HORMÔNIOS MALVADOS CH. 04

Um conto erótico de lobo curioso
Categoria: Heterossexual
Contém 14080 palavras
Data: 04/03/2023 10:47:34

Este é um trabalho total de fantasia. Todos os participantes sexuais têm 18 anos de idade ou mais.

Quero agradecer novamente por todas as respostas positivas aos capítulos anteriores. Também quero agradecer e reconhecer o excelente trabalho do meu novo editor. Eu realmente espero que você goste deste segmento.

*****

CAPÍTULO 4

Karen levantou-se cedo na manhã de sábado. Normalmente ela teria dormido um pouco, mas aquele não era um sábado comum.

Seu marido, Robert, estava programado para outra partida de golfe naquela manhã com a alta administração da Conway Enterprises. Até agora, todos os sinais pareciam bons para sua promoção a vice-presidente regional. Com todo o tempo e esforço extras que ele vinha dedicando, Karen achava que havia poucas chances de alguém ser mais merecedor.

Seu filho Jacob também teve um grande dia pela frente. Mais tarde, ele iria para o colégio para fazer os exames do SAT. Com o súbito aumento de boas notas ultimamente e a frequência de Jacob às aulas preparatórias para o SAT, Karen se sentiu muito otimista de que seu filho levaria para casa uma nota excelente.

Depois de sair do banho naquela manhã, Karen subiu na balança do banheiro. Ela ficou encantada ao descobrir que havia perdido mais alguns quilos e estava no caminho certo para atingir suas metas pessoais. Ela sorriu ao pensar que todos os exercícios, ioga e tênis finalmente estavam valendo a pena.

Ela silenciosamente entrou no quarto, enrolada em uma toalha branca sedenta. Ela fez o possível para não perturbar Robert, que ainda dormia profundamente.

Karen caminhou até a penteadeira, depois afrouxou e deixou cair a toalha no banquinho. Ela vestiu uma delicada calcinha branca e puxou-a para cima de suas longas pernas, ajustando-a em seus quadris curvilíneos. Ela então vestiu o sutiã branco combinando e ficou surpresa ao descobrir que os bojos eram apertados e um tanto desconfortáveis.

Confusa, Karen foi até o espelho de corpo inteiro e engasgou ao ver seu sutiã lutando para conter seus encantos femininos, "Oh meu Deus! Meus seios estão ficando maiores?" Ela pensou que perder peso teria o efeito oposto.

Karen removeu a roupa restritiva e aproximou-se do espelho. Ela então segurou os dois seios para avaliar seu peso e tamanho. Sussurrando para si mesma: "Talvez sejam, mas não faz sentido."

Quando se casou, o tamanho dos seios de Karen era um delicioso 36C. Agora, compreensivelmente, depois de dois filhos e um pouco de ganho de peso ao longo dos anos, ela era uma 38DD rechonchuda. Ela manteve esse tamanho por quase vinte anos, mas agora eles parecem estar se expandindo misteriosamente mais uma vez.

Olhando para trás por cima do ombro, ela olhou para o marido adormecido. Ela pensou em como ele ficaria emocionado com essa descoberta.

Voltando-se para o espelho, ela passou as mãos pela pele delicada e seus mamilos rosados ​​instantaneamente endureceram e ganharam vida. Ela os sacudiu suavemente com os polegares e imediatamente uma sensação deliciosa se espalhou por seus seios. A sensação agradável a fez ofegar: "O que há com essas coisas?"

Afastando-se do espelho, Karen baixou os braços ao lado do corpo e contemplou seu reflexo. Seu corpo tinha uma forma clássica de ampulheta. Seus seios grandes eram maravilhosamente redondos, com aréola rosa claro e mamilos inchados e ultrassensíveis. Considerando a idade dela, eles desafiaram a gravidade da melhor maneira possível, com a quantidade certa de flacidez para provar que eram totalmente naturais.

Sua barriga tinha um leve toque de redondeza, mas depois de dar à luz duas vezes, isso não foi surpresa. Sua cintura afunilada se abria dramaticamente em quadris largos e femininos, que desciam até suas longas pernas curvilíneas.

Sendo uma mulher modesta, ela nunca iria admitir isso, mas a imagem no espelho era bastante impressionante, especialmente para uma mãe casada de dois filhos em seus quarenta e poucos anos.

Ela então se virou para ver seu perfil lateral. Não importa quão bonita seja, a maioria das mulheres tem algo em seus corpos que gostariam que fosse diferente. Para Karen, era seu traseiro. Deus a abençoou com um lindo traseiro redondo, mas ela sempre achou que era um pouco grande demais. No entanto, Robert nunca deixou de dizer a sua linda esposa o quanto ele gosta de seu "lixo no porta-malas".

Por mais alguns momentos, Karen se examinou de vários ângulos. Talvez ela fosse mais gorda e curvilínea do que na juventude, mas na maioria das vezes estava satisfeita com os resultados até agora. Ela sabia que nunca voltaria ao corpo de líder de torcida, mas isso não significava que pararia de tentar.

Mais tarde, Karen estava na cozinha. Ela geralmente não preparava um grande café da manhã nos fins de semana, mas para que os dois começassem com o pé direito, a adorável mãe decidiu preparar uma refeição saudável para eles.

Enquanto Karen trabalhava sua mágica culinária, ela cantava junto com a música dos anos 80 que inundou a cozinha. Ela não era Mariah Carey, mas sabia cantar. Ela estava, de fato, confiante o suficiente para que, em um ou outro domingo, ela cantasse no coro da igreja.

Um pouco depois, Robert e Jacob entraram juntos na cozinha. Robert já havia tomado banho e se vestido para passar o dia nos links. Jacob, por outro lado, parecia ter acabado de sair da cama.

"Uau... que delícia", disse Robert surpreso.

Jacob acrescentou: "Sim. O que é tudo isso, mãe?"

Desligando o rádio, Karen respondeu: "Bem, hoje é um grande dia para vocês dois. Só quero garantir que meus filhos estejam abastecidos e prontos para ir."

Pai e filho foram e ocuparam seus lugares habituais à mesa da cozinha. Robert tomou um gole de café e disse: "Obrigado, querida... está tudo ótimo!"

Enquanto Jacob se servia de um copo de suco de laranja, ele acrescentou: "Sim, mãe... isso é incrível... obrigado!!"

Karen sentou-se ao lado de Jacob e disse com um grande sorriso: "Vocês são muito bem-vindos. É um prazer cuidar dos meus homens bonitos. Agora vocês dois comem." Pai e filho começaram a se deliciar com o delicioso café da manhã enquanto discutiam o dia seguinte.

"Então, Jake, você está pronto para o SAT?" Robert perguntou enquanto se servia de uma segunda xícara de café.

Jacob respondeu: "Sim senhor, acho que sim... ou pelo menos espero que sim."

"Você está nervoso?" Karen perguntou enquanto passava manteiga em um biscoito recém-assado.

"Não... não muito," Jacob respondeu enquanto enfiava mais panquecas na boca. Depois de engolir, ele acrescentou: "Bem, talvez um pouco."

Robert então disse: "Faça o que fizer, não vá para lá sentindo-se nervoso ou ansioso. Isso pode fazer com que você perca o foco."

Jacob balançou a cabeça, "Não se preocupe, pai... Mamãe tem suas maneiras de me ajudar com isso."

"Ah? Como assim?" Robert olhou por cima da mesa para sua linda esposa. "Talvez seja algo que eu possa tentar."

Karen deu um leve chute na canela de Jacob com o pé. Ela tentou não corar enquanto acenava com a mão. "Mostrei a ele algumas técnicas de ioga para ajudá-lo a relaxar."

Robert recostou-se na cadeira. "Ioga, hein?" Ele então encolheu os ombros. "Bem, o que quer que funcione, eu digo." Ele então voltou a comer seus ovos.

Karen olhou ligeiramente para a esquerda e deu a Jacob um olhar descontente. Ele estava sorrindo até que viu a expressão no rosto dela e decidiu que era melhor esfriá-la.

Um pouco depois, Robert se despediu da família e saiu para jogar golfe. Jacob ajudou sua mãe a limpar a cozinha na esperança de que isso pudesse lhe render alguns pontos de brownie. Ele enxaguou a louça enquanto Karen enchia a máquina de lavar louça. Eles conversaram sobre vários assuntos, incluindo o exame SAT mais tarde naquela manhã.

Karen ligou a máquina de lavar louça e se virou para Jacob, "Obrigado por sua ajuda, querido."

Jacob pegou uma toalha para secar as mãos. "De nada, mãe."

Karen então recostou-se no balcão. "Está ficando tarde, então acho que provavelmente deveríamos subir e nos arrumar. Depois de deixar você na escola, pretendo passar no supermercado." Ela então pegou a toalha de Jacob e disse: "Mas primeiro, quero começar a lavar a roupa."

Eles saíram da cozinha e Jacob ficou atrás de Karen. Enquanto subiam as escadas, ele apreciou a bela vista do traseiro de sua mãe. Sem olhar para trás, Karen disse: "Percebi que você está quase sem cereal. Há alguma coisa em particular que você queira que eu pegue para você?" Jacob adorava cereais matinais. Ele comeria no almoço e no jantar também, se Karen permitisse.

Ainda focado no balanço dos quadris de sua mãe, ele respondeu: "Qualquer coisa está bem... você pode me surpreender."

Eles entraram no quarto de Jacob e Karen foi até o armário. Ela puxou o cesto de roupa suja e colocou-o sobre a cama. Enquanto separava as roupas sujas, ela perguntou: "Isso é tudo?"

Jacob, sentado ao lado da cama, acenou com a cabeça e disse: "Isso é tudo. Além disso, eu limpei aqui como você pediu."

Karen deu uma olhada rápida na sala e respondeu: "Posso ver isso e agradeço." Ela então disse com uma risada: "Agora, se você continuar assim."

Levantando-se da cama, Jacob respondeu: "Eu prometo tentar fazer melhor de agora em diante." Ele então se colocou atrás de Karen e disse: "Sabe, mamãe, acho que papai estava certo sobre o que disse antes." Ele puxou para baixo e saiu de suas calças de dormir e cuecas.

Ainda assim, separando a roupa, Karen respondeu: "Oh? Sobre o quê?"

Jacob então tirou a camiseta, "Quando ele disse que eu não deveria ir hoje me sentindo nervoso ou ansioso. Que eu deveria estar relaxado." Ele então se aproximou de sua mãe e jogou suas roupas no cesto de roupa suja.

Karen olhou para Jacob e o encontrou completamente nu. Pega de surpresa, ela engasgou. "Jacob! O que você está fazendo?" Ela baixou os olhos e pôde ver que seu "monstro" estava totalmente acordado e praticamente latejando.

Encolhendo os ombros, Jacob respondeu, "Eu estava esperando que talvez você pudesse me ajudar. Você sabe, como papai sugeriu."

Karen colocou a mão no quadril, "Oh... como papai 'sugeriu', hein?"

Jacob foi para a cama e recostou-se na cabeceira. "Isso é o que ele disse depois de tudo."

Pegando o cesto de roupa suja, Karen sorriu, "Eu não acho que isso é o que ele tinha em mente, meu jovem."

Jacob sorriu enquanto acariciava lentamente o eixo endurecido com a mão direita. "Acho que as palavras que ele usou foram 'o que quer que funcione'."

Karen não pôde deixar de ficar hipnotizada enquanto observava a mão de seu filho bombear lentamente seu enorme pênis. Ela podia ver o pré-sêmen escorrendo constantemente para os dedos de Jacob. Seu corpo mais uma vez ficou excitado quando o perfume delicioso começou a permear toda a sala.

"Além disso, lembre-se, mãe..." A voz de Jacob quebrou seu transe, "Você me ajudou assim quando fiz o exame de trigonometria." Sua declaração fez muito sentido para Karen. Ela se lembrava claramente de tê-lo ajudado antes do teste naquela manhã, e ele acabou levando para casa uma nota perfeita.

Sem pensar, Karen soltou o cesto de roupa suja e ele caiu, fazendo um "baque" suave ao cair. Ele rolou de lado, fazendo com que algumas peças de roupa caíssem no chão acarpetado.

Karen contornou a cesta e subiu na cama de Jacob, assumindo sua posição habitual entre as pernas dele. Enquanto amarrava seus cabelos castanhos escuros em um rabo de cavalo improvisado, ela disse: "Tenho que concordar com você ... seu pai tem um bom argumento". Ela então olhou nos olhos de Jacob e disse: "E como sua mãe, acho que é minha responsabilidade ajudar a garantir que você esteja preparado para o teste de hoje".

Jacob sorriu e disse: "Obrigado, mãe, você é a melhor."

Mais tarde, Karen sentiu como se tivesse acabado de participar de uma maratona de boquetes, mas sentiu um pouco de orgulho de si mesma. O tempo todo sua boceta ansiava por ser totalmente recheada mais uma vez com o pau gigante de seu filho. Ela foi, no entanto, capaz de impedir-se de cruzar essa fronteira incestuosa. Levou um longo tempo, mas ela finalmente foi capaz de empurrar Jacob para o topo e fornecer-lhe o alívio físico que ele precisava.

Tentando recuperar o fôlego, Jacob ficou lá e assistiu enquanto sua mãe limpava com amor seu pau murcho. Ela lambeu até a última gota de sêmen que pôde encontrar, como uma mãe gata cuidando de um de seus gatinhos recém-nascidos. "Uau, mãe. Não acredito que papai prefere jogar golfe a estar aqui com você."

Olhando para Jacob, Karen tentou defender o marido: "Jake, o fato de ele jogar golfe hoje é por causa de sua promoção." Depois de arrastar a língua pelo longo eixo uma última vez, ela acrescentou: "Além disso, pensei que tínhamos concordado em não falar sobre seu pai durante esses tempos."

Não querendo abusar da sorte, Jacob respondeu: "Você está certa, mãe... me desculpe."

Agora satisfeita com os resultados, Karen sentou-se ereta. Com os dedos, ela limpou alguns resíduos dos lábios e do queixo. "Então... meu homenzinho está relaxado agora?"

Fechando os olhos e sorrindo, Jacob respondeu: "Sim... muito."

Karen riu ao se levantar da cama e disse: "Ok, senhor, não fique muito relaxado." Ela se abaixou e pegou o cesto de roupa suja. "Lembre-se... você ainda tem que fazer o SAT."

Sentando-se, Jacob respondeu: "Oh, não se preocupe... eu me lembro. E obrigado novamente, mãe, por me ajudar. Acho que agora estou pronto com certeza."

Karen sorriu e disse: "De nada, querida. Tudo o que peço é que você dê o seu melhor". Ela então se virou para sair da sala. "Você provavelmente deveria começar a se vestir."

"Ah, mãe, antes que eu me esqueça..." Karen voltou-se para Jacob. "Tudo bem se eu fosse para casa com Matt? A Sra. Johnson se ofereceu para nos pegar."

Karen encolheu os ombros, "Tudo bem por mim. Apenas esteja em casa na hora do jantar. Acho que seu pai quer grelhar hambúrgueres hoje à noite."

********

Naquela noite, Jacob chegou em casa e encontrou seu pai no pátio, 'cuidando' de sua nova churrasqueira. Era um modelo sofisticado que Karen lhe dera no Natal do ano passado. Tinha todos os sinos e assobios, e Robert o usava sempre que podia.

Caminhando até seu pai, Jacob disse: "Cheira bem, pai."

"Obrigado, Bud." Robert virou um hambúrguer, ergueu os olhos e perguntou: "Deixe-me adivinhar... bem médio?"

"Você sabe disso," Jacob riu.

Eles conversaram sobre como foram seus respectivos dias. Após alguns minutos de conversa, Jacob saiu para entrar. Ele entrou em casa e encontrou sua mãe na cozinha. Ela estava de pé na ilha, cortando e fatiando vegetais.

Karen olhou para cima e sorriu para o filho, "Oi, querido... quer me ajudar com a salada?"

"Claro, mãe... deixe-me lavar." Jacob caminhou até a pia para lavar as mãos.

Enquanto ela continuava a trabalhar, Karen olhou para ele e perguntou: "Entããão... como foi hoje?"

Terminado de lavar as mãos, Jacob caminhou pela ilha ao lado de sua mãe. "Bom, eu acho. Eles nos disseram que deveríamos receber os resultados pelo correio na próxima semana."

Karen olhou para ele e sorriu: "Bem, tenho certeza que você se saiu muito bem." Ela então continuou a rasgar algumas cenouras. Os movimentos faziam seus seios grandes dançarem suavemente dentro de sua camiseta justa. Jacob queria tanto ver sua linda mãe nua que estava começando a se tornar uma obsessão.

Karen parou de trabalhar e perguntou: "Você poderia ser gentil e terminar isso para mim? Meus braços ainda estão doloridos desde esta manhã".

"Claro." Jacob então assumiu o lugar dela e perguntou: "Por que seus braços estão tão doloridos?"

Karen então deu a ele um olhar que transmitia, 'Você sabe por quê.'

Os olhos de Jacob se arregalaram. "Ohhh eu vejo." Ele começou a ralar as cenouras e acrescentou: "Desculpe por isso, mãe."

"Está tudo bem... eu acho que vou viver," Karen riu e então se inclinou e beijou o topo da cabeça de Jacob.

"Mas quer saber, mãe? Provavelmente teria sido muito mais rápido se você tivesse me deixado fu- quer dizer, se você tivesse... você sabe... deixe-me colocar meu pênis dentro de você."

Karen olhou pela janela para se certificar de que Robert ainda estava perto da churrasqueira. Ela se virou para Jacob e, em voz baixa, respondeu: "Não, Jake... não podemos mais fazer isso. Achei que tinha deixado isso claro da última vez."

"Eu sei que sim, mãe, e foi apenas uma sugestão. Eu estava tentando facilitar as coisas para você."

Um sorriso curvou-se nos lábios vermelhos de Karen. "Eu conheço Honey, e eu aprecio isso." Ela colocou a mão no ombro do filho, "Mas fazer isso deve permanecer fora dos limites."

Relutantemente, Jacob acenou com a cabeça. "Ok, mãe."

Ela então começou a misturar as cenouras raladas na salada. "Agora vá pegar alguns pratos e comece a arrumar a mesa do pátio. Pensei que esta noite jantaríamos ao ar livre."

********

No final da tarde de domingo, Jacob voltou para casa depois de passar o dia na casa de Matthew. Ele tinha ido lá logo depois da igreja. Jacob, Matthew e alguns de seus amigos passaram a tarde inteira em sua última missão de Dungeons & Dragons.

Jacob entrou na casa pela cozinha e gritou: "Cheguei". Ele parou na geladeira e pegou uma bebida esportiva.

"Aqui, querida," Karen gritou da sala de estar.

Jacob encontrou sua mãe sentada na pequena mesa, e ela estava preenchendo cheques para pagar as contas mensais. Karen estava usando um vestido fino de algodão que lhe caía muito bem e revelava um decote modesto. Junto com o vestido, ela usava óculos de leitura e tinha o cabelo preso em um coque solto. Jacob achou que ela parecia uma versão sexy de uma professora ou bibliotecária.

Enquanto anotava alguns números em seu talão de cheques, Karen perguntou: "Então, como você se saiu na 'busca' de hoje?"

Depois de tomar alguns goles de sua bebida, Jacob respondeu: "Não fomos muito longe... Mike teve que sair mais cedo, então vamos continuar no próximo fim de semana."

Jacob então se sentou na cadeira ao lado da mesa e perguntou: "Mãe, você ainda paga contas com cheques? Por que não paga online como todo mundo?"

Karen riu. "Eu sou apenas antiquado, eu acho." Enquanto colocava um selo em um envelope, ela disse: "Além disso, não confio muito em computadores".

Balançando a cabeça, Jacob respondeu: "Mãe, temos que colocá-la no século XXI."

"Boa sorte com isso", disse Karen com um sorriso malicioso.

Olhando em volta, Jacob perguntou: "Onde está o papai?"

"Ele está lá em seu escritório trabalhando em um relatório que deve ser entregue amanhã de manhã." Karen olhou para Jacob. "Sua carga de trabalho aumentou muito ultimamente... Espero que, no final, esta promoção valha a pena."

Karen voltou a se concentrar em preencher outro cheque. "E você? Você tem algum dever de casa para amanhã?"

"Eu tenho alguns, mas pretendo terminar antes do jantar." Ele observou Karen por alguns segundos e então arrastou a cadeira um pouco mais para perto dela. "Ei, mãe... eu estive pensando um pouco mais... sobre a nossa situação."

Dando uma olhada para se certificar de que Robert não estava por perto, Karen respondeu: "Oh? Como assim?" Ela então continuou escrevendo em seu talão de cheques.

Jacob baixou a voz, "Bem, estive pensando em maneiras que podem me ajudar a terminar mais rápido."

Balançando a cabeça, Karen também baixou a voz, "Jacob, eu te disse, não vamos fazer isso de novo."

"Eu sei disso, mãe, não era isso que eu tinha em mente. Tenho algumas ideias diferentes."

Largando a caneta, Karen recostou-se na cadeira e olhou para ele. "Ok... estou ouvindo."

Jacob se inclinou para mais perto, "Eu pensei que poderia me ajudar se eu tivesse algum... estímulo visual."

Com uma expressão confusa no rosto, Karen respondeu: "Estimulação visual?"

Jacob não pôde deixar de dar uma olhada no decote exposto de sua mãe. "Sim... você sabe... algo para eu olhar."

Karen então entendeu a mensagem. Mesmo estando completamente vestida, ela sentiu uma sensação avassaladora de exposição, como se estivesse sentada nua na cadeira. Ela instintivamente colocou o braço sobre o peito e, em um sussurro áspero, "JAKE!! Eu NÃO vou tirar minhas roupas na sua frente." Ela então franziu o rosto. "Diga-me, por que qualquer filho iria querer ver sua mãe assim?"

Jacob rapidamente respondeu, "Você está brincando? Quando a mãe dele se parece com você..." O rosto de Karen suavizou um pouco, e Jacob poderia jurar que ela quase sorriu, então ele decidiu continuar pressionando. "Além disso, mãe, todos os meus amigos dizem que você é linda e que você é a mãe mais gostosa da nossa escola. Todos eles acham que você se parece muito com Denise Milani."

Abaixando o braço do peito, Karen inclinou a cabeça para o lado e perguntou: "Quem é? Uma garota da sua escola?"

Balançando a cabeça, "Não, mãe... ela é uma modelo e uma linda."

Um leve sorriso apareceu no rosto de Karen. "Bem, eu aprecio o elogio. No entanto, ainda vou ter que dizer não." Ela pegou a caneta e voltou a endereçar outro envelope.

Tentando defender seu caso, Jacob respondeu: "Mas mãe ... acho que seria uma grande ajuda. Também me daria algo para imaginar quando estou tentando terminar sozinho."

"De jeito nenhum, senhor." Karen se manteve firme e balançou a cabeça, "Só seu pai deveria me ver sem roupas. Nenhum outro homem deveria me ver assim, especialmente meu filho adolescente."

Jacob rapidamente pensou em uma contra-oferta. Ele parou por alguns momentos e então perguntou: "Bem, então que tal se eu tentasse assistir a um pouco de pornografia?"

"JACOB DEAN MITCHELL!!" Karen bateu a caneta na mesa e se inclinou na direção de Jacob. Ela baixou a voz novamente, "Eu não vou permitir essa IMUNDIDADE em minha casa." Jacob recuou porque percebeu que ela estava muito irritada. Sempre que Karen o chamava pelo nome completo, ele sabia que definitivamente era hora de recuar.

Apontando um dedo para o rosto de Jacob, "Jovem, se eu pegar você assistindo algo do tipo, vou tirar esse computador do seu quarto para sempre." Ela se inclinou um pouco mais perto. "Fui claro?"

Jacob podia ver a raiva em seus belos olhos castanhos. Ele olhou para baixo e humildemente respondeu: "Sim, senhora."

Mal sabia Karen que seu filho já assistia muito pornô no computador. Ele teve o cuidado extra de apagar todo o histórico de navegação. Além disso, Karen não entendia muito de computador, então ele não se preocupava muito com ela encontrar alguma coisa.

Karen fechou o talão de cheques e começou a guardar tudo. Cuidadosamente, Jacob se inclinou na direção dela e disse: "Sinto muito, mãe... só estou tentando ter ideias que possam ajudar."

Depois de fechar a gaveta da escrivaninha, Karen girou a cadeira para ficar de frente para Jacob. "Eu sei que você é, Jake, mas você tem que entender que essas são coisas que eu simplesmente não posso fazer ou aprovar."

Jacob suspirou, "Eu entendo, mãe." Ele então olhou de volta para Karen. "É só que eu tenho medo que você comece a me ver como uma espécie de fardo. Se você fizer isso, pode parar de me ajudar."

O humor de Karen suavizou. "Um fardo? Querida... Você nunca poderia ser um fardo." Ela pegou a mão de Jacob na dela, "Eu te disse antes, nós vamos superar isso, mas ao mesmo tempo, eu preciso que você respeite meus limites." Sorrindo para o filho, ela disse: "Apenas seja paciente e tenha um pouco de fé... ok?"

Jacob deu um meio sorriso e acenou com a cabeça.

Levantando-se, Karen disse: "Por que você não sobe e faz o dever de casa? Avisarei quando o jantar estiver pronto".

Jacob se levantou e foi para um abraço. "Obrigado, mãe. Eu te amo."

Abraçando o filho, Karen sorriu e respondeu: "Eu também te amo, querida."

Jacob então saiu para subir para seu quarto. Ele pode ter perdido esta rodada, mas estava longe de desistir.

********

Na segunda-feira, depois de passar a maior parte da manhã fazendo recados, Karen voltou para casa e estacionou o jipe ​​na garagem. Enquanto juntava suas coisas para entrar em casa, ouviu o inconfundível "clique-claque" dos saltos de uma mulher no concreto. Ela olhou ao redor de seu SUV para ver uma jovem elegantemente vestida subindo a entrada da garagem.

A mulher vestia um blazer azul escuro com uma blusa branca por baixo. A saia lápis também era azul escura e descia até um pouco acima dos joelhos. Ao se aproximar, Karen percebeu que ela era muito bonita.

Seu cabelo preto na altura dos ombros estilizado profissionalmente e sua roupa feita sob medida para se adequar à sua forma feminina. Ela tinha uma tez morena com olhos castanhos escuros. Karen pensou que ela poderia ser de etnia italiana ou mediterrânea.

"Karen Mitchell?" a jovem gritou.

"Sim?" Karen respondeu quando começou a sair para encontrar o atraente estranho. Aproximando-se, Karen pensou que talvez a jovem fosse uma corretora de imóveis. Na semana passada ela havia contatado uma agência da cidade a respeito de algumas casas que sua filha e seu genro demonstraram interesse. Karen não sabia, no entanto, como ela estaria errada.

A jovem exibiu seu distintivo e disse: "Sra. Mitchell ... sou Melissa Turner, do escritório do promotor distrital do condado de Fulton."

Pega de surpresa, Karen deu um passo para trás, "Dis-promotora distrital?"

"Sim, senhora." Melissa guardou o distintivo. "Estou no processo de reunir informações adicionais para o processo em andamento de um certo Dr. Michael Grant. Presumo que você o conheça?"

Karen podia sentir seu pulso começar a acelerar e sua boca ficou seca. Ela tentou manter a calma. "Sim... eu conheço o Dr. Grant."

Olhando para seu pequeno caderno, Melissa continuou: "Seu filho, Jacob Mitchell, era paciente do Dr. Grant?"

"S-Sim... sim, ele era." Um nó começou a se formar no estômago de Karen. "Estamos sob investigação ou algo assim?"

Melissa se aproximou de Karen e, em um tom mais suave, "Não, senhora... não é nada disso. Estou entrevistando todos os pacientes que participaram dos ensaios experimentais do WICK-Tropin." Fechando seu caderno, ela perguntou: "Você estaria disposto a responder a algumas perguntas?"

Karen então entrou no modo anfitriã. "Sim, claro. Por favor, perdoe minhas maneiras." Ela então exibiu seu lindo sorriso. "Gostaria de entrar? Está tão quente aqui fora."

Um sorriso se formou no rosto bonito da jovem advogada. "Sim... obrigado."

Karen então a conduziu pela garagem e entrou na casa. Quando eles entraram na cozinha, Karen fez um gesto com a mão: "Por favor, sente-se ... sinta-se em casa. Eu estava indo fazer um café, posso oferecer-lhe um pouco?"

Sentando-se à mesa da cozinha, Melissa respondeu: "Seria bom... se não for muito incômodo?"

"Ah, bobagem... só vai levar um minuto", respondeu Karen.

Enquanto preparava o café, Karen usou seu charme natural e as duas senhoras começaram a conversar. A família da mãe de Melissa era originária da Itália. Nos anos 60, sua avó se apaixonou e se casou com John Turner, um soldado americano. Ao retornar aos estados, seu avô recebeu uma dispensa honrosa do serviço e começou uma carreira na aplicação da lei.

O filho de John Turner (pai de Melissa) seguiu os passos de seu pai e também fez carreira na aplicação da lei. Assim, portanto, seguindo a tradição familiar, Melissa escolheu a advocacia também para sua carreira. Só que ela seguiu um caminho um pouco diferente e se tornou advogada de acusação.

Acontece que este foi o primeiro caso de Melissa desde que ingressou no escritório do promotor. Ela era superinteligente e subiu na hierarquia muito rapidamente. Melissa foi a advogada mais jovem a ser trazida ao escritório do promotor do condado de Fulton. Ela estava muito orgulhosa desse fato; no entanto, por ser tão jovem e atraente, ela sentiu que muitos dos advogados seniores não a levavam a sério.

Enquanto servia o café, Karen notou o grande anel de diamante no dedo de Melissa, "Você está noiva, Sra. Turner?"

Ela olhou para sua mão, "Sim, eu sou." Ela então sorriu e disse: "Meu Donnie me pediu em casamento no mês passado."

Colocando uma fatia de bolo de café na frente de Melissa, "Bem, parabéns! Ele também é advogado?"

Tomando um gole de café, "Não, senhora... ele é um residente do pronto-socorro do Hospital Piedmont em Atlanta."

Enquanto Karen andava em volta da mesa, "Um médico de emergência, você disse? Acho que vocês não se veem muito trabalhando nessas horas?"

Suspirando, Melissa respondeu: "Infelizmente, não. Nossos horários estão loucos agora, então não temos muito tempo juntos." Ela tomou outro gole de café. "O objetivo final de Donnie é um dia trabalhar para uma clínica familiar ... assim, ele teria um horário mais definido."

Depois que Karen se sentou, Melissa começou a fazer perguntas sobre sua experiência com o Dr. Grant. Karen era sincera, em sua maior parte. Quando Melissa perguntou sobre quaisquer efeitos adversos do experimento WICK-Tropin, Karen optou por mentir e dizer que Jacob não sofreu efeitos colaterais. Ela temia que, se alguém descobrisse a condição de seu filho, tudo pudesse desmoronar.

Ela não estava apenas preocupada com Robert descobrir sobre sua mentira, mas também temia que alguém pudesse querer levar Jacob e realizar testes e experimentos com ele. Karen não cometeria o mesmo erro duas vezes. Ela não permitiria que seu filho fosse usado como cobaia nunca mais.

Após cerca de vinte minutos e duas xícaras de café, Melissa fechou o caderno e disse: "Sra. Mitchell, acho que tenho tudo de que preciso. Você tem sido uma grande ajuda e agradeço seu tempo e hospitalidade." Ela então se levantou e disse: "E muito obrigada pelo café."

Karen sorriu e se levantou. "Oh, você é muito bem-vindo."

Eles caminharam até a entrada da garagem e apertaram as mãos. Melissa então disse: "Obrigada novamente, Sra. Mitchell. Se você pensar em qualquer informação adicional, por favor, me ligue." Ela então ofereceu a Karen um de seus cartões de visita.

Karen pegou o cartão com alegria e respondeu: "Claro. Se eu pensar em alguma coisa, entrarei em contato com você imediatamente."

Melissa sorriu e se afastou em direção ao seu veículo. Karen se levantou e observou enquanto ela ligava o carro para ir embora. Uma onda de alívio a invadiu quando o advogado sumiu de vista. Ela esperava e rezava para que esta fosse a última vez que ela veria o promotor assistente Turner ou ouviria o nome do Dr. Grant ser mencionado novamente.

********

Quando Jacob voltou da escola na tarde de quarta-feira, ele notou o carro de Rachel na garagem. Ele entrou na casa para encontrar sua mãe e irmã na cozinha. Eles estavam sentados à mesa tomando café e pareciam estar olhando vários folhetos imobiliários diferentes.

Ele disse "Oi" para eles quando entrou na sala. As duas senhoras se viraram e sorriram, e Karen retribuiu a saudação. Rachel se levantou da cadeira e estendeu os braços, "Ei, Squirt!" Como sua mãe, Rachel estava usando um vestido casual de verão; no entanto, sua saia era muito mais curta e dava a Jacob uma ótima visão de suas belas pernas longas.

Jacob colocou sua mochila no chão. Ele caminhou até sua irmã e a abraçou. Isso o deixou feliz por não haver uma vibração estranha entre eles. Ele também gostava de segurar seu corpo apertado em seus braços e sentir seu rosto descansando contra seus seios macios.

Ele se afastou de Rachel, "Ei você, mas por que você está aqui?"

Rachel voltou para a mesa e pegou sua xícara, "Bem, Scott foi enviado inesperadamente para Charlotte por alguns dias para ajudar com uma auditoria bancária." Ela tomou um gole de café e continuou: "Achei que seria uma boa oportunidade para começar a procurar uma casa. Mamãe se ofereceu para ajudar, então vou ficar aqui por algumas noites."

Jacob pegou uma garrafa de água na geladeira e disse: "Legal... vai ser como nos velhos tempos."

Karen então falou: "Temos um compromisso às 4h30 para ir ver uma casa em Thornblade. É um novo empreendimento não muito longe daqui. Você gostaria de ir conosco? Pensei que depois poderíamos jantar."

Jacob assentiu. "Claro... parece bom."

********

Depois de voltar para casa, Jacob subiu para seu quarto para fazer alguns deveres de casa. Enquanto ele estava sentado em sua mesa, alguém bateu em sua porta. Jacob virou-se em sua cadeira e respondeu: "Sim?" A porta se abriu e sua irmã entrou. "Ei, Squirt... posso entrar?

Jacob pousou o lápis no caderno e respondeu: "Claro." Em uma surpresa fingida, ele disse: "Ei, você até bateu ... de novo!!"

Rachel riu enquanto atravessava a sala, "Sim, eu fiz... você deve admitir, estou melhorando." Jacob sorriu e deu a ela um 'polegar para cima'.

Ela se aproximou e se sentou ao lado da cama perto da cadeira do computador de Jacob. Jacob podia dizer que ela tinha acabado de sair do banho. Seu cabelo louro-mel ainda estava úmido e ligeiramente encaracolado. O perfume que ela exalava era adorável, como flores de cerejeira. Sem a maquiagem, ele podia ver sua beleza natural e o quanto ela se parecia com a tia Brenda.

Rachel estava vestindo um par de calças pretas de pijama e uma camiseta vermelha 'Georgia Bulldogs' justa que era curta e exibia seu lindo umbigo. Já que Jacob não conseguiu ter uma 'sessão' com Karen hoje, a visão de sua irmã enlouqueceu seu pênis rapidamente começou a reagir.

Rachel olhou para ele com seus olhos verdes, "Jake, eu só quero que você saiba que eu não estava com raiva de você no outro fim de semana. seus sentimentos ou qualquer coisa."

Jacob levantou a mão e acenou: "Não, Rachel, você não me deve nenhum tipo de pedido de desculpas."

Rachel começou a sentir o aroma excitante de seu irmão. Parecia ainda mais potente do que da última vez. Ela podia sentir a sensação de formigamento quente já se espalhando por seu corpo, mas ela tentou manter o foco. "Não me senti mal por ajudar você, mas depois, senti como se tivesse traído Scott."

Sentando-se para a frente em sua cadeira, Jacob disse, "Eu aprecio que você quis me ajudar, mas eu não quero prejudicar nosso relacionamento, Rachel... ou comprometer seu casamento. Eu gosto de Scott... ele tem sido um grande irmão em -lei."

Quanto mais Rachel respirava o ar ao redor de seu irmão, mais excitada ela ficava. Seus mamilos começaram a endurecer e a sensação de formigamento se intensificou. Ela pensou consigo mesma, sem Scott estar lá, ela pode ter que voltar para seu quarto e cuidar de si mesma.

Rachel inadvertidamente olhou para baixo e pôde ver a protuberância no short de Jacob. A visão a lembrou de como seu enorme pênis era delicioso e saboroso em sua boca. Ela então decidiu que poderia ser uma boa ideia sair de lá, ou algo poderia acontecer e ela se arrependeria mais tarde.

Ela se levantou para sair e perguntou: "Então, estamos bem?"

Jacob acenou com a cabeça, "Bom como ouro."

Rachel contornou a cama para sair do quarto, então parou na porta e perguntou: "Como está? Você sabe... seu..."

Jacob respondeu: "Meu pênis?" Ele então olhou para o seu colo. "Mais ou menos como todas as noites... está começando a doer um pouco."

Por alguns segundos, Rachel ficou com a mão na maçaneta. Ela tinha uma expressão no rosto como se estivesse tentando tomar uma decisão ou resolver algum tipo de conflito. Ela então olhou para Jacob e disse rapidamente: "Bem, boa noite, idiota!!" Ela abriu a porta e saiu rapidamente.

Mais tarde naquela noite, Jacob estava em sua cama dormindo. Uma mão gentilmente apertou seu ombro, e uma voz feminina sussurrou, "Jake."

Jacob se mexeu e, em estado de confusão, sussurrou: "Mo-Mom?"

O visitante sentou-se ao lado da cama e sussurrou: "Não, Doofus... sou eu."

Jacob sentou-se um pouco surpreso. "Rachel? O que... o que está acontecendo? Tem alguma coisa errada?" A sala estava quase toda escura, mas suavemente iluminada pela luz da lua que entrava pelas persianas. Ele podia distinguir a forma bem torneada de sua irmã. Ela parecia estar usando a mesma roupa de antes.

Ela falou um pouco mais alto, "Não... Não há nada de errado. Eu simplesmente não conseguia dormir."

Jacob riu enquanto se sentava, "Então você achou uma boa ideia vir aqui e me acordar?"

Rachel começou a se levantar, "Você está certo... me desculpe."

Jacob agarrou seu braço nu. "Não, Rachel... só estou brincando." Ela voltou a se sentar. Ele então perguntou: "Está tudo bem?"

"É... é só... eu estava deitada na cama, e lembrei que antes você disse que estava sofrendo lá embaixo." Ela olhou para sua virilha. "Então, comecei a me perguntar se... você sabe... você pode precisar da minha ajuda."

Jacob recostou-se na cabeceira da cama. "Oh, tudo bem."

Rachel se inclinou um pouco. "Ainda dói?"

Jacob acenou com a cabeça, "Sim... temo que sim." Ele então se abaixou e esfregou seu pênis através de sua cueca. "Dificulta o sono."

Sentindo excitação e simpatia por seu irmãozinho, ela sussurrou: "Você gostaria que eu ajudasse novamente?"

Jacob respondeu: "Isso seria ótimo, mas e quanto a... você sabe... a culpa da última vez?"

"Bem, eu estive pensando sobre isso," Rachel respondeu enquanto se aproximava de seu irmão. "Concluí que estou apenas ajudando meu irmãozinho com um problema médico." Rachel agora estava com a mão em cima da de Jacob, e os dois acariciavam lentamente sua ereção. "Mas Scott NUNCA deve descobrir... combinado?"

Jacob levantou a mão esquerda, "Ei, nós juramos de mindinho... lembra?"

Mesmo na penumbra, ele pôde ver o grande sorriso aparecer no lindo rosto de sua irmã, e ela respondeu: "Sim, nós vimos." Ela então lentamente subiu na cama e se posicionou aos pés de Jacob. Inclinando-se para frente, ela agarrou o cós de sua cueca boxer e, sem ser mandada, ele ergueu os quadris. Enquanto ela os puxava por suas pernas magras, ela disse: "Apenas lembre-se... se alguém descobrir..."

Jacob acenou com a cabeça, "Eu sei... eu sei... você vai me matar."

Rachel riu. "Contanto que você se lembre disso."

O pau de Jacob estava para cima, e assim como da última vez, Rachel olhou incrédula para seu tamanho. O pau de seu marido não era pequeno ... tinha cerca de 7 polegadas, mas este gigante estava em uma classe própria.

O cheiro era inebriante. Rachel agarrou a haste e, sem hesitar, envolveu os lábios em torno da cabeça em forma de cogumelo. O delicioso pré-sêmen foi exatamente como Rachel se lembrava, e ela fez sons suaves de "mmmm" enquanto chupava em busca de mais.

Minutos se passaram e, sem aviso, Rachel parou e saiu da cama. Ela então ficou ao lado da cama, fazendo com que Jacob temesse que ela pudesse ter mudado de ideia. Ele sussurrou: "O que há de errado?"

Rachel sussurrou de volta, "Está MUITO QUENTE aqui."

Ela enganchou os polegares no cós de sua calça e os abaixou sobre sua bunda bem torneada. Com um movimento de seus quadris curvilíneos, eles caíram no chão e se juntaram a seus pés. Ver isso fez com que o pulso de Jacob acelerasse ainda mais, e ele perguntou: "O que você está fazendo?"

Ela então agarrou a barra de sua camiseta e a puxou sobre a cabeça, fazendo com que seus seios impressionantes balançassem suavemente dentro do sutiã. "Só estou tentando me acalmar. Lembre-se, nosso pai é um pão-duro quando se trata de ar condicionado."

Ela então deixou cair a roupa fina no chão ao lado de suas calças. Rachel estava ao lado da cama de seu irmão, vestindo apenas seu sutiã e calcinha. Contra a fraca iluminação, Jacob pôde distinguir boa parte de sua figura feminina. Ele queria acender a luminária de cabeceira para ter uma visão melhor, mas temia que isso pudesse estragar o clima.

"Muito melhor," Rachel sussurrou. Ela então se juntou a seu irmão na cama.

Jacob, ainda um pouco chocado, perguntou: "E se mamãe ou papai entrassem aqui e encontrassem você assim?"

De volta à sua posição original, Rachel agarrou o pênis de Jacob e começou a subir e descer golpes. "Não se preocupe, a esta hora; duvido que algum deles esteja acordado." Ela então deu uma risadinha bonitinha, "Além do Pateta, ao contrário de você, eu sei trancar uma porta."

Rachel deu uma lambida na ponta do pau dele e então perguntou, "Agora... você quer minha ajuda ou não?"

Jacob respondeu rapidamente: "Oh, sim, por favor."

"Bem, então cale a boca, idiota, e deixe-me trabalhar." Rachel colocou o pau dele de volta na boca e continuou o boquete.

Jacob obedeceu a seu irmão mais velho e se deitou. Sua linda irmã balançava a cabeça para cima e para baixo em seu pau e fazia barulhos altos de chupar; seus longos cabelos loiros balançavam ao redor.

Ele olhou para a direita e viu o reflexo de Rachel no espelho da cômoda. Seus olhos se ajustaram muito bem à pouca luz, e ele foi capaz de distinguir muito de seu corpo quase nu. Seu perfil lateral era curvilíneo e elegante; seu traseiro bem arredondado erguido no ar como se esperasse por alguma atenção.

Jacob lembrou-se da outra noite quando ouviu sua irmã enquanto ela era regiamente fodida por seu marido. Jacob desejou que pudesse ter sido ele. Ele começou a fantasiar sobre como tirar a calcinha minúscula de sua bunda bem torneada. Ele então se imaginou deslizando seu pênis em sua boceta apertada, agarrando seus quadris carnudos e tomando seu estilo cachorrinho.

Os pensamentos de transar com ela o estavam levando ao limite, e ele soltou, "Oh Rachel... eu vou explodir!" Sua irmã acelerou seus movimentos. Ela queria muito ter seu delicioso esperma em sua boca mais uma vez.

"AAAAAHHHHHHH... SIM!!" Jacob arqueou as costas para fora da cama enquanto realizava o desejo dela. Rachel, melhor preparada desta vez, acariciou furiosamente o pênis contraído de seu irmão e engoliu sua carga cremosa.

Assim que as bolas de Jacob se esgotaram, Rachel levantou a cabeça e sentou-se ereta. Em seguida, com a mão esquerda, limpou a boca e lambeu o resíduo, não querendo desperdiçar uma única gota. Ela jogou o cabelo loiro para trás sobre os ombros e notou que seu pênis ainda estava tão rígido quanto antes. "Jake... você ainda está duro?"

Jacob, respirando pesadamente, acenou com a cabeça e respondeu, "Sim... às vezes uma vez... não é suficiente para fazê-lo cair."

Com a mão direita, Rachel segurou sua ereção, "Uau! Scott é bom apenas uma vez por noite." Ela começou a acariciar lentamente seu pênis. "Eu sei de uma coisa... se isso for permanente, você vai fazer uma mulher muito feliz um dia."

Jacob estava deitado de costas, apoiando-se nos cotovelos. "Sim, suponho. O problema é que não tenho nenhuma experiência com garotas."

Rachel acrescentou a mão esquerda e começou um movimento firme e acariciante. Ela observou suas mãos enquanto as deslizava para cima e para baixo no eixo liso. "Bem... talvez devêssemos remediar isso."

Olhando para sua irmã, Jacob respondeu: "O que você quer dizer?"

"Eu poderia te dar algumas dicas." Rachel ergueu os olhos para encontrar os de Jacob. "Se você gostar?"

Sentando-se, Jacob perguntou, "Ponteiros? Sério?"

Apertando o braço, ela respondeu: "Claro. Afinal, quem foi que te ensinou a andar de bicicleta?"

Jacob riu. "Isso é um pouco diferente de me ensinar a andar de bicicleta... você não acha?"

Continuando o movimento de acariciar, Rachel encolheu os ombros e respondeu: "Vamos apenas pensar nisso como uma irmã mais velha ensinando a seu irmão mais novo algumas... habilidades para a vida."

"Habilidades para a vida, hein?"

Rachel acenou com a cabeça, "Uh-huh. Para ser honesto, acho que saber como agradar uma mulher sexualmente deve ser considerado apenas isso." Ela deu a seu irmão um olhar malicioso e então perguntou em tom baixo, "Então... quer ser meu aluno?"

Jacob acenou com a cabeça enquanto observava os seios de Rachel saltarem suavemente dentro de seu sutiã. "Ah sim... me inscreve, por favor!"

Ela soltou o pênis dele e disse: "Ok, então... sente-se para mim."

Jacob seguiu as instruções de sua irmã e sentou-se de costas para a cabeceira da cama. Rachel então rastejou até ele e sentou-se sobre suas coxas. Ele podia sentir o calor irradiando de sua boceta coberta de calcinha enquanto pressionava contra seu pênis.

Rachel colocou as mãos nos ombros magros de Jacob e olhou em seus olhos, "Agora... primeiro, precisamos estabelecer alguns limites... ok?"

Jacob pensou consigo mesmo, 'Ótimo... a palavra com "B" de novo.' Então ele respondeu a ela: "Ok, você é o chefe."

Ela riu. "Resposta correta, Squirt. Agora é o seguinte. Estou disposta a te mostrar algumas coisas, mas ISSO..." Rachel cutucou o pau dele com o dedo indicador. "NÃO é entrar nas minhas partes femininas... só Scott pode fazer isso."

Jacob se sentiu um pouco desapontado. Ele estava esperando colocar seu pênis na boceta de Rachel, mas ele não iria olhar um cavalo de presente na boca. Relutantemente, ele concordou com a cabeça.

Rachel sorriu e disse, "Bom! Agora regra número dois," Ela então ergueu dois dedos, "Não, beijos!!"

Com o rosto franzido, Jacob respondeu: "Ewwwww... nojento!! Quem iria querer beijar a própria irmã?"

Concordando com a cabeça, Rachel disse, "Eu sei... certo?" Ambos se encararam por alguns segundos e então riram da ironia.

Enquanto estava sentada no colo de Jacob, Rachel notou como ele continuava a olhar para seus seios fartos. Ela riu novamente e perguntou: "Vê algo que você gosta?"

Jacob olhou de volta nos olhos de sua irmã e gaguejou, "Bem... sim... quero dizer... você... tenha um bom..."

Rachel sorriu e moveu ambas as mãos atrás das costas, "Você quer ver os peitos da sua irmã?"

Em resposta, Jacob simplesmente acenou com a cabeça. Ele olhou com grande expectativa enquanto sua irmã desabotoava o sutiã. Rachel baixou um pouco os ombros, permitindo que as alças caíssem para frente. Ela então segurou os copos no lugar por alguns segundos para provocar seu irmão. Então ela abaixou a roupa íntima de seu peito e a jogou no chão com o resto de suas roupas.

Seus seios eram exatamente como ele imaginava. Eles se sentavam altos e orgulhosos em seu peito... lindamente redondos com pequenos mamilos rosados ​​apontando diretamente para o rosto dele. Jacob olhou com admiração e sussurrou: "Uau... eles são lindos."

Rachel se abaixou e agarrou as mãos de Jacob e as trouxe para seu peito. Então ela sussurrou: "Vá em frente, você pode tocá-los."

Jacob segurou os dois seios por baixo. Eles pareciam firmes, mas macios e flexíveis. Ele os apertou gentilmente, e Rachel gemeu em aprovação. "Aí está. Você deveria ter mais confiança em si mesma. As garotas gostam quando um cara assume o comando."

Seus mamilos estavam duros como pedra, e sem sequer perguntar, Jacob moveu a cabeça para frente e colocou a boca em seu seio esquerdo. Ele chupou suavemente e girou sua língua como um bebê tentando se alimentar. Seu polegar sacudiu suavemente o outro.

Pega de surpresa, Rachel fechou os olhos e suspirou, "Oh Jake!! Sim!" Os mamilos de Rachel sempre foram muito sensíveis e ela adorava sempre que Scott brincava com eles. Desta vez, porém, foi diferente; talvez fosse devido ao fato perverso de que era seu irmãozinho que mamava em seu peito e não seu marido.

Os mamilos de Rachel estavam enviando choques elétricos direto para sua boceta... ela podia sentir seus sucos vazando em sua calcinha de algodão fino. O prazer avassalador a fez moer sua boceta coberta de calcinha contra a base da ferramenta de Jacob que se erguia entre seus corpos. Sua excitação estava atingindo um pico febril, e ela precisava desesperadamente de algum alívio.

Rachel relutantemente se afastou dos lábios sugadores de seu irmão. Olhando em seus olhos, ela sussurrou, "Eu acho que você tem essa parte bem definida."

Rachel desmontou de seu irmão e deitou-se na cama ao lado dele à esquerda. Não tendo certeza de onde isso estava indo, Jacob virou-se para ela.

Rachel falou suavemente, "Jake, eu preciso que você me ajude... ok?"

Jacob assentiu e respondeu: "Tudo bem".

Com os joelhos apontando para cima, Rachel cravou os calcanhares na cama e abriu as pernas longas e bem torneadas. Os olhos de Jacob seguiram suas curvas sensuais e pararam em sua boceta coberta de calcinha. Ele podia ver que a roupa minúscula estava encharcada.

Com a mão esquerda, Rachel puxou o reforço de sua calcinha para o lado e sussurrou: "Jake... eu quero que você me toque." Com olhos suplicantes, "Esfregue minha buceta."

Pela primeira vez, os dedos de Jacob tocaram uma vagina. Ele descobriu que era bem barbeado e extremamente úmido. Sentiu uma emoção perversa saber que pertencia a sua irmã mais velha.

O contato fez Rachel instantaneamente arquear as costas para fora da cama. Jacob lentamente moveu sua mão inexperiente praticamente por instinto. Ele esfregou entre suas dobras lisas, e quando acidentalmente encontrou seu clitóris, Rachel gritou de alegria, "Aaaaahhhhhh!!"

Rachel pegou a mão de Jacob e o guiou para movê-la em pequenos círculos lentos. Ela olhou em seus olhos e sussurrou: "Bem ali. Você sente isso?"

Jacob assentiu e sussurrou de volta, "Sim."

Suavemente, ela disse, "Esse é meu clitóris. Ou como eu gosto de chamá-lo, meu botão mágico. É muito sensível, então você tem que ser gentil."

Soltando a mão de Jacob, Rachel então agarrou sua furiosa ereção. Ela então fechou os olhos e suspirou: "Você está indo bem, Squirt! Continue!"

Nos próximos momentos, Jacob continuou como sua irmã instruiu. Rachel estava deitada de costas com os olhos bem fechados, enquanto beliscava um mamilo inchado com a mão esquerda. Os únicos sons na sala mal iluminada eram os gemidos suaves de Rachel e os ruídos absurdos de esmagamento criados por seu irmão tocando sua boceta excessivamente molhada.

Rachel começou a empurrar sua pélvis contra a mão de Jacob para criar mais contato. Em um sussurro rouco, "Sim, Jake!! Um pouco mais de pressão e vá mais rápido!!"

Rachel podia sentir seu corpo tenso como uma mola muito apertada. Ela sabia que um orgasmo intenso estava quase chegando, e não havia como ela conseguir ficar quieta.

Com a mão esquerda, ela parou de beliscar o mamilo e procurou um travesseiro. Felizmente, ela encontrou um bem a tempo e o apertou contra o peito. "Oh, sim!! Estou gozando!!" Ela mordeu o travesseiro enquanto gritava, "NNNNNGGGGGGHHHHHH !!" Ela fechou as pernas com força e prendeu a mão de Jacob entre elas como um aperto carnudo. Tudo o que ele podia fazer era assistir Rachel se contorcer enquanto cavalgava as ondas de intenso prazer.

Uma vez que ela se recuperou, Rachel lentamente abriu as pernas e soltou a mão de Jacob. Ela sorriu para ele e disse: "Nada mal, Squirt." Ela então se sentou e voltou sua atenção para o pênis de Jacob que ainda estava duro como ferro. Passando a mão pelos cabelos dourados, ela disse: "Ainda temos que cuidar dessa coisa, não é?"

Jacob, ainda não tendo certeza se tudo isso era um sonho ou não, simplesmente murmurou, "Uh-huh."

Rachel riu e disse: "Venha e sente-se aqui." Ela fez sinal para Jacob mais uma vez se sentar ao lado de sua cama. Enquanto Rachel estava na frente de seu irmão, ela notou o frasco de loção para as mãos que estava em sua mesa. Pegando-o, ela leu o rótulo, "Oh... esta marca é uma coisa boa. Você roubou da mamãe?"

Incapaz de tirar os olhos do belo corpo de sua irmã, ele respondeu: "Você poderia dizer isso, eu acho."

Rachel bombeou vários esguichos em sua mão, em seguida, abaixou-se de joelhos. Enquanto ensaboava o pênis de Jacob com o líquido espesso, ela sorriu para ele, "Acho que você vai gostar disso." Ela então se ajoelhou e, com as mãos, envolveu seus belos seios ao redor do pilar de carne de seu irmão.

Estupefato, Jacob observou sua irmã começar a bombear lentamente seu pau com os seios. Além de assistir sua mãe cavalgando em seu pênis, esta foi a coisa mais erótica que ele já tinha visto em sua jovem vida. Ele não pôde deixar de gemer em aprovação.

Rachel jogou a cabeça para trás para tirar o cabelo dos olhos. Ela olhou para um Jacob e sorriu. "É... foi o que pensei. Scott também adora quando faço isso para ele."

Um súbito surto de medo atingiu Jacob, quando ela mencionou o nome de seu cunhado. Ele temia que Rachel caísse em si e desistisse imediatamente. No entanto, ela não deu sinais de parar.

Em vez disso, Rachel acelerou enquanto entrava em um bom ritmo. Foi uma festa proverbial dos sentidos para Jacob, tanto física quanto visualmente. Ele não ia durar muito. Jacob agarrou firmemente a colcha e a avisou: "Rachel, estou chegando bem perto."

Rachel entendeu isso como uma deixa e apertou seus seios em torno da poderosa ferramenta de seu irmão. A estimulação extra fez o truque e empurrou Jacob para o limite. Ele gritou quando seu pênis explodiu pela segunda vez naquela noite, "AAAAAHHHHHH!!"

Fios cremosos de sêmen explodiram do pau de Jacob e atingiram o queixo, o rosto e o peito de Rachel. Ela rapidamente envolveu seus lábios ao redor do cano do incrível atirador de esperma e engoliu o resto de sua carga.

Depois, Jacob caiu de costas na cama enquanto Rachel passou alguns momentos lambendo o resíduo de seu pênis murcho. Quando terminou, ela se levantou e sussurrou: "Acho que isso encerrará nossa aula de hoje à noite." Jacob simplesmente ergueu o braço e fez sinal de positivo para ela.

Rachel riu e perguntou: "Você tem toalhas? Você me encharcou mais uma vez."

Um Jacob exausto levantou a cabeça e apontou: "Deve haver alguns aí." Sua irmã foi até o armário e se curvou para procurar no escuro. Ele olhou enquanto ela apontava sua bunda diretamente para ele. Ele não pôde deixar de admirar as curvas suaves de suas nádegas expostas naquela calcinha bonitinha.

Depois de encontrar uma toalha limpa, Rachel se enxugou rapidamente e a jogou no cesto de roupas. Ela então pegou o sutiã da pilha de roupas descartadas. Quando ela começou a prendê-lo de volta no lugar, Jacob pegou sua cueca samba-canção e a vestiu novamente. Ele então voltou para a cama e descansou a cabeça no travesseiro. Enquanto observava sua irmã ajustando as alças do sutiã, ele disse: "Obrigado, Rachel. Você é a irmã mais legal de todas."

Rachel então vestiu as calças e sorriu. "É melhor você se lembrar disso quando meu aniversário chegar." Ela então colocou a camiseta de volta. "Lembre-se, Jake, ninguém pode descobrir sobre isso."

Jacob bocejou e então respondeu, "Não se preocupe, Rachel. Eu nunca contaria a ninguém... eu não sou tão estúpido."

"É melhor não." Rachel então se dirigiu para a porta e sussurrou: "Vejo você pela manhã, idiota." Agarrando a maçaneta, ela olhou de volta para Jacob. Seus olhos estavam fechados e ele roncava suavemente. Ela abriu um sorriso e suspirou, "Já está dormindo?" Balançando a cabeça, "Isso é um homem para você."

Ela caminhou de volta para a cama e gentilmente puxou as cobertas sobre seu irmão e sussurrou: "Boa noite, Squirt."

********

O tempo estava péssimo na tarde de sexta-feira, então, depois de uma rápida ida ao supermercado, Karen pegou Jacob na escola. Ele rolava pelo celular enquanto sua mãe dirigia e cantava junto com o U2 na estação dos anos 80. Ela abaixou o volume e olhou para Jacob no banco do passageiro e disse, "Esta semana tem sido tão agitada... você e eu não tivemos muito tempo para conversar."

Jacob olhou para sua mãe e respondeu: "Sim, você está certo... foi uma semana ocupada."

Olhando para a frente, Karen disse: "Enquanto estamos sozinhos, quero falar com você sobre uma coisa".

Jacob guardou o telefone e disse: "Claro, mãe. Sobre o que você quer conversar?"

Karen respirou fundo e começou: "Na segunda-feira, recebi a visita de um advogado do Ministério Público de Atlanta".

Sentando-se ereto, Jacob respondeu: "Procurador distrital??? O que ele queria?"

Olhando para Jacob, "Bem, 'ELA' queria me fazer perguntas sobre nossa experiência com o Dr. Grant e o experimento WICK-Tropin."

"O que você disse a ela?"

"A verdade... principalmente."

Jacob deu a sua mãe um olhar confuso. "Principalmente? O que isso significa?"

Karen olhou pelo espelho retrovisor. "Quando ela perguntou sobre quaisquer efeitos colaterais do tratamento hormonal, eu meio que menti. Eu disse a ela que não."

Os olhos de Jacob se arregalaram com o choque. "Você mentiu? Para um advogado??"

Karen acenou com a cabeça, "Sim. Mas apenas para protegê-lo."

"Me proteja?"

Karen acenou com a cabeça novamente, "Sim, por causa do que pode acontecer." Ela deu uma olhada no colo de Jacob, "Quem sabe o que eles podem querer fazer se descobrirem sobre sua condição e aquela monstruosidade que você está carregando." Olhando para frente novamente, ela continuou, "Eu não quero ninguém fazendo testes ou experimentos em você. Eu me recuso a permitir que você seja o rato de laboratório de alguém novamente."

Jacob assentiu, então olhou pela janela e disse, "Além disso, papai com certeza descobriria." Ele então virou a cabeça e com uma voz em pânico: "Eles vão questionar o papai?"

Karen balançou a cabeça. "Acho que não. O nome do seu pai não estava em nenhuma papelada do escritório do Dr. Grant, apenas o seu e o meu."

"Então o que fazemos agora?"

Encolhendo os ombros, "Nada, eu acho. Acho que fui capaz de dar à Sra. Turner todas as informações de que ela precisava." Karen olhou para Jacob, "Eu só queria ter certeza de que estamos na mesma página, caso ela volte e queira fazer alguma pergunta a você."

"Como ela é? Quero dizer... ela é legal?"

Karen assentiu. "Ela é muito legal. Não se preocupe; acho que você gostaria dela."

Jacob pensou por alguns segundos e então disse, "Obrigado pelo aviso, e não se preocupe, mãe. Se ela quiser me fazer alguma pergunta, eu saberei exatamente o que dizer."

Quando chegaram em casa, a chuva havia diminuído consideravelmente, então Jacob pegou o conteúdo da caixa de correio. Ao entrar na cozinha, ele vasculhou a pilha e encontrou um envelope endereçado a ele. Ele então abriu e descobriu que eram suas pontuações no SAT. Ao ler os resultados, seus olhos se arregalaram de choque e ele gritou: "PORRA!!"

Karen continuou guardando as compras e disse: "Jacob! Cuidado com a língua!"

Animado, Jacob respondeu: "Desculpe, mãe. Mas você precisa ver isso!!"

Karen se virou e viu que ele estava lendo alguma coisa e tinha um grande sorriso no rosto. Ela então foi até ele e perguntou: "Qual é a empolgação?"

Jacob estendeu o papel para sua mãe, "Dá uma olhada nisso!!"

Karen pegou e começou a ler. Um grande sorriso se espalhou em seu lindo rosto, "1520? Você tirou 1520 no seu SAT??"

Jacob deu de ombros e respondeu: "Acho que sim."

Karen agarrou Jacob e puxou-o contra seu corpo para um abraço. "OH MEU DEUS!! Jake!! Isso é... isso é..."

"Mawwwfome??" Jacob tentou terminar a frase por ela, mas era difícil para ele falar com o rosto enterrado no seio da mãe.

Karen o soltou e o segurou pelos ombros, "Sim, INCRÍVEL!!" Ela se sentou na cadeira e deu outra olhada no papel. Seus olhos continuaram examinando, certificando-se de que ela leu corretamente. Jacob se sentou na cadeira ao lado dela. Ela olhou para o filho e disse: "Isso é maravilhoso, querido. Acho que isso é ainda mais alto do que a pontuação do seu pai."

Radiante de orgulho, Jacob sorriu. "E esta foi minha primeira tentativa."

Colocando a mão no ombro de Jacob, "Baby, estou TÃO orgulhosa de você!!" Ainda assim, incrédula, ela voltou a ler o documento.

"Bem, mãe, para ser honesto, eu não poderia ter feito isso sem você. Você merece muito do crédito."

Olhando de volta para Jacob, Karen respondeu: "Eu? Como assim?"

"Porque não importa o que aconteça, você está sempre lá para mim, e você cuida de todas as minhas necessidades. Especialmente agora, com a minha situação maluca e tudo." Ele então se inclinou e beijou a bochecha macia de sua mãe. "Obrigado, mãe... por tudo."

O coração de Karen inchou. "Oh, de nada, querida." Com os dedos, ela passou o cabelo na testa dele, "Mas tudo isso faz parte de ser mãe."

Os pensamentos de Karen de repente foram para os hormônios. Ela não podia negar que as notas de Jacob melhoraram significativamente desde que tudo isso começou. Isso poderia ser mais uma evidência de que os hormônios estavam tendo um efeito positivo sobre ele? Ela sempre acreditou que Deus trabalhava de maneiras misteriosas, e talvez essa fosse a maneira dele de pegar limões e fazer limonada.

Karen se levantou da cadeira, "Que tal amanhã à noite sairmos para comemorar? Você escolhe o lugar."

Os olhos de Jacob se iluminaram e ele rapidamente respondeu: "Podemos ir ao Rei Caranguejo?"

Karen abaixou a cabeça e riu: "Eu sabia!" Ela tinha a sensação de que seria a escolha dele; seu filho amava aquele lugar. Crab King era um restaurante de frutos do mar a cerca de uma hora de distância, mas por causa de sua proximidade com a costa, eles tinham alguns dos melhores frutos do mar da região. Valeu a pena a unidade.

Karen pegou o celular da bolsa e disse: "Vou ligar e contar a novidade para sua irmã. Ela vai adorar".

Depois de alguns minutos conversando com Rachel, Karen desligou e olhou para Jacob, "Rachel disse que, como Scott tem que voltar para Charlotte por mais alguns dias, ela vai descer amanhã e jantar conosco. ."

Sorrindo, Jacob respondeu: "Incrível!" Ele estava animado em saber que Rachel viria sem Scott. Talvez eles pudessem encontrar a oportunidade de continuar suas lições de 'habilidades para a vida'.

Emocionada, Karen perguntou: "Oh! Que tal convidarmos o vovô George? Faria bem a ele sair daquela casa."

Jacob assentiu e respondeu: "Claro, mãe, isso seria ótimo."

"Vovô George" é o pai de Karen, George Dean, e ela pensava muito dele. Mesmo quando adolescente, Karen esperava e orava para um dia encontrar um homem para se casar tão maravilhoso quanto seu pai.

Enquanto estava na faculdade, ela conheceu Robert Mitchell por meio de alguns amigos em comum, e não demorou muito para Karen perceber que ele tinha muitas das mesmas qualidades que ela adorava em seu pai. Depois de algumas semanas de namoro, ela sabia, sem sombra de dúvida, que o Senhor havia respondido às suas orações.

Desde que sua mãe faleceu no ano passado, Karen vinha tentando convencer seu pai a ir morar com eles. George, no entanto, era um homem orgulhoso e não queria abrir mão de sua independência ou ser um fardo de qualquer tipo. Ela mantinha um quarto vago pronto para ele na esperança de que um dia ele mudasse de ideia. Seria uma emoção para ela finalmente ter todos os seus três 'meninos' vivendo sob o mesmo teto.

Assim que Karen encerrou a ligação com o pai, ela colocou o celular sobre a mesa. Enquanto caminhava até a geladeira para pegar uma garrafa de água, ela disse: "Podemos esperar até que seu pai chegue em casa e então VOCÊ pode surpreendê-lo com sua grande notícia".

Depois de fechar a porta, ela se virou para Jacob e encostou-se no balcão. Enquanto abria a garrafa, ela disse: "Também acho que meu pequeno gênio merece algum tipo de recompensa".

Jacob sorriu. "Sério? Legal!! Que tipo de recompensa?"

Depois de tomar alguns goles de água, Karen respondeu: "Bem... não sei. Há algo que você está querendo? Algo para o seu quarto, talvez?"

Enquanto Jacob ponderava sobre sua recompensa, ele também reservou um tempo para conferir sua linda mãe da cabeça aos pés. Karen estava usando um vestido floral amarelo sem mangas que descia até os joelhos com um corpete justo. Ela tinha o cabelo comprido preso nas laterais e usava maquiagem apenas o suficiente para acentuar sua beleza natural. Jacob ficou surpreso ao ver como sua mãe podia parecer tão saudável e tão sexy ao mesmo tempo.

Jacob permaneceu quieto por mais alguns segundos e então disse, "Eu não sei de cara... posso pensar sobre isso?"

Enquanto colocava a tampa de volta na garrafa, ela assentiu: "Claro que pode." Ela apontou o dedo para ele, "Mas tem que ser razoável... não é Natal, você sabe."

Karen então voltou a guardar as compras no armário. Jacob verificou a hora e percebeu que demoraria um pouco até que seu pai saísse do trabalho para voltar para casa. Ele então se levantou e se aproximou e ficou ao lado de Karen: "Então, mãe, que tal subirmos para o meu quarto e talvez fazermos uma comemoração antecipada?"

Um pouco surpresa, Karen olhou para o filho sorridente e respondeu: "Celebração? É assim que estamos chamando agora?"

Jacob deu de ombros e disse: "Bem, eu realmente poderia usar sua ajuda, e eu ia pedir ontem à noite, mas papai estava aqui. E eu lembrei de sua regra sobre não me ajudar quando ele estiver em casa."

Concordando com a cabeça, Karen respondeu: "Isso mesmo... nunca quando seu pai está em casa." Ela colocou o último enlatado na prateleira, então se virou e olhou nos olhos de Jacob que estavam cheios de esperança. Era a mesma expressão que ele costumava dar a ela anos atrás, quando pedia um brinquedo novo e, geralmente, funcionava. Hoje pode não ter sido um brinquedo que ele desejava, mas funcionou do mesmo jeito.

Karen riu e bagunçou seu cabelo, "Ok, espertinho, parece que temos algum tempo." Ela fechou a porta do armário e pegou a mão de Jacob, então o levou para fora da cozinha.

Enquanto eles entravam no quarto de Jacob, ele decidiu perguntar novamente: "Sabe, mamãe, poderíamos economizar algum tempo se você me deixasse colocar minhas coisas dentro de você novamente." Ele esperava que, com ela tão empolgada com os resultados do teste, talvez ela desistisse.

Karen balançou a cabeça, "Não, Jake... Já passamos por isso. Pare de bater nesse cavalo morto."

"Por favor, mãe?"

Karen fechou e trancou a porta. "Não force, senhor... só mãos e boca!!" Ela caminhou até ele, "É assim ou de jeito nenhum."

Alguns minutos depois, Jacob estava nu e deitado de costas, e sua mãe estava entre suas pernas estendidas. Com exceção dos sapatos, Karen ainda estava completamente vestida enquanto trabalhava no pênis de seu filho.

Jacob observou enquanto sua mãe polia fervorosamente seu enorme botão. Ele gostou muito da sensação de suas mãos macias enquanto acariciavam firmemente seu pau enquanto sua boca quente sugava e sorvia a cabeça inchada. Ele gemeu baixinho e disse: "Mãe... eu estive pensando."

"Mmmffffinnngggg?" Karen achava impossível falar com a boca cheia do incrível palito de carne do filho. Ela então se levantou e sentou-se sobre os calcanhares. Com as costas da mão esquerda, ela limpou a combinação de saliva e pré-sêmen da boca e do queixo. Sua mão direita continuou a acariciar lentamente o eixo de Jacob. "Ok, Einstein... pensando em quê?"

"Minha recompensa", respondeu Jacob.

Karen inclinou a cabeça para a esquerda, "Você está pensando nisso AGORA?"

Erguendo-se sobre os cotovelos, Jacob respondeu: "Sim, e eu decidi o que quero."

Karen olhou para sua mão enquanto ela deslizava para cima e para baixo no pênis de seu filho. Ela então olhou para ele e perguntou: "Tudo bem? E isso seria o quê?"

Jacob falou rapidamente: "Mãe, eu quero ver você nua!"

A mão de Karen parou imediatamente, e ela caiu e balançou a cabeça, "Oh Jake, isso de novo não. Eu disse a você que não vou fazer isso."

"Mas mãe... você disse que eu poderia ter o que eu quisesse."

Karen olhou para o filho e voltou a acariciar lentamente seu eixo. "Sim, eu disse isso, mas estava pensando mais em alguns videogames ou talvez algo para o seu computador."

Jacob tentou com olhos suplicantes, "Por favor, mãe... É o que eu quero mais do que tudo!"

Com um olhar de perplexidade, Karen perguntou: "Sério, Jake? De todas as coisas que você poderia pedir... é isso que você quer? Ver sua mãe nua?"

Jacob acenou com a cabeça, "Sim... mais do que qualquer mulher no planeta."

"O planeta inteiro?" Karen zombou: "Você espera que eu acredite nisso?" Ela então fez um gesto com a mão esquerda: "E a modelo da qual você estava falando outro dia... Uh Dana, 'qual é o nome dela'."

"Você quer dizer Denise Milani?" Jacob acenou com a cabeça, "Sim! Ainda mais do que ela." Jacob continuou: "Além disso, seria uma grande ajuda com minha imaginação enquanto estou tentando terminar sozinho." Jacob podia ver uma expressão no rosto de sua mãe como se ela pudesse realmente estar pensando nisso. "Além disso, mãe, isso não lhe custaria nada."

Karen pensou consigo mesma: 'Exceto minha dignidade.'

Enquanto ela continuava a acariciar lentamente o pênis inchado de seu filho, Karen pensou consigo mesma que talvez ele tivesse razão. Se ele pudesse começar a terminar sozinho regularmente, não precisaria mais da ajuda dela e, então, eles poderiam voltar a um relacionamento normal de mãe e filho.

"Por favor, mãe!" Jacob continuou a pressionar.

Depois de um tempo de súplica de Jacob e contra seu melhor julgamento, Karen finalmente cedeu. Ela soltou o eixo de Jacob e ergueu as duas mãos em sinal de rendição. Com um suspiro descontente e um aceno de cabeça, "Ok! Tudo bem... eu farei isso." Ela então levantou um dedo, "Uma vez."

Enquanto ela voltava para o chão, Jacob sorriu, "Obrigado, mãe... você é demais!!" Jacob então sentou-se ao lado da cama e esperou ansiosamente por sua 'recompensa'. Ele mal podia acreditar que isso realmente iria acontecer; sua mãe supergostosa ia ficar nua para ele.

De pé no centro da sala, Karen tinha emoções confusas. Ela sabia que era errado se expor a qualquer pessoa que não fosse o marido, mas estava achando cada vez mais difícil dizer 'não' ao filho. Embora esse fosse outro limite que ela estava prestes a cruzar, Karen encontrou algum consolo no fato de que isso pode ajudar ainda mais Jacob a superar sua condição.

Karen começou removendo os grampos de cabelo e, enquanto corria os dedos pelos longos cabelos castanhos, disse: "Lembre-se de Jake ... isso é uma coisa única."

Jacob, observando e acariciando seu pênis, respondeu: "Sim, senhora."

Depois de colocar os grampos de cabelo na cômoda, Karen relutantemente estendeu a mão para trás e começou a abrir o zíper do vestido. O som do zíper fechando tornou o momento ainda mais surreal. Ela então puxou as alças finas pelos braços e empurrou o vestido lentamente sobre seus quadris curvilíneos. Jacob podia sentir sua excitação aumentar enquanto observava o vestido cair no chão e se acumular aos pés de sua mãe.

Karen estava diante do filho, usando um conjunto de sutiã e calcinha amarelo-claro. O sutiã de renda exibia uma quantidade generosa de seu decote maravilhoso. A calcinha era estilo biquíni e acentuava muito as curvas extremas de sua cintura e quadris.

Karen cruzou os braços sob os seios, "Agora... que tal isso? Acho que isso deve ajudar sua imaginação... certo?" Ela esperava não ir mais longe.

Continuando a acariciar seu eixo, Jacob respondeu: "Você está ótima, mãe, mas preciso ver mais."

Virando a cabeça, Karen suspirou: "Oh, querida, isso não pode ser o suficiente? Eu realmente não deveria ir mais longe."

Jacob continuou a empurrar, "Por favor, mãe! Lembre-se, esta é a minha recompensa, e é para me ajudar com a minha imaginação."

Enquanto Karen contemplava seu próximo passo, ela olhou ao redor do quarto de seu filho, as paredes cobertas com pôsteres de filmes de super-heróis. Ela sentiu como se cada personagem estivesse olhando para ela em julgamento. Todos aqueles olhos estavam prestes a dar testemunho desta esposa e mãe cristã enquanto ela mais uma vez cruzava outro limite pecaminoso.

Antes de prosseguir, ela disse: "Agora, Jake, só vou até certo ponto... minha calcinha vai ficar".

Jacob choramingou, "Mas mamãe!"

Karen levantou a mão, "Sem 'mas' Jacob! É por aqui, ou eu paro agora." Ela tentou recuperar algum controle da situação e talvez manter algum senso de autodignidade.

Jacob suspirou e concordou relutantemente. "Ok, mãe."

Karen estendeu a mão para trás e habilmente desabotoou a alça do sutiã. Ela então segurou os copos contra os seios com as duas mãos e, em voz baixa, perguntou: "Tem certeza de que é isso que você quer?" Ela esperava uma saída, mas, infelizmente, não haveria escapatória.

Jacob, agora bombeando seu monstro com ambas as mãos, acenou com a cabeça em resposta.

Karen lentamente abaixou os bojos de seus seios e colocou o sutiã na cômoda com os grampos de cabelo. Expor-se assim deu a ela uma sensação avassaladora de constrangimento e vulnerabilidade; seus mamilos sensíveis instantaneamente endureceram. Ela lutou contra o desejo de colocar os braços sobre os seios para esconder sua nudez. Em vez disso, ela olhou para o chão.

Jacob não podia acreditar como sua mãe parecia perfeita. Seus seios magníficos pendiam pesadamente de seu peito... lindamente redondos e cheios. Eles não tinham a mesma ousadia de Rachel, mas, no entanto, eram tão bonitos e, na mente de Jacob, ainda mais sexy. Desejando um olhar mais atento, ele se levantou e caminhou até ela. "Uau! Mãe... você é linda!"

Karen olhou timidamente para o filho e murmurou: "Obrigada, querida." Por alguma razão, enquanto ela estava lá, ela começou a sentir algo. Eram as mesmas emoções que ela experimentou naquele dia em sua cozinha, uma mistura de vergonha, relutância, mas também uma pitada de excitação.

Sem perguntar, Jacob levantou as mãos para segurar seus peitos incríveis, mas Karen bloqueou sua tentativa. "Uh-uh... você só pediu para olhar." Karen ansiava por ser tocada, mas queria esperar por Robert. Depois de se expor ao filho, ela queria que o marido voltasse para casa e a reclamasse para si. Mesmo que Robert não tivesse ideia do que estava acontecendo com ela e Jacob, ela ainda sentia uma estranha necessidade de fazer as pazes com ele... de alguma forma.

Karen estendeu a mão e agarrou a mão de Jacob e o levou para a cama. "Vamos, Jake... vamos acabar com você." Ela então se sentou ao lado da cama e posicionou Jacob para ficar na frente dela. Ela começou a puxar seu enorme pênis, fazendo com que seus grandes seios balançassem em seu peito.

Jacob, dominado pela beleza absoluta de sua mãe quase nua, não resistiu em tentar. Ele se lembrou do conselho de sua irmã e decidiu assumir o comando. "Mãe... eu quero fazer de novo. Como fizemos outro dia."

Karen agora estava usando as duas mãos para acariciar seu pênis. A fenda estava vazando um fio constante de pré-sêmen, e ela não resistiu a lamber a ponta e recolher o doce líquido com a língua. "Não, Jake... nós já discutimos isso." Ela tentou ser severa, mas parecia um tanto fraca.

Desta vez, Jacob não aceitaria um 'não' como resposta. Ele gentilmente empurrou os ombros de sua mãe, "Por favor, mãe... deite na cama."

Karen olhou para o filho. Sua mente gritou 'Não', mas seu corpo não quis ouvir, e ela cambaleou para trás como Jacob instruiu. Ele a guiou até o meio da cama, onde ela se deitou de costas.

Sem perguntar, Jacob pegou a calcinha de Karen e começou a puxá-la para baixo. Instintivamente, ela ergueu os quadris enquanto protestava fracamente: "Jake, querido... não devemos fazer isso de novo." Ignorando seu apelo, Jacob deslizou a delicada roupa pelas longas pernas de sua mãe. Ele os tirou de seus pés e os deixou cair na cama ao lado dele.

Agora totalmente nua, Karen se sentia ainda mais exposta. Ela colocou os braços sobre os seios e, com os calcanhares fincados no colchão, fechou bem as pernas. Jacob pôs as mãos nos joelhos dela e disse: "Por favor, mãe... está tudo bem." Ele então gentilmente separou as pernas dela; ele encontrou pouca ou nenhuma resistência.

Karen choramingou, "Jake... nós-Oh meu Deus." Com as pernas abertas, ela podia sentir o ar fresco acariciando sua boceta extremamente molhada. Ela fechou os olhos e virou a cabeça envergonhada. Em sua mente, ela já estava implorando por perdão... fosse de Robert ou de Deus... ela não tinha certeza.

Os olhos de Jacob fitaram a vagina de sua mãe. Foi o primeiro que ele viu claramente na vida real, e ele achou lindo. Ele tocou na buceta da irmã no início da semana, mas o quarto estava escuro. Ele notou que sua boceta estava bem aparada, e os lábios eram rosa claro e extremamente úmidos.

Jacob se posicionou entre as longas e sensuais pernas de sua mãe. Karen olhou para o filho e com um tom suave, "Querido... talvez eu devesse ficar por cima."

Jacob pegou seu ferrão carnudo e colocou a cabeça contra a delicada flor de sua mãe. Enquanto ele deslizava a cabeça para cima e para baixo em suas dobras molhadas tentando encontrar a abertura, ele disse: "Não se preocupe, mãe ... não vou terminar dentro. Eu prometo."

Sentindo que ele precisava de ajuda, Karen segurou o pênis de Jacob com a mão esquerda para guiá-lo para casa. "Sim, Jake... você tem que prometer... você não pode terminar dentro... MEEEEEE!!" Naquele momento, a cabeça do pênis de Jacob deslizou para dentro. "OOOHHHH!!" Karen usou as duas mãos para segurar os ombros dele e abriu mais as pernas para ajudá-lo a entrar.

Jacob assistiu enquanto os primeiros centímetros desapareciam no pedaço quente de sua mãe. "Uau, mãe... isso é incrível."

"Uuuuuuuhhhhggggg," Karen fez uma careta e empurrou para trás em seus ombros. "Jake, querido... por favor... vá devagar!!"

Ele obedeceu à mãe e diminuiu a velocidade. Karen então colocou sua mão direita no quadril esquerdo de Jacob, e guiou seus movimentos para se acomodar um pouco de cada vez suavemente.

Karen tinha os olhos bem fechados enquanto tentava se ajustar ao pênis do tamanho de um mamute entrando nela por este novo ângulo. Sem fôlego, ela murmurou, "Oh, Jake... é tãããão grande!!"

Depois de alguns momentos com a ajuda de Karen, Jacob finalmente estava profundamente dentro de sua mãe. "Mãe... estou completamente dentro, e é uma sensação incrível. Sua boceta está tão molhada!!"

Os olhos de sua mãe se abriram, "JACOB! Não use essa palavra! Diga, 'Minha vagina está molhada.'"

Jacob segurou as pernas de sua mãe atrás dos joelhos e disse: "Desculpe, mãe ... sua vagina está tão molhada." Ele então começou um movimento constante para dentro e para fora, rapidamente entrando em um bom ritmo.

Karen agarrou firmemente os ombros de Jacob. Ela gemia constantemente: "Uh! Uh! Uh!" cada vez que o corpo de Jacob batia em sua virilha. Depois de alguns minutos de suas estocadas constantes, ela podia sentir a onda orgástica se aproximando rapidamente. Aproximando-se do intervalo, Karen arqueou as costas e anunciou a chegada. "Ohhhhh! Jake!! AAAAAAHHHH!!"

Instintivamente, Jacob continuamente mergulhou seu pênis profundamente em sua mãe. Antes que Karen pudesse recuperar o fôlego do primeiro orgasmo, ela podia sentir-se construindo rapidamente para outro. Depois de apenas alguns momentos, a segunda onda quebrou, e com os olhos bem abertos, ela olhou para Jacob. "Oh, não! Lá vem ele... AGAIIINNNNN!!"

Jacob nunca cedeu enquanto mantinha um ritmo constante. Ele sorriu enquanto olhava para sua mãe gostosa. Os olhos de Karen estavam bem fechados e sua boca aberta como se ela estivesse gritando, só que não havia som. Sua mão esquerda segurava firmemente o ombro de Jacob enquanto com o braço direito ela rodeava seus seios enormes na tentativa de mantê-los sob controle.

Jacob soltou as pernas de Karen e colocou as mãos no colchão para se apoiar em cima dela. Ele podia sentir seu orgasmo se aproximando, mas queria fazer sua mãe gozar mais uma vez.

Impulsionado por sua luxúria, Jacob começou um ritmo de golpes fortes e rápidos. O som obsceno de tapa na pele reverberou por toda a sala. A cama juntou-se ao coro incestuoso com uma melodia de guinchos e gemidos.

Karen soltou os seios, então estendeu a mão para trás e agarrou a cabeceira da cama. Por causa de sua diferença de altura, os seios de Karen estavam perfeitamente na linha de visão de Jacob. Ele tinha a posição ideal para vê-los dançando em seu peito.

Durante toda a sua vida de casada, Karen desfrutou intensamente do sexo com o marido, Robert. Ele era um amante muito atencioso e quase sempre a fazia gozar, e ocasionalmente conseguia fazê-la gozar duas vezes, mas nunca em uma separação tão próxima nem tão intensa quanto esses dois orgasmos. Mas um terceiro? Isso era simplesmente inédito.

Enquanto Jacob tentava esmurrar o corpo fatigado de sua mãe até a submissão, Karen duvidava que algum dia fosse capaz de alcançar o pináculo pela terceira vez. Ela podia sentir o orgasmo pairando lá fora, mas parecia muito fora de seu alcance.

Karen olhou para o filho, o rosto coberto de suor e um olhar de pura determinação. Com um tom cansado, ela suspirou, "Querida? Talvez... talvez devêssemos... parar." "Eu... eu não... acho... eu caaaannnn... OOOOOOHHHHHHH!!"

Karen puxou a cabeceira da cama e arqueou as costas enquanto experimentava seu terceiro e mais eletrizante clímax do dia. "AAAAAHHHHHH," ela gemeu quando seu corpo foi tomado pelo êxtase desenfreado.

Depois que o intenso orgasmo finalmente diminuiu, o corpo esgotado de Karen caiu de volta no colchão. Jacob podia sentir o sêmen subindo pelo eixo de seu pênis. "Oh, mãe!! Está chegando!!"

De alguma forma, Karen encontrou forças para empurrar os ombros de Jacob. "Não, baby! Lembre-se... não dentro de mim!!"

Relutantemente, Jacob saiu da bainha quente de sua mãe e sentou-se sobre os calcanhares. Ele agarrou seu pênis e vomitou sua incrível carga em toda a sua mãe exausta. "OOOHHHH MOOOMMMMM!!" Seu sêmen salpicou seu corpo nu de suas coxas bem torneadas até seu pescoço esbelto.

Por algum tempo, os dois ficaram imóveis tentando recuperar o fôlego. Depois de um tempo, Karen finalmente rolou para o lado, de frente para Jacob, que ainda estava olhando para o teto. Ela então se ergueu sobre o cotovelo, fazendo com que seus seios grandes balançassem e rolassem sobre o peito. Vários jatos de esperma escorreram pelas laterais de seus seios e se acumularam nos lençóis já manchados.

Karen olhou para seu corpo coberto de sêmen, "Deus, Jake, você deve ter salvado aquele."

Jacob olhou para Karen, "Essa foi a melhor recompensa de todas, mãe!! Obrigado!!"

Acariciando o peito nu de Jacob, Karen respondeu: "De nada, querido." Ela então colocou um pouco de cabelo atrás da orelha, "Espero que isso ajude a alimentar sua imaginação por algum tempo."

Jacob sorriu para ela. "Definitivamente vai. Obrigada de novo, mãe... eu te amo."

Karen sorriu, então se inclinou e beijou a testa de Jacob. "Eu também te amo, bebê." Ela olhou para o despertador e disse: "É melhor irmos andando."

Karen rolou para longe dele e sentou-se na beirada da cama, então lentamente se levantou. Ela estava fazendo o possível para não pingar no chão. Ela olhou para si mesma e disse: "Estou uma bagunça total."

Jacob sentou-se e teve a visão de sua linda mãe coberta com seu esperma. "Não se preocupe, mãe, eu acho que você está fantástica." Enquanto ela caminhava até o armário para pegar uma toalha, Karen deu a ele um olhar malicioso, balançou a cabeça e disse: "Homens".

Depois de se limpar o melhor que pôde, Karen pegou a calcinha da cama e disse: "Preciso tomar um banho. Seu pai vai chegar em breve." Enquanto recolhia suas roupas e grampos de cabelo, Karen olhou para o filho deitado na cama. Ele parecia estar olhando para ela enquanto acariciava lentamente seu pênis. "Meu Deus, Jake, o que você está fazendo?"

Jacob encolheu os ombros, "Ainda é difícil." Com um sorriso, ele perguntou: "Você acha que temos tempo para outra tentativa?"

Karen zombou: "NÃO! Não temos tempo para outra tentativa." Ela pendurou o vestido e as roupas íntimas sobre o braço esquerdo. "Acho que você já bebeu mais do que o suficiente por hoje, meu jovem." Acenando com a mão direita, "Você precisa limpar aqui antes que seu pai chegue em casa."

Desapontado, Jacob respondeu: "Tudo bem, mãe." Ele então se levantou e começou a recolher suas roupas descartadas.

Karen se aproximou e destrancou a porta para sair. Ao sair do quarto, ela gritou de volta: "Certifique-se de trocar esses lençóis."

"Sim, senhora!" Jacob respondeu enquanto observava sua mãe nua caminhar pelo corredor, seus olhos grudados em seu lindo traseiro redondo. Assim que ela desapareceu em seu quarto e fechou a porta, Jacob foi para a cama e começou a tirar os lençóis. Mentalmente, ele marcou outro gol de sua lista. Agora ele poderia começar a formular planos para levar as coisas para o próximo nívelFIM CAPÍTULO 4

CAPÍTULO 5 EM BREVE.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 48 estrelas.
Incentive Lobo curioso a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Lobo curiosoLobo curiosoContos: 283Seguidores: 179Seguindo: 73Mensagem Gosto de ler contos de tabus incesto, gosto de fazer amizades

Comentários

Foto de perfil genérica

Maravilha, como sempre, de grão em grão é qu a galinha enche o papo.

0 0