MÃO AMIGA DA MÃE CH. 25

Um conto erótico de MELK
Categoria: Heterossexual
Contém 4746 palavras
Data: 18/02/2023 17:44:25

Capítulo 25

O final

Bobby acordou sentindo-se revigorado e relaxado pela primeira vez em muito tempo, o fato de suas bolas parecerem cerca de 10 libras mais leves também foi um bônus. O tempo estava ótimo, então ele decidiu dar uma corrida e parar para ver Erica, com alguma sorte ele poderia ter a oportunidade de repetir a ação se o pai dela não estivesse por perto. Ele vestiu a calça de moletom e a camiseta e atravessou o campus exibindo seu sorriso vencedor para algumas das gracinhas que viu em seu caminho.

Ao se aproximar da casa de Erica, embora seu sorriso desaparecesse rapidamente, um caminhão de mudanças estava estacionado do lado de fora e dois homens de macacão carregavam um sofá nele. WTF? Bobby se aproximou dos homens e falou com o mais próximo.

"Ei, o que está acontecendo com a casa do treinador?"

"Ele está se mudando garoto, como é?"

"Eu não entendo, como é que ele está indo?"

"Acabamos de receber a ligação para esvaziar o lugar, seja lá o que eles queriam que ele saísse hoje."

"Mas... Erica, a filha dele... eu preciso vê-la..."

Bobby começou a entrar na casa, mas o homem da mudança gritou: "Não se preocupe, garoto, eles já foram embora. Ele e a filha."

Bobby entrou na casa mesmo assim, mas estava vazia. Ele olhou no quarto de Erica se perguntando se havia uma nota ou alguma pista do que estava acontecendo, mas não havia nada. Ele ligou para o celular dela, mas o número simplesmente caiu na caixa postal. Justamente quando a vida parecia estar dando um passo definitivo para melhor ela tinha o hábito de chutar você no saco, ele refletiu.

======

Alison levantou a roupa de renda e olhou para ela, chamar de 'fantasia' era uma piada, era um alfinete que amarrava nas costas e cobria apenas a frente da cintura até o alto das coxas. Desde que ela tinha uma calcinha rendada que não era tão ruim, era o que estava faltando que era mais preocupante. Não havia top, nem mesmo sutiã ou biquíni, esperava-se que ela ficasse de topless. Ela vestiu as meias-liga e os saltos altos que haviam sido fornecidos, eles se encaixavam perfeitamente, claro que sim, ela refletiu com um sorriso irônico. Ela tinha certeza de que William Petty havia pesquisado cada uma de suas medidas.

Ajeitou as meias e se olhou no espelho, parecia uma visão pornográfica de uma empregada, o que supôs ser o efeito desejado, mas não teve dúvidas de que o foco das atenções não estaria no traje e sim nos seios , que foram completamente expostos. Deus, se eles não fossem tão grandes, ela refletiu, não importa para onde ela se voltasse, eles pareciam dominar a visão.

Ela colocou a pequena máscara preta que lhe dava algum nível de anonimato, embora suspeitasse que muitos dos investidores na festa já saberiam quem ela era de qualquer maneira. Afinal, o objetivo do exercício era humilhá-la, então onde estaria a graça se ninguém soubesse quem ela era, o gerente da clínica agindo como uma garçonete de topless para os investidores. Ela se perguntou por um momento se deveria colocar um sutiã, talvez Petty pelo menos permitisse que ela mantivesse aquele nível de dignidade, mas então ela se lembrou com quem estava lidando e descartou a ideia.

Ela olhou para o relógio, era hora de ela sair e com certeza ela ouviu a campainha tocar, com precisão de segundo. Ela vestiu um longo sobretudo e o abotoou, colocando a máscara no bolso por um momento e desceu as escadas extremamente consciente da quase nudez sob o casaco.

A viagem de limusine foi monótona e quase entediante para ela, mas conforme ela se aproximava da mansão de Petty, ela percebeu que seu estômago começava a se contrair com a perspectiva do que estava por vir. Ela colocou a máscara no rosto, o que lhe proporcionou algum nível de proteção.

A limusine parou na frente de sua casa e um mordomo abriu a porta para ela quando ela saiu e sentiu o ar fresco da noite em sua pele. O absurdo cavalheirismo que Petty lhe estendeu antes de humilhá-la parecia tão ridículo que ela se esforçou para não rir. Ela foi conduzida a uma sala ao lado onde ela se sentou em silêncio esperando, ao longe ela podia ouvir o som de vozes conversando, ela presumiu que os primeiros convidados estavam chegando e ela estava sendo mantida fora de vista até que ela fosse chamada.

Por fim, a porta se abriu e uma criada de smoking indicou que ela deveria segui-los. Alison levantou-se e seguiu o homem por vários corredores até uma cozinha onde várias bandejas de comida e bebida estavam sendo preparadas. Alison ficou impressionada com o fato de não haver funcionárias femininas, se nenhuma mulher trabalharia para Petty ou se ele tinha algum outro motivo, Alison não sabia.

"Ah, Sra. Stevens." O mordomo que ela presumiu estar no comando lhe ofereceu um leve sorriso. "Os convidados começaram a chegar, o Sr. Petty gostaria que você começasse a levar taças de champanhe." Ele apontou para a bandeja de bebidas já preparada.

"Vou levar o seu casaco." Ele estendeu a mão para o sobretudo dela, ela olhou em volta para os vários homens reunidos, todos olhando com expectativa para ela e engoliu em seco sabendo que ela estava praticamente nua por baixo.

"O quê aqui?" Ela perguntou

"Onde mais?"

Ela lentamente desabotoou o casaco parando para olhar em volta para ver se haveria algum alívio de última hora, mas é claro que não havia nenhum, então ela o abriu e encolheu os ombros antes de entregá-lo ao mordomo. Ela conscientemente segurou um dos braços sobre os seios para esconder sua modéstia enquanto estava nua da cintura para cima, vestindo apenas as meias, alfinetes e calcinhas que ela havia recebido.

"Você vai começar a servir as bebidas, os convidados estão esperando." O mordomo indicou a bandeja com taças de champanhe cheias sobre a mesa.

Ela percebeu com uma sacudida doentia que ao pegar a bandeja ela ficaria completamente exposta, ela olhou em volta para os rostos dos homens reunidos esperando por algum vislumbre de compaixão, mas foi recebida com expressões vazias, muitos deles olhando descaradamente para seus seios que ela estava tentando, sem sucesso, cobrir. Como se estivesse em transe, ela se aproximou da mesa e abaixou os braços para pegar a bandeja, expondo completamente os seios. Ela levantou a bandeja, segurando-a na altura da cintura, a parte de baixo de seus seios estava logo acima dos óculos, de alguma forma fazendo com que parecessem ainda mais óbvios. Um dos homens segurou uma porta aberta para ela indicar aonde ela deveria ir, enquanto ele fazia isso, uma brisa fresca soprou pela cozinha e ela sentiu seus mamilos endurecerem para aumentar seu constrangimento. Ela caminhou lentamente em direção à porta,

Ela parou momentaneamente para observar a cena, a companhia era exclusivamente masculina, todos vestindo paletós e conversando. Quando vários deles a notaram, as conversas diminuíram e todos os convidados se viraram para encará-la, olhando-a como uma obra de arte requintada, exceto que o olhar animal em seus olhos revelava a verdadeira natureza de seus pensamentos.

Petty emergiu de um pequeno bando de acólitos e caminhou em direção a Alison.

"Ah, vejo que nosso garçom encantador se juntou a nós. Venha, querida, não se acanhe, tenho certeza de que meus convidados estão com sede."

Ele tinha uma expressão presunçosa no rosto e, embora não usasse o nome dela, ela imaginou que a maioria dos presentes sabia quem ela era. Ela começou a se mover em direção aos grupos de convidados mais próximos, equilibrando-se o melhor que podia sobre os saltos altos, ciente de que cada passo fazia seus seios saltarem e balançarem. Ela sentiu-se corar de vergonha ao ficar na frente do primeiro grupo enquanto eles descaradamente cobiçavam seu corpo antes de se servirem de taças de champanhe. Ela se moveu ao redor da sala, ciente dos olhos vagando sobre sua carne exposta até que ela finalmente teve que cuidar de Petty e seu círculo.

Ele sorriu lascivamente quando ela se aproximou, admirando seu corpo e os olhares de luxúria nos rostos de seus colegas com igual alegria.

"É isso minha querida, vem cá." Quando ela se aproximou, ele estendeu um braço parecido com uma nadadeira e rodeou sua cintura, puxando-a para mais perto antes de estender a mão para dar um tapinha em seu traseiro. Ela se encolheu quando recuou de seu toque, mas se forçou a ficar e não fazer nada enquanto ele tateava seu traseiro.

"Agora, por que você não pergunta aos meus amigos se eles gostariam de provar seus produtos?"

Ela ficou perplexa por um momento, o que ele quis dizer? Então ela percebeu que ele queria que ela falasse para que eles não tivessem dúvidas sobre sua verdadeira identidade. Seu absurdo cavalheirismo era, como sempre, uma forma de velar seu próximo nível de humilhação.

"Bem... o gato comeu sua língua?"

Ela se forçou a falar com uma voz calma e tentou manter qualquer nota de medo ou raiva fora dela.

"Por favor, senhores, sirvam-se." Ela se arrependeu da escolha de palavras assim que as disse, mas a maneira como Petty planejou a situação significava que quase qualquer coisa que ela dissesse seria um duplo sentido. Os amigos de Petty serviram-se de copos deixando a bandeja vazia.

"Bem, você não vai estender o mesmo convite para mim? Afinal, eu sou o anfitrião." Petty deu seu sorriso mais repugnante.

"Mas eu não tenho mais nada a oferecer..." as palavras morreram em sua garganta quando ela o viu olhando fixamente para seus seios grandes e pesados.

"Oh, eu não diria isso."

Ela esperava que ele acabasse com essa piada de mau gosto e a deixasse escapar, mas ele não disse nada e olhou para ela com expectativa antes de induzi-la novamente.

"Bem?"

"Bem o que?"

"Convide-me para experimentar seus produtos." Ele a encarou fixamente de uma forma que deixou claro que não era uma piada, ele pretendia forçá-la a se humilhar.

"Por favor se ajude." Sua voz era plana e quase inaudível, sua raiva e frustração eram evidentes.

"Bem, se você insiste." Petty estendeu a mão e passou os dedos sobre os mamilos dela, observando-os endurecer em resposta, aumentando ainda mais a humilhação de Alison. Ele então segurou as esferas pesadas, levantando-as e pesando-as em suas mãos, balançando-as para enfatizar sua maciez e peso.

"Srta. Excepcional... Minha querida." Ele sorriu para ela enquanto continuava a balançar seus seios em suas mãos antes de fazer uma pausa para apertá-los e amassá-los. Depois de alguns momentos, ele soltou os seios dela e olhou em volta para os outros investidores que estavam prestando atenção ao espetáculo.

"Bem, não negligencie meus convidados, tenho certeza que eles gostariam de apreciar seus encantos também."

Então foi isso? Ela deveria desfilar por aí, convidando um bando de velhos pervertidos para apalpá-la um após o outro? E então que outras humilhações ele armazenou para ela.

"Oh, eu não acho que isso seja necessário." Petty olhou em volta para ver uma imagem espelhada de Alison parada ao lado dele, por um momento ele ficou pasmo, olhando para trás e para frente entre as duas mulheres, vestidas de forma idêntica e com corpos idênticos. Então ele olhou mais de perto, a segunda mulher parecia um pouco mais jovem, os seios mais firmes.

"Quem é você?"

"Estou surpreso que você não se lembre de mim, mas suponho que você esteja acostumado a me ver como uma loira." Ela tirou a máscara e uma peruca preta revelando seus longos cabelos loiros. "Erica, lembra? A garota da faculdade que você estava chantageando até decidir fazer com que meu pai fosse demitido e removido."

"O que é isso, como você entrou aqui?"

"Entrei pela janela do banheiro." Ela sorriu.

"Isso é absurdo, onde está minha segurança. Qual é a ideia de permitir essa garota aqui?" Ele gritou quando alguns de seus funcionários entraram na sala e cercaram Erica.

"Bem, qual é a ideia? Pelo que você acha que estou pagando?"

"Oh, não os culpe Billy, acontece que uma garota com seios grandes em uma máscara se parece muito com outra, pelo menos se tudo o que você está olhando são os peitos deles."

"Já ouvi o suficiente de você! Mande escoltá-la para fora daqui. Na verdade, não, já que você está aqui, acho que podemos nos divertir um pouco com você e lhe ensinar uma lição."

"Acho que não, pau de agulha!" Todos os olhos se voltaram para Bobby quando ele entrou na sala segurando um tablet na mão.

"O que??"

"Não, a menos que você queira que tudo isso seja enviado para a NBC. O FBI, e na verdade qualquer pessoa com a internet, terá visto isso amanhã à noite."

Os seguranças de Petty o interceptaram antes que ele pudesse se aproximar, mas ele ergueu o tablet para que os convidados pudessem ver a tela que mostrava Petty e vários de seus investidores envolvidos em um ritual S&M com várias garotas que claramente pareciam ter sido forçadas a entrar participando. "Essa nem é a pior, você é um cachorrinho doente!"

"Faça com que este jovem seja levado para fora e tratado."

"Não tão rápido, isso já foi carregado, e se alguma coisa acontecer comigo ou Erica ou mamãe, ele começará a transmitir automaticamente logo pela manhã."

"Você está blefando. Você não poderia ter feito tudo isso sozinho."

"Não, mas eu poderia." Petty voltou-se para Erica, "Você parece ter esquecido que eu estava me formando em TI antes de começar a chantagear a mim e a meu pai e me usar em seus esquemas. Eu hackeei seus arquivos e carreguei tudo em um servidor remoto."

"O que é tudo isso? O que você quer?"

"$ 20 milhões em um fundo fiduciário para mim, outro para Bobby e a transferência de 51% do patrimônio da clínica para Alison."

"Nunca!"

"Tarde demais, eu já fiz as transferências. E se você tentar revertê-las ou levantar alguma objeção, bem..." ela dirigiu seu olhar para o tablet onde Petty e alguns dos outros investidores estavam envolvidos em um ato sórdido com duas meninas. A essa altura, os investidores haviam parado de conversar e estavam focados nas imagens na tela que vários deles reconheceram e estavam em vários estágios de choque e indignação.

"Você estava filmando tudo isso?? O que diabos você estava pensando??"

"Ele estava pensando em chantageá-lo em algum momento, eu suspeito, não é, Bill?" Erica ergueu uma sobrancelha para Petty, que se contorceu desconfortavelmente.

"Pelo amor de Deus, William, faça o que ela diz!"

Enquanto os colegas de Petty se voltavam contra ele, Bobby levou alguns momentos para admirar Erica e sua mãe, ele devia estar olhando para dois dos melhores pares de seios do estado, o inferno no hemisfério ocidental. Em tamanho não havia muito o que escolher entre eles, os de Alison eram um pouco mais baixos, o que era de se esperar e não os tornava menos atraentes, os mamilos de Erica eram mais claros e menores, como morangos rosa em comparação com os mamilos mais escuros e longos de sua mãe. . Ele observou os dois pares balançarem a cada pequeno movimento e imaginou-se banqueteando com eles, seu pau ficando duro com o pensamento.

"Bobby!"

A voz de Erica o trouxe de volta à realidade, o fato de ele ter conseguido manter o foco na missão na presença de dois pares de enormes seios nus por cinco minutos foi um milagre.

"Uh?" Bobby olhou para ela.

"Aqui em cima, Bobby." Ela apontou para o rosto. "Ele é sempre assim?"

"Temo que sim." Alison sorriu.

"Pedi para você pegar nossos casacos quando estivermos saindo, o Sr. Petty viu o bom senso."

Bobby olhou para Petty, que estava carrancudo, mas claramente sem opções antes de seguir Erica e Alison até a porta e pegar seus casacos enquanto se dirigiam para a limusine de Petty que estava esperando por eles.

Havia uma garrafa de champanhe em um balde de gelo enquanto eles subiam, Petty obviamente havia arranjado isso como um de seus absurdos gestos cavalheirescos após a humilhação planejada de Alison.

Alison tirou a máscara e olhou para Bobby, "Bem, parece que meu cavaleiro de armadura brilhante veio em meu socorro, e parece que devo a você meus agradecimentos também", ela se virou para Erica.

"Bem, foi principalmente ideia de Bobby, depois que Petty me pegou e meu pai se mudou, percebi que não tinha mais nada a perder contando a Bobby o que havia acontecido, então liguei para ele e expliquei. Ele queria dirigir até aqui e dar uma surra em Petty, mas eu o convenci de que uma abordagem mais sutil poderia ser melhor, então inventamos isso."

"Bem, obrigado a vocês dois. Não sei o que ele planejou para mim e, francamente, não quero pensar nisso. Podemos comemorar com um pouco de champanhe? Bobby, você faria as honras?"

Bobby estava sentado entre eles e olhou de Erica para Alison. "Bem, eu poderia, mas..."

"Mas o que?"

"Bem, parece que este cavaleiro de armadura brilhante é o único cara que não teve seu champanhe servido por uma bela garçonete de topless."

"Agora?" Alison levantou uma sobrancelha e olhou para Erica.

"Bem, suponho que devemos alguma gratidão a você."

As duas mulheres abriram os casacos e os tiraram dos ombros e Bobby foi mais uma vez saudado com a visão de quatro seios magníficos. Erica serviu o champanhe enquanto Alison segurava as taças entregando uma para Bobby e Erica

"O senhor está feliz agora?" Alison sorriu ao entregar a taça a Bobby e eles brindaram à vitória.

"O senhor ficaria ainda mais feliz se tivesse as duas mãos livres."

"Tenho certeza que sim." Alison sorriu. "De alguma forma, duvido que fiquem vazios por muito tempo."

"Uma maneira de descobrir!" Bobby pousou o copo antes de estender a mão para segurar o seio direito de Alison e o esquerdo de Erica. "Acho que você estava certa mãe!" Alison revirou os olhos em falso exagero enquanto Bobby pesava seus seios com a mão esquerda enquanto apalpava os de Erica com a direita. Ele era como uma criança em uma loja de doces enquanto comparava seus seios, sentindo seu peso e firmeza, observando como eles respondiam enquanto ele os balançava e balançava.

"Eu acho que depois de todas as provocações que eu fiz você merece um pouco de diversão." Érica sorriu,

"Provocando? Minhas bolas estavam tão azuis que pensei que iam explodir."

"Me desculpe, eu tive que deixá-lo sozinho, Bobby, eu não gostei."

"Eu pensei que você disse que gostava de brincar com meu pau."

"Ah, sim, só quis dizer que não gostei de ser uma vadia com você."

"Bem, por falar em brincar com o meu pau, eu preciso de uma ajudinha agora." Ele olhou de Erica para Alison, que olhou para suas calças onde estava armando uma enorme barraca.

"Então, eu vi." comentou Alison.

"Bem... eu acho, se você não se importa?" Erica olhou para Alison em busca de aprovação.

"Seja meu convidado." Alison sorriu.

Erica passou a mão sobre a virilha de Bobby, sentindo seu pau duro de ferro pular e balançar sob seu toque. Na verdade, ela gostava de provocar Bobby, não tanto quanto Petty a obrigara, mas o suficiente para deixá-lo tão excitado que ficaria desesperado, então ela prolongou o momento até desabotoar a calça dele e abri-la. Como de costume, Bobby evitou a cueca, preferindo deixar seu orgulho e alegria balançar sem restrições, então, quando Erica abriu suas calças, seu pênis saltou para fora. Ela segurou a enorme coluna venosa em suas pequenas mãos pálidas e acariciou-a com ternura, sentindo-a pulsar e pulsar sob seu toque delicado. Ela rolou a pele para frente e para trás e observou o claro pré-sêmen escorrer da cabeça de seu pênis enquanto Bobby soltava um gemido.

"Isso significa que você me perdoou?" riu Érica.

"Estou trabalhando nisso, mas você ainda tem um longo caminho a percorrer." sorriu Bobby.

"Bem, acho melhor eu tentar mais então." Erica sorriu antes de escorregar para se ajoelhar no chão, então ela estava no nível dos olhos com seu pênis. Ela fez uma pausa para admirá-lo antes de deslizar a língua para fora e lamber das bolas até a cabeça de seu pênis várias vezes antes de puxar seu pau para baixo em sua direção para que ela pudesse girar sua língua ao redor da cabeça, lambendo seu pré-sêmen picante e finalmente envolvendo toda a cabeça com seus lábios carnudos. Bobby jogou a cabeça para trás e gemeu com a sensação antes de se virar para Alison.

"Desculpe mãe, você não se importa, não é?"

"Seria muito estranho para uma mãe ficar com ciúmes de outra garota fazendo isso com seu filho, não é?"

"Mas você não é uma mãe qualquer, você é MINHA mãe linda e sexy!"

"Obrigado, Bobby!"

"E eu amo-te."

"Eu também te amo Bobby."

Bobby puxou Alison para mais perto e beijou-a na boca e depois de um momento ela respondeu abrindo os lábios e deixando a língua dele deslizar em sua boca enquanto ela sentia as mãos dele deslizarem para cima e segurar seus seios pesados. Depois de alguns momentos ela quebrou o beijo, mas as mãos de Bobby ainda estavam ocupadas amassando seus seios.

"Hmm, parece que você ama isso mais do que eu."

"Não mãe, mas não é minha culpa se você tem os seios mais perfeitos do mundo."

Erica mordiscou seu pênis com os dentes de brincadeira.

"Ai!"

Ela se sentou, empurrando seus peitos para Bobby.

"Bobby, pensei que você gostava mais do meu."

"Bem, os seus também estão ótimos."

"Mas de quem você mais gosta?"

"Bom eu..."

Erica sentou-se no assento, de modo que seus seios ficassem na altura dos olhos de Bobby.

"Ummm err..."

"Sim, Bobby, de quem você prefere?" Alison se ajoelhou do outro lado de Bobby, então ele se deparou com 4 peitos enormes a centímetros de seu rosto.

"Sim, Bobby, decida!"

"Bem, vocês são os dois, então, quero dizer, eu... hum..." ele olhou de um enorme par de lindos seios para o outro como um coelho em um conjunto de faróis.

"Eu amo os dois."

"Não, Bobby, você tem que escolher."

"Sim, Bobby, decida!"

"Err..." ele estudou seus seios observando as diferenças sutis, a aréola mais pálida de Erica e os mamilos menores e os seios mais pesados ​​e em forma de pêra de Alison antes de lembrar que ele deveria estar formulando uma resposta. "Eu errr ..." infelizmente foi o melhor que ele conseguiu dizer e Alison e Erica finalmente caíram na gargalhada, fazendo seus peitos balançarem como pratos gigantes de gelatina.

"Sinto muito, Bobby, não pudemos resistir." Erica sorriu.

Bobby percebeu que eles estavam brincando com ele.

"Ah, muito engraçado!" Ele não poderia estar muito zangado enquanto observava seus peitos balançando com suas risadas. Ele colocou os braços em volta das duas garotas e as puxou para ele de forma que seus peitos enormes foram empurrados em seu rosto, elas gritaram de tanto rir quando ele enterrou o rosto em seus peitos. Era como se afogar em seios, ele refletiu ao sentir seus maravilhosos seios macios e firmes pressionados contra seu rosto, procurando um mamilo para se deliciar antes de passar para outro.

Alison e Erica esperaram enquanto Bobby se banqueteava com seus encantos combinados e saía para respirar.

"Está bem acabado, jovem?"

"Por agora!" Bobby sorriu.

"Bom porque acho que é a nossa vez de chupar alguma coisa." Erica sorriu para Alison enquanto elas caíam de joelhos e admiravam seu pau enorme. Eles lamberam cada lado de seu pênis abrindo caminho para a cabeça antes de se revezar para sugar a glande inchada em suas bocas, passando-o para frente e para trás como uma iguaria, ocasionalmente parando para chupar suas enormes bolas pesadas.

Eles começaram a tomar mais de seu pau, sugando-o e competindo entre si para ver quem poderia dar o show mais safado de chupar pau. Bobby refletiu, ele não só tinha os dois melhores pares de peitos, como também tinha dois dos melhores chupadores de pau do planeta, ambos esbanjando atenção em seu pau. Eles estavam entrando em um ritmo agora, cada garota dando alguns golpes profundos em seu pênis antes de passar para a outra. Ele lutou para segurar seu esperma, mas sabia que não era páreo para um ataque conjunto de duas bocas como essas.

"Oh Deus, eu não posso aguentar muito mais disso." resmungou Bobby. "Eu preciso gozar."

"Bem, acho que depois de todas as provocações que fiz você passar, talvez eu deva fazer as honras." Erica encolheu os ombros.

"Deixa-me ajudar." Sorriu Alison quando ela se sentou e levantou seus peitos juntos, envolvendo-os ao redor do enorme pau de Bobby. Enquanto ela os balançava para cima e para baixo, a cabeça de seu pau ainda estava exposta, saindo do desfiladeiro cremoso de seios e babando pré-sêmen. Erica abaixou a cabeça e pegou o pau dele na boca, sentindo os peitos de Alison roçando seu queixo e bochecha enquanto eles saltavam para cima e para baixo. A combinação foi demais para Bobby e ele sentiu suas bolas apertando e seu pênis balançando.

"Oh fuuuuuccckkk, estou gozando!!"

Se havia alguma dúvida, ela desapareceu um segundo depois, quando um grande jorro ou esperma disparou na boca de Erica, seguido por outro, e outro. Quando ela sentiu a boca encher, ela tentou engolir, mas ele estava lançando sêmen mais rápido do que ela poderia acompanhar. Ela finalmente retirou a boca enquanto ele continuava gozando, um jorro espirrando em seu rosto antes de Alison tomar seu lugar enquanto Bobby vomitava o último de sua carga, mamando no enorme pedaço de carne enquanto terminava de ter espasmos.

Ela se sentou e olhou para Erica, que olhou para ela abrindo os lábios para mostrar a ela e a Bobby a poça de esperma branco que ela ainda tinha na boca. Alison seguiu o exemplo antes de se aproximar e beijar Erica, suas línguas entrelaçadas banhando-se no grosso sêmen de Bobby antes de se separarem e engolirem suas cargas.

"Bobby, você ainda está duro!"

"Oh, uma vez nunca é suficiente para Bobby, não é?" Alison sorriu para Bobby, que deu de ombros envergonhado.

"Parece que esta vai ser uma longa noite." Erica riu enquanto acariciava seu pênis.

EPÍLOGO- 18 anos depois

Bobby estava deitado na cama acariciando preguiçosamente seu pênis gigante, o CEO de sua própria empresa de roupas esportivas e um jogador de futebol aposentado. A vida estava muito boa, ele refletiu, só então a porta do banheiro se abriu e sua mãe entrou se enxugando do chuveiro e ele refletiu que a vida de repente ficou muito melhor. Agora, na casa dos 50, ela tinha alguns cabelos grisalhos e mais algumas linhas de riso, mas ainda parecia 20 anos mais jovem. Ele admirou seus seios enormes, eles eram mais baixos e macios, mas de alguma forma isso os tornava ainda mais sexy para ele.

"Você nunca para de pensar em sexo??" Ela repreendeu olhando para a mão dele em seu enorme pau duro.

"Com você por perto, como eu não poderia?" Ele sorriu estendendo a mão e puxando-a para ele, puxando-a para a cama e beijando-a antes de pegar seus seios para poder festejar com eles.

"Ei, não é justo!! Você começou sem mim!!" Eles olharam para cima para ver a bela bomba sexual adolescente que era Trinity Stevens fazendo beicinho na porta da varanda.

"Não começamos nada!" Alison protestou, acabei de sair do banho.

"Mas você estava prestes a fazê-lo." Ela respondeu antes de atravessar o quarto e pular na cama, seu longo cabelo loiro contrastando com seu bronzeado dourado.

"Bem, você pode culpar seu pai por isso." Alison respondeu enquanto Bobby continuava a apertar e acariciar seus seios.

"Não é justo, eu nunca vou ter peitos como você mãe." Ela olhou para os seios grandes e firmes que se projetavam sem nenhum traço de flacidez, pelos padrões de qualquer outra pessoa, eles seriam grandes quando comparados com os de Alison.

"Você não precisa se preocupar com Trinity."

"Sim, você sabe o que dizem, mais do que um punhado é um desperdício." Bobby sorriu liberando um dos enormes peitos macios de sua mãe para segurar um dos grandes e firmes de sua filha, comparando os dois orbes pesados. O pensamento passou por sua cabeça de que havia algo errado com essa foto, mas então ele sentiu a pequena mão de sua filha acariciando seu pênis e todos os pensamentos deixaram sua mente. A vida era muito boa para Bobby Stevens!

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 30 estrelas.
Incentive Lobo curioso a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de Lobo curiosoLobo curiosoContos: 282Seguidores: 173Seguindo: 73Mensagem Gosto de ler contos de tabus incesto, gosto de fazer amizades

Comentários

Foto de perfil genérica

Realmente muito boa a série. Embora tenha muito erro de concordância (masculino/feminino) é um excelente trabalho e sem dúvida muito excitante.

0 0
Foto de perfil genérica

Eu desconfio que o conto é apenas uma tradução do inglês, mas como não tenho como provar fico apenas na desconfiança mesmo kkkkk

0 0
Foto de perfil genérica

Muito bom parabéns adorei o final,ferrando o decrépito petty.

0 0
Foto de perfil genérica

Gostei , achei suuuper massa esta série , parabéns !! 👏👏👏

0 0
Foto de perfil genérica

Não quis comentar nada em toda a saga e agora resolvi comentar e te dar os parabéns pelo trabalho e pedir para dar a continuação com a filha e dizer o que houve com a Erika

1 0
Foto de perfil genérica

Nem li ainda, mas tenho uma dúvida: Vc pretende postar os capítulos 12 - 13 - 14 - 15 e 16 também??

O conto é ótimo, mas acho que esses capítulos vão fazer falta. rssss

1 0