Participe dos testes da rede social que a Casa dos Contos está criando. Convites limitados.

Marcela de Fortaleza - Parte 1 de 10 - Perdendo Minha Virgindade

Um conto erótico de Marcela de Fortaleza
Categoria: Heterossexual
Data: 15/04/2019 07:32:45
Nota 10.00

Olá! Sou a Marcela e lendo os contos da Ju Lima, finalmente criei coragem para relatar um pouco da minha vida. Tudo aconteceu mesmo e espero que meus relatos sirvam de motivação mas também de aprendizado para aqueles homens e mulheres que tem desejos parecidos ou passem por situações similares à minha. Dividi a história em dez episódios e tudo será publicado nos próximos dias.

Falando resumidamente sobre mim: Nasci e moro em Fortaleza/CE, tenho 25 anos e sou de uma família tradicional da cidade. Meus pais são empresários e meu pai também é político. Tive todo o conforto do mundo na minha infância, estudando nas melhores escolas da cidade, incluindo intercâmbio na Inglaterra e na Alemanha. Apesar de ser a típica filhinha de papai, sempre me esforcei muito, principalmente nos estudos. Educação é a coisa mais importante para a minha família e cresci nesse ambiente de boas-maneiras e conservadorismo.

Papai não deixou eu namorar e meu primeiro beijo foi aos 16, com o filho de uma família também tradicional. O beijo até foi gostoso e ele era apaixonadinho por mim, mas eu não gostava muito dele e o negócio não foi adiante, para desespero da minha família, que queria que eu arrumasse um “bom marido”. O maior pesadelo de uma família tradicional é ter uma filha que se perca num mundo de luxúria.

Foi em total segredo que perdi minha virgindade aos 18 anos para o melhor amigo do meu pai. Ele era bem mais velho, uns 45 anos. Mas seu jeito jovial, sua lábia, seu carisma e, claro, a masculinidade daquele corpo naturalmente forte me conquistaram. Foram uns 6 meses de muito flerte antes da oportunidade surgir para nossos primeiros beijos. Tudo aconteceu em um sítio da família num fim-de-semana prolongado onde meus pais foram dormir e Antônio ficou me esperando em seu quarto para me deflorar.

Olhando em retrospecto, não acredito no que fizemos. Se fôssemos pegos pelos meus pais (principalmente papai), as consequências seriam trágicas. Mas não fomos e minha bucetinha virgem foi deflorada pelo Antônio. Doeu muito. Seu pinto era grande mas principalmente muito grosso. Ele me tranquilizou e falou que era normal doer mas que depois ia melhorar, só tínhamos que fazer mais vezes. Durante uns 8 meses ele me comeu uma vez por semana ao menos.

Na maioria das vezes eu inventava que ia para a academia ou alguma outra atividade (que eu acabava matando) e passava uma ou duas horas na casa dele, sendo fodida com muita força. Me acostumei àquele jeito de ser pegada. Sem muitos carinhos, apenas muitas estocadas de pau grosso na minha boceta, que foi se acostumando àquele ritmo. Em algumas raras ocasiões ele me fodia em casa mesmo, mas não arriscamos muitas vezes. Apesar de emocionante, o risco era muito grande.

Continua...

PARA LER A CONTINUAÇÃO DA PARTE I, entrem no site: www.achifradeira.com

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
17/04/2019 08:51:15
Conto delicioso!! somos conterrâneos! Dá uma olhada no meus contos.
16/04/2019 01:35:21
Ansioso pela continuação aqui...
15/04/2019 13:48:26
Olá sou de Fortaleza também e tenho algumas experiências e queria sua opinião nota 10 pra vc
15/04/2019 13:01:40
Menina..... Que delícia..... Sou do RJArcanjo859@yahoo.com