Mais que inesperado. Final.

Um conto erótico de Odinoque.
Categoria: Heterossexual
Contém 1971 palavras
Data: 26/01/2023 22:41:36

Continuando...

Logo as bebidas chegaram e optamos ir para a cama dar prosseguimento na bebedeira e estava tudo muito bom, as conversas, risadas e principalmente a visão das duas irmãs deitadas e nuas exibindo tamanha beleza em suas curvas deliciosas para meu deleite assim como de Reginaldo e de praxe nós dois estávamos em riste, e a cada minuto a empolgação aumentava e Aline sem aviso prévio deitou por cima de Reginaldo e os dois começaram a se pegar.

- Eita! Vamos deixar os pombinhos a sós, disse para Paula.

- Podem ficar aí, retrucou Aline.

- O combinado era cada um no seu canto, tornei a falar.

- Não tem outro canto, se peguem aqui mesmo!

- Aí é foda, falei.

- Paulinha, sossega seu macho aí, disse Aline.

E antes que pudesse dizer algo minha namorada me puxou pra si e beijou e nesse momento perdi a batalha de resistência e nos pegamos forte com beijos apaixonados enquanto acariciava todo seu corpo e sugava de forma terna seus saborosos seios deixando seus mamilos mais duros do que já estavam e notei que ela estava mais excitada e fogosa que o normal, pela situação em que estávamos era até compreensível, e não tardou para meu pau estalando de duro entrar em sua bucetinha encharcada e o gemido que ela soltou foi tão gostoso que até me despertou do transe e pude ver ao nosso lado um pouco mais abaixo Aline olhando fixamente para nós enquanto cavalgava seu ficante mostrando que era tão boa de foda quanto a irmã mais velha, já que sentava com maestria no pau dotado de Naldo gemendo feito a puta que era e a cena me deixou mais tarado ainda e comecei a meter com força e velocidade para o visível prazer de Paula que estava adorando ser comida daquele jeito e no auge do tesão a puxei para o meio da cama, posicionei de quatro e soquei o pau novamente com força a fazendo gemer gostoso. Era inebriante ouvir seu gritinho de prazer ao socar a piroca em sua bucetinha apertada e de olhos fechados aproveitava cada segundo dessa trepada incrível, talvez a nossa melhor até então, porém não escutando mais seus gemidos abri os olhos e minha linda namorada estava fazendo um boquete em Reginaldo que estava deitado na cama recebendo uma bela de uma mamada completa que só a Paulinha sabe executar e sem tempo para reagir Aline surge do meu lado me pede para relaxar e me beija intensamente e confesso que perdi o senso de realidade por alguns instantes e me entreguei ao seu delicioso beijo e num misto de raiva, tristeza, ciúmes e muito tesão resolvi entrar na dança e ao mesmo tempo que metia impiedosamente em Paulinha beijava loucamente sua irmã mais nova e a masturbava enfiando os dedos ora em sua buceta ora em seu cuzinho a fazendo arfar de tanto tesão e não aguentando mais ela me desengatou de sua irmã mais velha deitando-me na cama e montando de frente e ao sentir aquela xaninha quente e molhada escorregando no meu cacete até sentar nele todo eu tive que me segurar pra não gozar, uma sensação indescritível tomou conta de mim, a safada cavalgava lindamente, sentava, quicava e rebolava no meu pau de forma primorosa e seus olhos verdes transmitiam todo seu desejo assim como seus gemidos, e certamente que na posição em que estávamos chupei muito seus peitões gostosos me acabando neles.

Ao mesmo tempo que experimentava os prazeres da vida com minha cunhadinha ninfeta tentava observar minha namorada que nessa altura se mantinha de quatro chupando o pau de Reginaldo, que agora estava sentado enfiando dois dedos em sua bucetinha perfeita que escorria de tanto tesão, e ingenuamente eu torcia para que eles ficassem só na mamada, mas eu sabia que ao perder o controle e comer a Aline o aval pra ela dar pro Reginaldo estava dado e foi o que aconteceu, ele ficou um pé na beirada da cama e com ela ainda de quatro só encostou o bichão na entrada da pepeca e num impulso só, Paulinha jogou seu corpo para trás engolindo o pauzão todo de Naldo e seu gemido foi tão manhoso, de dor e prazer que meu pau ficou mais duro ainda dentro da Aline que percebeu.

- Deu tesão ouvir sua namoradinha gemendo no pau de outro, safado?

Reginaldo bombava com vontade admirando o bundão da minha garota empinado para ele e metia o cacete enorme cheio de veias em sua apertada xoxotinha e Paula revirava os olhos ao receber as estocadas em total êxtase. Por um breve momento eu taquei o modo foda-se e decidi que iria aproveitar o máximo usando as duas irmãs vadias e depois da putaria terminaria com Paula e com esse plano em mente peguei Aline pelo braço e a coloquei de quatro ao lado da minha namorada e a visão das duas irmãs com as rabetas empinadas era espetacular e sem demora comecei a comer minha cunhadinha e Naldo continuava a dar um trato em Paula e foi lindo presenciar as irmãs dando as mãos enquanto eram fodidas e seus gemidos em uníssono tornaram tudo mais gostoso e com apenas um gesto eu e Naldo trocamos de lado e passamos a comer nossas respectivas mulheres para minutos depois trocarmos novamente e ao observar minha namorada ali de quatro com os cabelos sendo puxados feito rédeas e com a bunda branquinha toda vermelha de tanto levar tapas meu instinto selvagem foi ativado e do jeito que estava comendo Aline dei uma bombada forte que a jogou de cara no colchão, peguei Paula pelos cabelos e a puxei até o meio da cama onde eu estava de joelhos e a fiz cair de boca e Reginaldo engatou novamente e agora a perfeita menina dos olhos verdes para qual jurei meu amor era fodida ao mesmo tempo na boca e buceta e Aline observava tudo se masturbando ao mesmo tempo que Paulinha tinha outro orgasmo.

O cheiro de sexo exalava mais forte que nunca e minha amada agora beijava ardentemente minha boca enquanto nosso amigo que parecia uma máquina continuava deitado em cima dela metendo fazendo um sanduíche, o que me deu uma idéia na hora.

- Deita aí, mano.

Foi o que disse a Reginaldo que já entendendo se posicionou e Paulinha sentou engolindo a piroca toda e eu por trás já fui botando em seu cuzinho e a danada que nunca tinha feito uma dupla penetração na vida ficou maluca de tesão ao ser invadida por dois paus que a rasgavam, gritava e gemia para todo motel ouvir, o que era música para nossos ouvidos e nos fazia meter com mais pegada ainda e a foda foi tão intensa que ela começou a chorar enquanto gozava em nossos paus e mesmo toda sensível pelo imenso orgasmo nós não paramos de comer quase a fazendo desfalecer até que eu já prestes a gozar sai de cima dela e pulei em cima da minha cunhadinha fazendo um papai e mamãe a beijando muito na boca até dar a gozada mais gostosa da vida dentro de sua bucetinha deliciosa olhando em seus olhos verdes e a ninfeta safadinha sorria com cara de satisfação. Quase que em sincronia o ficante da Aline comia minha namorada na posição de frango assado onde pude ver claramente as dimensões do caralho enorme dele que afundava dentro da Paulinha e depois saia pulsando e triunfante até que um urro gutural anunciou que Reginaldo tinha chegado ao seu clímax, assim como o monte de porra grossa que escorria da buceta toda arregaçada da minha ofegante namorada.

Com todos bêbados e exaustos pela trepada mais insana de nossas vidas caímos no sono, mas antes, totalmente embriagado, tentei entender como uma noite que a princípio seria apenas mais um sábado normal acabou num surubão com a mulher da minha vida e sua irmã safada junto a um cara que tinha acabado de conhecer, e ainda decidido a terminar com ela, pela coragem dada pela embriaguez, dormi profundamente. Despertei com a voz sonolenta de Aline dando bom dia que foi respondido por Paula e ao abrir os olhos constatei que já tinha amanhecido e que Reginaldo acabara de despertar de pau duro e deu um tapa na bunda de sua ficante que se dirigia ao banheiro e foi em direção a minha namorada que ainda estava sonolenta sentada na beirada da cama.

- Bom dia, linda. Disse ele encostando a cabeça do pau nos lábios de Paulinha.

Em resposta ela abriu a boca e deixou a rola dele entrar começando um boquete matinal bem babado do jeito que ela gosta de fazer bem caprichado, e ali todos meus planos de terminar com a vadia foram por água abaixo, uma vez que sóbrio, percebi que meu amor por ela era maior que tudo e tomado pelo ciúmes fui até eles para acabar com aquilo antes dele jorrar leite na boca dela.

- Tá bom, chega! A festinha já acabou. Disse enquanto tirava minha namorada com boca no pau do Naldo.

Dito isso os dois ficaram um pouco constrangidos mas entenderam e cada um ficou num canto e Aline gritou meu nome do banheiro pedindo ajuda para regular o chuveiro.

- Pronto, agora tá numa temperatura boa. Agora deixa eu voltar antes que sua irmã comece a chupar seu peguete de novo, falei.

- Ela tava mamando o Naldo agora?

- Sim, ele botou o pau na cara dela que já caiu de boca, disse.

- Não era para eles terem feito isso, a farra foi ontem, disse Aline.

- Pois é.

- Mas esse pauzão duro aí é por causa deles? Perguntou.

- Tô no banheiro com uma gostosa peladinha, o que acha que é?

- Já que é assim vamos dar o troco neles, disse Aline se agachando e iniciando um boquete.

A boca da cunhadinha era deliciosa e sua língua brincava com minha rola e com tesão no máximo eu a deixei de costas para mim e meti com força em sua bucetinha até deixar meu pau bem melado e sem pedir encostei ele na entrada de seu cuzinho e como não houve objeção de sua parte botei o cacete que entrou sem dificuldade e dei um trato na vadia comendo com apetite seu cuzinho que não era tão apertado como da Paulinha mas era mais macio de meter e após uma bela trepada gozei satisfatoriamente preenchendo seu rabinho de leite quente e ao sair do chuveiro Paula e Reginaldo já estavam vestidos e em poucos minutos fomos embora do motel.

Resumindo, após a noitada minha relação com Paula ficou um pouco estranha e acabamos brigando feio, porém dias depois reatamos nosso namoro que ficou mais forte que antes e como era de se imaginar Aline terminou com Reginaldo semanas depois para minha felicidade, só que como a vida gosta de trolar as pessoas, quatro meses depois ele virou sócio do pai das meninas em uma pequena transportadora e voltou a fazer parte da nossa vivência, e no bairro dele junto aos seus amigos e entre alguns poucos da quebrada das meninas a história de como ele comeu as duas irmãs gatas inclusive arrebentando uma delas na frente do namorado com direito a gozada dentro da bucetinha carnuda viralizou deixando Naldo com status de lenda pela façanha executada. Apesar dos boatos acerca daquela noite, Aline não sem importava de ter seu nome citado já que sempre foi safadinha e minha namorada no começo ficou chateada mas pouco tempo depois desencanou porque sabe como funciona a cabeça dos homens e tratava Reginaldo cordialmente até porque como sócio de seu pai eles se encontrariam bastante e aproximadamente dois anos depois eu realizei meu grande sonho e casei com Paula, o grande amor da minha vida e tudo corria bem até acontecer algo que mudou tudo definitivamente, mas isso é assunto para outra oportunidade.

Fim.

Siga a Casa dos Contos no Instagram!

Este conto recebeu 20 estrelas.
Incentive Odinoque a escrever mais dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Foto de perfil genérica

Sensacional a Foda Com as Duas Irmã, Nota Dez e Dez Estrelas Meu Amigo Adoro Sodomizar Uma Fêmea, Excitadíssimo Bati Uma Punheta e Gozei à Beça! Tem Fotos Nudes das Irmã? Meu E-mail ananias.alves@gmail.com

0 0
Foto de perfil genérica

Aconteceu o previsto, Côrno. Mas, conte os chifres que vc soube que ela te botou.

0 0
Foto de perfil genérica

Era pra ter terminado antes de ter virado corno

1 0