MÃO AMIGA DA MÃE CH. 15

Um conto erótico de MELK
Categoria: Heterossexual
Contém 11339 palavras
Data: 18/02/2023 19:18:50

Capítulo 15

"Por que não peço algum serviço de quarto e então podemos dar uma olhada?" Alison perguntou enquanto se dirigia ao banheiro para limpar o esperma de Bobby de suas pernas e mãos.

"Uma olhada ao redor? Em quê?"

"No resort! Não pretendo passar as 2 semanas no quarto do hotel."

"Mas eu pensei que viemos aqui para nos divertir?"

"Nós fizemos e vamos, mas eu gostaria de me bronzear e fazer um pouco de turismo também." ela disse voltando para o quarto.

"Há muitas atrações para ver aqui!" Os olhos de Bobby se fixaram em seus grandes seios enquanto ela atravessava a sala.

"Honestamente, Bobby, por que você está tão obcecado com meus peitos?"

"Porque são maravilhas naturais!"

"Hmmm, bem, essas maravilhas naturais estarão fazendo alguns passeios turísticos hoje. Agora, e quanto a isso para vestir?" Alison pegou um par de shorts e um top de sua mala.

"O que você quer dizer?"

"Quero usar, é claro."

"Mas mãe, a roupa é opcional, lembra?"

"Sim e a palavra-chave é opcional, o que significa que tenho a opção de manter minhas roupas."

Oh droga! Agora eles não só iriam passear pelas lojas para o dia em que sua mãe estaria completamente vestida também? Eles poderiam muito bem ter ficado em casa, então ele teve uma ideia.

"Bem, por que você não usa um biquíni?"

"Um biquíni?"

"Sim, o mensageiro disse que há uma praia particular e você disse que queria se bronzear."

"Eu suponho... oh droga!"

"O que?"

"De todas as coisas para esquecer, como pude ser tão estúpido?! Esqueci-me de comprar maiôs!", Alison viu o olhar de esperança passar pelo rosto de Bobby e antes que ele pudesse dizer qualquer coisa acrescentou. "E não, isso não significa que eu vou nu!"

Bobby pensou por um momento e então deu um sorriso para ela.

"Aquele cara não disse que tem um complexo de compras? Devem ter algum lugar que venda maiôs! Por que não vou dar uma olhada enquanto você nos prepara o café da manhã?"

"Tudo bem então. Onde eu estaria sem meu homem maravilhoso!?" Ela cruzou e deu-lhe um abraço pressionando seu maravilhoso corpo nu contra ele, ele correu as mãos pelos quadris dela agarrando punhados de suas nádegas e puxando-a contra seu pau endurecido. Ela sentiu seu pênis começando a inchar e gentilmente empurrou para longe dele. "Bobby... controle-se. Temos muito tempo para isso depois."

Quando ela se afastou dele, seus olhos caíram sobre seus seios fartos e admiraram as esferas opulentas.

"Bobby... Bobby, olá, aqui em cima!"

"Huh?"

Ele olhou para cima para vê-la olhando para trás e sorrindo, obviamente tentando fazer com que ele fizesse contato visual.

"Trajes de banho, lembra?"

"Ah sim, certo." Bobby vestiu distraidamente o short e o tênis e desceu as escadas. Quando ele entrou no saguão, já havia alguns outros convidados andando, alguns usavam roupas, mas a maioria estava nua. Ele saiu da área de recepção principal para um saguão aberto dominado por uma fonte luxuosa com estátuas de figuras entrelaçadas em várias poses eróticas. Ao redor da base da fonte havia bancos e alguns casais estavam sentados e conversando, ele notou que algumas pessoas se reuniram do outro lado da fonte e vagaram para ver o que eles estavam olhando. Ele ficou chocado ao ver uma linda garota de cabelos escuros na casa dos 20 anos montando em um cara negro e cavalgando seu pau. Eles pareciam alheios à multidão que se reuniu para assistir, na verdade, eles pareciam gostar da atenção e fazer um show para eles. A garota tinha um corpo magro com seios pequenos e empinados e sua pele pálida contrastava com o pau negro de ébano em que estava empalada. Ele podia ver que sua boceta estava se esticando para acomodar o pau enorme e ela ainda era incapaz de aguentar os últimos centímetros. Ele se perguntou como seria foder na frente de um grupo de pessoas assim, ou ter sua mãe chupando seu pau na frente de uma platéia. O que eles pensariam sabendo que ele estava sendo chutado por sua própria mãe, ele se perguntou? Ele podia sentir-se ficando duro observando a exibição e notou que alguns dos caras que assistiam já estavam eretos, alguns estavam até se masturbando abertamente e uma garota estava dando uma punheta no namorado enquanto eles assistiam. A garota tinha um corpo magro com seios pequenos e empinados e sua pele pálida contrastava com o pau negro de ébano em que estava empalada. Ele podia ver que sua boceta estava se esticando para acomodar o pau enorme e ela ainda era incapaz de aguentar os últimos centímetros. Ele se perguntou como seria foder na frente de um grupo de pessoas assim, ou ter sua mãe chupando seu pau na frente de uma platéia. O que eles pensariam sabendo que ele estava sendo chutado por sua própria mãe, ele se perguntou? Ele podia sentir-se ficando duro observando a exibição e notou que alguns dos caras que assistiam já estavam eretos, alguns estavam até se masturbando abertamente e uma garota estava dando uma punheta no namorado enquanto eles assistiam. A garota tinha um corpo magro com seios pequenos e empinados e sua pele pálida contrastava com o pau negro de ébano em que estava empalada. Ele podia ver que sua boceta estava se esticando para acomodar o pau enorme e ela ainda era incapaz de aguentar os últimos centímetros. Ele se perguntou como seria foder na frente de um grupo de pessoas assim, ou ter sua mãe chupando seu pau na frente de uma platéia. O que eles pensariam sabendo que ele estava sendo chutado por sua própria mãe, ele se perguntou? Ele podia sentir-se ficando duro observando a exibição e notou que alguns dos caras que assistiam já estavam eretos, alguns estavam até se masturbando abertamente e uma garota estava dando uma punheta no namorado enquanto eles assistiam. Ele se perguntou como seria foder na frente de um grupo de pessoas assim, ou ter sua mãe chupando seu pau na frente de uma platéia. O que eles pensariam sabendo que ele estava sendo chutado por sua própria mãe, ele se perguntou? Ele podia sentir-se ficando duro observando a exibição e notou que alguns dos caras que assistiam já estavam eretos, alguns estavam até se masturbando abertamente e uma garota estava dando uma punheta no namorado enquanto eles assistiam. Ele se perguntou como seria foder na frente de um grupo de pessoas assim, ou ter sua mãe chupando seu pau na frente de uma platéia. O que eles pensariam sabendo que ele estava sendo chutado por sua própria mãe, ele se perguntou? Ele podia sentir-se ficando duro observando a exibição e notou que alguns dos caras que assistiam já estavam eretos, alguns estavam até se masturbando abertamente e uma garota estava dando uma punheta no namorado enquanto eles assistiam.

Merda, ele poderia ficar aqui e assistir a isso toda a manhã, mas ele não queria deixar sua mãe esperando, então ele olhou em volta e viu que havia caminhos sinalizados levando a diferentes áreas do resort. Ele viu uma lendo lojas e relutantemente afastou-se da ação lançando um último olhar para trás enquanto a garota começava a subir e descer mais rápido enquanto o cara agarrava sua bunda.

Bobby encontrou a área comercial, mas dificilmente era um shopping típico, muitas das lojas atendiam a gostos mais exóticos, vendendo uma variedade de brinquedos sexuais, incluindo alguns que atendiam ao BDSM. Enquanto a maioria das pessoas parecia estar aqui como casais, ele notou algumas garotas andando em duplas ou trios, todas pareciam ter 20 e poucos anos e eram todas deslumbrantes. Ele notou uma loira magra e uma garota hispânica curvilínea caminhando juntas. Ambos estavam nus, exceto por algumas sandálias de praia e bolsas penduradas nos ombros. A garota hispânica o notou primeiro e deu um sorriso para ele, ela tinha um rosto bonito e redondo, mas foram seus seios grandes que ele não pôde deixar de notar. Eles eram menores que os de sua mãe, mas ainda tinham que ser pelo menos um DD e, pelo jeito, eles balançavam e eram reais também.

"Oi, eu não vi você antes, não é?"

"Hum, não, acabei de chegar ontem à noite."

"Ah, deve ser por isso. Eu sou a Raquel, esta é a Lisa."

"Oi." A loira deu um sorriso para ele, ela o lembrou de uma jovem Meg Ryan.

"Esta é a sua primeira vez?"

"Uh sim, é err, muito intenso."

Ficar perto de duas belas garotas nuas era um pouco mais do que intenso e Bobby podia sentir seu pênis começando a crescer.

"É muito louco aqui, mas todo mundo é muito legal sobre isso. Você provavelmente vai me ver de novo em breve, de qualquer maneira, eu estou supondo."

"Uh, por que isso?"

"Eu trabalho aqui. Sou enfermeira, então faço os exames de sangue aqui."

"Exames de sangue?"

"Claro, você sabe para o HIV. Depois de fazer o teste, você recebe um desses." Ela ergueu uma pulseira azul. "E isso significa que você pode foder quem quiser... se quiser?"

Raquel acrescentou a última parte com um olhar que sugeria que ela definitivamente queria e seu pau inchou totalmente duro. Ele pensou em tentar enfiar as mãos nos bolsos para escondê-lo sem tentar ser muito óbvio, mas era tarde demais e seu short já estava arregaçando.

Lisa notou e riu. "Uau, acho que você tem uma resposta aí!" As duas garotas olharam para o short dele e Bobby sentiu-se corar de vergonha.

"Você sabe que pode muito bem tirá-los. Muitos caras andam por aí com tesão e isso não poderia ser muito menos óbvio."

Bobby olhou para baixo e não pôde deixar de concordar, ele se sentia mais visível com seu short estendido assim do que se estivesse na brisa, as garotas esperavam e ele imaginou o que diabos e desfez seu short e o vestiu seus tênis para poder segurá-los. Ele se levantou novamente, seu pau totalmente ereto e balançando.

"Uau! Isso é enorme!" Raquel olhou diretamente para seu pênis.

"Oh meu Deus, é quase tão grande quanto o de Nathan!" Lisa entrou na conversa.

"Nathan?"

"Ele é um cara negro com um pau enorme que vem aqui todo ano, é meio que um rito de passagem para algumas das garotas tentarem pegar tudo." Lisa explicou que Bobby imaginou que ele devia ser o cara no saguão que ele tinha visto antes.

"O problema é que eles não conseguem andar direito no dia seguinte." Raquel riu. "Gosto mais do seu, tem uma bela curva e gosto que não tenha cortes. Posso tocá-lo?"

"Err, sim, claro." Raquel estendeu a mão e gentilmente acariciou seu pau puxando a pele para trás e para frente. "Uau, você está duro como uma pedra! Eu mal consigo colocar minha mão nele. Sinta como ele está duro." Ela deslizou a mão mais para baixo do eixo para que Lisa pudesse explorar a cabeça de seu pênis, que realmente parecia ter sido esculpida em granito agora. "Caramba, olhe essas bolas!" Raquel segurou suas gônadas penduradas, pesando-as.

"Você definitivamente precisa arranjar uma pulseira." Raquel deu a seu pênis um golpe final antes de liberá-lo. "Ok, bem, tenho que ir. Vejo você por aí, em breve, espero."

As garotas saíram deixando Bobby com sua ereção, a princípio ele estava bem ciente de sua nudez, mas quando olhou em volta viu que Raquel estava certa, havia outros caras em vários estados de excitação vagando e Bobby descobriu que seu pau estava ficando mais do que é justo olhar das garotas. Ele se lembrou de seu propósito original e procurou por algumas lojas de roupas, não surpreendentemente, não havia muitas, mas eventualmente ele encontrou uma loja com acessórios de praia e entrou. Havia uma linda garota de aparência havaiana servindo quem era, parecia que todas as funcionárias, nuas. Ele a checou, ​​o que serviu para deixar sua ereção ainda mais dura antes de olhar através dos maiôs. Não havia muitos e eles eram bem pequenos, então ele pegou um biquíni branco de 2 peças e algumas sungas antes de voltar para o quarto.

Sua mãe já havia pedido o café da manhã e estava sentada na varanda com seu roupão e uma taça de champanhe.

"Oi mãe, eerrr Alison. Uau, champanhe no café da manhã?"

"Cumprimentos da gerência. Servi um copo para você." Ele verificou o balde e viu uma etiqueta que dizia "Para o casal em lua de mel, cumprimentos do Club Bacchus".

"Você demorou, eu estava me perguntando o que... Bobby, seu short, o que... você estava andando por aí daquele jeito?" ela notou sua nudez e sua excitação.

"Err, bem, sim. Quero dizer, você parece mais estranho se estiver vestido do que se estiver nu."

"Você estava andando assim... assim?"

Ela dirigiu seu olhar para o pau duro dele.

"Bem, sim, quero dizer, muitos caras estão andando por aí com, bem, tesão." Ele decidiu deixar de fora os detalhes sobre Nathan, Raquel e Lisa. "Peguei seu biquíni."

Ele entregou a bolsa para Alison, que olhou para dentro.

"Bobby, isso é minúsculo! Como você espera que eu use isso?"

"Desculpe M... Alison, era tudo o que eles tinham."

Eles terminaram o café da manhã e Alison experimentou o terno. Consiste em três pequenos pedaços de tecido conectados com elástico. A parte de baixo serviu bem, mas quando ela segurou a parte de cima, os triângulos mal pareciam grandes o suficiente para cobrir seus mamilos.

"Bobby, eu não posso usar isso!"

"Por que não?"

"Por que não? Bobby, você honestamente acha que posso me encaixar nisso?" Ela segurou a tampa para ele ver.

"Hum, eu não sei, err, eu acho que talvez experimentá-lo?"

Ela deu a ele um olhar exasperado e, em seguida, colocou a blusa. Mal cobria os mamilos e deixava o resto dos seios à mostra.

"Oh, Bobby, honestamente, este top é para alguém com, bem, muito menos para encobrir."

Muito menos era um eufemismo, os peitos de Alison já estavam tentando fazer um ato de fuga no top minúsculo e a ereção de Bobby foi renovada ao ver as lutas de sua mãe. Quando ela terminou de ajustar a fantasia da melhor maneira que pôde, ela tirou a fantasia de Bobby da bolsa e a inspecionou.

"Bem, pelo menos você comprou algo igualmente impraticável, eu vejo. Não tenho certeza de como você acha que vai se encaixar nisso." Ela os passou para ele.

"Bem, como eu disse, não havia muita escolha." Ele vestiu a sunga e pôde ver o que ela queria dizer, eles eram bem pequenos e embora ele conseguisse colocar seu pênis neles para que ficasse preso contra o quadril, eles não deixavam nada para a imaginação e quando vistos de cima o elástico estava se afastando a cintura onde seu pênis estava lutando contra o tecido.

"Oh, bem, suponho que isso terá que servir." Alison olhou para os dois antes de servir o resto do champanhe e beber para ganhar coragem.

Ao saírem do quarto e caminharem até o elevador, Bobby não pôde deixar de admirar o belo corpo de sua mãe. Por trás ela estava essencialmente nua, apenas as minúsculas tiras de seu biquíni fornecendo alguma cobertura. Na curta caminhada até o elevador, seus peitos já estavam tentando um ato de fuga e ela teve que ajustar a blusa para manter os mamilos cobertos enquanto desciam no elevador.

"Isso é ridículo, Bobby, eu nunca vou ficar nisso."

"Você parece muito bem com isso."

"Duvido que fique neste ritmo."

Quando as portas do elevador se abriram, Alison respirou fundo e saiu para o saguão. Enquanto caminhavam pelo resort, Bobby notou que ela recebia muitos olhares de admiração dos homens e de algumas das meninas, embora muitas delas estivessem nuas. Vê-la em exibição assim era algo novo para ele, ele sentiu um lampejo de ciúme por compartilhá-la, mas também orgulho por ela ser dele. Ele não podia deixar de admirar todas as garotas por quem passavam, quase todas nuas ou pelo menos de topless. Com o bando de carne feminina nua e sua linda mãe para lidar com seu pênis tenso nos limites de seu calção e ele o ajustou da melhor maneira possível para tentar torná-lo mais confortável enquanto tentava evitar que ele aparecesse. Enquanto eles se dirigiam para a praia, Alison'

"Isso é ridículo, é melhor eu tirar e acabar logo com isso!"

Com isso ela tirou a blusa e colocou na bolsa expondo os seios por completo, o pau dele latejando ao vê-la totalmente exposta a todos e a cabeça saindo por baixo do cós.

"Bem, acho que posso me livrar disso então." ele disse tirando seu calção e entregando-o para sua mãe.

"Bobby, você vai andar por aí... assim?" ela gesticulou em direção a sua ereção.

"Claro, porque não, muitos outros caras deixando tudo sair."

"Bem, não está... pendurado."

"O que você quer dizer?"

"Bem, você está... bem, está ereto."

"Há muitos caras com tesão por aí, relaxe, é natural." ele balançou os quadris e balançou o pênis para ela. Pode haver muitos caras nus e em vários estados de excitação, mas nenhum era dotado como Bobby. Ela corou e notou algumas meninas sentadas na praia apontando e rindo, Bobby sorriu para elas exibindo seu tesão. Alison ficou com raiva da atenção que ele estava recebendo e se repreendeu por isso.

"Isso foi ideia sua e você quer que ele encontre outras garotas, lembra?" ela disse a si mesma. Mesmo assim, ela seguiu em frente e ficou aliviada quando Bobby se juntou a ela enquanto eles encontravam algumas espreguiçadeiras e relaxavam. Alison borrifou um pouco de protetor solar em si mesma e passou para Bobby.

"Se você vai deixá-lo ao ar livre, é melhor colocar um pouco disso nele."

Bobby percebeu o que ela queria dizer e imaginou que um pau queimado de sol não seria a melhor maneira de começar as férias e esguichou um pouco de loção em seu pau ao esfregá-lo ao acariciar a grande coluna de carne que seu prepúcio deslizava para cima e para baixo sobre a cabeça. Ele olhou em volta para algumas das garotas que passavam e continuou a acariciar seu pênis. Uma garota oriental nua com óculos escuros virou-se para observar Bobby e ele sorriu para ela enquanto continuava acariciando seu pênis, ela levantou os óculos escuros olhando para o pau dele e ele acariciou com mais força, puxando a pele para trás e exibindo-a para ela.

"Hum... Bobby, acho que você já passou bastante loção agora."

"O que oh, sim ..." ciente de que ele estava se masturbando distraído, não que ele pudesse ver isso como um grande problema, especialmente depois de algumas das vistas que ele tinha visto esta manhã.

Eles ficaram deitados na praia cochilando por algumas horas, Bobby verificando as meninas e sua mãe e, ocasionalmente, esfregando um pouco mais de loção em seu pênis. Sua mãe se moveu para deitar de frente, seus seios grandes pendurados e balançando enquanto ela ajustava sua posição. Seu pau deu uma guinada enquanto ele observava suas grandes aldravas balançando e depois se projetando enquanto ela se deitava. Ele olhou para algumas das outras garotas que passavam, a maioria das quais admirava seu pênis enquanto ele se curvava sobre sua barriga. Ele estava ficando cada vez mais excitado, pensou em se masturbar novamente, mas achou melhor deixar para mais tarde, seu pau já estava pingando pré-sêmen de todas as provocações que ele estava recebendo.

Depois de um tempo ele notou sua mãe olhando em sua bolsa.

"Oh droga."

"Qual é o problema?"

"Eu esqueci de trazer água. Está tão quente e estou ficando com sede."

Bobby sentou-se e olhou em volta, ele podia ver um bar na praia e apontou para Alison.

"Por que não vamos lá? Está ficando muito quente no sol, podemos nos refrescar e tomar uma bebida lá."

"Bem, não estamos realmente vestidos para isso, estamos?"

"Mmm... Alison. Lembra onde estamos? Regras do Club Bacchus... sem regras... vale tudo. Podemos entrar lá nus se quisermos."

"Bem, talvez pudéssemos, mas não tenho certeza se estou confortável."

"Vamos, aposto que há muitos outros casais sem nada, podemos tomar uma bebida e se você não gostar, podemos ir embora."

Alison ponderou, ela estava com sede e ele tinha razão, este era um resort para pessoas de mente aberta.

"Tudo bem então."

Eles caminharam a curta distância até o bar, Alison topless e Bobby nu, seu pau duro balançando ao ver sua mãe quase nua andando à vista de todos olhando. Eles entraram no bar que estava bem mais fresco e bem quieto, uma bela garçonete loira estava limpando alguns copos e ergueu os olhos, satisfeita com o costume.

"Oi, o que posso pegar para você?"

"Hum, um Long Island Iced Tea, por favor."

"Apenas uma cerveja para mim."

Bobby verificou a garçonete, ela estava nua da mesma forma que todas as funcionárias femininas pareciam estar, ela tinha uma figura esguia com um arbusto limpo e um par de seios de bom tamanho. Bobby sentou-se no bar e sua mãe relutantemente seguiu seu exemplo, obviamente um pouco desconfortável por estar em exibição.

"Vocês são novos aqui?"

"Hum sim, acabamos de chegar."

"Oh legal. Você vai adorar aqui, todo mundo é tão relaxado."

"Sim, então eu percebi."

Alison tomou um longo gole de sua bebida.

"Mmmm, isso é muito bom."

"Obrigado, é minha especialidade. Meu nome é Kerry."

"Eu sou Alison, este é Bobby."

"Olá, Bobby. É um pau muito bom que você tem, se não se importa que eu diga."

"Uhh, um. Obrigado." Seu pau balançou com o elogio.

Eles conversaram um pouco e Alison pediu outra bebida. Os coquetéis eram definitivamente fortes e com o calor ela podia senti-los subindo à cabeça.

Outro casal entrou no bar e Kerry se aproximou para atendê-los, eles eram um casal negro na casa dos 20 anos e a mulher tinha um corpo impressionante, Bobby imaginou que ela era pelo menos uma DD.

"Bem, você parece ter muito para manter seus olhos entretidos." Alison comentou friamente, tomando outro gole de sua bebida.

"Errr, bem, você queria ir passear."

"Esse não era o tipo de visão que eu tinha em mente."

"Bem, não é realmente esse tipo de resort, quero dizer, você sabia disso quando reservou direito."

"Sim, suponho que sim, apenas me sinto um pouco velha perto de todas essas lindas garotas."

"Do que você está falando, você é a mulher mais gostosa aqui."

"Honestamente Bobby."

"Estou falando sério, você deve ter visto os olhares que tem recebido."

"Bem, estou acostumada com os homens olhando para os meus peitos, quando eles são tão grandes é algo que você se acostuma. Embora por que alguém gosta dessas coisas velhas quando há todos esses peitos jovens e alegres por aí, eu não sei."

"Coisas antigas? Você tem seios lindos, o que quer dizer?"

"Bem, suponho, quero dizer... você acha que eles não estão um pouco flácidos. Quero dizer, andar por aí sem sutiã assim..."

"M... Alison, você não tem nada com que se preocupar. Eles parecem perfeitos, do jeito que os peitos de verdade deveriam parecer, nem todos sólidos como aqueles peitos falsos de estrelas pornô."

"Sério? E aquelas garotas?" Alison olhou para Kerry e a garota negra que havia entrado. Bobby teve que admitir que ambos tinham quadris incríveis, mas suas mães eram definitivamente maiores e, embora não fossem os seios de uma adolescente, eram lindas, curvadas em formas naturais de pêra. .

Eles são bons, mas os seus são melhores."

"Realmente?"

"O que eu tenho que fazer para convencê-lo? Estas são as maravilhas naturais do mundo! Por que você acha que eu sou assim?" ele disse gesticulando primeiro para os seios dela e depois para a ereção dele.

"Bobby..." ela corou tomando um gole de sua bebida e sentindo o álcool fazendo efeito.

Ele deslizou de seu banquinho e ficou ao lado dela, seu pau roçando sua perna. Ele estendeu a mão e carinhosamente acariciou seus cabelos. "Você é a mulher mais bonita do mundo e não tem absolutamente nada com que se preocupar quando se trata disso." Ele deixou a mão correr até os seios dela e passou os dedos sobre os mamilos sentindo-os endurecer.

"Bobby pare, tem gente..."

"Então? As regras são... não há regras." Ele segurou seus seios e os apertou, ouvindo sua respiração aguda com a sensação.

"Bobby... por favor..."

Ele se aproximou para beijá-la, enquanto continuava a apalpar seus seios, apertando-os com mais força agora, do jeito que ele sabia que ela gostava.

"Mmmmmmfff... Obby... calma."

Mas como ele continuou a apertar seus seios com mais força, ela começou a retribuir seus beijos, primeiro hesitantes e depois se tornando mais apaixonados, o pênis dele cutucando sua barriga. Alison podia sentir suas defesas desmoronando enquanto Bobby a beijava e apalpava, seu pau estava batendo contra seu estômago e apesar de si mesma ela estendeu a mão para o pau dele, pegando o eixo duro de ferro com as duas mãos e masturbando. Ela estava vagamente ciente de que as outras pessoas no bar pararam suas conversas e as estavam observando, mas ela não se importava, na verdade parte dela queria que elas testemunhassem seu prazer. Bobby beliscou seus mamilos e os torceu e Alison gemeu com a sensação.

"Oh Deus... simmm... mais difícil."

Bobby obedeceu e levantou seus peitos pesados ​​pelos mamilos, Alison podia sentir-se cada vez mais molhada e apertou as pernas juntas, aumentando a pressão em seu clitóris, cavalgando as ondas de prazer em direção ao orgasmo. Ela empurrou seu pênis mais forte e mais rápido, sua necessidade era urgente e ela queria levá-lo com ela. Suas grandes bolas balançaram violentamente com a velocidade e força de seus empurrões enquanto ela puxava seu punho para cima e para baixo em seu pênis. Seu toque era normalmente sensual e provocador, mas não hoje, sua necessidade era urgente e ela estava sendo tão dura com seu pênis quanto ele com seus seios, batendo nele o mais forte que podia.

"Ohhhh goddddddddddd...." ela gemeu enquanto sentia seu corpo se aproximando do clímax, ela tentou resistir não querendo perder o controle na frente de todas essas pessoas, mas as mãos de Bobby em seus seios e a pressão em seu clitóris eram demais , e ela gritou, seu corpo destruído por um orgasmo. Ela estremeceu e apertou seu pênis com força enquanto cavalgava as ondas de prazer antes de continuar a masturbá-lo. A intensidade de sua punheta e a excitação da pequena multidão que se reuniu para assisti-los significava que Bobby não estava muito atrás de sua mãe e enquanto ela continuava a puxar furiosamente seu pênis, ele sentiu suas bolas levantarem e seu esperma começar a subir. .

"Oh merda..." ele empurrou seus quadris para frente enquanto ela continuava a empurrá-lo quando a primeira gota de esperma explodiu de seu pênis espirrando no rosto e cabelo de Alison. A explosão a pegou de surpresa e ela virou o rosto ligeiramente para que a próxima salva disparasse sobre seu pescoço e ombro, parte dela respingando no chão com um plop audível. A próxima atingiu sua bochecha e desceu pendurada em seu queixo em uma estalactite branca. As cargas restantes espirraram em seus seios, barriga e coxas antes de diminuir para um drible.

A pequena multidão que se reuniu aplaudiu o final e Alison olhou em volta de repente saindo de seu devaneio.

"Oh Deus ..." ela soltou o pau de Bobby e olhou para si mesma, pingando de esperma. "Estou encharcado."

"Eu lhe ofereceria alguns guardanapos, mas não acho que isso seja suficiente. Isso foi um fardo!" comentou Kerry, que estava encostado no bar observando tudo com muita atenção.

"Acho melhor voltar para o quarto e limpar Bobby."

"Claro que irei com você."

Quando eles saíram do bar, Bobby trocou alguns sorrisos e apertos de mão com alguns dos espectadores enquanto Alison simplesmente escapou o mais rápido que pôde. Bobby correu atrás dela com força ainda balançando os últimos pingos de esperma formando um fio.

"Espere... Alison. Uau, isso foi incrível!"

"Incrível, nunca fiquei tão mortificado. Todas aquelas pessoas nos observando, e agora estou andando por aí coberto com suas coisas."

"Mas eles acharam ótimo! Eu disse como você é gostosa e todos concordaram."

"Sim, bem, não tenho certeza se estou pronto para exibições públicas de..."

"Bobby!! Alison!! É você??" uma voz gritou do outro lado da praia.

Alison parou no meio do caminho, seu sangue gelando. Oh Deus, eles foram reconhecidos. Como ela iria explicar isso? Seu coração disparou e sua boca ficou seca.

"Eu sabia que eram vocês dois, vocês conseguiram!"

Ela olhou em volta e viu uma jovem morena esbelta se aproximando, o rosto levou um momento para registrar e então o alívio a inundou, era Cynthia de Nova York!

"Uau, que bom ver você de novo! Esta é Pamela, minha namorada." Ela gesticulou para uma loira bem torneada com corte de cabelo de pajem.

"Oi bom conhecê-lo." Pamela disse estudando o peito de Alison.

"Veja, eu não estava dizendo a verdade? Eles não são os peitos mais incríveis! Ela não acreditou em mim quando eu disse a ela como eles são ótimos."

"Hum, ok." Alison comentou sem saber mais o que dizer,

"E, claro, Bobby, você reconhecerá como o Penis de Milo original." Cynthia apontou para o pênis de Bobby, que ainda estava duro e não mostrava sinais de amolecer com três mulheres olhando para ele. "Então, quando você entrou?"

"Hum, ontem à noite." Alison não podia acreditar como a situação era surreal, de pé sem camisa pingando o sêmen de seu filho enquanto ele estava ao lado dela com uma ereção furiosa e eles conversavam com duas garotas nuas, ambas se comportando como se isso fosse totalmente normal. Alison podia sentir o esperma de Bobby escorrendo em seu peito e uma gota que estava pendurada na parte inferior de seu seio caiu caindo na calçada com um plop.

"Parece que vocês dois já começaram a se divertir." Cynthia sorriu enquanto olhava para o sêmen escorrendo pelo corpo de Alison.

"Hum, sim, bem... nós só íamos nos limpar."

"Claro... ok te vejo depois!"

Alison correu para o hotel, Bobby pensou que se ela ficasse por perto então um quarteto com Cynthia e Pamela poderia estar nas cartas, mas sua mãe claramente se divertiu o suficiente por um dia. Alison foi direto para o chuveiro e se lavou, Bobby pensou em se juntar a ela, mas ela parecia um pouco tensa ainda, então ele decidiu jogar com calma.

"Diga, que tal eu pedir algum serviço de quarto e uma garrafa de champanhe?"

"Ok, isso soa bem!"

Sentaram-se na varanda para jantar e beber vinho e Alison começou a relaxar novamente. Bobby sugeriu outra garrafa de vinho e então eles deveriam dar uma olhada na banheira de hidromassagem e, para sua alegria, Alison concordou. Havia espaço suficiente para eles se sentarem separadamente, mas Bobby deslizou para se sentar ao lado de sua linda mãe, enchendo o copo dela e recolocando a garrafa no balde de gelo. A essa altura, Alison estava começando a ficar bastante embriagada e risonha e Bobby sabia que, quando ela entrava nesse estado de espírito, ela também ficava com tesão.

"Jovem, eu espero que você não esteja tentando me embebedar?"

"Certamente que não, um brinde à minha linda e sexy mãe!" ele deu a ela um sorriso de lobo e brindou com ela.

"Bobby! Bem, eu vou beber pelo meu filho maravilhoso, mesmo que ele não pareça ser capaz de se controlar." ela observou o pênis dele, que se projetava acima da superfície como o Monstro de Lock Ness.

"O que posso dizer, acho que Bobby Júnior só queria se juntar à festa."

"Parece que Bobby Júnior nunca para de festejar." ela disse, estendendo a mão e carinhosamente passando os dedos sobre a cabeça do pau dele.

"O que você espera com você andando por aí com este corpo. Você tem uma licença para esta jovem?" ele segurou seus seios e os pesou em suas mãos.

"Sim, eu tenho, e acho que devo mantê-los trancados e longe de mãos indiscretas."

"Tarde demais!" ele os apertou antes de correr os dedos sobre os mamilos eretos e beliscá-los.

"Oooooh Bobby! Mmmmmm"

Ele continuou apertando seus seios enquanto ela gemia e se inclinava para beijá-la. Enquanto suas mãos tateavam e apertavam seus seios, ele sentiu seus beijos e respiração se tornando mais urgentes conforme sua excitação crescia. Incentivado pela resposta dela, ele apertou com mais força torcendo os mamilos e puxando os seios dela para cima, ela gemeu mais forte e ele continuou puxando um mamilo enquanto liberava o outro para poder deslizar a mão para baixo sobre a barriga lisa e entre as pernas.

"Oh Bobby... eu não... nós não deveríamos..."

Ele deslizou o dedo médio entre seus lábios carnudos, esfregando seu clitóris inchado e sentindo-a responder ao seu toque. Ele esfregou o clitóris por alguns minutos, sentindo-a responder, os dedos dela agarrando seu braço, mas não o detendo. Ele então deslizou o dedo ainda mais entre as dobras quentes e úmidas de sua boceta e dentro.

"Bobbyeu.....ooooooohhhhh."

Ele sentiu sua boceta quente e aveludada envolvendo seu dedo como uma luva quente e molhada maravilhosa, ele deslizou mais fundo e encontrou seu ponto g, esfregando-o e provocando outra reação.

"Oh Deus, Bobby!" Ela estendeu a mão e agarrou seu pênis, correndo os dedos para cima e para baixo na coluna de carne.

Ele começou a esfregar o clitóris com o polegar enquanto esfregava o ponto g com o dedo e a combinação fez com que ela arqueasse as costas, empurrando os seios grandes para o ar.

"MMMMMMMMMMMMMAAAAAAHHHH. Oh Deus, oh Deus Oh Deus!" O corpo de sua mãe se contorceu enquanto Bobby massageava suas áreas mais sensíveis e ela montou seus dedos até que foi assolada por um orgasmo como nunca tinha conhecido, ela agarrou seu pênis com força enquanto o orgasmo a inundou de novo e de novo. Ele continuou a convencê-la e ela se viu tendo outro clímax, mais poderoso que o primeiro. Ela agarrou seu pênis com tanta força que a cabeça e o eixo estavam inchados e roxos, mas ele não se importou, a dor era boa.

Eventualmente, ela desceu de seu clímax e relaxou seu aperto sobre ele, ofegando antes de se virar para olhar para ele com olhos vidrados.

"Em Bobby, meu lindo menino, suponho que devo dizer meu grande homem forte agora." Ela olhou para ele e, em seguida, seu pênis projetando-se para fora da água e olhando para ela e riu. Ela se virou para encará-lo e saiu da água, riachos escorrendo por seus seios grandes. Ela se inclinou sobre ele, beijando-o na boca com ternura, seus seios balançando roçando seu peito e suas mãos acariciando seu cabelo.

"Bobby, eu te amo mais do que tudo."

"Eu também te amo mãe, eu faria qualquer coisa por você."

"Eu sei, mas por que você não me deixa fazer uma coisa para você agora?"

Ela gentilmente beijou seu corpo antes de alcançar seu pênis e segurá-lo com ternura para que ela pudesse beijar para cima e para baixo, adorando seu falo gigante com seus lábios antes de puxar gentilmente seu prepúcio para trás para que ela pudesse beijar em torno de sua cabeça inchada. Quando sua mãe estava com esse humor, ele sabia que estava prestes a chupar um pau incrível e não ficou desapontado.

Alison beijou a cabeça do pênis antes de lamber suavemente o eixo para cima e para baixo várias vezes, Bobby inclinou os quadris para que todo o seu pênis estivesse fora da água, dando a ela acesso a todo o seu eixo. Ela carinhosamente levantou as bolas dele fora da água para que pudesse chupar as pesadas gônadas em sua boca, maravilhando-se novamente com o quão pesadas e potentes eram antes de lamber de volta seu eixo. Ela então o olhou nos olhos com um brilho perverso que ele não tinha visto antes enquanto ela girava sua língua ao redor da cabeça de seu pênis. Seu pau pulsava em seu aperto e seu olhar lhe disse tudo o que ele precisava saber sobre o que ele estava esperando.

Enquanto ele continuava a assistir demente, Alison abriu a boca e permitiu que seus lábios começassem sua jornada sobre sua enorme cabeça de pênis inchada e para baixo em seu eixo, gemendo enquanto ela o fazia. Era como se seu pênis fosse o melhor bife e ela não tivesse comido por uma semana do jeito que ela o devorava. Sua boca parecia um maravilhoso paraíso úmido e quente enquanto ela chupava e deixava sua língua dançar sobre seu pênis tenso. Ele nunca poderia imaginar encontrar uma mulher que pudesse fazer seu pau se sentir tão bem, que tratasse seu pau como um deus que ela estava adorando.

Embora Alison estivesse adorando seu pênis, ele não teve dúvidas sobre quem estava no comando, ela acelerou seu ritmo constantemente, aumentando sua excitação e sentindo seu pênis responder, mas assim que ela sentiu seu sêmen subindo, ela instintivamente recuou, retirando-a boca e apenas lambendo seu pau enquanto olhava para ele com um sorriso provocador. Era como um jogo, exceto um em que Bobby sabia que estava desesperadamente fora de seu alcance, ele tentou controlar seu esperma e evitar chegar muito perto, mas sua mãe poderia dizer que ele estava se segurando e usou sua língua e lábios para provocar e estimulá-lo tão bem que era inútil,

Por fim, Bobby ficou tão atordoado com todas as provocações que mal sabia onde estava e Alison podia ver que ele estava desesperado para gozar, seu pau estava inchado e roxo, as veias se destacando no eixo e a cabeça tão inchada que estava tensa e brilhante . Por mais que ela adorasse chupar seu pau e controlá-lo com os lábios e a língua, sabendo que era capaz de levá-lo à beira do êxtase e de volta sempre que quisesse, ela também percebeu que estava sendo egoísta ao negar-lhe o orgasmo por muito tempo. longo. Ela sensualmente girou sua língua sobre a cabeça de seu pênis antes de se inclinar para frente para deixar seus seios grandes e pesados ​​pendurados de cada lado de seu pênis, balançando-os ligeiramente para que eles batessem contra seu monstruoso pau monstruoso. Ela sabia o quanto ele amava seus peitos e riu quando seus peitos o fizeram gemer em frustração renovada, antes de deslizar de volta para baixo,

"Mmmm, acho que é um bom trabalho não ter pedido sobremesa antes, acho que vou conseguir uma em breve." ela apertou suas bolas suavemente sentindo o quão pesadas e cheias elas pareciam antes de engolir lentamente seu pênis com seus lábios e deixar sua bela boca deslizar por seu pênis.

Caramba, ele adorava quando sua mãe o chupava e não se importava com as provocações porque sabia que o final sempre valia a pena, mas Bobby achava que não aguentaria muito mais. A linda boca de sua mãe, a mesma boca que lhe deu um beijo de despedida quando ele foi para a escola, estava fazendo coisas com seu pênis que ele não acreditava serem possíveis. Sua língua brincou e acariciou seu eixo e cabeça enquanto seus lábios deslizavam sensualmente para cima e para baixo em seu eixo em um ritmo constante e inexorável que o deixou saber que este era o momento. Suas bolas apertaram e ele sentiu seu sêmen começar a subir quando atingiu o orgasmo, seu pênis inchando e pulsando antes de entrar em erupção em sua doce boca. Ele fechou os olhos enquanto todo o seu corpo tinha espasmos enquanto seu pênis entrava em erupção na boca de sua mãe, seu creme espesso inundando suas bochechas e enchendo-as até transbordar, tão rápido quanto ela podia engolir seu esperma mais vomitado enquanto ela bebia avidamente de sua fonte de vida. Finalmente seu orgasmo diminuiu, mas ela continuou a sugar seu enorme pênis, extraindo as últimas gotas e se alimentando dele. Ela gentilmente chupou e acariciou seu magnífico pênis por mais alguns minutos, relutante em desistir, antes de finalmente liberá-lo e mover-se para cima de seu corpo para inclinar-se sobre ele, olhando em seus olhos, seus seios grandes pendurados na frente de seu rosto.

"Melhorar?"

"Oh, mãezinha, acho que nunca gozei tanto na minha vida."

"Sim, bem, acho que você se destacou esta noite nesse departamento." ela pegou um pingo de esperma que escapou de seus lábios e chupou-o de seu dedo, saboreando o espesso e picante esperma antes de mandá-lo para baixo para se juntar à barriga de seu esperma.

"Bem, depois de quanto tempo você estava me provocando, não estou surpreso."

"Provocando? Achei que você gostou."

"Eu fiz, eu faço. É incrível. Você é incrível."

"Ah, Bobby." Ela o beijou e ele mais uma vez provou seu resíduo picante em sua boca, mas não se importou.

Ambos estavam tão cansados ​​depois das aventuras do dia que caíram na cama e dormiram quase instantaneamente. Na manhã seguinte, Bobby mais uma vez acordou e encontrou a cama vazia e a porta da varanda aberta. Levantou-se com os olhos turvos, lembrando-se do dia anterior e da punheta pública de sua mãe no bar. Ele se perguntou se poderia convencê-la a chupar seu pau em público do jeito que ela fez na noite passada, o pensamento de todas aquelas garotas se reunindo para admirar seus lindos seios grandes e corpo bem torneado enquanto ela chupava seu pau como um campeão parecia uma boa maneira para passar a manhã, ou o dia para esse assunto. Seu pênis balançou enquanto ele considerava a ideia e saiu para a varanda. Sua mãe estava admirando a vista como ontem, e como ontem ela estava completamente nua. Ele se aproximou dela silenciosamente querendo surpreendê-la como fazem os amantes,

Ele decidiu repetir a experiência de ontem e deslizar seu pênis entre as coxas dela, imaginando a reação dela ao ver seu pênis emergir de entre suas pernas mais uma vez. Ele dobrou os joelhos ligeiramente e angulou seu pau em direção ao espaço entre as coxas dela, antes de empurrar para frente. Ao fazer isso, Alison escolheu o mesmo momento para se inclinar para ver melhor a praia que se estendia ao longo da costa, e o pênis de Bobby, em vez de deslizar entre as pernas, escorregou entre as dobras de sua boceta e contra a abertura de sua boceta. , antes que ele soubesse o que tinha acontecido, Bobby encontrou a ponta de seu pênis envolta em um aperto úmido e aveludado.

Alison estava admirando a vista, alheia à aproximação de Bobby, quando de repente ela percebeu uma forte pressão entre as pernas e depois dentro dela. Sua confusão se transformou em pânico quando ela percebeu que era Bobby.

"Pare!! Bobby não!"

"Oh Deus, eu não queria, é só ..."

"Pare com isso, não..."

"Eu não quis dizer..."

Suas palavras foram sumindo e eles ficaram assim, imóveis, congelados no tempo, a cabeça do pau dele dentro da boceta dela, Alison agarrada ao corrimão da sacada esperando que ele se retirasse..

Não tinha sido sua intenção fazer isso, mas agora que seu pênis estava dentro dela, ele foi dominado por um desejo febril.

"Deixe-me senti-lo dentro de você uma vez, e eu o tirarei imediatamente."

"Bobby, não, por favor..."

"Só uma vez...."

Ela fez um som, ele não tinha certeza se era um soluço, mas não disse nada, então ele lentamente avançou, alimentando seu enorme pênis em sua boceta apertada e molhada. Ele não podia acreditar o quão apertada ela se sentia, era como foder uma adolescente.

"Bobby, não... por favor."

"Só mais um pouco..."

Ela gemeu quando ele deslizou mais um centímetro dentro dela, suas mãos agarrando o corrimão com tanta força que os nós dos dedos ficaram brancos. Ele estava quase na metade do caminho para dentro dela agora e diminuiu o passo, delicadamente alimentando seu pênis em uma polegada de cada vez até que ele sentiu sua mãe se esticando para detê-lo, colocando a mão em seu quadril.

"Bobby não mais... é muito grande."

Seu pênis latejava dentro dela, ele não confiava em si mesmo para se mover caso perdesse o controle e atirasse sua carga dentro dela. Eles ficaram assim, imóveis, seu pênis enterrado profundamente na boceta de sua mãe, o mesmo lugar onde ele veio a existir. O tempo parecia ter parado quando ele se tornou vagamente consciente da voz de sua mãe.

"Wha...."

"Pelo amor de Deus, tire isso, Bobby... por favor!"

"Oh..."

Ele lentamente retirou seu pênis até que apenas a cabeça estivesse dentro, refletindo sobre como seria bom deslizá-lo novamente, enchendo sua boceta apertada mais uma vez, mas ele havia dado sua palavra, então ele o retirou com um plop molhado. Sua mãe virou-se para encará-lo lentamente, com lágrimas nos olhos e olhou para ele com raiva e reprovação. Ele abriu a boca para falar, mas ela lhe deu um tapa no rosto antes que ele pudesse dizer qualquer coisa.

Ele estava chocado demais para saber o que dizer ou fazer quando ela passou correndo por ele e saiu do quarto batendo a porta atrás dela, sem se importar que ela estivesse nua, sem saber para onde estava indo. Ele olhou para seu pênis, dois terços dele estava molhado com o suco da boceta de sua mãe e ele passou o dedo sobre ele antes de levá-lo aos lábios para sentir o aroma almiscarado e prová-lo. Ele passou o dedo sobre a cabeça do pênis novamente, espalhando os sucos dela sobre sua glande, a glande que tinha sido enterrada profundamente dentro dela, lembrando-se de como quase gozou dentro dela. Imagine se ele tivesse, se ele tivesse enchido sua boceta com seu esperma, seu pau empinado, era demais para ele e seu pau explodiu atirando cordas de esperma sobre a varanda e além da grade no ar da manhã.

Eles são bons, mas os seus são melhores."

"Realmente?"

"O que eu tenho que fazer para convencê-lo? Estas são as maravilhas naturais do mundo! Por que você acha que eu sou assim?" ele disse gesticulando primeiro para os seios dela e depois para a ereção dele.

"Bobby..." ela corou tomando um gole de sua bebida e sentindo o álcool fazendo efeito.

Ele deslizou de seu banquinho e ficou ao lado dela, seu pau roçando sua perna. Ele estendeu a mão e carinhosamente acariciou seus cabelos. "Você é a mulher mais bonita do mundo e não tem absolutamente nada com que se preocupar quando se trata disso." Ele deixou a mão correr até os seios dela e passou os dedos sobre os mamilos sentindo-os endurecer.

"Bobby pare, tem gente..."

"Então? As regras são... não há regras." Ele segurou seus seios e os apertou, ouvindo sua respiração aguda com a sensação.

"Bobby... por favor..."

Ele se aproximou para beijá-la, enquanto continuava a apalpar seus seios, apertando-os com mais força agora, do jeito que ele sabia que ela gostava.

"Mmmmmmfff... Obby... calma."

Mas como ele continuou a apertar seus seios com mais força, ela começou a retribuir seus beijos, primeiro hesitantes e depois se tornando mais apaixonados, o pênis dele cutucando sua barriga. Alison podia sentir suas defesas desmoronando enquanto Bobby a beijava e apalpava, seu pau estava batendo contra seu estômago e apesar de si mesma ela estendeu a mão para o pau dele, pegando o eixo duro de ferro com as duas mãos e masturbando. Ela estava vagamente ciente de que as outras pessoas no bar pararam suas conversas e as estavam observando, mas ela não se importava, na verdade parte dela queria que elas testemunhassem seu prazer. Bobby beliscou seus mamilos e os torceu e Alison gemeu com a sensação.

"Oh Deus... simmm... mais difícil."

Bobby obedeceu e levantou seus peitos pesados ​​pelos mamilos, Alison podia sentir-se cada vez mais molhada e apertou as pernas juntas, aumentando a pressão em seu clitóris, cavalgando as ondas de prazer em direção ao orgasmo. Ela empurrou seu pênis mais forte e mais rápido, sua necessidade era urgente e ela queria levá-lo com ela. Suas grandes bolas balançaram violentamente com a velocidade e força de seus empurrões enquanto ela puxava seu punho para cima e para baixo em seu pênis. Seu toque era normalmente sensual e provocador, mas não hoje, sua necessidade era urgente e ela estava sendo tão dura com seu pênis quanto ele com seus seios, batendo nele o mais forte que podia.

"Ohhhh goddddddddddd...." ela gemeu enquanto sentia seu corpo se aproximando do clímax, ela tentou resistir não querendo perder o controle na frente de todas essas pessoas, mas as mãos de Bobby em seus seios e a pressão em seu clitóris eram demais , e ela gritou, seu corpo destruído por um orgasmo. Ela estremeceu e apertou seu pênis com força enquanto cavalgava as ondas de prazer antes de continuar a masturbá-lo. A intensidade de sua punheta e a excitação da pequena multidão que se reuniu para assisti-los significava que Bobby não estava muito atrás de sua mãe e enquanto ela continuava a puxar furiosamente seu pênis, ele sentiu suas bolas levantarem e seu esperma começar a subir. .

"Oh merda..." ele empurrou seus quadris para frente enquanto ela continuava a empurrá-lo quando a primeira gota de esperma explodiu de seu pênis espirrando no rosto e cabelo de Alison. A explosão a pegou de surpresa e ela virou o rosto ligeiramente para que a próxima salva disparasse sobre seu pescoço e ombro, parte dela respingando no chão com um plop audível. A próxima atingiu sua bochecha e desceu pendurada em seu queixo em uma estalactite branca. As cargas restantes espirraram em seus seios, barriga e coxas antes de diminuir para um drible.

A pequena multidão que se reuniu aplaudiu o final e Alison olhou em volta de repente saindo de seu devaneio.

"Oh Deus ..." ela soltou o pau de Bobby e olhou para si mesma, pingando de esperma. "Estou encharcado."

"Eu lhe ofereceria alguns guardanapos, mas não acho que isso seja suficiente. Isso foi um fardo!" comentou Kerry, que estava encostado no bar observando tudo com muita atenção.

"Acho melhor voltar para o quarto e limpar Bobby."

"Claro que irei com você."

Quando eles saíram do bar, Bobby trocou alguns sorrisos e apertos de mão com alguns dos espectadores enquanto Alison simplesmente escapou o mais rápido que pôde. Bobby correu atrás dela com força ainda balançando os últimos pingos de esperma formando um fio.

"Espere... Alison. Uau, isso foi incrível!"

"Incrível, nunca fiquei tão mortificado. Todas aquelas pessoas nos observando, e agora estou andando por aí coberto com suas coisas."

"Mas eles acharam ótimo! Eu disse como você é gostosa e todos concordaram."

"Sim, bem, não tenho certeza se estou pronto para exibições públicas de..."

"Bobby!! Alison!! É você??" uma voz gritou do outro lado da praia.

Alison parou no meio do caminho, seu sangue gelando. Oh Deus, eles foram reconhecidos. Como ela iria explicar isso? Seu coração disparou e sua boca ficou seca.

"Eu sabia que eram vocês dois, vocês conseguiram!"

Ela olhou em volta e viu uma jovem morena esbelta se aproximando, o rosto levou um momento para registrar e então o alívio a inundou, era Cynthia de Nova York!

"Uau, que bom ver você de novo! Esta é Pamela, minha namorada." Ela gesticulou para uma loira bem torneada com corte de cabelo de pajem.

"Oi bom conhecê-lo." Pamela disse estudando o peito de Alison.

"Veja, eu não estava dizendo a verdade? Eles não são os peitos mais incríveis! Ela não acreditou em mim quando eu disse a ela como eles são ótimos."

"Hum, ok." Alison comentou sem saber mais o que dizer,

"E, claro, Bobby, você reconhecerá como o Penis de Milo original." Cynthia apontou para o pênis de Bobby, que ainda estava duro e não mostrava sinais de amolecer com três mulheres olhando para ele. "Então, quando você entrou?"

"Hum, ontem à noite." Alison não podia acreditar como a situação era surreal, de pé sem camisa pingando o sêmen de seu filho enquanto ele estava ao lado dela com uma ereção furiosa e eles conversavam com duas garotas nuas, ambas se comportando como se isso fosse totalmente normal. Alison podia sentir o esperma de Bobby escorrendo em seu peito e uma gota que estava pendurada na parte inferior de seu seio caiu caindo na calçada com um plop.

"Parece que vocês dois já começaram a se divertir." Cynthia sorriu enquanto olhava para o sêmen escorrendo pelo corpo de Alison.

"Hum, sim, bem... nós só íamos nos limpar."

"Claro... ok te vejo depois!"

Alison correu para o hotel, Bobby pensou que se ela ficasse por perto então um quarteto com Cynthia e Pamela poderia estar nas cartas, mas sua mãe claramente se divertiu o suficiente por um dia. Alison foi direto para o chuveiro e se lavou, Bobby pensou em se juntar a ela, mas ela parecia um pouco tensa ainda, então ele decidiu jogar com calma.

"Diga, que tal eu pedir algum serviço de quarto e uma garrafa de champanhe?"

"Ok, isso soa bem!"

Sentaram-se na varanda para jantar e beber vinho e Alison começou a relaxar novamente. Bobby sugeriu outra garrafa de vinho e então eles deveriam dar uma olhada na banheira de hidromassagem e, para sua alegria, Alison concordou. Havia espaço suficiente para eles se sentarem separadamente, mas Bobby deslizou para se sentar ao lado de sua linda mãe, enchendo o copo dela e recolocando a garrafa no balde de gelo. A essa altura, Alison estava começando a ficar bastante embriagada e risonha e Bobby sabia que, quando ela entrava nesse estado de espírito, ela também ficava com tesão.

"Jovem, eu espero que você não esteja tentando me embebedar?"

"Certamente que não, um brinde à minha linda e sexy mãe!" ele deu a ela um sorriso de lobo e brindou com ela.

"Bobby! Bem, eu vou beber pelo meu filho maravilhoso, mesmo que ele não pareça ser capaz de se controlar." ela observou o pênis dele, que se projetava acima da superfície como o Monstro de Lock Ness.

"O que posso dizer, acho que Bobby Júnior só queria se juntar à festa."

"Parece que Bobby Júnior nunca para de festejar." ela disse, estendendo a mão e carinhosamente passando os dedos sobre a cabeça do pau dele.

"O que você espera com você andando por aí com este corpo. Você tem uma licença para esta jovem?" ele segurou seus seios e os pesou em suas mãos.

"Sim, eu tenho, e acho que devo mantê-los trancados e longe de mãos indiscretas."

"Tarde demais!" ele os apertou antes de correr os dedos sobre os mamilos eretos e beliscá-los.

"Oooooh Bobby! Mmmmmm"

Ele continuou apertando seus seios enquanto ela gemia e se inclinava para beijá-la. Enquanto suas mãos tateavam e apertavam seus seios, ele sentiu seus beijos e respiração se tornando mais urgentes conforme sua excitação crescia. Incentivado pela resposta dela, ele apertou com mais força torcendo os mamilos e puxando os seios dela para cima, ela gemeu mais forte e ele continuou puxando um mamilo enquanto liberava o outro para poder deslizar a mão para baixo sobre a barriga lisa e entre as pernas.

"Oh Bobby... eu não... nós não deveríamos..."

Ele deslizou o dedo médio entre seus lábios carnudos, esfregando seu clitóris inchado e sentindo-a responder ao seu toque. Ele esfregou o clitóris por alguns minutos, sentindo-a responder, os dedos dela agarrando seu braço, mas não o detendo. Ele então deslizou o dedo ainda mais entre as dobras quentes e úmidas de sua boceta e dentro.

"Bobbyeu.....ooooooohhhhh."

Ele sentiu sua boceta quente e aveludada envolvendo seu dedo como uma luva quente e molhada maravilhosa, ele deslizou mais fundo e encontrou seu ponto g, esfregando-o e provocando outra reação.

"Oh Deus, Bobby!" Ela estendeu a mão e agarrou seu pênis, correndo os dedos para cima e para baixo na coluna de carne.

Ele começou a esfregar o clitóris com o polegar enquanto esfregava o ponto g com o dedo e a combinação fez com que ela arqueasse as costas, empurrando os seios grandes para o ar.

"MMMMMMMMMMMMMAAAAAAHHHH. Oh Deus, oh Deus Oh Deus!" O corpo de sua mãe se contorceu enquanto Bobby massageava suas áreas mais sensíveis e ela montou seus dedos até que foi assolada por um orgasmo como nunca tinha conhecido, ela agarrou seu pênis com força enquanto o orgasmo a inundou de novo e de novo. Ele continuou a convencê-la e ela se viu tendo outro clímax, mais poderoso que o primeiro. Ela agarrou seu pênis com tanta força que a cabeça e o eixo estavam inchados e roxos, mas ele não se importou, a dor era boa.

Eventualmente, ela desceu de seu clímax e relaxou seu aperto sobre ele, ofegando antes de se virar para olhar para ele com olhos vidrados.

"Em Bobby, meu lindo menino, suponho que devo dizer meu grande homem forte agora." Ela olhou para ele e, em seguida, seu pênis projetando-se para fora da água e olhando para ela e riu. Ela se virou para encará-lo e saiu da água, riachos escorrendo por seus seios grandes. Ela se inclinou sobre ele, beijando-o na boca com ternura, seus seios balançando roçando seu peito e suas mãos acariciando seu cabelo.

"Bobby, eu te amo mais do que tudo."

"Eu também te amo mãe, eu faria qualquer coisa por você."

"Eu sei, mas por que você não me deixa fazer uma coisa para você agora?"

Ela gentilmente beijou seu corpo antes de alcançar seu pênis e segurá-lo com ternura para que ela pudesse beijar para cima e para baixo, adorando seu falo gigante com seus lábios antes de puxar gentilmente seu prepúcio para trás para que ela pudesse beijar em torno de sua cabeça inchada. Quando sua mãe estava com esse humor, ele sabia que estava prestes a chupar um pau incrível e não ficou desapontado.

Alison beijou a cabeça do pênis antes de lamber suavemente o eixo para cima e para baixo várias vezes, Bobby inclinou os quadris para que todo o seu pênis estivesse fora da água, dando a ela acesso a todo o seu eixo. Ela carinhosamente levantou as bolas dele fora da água para que pudesse chupar as pesadas gônadas em sua boca, maravilhando-se novamente com o quão pesadas e potentes eram antes de lamber de volta seu eixo. Ela então o olhou nos olhos com um brilho perverso que ele não tinha visto antes enquanto ela girava sua língua ao redor da cabeça de seu pênis. Seu pau pulsava em seu aperto e seu olhar lhe disse tudo o que ele precisava saber sobre o que ele estava esperando.

Enquanto ele continuava a assistir demente, Alison abriu a boca e permitiu que seus lábios começassem sua jornada sobre sua enorme cabeça de pênis inchada e para baixo em seu eixo, gemendo enquanto ela o fazia. Era como se seu pênis fosse o melhor bife e ela não tivesse comido por uma semana do jeito que ela o devorava. Sua boca parecia um maravilhoso paraíso úmido e quente enquanto ela chupava e deixava sua língua dançar sobre seu pênis tenso. Ele nunca poderia imaginar encontrar uma mulher que pudesse fazer seu pau se sentir tão bem, que tratasse seu pau como um deus que ela estava adorando.

Embora Alison estivesse adorando seu pênis, ele não teve dúvidas sobre quem estava no comando, ela acelerou seu ritmo constantemente, aumentando sua excitação e sentindo seu pênis responder, mas assim que ela sentiu seu sêmen subindo, ela instintivamente recuou, retirando-a boca e apenas lambendo seu pau enquanto olhava para ele com um sorriso provocador. Era como um jogo, exceto um em que Bobby sabia que estava desesperadamente fora de seu alcance, ele tentou controlar seu esperma e evitar chegar muito perto, mas sua mãe poderia dizer que ele estava se segurando e usou sua língua e lábios para provocar e estimulá-lo tão bem que era inútil,

Por fim, Bobby ficou tão atordoado com todas as provocações que mal sabia onde estava e Alison podia ver que ele estava desesperado para gozar, seu pau estava inchado e roxo, as veias se destacando no eixo e a cabeça tão inchada que estava tensa e brilhante . Por mais que ela adorasse chupar seu pau e controlá-lo com os lábios e a língua, sabendo que era capaz de levá-lo à beira do êxtase e de volta sempre que quisesse, ela também percebeu que estava sendo egoísta ao negar-lhe o orgasmo por muito tempo. longo. Ela sensualmente girou sua língua sobre a cabeça de seu pênis antes de se inclinar para frente para deixar seus seios grandes e pesados ​​pendurados de cada lado de seu pênis, balançando-os ligeiramente para que eles batessem contra seu monstruoso pau monstruoso. Ela sabia o quanto ele amava seus peitos e riu quando seus peitos o fizeram gemer em frustração renovada, antes de deslizar de volta para baixo,

"Mmmm, acho que é um bom trabalho não ter pedido sobremesa antes, acho que vou conseguir uma em breve." ela apertou suas bolas suavemente sentindo o quão pesadas e cheias elas pareciam antes de engolir lentamente seu pênis com seus lábios e deixar sua bela boca deslizar por seu pênis.

Caramba, ele adorava quando sua mãe o chupava e não se importava com as provocações porque sabia que o final sempre valia a pena, mas Bobby achava que não aguentaria muito mais. A linda boca de sua mãe, a mesma boca que lhe deu um beijo de despedida quando ele foi para a escola, estava fazendo coisas com seu pênis que ele não acreditava serem possíveis. Sua língua brincou e acariciou seu eixo e cabeça enquanto seus lábios deslizavam sensualmente para cima e para baixo em seu eixo em um ritmo constante e inexorável que o deixou saber que este era o momento. Suas bolas apertaram e ele sentiu seu sêmen começar a subir quando atingiu o orgasmo, seu pênis inchando e pulsando antes de entrar em erupção em sua doce boca. Ele fechou os olhos enquanto todo o seu corpo tinha espasmos enquanto seu pênis entrava em erupção na boca de sua mãe, seu creme espesso inundando suas bochechas e enchendo-as até transbordar, tão rápido quanto ela podia engolir seu esperma mais vomitado enquanto ela bebia avidamente de sua fonte de vida. Finalmente seu orgasmo diminuiu, mas ela continuou a sugar seu enorme pênis, extraindo as últimas gotas e se alimentando dele. Ela gentilmente chupou e acariciou seu magnífico pênis por mais alguns minutos, relutante em desistir, antes de finalmente liberá-lo e mover-se para cima de seu corpo para inclinar-se sobre ele, olhando em seus olhos, seus seios grandes pendurados na frente de seu rosto.

"Melhorar?"

"Oh, mãezinha, acho que nunca gozei tanto na minha vida."

"Sim, bem, acho que você se destacou esta noite nesse departamento." ela pegou um pingo de esperma que escapou de seus lábios e chupou-o de seu dedo, saboreando o espesso e picante esperma antes de mandá-lo para baixo para se juntar à barriga de seu esperma.

"Bem, depois de quanto tempo você estava me provocando, não estou surpreso."

"Provocando? Achei que você gostou."

"Eu fiz, eu faço. É incrível. Você é incrível."

"Ah, Bobby." Ela o beijou e ele mais uma vez provou seu resíduo picante em sua boca, mas não se importou.

Ambos estavam tão cansados ​​depois das aventuras do dia que caíram na cama e dormiram quase instantaneamente. Na manhã seguinte, Bobby mais uma vez acordou e encontrou a cama vazia e a porta da varanda aberta. Levantou-se com os olhos turvos, lembrando-se do dia anterior e da punheta pública de sua mãe no bar. Ele se perguntou se poderia convencê-la a chupar seu pau em público do jeito que ela fez na noite passada, o pensamento de todas aquelas garotas se reunindo para admirar seus lindos seios grandes e corpo bem torneado enquanto ela chupava seu pau como um campeão parecia uma boa maneira para passar a manhã, ou o dia para esse assunto. Seu pênis balançou enquanto ele considerava a ideia e saiu para a varanda. Sua mãe estava admirando a vista como ontem, e como ontem ela estava completamente nua. Ele se aproximou dela silenciosamente querendo surpreendê-la como fazem os amantes,

Ele decidiu repetir a experiência de ontem e deslizar seu pênis entre as coxas dela, imaginando a reação dela ao ver seu pênis emergir de entre suas pernas mais uma vez. Ele dobrou os joelhos ligeiramente e angulou seu pau em direção ao espaço entre as coxas dela, antes de empurrar para frente. Ao fazer isso, Alison escolheu o mesmo momento para se inclinar para ver melhor a praia que se estendia ao longo da costa, e o pênis de Bobby, em vez de deslizar entre as pernas, escorregou entre as dobras de sua boceta e contra a abertura de sua boceta. , antes que ele soubesse o que tinha acontecido, Bobby encontrou a ponta de seu pênis envolta em um aperto úmido e aveludado.

Alison estava admirando a vista, alheia à aproximação de Bobby, quando de repente ela percebeu uma forte pressão entre as pernas e depois dentro dela. Sua confusão se transformou em pânico quando ela percebeu que era Bobby.

"Pare!! Bobby não!"

"Oh Deus, eu não queria, é só ..."

"Pare com isso, não..."

"Eu não quis dizer..."

Suas palavras foram sumindo e eles ficaram assim, imóveis, congelados no tempo, a cabeça do pau dele dentro da boceta dela, Alison agarrada ao corrimão da sacada esperando que ele se retirasse..

Não tinha sido sua intenção fazer isso, mas agora que seu pênis estava dentro dela, ele foi dominado por um desejo febril.

"Deixe-me senti-lo dentro de você uma vez, e eu o tirarei imediatamente."

"Bobby, não, por favor..."

"Só uma vez...."

Ela fez um som, ele não tinha certeza se era um soluço, mas não disse nada, então ele lentamente avançou, alimentando seu enorme pênis em sua boceta apertada e molhada. Ele não podia acreditar o quão apertada ela se sentia, era como foder uma adolescente.

"Bobby, não... por favor."

"Só mais um pouco..."

Ela gemeu quando ele deslizou mais um centímetro dentro dela, suas mãos agarrando o corrimão com tanta força que os nós dos dedos ficaram brancos. Ele estava quase na metade do caminho para dentro dela agora e diminuiu o passo, delicadamente alimentando seu pênis em uma polegada de cada vez até que ele sentiu sua mãe se esticando para detê-lo, colocando a mão em seu quadril.

"Bobby não mais... é muito grande."

Seu pênis latejava dentro dela, ele não confiava em si mesmo para se mover caso perdesse o controle e atirasse sua carga dentro dela. Eles ficaram assim, imóveis, seu pênis enterrado profundamente na boceta de sua mãe, o mesmo lugar onde ele veio a existir. O tempo parecia ter parado quando ele se tornou vagamente consciente da voz de sua mãe.

"Wha...."

"Pelo amor de Deus, tire isso, Bobby... por favor!"

"Oh..."

Ele lentamente retirou seu pênis até que apenas a cabeça estivesse dentro, refletindo sobre como seria bom deslizá-lo novamente, enchendo sua boceta apertada mais uma vez, mas ele havia dado sua palavra, então ele o retirou com um plop molhado. Sua mãe virou-se para encará-lo lentamente, com lágrimas nos olhos e olhou para ele com raiva e reprovação. Ele abriu a boca para falar, mas ela lhe deu um tapa no rosto antes que ele pudesse dizer qualquer coisa.

Ele estava chocado demais para saber o que dizer ou fazer quando ela passou correndo por ele e saiu do quarto batendo a porta atrás dela, sem se importar que ela estivesse nua, sem saber para onde estava indo. Ele olhou para seu pênis, dois terços dele estava molhado com o suco da boceta de sua mãe e ele passou o dedo sobre ele antes de levá-lo aos lábios para sentir o aroma almiscarado e prová-lo. Ele passou o dedo sobre a cabeça do pênis novamente, espalhando os sucos dela sobre sua glande, a glande que tinha sido enterrada profundamente dentro dela, lembrando-se de como quase gozou dentro dela. Imagine se ele tivesse, se ele tivesse enchido sua boceta com seu esperma, seu pau empinado, era demais para ele e seu pau explodiu atirando cordas de esperma sobre a varanda e além da grade no ar da manhã.

Como Bobby e Alison resolvem isso? Descubra no Capítulo 16. Nos vemos lá!

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 30 estrelas.
Incentive Lobo curioso a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Lobo curiosoLobo curiosoContos: 283Seguidores: 175Seguindo: 73Mensagem Gosto de ler contos de tabus incesto, gosto de fazer amizades

Comentários

Listas em que este conto está presente

Incesto/madrasta
mãe, filho, tia, avó, madrasta, sobrinha.