Primo Dan – Pau pra toda obra – Parte 1

Um conto erótico de maricar
Categoria: Heterossexual
Data: 15/03/2019 19:30:47
Última revisão: 15/03/2019 19:34:27
Nota 10.00

Ooooiiiiii Gente!

Estou de volta e vou me arriscar mais uma vez.

Estou na torcida para continuar agradando.

Bye, bye!

______X______

Sou a Maricar, tenho 28 anos, meço 1, 67, peso 54 kilos, tenho cabelos longos e loiros, sou bem bundudinha e tenho uma bucetinha bem lindinha, modéstia a parte.

O conto de hoje, será sobre a reforma do meu “apertamento”.

A mais de cinco anos, com ajuda do meu pai, comprei um pequeno apartamento, que estava precisando de uma reforma urgente, mas como na época em que o comprei a grana ficou curta só a alguns meses pude reforma-lo e me mudar para lá.

Tenho um primo chamado Daniel, (Dan) que é um excelente pedreiro e que me ofereceu seus serviços com pagamentos pra lá de facilitados e como dinheiro não aceita desaforo e ele é da família aceitei sua oferta de imediato sem saber que por trás delas haviam, segundas, terceiras e milhões de outras intenções. Confesso que me dei muito bem nos dois sentidos.

Daniel tem 32 anos, é bem alto, forte, moreno claro, peludo e é muito bem dotado. Também é muito extrovertido, simpático, divertido, direto e bem gostosão. Seeeeemmm veeeergoooonhaaaaa, que nem ele só.

- Então estamos combinados, Dan. Você pode começar que dia, meu querido?

- Amanhã mesmo, se você quiser. Mas pelo menos no primeiro dia vou precisar de sua presença no local. Vai ficar em casa amanhã, minha linda?

- Tenho umas coisinhas pra fazer na rua, mas todas elas podem esperar. O mais importante agora é minha reforma, não é mesmo primo? Pode contar comigo amanhã o dia todo.

No dia seguinte antes do Daniel chegar, fui tomar meu banho e para evitar constrangimentos resolvi não lavá-la durante o banho. Tirei-a e coloquei-a em cima da tampa do vaso sanitário, com a intenção de depois do banho, colocá-la no cesto de roupas sujas para lavá-la mais tarde, mas as coisas não saíram como planejei.

Assim que desliguei o chuveiro a campainha tocou. Vesti meu robe e fui abrir a porta para meu primo, me esquecendo completamente da danadinha da calcinha que por sinal era um charme, bem amostra no banheiro. Ela era bem pequenininha, azulzinha e tinha um lacinho branco de cetim de cada lado.

Assim que abri a porta dei de cara com o Daniel, carregando uma caixa lotada de ferramentas, ele estava vestido com um macacão jeans todo surrado e sem camisa, exibindo seu belo e largo peitão cabeludo.

Cheguei a estremecer, mas disfarcei bem o que senti, pois diferente dele, minha única intenção era a reforma do meu AP.

Dando um beijinho em seu rosto, o cumprimentei e como ele sempre foi muito galanteador com todas as garotas que conhecia, não dei bola pros seus galanteios.

- Bom Dia, Dan! Tudo bem, meu querido?

- Bom dia, princesa! Tirando esse calor de matar está tudo ótimo! Melhor agora, que em sua adorável companhia.

- Já tomou café da manhã?

- Não! Você já?

- Também não! Num minutinho preparo um belo café da manha pra dois, ok? Pode ficar a vontade que já, já te chamo para tomarmos nosso café, certo?

- Certo! Prima onde fica o banheiro? Estou doido pra tirar a água do joelho.

Sem me lembrar da minha calcinha, respondi:

- Primeira porta a esquerda.

Depois de ficar um bom tempo no banheiro, Daniel saiu com uma cara pra lá de safada, com as mãos nos bolsos do macacão e me perguntou, sobre meu último namorado.

- E aí prima? Ainda está namorando aquele bostinha do Manolo?

- Não, Dan! Terminamos a mais de duas semanas! Detesto gente grudenta e que tem ciúme até da própria sombra.

- Não sei como um mulherão feito você, conseguiu aguentar aquele fresco do Manolo, viu? Aposto que ele nem dá conta do recado. Estou certo ou errado, princesa?

- Deixe de ser indiscreto, Daniel! Eu jamais queimaria o filme de qualquer um dos meus ex-namorados, ou os exporia dessa maneira.

- Pronto! Já respondeu o que eu queria saber. O cabra é frouxo mesmo.

- Não me comprometa, primo! Isso quem está dizendo é você! Venha logo tomar café porque temos muito o que fazer hoje, certo?

Depois que aproveitamos bem nosso desjejum, fui pro meu quarto me trocar e assim que lá cheguei, comecei a pensar:

“ Esse Daniel não tem jeito mesmo! Cara de pau pra caramba! Mas como é bonitão, o danado do meu primo, viu? Se ele não fosse casado com minha amiga Arlete e me quisesse, eu até que daria uns pegas nele depois da reforma, viu?”

Nesse mesmo instante, meu primo também pensou com seus botões;

“Puta que pariu! Ôhh prima boazuda, essa minha, viu? Vai ser gostosa assim lá no inferno! E que cheiro maravilhoso tem a xoxotinha dela! Se ela quiser reaver a calcinha dela, vai ter que fazer uma troca comigo. A calcinha, pela bucetinha! Mas com troca ou sem troca, a tesuda da Maricar que me aguarde! Com certeza não saio daqui hoje na vontade. Mulher nenhuma resiste ao meu charme, porque que ela resistiria? Essa aí, já tá no papo!”

_____X______

Beijos, meus amores!

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
15/03/2019 19:48:29
Hmmm, não demora na continuação... bjs