter sido uma grande mestre Jedi. Parando seu ataque oral por um segundo, Jacob abriu os lábios vaginais de Karen para olhar e admirar o interior de seu canal de parto - o mesmo buraco sexy de onde Rachel e ele haviam saído anos atrás.

O clitóris endurecido de Karen parecia um fio elétrico quando Jacob retomou seu ataque oral. A mãe superestimulada revirou os quadris e deslizou os pés com meias de seda para frente e para trás ao longo do edredom, enquanto a boca faminta de seu filho adolescente a aproximava cada vez mais de seu primeiro clímax da noite.

De repente, Karen apertou com mais força o cabelo castanho e macio de Jacob e puxou o rosto dele para mais perto de sua virilha. Em um sussurro rouco, ela começou a entoar, "Sim...sim... SIMMM!!! " Ao mesmo tempo, Karen prendeu suas coxas sedosas nas orelhas de Jacob, apertando sua cabeça balançando em um aperto mortal.

Jacob logo descobriu que estava sendo sufocado com a doce buceta de Karen e estava com dificuldade para respirar, mas estava determinado a levar sua mãe ao limite. Ele atacou a vagina trêmula de Karen com um fervor determinado e intenso, fazendo com que sua virilha e quadris se contorcessem ainda mais.

Karen estava prestes a estourar. Ela se inclinou para a frente, juntou a mão esquerda com a direita e cravou as unhas no couro cabeludo de Jacob. A mãe de meia-idade fechou os olhos e começou a reclamar: "Oh! Oh, Jake! Sim! Bem ali... bem ali! Oh, querida, você vai me fazer... Oh sim! Bem ali... bem ali... bem ali!!! Hhhhnnnnnngh!!!! "

Na tentativa de ficar quieta, Karen desesperadamente virou a cabeça para o lado e mordeu a fronha enquanto todo o seu corpo convulsionava em um violento orgasmo. Suas costas se arquearam e seus quadris girando levantaram para fora da cama enquanto ela se espalhava por toda a língua de seu filho.

Momentos depois, Karen estava deitada de costas com os olhos fechados, as pernas com meias abertas ao acaso na cama, enquanto contemplava o que acabara de acontecer. Por causa do álcool e dos hormônios descontrolados que percorriam seu sistema, a mãe outrora conservadora cruzou mais um limite sexual inapropriado com seu filho. Karen não conseguia decidir o que a fazia se sentir mais culpada... o fato de ter permitido que Jacob fizesse sexo oral nela, ou o fato de ter gostado tanto. Ela presumiu que Melissa provavelmente estava ensinando sorrateiramente ao filho como fazer aquele ato sexual paralelo. No entanto, Karen mal sabia, mas a Sra. Turner não tinha nada a ver com a nova habilidade de Jacob... sua própria filha Rachel merecia todo o crédito por essa conquista.

"Então, mãe?" Jacob perguntou, enquanto engatinhava ao lado de sua mãe. "Como foi?"

Karen abriu os olhos e olhou para Jacob, e não pôde deixar de rir da condição do rosto sorridente de seu filho. Sua boca e queixo estavam cobertos com um brilho brilhante de seu suco de menina brilhante. Usando o polegar para limpar um pouco da gosma de seus lábios, ela sorriu, "Eu não acho que você precise de mim para responder a sua pergunta, a fim de descobrir isso !"

Jacob se agachou e insistiu, "Foi melhor do que você se lembrava, pelo menos? Com ​​o papai, quero dizer?"

O sorriso sumiu do rosto de Karen. Sentando-se, ela respondeu: "Essa pergunta... eu me recuso a responder."

"Então eu vou tomar isso como um 'sim'." Jacob disse, seu rosto agora brilhando de orgulho.

Karen suspirou e balançou a cabeça desconcertada. Levantando-se da cama, ela comentou: "Jake... já tivemos essa discussão antes. Por que você continua me perguntando sobre essas coisas?"

Jacob encolheu os ombros. "Eu não sei... apenas curiosidade, eu acho."

Karen colocou as mãos nos quadris e respondeu severamente: "Bem, você precisa parar com isso."

"Ok, mãe." Jacob respondeu, olhando para sua linda mãe. Ela agora estava nua, exceto por seu sutiã preto e meias de seda com acabamento em liga. Percebendo que a dor em seus órgãos genitais estava piorando, ele começou a acariciar seu pênis dolorido enquanto, ao mesmo tempo, apreciava a revelação incrivelmente sexy diante dele.

Karen observou distraída enquanto a mão de Jacob deslizava lentamente para cima e para baixo no eixo rígido e cheio de veias de seu longo pênis. Ela olhou, hipnotizada por sua ereção terrivelmente intimidante e testículos fortemente inchados. Karen estava nervosa e animada com a perspectiva de mais uma vez levar a imensa masculinidade de seu filho para dentro dela. Sua boceta careca estremeceu em antecipação ansiosa, enquanto mais e mais de seu lubrificante natural vazava de seus formigantes lábios vaginais. "Entendo, você ainda precisa da minha ajuda?" Ela timidamente perguntou.

Jacob assentiu, "Sim, senhora... definitivamente! Está começando a doer muito, de novo."

Karen pegou uma das camisinhas de Jacob no criado-mudo. "Bem, então é melhor vestirmos você." Rastejando na cama de joelhos, ela acrescentou: "Não temos a noite toda... e preciso voltar para o seu pai, caso ele acorde."

Momentos depois, mãe e filho estavam deitados na cama de Jacob, tendo assumido sua posição padrão de acasalamento de cowgirl. Jacob sentou-se encostado na cabeceira da cama, com as mãos segurando os quadris subindo e descendo de sua mãe. Karen estava montada nas pernas magras de Jacob, sua vagina cheia ao máximo com o pau adolescente duro como pedra, coberto de camisinha.

"Nnnnnnggggggghhhhhhh!!!" Karen gemeu com os dentes cerrados, ao atingir o clímax mais uma vez. Ela estava tentando ficar o mais quieta possível, sabendo que seu marido adormecido estava apenas a uma parede fina do outro lado da suíte adjacente. Apertando seu aperto na sólida cabeceira de mogno enquanto seu último orgasmo percorria seu corpo trêmulo, jatos de leite materno de Karen logo foram expelidos de seus mamilos endurecidos e no tecido macio de seu novo sutiã rendado.

Recuperando o fôlego, Karen olhou para Jacob. "Você já está... perto?" Uma gota de suor caiu de sua testa, caindo no estômago de seu filho.

Jacob respondeu: "Não, ainda não. Sabe, mãe, eu provavelmente terminaria muito mais rápido se fôssemos sem a camisinha."

Sentando-se ereta, Karen balançou a cabeça e olhou o filho nos olhos, "Não, Jake... agora não é uma boa hora." A sugestão de seu filho trouxe de volta à mente o aviso de Brenda sobre as pílulas de Midoxinol e o uso de preservativos. Karen esperava não ter que elaborar mais sobre seu status de ciclo mensal para Jacob e por que ainda não era seguro (mesmo que ambos quisessem fazê-lo sem sela).

Jacob tentou balançar os quadris para que os saltos de Karen em seu pau latejante continuassem. "Mas mãe, eu realmente preciso terminar... quanto mais perto eu chego, mais dói!"

Karen começou a girar e combinar os movimentos de Jacob novamente. Mesmo depois de ter tido três orgasmos, seu corpo (influenciado tanto pelo álcool quanto pelos hormônios) ainda ansiava por mais. Pensando rapidamente, a mãe excitada colocou a mão nas costas e começou a desabotoar o sutiã desgastado. Lembrando o quanto seu filho gostava de seus seios grandes, ela perguntou a ele: "Querido, talvez isso ajude a estimulá-lo?"

Os olhos de Jacob se arregalaram assim que Karen removeu a vestimenta restritiva, e suas magníficas mamas saltaram para fora e saltaram à vista. "Ah, sim ! " Jacob sussurrou, segurando os seios de sua mãe enquanto os segurava gentilmente e sentia seu peso firme e sólido. "Você tem seios tão grandes, mãe!"

" Linguagem , meu jovem!" Karen o repreendeu suavemente enquanto deixava cair o sutiã na cama ao lado deles. Agora, a esposa e mãe anteriormente restrita estava reduzida a apenas suas meias de seda na altura da coxa, anel de noivado brilhante e aliança de casamento.

"Desculpe, mãe, mas estou simplesmente apaixonada pelos seus seios!" Jacob professou em desculpas. Ele então se inclinou e beijou um mamilo rosa, coletando uma pequena gota do doce e cremoso leite materno de Karen que pendia sedutoramente de sua teta.

"Obrigada pelo elogio, querida..." Karen respondeu. O toque dos lábios de Jacob em sua protuberância sensível estava causando arrepios em suas costas e causando espasmos em sua vagina e apertando mais forte em torno do eixo latejante de seu filho. Então, do nada, Karen perguntou: "Mas não seria muito melhor se meus seios fossem um pouco menores e mais empinados... como os da Sra. Turner, ou talvez os de sua tia Brenda?"

Jacob olhou para os deliciosos melões de sua mãe, que transbordavam em suas mãos jovens. Ele balançou a cabeça enfaticamente e respondeu: "De jeito nenhum, mãe! Eu não mudaria nada." Ele então olhou para os olhos calorosos e castanhos de sua mãe e acrescentou: "Eles são perfeitos ... assim como tudo em você. Só espero que um dia tenha a sorte de encontrar e me casar com uma mulher apenas como você!" O adolescente apaixonado por MILF mais uma vez pegou um dos mamilos rígidos de Karen em sua boca e começou a sugá-lo como um bebê faminto.

" Ohhhhhh! " Karen engasgou, e instintivamente segurou a parte de trás da cabeça de Jacob. As deliciosas sensações que emanavam de seus seios irradiavam-se até sua boceta careca.

Karen não pôde deixar de sorrir com a doce confissão de Jacob, que aqueceu imensamente seu coração. Não tenho certeza se era por causa do vinho, dos hormônios, de seu amor maternal incondicional ou de uma estranha combinação de todas essas coisas, mas quando a mãe embriagada, sexualmente reprimida e nostálgica observou seu homenzinho mamando em seus seios, ela de repente sentiu uma sensação de emoção avassaladora e crescente.

Karen se afastou, fazendo com que seu seio saísse da boca do filho. Ela então colocou o dedo indicador sob o queixo de Jacob e inclinou a cabeça dele para cima na direção dela. Vendo a confusão em seus olhos suaves e castanhos, Karen então se inclinou e pressionou seus lábios carnudos pintados de carmesim contra os dele.

Depois de vários segundos prolongados de seu intenso e profano beijo mãe-filho, eles finalmente se afastaram um do outro. Jacob, ainda um pouco chocado, perguntou: "Mãe? Achei que você tinha dito que fazer isso era inapropriado?"

Karen sorriu timidamente e respondeu com uma leve risada: "Oh, definitivamente é." Correndo os dedos pelo cabelo castanho de Jacob, ela continuou, "Mas, eu meio que achei que estaria tudo bem desta vez... contanto que 'O que acontece em Atlanta... fique em Atlanta'." Ela então bateu na ponta do nariz de Jacob de brincadeira com o dedo indicador. " Boop! Concordou?"

Jacob deslizou os braços ao redor de Karen e passou as mãos para cima e para baixo em suas costas suadas e sedosas. "Sim, senhora... concorda! " Um grande sorriso se espalhou em seu rosto enquanto ele encarava os olhos castanhos de sua mãe, e viu um brilho travesso de menina que ele nunca tinha visto antes.

Nos minutos seguintes, a dupla de mãe e filho se beijou loucamente como um casal de adolescentes excitados na noite do baile, agitando as pontas de suas línguas enquanto lutavam juntos. Karen ficou bastante impressionada com o talento natural de Jacob para beijar e usar sua língua, enredando-se com a dela como cobras duelando dentro de sua boca. Mal sabia ela, mas seu filho inteligente também estava aprimorando essas habilidades praticando-as com sua amorosa e prestativa irmã mais velha, Rachel.

Logo, Karen estava montando o pênis de Jacob enquanto chupava simultaneamente sua boca e língua. O gosto de si mesma nos lábios de seu filho e o deslizar escorregadio de suas línguas retorcidas enquanto eles tremulavam um contra o outro só serviram para aumentar sua excitação, trazendo-a mais perto de outro orgasmo.

A emoção de finalmente beijar sua linda mãe foi demais para Jacob também. Foi emocionante ter alcançado um novo objetivo, mas melhor ainda, ele não precisou perguntar... Karen instigou seu ato pecaminoso e cruzou outro limite por conta própria. A maldade de tudo isso levou o adolescente a continuar, e ele podia sentir seus testículos doloridos prestes a transbordar e encher a primeira camisinha com sua terceira carga da noite.

Ao se aproximar de seu próprio clímax, Karen se afastou de Jacob e sentou-se ereta, então começou a pular freneticamente em seu filho. Mantendo-se o mais quieta possível durante o acúmulo de sua euforia extática, Karen não conseguiu mais se conter. Finalmente, ela exclamou em um sussurro choroso, "Ungh... ungh! Jake! Ungh!! Está... está... acontecendo... agggaiiinnnn!!! "

Jacob assistiu com admiração como Karen atingiu o auge de seu orgasmo iminente. Seus seios grandes que estavam a apenas alguns centímetros de seu rosto, giravam descontroladamente em círculos largos em seu peito em direções opostas. Agarrando seus úberes cheios de leite, Jacob agarrou um de seus mamilos de borracha, bem a tempo de sua boca ser inundada com o doce e cremoso leite materno de sua mãe. Karen jogou a cabeça para trás e involuntariamente gritou de alegria quando o auge de seu orgasmo se intensificou.

" HHHHHMMMMMMMMM!!!!! " Jacob gemeu no seio macio de Karen, as paredes musculares de seu apertado canal vaginal apertando com força toda a extensão de seu eixo. A sensação requintada de sua buceta pulsando em espasmos em seu pênis fez com que suas comportas finalmente se abrissem, aliviando um pouco da terrível dor em seus testículos inchados. Chegando ao ápice de seu clímax perfeitamente cronometrado, a dupla mãe-filho se afogou nas profundezas inundadas de sua depravação. Em uma troca profana de fluidos, Jacob bebeu o leite materno de sua mãe com o qual Karen continuou inundando sua boca, enquanto ao mesmo tempo seu pau dolorido enchia a camisinha com sua semente masculina grossa e viril... a fina camada de látex sendo a única barreira ao seu igual cumprimento.

Cansada e suada, Karen se inclinou para a frente, apoiando os antebraços no topo da cabeceira da cama depois de finalmente alcançar a onda de sua felicidade orgástica. Enquanto ela recuperava o fôlego, Jacob continuou a mamar em seu seio, desejando as últimas gotas de seu leite quente e nutritivo. Uma vez satisfeito, soltou o peito de sua mãe e recostou-se na cabeceira da cama. Uma pequena gota do creme para os seios de Karen escorreu de seus mamilos endurecidos e pousou no peito de Jacob. "Isso foi incrível! Obrigado, mãe."

"De nada, querida..." Karen engasgou, caindo exausta no colchão ao lado de seu filho. Deitada de costas com os olhos fechados, ela suspirou enquanto voltava para a terra de seu alto orgasmo. Voltando à consciência alguns momentos depois, ela murmurou: "Espero que isso funcione."

Jacob rolou para fora da cama, arrancando sua camisinha ridiculamente cheia de sêmen. Deixando cair a bainha usada ao acaso no chão, ela pousou ao lado de um dos sapatos de salto agulha descartados de sua mãe. Seu conteúdo viscoso acabou derramando na calcinha de Karen, que havia caído do colchão e no tapete de pelúcia ao lado de seus saltos altos. Pegando a segunda camisinha fechada da mesa de cabeceira, Jacob respondeu com naturalidade: "Receio que não, mãe..."

Karen abriu os olhos e sentou-se para encontrar Jacob abrindo um novo pacote de preservativos. "Ó meu Deus!" ela comentou, olhando para a abominação nua e roxa que se projetava da virilha de seu filho. Enquanto ela observava seu filho rolando o novo profilático no comprimento de seu monstro ameaçador de um olho só, a mãe obediente lembrou o que Brenda havia dito - que esta noite poderia acabar sendo longa para ela. Agora, Karen meio que desejava que Brenda pudesse estar lá com ela, para que ela pudesse ajudá-la a subjugar a monstruosidade arrebatadora de Jacob. De repente, a ideia de sua irmã mais nova de que eles formavam dupla dupla com o descontrolado saqueador de bucetas de seu adolescente não parecia tão pecaminoso ou desagradável.

Com seu pênis devidamente embainhado novamente, Jacob se aproximou da cama e anunciou descaradamente: "Ok, mãe... pronto para a segunda rodada?"

Karen zombou fracamente, então respondeu, "Meu Deus, Jake... você acha que talvez possamos tomar um fôlego?" Os efeitos prolongados do vinho do jantar, os hormônios e seus recentes esforços sexuais fizeram com que ela se sentisse ainda mais tonta.

Jacob subiu na cama e rebateu, "Mas mãe... antes você disse que queria se apressar e terminar de me aliviar, para que pudesse voltar para o papai antes que ele acordasse."

Ficando de joelhos, Karen respondeu: "Você está certo... eu disse isso." Devido à névoa induzida quimicamente que envolveu seu cérebro, ela quase esqueceu que Robert estava na sala ao lado.

Jacob guiou e posicionou Karen, pegando sua mão e puxando-a do centro da cama, "Além disso, já que você tem feito todo o trabalho até agora, eu não sinto que preciso de uma pausa. Então, que tal Eu assumo?"

Momentos depois, Karen se viu parada na beirada do colchão, com a cintura dobrada e os antebraços apoiados na cama, de frente para a porta comunicante que dividia as duas suítes. Jacob se posicionou atrás dela, abrindo suas pernas com o pé para colocá-las na largura certa e fazendo com que seus seios pendurados balançassem suavemente para frente e para trás. Os mamilos de Karen roçaram dolorosamente no tecido embaixo dela, enquanto novas gotas de leite caíam de seus mamilos distendidos, manchando o edredom abaixo.

Levantando-se atrás de sua mãe, Jacob levou alguns segundos para admirar a visão de sua bunda nua e como seus quadris se afunilavam sedutoramente em suas costas femininas, suadas e curvas. Isso o lembrou calorosamente de seu primeiro encontro atrevido na lavanderia que agora parecia ter sido há muito tempo, quando ele explodiu suas entranhas sem sela. Sem aviso, Jacob deu um tapa na nádega direita de Karen. Cativado pela ondulação de sua carne flexível, ele a golpeou novamente, fazendo sua mãe ofegar. " Ahhh! "

Relembrando um certo desafio de mídia social que ele viu recentemente, Jacob empurrou a parte inferior das costas de sua mãe e ordenou: "Mãe... vou precisar que você abaixe um pouco." Karen obedeceu abrindo mais os joelhos e abaixando a cintura até a altura do filho. Incapaz de resistir à incrível visão de seu traseiro sensualmente oferecido e virado para cima, Jacob bateu nele uma terceira vez, só que desta vez, mais forte. O som alto e estrondoso reverberou por todo o quarto do hotel.

Karen imediatamente reagiu, " Ai!! " Ela então olhou para trás por cima do ombro e reclamou, "Cuidado, Jake... não seja tão rude!"

Alinhando a ponta de seu pênis coberto de camisinha com a abertura apertada da boceta de Karen, Jacob respondeu impetuosamente: "Não posso evitar, mãe... você tem uma... linda... bunda!!! " Ele então agarrou os quadris largos e férteis de sua mãe e jogou sua pélvis para frente em um impulso sem cerimônia.

"Assista ao langu AAAAGE!!!" Karen gritou, com os olhos esbugalhados em uma mistura de dor e prazer. Sem avisar, Jacob deslizou as bolas de seu pênis profundamente nela em um golpe poderoso, tirando o ar de seu peito. Logo, parecia que sua lança carnuda estava literalmente cutucando seu estômago. Karen abaixou a cabeça em submissão e arqueou as costas, gemendo: "Ohhhh meu ... é tão deeeeeppp !! "

Sem perder tempo, Jacob começou a enfiar avidamente seu pênis dentro e fora da boceta dócil de Karen, empurrando-a para a beira da cama. Ele ficou instantaneamente hipnotizado pela maneira como as nádegas arredondadas de sua mãe tremiam cada vez que sua virilha latejante fazia contato e batia contra a carne macia e flexível de sua bunda.

As mãos de Karen agarraram o edredom enquanto ela se preparava para cada impacto, seus seios grandes balançando pesadamente sob ela apenas alguns centímetros acima do cobertor. A mãe, que gemia desenfreadamente, gritava de alegria quando cada mergulho do pau surpreendentemente saqueador de seu filho obstruía os limites apertados de seu buraco de mamãe com tesão. Em pouco tempo, seus braços cansados ​​cederam e ela os estendeu para a outra ponta da cama, esmagando seus peitos enormes no colchão.

Com o tempo, os gemidos de Karen tornaram-se gritos altos enquanto ela viajava para outro orgasmo devastador. Entre seus impulsos ansiosos e gemidos guturais, Jacob a avisou: "Cuidado, mãe! Ugh! Você não... ugh! Quer acordar... ugh! Pai... quer? "

Karen arqueou as costas e ergueu a cabeça, olhando com nova preocupação para a porta trancada que dava para a suíte conjugada. Lembrando que seu marido adormecido estava a apenas alguns metros de distância, do outro lado, sentimentos renovados de culpa e ansiedade começaram a borbulhar dentro da esposa amorosa. Mordendo o lábio na tentativa de ficar quieta, ela olhou por cima do ombro para o filho e com as sobrancelhas franzidas, balançou a cabeça em resposta.

À medida que a pressão dolorosa dentro de seu saco de nozes crescente começou a aumentar, a necessidade urgente de Jacob de terminar tornou-se primordial novamente. "Mãe!" ele grunhiu entre as estocadas, "Dói... eu realmente preciso... gozar!!" Apertando o aperto nos quadris largos e largos de sua mãe, Jacob imediatamente aumentou a intensidade de suas estocadas enquanto Karen apertava as paredes musculosas de sua boceta ao redor de seu pênis em resposta. Logo, a fricção primorosa e o ritmo de seus órgãos genitais em cópula aumentaram e o som lascivo de pele batendo na pele de repente encheu o ar. "Estou... chegando perto! "

Karen não pôde deixar de choramingar com as batidas incríveis que estava recebendo. Seus braços cansados ​​cederam e ela se abaixou sobre os antebraços, deixando cair a cabeça e esmagando os seios no colchão. Sua bunda erguia-se mais alto, forçando seu filho a ficar na ponta dos pés para penetrá-la mais fundo - cavando profundidades em sua boceta que nem mesmo seu marido Robert jamais havia alcançado. Quando Jacob a empurrou para mais perto da beira do penhasco, ela se agarrou com mais força ao edredom e murmurou: "Oh! Oh! Estou... quase... lá ... não pare... por favor ... não 't...pare... Jaaaaaaaaaa—!!!!!!"

Ouvir os choros abafados e melancólicos de sua mãe finalmente disparou o pavio nas bolas descontroladas de Jacob. Apertando os quadris de Karen com mais força, ele jogou a cabeça para trás e sussurrou seu aviso iminente: "Sim, mãe... aí vem... eu... vou... gozar!!! "

Momentos depois, um segundo preservativo usado descartado estava no chão ao lado do primeiro. Jacob quase desmaiou depois de explodi-lo com outra carga de seu esperma, antes de rolar para fora de seu pênis e jogá-lo de lado quando ele caiu ao lado da cama. O conteúdo abundante de ejaculado do profilático se derramou no tapete, aumentando a poça de sêmen quimicamente aprimorado e pegajoso que já se acumulava nos saltos agulha e na calcinha de Karen.

Karen estava deitada de lado perto da beirada da cama, enrolada em posição fetal. Seu corpo tremia levemente e suas pernas suadas e enfraquecidas ainda tremiam, enquanto ela tentava se recuperar de sua última sobrecarga sensorial. Ela temia que pudesse ter acordado Robert, já que quando ela atingiu o clímax no monstro roxo jorrando de Jacob, Karen perdeu todo o controle e gritou o nome de seu filho. Felizmente, a mãe que gozou ainda tinha seu juízo sobre ela apenas o suficiente para morder o edredom, abafando quaisquer outros gritos de paixão e, esperançosamente, limitando o dano. Enquanto ela estava lá ofegante, Karen esperou ansiosamente para ouvir uma batida terrível na porta. No entanto, depois que alguns minutos se passaram e ele nunca veio, ela fez uma pequena oração e agradeceu ao Senhor pelo pequeno favor.

Logo depois, Jacob rastejou até a cama e se posicionou aos pés de Karen. "Mãe? Eu uh... acho que vamos ter que ir... de novo."

Karen virou de costas, seus seios grandes rolando e balançando no peito enquanto ela levava a mão à testa úmida. Várias mechas de seu cabelo castanho escuro grudavam em suas bochechas e se emaranhavam em seu pescoço e rosto suados. Sua maquiagem não estava mais tão imaculada e, ao redor dos olhos, o rímel e o delineador começaram a escorrer. Cobrindo-se com o edredom, ela então exclamou em tom exasperado e perguntou: " De novo? Você só pode estar brincando comigo!"

Jacob acenou com a cabeça em resposta.

Karen mudou seu corpo para onde estava deitada com a cabeça voltada para o pé da cama. Dando uma olhada na ereção nua e ainda latejante de Jacob, ela comentou, "Meu Deus, Jake... Eu já ajudei você a terminar quatro vezes! Isso deveria ter te aliviado um pouco agora, pelo menos." No entanto, ela podia ver que seu enorme pênis ainda estava duro e zangado como sempre, com pré-sêmen já borbulhando e escorrendo de sua ponta profundamente roxa.

Jacob encolheu os ombros, "Sinto muito, mãe... mas não vai cair."

Virando a cabeça para olhar para a porta trancada do quarto adjacente, Karen respondeu: "Jake, querido... está ficando tarde. Eu realmente preciso me limpar e voltar para o seu pai antes que ele acorde. Já estamos forçando perigosamente nossos sorte como ela é."

"Mas mãe..." Jacob choramingou, "Eu nunca vou conseguir dormir esta noite assim." Ele então segurou a grossa e inchada haste de seu pênis e começou a se masturbar corajosamente bem na frente dela.

Mesmo que ela estivesse quase exausta, Karen tinha que admitir... tentar outra vez (como Jacob disse), provavelmente não seria a pior coisa do mundo naquele momento. Afinal, sua respiração contínua do ar infundido com feromônios estava mantendo seu corpo em constante estado de excitação. No entanto, junto com as chances crescentes de serem pegos, havia apenas um outro obstáculo mais sério a enfrentar. Sua reflexão interna rapidamente se acalmou, Karen advertiu: "Querida... há apenas um problema. Caso você tenha esquecido, nós já usamos suas duas camisinhas."

"Vamos, mãe..." Jacob barganhou, a dor e o inchaço em suas virilhas haviam voltado e estavam piorando mais uma vez. "Que tal... eu não vou terminar dentro de você... eu prometo." Colocando a mão sugestivamente em sua perna sedosa e brilhante, o filho sofredor solicitou impetuosamente a Karen, que resistiu rigidamente e ainda permaneceu hesitante. Com desespero na voz, Jacob implorou: "Por favor, mãe... eu realmente preciso da sua ajuda... já está começando a doer de novo. Aquela coisa que você me deu realmente mexeu comigo!"

Karen sentiu outra pontada de culpa ao olhar nos olhos agonizantes de cachorrinho de seu filho. Ela lembrou novamente que tinha sido quase inteiramente culpa dela (com uma pequena ajuda de Robert) que Jacob estava nesta situação atual. Mesmo que tivesse sido acidental, o erro de ter dado a ele o remédio errado ainda era dela. Completamente castigada com remorso e esperando se redimir, Karen finalmente aceitou que era seu dever maternal terminar de aliviar o sofrimento de seu filho... não importa o risco.

Ver o olhar de tormento no rosto de seu bebê enviou Karen de volta ao modo mamãe. Afastando o edredom de seu corpo nu, ela sussurrou suavemente: "Está tudo bem, bebê..." Karen abriu lentamente suas belas e longas pernas, ainda vestidas com suas meias sensuais, como um convite aberto. "A mamãe está aqui... vou fazer tudo ficar melhor." Ela então silenciosamente ofereceu outra oração, esperando que seu marido bêbado permanecesse dormindo pelo resto da noite (ou pelo menos até que sua tarefa fosse concluída)... e que seu filho se lembrasse de sair.

Jacob prontamente rastejou de joelhos para o meio das pernas amplamente abertas de sua mãe. Seu pênis agora nu balançava excitadamente para frente e para trás como um míssil raivoso em busca de calor, ansioso para mais uma vez invadir o alvo de Karen. Karen segurou a poderosa arma de seu filho com a mão esquerda, com a intenção de guiar seu monstro nu de volta ao limiar acolhedor de seu buraco proibido. O ouro e os diamantes de suas alianças brilhavam na luz suave do quarto, mas Karen mal os notou. Sua atenção estava focada apenas em pressionar a ponta babada da glande de seu filho contra sua entrada encharcada e molhada. Preparando-se para a invasão que se aproximava, ela advertiu suavemente: "Apenas lembre-se de Jake ... você tem que puxar ooouuuuttttt!!"Karen estremeceu quando Jacob avidamente empurrou para frente, e a cabeça de seu pau grosso e desembainhado mais uma vez penetrou em sua abertura apertada.

" Unghhhhhhhhh!!! " Mãe e filho gemeram juntos em uníssono, enquanto Jacob empurrava cada vez mais fundo na vagina recém-depilada de sua mãe, revestindo seu eixo novamente com o lubrificante de seu suco de amor. Centímetro por centímetro, seu falo sondava dentro dela, saboreando a sensação requintada de sua união sem sela e o aperto de pele contra pele que as paredes vaginais de Karen tinham em seu pau. Uma vez que seu monstro finalmente alcançou seu centro quente e cremoso, Karen caiu para trás e deitou com a cabeça para trás no colchão, seus olhos tremulando enquanto ela sussurrava para o teto em adulação, "Oh meu... é... é assim. .. biiiiggggg! "

"Mãe!" Jacob exclamou, de repente: "Você precisa ver isso!"

Com a curiosidade aguçada, Karen ergueu a cabeça e espiou pelo vale entre os seios, até o estômago. Ela engasgou em choque quando viu o contorno inconfundível do pau lascivo grande de Jacob protuberante em seu monte vaginal todo o caminho até sua barriga macia. "Oh meu Senhor! Qual é a sua coisa ... fazendopara mim?" A mãe perplexa não conseguia entender como uma visão tão horrivelmente obscena poderia trazer sentimentos tão distorcidos de admiração e uma emoção perversa de excitação. união pecaminosa e a prova evidente de seu acoplamento imoralmente cru. O pênis nu e furiosamente inchado de Jacob estava enchendo completamente todo o comprimento do canal do parto de Karen, como se a punisse por sua loucura involuntária e equivocada. e empurrando todo o caminho até a entrada de seu útero.

Jacob começou lentamente, serrando seus quadris para frente e para trás, certificando-se de deslizar toda a extensão de sua masculinidade nua para dentro e para fora da boceta saturada de Karen. Em pouco tempo, ele encontrou um bom ritmo constante, grunhindo seu prazer em seu acoplamento apertado e nu entre as bombas. "Ah sim, mãe... isso é muito melhor... ugh ... sem a camisinha!" Depois de mais alguns mergulhos amorosos, os seios desenfreados de Karen começaram a se debater em círculos em seu peito. "Caramba, mãe! Não tenho certeza... ugh ... de qual eu gosto mais. Sua... boceta apertada... ugh ... ou seus... seios grandes... lindos ! "

Os olhos de Karen se arregalaram, "Jake! O que eu te disse sobre... oooohhhhhh!!! " Naquele momento, Jacob aumentou seu ritmo e começou a empurrar mais e mais rápido em sua mãe. Em vez de continuar com sua reprimenda, Karen estendeu a mão atrás dos joelhos e abriu ainda mais as pernas, criando uma sela mais larga para seu jovem garanhão resistir. A excitada e entorpecida mãe havia perdido toda a linha de pensamento, focada como estava agora em acomodar a agressão implacável de seu filho. Uma vez que ela se lembrou de sua reprimenda, Karen percebeu que era inútil trazer de volta... mas eles teriam que discutir sua linguagem colorida em outro momento.

Nos minutos seguintes, Jacob continuamente empurrou sua masculinidade dolorida, empurrando-a para dentro e para fora da boceta molhada de Karen com um abandono implacável. Seus quadris magros subiam e desciam com a precisão de uma máquina, enquanto suas bolas pesadamente carregadas balançavam no ritmo de suas estocadas. Ele já podia senti-los preparando seu próximo lote grosso de nadadores, enquanto a dor em suas bolas retornava lentamente. Desejando adiar o inevitável, o adolescente excitado enterrou o rosto em um dos seios macios de sua mãe, chupando alegremente um de seus mamilos de borracha.

aren continuou segurando suas longas pernas abertas para Jacob enquanto seu pênis nu avançava para ela. Ela tentou o seu melhor, mas não conseguiu silenciar todos os gritos e gritos que escapavam de sua boca cada vez que seu filho determinado batia no fundo. Ela já podia se sentir escorregando de novo, enquanto outra onda de euforia extática começava a crescer dentro dela.

Como a quantidade bizarra de sêmen agitando em suas bolas continuou a crescer, a dor dentro dos testículos aumentados de Jacob finalmente se tornou insuportável. Ele se levantou e colocou as mãos na parte de trás das coxas cobertas de meias de Karen, sua meia de seda preta agora rolando um pouco para baixo em suas pernas suadas. Empurrando para frente, Jacob dobrou sua mãe praticante de ioga quase ao meio, onde seus joelhos quase tocavam seus ombros. A mãe chocada exclamou: "Jake!! O que você está fazendo??"

"Desculpe, mãe..." Jacob respondeu, segurando a meia que ainda cobria as panturrilhas de Karen enquanto seus quadris disparavam, "Mas eu preciso... terminar !!! " vagina em submissão com todo o comprimento de seu pênis. A estrutura da cama logo começou a ranger em protesto quando sua cabeceira começou a bater ruidosamente contra a parede.

"Ohhh meu... Gaaaaa!! " Karen exclamou, agarrando o edredom ao lado do corpo com as duas mãos na tentativa de se equilibrar. Em todos os anos de casamento, ela e Robert nunca haviam tentado essa posição. A dona de casa moral e conservadora sempre achou isso extremamente vulgar — e a prática grosseira de libertinos pecadores. No entanto, agora, enquanto Jacob saqueava suas entranhas e devastava as profundezas de sua feminilidade, ela não podia deixar de achar as sensações que estava sentindo imprudentemente intrigantes. Devido ao ângulo estranho, o pau de seu filho agora estava alcançando áreas ainda mais intocadas no fundo de sua boceta casada.

Com a intensa onda de seu iminente tsunami crescendo mais rápido, Karen perguntou, entre gemidos, "Jake? Ungh! Talvez você... ungh ...deva desacelerar... UNGH!! Só... um pouco?" Ela estava começando a se preocupar que as coisas pudessem sair do controle e seu filho se esquecesse de sair de sua vagina antes de ejacular.

No entanto, Jacob não diminuiu a velocidade nem ergueu os olhos do corpo contorcido de Karen - sua atenção estava focada na visão erótica de sua união. Enquanto ele continuava a bater em sua mãe, ele observou fascinado enquanto toda a extensão de sua vara gordurosa deslizava para dentro e para fora do buraco dela. Os sucos de amor feminino que a vagina de Karen entregava a ele estavam sendo batidos como manteiga em uma espuma cremosa e branca, reunindo-se em um anel de seus fluidos combinados na base de seu pênis. A maldade de sua junção imoral mais uma vez acendeu o curto pavio queimando rapidamente em suas bolas, ameaçando desencadear outra explosão massiva.

"Eu não posso , mãe!" Jacob respondeu, agora em tom desesperado. Plantando seu pé direito contra a cabeceira atrás dele, ele o usou como alavanca quando começou a foder violentamente seu pênis em sua mãe. "Eu tenho que gozar!! " A luz anterior da cabeceira batendo contra a parede agora havia progredido para um baque forte e alto (que certamente poderia ser ouvido em todas as suítes próximas).

"Cuidado, Jake! Você... você vai acordar seu... Oh meu Deus!! " Karen gritou, enquanto o pênis de seu filho se esfregava ao longo do teto dolorido de sua boceta. O contato com seu ponto G arranhou uma coceira há muito negligenciada dentro dela e acendeu cada terminação nervosa em seu corpo como uma árvore de Natal.

"Oh! Ungh! Oh!" Karen choramingou, estendendo a mão por cima da cabeça para agarrar uma cabeceira que não estava lá. Em vez disso, agarrando os lençóis da cama com um aperto de morte, ela puxou a roupa de cama ajustada dos cantos do colchão e se segurou para salvar sua vida.

Enquanto isso, na sala contígua, Robert foi parcialmente acordado por um som surdo e surdo. Em seu estado de embriaguez, ele presumiu que Karen dormia profundamente e inocentemente ao lado dele e que os ruídos que ouvia vinham dos jovens recém-casados ​​na suíte de lua de mel ao lado. Tonto demais para levantar a cabeça do travesseiro, o marido bêbado sussurrou no escuro: "Vá em frente, meu jovem!" Ele então voltou a dormir com um sorriso bobo no rosto e voltou a roncar.

De volta à sala de devassidão luxuriosa e desenfreada entre mãe e filho, Jacob podia sentir suas nozes grelhadas prestes a transbordar. Quando seu pênis começou a inchar, ele olhou nos olhos castanhos de Karen e murmurou: "Mãe... estou quase... lá! Oh, Deus! Isso... dói... tanto ! "

Como seu filho, Karen também estava no fio da navalha. Seu corpo inteiro zumbia, enquanto outro orgasmo abrangente estava prestes a ser desencadeado nela. Sem saber se era um momento seguro do mês para ela ou não, Karen se rendeu ao momento e jogou a cautela ao vento. Ela sabia que estava rolando os dados novamente e arriscando perigosamente a sorte com seu ciclo, mas seu julgamento nublado já havia sido comprometido naquela noite por uma combinação perversa de vinho, hormônios e a culpa de ter drogado Jacob por engano. Agora, (sem o conhecimento de Karen), os efeitos das pílulas anticoncepcionais experimentais de Brenda foram levados em consideração, alimentando um anseio feminino na longa mãe reprimida sexualmente. Não ajudou que, naquele momento, Karen se lembrasse da inveja que sentira no dia anterior,

Karen soltou seu aperto desesperado nos lençóis, então estendeu a mão e colocou as mãos nos ombros magros de Jacob. Com uma voz trêmula, ela respondeu: "Apenas deixe para lá, querido... está tudo bem... você pode fazer isso... dentro de... MommmmYYYYYYYY!!!!! " Abaixando as mãos até a parte inferior das costas dele logo acima de sua bunda magra e empinada, Karen fechou os olhos enquanto cravava as unhas na pele de Jacob. Ela mordeu o lábio e gemeu como um animal ferido quando as primeiras ondas climáticas de sua última tempestade estrondosa a inundaram.

Os espasmos dentro da apertada vagina de Karen vibrando no eixo de seu pênis finalmente enviaram Jacob ao limite. "Oh, Mooommmmmm!!!! Aqui está... engraçadinhas!!!! " ele berrou, seu mijo beijando o colo do útero de Karen enquanto a carga massivamente espessa agitando-se de suas bolas formigava em seu eixo e irrompia da glande de seu pênis ímpio.

Os olhos de Karen imediatamente se abriram quando jorro após jorro de esperma quente e pegajoso explodiu nas profundezas de seu interior. Parecia que alguém havia ligado uma mangueira de incêndio em seu útero, provocando um orgasmo entorpecente após o outro. A intensidade de seu clímax foi tão grande que ela puxou Jacob para seu corpo trêmulo, suas bocas unidas inexoravelmente em um beijo selador de pacto enquanto eles mais uma vez lutavam com suas línguas escorregadias. Ela então envolveu os braços e as pernas firmemente como uma aranha ao redor do adolescente magro, em uma tentativa de manter algum senso de realidade.

Em algum lugar no silêncio quebrado da noite, Karen podia ouvir os gritos desesperados de uma mulher, apenas para finalmente perceber que ela era aquela mulher. No entanto, no momento, ela não se importava se acordasse o marido, todo o hotel... ou metade da cidade de Atlanta, aliás. Ela estava experimentando o que só poderia ser melhor descrito como um êxtase eufórico e extracorpóreo. Seu bebê estava mais uma vez enchendo seu ninho vazio com sua viril semente, e ela estava aceitando tudo de bom grado... a alegria do sentimento de realização enviando-a no caminho para o paraíso. Um impulso competitivo de rivalidade entre irmãos também estava impulsionando Karen, enquanto ela persuadia o filho através de sua ejaculação.

Os ruídos da suíte vizinha mais uma vez despertaram Robert de seu estupor de embriaguez. Deitado no escuro, ele podia ouvir novamente o barulho alto e ritmado de uma cabeceira batendo continuamente contra a parede. Desta vez, no entanto, foi acompanhado por uma mulher gemendo em êxtase absoluto. O pai irritado resmungou: "Meu Deus! " e pegou um travesseiro, enfiando-o sobre a cabeça na tentativa de abafar o barulho incômodo. "Por favor, façam um favor a todos nós dois e façam uma pausa! " Ele então rolou para o lado, resmungando enquanto voltava a dormir e tentando ignorar o ritmo crescente das batidas na cabeceira da cama.

Assim, o marido e pai viciado em bebida dormia alheio enquanto sua esposa e filho se entregavam à devassidão ilícita e incestuosa a uma mera parede fina e a alguns metros de distância. Robert não ouviu os gemidos encorajadores de Karen, nem os gemidos selvagens de Jacob, enquanto sua esposa e filho se envolviam em seu acoplamento mãe-filho perigosamente desprotegido. Ele provavelmente teria morrido de um ataque cardíaco se possuísse visão de raio-X e testemunhasse horrorizado a cena obscena que se desenrolava no quarto ao lado: seu filho Jacob empurrado para dentro dela, seu longo e grosso eixo alinhavado em uma camada brilhante de seus sucos de amor combinados enquanto ela natava em seu pênis, e suas bolas bizarramente grandes batendo lascivamente em suas bochechas onduladas enquanto liberavam sua carga pesada profundamente em sua boceta acolhedora.

*******

Jacob lentamente abriu os olhos, e o cheiro pungente de Karen imediatamente encheu suas narinas. Era uma mistura inebriante e excêntrica de sexo, suor combinado e perfume caro dela. Ele estava deitado do lado esquerdo, envolto nos braços amorosos de sua mãe adormecida. Sua mão direita segurou a parte de trás de sua cabeça, enquanto seu rosto estava enterrado profundamente em seu seio macio e macio. A última coisa que ele conseguia se lembrar da noite anterior era mamar no seio de sua mãe enquanto ela preguiçosamente corria os dedos por seu cabelo castanho desgrenhado. Aparentemente, foi assim que eles adormeceram juntos.

Enquanto ele estava lá com a mão direita descansando no quadril curvilíneo de Karen, Jacob percebeu algo... a dor em seus órgãos genitais havia desaparecido. Não só a dor, mas pela primeira vez desde o jantar da noite anterior, seu pênis tinha esvaziado completamente. As 'vitaminas' de seu pai finalmente saíram de seu sistema... tudo graças à ajuda de sua mãe, é claro. Com o uso de sua boca, mãos e corpo de MILF fantasticamente sensual, a devotada mãe aliviou seu filho um total de seis vezes durante sua longa noite. Ela fodeu seu pênis em total submissão e tomou duas de suas cargas dentro de seu útero antes que ambos finalmente desmaiassem de pura exaustão sexual.

Lembrar-se de sua rodada final de devassidão instantaneamente trouxe um sorriso ao rosto de Jacob. Ele pode ter, de fato, feito algum progresso em direção ao seu objetivo final... o de tirar a virgindade final e proibida de sua mãe. O mero pensamento ameaçou despertar seu pênis adormecido novamente e reacender aquela emoção tentadora da memória recente que agora se repetia em sua mente...

Algumas horas antes, enquanto Jacob estava deitado de costas descansando a cabeça em um travesseiro, Karen estava montada em suas pernas e de costas para ele, embalando os seios nas mãos. A mãe embriagada cavalgava seu filho como uma vaqueira reversa, com Jacob segurando firmemente seus quadris largos e ondulados. Eles estavam envolvidos em sua segunda rodada de sexo desprotegido, tudo na esperança de finalmente tirar as 'vitaminas' do sistema de Jacob. Apesar de diminuir um pouco a resistência de seus esforços exaustivos, tanto a mãe quanto o filho estavam determinados a cumprir sua tarefa. Esta não seria uma sessão de sexo casual, pois ambos cavaram fundo em suas reservas de energia, firmes na esperança de cruzar a linha de chegada e finalmente cumprir sua missão.

Na esperança de manter a situação divertida e aliviar o clima, Jacob de repente deu um tapa na bochecha carnuda e direita de Karen, fazendo-a ofegar em resposta. Ele fez de novo um pouco mais forte, e ela engasgou ainda mais alto. Quando ela não o repreendeu desta vez, ele perguntou: "Sim, mãe ... você gosta disso?" admirando as marcas visíveis que ele deixou em seu bumbum de formato perfeito.

Karen virou a cabeça e olhou por cima do ombro. Com o rosto um tanto vermelho de vergonha, ela mordeu o lábio inferior e acenou com a cabeça em resposta. Ela então se virou, soltando seus seios e permitindo que eles balançassem livremente, antes de colocar as mãos nas canelas de Jacob para se apoiar.

Inclinar-se para frente fez com que os globos arredondados da bunda de Karen se separassem, dando a Jacob uma visão perfeita e desobstruída de sua boceta recém careca. Estava obscenamente esticado ao redor de seu membro inchado e fazia um som gutural de 'sorver' cada vez que a bainha membranosa em sua entrada se agarrava ao comprimento de seu eixo e engolia seu pedaço de carne até o cabo. O mastro inteiro de Jacob brilhava, revestido como estava com sua carga previamente depositada e combinando a manteiga de buceta incessantemente lubrificante de sua mãe.

Foi então que Jacob notou a virgem passagem traseira de sua piedosa mãe. Sua estrela rosa enrugada era imaculada e estritamente fora dos limites, zombando e seduzindo-o com sua proximidade e proibição. Mais do que nunca, ver o orifício proibido de Karen estava fazendo com que a adolescente excitada se tornasse ainda mais determinada a prevalecer e reivindicar aquele prêmio final. Ele estava determinado a finalmente plantar seu mastro de bandeira no fundo da linda bunda de sua mãe e ir aonde nem mesmo seu pai havia ido antes. Nada no mundo o teria agradado mais do que ter o traseiro virgem e moralmente limpo de sua mãe cerrado em seu eixo enquanto ele explodia as profundezas de suas entranhas com sua coragem superquente e quimicamente carregada. Jacob não tinha dúvidas de que seria tão bom quanto (se não o melhor sentimento de todos), resmungar Karen'

Incapaz de resistir à tentação de transformar seu sonho em realidade por mais tempo, Jacob tirou as mãos dos quadris de Karen e as colocou em suas costas úmidas. Recolhendo as gotas de umidade que encontrou ali, Jacob lentamente deslizou a mão pela espinha dela até o traseiro matronal e traçou os dedos ao longo da fenda de sua fenda, juntando um pouco do suor da bunda de Karen até chegar ao seu cu piscante. Usando o que Rachel lhe ensinou, ele usou as pontas de seu polegar e dedo indicador para misturar sua combinação de suor e sucos sexuais e massagear suavemente sua abertura nas costas enrugada.

Jacob notou que Karen havia diminuído a velocidade para onde ela mal estava se movendo, como se ponderasse o que estava acontecendo. Talvez o mais inteligente fosse parar, mas ele persistiu em manipular suavemente o orifício mais íntimo de sua mãe. No entanto, em vez de repreender o filho, a mamãe excitada soltou um gemido baixinho e voltou a pular em direção a outro clímax. Jacob não podia acreditar em sua sorte ... sua mãe normalmente arrogante estava realmente se metendo nisso!

Infelizmente, o sucesso de Jacob duraria pouco. Sentindo-se um pouco confiante demais cedo demais, sua tentativa de deslizar a ponta do dedo pelo esfíncter dela e entrar no pequeno e apertado traseiro de sua mãe foi rapidamente abatida. Sentindo a pressão adicional em sua passagem traseira e adivinhando corretamente suas intenções, Karen rapidamente estendeu a mão para trás e agarrou o pulso de seu filho antes que seu dedo sondador pudesse prosseguir e penetrar em sua fortaleza proibida.

Colocando a mão de Jacob de volta em seu quadril, Karen balançou a cabeça sem nem mesmo olhar para trás e resmungou com autoridade, " Não !! " A mãe embriagada pode ter consumido um bom bocado de vinho no jantar naquela noite... muito.

Sabendo que não deveria tentar de novo... pelo menos por enquanto, Jacob cedeu e enfiou os dedos nos quadris carnudos de Karen, segurando-se pelo resto do passeio divertido. Sua mãe se empalou incansavelmente em sua masculinidade inchada pelos próximos minutos, alcançando mais dois de seus orgasmos de arrepiar os pés antes de tomar a sexta e última carga de Jacob profundamente em sua boceta desleixada e dolorida.

Sorrindo para si mesmo enquanto refletia sobre essas novas lembranças durante as horas cinzentas antes do amanhecer, Jacob ouviu a respiração suave de sua mãe adormecida e deslizou a mão do quadril de Karen até seu traseiro curvilíneo. Com o rosto pressionado contra o peito de sua mãe, ele localizou facilmente um de seus mamilos rosados ​​e agarrou-o com a boca, instantaneamente trazendo à vida sua protuberância de borracha.

Karen gemeu e fez uma careta quando a sensação dolorosa de seus beliscões a tirou de seu sono. Ela afastou a cabeça de Jacob de seu peito e sussurrou, "Rob, querido... tome cuidado... eles estão um pouco doloridos esta manhã." De repente, ela congelou enquanto sua memória retornava lentamente, com pânico se instalando quando ela olhou para baixo e viu o rosto de seu filho.

"Jake? Oh meu Deus!" Karen se levantou, olhou para a janela e viu que as cortinas estavam fechadas. No entanto, alguma luz da manhã já estava vazando em torno de suas bordas no quarto quase escuro. "Q-que horas são?" ela perguntou, enquanto usava as costas da mão para limpar um pouco da baba seca de seus lábios anteriormente pintados de carmesim. A longa noite chupando o pau de seu filho e seus tórridos beijos enquanto fodiam tinha gasto todo o seu batom. O cabelo de Karen estava desgrenhado e seu rosto, anteriormente perfeitamente maquiado, estava de volta à sua beleza nua e natural brilhante... estragado apenas pelas marcas escuras e entremeadas deixadas sob seus olhos e em suas bochechas. Seu rímel e delineador escorreram em seu rosto por causa de todo o suor e lágrimas que ela derramou durante seus espasmos de paixão ao longo de sua provação noturna.

Esticando o pescoço para olhar o relógio no criado-mudo, Jacob respondeu: "São... 6h30, mãe."

"Oh, não... não, não! " Karen gritou, jogando as cobertas para trás e saindo freneticamente da cama. Assim que ela se levantou, grandes bolhas do sêmen grosso de Jacob imediatamente escorreram de seus lábios de boceta arrebatados e correram para baixo no interior de suas coxas nuas. Não havia tempo para ir procurar uma toalha.

Karen rapidamente vestiu o roupão, nem mesmo se preocupando em amarrar a faixa. "Eu não queria dormir... isso é ruim... muito, muito ruim!" ela murmurou, enquanto se apressava ansiosamente pelo quarto para juntar seus sapatos, sutiã, calcinha e meias. Karen não se lembrava de ter tirado a meia de seda de suas pernas. No entanto, lá estavam eles, descartados no chão ao lado da cama e manchados por um pouco do sêmen de Jacob que havia vazado de suas camisinhas usadas e na calcinha dela. Quanto mais a mãe confusa pensava sobre o que aconteceu... mais confusa ela ficava. Muitos dos eventos que aconteceram na noite anterior ainda estavam um pouco confusos, mas uma percepção sinistra estava lentamente voltando à sua memória.

Antes de se virar para sair do quarto, Karen disse a Jacob: "Preciso voltar para o seu pai... só rezo para que ele ainda esteja dormindo."

"Mãe," Jacob gritou em um sussurro alto, "Funcionou."

Karen parou de repente e se virou. "O que?"

"Ontem à noite... funcionou." Jacob repetiu.

Em seu estado de pânico, Karen havia esquecido o principal motivo pelo qual ela estava nua e na cama com seu filho na noite anterior, para começar. Enquanto a névoa nebulosa em torno de seu cérebro fragilizado clareava um pouco mais, ela respondeu: "Você quer dizer... que a dor se foi?"

Jacob sorriu e assentiu. "Sim, senhora... a ereção também... vê?" Ele então puxou as cobertas e expôs seus órgãos genitais agora flácidos.

Karen deu um passo para mais perto do filho para ver melhor. Mesmo na fraca luz da manhã, ela podia dizer que o pênis de Jacob estava de fato murcho. Ela também notou que o leviatã adormecido felizmente voltou à sua coloração normal. "Você se sente melhor?"

Jacob assentiu novamente, "Sim, senhora... muito melhor!"

Karen suspirou de alívio. "Oh, graças a Deus! Podemos conversar mais sobre isso mais tarde, mas por enquanto, eu realmente preciso voltar para o seu pai."

Quando Karen se virou novamente para sair, Jacob perguntou: "Ei, mãe?"

"Sim, bichinho do amor?"

"Eu só quero que você saiba que eu realmente aprecio tudo o que você fez por mim ontem à noite. Você é, sem dúvida , a melhor mãe do mundo inteiro!"

Um grande sorriso se abriu no rosto de Karen. "Awww, Baby..." Ela rapidamente se arrastou de volta para a cama, se inclinou e beijou a testa de seu filho. Com o manto de sua mãe desamarrado, Jacob não pôde deixar de dar uma última olhada em seus sedutores úberes de mãe.

"Apenas saiba disso...eu sempre vou cuidar do meu ursinho aconchegante!" Karen sussurrou, então com sua mão livre bagunçou o cabelo castanho bagunçado de seu filho.

Jacob se encolheu imediatamente com o apelido meloso. Era claramente evidente que eles estavam definitivamente de volta à dinâmica mãe-filho normal. No entanto, como não havia mais ninguém por perto, ele percebeu que sofrer o constrangimento estava bem... especialmente porque sua mãe obediente havia passado a maior parte da noite chupando e fodendo seu monstro descontrolado até a submissão. Ele simplesmente respondeu: "Obrigado, mãe. Te amo."

Endireitando-se, Karen disse: "De nada e eu também te amo, querida." Depois de fechar o roupão, ela acrescentou: "No entanto, faça-me um favor, certifique-se de descartar essas camisinhas e, em seguida, limpe a bagunça aqui da melhor maneira possível..." Enquanto caminhava até a porta, ela acrescentou: "Não queremos arriscar que seu pai venha aqui e encontre qualquer evidência ..." Naquele momento, um chumaço escorregadio do sêmen de Jacob deslizou da bola do tornozelo direito de Karen e driblou seu pé para o chão tapete.

"Não se preocupe, mãe... vou limpar tudo isso..." Jacob então se deitou e se cobriu com o edredom quente e acrescentou: "Depois que eu dormir um pouco mais."

Enquanto ela estava na porta, Karen olhou para trás e disse: "Descanse um pouco ... Vou verificar você novamente em algumas horas." Ela então abriu as portas de comunicação e voltou para a suíte contígua, contorcendo as pernas juntas para não deixar mais rastros das 'evidências' de seu filho.

Karen deu um grande suspiro de alívio quando entrou no quarto e encontrou Robert ainda dormindo. Ao que parece, ele mal se moveu na cama a noite toda. Ela então se esgueirou para o banheiro para tomar um banho muito necessário e se limpar. Ela não ousava subir na cama com o marido enquanto seu corpo ainda cheirava a tabu, sexo extraconjugal e estava coberto com o sêmen seco do filho.

Enquanto ela estava sob o chuveiro, Karen fez o possível para limpar as evidências da maratona de sexo. No entanto, parecia que não importava o quanto ela lavasse entre as pernas, mais e mais ejaculação espessa e xaroposa de Jacob vazava de sua vagina dolorida. No final, Karen finalmente desistiu de tentar apertar os músculos de sua boceta em uma tentativa vã de expelir as cargas aparentemente intermináveis ​​de seu filho de sua boceta e, em vez disso, deixou o resto de seu esperma depositado em seu útero. Mesmo que o controle de natalidade de Brenda, que ela só começou a tomar na sexta-feira, ainda não tivesse feito efeito, Karen calculou que ainda estava dentro do período seguro do mês e, com sorte, não estava ovulando no momento. Antes de sair do chuveiro, o último pensamento de Karen foi fazer uma anotação mental para fazer outro teste de gravidez na próxima semana.

Sentindo-se suficientemente limpa novamente, Karen se secou e vestiu uma regata fina, junto com uma calcinha limpa. Voltando ao quarto, ela verificou se Robert ainda estava dormindo. Vendo que sim, ela pegou o celular da bolsa e o ligou.

Depois de alguns segundos, Karen notou várias mensagens de texto perdidas de sua irmã. Brenda os enviou durante toda a noite, perguntando se Jacob estava bem e se Karen estava 'se divertindo', seguido por uma piscadela e um emoji sorridente de 'diabo' .

Karen balançou a cabeça e riu enquanto respondia: " LOL ... você é horrível, mas Jake está bem. Falo com você amanhã ... te amo! " Depois de colocar o telefone de volta na bolsa, ela atravessou o quarto para a cama. Puxando suavemente as cobertas, Karen deslizou suavemente ao lado de seu marido adormecido.

Quando ela se virou de lado, o solavanco do colchão acordou Robert de seu sono. Ele rolou para encontrar Karen deitada de costas para ele. Sentindo-se um pouco mais sóbrio, o marido grogue se agachou e se aconchegou atrás de sua esposa, passando o braço direito em volta da cintura dela e colocando um peito pesado em seu top justo. Ele sussurrou: "Uau... tivemos uma noite e tanto!"

Normalmente, Karen teria adorado dormir com o marido aconchegado atrás dela enquanto ele segurava seus seios com delicadeza. No entanto, seus seios ainda estavam um pouco doloridos e sensíveis devido à grande atenção que lhes foi dada por seu filho Jacob durante a noite. Ela pegou a mão de Robert, levou-a até a barriga e entrelaçou os dedos nos dele. Rindo nervosamente, Karen respondeu: "Sim ... você pode dizer isso de novo."

Sua voz carregava um tom culpado, uma vez que ela de repente percebeu que acabara de colocar as mãos de seu marido bem acima de seu útero, que ainda agora estava inundado e absolutamente repleto de enxames de esperma nadador de seu filho.

Robert se aninhou mais perto de Karen e beijou a parte de trás do ombro dela. Ele então perguntou: "Então... como foi? Quer dizer, o Viagra funcionou?"

Karen mudou de posição e encarou Robert. "Você... você quer dizer, você não se lembra?"

Depois de alguns segundos, Robert respondeu: "Não... não sei."

Karen sentiu uma onda de alívio invadi-la. "Sério? Você não se lembra de nós voltando para o hotel?"

Robert pensou por um momento, depois balançou a cabeça. "Desculpe, querida... acho que exagerei no uísque. Só me lembro de nós jantando, mas depois disso, nada... tudo é apenas um borrão completo. Peço desculpas se estraguei nossa noite."

"Não, querida", Karen sorriu. "Não se desculpe. Afinal, não é como se você saísse com um antigo colega de faculdade com tanta frequência." Ela então colocou a mão na bochecha dele e continuou: "Além disso, deixe-me dizer uma coisa... você pode não se lembrar, mas se isso faz você se sentir melhor, você fez exatamente o que eu precisava de você ontem à noite. Eu não poderia Não pedi mais nada."

Os olhos de Robert se arregalaram, " Sério? "

Karen acenou com a cabeça e respondeu sugestivamente: "Mmm-hmm... Duvido que mesmo aqueles jovens recém-casados ​​ao lado pudessem esperar nos acompanhar. Na verdade, provavelmente precisarei de alguns dias, apenas para me recuperar. ."

Robert podia sentir uma sensação de orgulho crescendo dentro dele, então disse com pesar frustrado, "Droga! Eu odeio não conseguir me lembrar de nada disso."

Karen se inclinou e beijou Robert na bochecha. Ela então se afastou e olhou nos olhos do marido: "Bem, querido, que tal você me deixar lembrar da noite passada para nós dois?"

Enquanto Karen se virava para o lado esquerdo, Robert se aconchegou atrás dela novamente e declarou: "Então, acho que isso responde à minha pergunta sobre o Viagra ... Funcionou muito bem, eu acho."

Ansiosa para tentar dormir um pouco mais, Karen fechou os olhos e confirmou: "Ah, sim, querida... funcionou." De repente, ela sentiu mais do sêmen de Jacob escorrendo dos lábios de sua vagina e no reforço limpo de sua calcinha. Foi um lembrete rápido e evidente do intenso treino que sua boceta recebeu de seu filho durante a longa noite de devassidão incestuosa. Depois de um bocejo profundo, os lábios de Karen se curvaram em um leve sorriso e ela acrescentou, antes de finalmente cochilar: "Posso garantir... definitivamente funcionou."

********

FIM CAPÍTULO 13

A HISTÓRIA CONTINUA NO CAPÍTULO 14

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 63 estrelas.
Incentive Lobo curioso a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Lobo curiosoLobo curiosoContos: 283Seguidores: 177Seguindo: 73Mensagem Gosto de ler contos de tabus incesto, gosto de fazer amizades

Comentários

Foto de perfil genérica

Desculpe, mas eu não acho o Hormônios Malvados 14, poderia me dar uma dica?

1 0
Foto de perfil genérica

Esta história é tão fora de série, que tu poderia vontinua-la , haja visto que ainda falta à namorada encarar à ANACONDA do JAKE e sem falar nas demais personagens, até agora só à irmã o encarou no ANAL...kkkkkkkkk continue irmão à escrever está série...rs

1 0
Foto de perfil genérica

Que história fantástica véi....puta merda , foi uma das melhores deste site neste seguimento !! Rs...merecem todas as estrelas...👏👏👏

1 0
Foto de perfil genérica

este conto está fantástico. gostaria muito de ler sua continuação. seria maravilhoso. a história é muito excitante e ao mesmo tempo nos prende pelo enredo bem construído.

1 0
Foto de perfil genérica

A princípio acho que não teremos continuação o último capítulo foi enviado tem mais de oito meses , é triste pois realmente é uma história perfeita, fico chateado que não saberemos o desenrolar desta situação toda.

0 0
Foto de perfil genérica

UAUUUUUU, INTENSO, MONTANHA RUSSA DE EMOÇÕES E SENSAÇÕES, REZANDO PARA NÃO PARAR ESTA SAGA TÃO CEDO, QUE VENHAM MUITO MSIS CAPÍTULOS.

0 0
Foto de perfil genérica

Cara muito bom,tô louco pra ver as continuações!

Acho que ela poderia admitir que não vive sem ele e soltar a submissa dela pra ela fazendo todas as vontades dele 😈

0 0
Foto de perfil genérica

Será que vai ter continuação,no outro site só tem até o 13.

0 0
Foto de perfil genérica

Provavelmente não, infelizmente, no outro site tem até o capítulo 13 e isto faz oito meses atrás

0 0
Foto de perfil genérica

estou acompanhando o conto e achando demais. Você só esqueceu de postar o episodio número 12

Vwl continue assim, ansioso pelo próximo capítulo

0 0
Foto de perfil genérica

Ele tá copiando e traduzindo desse site, eu achei o 12

https://www.literotica.com/s/wicked-hormones-ch-12

0 0