A PREDILETA: A LOUCURA, O TESÃO E O INCESTO! Parte.02

Um conto erótico de Remember
Categoria: Heterossexual
Contém 3840 palavras
Data: 17/02/2023 13:42:21

A PREDILETA: A LOUCURA, O TESÃO E O INCESTO!

Parte.02

Na primeira parte descrevi como começou meu dia com as minhas duas delicias, Carla e Rena depois que usaram e abusaram, foram para casas, pois eu iria jantar lá e elas iriam fazer a janta.

Depois daquela loucura, eu deitei e apaguei, acordei com o telefone tocando, era tia Carla, me indagando: você não vem?

Olhei no relógio era quase 9 da noite, levantei com uma mão na roupa outra no pente, e voei para casa da Rena, afinal era só atravessar a rua.

Cheguei, e interfonei, Rena saiu e me olhou com uma cara de desprezo, entoa disse para ela:

"Você não está feliz em me ver?"

Medisse meio desanimada mais me deu os braços para abraçá-la. "Claro que estou", disse ela, sorrindo para mim, "venha aqui."

Ela se sentou ao lado dele e se aconchegou, deslizando a mão sob minha camiseta sussurrou em seu ouvido,

"Alguma coisa interessante aconteceu hoje?"

"Como o quê?"

"Seu idiota, você sabe do que estou falando. Mamãe, ela não quis me dizer o que vocês aprontaram....."

"Não."

"Vamos ver", disse ela, pulando de seu colo para o chão, estávamos na sala

Ela se inclinou e pegou no meu pau "Mmm, eu posso ver por que você gosta transar com ela, aproveitou e lambeu a cabeça de meu pênis, girando sua língua em círculos antes de tomá-lo em sua boca.

"Sabe bem?" ele perguntou, sentindo seu pau voltar à vida.

"Sim, e eu posso provar seu esperma também

. Quer que eu tome todo o caminho?"

Ouvimos tia Carla chamando na cozinha, Beto e o pai dela estavam pescando, e só voltariam mais tarde, ela empurrou seu pênis dobrável em sua garganta até que seus lábios alcançaram a base do pênis, então aliviou todo o caminho de volta, deixando um rastro de saliva brilhante cobrindo seu pênis.

"Uau, acho que você pode fazer isso quando estou duro."

"Talvez, mas eu pensei que você queria me foder disse Rena meio ofegante.

" Ela se levantou e lentamente tirou suas se virou e se inclinou, mostrando sua bunda para ele.

Seu pênis endureceu diante de seus olhos.

Ele se inclinou para frente e abriu suas bochechas, expondo seu pequeno rabo apertado para sua língua sondadora.

Então eu disse: "Você gosta disso?

“Mamãe me mostrou esse pequeno truque."

Aproveitei e soquei a língua para cima e para baixo em sua fenda, alternando entre sua boceta e seu cu, tendo tempo para sondar cada abertura.

"Você quer que eu te tire assim?"

"Foi isso que você fez com a mamãe?"

"Sim, nós deveríamos estar fazendo um sessenta e nove, mas ela nunca chegou a me chupar."

Fiz mais de uma vez, e até ela gozar na minha boca eu vou fazer um sessenta e nove ou foda-se você."

"Eu posso fazer as duas coisas, Rena com a carinha de safada ainda disse: eu vim duas vezes pela mamãe, pelo que sei, você e ela gozaram muito antes de mim."

Ela começou chupar forte até que meu pau duro colidiu contra a entrada de sua garganta. Ela respirou fundo e inclinou a cabeça para endireitar a garganta para ele. Ela engasgou em sua primeira tentativa e se afastou.

"Muito grande?” ele perguntou tendo.

"Sim, mas eu acho que posso conseguir. Apenas me dê um minuto e comece a trabalhar na minha bunda. Eu preciso da distração, voltando para sua boceta, procurando seu pequeno botão duro com a língua.

"Ah sim, bem aí. deslize seu dedo na boceta por favor....."

Ele estendeu a mão e espalhou suas bochechas com os polegares, abrindo seu cu. Enquanto chicoteava seu clitóris com a língua, ele caminhou os dois polegares em direção ao seu cu e os pressionou contra a borda de sua ruga aberta.

"Mmm, isso é bom, empurre um pouco mais."

Soquei os dois os dois polegares em seu buraco apertado, levando ambos até a primeira junta.

"Mais, mais", disse ela, ofegante.

"Oh, oh, sim. Eu vou..."

Seu corpo convulsionou acima de mim, ela sentou literalmente em cima do meu rosto sufocado por sua boceta enquanto ela empurrava de volta contra ele, abrindo-se para seus polegares.

Ela se virou e deitou em seu peito, exausta do orgasmo incrível.

Quando sua respiração diminuiu, ela levantou a cabeça e lambeu os sucos de seu queixo e lábios.

Ela se levantou, mantendo apenas a cabeça de seu pênis dentro dela.

"Mmm," ele disse, empurrando-a de volta para baixo. Ele adorava a sensação de deixá-la assumir o controle enquanto ele apenas se recostava. "Você pode gozar de novo?"

"Uh huh," ela disse, quase sussurrando, bombeando um pouco mais forte a cada golpe, "brinque com meus peitos."

Ele usou os polegares em seus seios pequenos, rolando os mamilos duros de um lado para o outro.

"Ah, sim", disse ela. Ela estava nisso agora, apoiando as mãos em seus ombros para se firmar enquanto pegava o ritmo de transar em seu pênis.

"Você está perto?"

Ele apenas grunhiu e empurrou seu pênis para dentro dela, combinando seus golpes para baixo.

"É isso, vamos gozar juntos..."

"Tão bom quanto a mamãe?" ela sussurrou em seu ouvido, ainda empalado em seu pau amolecido.

"Inferno sim, mas não diga isso a ela."

"Duvido que algum dia apareça."

"Eu não sei, mamãe estava muito interessada em ouvir o que fizemos ontem."

"Você disse a ela? Por que você faria isso?"

"Acabou de sair, porque você me ajudou a descobrir sobre a calcinha."

"Oh," ela disse, aceitando sua explicação.

"Eu poderia te dizer mais uma coisa que ela fez."

"Ok, me diga, e é melhor que seja bom."

"Ela me fez chupar meu esperma de sua boceta."

Ouviram um barulho no andar de cima, acho que causado pelo vento, ao olhar no corredor Carla olhava os dois no chão, assim que Rena viu disse: "Mãe, como você pôde?"

"Abaixe sua calcinha para mim, vamos preenchê-la baby? Você consegue foder essa vadia?."

Rena foi até ela e deslizou a calcinha até os joelhos, "É melhor você ser rápido, eu não quero ficar....." a boca dela estava na mãe antes que as palavras saíssem de sua boca, socando a língua e lambendo em sua boceta molhada.

Carla parou mostrando a bunda para mim, estendi a mão entre as pernas dela e a acariciou, sentindo a virilha molhada e mole de sua calcinha. Ela estendeu o dedo que acabara de usar para se livrar e o deslizou em sua boceta aberta.

Ela se inclinou sobre a pia e levantou seu vestido, então deslizou sua calcinha para baixo apenas o suficiente para expor sua bunda.

Ela desabotoou a blusa e puxou o sutiã sobre os seios "Mmm," ela sussurrou, "isso é bom.

Enfie um dedo e esfregue meus seios."

Ele mexeu seu dedo escorregadio contra seu cu, deslizando-o facilmente. Ele massageou seus seios pendentes com a mão livre, beliscando seus mamilos duros como pedra.

"Ahhh," ela gemeu, "isso foi fácil, tente dois dedos."

Demorou um pouco mais de esforço para ele colocar dois dedos em seu rabo apertado, passando-os por seu esfíncter apertado.

"É isso, baby, apenas relaxe. Você está pronta?"

"Acho que sim, vá devagar—"

Ela estava nisso agora, apoiando os braços contra a parede e empurrando para trás, sentindo seu músculo relaxar quando ele a penetrou.

"Oh Deus, isso é bom... Você assume, querida... Foda-me... Foda-me com força."

Rena socava 3 dedos na boceta sem dó, escutava o barulho de tão molhada,

"Ahhh, sim!" ela disse, sua voz elevada, Carla estava fora de sim, eu socava no rabo dela sem dó e com muito tesao vendo a Rena, fodia a mãe olhando a filha!

"Mais rápido," ela disse, "

Eu quero que você goze na minha bunda."

"Ok, ok", ela gritou, alcançando seu clitóris. "Encha a porra da minha bunda perdido em suas palavras desagradáveis quando explodiu, bombeando seu esperma profundamente em sua bunda.senti ela apertar meu pênis, travando-o dentro de sua bunda enquanto ela esfregava seu próprio orgasmo.

Esgotado, e meu pau amolecido ela puxou sua calcinha para cima em um movimento suave, antes que qualquer de seu esperma pudesse escorrer de sua bunda apertada.

"Você fez isso, sua menina travessa."

"Obrigada, mãe", disse Rena, olhando para mim disse, vou querer também viu? Pode recupera a energia, falou e jogou uma perna sobre sua cabeça e montou, mantendo os lábios fechados ao redor da cabeça de seu pênis, e enterrou sua boceta em seu rosto. imediatamente reconheci pressionado em seu rosto. Definitivamente sua língua se lançou dentro dela, sondando seu pequeno botão duro foi incapaz de se concentrar, oprimida pelo prazer que ele estava distribuindo com sua língua aumentei pressão em seu clitóris e enfiou a ponta dos dedos em seu ânus

Rena se abaixou em seu pênis sua boceta escorregadia facilmente o pegou, apesar de seu tamanho enorme. Ela se inclinou para frente, dando-lhe uma boa olhada em sua boceta, aberta por seu pênis colocou as mãos em seus quadris e começou a balançar para frente e para trás ao longo do comprimento de seu pênis duro, observando-o deslizar dentro e fora dela com um som Rena descontrolada olhava para mãe e apertava os seios cavalgando deliciosamente gemeu, quase gozando novamente quando o sentiu explodir dentro dela. Ela olhou para o relógio enquanto ele descarregava sua carga pegajosa nela. Porra! Sem tempo suficiente para um banho, ela teria que ir trabalhar em uma bagunça pegajosa.

"Oh sim," ela comandou, recuando e plantando sua boceta em meu rosto entendi instantaneamente, e comecei a lamber sua boceta escorrendo, engolindo tudo o que podia sugar ela gentilmente apertou seus mamilos já duros enquanto sua imaginação corria solta com as possibilidades.

A noite tinha começada de forma forte, nos recompomos mais éramos puro sexo, desejo e tensão, no jantar as mãos passeavam nas coxas e seios boca, elas se levantavam e se esfregavam em mim, sem medo até que Rena abusou, se levantou, sentou na mesa de frente com a mãe, colocou a mão dentro do shortinho de lycra que usava e om o dedo úmido com os sucos escorregadios de sua boceta, o moveu até sua fenda e trouxe até a boca dela ela levantou a cabeça, ela ofegou por ar, então mergulhou de volta na boceta, Rena estava alterada dentro de momentos, seu grunhido rápido disse ela que ele estava prestes a gozar.

"Ah porra!" ela gritou, alto.

Carla fez o mesmo, pressionou com força contra seu clitóris, levando-se à beira de um orgasmo. Seus dedos mergulhando em sua boceta era uma delícia para se conduzir ao clímax

Ela gritou, alto, enquanto onda após onda de prazer percorria seu corpo rígido.

As duas então, se levantaram e começaram a se despir, ficaram nuas, e foram tirando as coisas da mesa, terminado, me afastaram da mesa, e se sentaram lado a lado, abrindo as pernas ao máximo, Carla e Rena tinham combinado isso! Então Carla disse: Agora você vai me chupar e chupar ela, alternadamente, okey, sem dedos só linga e lábios os dedos serão os nossos né filha?

Rena, preocupada que fosse demais para ela. "Você está bem mãe?"

Ela mordeu o lábio. "Ahhh," ela gemeu.

"Eu estou bem... vamos nos divertir agora..."

Eu então trouxe as mãos de volta para seus seios, beliscando levemente seus mamilos duros, uma na Rena uma na Carla enquanto eu lambia, sugava e chupava as bocetas que agora estavam lisas e ficando mais meladas, só lamber e beijar as vezes fazia elas gemerem, enquanto a mãe mexia na boceta da filha e a filha na da mãe, era uma loucura e puro tesao ver isso, der repente eram 1, 3 , 4 dedos socados em cada uma, linda a cena, e eu chupava sem do e sugava tudo o mel.

Enquanto isso eu usava minha língua para procurar os clitóris e comecei a trabalhar lambendo os pequenos clitóris duros. Já fazia um bom tempo que eu estava a chupar Rena gemeu alto, sua mente em overdrive quando sacudi seu clitóris implacavelmente, levando-a a um orgasmo maciço.

.

"Não pare agora", disse Carla, quase gritando para mim. "Oh porra! Oh porra!" ela disse, grunhindo a cada respiração. "Mais... mais... assim."

Mais o que? Mas piscando? Mais digitação?

Ela resistiu amplamente, "Oh! Oh! Tão... tão perto..."

Com o polegar da Rena todo para dentro e minha língua flutuando sobre a ponta de seu clitóris, desencadeei um poderoso orgasmo ela gritou alto, apertando sua boceta em seu rosto, seu corpo estremecendo incontrolavelmente no meio de um orgasmo maciço, ainda mais intenso do que o que ela experimentou esta manhã.

Rena então me puxou para ela me beijando, enquanto Carla estava se recuperando, largamos a comida na mesa e fomos para sala enquanto Carla falava alto da cozinha:

"Mais... mais... mais..." ela gritou, esperma borbulhando em sua boca.

Rena me jogou sobre o sofá, e tirou meu moletom, caiu de boca chupando forte gemeu quando suas línguas pressionaram nela, fazendo sua mágica, sua mãe se juntou a ela eu quase chorei, "é tão bom... tão bom pra caralho... mais... mais difícil, Carla, deixou cair a perna de volta para o chão, e puxou a minha cabeça ainda mais apertado, moendo sua boceta em meu rosto estendeu a mão e segurou seus seios, rolando os mamilos duros entre os dedos estava de volta em sua zona, moendo um orgasmo fresco com a ajuda da língua chicoteando as dobras macias e molhadas de sua boceta foi implacável, sacudindo seu clitóris até que ela não aguentasse mais.com a língua e levantou e pressionou a cabeça de seu pau duro como pedra contra o objeto de seu desejo eu amava a boceta da Carla, era perfeita, inchada, melada e apertada ela gemeu, sentindo a entrada molhada empurrei em sua boceta molhada, esticando-a aberta.

Lembrei que Rena tinha dito que queria pau na raba, tirei de Carla, peguei rena pelos braços coloque ela de bruços no braço do sofá, então ela ao sentir disse:

"Mãe," ela sussurrou em seu ouvido, "o pau... está na minha bunda..." Suas palavras pararam quando a bunda batendo a deixou sem fôlego.

"Sim, querida", respondeu Carla. "Não exatamente o dobro que eu prometi a você... mas segure firme... vamos fazer isso juntas, sua voz sumindo enquanto eu gozava deliciosamente o gozo cremoso profundamente na bunda apertada de sua filha.

Carla ao ver meu pau sair da raba da Rena, escorrendo minha porra, se jogou no sofá e eu fui tomar um banho, Rena estava largada ainda sem se recompor, ouvi elas conversando enquanto tomava banho, o telefone da casa tocou e ouvi “ Que delicia, vamos poder foder a noite toda, eles não voltam hoje”, o velho estava no sitio, fodendo a empregada certeza, tomei minha ducha, e sai, encontrei as só de calcinha tomando uma Vodka com suco, o som leve e o ambiente sem luz alguma deixava isso interessante."

Falei: Duas gostosas, por onde começo?

Era isso que Carla queria ouvir meus olhos estavam tão arregalados como pires enquanto observava Carla e Rena apertar o seio e puxar o mamilo duro. Rena a riu, então perguntou:

"Só metade?"

Isso trouxe uma risada calorosa de Rena assumi os outros dois seios que não estavam sendo tocados fui entrao beliscando suavemente o mamilo duro. A mão livre de Carl a e deslizou para dentro da toalha, seus dedos envolvendo seu pau duro.

Rena disse: "Parece que você tem meu número." Mãe, agora é sua vez, o que vai fazer com ele?

Eu adoraria ouvir mais eu disse já com uma voz rouca, "se você estiver com vontade de compartilhar algum detalhe."

"Sua menina má," Rena respondeu, "isso está deixando você excitada, não está Mãe?"

"Ahhh," Carla gemeu. O rosto de Rena estava em sua virilha, acariciando sua boceta vermelho ardente, sondando sua fenda com sua língua macia e molhada.

"Melhor ir para as partes boas... eu não vou durar muito." liberando as mãos para acariciar seus seios grandes. "Se importa se eu me juntar a você?" falei para Rena, A língua da Rena fez gemer baixinho. "Melhor se apressar, se você vai acompanhar Rena liberar seus peitos enormes. Ela os apertou com uma mão, puxando seus mamilos duros. A outra mão estava entre as pernas, esfregando o triângulo bem aparado. Ela usou um polegar para abrir seus lábios, abrindo sua fenda rosa. "Mmm," ela sussurrou, deslizando um dedo em sua boceta molhada, "agora estou com você."

Baby, vai foder quem, me perguntou?

Rena tinha um dedo de volta em sua boceta, esfregando seu clitóris macio. "

. "Você nos ouviu esta manhã, sua mãe e eu, perguntei?"

Ela assentiu, com medo de responder, não querendo quebrar a promessa que fez para sua mãe.

Carla foi ao sofá puxando Rena, deitando em seu colo deitou, se espreguiçando, abrindo as pernas, mostrando tudo o que tinha para oferecer a ele caiu de joelhos e enterrei o rosto em sua virilha, inalando profundamente, absorvendo seu cheiro almiscarado.

"Você gosta disso, cheirando a coisa real."

Acenei somente, minha boca estava totalmente ocupada, Rena só olhava a, enviando um arrepio de prazer através dela enquanto sua língua balançava em sua fenda. minha língua era celestial, tão molhada e úmida, entrando e saindo de sua boceta e, em seguida, circulando seu pequeno clitóris duro. Oprimida com prazer, ela deitou a cabeça para trás, incapaz de se concentrar em seu pênis, e deixou a natureza seguir seu curso. Não demorou muito respiração pesada deu lugar a uma respiração ofegante começou a resistir, literalmente tentando foder sua língua. atingiu como uma tonelada de tijolos. Ela gritou, enquanto um orgasmo celestial espasmava incontrolavelmente através de seu corpo rígido.

Ele a deixou cair suavemente, lambendo suavemente sua fenda brilhante de cima a baixo, lentamente trazendo-a de volta à terra.

Me levantei e dei um beijo desleixado em seus lábios, Carla era manhosa, assim fui dando-lhe um gosto de sua própria boceta.

Falei impondo: "Eu estou louco para gozar e agora eu vou foder você,"

Então peguei Rena, fiz ela levar meu pau para a boceta da mãe, fiz ela lamber ainda antes de colocar meu pau e me beijar em seguida

Carla ajustou os quadris até que sentiu a cabeça dele penetrá-la. Ela ofegou, enquanto ele a enchia lentamente, esticando-a, deslizando dentro dela, centímetro por centímetro. Uma vez dentro, ela o apertou com força, mantendo-o enterrado profundamente dentro dela, saboreando seu tamanho incrível., tentando se lembrar de sua última foda. "Sim! Vamos baby, faça isso. Foda-me... com força."

Então eu fui sem dó, fui bombeando sua vagina aveludada por tudo o que valia. Ela gemeu alto, empurrando os quadris para cima para encontrá-lo. "Sim", ela gritou, "isso é tão bom... não pare... me faça gozar." Ela não podia acreditar que estava prestes a gozar novamente, e tentou contar o número de orgasmos que teve hoje

. Ela só chegou a dois quando outro poderoso orgasmo embaralhou seu cérebro, enviando onda após onda de intenso prazer percorrendo seu corpo, com cada impulso de seu pênis.

Quando seu orgasmo se dissipou, ela se concentrou, batendo em sua boceta, dirigindo-se para a linha de chegada. "É isso, baby," ela murmurou, "foda-me... mais forte... goze para mim... assim como você fez para minha mãe... depressa... eu quero que você goze."

.

Seu grunhido ficou mais alto com cada impulso. Ela gritou de prazer quando ele finalmente teve as bolas no fundo de sua bunda. "Oh baby... oh baby... Goze comigo... Estou tão fodidamente perto."

"Estou quase lá", respondeu ele, sem fôlego.

"Não espere por mim baby... goze ... goze agora."

"Desculpe mãe, qualquer coisa que você quiser, é só pedir, chupo você para ele te foder a hora ou toda hora, você é deliciosa não demorou muito para que ele pudesse senti-la apertando seu pênis com os músculos de sua boceta, trazendo-o de volta à vida.

No momento em que ele chegou lá com mamãe ela gemeu baixinho, mexendo em seu pau duro. ver a excitação em seus olhos se sentou ereta, levando seu pênis ainda mais fundo nela.

"Eu vou."

Rena então tirou da boceta da mãe e posicionou no seu rabo ela espremeu um bocado de lubrificante em seu dedo anelar e alcançou atrás, espalhando-o na fenda de sua bunda.

Ela mordeu o lábio inferior e deslizou o dedo em seu pequeno buraco apertado.

Apertei os seus mamilos duros, rolando-os de um lado para o outro, tentando distraí-la para que ela relaxasse. “Ahhh," ela gemeu, e colocou a mão em seu peito para apoiar.

Rena gentilmente com o dedo fodeu seu rabo apertado enquanto se movia lentamente para cima e para baixo em seu pau, deixando-o bem e molhado Carla, sua mãe estava com a boca toda na boceta em seu clitóris enquanto ainda mantinha seu dedão enterrado em sua boceta.

Agora com dois dedos presos dentro de sua boceta, ela balançou os quadris, dobrando os dedos, perdida na emoção de se conectar com o meu pau no rabo e dedos na boceta

Rena deitou-se na cama, abrindo bem as pernas para Carla que viu a fenda brilhante de sua filha se abrir a poucos centímetros de seu nariz enquanto ela levantava uma perna sobre o rosto uma pequena gota de suco de amor caiu em seus lábios assim que ela sentiu o rosto de Carla se aconchegar em sua virilha. Ela lambeu a gota, e então lançou sua língua na boceta esperando de sua filha.

Suas lambidas suaves ganharam um novo senso de urgência enquanto eles inundavam um ao outro com intenso prazer, e se viram correndo para um clímax iminente.

"Espere um minuto", disse Carla, "você fica excitada me vendo comer a buceta de Carla que riu e montou em seu rosto, forçando sua boceta contra seus lábios de Rena e bloqueando sua visão das crianças. "Melhor?"

Rena estava longe demais para perceber o que sua mãe estava fazendo. O êxtase da língua de seu pai chicoteando seu clitóris enquanto eu golpeava no seu rabo sem dó, os gemidos estavam ficando mais altos sua mãe faminta estava louca em lamber sua doce boceta, e ele podia ver a cabeça de sua mãe em sua virilha, Carla podia sentir a vagina pulsante de sua filha, apertando com cada onda de prazer orgástico percorrendo seu corpo. Aconteceu mais rápido do que ele esperava, e ele mal teve seu pênis fora dela antes de disparar seu primeiro tiro. Carla viu uma abertura e avançou para ocupar o lugar de Rena mantendo um aperto firme meu pau guiou em sua boceta molhada, e então o abraçou apertado, beijando seus lábios cobertos de esperma, exatamente o tipo de resultado desagradável que ela precisava conseguir. "Foda-me", disse ela, lambendo o último gozo de seus lábios. "Duro!

Foda-me com força.

Faça-me gozar."

Carla estava olhando o arrombo do rabo da filha, e levando pau na boceta, que eu socava sem dó soltou uma série de palavrões quando seu clímax se aproximou, incitando o marido a socá-la com mais força.

Um poderoso orgasmo a atingiu com força, deixando-a paralisada, congelada no meu pau que estava todo ralado.

Caiu desmaiada ao meu lado com a cabeça no colo da Rena, sua filha sua perdição.

A noite só estava começando....

Continua....

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 9 estrelas.
Incentive Remember a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.
Foto de perfil de RememberRememberContos: 18Seguidores: 58Seguindo: 561Mensagem Histórias vividas, histórias contadas, lembranças sem fim.

Comentários

Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível
Este comentário não está disponível