MÃO AMIGA DA MÃE CH. 16

Um conto erótico de MELK
Categoria: Heterossexual
Contém 3736 palavras
Data: 18/02/2023 19:21:00

Alison saiu correndo cegamente do quarto do hotel, sem saber para onde estava indo; só que ela tinha que escapar. Ainda era viva a sensação do enorme pedaço de carne entre as pernas, o enorme pedaço de carne que era o pau de seu filho, seu filho que ela criara naquele mesmo lugar. Oh Deus! O que ela estava fazendo? O que ela estava pensando?

Ela desceu no elevador e saiu para o saguão, de repente ciente de que, em sua pressa; ela nem se deu ao trabalho de se vestir e estava nua. Ela se sentia extremamente consciente de sua nudez; mas quando ela olhou em volta, ninguém parecia prestar muita atenção nela, além de alguns olhares de admiração. Estar nu claramente parecia a norma por aqui; além disso, ela não pretendia voltar para o quarto para se vestir. Ela não conseguia lidar com o confronto com Bobby ainda. Como ele poderia ter feito isso? Ela não tinha deixado claro para ele que eles nunca poderiam cruzar aquela fronteira, que a relação sexual... foda... não estava em oferta?

Ela vagou pelo resort, sem saber para onde estava indo, até que encontrou um bar. Mesmo àquela hora da manhã, havia algumas pessoas lá dentro; e Alison certamente precisava de uma bebida. Ela deu ao barman o número do quarto e pediu um gim-tônica duplo, antes de encontrar um canto sossegado para sentar e organizar seus pensamentos.

Ela percebeu que ainda estava úmida entre as pernas; e ao se lembrar da sensação de seu filho dentro dela, sentiu uma onda de excitação invadi-la, a despeito de si mesma. É realmente por isso que ela estava com tanta raiva, porque queria que ele fizesse amor com ela? Ela realmente queria que ele parasse? Ela poderia ter lutado com ele, empurrado para longe. Em vez disso, ela apenas ficou lá, e deixou que ele se empurrasse cada vez mais fundo dentro dela até que ela não achasse que poderia ir mais longe; e ainda assim ele deslizou mais para dentro dela. Ela não conseguia se lembrar da última vez que se sentiu tão cheia, foi... bem, foi quando John fez amor com ela, o pai de Bobby que criou seu filho naquele mesmo lugar que Bobby acabara de violar. Ela bebeu a bebida, sem saber o que pensar. Quão confuso foi tudo isso?

Ela se viu no espelho e se lembrou de sua nudez, seus seios grandes se projetando obscenamente sobre a mesa, lembrando que foi ideia dela vir aqui, estar em um resort de swing com Bobby, para deixá-lo "pegar isso fora de seu sistema'' O que ela poderia esperar de um adolescente com tesão quando ela andava nua na frente dele e o provocava, que ele não iria querer fazer amor com ela?

"Você está bem?"

A voz a assustou; e ela olhou para cima para ver uma linda garçonete oriental vestindo apenas um avental.

"Você parecia um pouco chateado quando entrou."

"Hum, sim, obrigada. Estou bem." Alison foi tomar outro gole de sua bebida, mas percebeu que estava vazia.

"Posso pegar outro?"

"Sim por favor."

A garçonete se afastou, sua bunda nua balançando enquanto ela o fazia. O quanto disso era realmente culpa de Bobby, ela se perguntou. Ela permitiu que as coisas continuassem e o trouxe aqui. Certamente, era natural para ele pensar que as coisas iriam progredir. E era mesmo só ele que queria? Ela se lembrou da noite no hotel em Nova York: se agarrando e pensando em como teria sido fácil pegá-lo dentro dela, sentir o jeito que ela sentiu quando John fez amor com ela... exceto que não era John, era Bobby; e o que ela estava pensando? Ele era um adolescente liderado por seus hormônios e aquele pau grande dele. Ela era a pessoa que deveria ser responsável.

A garçonete voltou com sua bebida.

"Você tem certeza que está bem?"

"Sim, estou bem, obrigado. Acabei de ter uma... discussão com meu... parceiro, só isso."

"Bem, tenho certeza que ele vai voltar logo. Você é linda demais para ficar sozinha por muito tempo!"

Alison sorriu para a garota. "Obrigado."

"E além disso, sexo de reconciliação é sempre o melhor."

Alison não disse nada e simplesmente tomou um gole de sua bebida.

"Uau!"

Alison olhou para cima para ver que a garota estava olhando fixamente. Seguindo seu olhar para ver a fonte de seu interesse; ela se viu olhando para Bobby. Ele examinou o bar e avistou Alison, fazendo o seu caminho.

"Esse é o seu cara?"

"Hum, sim."

"Eu posso ver o porquê. A natureza certamente o abençoou!"

A garçonete ficou claramente impressionada ao ver Bobby se aproximar. Ele estava nu e, embora seu pênis fosse macio, ainda balançava enquanto ele caminhava, suas bolas pesadas saltando contra suas pernas enquanto ele atravessava o bar.

"Vou deixar vocês dois sozinhos." A garçonete voltou para o bar.

"Eu estive procurando por você o tempo todo."

"Eu só precisava ficar sozinho... e pensar."

"Sinto muito... pelo que aconteceu. Juro por Deus que foi um acidente."

"Como você pode dizer que foi um acidente!? Você... colocou quando eu mandei parar."

"Quero dizer, foi um acidente. Eu... você sabe... coloquei... eu queria colocar entre suas pernas, como ontem... e te surpreender."

"Bem, você certamente fez isso." Ela tomou um gole de sua bebida.

"Quero dizer, foi um acidente que eu coloquei."

"Bem, isso pode ter sido verdade, mas não foi por acaso que você colocou tudo dentro de mim."

"Mas eu não..."

"Como você pode dizer aquilo?"

"Quero dizer, não estava todo dentro de você..."

"O que você quer dizer?"

"Quero dizer, não estava totalmente dentro."

"Não foi tudo..." Ela deixou as palavras afundarem. Ela o sentiu tão profundamente dentro dela que era quase doloroso e não era nem o comprimento todo. Ela tomou um gole de sua bebida novamente e esvaziou o copo. Aqui ela estava nua em um bar pela manhã bebendo gim e tônica, depois de quase ser fodida por seu filho. Que modelo de mãe ela era! Ela chamou a atenção da garçonete, que assentiu e foi preparar outra bebida para ela.

"Quero dizer, eu sei que não deveria, você sabe, colocá-lo mais; mas eu apenas imaginei que, se já estivesse dentro, mais alguns centímetros não fariam muita diferença."

"Não foram apenas alguns centímetros..."

"Um bem, ok, foi mais do que um par... eu só pensei... eu não sei o que eu pensei, eu simplesmente não pude evitar. Me desculpe."

A garçonete trouxe a bebida de Alison e deu a ela um sorriso conspiratório enquanto verificava Bobby. Alison tomou um gole da bebida, sentindo o álcool subir à cabeça.

"Acho que não é realmente sua culpa, Bobby. Quero dizer, você é um jovem com todos os impulsos que os jovens têm; e eu tenho andado assim..." ela apontou para sua nudez e Bobby aproveitou o momento para admirar seus seios, sentindo seu pau começar a se contorcer mais uma vez. Ele não sabia o que dizer, então simplesmente disse "Eu te amo, Alison".

"Eu também te amo, Bobby."

Ela olhou para o rosto bonito dele, tão parecido com o do pai, e sentiu o coração derreter. Eles se olharam nos olhos por alguns minutos sem falar. Bobby aproximou-se dela e beijou-a ternamente nos lábios. Ela estava relutante no início, mas lentamente começou a responder. Seus lábios se abriram e permitiram que a língua dele deslizasse em sua boca enquanto eles se abraçavam. Ela passou a mão pelo ombro dele e pelo braço dele. Sentindo algo bater em seu pulso, ela olhou para baixo para ver o que era, e descobriu que era seu pau duro, projetando-se acima da mesa.

"Bobby!"

"Desculpe Alison. Você é linda demais!" Ele voltou a beijá-la e ela sentiu suas mãos em seus seios, apertando-os e apalpando-os. As mãos dele em seu corpo eram maravilhosas; e apesar de si mesma, ela não pôde deixar de retribuir a paixão de seus beijos enquanto sentia seu corpo respondendo. Estava errado. Ela sabia que era; mas ela não pôde se conter. Voltar a se sentir mulher, ser amada e amar, era algo que fazia muito tempo que faltava em sua vida. Ela passou a mão sobre seu peito duro, sentindo seus músculos tonificados, seu corpo atlético contrastando com sua pele macia e suave, e sentiu seu pênis bater em seu braço novamente. Ela não pôde evitar e deixou sua mão deslizar para baixo, envolvendo e acariciando a latejante coluna de carne.

Bobby sentiu alívio por sua mãe o ter perdoado pelo que aconteceu e desejo renovado por seu belo corpo. Sua mão acariciando seu pênis enviou prazer através dele; e ele ansiava por retribuir, aumentar a aposta e levar sua mãe ao orgasmo. Ele beliscou seus mamilos e ela respirou fundo, mas empurrou os seios para fora para um tratamento mais áspero, então ele os apertou e torceu, sentindo-a gemer e apertar seu pênis com mais força. Ele soltou o seio dela e passou a mão pelo lado dela em direção ao fruto proibido que quase havia comido antes. Sua mãe sentiu a mão dele movendo-se sobre sua barriga em direção à junção de suas pernas e agarrou seu pulso parando-o.

"Não, Bobby, não aqui."

"Eu só quero fazer você se sentir bem."

"Eu sei, mas não aqui. Não estou pronto para... tudo isso." Ela soltou seu pênis e se recompôs o melhor que pôde, considerando que estava nua em um bar com um adolescente extremamente excitado ao lado dela. Ela viu que as outras pessoas no bar estavam observando. Ela chamou a atenção da garçonete que sorriu para ela.

"Vamos lá para cima." Ela terminou o resto de sua bebida e se levantou, balançando um pouco. Bobby pegou seu braço e a firmou.

"Oh querido, eu não acho que deveria ter bebido com o estômago vazio."

"Vamos, vamos tomar café da manhã."

Alison saiu do bar com Bobby seguindo, seu pau duro balançando.

Quando ela passou, a garçonete se inclinou para Alison e sussurrou: "Sexo de reconciliação é sempre o melhor, e ele é enorme!"

Alison não disse nada, mas corou enquanto voltava para a recepção e subia para o quarto. No elevador, Bobby virou-se para ela e, levantando seu queixo, beijou-a na boca novamente, seu pênis cutucando sua barriga enquanto o fazia. Puxando seu corpo nu para o dele, passando as mãos sobre suas nádegas cheias enquanto seus seios eram esmagados contra seu peito, seu pênis estava preso contra sua barriga enquanto eles se beijavam apaixonadamente. Eles estavam tão consumidos um pelo outro que levaram um momento para perceber que as portas se abriram e eles estavam no andar. Alison gentilmente se afastou de Bobby e saiu do elevador, pegando sua mão e levando-o para o quarto. O pau de Bobby estava latejando, a ponto de estourar, quando ele abriu a porta. Ele não tinha certeza do que esperar de sua mãe, mas sentiu que um limite havia sido ultrapassado. Ela balançou ligeiramente,

"Ohhh, Bobby. Eu me sinto um pouco tonto. Você pode pedir algum serviço de quarto enquanto eu tomo um banho?"

"Claro, sem problemas."

Ele ficou um pouco desapontado por ter que esperar, mas sabia que não devia forçar as coisas. Ele ligou para o serviço de quarto e pediu o café da manhã, acariciando distraidamente seu pau duro para aliviar a dor enquanto falava com a recepcionista. Ele foi até o banheiro esperando tomar banho com sua mãe; mas ela já estava saindo.

"Você pediu o café da manhã?"

"Sim, estará pronto em um minuto."

"Bom, por que você não entra? Vou secar no sol."

Merda. Isso estava começando a ser um trabalho árduo. Ele se lavou, acariciando seu pênis e lembrando-se da sensação da boceta apertada de sua mãe enquanto ele se enterrava mais fundo dentro dela. Ele podia sentir seu sêmen começando a subir quando ele se lembrou de estar profundamente dentro dela, e parou de se acariciar antes de ir longe demais. Ele terminou seu banho o mais rápido que pôde e saiu para encontrar sua mãe. Ela estava sentada à mesa na varanda, nua, com o café da manhã preparado e um balde de gelo com uma garrafa de champanhe.

"Bobby, você pediu isso?"

"Não, acho que eles só enviaram com elogios."

"Oh bem, parece uma pena desperdiçá-lo, esta comida é deliciosa."

Alison serviu a si mesma e a Bobby uma taça de vinho, seus seios pendurados convidativamente enquanto ela se inclinava sobre a mesa.

"Um brinde a nós!" Bobby brindou com ela; e eles brindaram com as taças antes de bebericar o champanhe gelado. Bobby teve que concordar que a comida era ótima. Ele não tinha percebido como estava com fome até agora; e ele sentiu que estava ficando tonto com o vinho. Alison parecia ter relaxado agora e terminou sua própria taça de vinho. Ela se levantou para servir outro, então Bobby esvaziou o dele e estendeu para reabastecer.

"Está sentindo o gosto da alta vida, jovem?"

"E para a bela garçonete!"

"Bem, elogios vão te levar a todos os lugares."

Alison corou ligeiramente percebendo o que ela havia dito, e o pênis de Bobby estremeceu com o pensamento. Todo esse flerte era o inferno; ele decidiu que era hora de alguma ação.

"Sério? Bem, que tal você vir e sentar no meu joelho?"

"Não sei..."

"Há uma grande gorjeta para você."

"Eu posso ver mais do que a ponta daqui." Alison riu enquanto considerava seu pau duro projetando-se sobre a mesa.

Bobby sorriu e deu um tapinha em seu joelho; e Alison lentamente se virou antes de colocar o braço em volta do ombro dele e se acomodar em sua perna.

"Feliz?"

"Definitivamente."

Eles se olharam por alguns momentos, antes de Bobby se inclinar para beijá-la ternamente nos lábios, o beijo lentamente se tornando mais apaixonado enquanto ele alcançava os seios grandes dela, apertando e brincando com eles. Ele a sentiu respondendo a suas carícias, alcançando seu pênis e acariciando-o. Teria sido fácil ficar assim e simplesmente sair; mas Bobby sentiu que a porta se abriu para mais possibilidades. Quando sua mãe começou a gemer com sua excitação, ele se abaixou e puxou a alavanca para reclinar sua cadeira.

"Oohhh!" Alison gritou com o movimento inesperado, caindo sobre Bobby. "O que você está fazendo?"

"Apenas ficando mais confortável."

"Não tenho certeza se conforto é a palavra que eu usaria."

Alison ajustou sua posição para que ela estivesse deitada em cima de Bobby, montando nele para que ela pudesse se sentar. Ela tomou outro gole de seu copo, olhando para ele enquanto ele sorria para ela. Com sua boa aparência e corpo atlético tonificado, ela tinha certeza de que qualquer mulher no resort pularia em seus ossos, especialmente com uma ereção que chegava até a metade de sua barriga e parecia que poderia martelar um prego. seu filho ela mesma pularia nele, mas ele estava e ela não podia, não devia...

"O que você está pensando?"

"Só que preciso ter cuidado onde me sento agora, não quero repetir..." A voz dela sumiu, o pênis de Bobby balançou e ela notou, mas não disse nada.

"Você sabe que realmente foi um acidente antes."

"Foi mesmo?"

"Sim, honestamente! Quero dizer, para começar, mas, bem, então, imaginei que se já estivesse, você sabe, dentro, mais um centímetro ou dois não fariam muita diferença."

"Foi mais do que uma ou duas polegadas, Bobby, muito mais!"

"Bem, eu acho; mas eu só queria saber como seria estar lá dentro, todo o caminho, você sabe, bem, apenas uma vez."

"Hmmm, bem, agora você sabe."

"Bem, eu não."

"O que você quer dizer?"

"Bem... não foi todo o caminho."

"Não foi tudo..." Ela se lembrou do que ele disse a ela no bar e sentiu-se corar com o pensamento. Apesar de si mesma, ela não pôde deixar de perguntar "Quanto foi?"

"Err, cerca de metade."

"Metade?! Oh Deus."

Ela fez uma pausa e esvaziou o copo enquanto ele se afundava. Apenas metade de seu pênis estava dentro dela. Como seria a coisa toda, mesmo que ela pudesse aguentar? Ele sentiu que ela estava avaliando o que havia acontecido e continuou.

"Você não gostaria de saber como seria mamãe? Só uma vez? Quero dizer, se esta vai ser a última vez que podemos ficar juntos, você não gostaria de saber como é?"

"Esse não é o ponto! Eu disse a você, nunca podemos ter relações sexuais, Bobby, nunca."

"Eu não disse que tínhamos que ter relações sexuais."

"O que você quer dizer?"

"Bem, apenas colocá-lo dentro não é relação sexual."

"Como você resolve isso?"

"Bem, quero dizer, se eu não gozar, se nós realmente não... porra... errm, quero dizer fazer amor, então não é realmente uma relação sexual. E já esteve dentro uma vez."

"Por acidente."

"Sim, por acaso; mas não seria mais do que já aconteceu."

"Bobby, isso é apenas dividir os cabelos."

"Não é, quero dizer, relação sexual é realmente entrar e sair e ter um orgasmo. Quero dizer, podemos simplesmente colocá-lo e ver como é, apenas uma vez."

Ele sentiu seu coração disparar quando sentiu que ela estava realmente considerando isso. Ela olhou para o pênis dele, estendendo a mão e acariciando-o antes de segurá-lo contra o estômago."

"Bobby, não sei se conseguiria, mesmo que quisesse. Olhe só. Passou do meu umbigo."

"Bem, você me disse que papai era grande."

"Isso foi há muito tempo e, bem, você é maior..."

Ela o considerou; e seu pau estremeceu em sua mão enquanto ele imaginava como seria.

"Você pode ir devagar. Pegue o quanto quiser. Se você estivesse por cima, estaria no comando."

"É isso mesmo, eu estou no comando!" Ela ficou com raiva de repente antes de fazer uma pausa e se recompor. "Bobby, eu... eu quero... isso também; mas toda essa situação me assusta tanto."

"Não há nada para se assustar. Estou aqui para protegê-la."

"Mas quem vai me proteger de você?" Ela pareceu séria por um momento, e então sorriu, continuando a acariciar o enorme pênis e sabendo que o queria dentro dela. Ela parou de acariciar e olhou nos olhos de Bobby.

"Bobby, se... e quero dizer SE eu concordar em fazer isso, você deve me prometer uma coisa."

"Claro"

"Aconteça o que acontecer, você deve me prometer que não vai ejacular. Você entendeu? Eu não tomo anticoncepcional e, bem... apenas me prometa."

"Eu prometo!"

Agora ele teria prometido a ela sua bola certa para o que ele pensou que iria acontecer. Ela ia se sentar em seu pênis? E levar tudo? Jesus! Seu coração disparou; e sua boca estava seca de excitação. Enquanto ele a observava terminar o último gole de sua bebida antes de pousar o copo, ela fez uma pausa, considerando a magnitude do que estava prestes a fazer. Ele assistiu ofegante enquanto ela se levantava sobre seu colo e então segurava seu pênis, acariciando-o algumas vezes antes de esfregá-lo para cima e para baixo em sua fenda, a cabeça de seu pênis esfregando contra seus lábios carnudos. A princípio, ele pensou que ela estava brincando com ele; mas então ele percebeu que ela estava usando o suco de sua boceta para lubrificar a ponta de seu pênis, antes de segurá-lo firme e abaixar-se lentamente sobre ele. Ele sentiu seu pênis envolvido por um abraço maravilhoso, quente, aveludado e úmido. Ele'

"Oh Deus. Bobby é tão grande!"

"Está tudo bem, apenas vá devagar."

Ele olhou para a coluna de carne grossa e cheia de veias espetando seu pequeno arbusto limpo, os lábios rosados ​​​​esticados ao redor de sua circunferência; e seu pau teve espasmos. Ela respirou fundo outra vez e lentamente desceu mais alguns centímetros em seu pênis.

"Oh Deus, é tão grande." Seu pênis flexionou, sentindo o maravilhoso aperto de sua boceta em seu pau. Ele estendeu a mão, segurando seus seios e beliscando seus mamilos. "Oh Deus, isso é bom. Mais difícil..."

Ela balançou-se ligeiramente em seu pênis, deixando-se deslizar um pouco mais para baixo em seu pênis, apenas alguns centímetros restantes fora dela agora. Ele passou uma mão por sua barriga e encontrou seu clitóris com o polegar, esfregando-o suavemente.

"Oh Jesus, Bobby! Oh Deus!" Ele podia sentir sua boceta convulsionando em torno de seu pênis, e percebeu que ela estava gozando em seu pênis. Seu corpo estremeceu e sua boceta agarrou seu pênis enquanto um orgasmo a percorria. Ele empurrou para dentro dela, enterrando seu pênis nela até o fim.

"OH DEUSDDDD! OHHHHHHHHH! TÃO PROFUNDO! TÃO PROFUNDO!"

Ela agarrou seu braço com a mão, suas unhas cravando em sua pele, seus olhos fechados enquanto gozava mais forte do que ela jamais poderia se lembrar, sua boceta agarrando e liberando seu pênis. Ele podia sentir suas bolas apertando e se conteve, ele sabia que se não tivesse gozado antes, nunca teria sido capaz de parar. E se ele viesse? Ele imaginou atirar sua carga em sua boceta, enchendo-a com seu esperma, e imaginou se ele a engravidasse. Seu pênis teve espasmos novamente com o pensamento de fazer um irmãozinho no ventre de sua própria mãe. O pensamento era tão perverso e, de alguma forma, tão excitante ao mesmo tempo. As bolas de Bobby puxaram para cima e ele exerceu cada gota de autocontrole para evitar o clímax enquanto sua mãe descia de seu próprio orgasmo.

"Oh Deus Bobby, me desculpe ..."

"Está tudo bem mãe, acho melhor você sair de cima de mim, eu vou..."

"O quê? Oh, eu vejo, oh Deus ..."

Alison empurrou-se para cima e para fora do pênis de Bobby bem a tempo, segurando-o em sua mão enquanto deslizava para fora dele. Ele sentiu o ar frio em seu pau, escorregadio com os sucos de sua mãe, e sentiu os dedos dela em volta de seu eixo quando ela saiu de cima dele e finalmente ele não conseguiu mais se segurar.

"Ohhhh merda..."

Seu esperma explodiu salpicando a parte de baixo dos seios de Alison antes de escorrer de volta para sua barriga. A próxima carga espirrou no peito de Bobby e a próxima na cadeira. Alison colocou a mão na ponta do pau dele para tentar conter a confusão; e seu sêmen espirrou da palma da mão dela antes de respingar nas pernas dela, os últimos jorros correndo de volta para o pênis e para as bolas. Nenhum dos dois conseguia olhar nos olhos do outro, mas ambos sabiam que as coisas nunca mais seriam as mesmas.

*****

No capítulo 17, Alison enfrenta uma escolha difícil, entregar-se completamente a Bobby ou expor sua relação incestuosa.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 42 estrelas.
Incentive Lobo curioso a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Lobo curiosoLobo curiosoContos: 283Seguidores: 175Seguindo: 73Mensagem Gosto de ler contos de tabus incesto, gosto de fazer amizades

Comentários