Como foi facil comer minha irmã!

Um conto erótico de João
Categoria: Heterossexual
Data: 14/03/2019 08:33:03
Nota 9.77

Ola pessoal. Vindo aqui para dividir com voces o meu relato tambem.

Meu nome eh João, tenho 19 anos, e minha historia se passou a 3 anos atras. Bom, como voces ja perceberam pelo titulo, foi um acontecimento envolvendo eu e minha irmã, Fabiana, que eh 7 anos mais velha do que eu, na epoca eu tinha 16, e ela 23. Fabiana eh uma morena linda, com cara de ninfeta e bem encorpada, piercing no nariz, tatuagem de borboleta nas costas e outra no tornozelo. Coxas e seios bem apetitosos e uma bunda bem bonita. Minha historia eh um pouco inusitada e so rolou duas vezes... A primeira, em um final de semana, e a segunda mais recentemente, cerca de 1 mes atras, o que me motivou a compartilhar isso, de preferencia, o primeiro acontecimento. Minha relação com Fabi sempre foi muito neutra e normal, mas eu sempre senti desejo por ela, mas era aquela coisa bem sutil e oculta, e eu so comecei a sentir mesmo por causa das historias que eu ouvia dela. Minha irmã, sempre foi bem safada, no nucleo de amigos eu acabava sabendo de suas historias, ela realmente dava bastante trabalho aos meus pais nesse sentido, eles temiam muito que ela aparecesse gravida em algum momento de um qualquer. So que ela sempre foi meio inconsequente, e raramente dava ouvidos aos conselhos dos meus pais, que com o tempo foram desistindo de aconselha-la e de interferir em sua vida, e ela so aproveitou isso. Enquanto eu estudava, Fabiana ja formada, trabalhava com uma tia nossa no centro, de vez em quando ela dormia por la mesmo, e isso vai ser importante para explicar o que nos aconteceu. Fabi começou a ficar com um playboyzinho que não faço ideia de onde ela o conheceu, ela parecia realmente gostar dele, pois era raro os casos de ficantes dela que conseguiam de alguma forma controla-la, e privar ela do seu estilo de vida, de festas e noitadas. Mas o rolo com esse cara não durou muito, cerca de 2 meses depois, ele terminou com ela, a deixando bastante revoltada. E ajudando para culminar na situaçao que nos envolvemos juntos. Eu tinha 16 anos na epoca, e tava naquela fase de querer sair, ir pra festas e tudo mais, tinha ate entrado na aula de forro pra surpreender as meninas quando fosse dançar com elas. Logo apos o termino de Fabi, estava para acontecer um festival bem tradicional no centro, com bandas bem prestigiadas localmente, era minha chance de por em pratica tudo que eu tinha aprendido no forro, so que, por ainda ser meio novo, meus pais não iriam deixar eu ir e voltar sozinho no centro, eu tinha que dar um jeito. Mas a solução não tardou a chegar, na mesa do almoço, ainda discutindo sobre como eu iria fazer para ir, minha mãe acabou dando a ideia de Fabiana me levar junto com ela, ja que a nossa tia havia viajado nesse feriado, e a chave estava com ela, nos podiamos dormir na casa dela e voltar no dia seguinte. Minha irmã detestou a ideia, inventou mil e uma desculpas para que eu não a acompanhasse, provavelmente ela não queria o irmão mais novo no seu pe a festa toda, mas ela estava mais relutante do que deveria estar, e o que eu estranhei um pouco. Mas ela ficou sem argumentos quando eu disse que so iria com ela pra a festa e que la encontraria alguns amigos, e eu so precisaria ver ela no final da festa para irmos para casa, mesmo assim ela continuou negando, parecia querer impedir que eu fosse com ela de qualquer jeito, quando minha mãe começou a chama-la de egoista que so pensava nela, ela finalmente, com muita ma vontade, cedeu a toda essa pressão. No dia seguinte, sabado, dia do festival, minha irmã estava um pouco emburrada, mas ja se acostumando com a ideia de eu ir junto, quando terminamos de almoçar, nos arrumamos e esperamos alguns amigos da Fabiana nos pegar de carro pra nos levar em direção ao centro. No carro eu comecei a ouvir algumas conversas estranhas. O carinha que tava dirigindo começou:

-E ai Fabi, a casa ta liberada mesmo?

-Sim, minha tia viajou.

Respondeu Fabi de um jeito bem sem graça. Eu então comecei a entender o que estava rolando, eles queriam fazer a bagunça na casa da minha tia, e por isso Fabiana não quis que eu fosse junto com ela. Eu pensei que a gente ia direto para o festival, mas fomos direto para a casa da minha tia, e o pessoal que tava no carro, dois caras, a amiga de Fabiana e Fabiana, começaram a entrar e a tirar um monte de bebidas do porta mala, foram ganhando terreno dentro da casa, ligando o som, abrindo as janelas, colocando as bebidas na geladeira e etc. Eu, que apesar de conhecer a amiga de minha irmã e um dos carinhas, me isolei na varanda, torcendo para o tempo passar e chegar a hora de irmos para o festival, porem não demorou muito para chegar mais um carro na porta, com mais pessoas, essas que eu não fazia ideia de quem era, fazendo bastante barulho e agitação, logo em seguida outro carro, com mais pessoas estranhas. A casa deveria estar com umas 12 a 15 pessoas, e então percebi que ninguem ali tinha pretensão nenhuma de ir para o festival. Eu fiquei puto, e cocei os dedos para ligar para os meus pais, mas o maximo que poderia acontecer era minha irmã me mandar de volta pra casa, e eu não queria queimar meu filme daquele jeito na frente daquele pessoal. Quando a ficha caiu, eu sai do meu isolamento e fui pra a sala, onde tinha varias pessoas ficando loucas e dançando, era impressionante como eu era o unico guri daquela idade ali. Ate tentei convencer uma das poucas pessoas que conhecia para irmos para a festa mais tarde, mas pelo jeito que ele falou comigo, dificilmente ele teria disposição ou se quer vontade de sair dali para ir para outro lugar, estavam num paraiso onde a bagunça rolava solta. E foi basicamente isso o dia todo, minha irmã caiu na bagunça tambem mas quando as pessoas foram indo embora ela demonstrou certa frustação, parece que o par dela que ela pretendia ficar naquela ocasião, acabou não indo para la, e no final das contas so sobrou eu, Fabiana, a amiga dela e um dos carinhas que veio com a gente e acabou dando uns pega com a amiga de Fabi. Eu tava puto por não ter ido pra festa, minha irmã frustada, mas um pouco bebada, e o casal dos amigos da minha irmã, super bebados e aparentemente, bastante excitados. Não atoa eles se pegavam intensamente, mesmo na nossa frente e ate pediram pra ir pro quarto da minha tia, dormir la, mas Fabi ficou com medo de deixar, levando em conta o estado que eles tavam, eles poderiam comprometer ou quebrar alguma coisa no quarto, mas eles deram um jeito de ao menos dormir la na casa, embora so tivesse um quarto no comodo e de fato estavam muito bebados para irem embora. Ja era por volta das 4 da manhã, eu ja estava com sono e como imaginei eu iria dormir no unico quarto da casa, o da minha tia, junto com minha irmã, ate ai nenhum problema, mas a situação foi se encaminhando para algo um pouco mais inusitado. Eu tava de calça e não ia conseguir dormir com aquilo, quando fui pro quarto, ate tentei pegar no sono, mas foi em vão, não consegui dormir de calça, e então tirei, ficando so de cueca...Não muito tempo depois, minha irmã entrou no quarto, e tambem se preparou para dormir, ela parecia um pouco desanimada. Deitou na cama sem falar muita coisa, e tentou dormir. Mas aquela noite estava um pouco longe de acabar. Ja deitados, começamos a ouvir um barulho vindo da sala, eu abri os olhos e fiquei ouvindo aqueles sons de estralos se repetindo, perguntei na inocencia a Fabi que estava ja deitada do meu lado:

-O que eh isso?

-O que voce acha? Eles estão... ''fodendo''.

Completou, sussurrando a palavra fodendo. Eu arregalei os olhos e passei a prestar mais atenção aos sons e barulhos que vinha da sala. Logo em seguida, gemidos, que foram ficando mais alto com o passar do tempo. Eu olhava para minha irmã e a gente ria um pro outro. Aquele momento eu comecei a sentir uma vontade imensa de foder, mas não com ela, aquilo ainda não passava em minha cabeça, de repente os sons se cessaram, e a gente finalmente tentou dormir, porem ja estava amanhecendo, e tentar dormir se tornou uma tafera dificil, a gente ficou mudando de posição mas não pegamos no sono, e pra piorar, uns 20 minutos depois, voltamos a ouvir os mesmos sons caracteristicos dos dois la na sala. Minha irmã levantou-se sentando na cama e resmungou:

-De novo?

Eu levantei logo em seguida, ficando sentado tambem, nos olhamos e rimos um para o outro, achando aquela situação engraçada, os gemidos foram surgindo, e a gente se concentrou em ficar observando aquela situação, logo eu percebi minha irmã ficar um pouco alterada, ela as vezes mordia o proprio labio, e demonstrava inquietação, quando ela se descobriu, e dobrou aquelas lindas coxas na cama, eu comecei a me sentir atiçado, eu não estava so com tesão por aquela situação, estava começando a sentir tesão por minha irmã tambem. Eu dividi minha atenção em ouvir o outro casal na sala transando, e em observar as reações de minha irmã, que parecia cada vez mais inquieta naquela cama. Começamos a ouvir gemidos cada vez mais altos, principalmente vindo da amiga da minha irmã, aqueles gemidos quando viraram praticamente gritos, arrancou de minha irmãs algumas reações.

-Que safada! Olha isso!

Disse ela sobre a amiga. Os gemidos altos se sucederam e ela então resmungou ao vento.

-Que merda, odeio ouvir sexo dos outros! - Ela disse.

Indaguei como quem não queria nada

-Porque?

-Da tesão.

Disse com bastante naturalidade, embora a gente nunca tivesse conversado sobre isso antes. Meu pau ja latejava em minha cueca, que estava coberta pelo cobertor, e então eu olhei para baixo, na direção do meu pau e concordei:

-Eh mesmo, descobri isso hoje.

Ela percebeu essa minha reação, e riu, meio que ironicamente e em seguida, puxou bem rapidamente e de surpresa o cobertor que me cobria e escondia minha ereção.

-Nossa, to vendo!

Falou de um jeito bem ironico, eu fiquei bem sem jeito e um pouco bravo, tentei puxar de volta, mas logo perdi o foco pois percebi que ela continuava encarando o meu pau. Percebi ate uma leve expressão de malicia em seu olhar, mas ela logo tentou disfarçar olhando novamente em direção a porta, voltando sua atenção para os sons de sexo que rolava la na sala. Eu não me cobri novamente, e comecei a fantasiar com o simples fato de ter-la flagrado olhando para o meu pau com certa malicia, meu pau ficou pulsando na cueca, e eu a comia com os olhos, quando ela percebeu ela estranhou, olho na minha cara e disse:

-Que cara eh essa João? Parece que nunca me viu...

Eu desconversei falando que não sabia do que ela estava falando. Ela desviou novamente seu olhar para o meu pau e falou:

-Nossa que momento estranho...

-O que?

-Voce ai do meu lado, so de cueca e de pau duro, nunca pensei que um dia te veria assim.

Lembrei do dia, da festa que eu perdi e de como ela me enganou e então falei:

-Isso tudo eh culpa sua!

So que ela confundiu o que eu disse, ela pensou que eu estava de pau duro por causa dela, ela esboçou reação de surpresa e então perguntou:

-Eu?? Eu que te deixei assim? Voce ta maluco

-Não, eh sua culpa a gente ta nessa situação, eu perdi a festa por sua causa.

-Ah bom, pensei que eu que tinha te deixado assim, era so o que faltava.

-Mas acho que sim tambem.

-Como eh?

-Porra, eu to na cama com uma morenona, ouvindo outras pessoas fazendo sexo, isso influencia tambem ne.

-Se enxerga menino!

Disse rindo, parece que ela gostou bastante daquele meu comentario. Se sentiu mais a vontade, pois encarava meu pau com cada vez menos pudor. Um climinha de sexo pairou no ar, mas ela voltou sua atenção para o que estava acontecendo no outro comodo, e falou incomodada:

-Eles não vão parar nunca não?!

-Tão com fogo infinito.

-Ne? Era pra eu ter segurado alguem, ao menos numa hora como essas eu estaria fodendo tambem.

Quando eu ouvi a frase ''eu estaria fodendo'' saindo da boca dela, meu corpo ficou quente, comecei a deseja-la mais do que nunca, fiquei encarando ela e fiz o impensavel, arrastei meu pau pra fora e fiquei acariciando ele logo em seguida na frente dela, ela tomou um susto, desviou novamente sua atenção para mim e falou:

-Ah não, voce não vai bater uma na minha frente ne? Vai pro banheiro!

-Como eh que eu vou pro banheiro, como e com que cara vou passar pela sala se os dois não param de foder?

-Era so o que me faltava mesmo...

Continuou olhando pro meu pau, percebi seus olhinhos brilhando, ela parecia não aguentar ver um bom pedaço de carne em sua frente, começou a morder os labios, e ficar ainda mais inquieta:

-Voce deve bater muita punheta ne? Pra ele ficar assim.

-As vezes.

-Que merda, se voce fosse outra pessoa, com esse pau, eu ja estaria dando varias.

-Ahh! Então voce gostou dele. Mas o que voce tem contra mim?

-Contra? Nada, eu so não vou fazer nada com meu irmão ne...

Eu tinha que pensar em algo pra continuar conduzindo aquela conversa do meu jeito, percebi que aquela seria a unica chance de eu consegui ao menos tirar alguma lasquinha dela. Então falei:

-Olha so, pensei que voce não ligasse pro que os outros pensassem, e faria o que quisesse. Baita surpresa.

Ela se sentiu desafiada.

-Eu não ligo pro que os outros pensam. Quer ver?

Meu coração bateu forte, mas eu continuei firme em minha posição, esperando apenas pelo seja la o que for que ela tivesse planejando fazer.

Ela nos cobriu com a coberta, e levou sua mão diretamente pro meu pau. Segurou com bastante firmeza, parecia realmente ter bastante pratica naquilo, so no jeito de tocar. E começou a bater uma pra mim.

-Não acredito que to fazendo isso!

Continuou com os comentarios

-Nossa, ele ta muito quente.

Não so ele estava quente, mas meu corpo ardia por dentro, ja tinha tido experiencias sexuais com outras garotas antes, mas aquela mão, certamente me proporcionava uma sensação diferenciada. Era uma menina mais velha, demonstrando bastante pratica e sobretudo, minha irmã. Nesse momento, os gemidos da sala ja tinham se cessado, mas as nossas brincadeirinhas estavam apenas começando. De repente, minha irmã virou-se costas para mim, e eu a encoxei prontamente, ela ainda continuava acariciando o meu pau, me vi naquela situação e segurei ela pela cintura, mas quando tentava passar a mão para a sua barriga ou para o seus seios ela não deixava. Ela vestia uma blusinha e um short jeans branco.

-So deixo pegar na bunda!

Ela disse, empinando bem aquele rabo em direção ao meu pau. Ela então o soltou, e eu segurando em sua raba, e com meu pau posicionado na direção dela, comecei a fazer um vai e vem gostoso. Quando fui aumentando o ritmo pude ouvir ela gemendo baixinho, ela foi entrando cada vez mais no clima, e começou a gemer com menos vergonha

-Vai, vai!

Ao mesmo tempo que ela tambem balançava o seu corpo e sua bunda contra o meu pau, poderia não ser sexo, mas aquela situação, aqueles gestos espontaneos dela me deixaram louco, como nunca fiquei antes, mas...Quando a coisa tava ficando realmente boa levamos um grande susto ao ouvir a amiga de minha irmã gritar seu nome. Fabi se levantou rapidamente, e foi ate a sala. Naquele momento bateu um frustação em mim, eu não ia consegui mais convence-la de continuar brincando comigo, e senti minha chance indo para o ralo. Eu ouvi a porta de fora se abrindo e fechando e minha irmã não demorou muito para retornar.

-Ela me chamou pra avisar que tavam indo embora, e que mais tarde buscava a gente se a gente quisesse.

Voltou para a cama, e um sentimento estranho de culpa me tomou. Eu ja estava quase broxando quando ela disse:

-Que merda, nossa brincadeirinha tava tão gostosa e aquela vaca interrompeu.

Meu pau voltou a ficar duro na hora e eu novamente encostei nela. Ela pressionou bastante o seu corpo contra mim, o que ate doeu um pouco, pois aquele tecido jeans pressionado, fez doer o meu pau. Mas eu não estava nem ai, continuamos o vai e vem, eu pegando ela pela cintura, e pela bunda, me ousei um pouco mais, e bati em sua bunda, aquilo parece ter despertado nela ainda mais tesão, porque cada vez que eu batia, ela mordia a boca, e parecia dormente, mas não deixou de comentar:

-Voce eh um safado sabia?

Quando ela falou isso, tentei tomar ainda mais liberdade, e passei minha mão em sua barriga, e por dentro da blusa chegando no seu sutiã. Ela não ofereceu resistencia e eu fiquei acariciando seus peitos pelo sutiã, e apertando eles com bastante vontade.

-Ai Fabi, como tu eh gostosa!

Assim que falei isso, ela veio com sua mão diretamente no meu pau, e aquele caralho completamente lubrificado e duro parece ter mexido ainda mais com ela, ela não o segurou por muito tempo, e para a minha surpresa ela levou suas duas mãos em seu short, desabotuando, e o tirando de vez. E voltou para a mesma posição que estavamos, fazia muito tempo que eu não via aquela bundinha assim, e nunca tinha visto tão perto, ainda mais tão gostosa daquele jeito. Comecei a roçar com ainda mais vontade em sua calcinha, sentindo e aproveitando o maximo aquela bunda nua no meu pau. Analisando a situação, mal pude acreditar que eu estava tão perto de come-la, apenas sua calcinha era a barreira que separava o nosso sexo. Ela começou a gemer mais alto, a medida que eu intensificava os movimentos. Eu estava louco pra meter, e ela tambem, então falei.

-Eu preciso...Eu vou...

-Hã? Shh

-Eu vou te comer, preciso te comer Fabi!

Abaixei sua calcinha, e ela abriu as pernas, facilitando o trabalho, agora sim, estavamos quase la, ela nua, com sua bucetinha finalmente roçando no meu pau, pude sentir quão molhadinha ela tava, eu continuei roçando nela, torcendo pro meu pau entrar de uma vez, mas ai ela de costas para mim, abriu bem a perninha, posicionou o meu pau na entrada de sua buceta, e enfiou. Soltamos um gemido de alivio e tesão, por finalmente ter conseguido realizar aquilo que tanto queriamos, comecei a bombar meu pau contra sua cavidade, como era gostoso poder sentir aqueles labios abrindo espaço para o meu pau. Ela se mexia e rebolava, finalmente eu estava vendo com meus proprios olhos, tirando a prova real de como puta e safada era minha irmã. Estimulado pelos pedidos dela de ''vai, mete, mais forte, mete gostoso'' eu cheguei a um nivel avassalador, quase animalesco de tanta força e vontade que eu metia. Ela virou de frente para mim, e segurando ela pela cintura, comecei a bombar novamente, eu segurava bem sua perna no alto, e sua cintura, podia ver aqueles peitos balaçando por causa das minhas enfiadas. Pedi para ela tirar, e ela rapidamente removeu a blusa e u sutiã, deixando aqueles belos meloeszinhos a mostra. Eu fui com muita sede e vontade de chupa-los e que coisa maravilhosa, estavam tão durinhos em minha boca que eu quase gozei. Continuei chupando,e olhando pra sua cara, a carinha dela de tesão, coisa linda de se ver, queria beija-la, queria senti-la em minha boca, tentei beija-la, mas ela virou o rosto

-Beijo não! - Ela disse. fiquei sem entender, afinal ja extrapolamos tanto o ponto do beijo que não fazia sentido ela estar negando aquilo para mim. ''Ela esta de besteira'' eu pensei, a puxei para mim pela cintura, enfiando o mais fundo possivel, o que fez ela arregalar os olhos, e rapidamente fui em encontro aos seus labios, estavamos tão coladinhos, que ela acabou cedendo e então continuamos nos beijando com bastante intensidade. Eu queria saciar mais os meus desejos, queria come-la na minha posição preferida, então eu deitei de barriga pra cima, e ela simplesmente seguiu o movimento, montando em mim sem muita dificuldade. Enfiou novamente o meu pau, e começou a sentar lindamente. Agora eu testaria do que ela era capaz. Começou a quicar forte, sem perder o ritmo e o compasso, sem descansar quase nada, eu a a segurava pela bunda, pela cintura, podia apreciar aqueles peitos balançando enquanto ela pulava no meu pau, aquela carinha de desejo, aquele ritmo frenetico, aquela bunda deliciosa subindo e descendo, que momento inesquecivel. Ela saiu de cima e deitou-se de bruços, empinando bastante a sua bunda, eu logo montei em cima, era minha vez de novo de controlar a situação. Comecei a meter forte, segurando ela pela tatuagem lindinha de borboleta, e ja tinha em mente a pretensão de gozar ali. Não iria mais aguentar muito tempo, mas aquela não foi a nossa ultima posição, ela ficou de quatro, jogou o cabelo pro lado, e veio de encontro a meu pau, que entrou facilmente em sua bucetinha ja toda lubrificada...Comecei a enfiar, primeiro devagar, depois fui aumentando o ritmo, mas quando ela começou a rebolar no meu pau, eu senti que não aguentaria mais, enfiei com toda minha velocidade, tirei meu pau pra fora, mirei em sua bunda, e gozei bastante.

E essa foi a primeira vez que eu consegui de forma completamente inesperada e impensada, foder minha irmã. Eu queria ter feito isso de novo naquele dia, mas infelizmente ela ligou para um dos amigos dela ir buscar a gente, com o tempo a gente foi esquecendo aquilo, e nossa relação seguiu normalmente. Ate o mes passado, que tivemos uma baita de uma recaida. Enfim, espero que tenham gostado. Quem sabe eu traga o relato da minha segunda vez com ela. Fui.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/04/2019 19:03:53
Ótimo conto parabéns.
19/04/2019 23:13:22
delicioso
09/04/2019 19:39:05
Super excitante quem tiver afim de ouvir uma experiência parecida chama aí
01/04/2019 22:50:44
Muito bom parabéns
26/03/2019 14:20:23
Sensacional!!!
24/03/2019 16:19:34
Muito bom quase gozei lendo
21/03/2019 22:38:48
Muito Bom
18/03/2019 05:58:25
Cara que de mais
17/03/2019 13:13:14
Muito bom
17/03/2019 06:45:17
Ótimo conto cara, irei luer o próximo
16/03/2019 14:13:49
Muito excitante mano, li o tempo inteiro de pau duro hahaha, também escrevo uns contos , comecei a pouco tempo, dá uma olhada lá depois, acho que vai gostar.
16/03/2019 11:40:25
Muito bom!
15/03/2019 11:02:42
Ótimo +++++++
15/03/2019 09:21:18
esperando a outra parte...conta logo...
15/03/2019 02:24:44
Muito bom ... Sortudo ter uns irmã putinha 😈😈😈😈
15/03/2019 00:32:28
Escreve a continuação..m
15/03/2019 00:16:48
Conte mesmo! Muito bom. Esperando o segundo. Enquanto isso, leia os meus tbm...
14/03/2019 22:45:25
Loguei só pra dar nota 10. Raramente vejo um conto tão realístico principalmente entre irmãos que os contos geralmente são muito forçados.
14/03/2019 21:42:30
Muito bom.
14/03/2019 13:30:27
Em breve, continuação :)