As amigas da vovó

Um conto erótico de Escritor2000
Categoria: Heterossexual
Data: 15/03/2019 19:15:05
Nota 10.00

Minha avó sempre foi muito religiosa e comunicativa, sendo assim tinha várias amigas da mesma idade que ela que por diversas vezes frequentavam sua casa todas com o mesmo perfil de senhora, rugas, algumas gordinhas, outras bem magrinhas e as bem gordonas de seios fartos, até que um dia estava marcada uma reuniãozinha delas para tomar café e bater papo, porém minha vó saiu para comprar algumas coisas bem na hora de suas amigas chegarem, então acabei tendo de recepcioná-las

Sentei no sofá com elas e começamos a bater papo, após um tempo liguei a tv para ver se o papo ajudava e passou um comercial de cuecas e uma delas soltou um comentário safado que me atiçou, nessa hora passei a mão em meu pau e ela percebeu, então ela disse: -Eita que um novinho desses que nem você me satisfaria tanto, não vejo um homem nu a tanto tempo

E eu retruquei na hora, na frente de todas: - Não tem porque não

Ela respondeu:

-Você esta oferecendo?? Se sim eu quero !

Me levantei e fui em sua direção e na frente de todas lhe apertei bem gostoso seus seios muchinhos e caídos, ela deu um suspiro e algumas senhoras fizeram um "uiii"

Abri minha calça e a tirei jogando ao chão, fiquei só de cueca na frente dela, ela passou a mão pelo meu corpo e disse que delícia

Eu então disse:

-Vai aproveita! Chupa meu pau!

Ela abaixou minha cueca lentamente e começou a mamá-lo. Que boca gostosa a coroa tinha, fui passando a mão em seus seios muxos e as amigas foram batendo palmas, elas estavam se sentindo no clube das mulheres, e assim fui passando uma a uma das senhoras que foram mamando meu pau, Dona Amélia que era uma coroa dos cabelos loiros curtos, usava sempre calcinhas bem grandes mas que marcavam nas suas roupas, peitos bem caídos e faróis sempre acesos, dona Givalda, uma bahiana arretada, toda gordinha, com uns seios enormes e roupas sempre bem decotadas, peitões caídos, dona Marlene que era ate que cheguei em dona Odete, ela na hora arrancou o seu vestido e estava totalmente nua, aquela coroa saiu de casa sem calcinha e sem sutia, ela mamou um pouco meu pau e eu não perdi tempo caindo de boca em seus peitos negros de rodelas bramcas michos e caidos, ela se virou apoiando-se no sofá e eu comecei a fuder a bicetinja dela bem peluda e grande, uma bunda enorme a pele em volta da buceta e do cu era bem mais escura do que o resto do corpo, enfiei um dedo em seu cu e ela deu um gritinho, suas amigas todas ficaram supresas, botei com bastante força, pois aquela coroa gorda era difícil de ser penetrada, após algum tempo da metelança fiquei com vontade de gozar, enxi então seu bundão de porra, onde as amigas cieram e espalharam a porra por toda a bunda dela e lambiam os dedos ela ainda lambeu meu pau deixando-o bem limpinho.

Nos vestimos e todas pediram mais, falei que podiamos reagendar, logo em seguida minha avó chegou, sem saber de nada e sem nenhum vestigio.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
16/03/2019 13:01:21
Esperando a continuação!