Amigos do meu marido me usaram como puta com dupla penetração enquanto ele dormia no carnaval.

Um conto erótico de Carol 1993
Categoria: Heterossexual
Data: 11/03/2019 14:52:15
Última revisão: 11/03/2019 16:10:46
Nota 9.65

Oi. Estou aqui porque isso definitivamente não é algo que eu vá contar para mais ninguém pessoalmente, e está me perturbando muito.

Eu e meu marido fomos para a casa de praia de um "amigo" dele no carnaval, com mais outros dois amigos e uma amiga nossa, que se arranjou com outro cara e ficou na casa dele. Éramos, então, o único casal, o resto caras solteiros. Não deu praia porque choveu muito, mas haviam vários blocos na região. Curtimos bastante e no último dia de carnaval, aproximadamente 1 da manhã, meu marido estava completamente bêbado e voltamos pra casa eu, ele, e o amigo anfitrião. Subi com ele para o quarto em que estávamos, no segundo andar, e ele apagou quase que instantaneamente. Roncava alto. Fiquei muito decepcionada porque eu estava com muito tesão, o que é normal pois tenho 26 anos, e o clima do carnaval acende ainda mais isso. Não vou mentir, sei que sou bonita e me sinto desaforada quando não transo, porque eu sei que muitos outros homens não iriam desperdiçar a chance. Quando sou cantada na rua – e não é raro - , nunca dou confiança, mas sempre penso que o cara tá afim de ter o que meu marido várias vezes desperdiça.

Desci pra sala, e quanto cheguei lá o dono da casa, "amigo" do meu marido estava batendo uma punheta, sozinho e o pau dele era simplesmente enorme.

Agora vou resumir porque se eu descrever muito vou ficar excitada demais pois estou justamente tendo problemas por relembrar muito e não conseguir parar de pensar nisso.

Eu me assustei e questionei ele estar nu ali, e ele alegou com cara de sacana que “tava em casa” e “pensou que não tinha problema” (ele sabia que eu ia voltar pq sempre desço pra pegar água e levar pro quarto antes de ir tomar banho lá em cima e dormir de vez). Fiquei muito sem graça.

Ele subiu para o quarto onde estava meu marido e trancou a porta pelo lado de fora, deu a entender ao descer o mostrar a chave rindo. Quando ele descia as escadas e vi a pau dele de baixo pra cima fiquei ainda mais abismada com o tamanho. Não era o tipo bonitão, era um cara normal, mas o pau dele me fez perder completamente a compostura. Ele colocou a chave na mesa e falou, enquanto segurava orgulhoso aquela pica que obviamente ele sabe que é enorme: “Amor, ajoelha e mama, vem. É carnaval.”

Eu tinha sim bebido alguma coisa mas não vou colocar a culpa nisso não, porque eu estava muito lúcida. Só estava naquela fase sem reflexo e corajosa. Simplesmente agachei e abocanhei ele, com muita água na boca, sem falar nada e sem pensar. Quando dei por mim estava sendo depravadamente xingada e com a buceta totalmente ensopada.

Confesso que sempre fui monogâmica, mas sempre foi difícil me manter assim sem nunca ficar com outro homem.

Eu tava de saia, agachada, mamando e como não tinha perigo do meu marido conseguir abrir a porta, levantei, joguei ele no sofá com aquele pau enorme apontando pra cima, tirei a calcinha que tava ensopadíssima e o safado pegou ela e lambeu o excesso. Sentei de frente pra ele. Eu tava tão melada e o pau tava com baba tão grossa da minha boca, que a pica escorregou todo de uma vez só na minha buceta. Ela engoliu aquele pau enorme com uma facilidade assustadora e senti bater muito fundo como nunca havia sentido antes, de repente, em uma só estocada.

Ele me puxou pelas bandas da bunda e deu três colocadas fundas. Quase morri de prazer e ele ficou parado, pressionando e pulsando aquele pau dentro de mim. Eu tava totalmente descontrolada, forçando pra levantar e sentar de novo e ele me pressionando no colo. Isso me deixou doida. Lembro exatamente a sensação do meu corpo sem ter pra onde fugir e meu cu começando a piscar involuntariamente, como se o prazer não tivesse pra onde ir.

Nisso outro amigo chegou da rua. Quando escutei a porta bater minha barriga gelou muito. Eu tava tão focada no meu marido que esqueci de me preocupar com os outros que poderiam vir de fora. Quase me desesperei quando escutei do dono da casa, que me comia, a frase "pode vir, não pega nada não. Ela é PUTA mesmo. Põe pra mamar que ela gosta muito de babar pica dura de macho"

Olhei incrédula para o sacana sem sair de cima dele, com o pau todo dentro ainda. Quando dei por mim, percebi que estava rebolando instintivamente. Foi quando soltei em alto e bom som "foda-se" e comecei a sentar com força, de costas pra porta de onde veio o outro amigo.

Olhei de rabo de olho, e ele tava batendo punheta olhando a cena. Ele é o mais novo deles, tem uns 19 anos. Passaram uns dois minutos e ele tomou coragem, deu a volta no sofá, ficou de frente pra mim enquanto o outro fodia, e ficou com o pau duro punhetando enquanto eu quicava e olhava pra ele por cima do ombro do macho que tava me arrombando como nunca fui arrombada antes.

Eu simplesmente abri a boca com cara de pidona, enquanto tomava estocadas na buceta, e ele se aproximou. Nunca vou esquecer o que ele fez quando fui abocanhar o pau (médio e gostosinho). O pau tava tão duro que quando encostei a língua na cabeça, ele pulsou e fugiu da minha boca. O safado aproveitou e balançou levemente o pau pra os lados tirando da reta, me colocando igual uma cachorra faminta seguindo o pau com a cabeça tentando pegar. E consegui. Botei todo na boca e puxei e abracei ele pela bunda pra não fugir mais, e pra mostrar como eu gosto de mamar. Me sufoquei por muitos segundos e já tirei o pau da boca babado daquele jeito respirando fundo e rindo igual uma piranha enquanto a baba caia.

Eu tava ali com dois caras e antes, nunca nem traído eu tinha. Tava muito bom.

Nesse momento eu já tava tomando dedada no cu do puto que me comia, e eu piscava o rabo igual uma louca com ele todo empinado enquanto sentia aquele pau gigante destruir minha buceta por baixo. Meu cu, que já piscava antes involuntariamente, agora tomando dedada, mordia forte o dedo dele.

Vou tentar resumir porque já estou com muito tesão, melada, contando (e esse não era minha intenção quando comecei a escrever. Queria desabafar, somente, de forma mais sucinta).

O terceiro amigo, negro muito definido, chegou e dessa vez a cerimônia foi menor. O que me comia falou de forma muito sacana (ele tem um jeito muito debochado) algo parecido com: "fala a senha - é carnaval - que você come a mulher do amigo. Hoje ela é a puta da rapazeada.”

Eu já não estava em condições de resistir e de fato, era a maior das putas naquele momento. Foi natural que ele viesse e pincelasse o pau (que tinha um tamanho intermediário entre os dois que ali estavam, portanto, era grande) no meu rabo. Eu tava com o cuzinho muito exposto e empinado enquanto sentava na tora. Desde quando eu era solteira sei que minha bunda enlouquece os machos (embora só tenha feito anal até então com meu marido) pq ela é média e firme, geralmente estou com marquinha de biquíni e o cuzinho é muito rosinha.

As dedadas que tomei no cu e o tesão que eu tava sentindo me deixaram totalmente pronta para liberar a bundinha.

Mais uma vez fui puta ao ponto de tomar atitude. Eu já estava certa de que queria duas picas dentro de mim. Peguei baba grossa que eu tava fazendo no boquete (o chão já tava completamente melado de tanto que eu babo e particularmente me garanto na garganta profunda) e passei no cu. Aquela baba grossa foi mais do que o suficiente. Nem olhei pra cara dele, nem falei nada. Só pisquei o cu chamando. O safado colocou a piroca, devagar e firme, sem recuar, e eu delirei na hora. Foi uma sensação MARAVILHOSA e eu naquele momento já sabia que ficaria VICIADA em tomar pica na buceta e no cu ao mesmo tempo.

Tudo ali dava muito tesão, e o puto que tava comendo meu cu falou: "Já arrombaram o cu da mulher do amigo, né? Entrou fácil. E a branquinha com essa carinha de menininha santa. Eu sabia que ela gostava de pica nesse rabo"

Aquele diálogo pervertido e minha posição de objeto e papel de VAGABUNDA me deixavam cada vez mais louca. Realmente, entrou muito fácil pq eu tava com muito tesão, e eu já no clima da sacanagem, falei pra provocar: “Ninguém aqui ainda tinha comido meu cu não. É que eu tô bem puta mesmo. Aproveita o cu da menina santinha, aproveita?”. Ele enlouqueceu e comeceu a me enrabar com energia me xingando de tudo. Dei uma olhada pra trás e aquela pele preta batendo e esborrachando a minha pele branquinha fizeram um contraste lindo. Fiquei ainda mais louca. O puto comendo meu cu falou:

"tava triste porque não deu sol pra você poder mostrar esse rabo branco engolindo seu biquini na praia né? Toma puta, agora engole pica preta com o cu". Pirei e entrei totalmente no jogo:

"Então o cu da sua puta branca, come pauzudo! Aproveita porque sou santinha, hein!"

Nisso, o menino mais novo calou minha boca com a piroca. Voltei não só chupando mas também sambando com minha língua naquela pica de todos os jeitos, enquanto era preenchida em todos os buracos, e tava em outro mundo de tanto prazer. Com a pica na boca, coloquei a língua pra fora, por baixo, e comecei a mexer muito rápido. Alcancei o saco com a língua enquanto chupava o pau. Alguém - que não sei nem quem - perguntou se queriam revezar. O amigo que eu tava chupando disse que não ia trocar o boquete por nada. Falou que era o melhor boquete que ele já tinha ganhado. Meu ego foi ao céu.

E agora estava eu ali, na sala, casada, tomando pica dura na buceta, no cu, e pagando boquete, com os amigos do meu marido. Eu me sentia muito puta, mas o remorso passou muito longe de bater ali, naquele momento.

O amigo mais novinho que tava me dando de mamar jorrou MUITA PORRA sem avisar, me puxando pelo pescoço, como se faz com uma puta de quinta, e eu engoli tudo enquanto tomava pressão de duas picas grandes nos buracos. Sentia meus buracos quentes. Eles literalmente estavam me esquentando nas pirocas. O pau na buceta era tão grande que eu sentia os lábios da buceta encharcada sendo puxados para fora e voltando em uma barulheira de pau entrando em buceta molhada. Sentia uma sensação muito boa e me sentia vulgarizada com o cu preenchido, aquela pica até o talo com bolas batendo, e eu sentindo zero dor. Fiquei com aquele gosto bom de porra entranhado na garganta e o pau do mais novinho não ficou mole na boca. Continuei chupando, me sentindo o mais puta possível sendo abatida de todas as formas, por todos os lados. Foi rápido até eu sentir que ia gozar naqueles paus duros igual uma louca como nunca antes tinha gozado. Uma sensação maravilhosa, os paus indomáveis e eu simplesmente solta no meio deles. Não tinha ordem certa: um entrava, outro saia, os dois entravam ao mesmo tempo, os dois saiam, e eu vulnerável. O puto que comia minha buceta ainda chupava meu peito. Meu clitóris estava enorme COMO NUNCA. Reparei que algo forte além do normal estava vindo quando eu parei de controlar minha boca no boquete. Eu simplesmente parei de comandar meu corpo. Entrei em êxtase e agora eu me babava involuntariamente, sem chupar. Era como se eu estivesse ficando desacordada. Simplesmente saí do ar e minha consciência entrou em outro plano. Senti um frio que vinha da espinha, e terminava se dividindo pelo corpo todo, por fim dando podersos espasmos no cu e na buceta, espasmos que nunca senti antes!

Me contraí e gozava igual uma louca enquanto meu corpo tentava expulsar os paus da minha buceta e meu cu. Nisso os machos (sob comando de um deles que não lembro quem porque eu estava delirando) socaram juntos, até o talo, e mantiveram as picas com força dentro de mim. Pirei, porque a cada contração que eu dava sem conseguir expulsar as pirocas, sentia ainda mais elas dentro de mim, duras demais, e , provocada e preenchida, voltava a me contrair estimulada começando de novo o prazer enorme. Talvez seja o que chamam de orgasmo múltiplo. Os machos começaram a rir, percebendo e sentindo o que tava acontecendo, afinal, minha buceta e meu cu mordiam e tentavam expulsar eles e eu tava me babando toda sozinha, revirando os olhos, acho. Eles me colocaram em looping e aquilo durou um tempo absurdo para um orgasmo.

Comecei a soltar muito líquido pela buceta, perdi o controle total. Simplesmente saiam jatos com muita pressão. Foi muito mágico. Tentei aproveitar o impacto e a pressão do jato pra dar um ultimato de tirar o pau imenso da buceta, mas o macho que tava comendo meu cu me pressionou pra baixo de novo pelos ombros, me mantendo presa atolada nas picas e gritou "fica aí que tô esporrando dentro do seu rabo, vagabunda". Continuei gozando e inundando com o líquido que descia da minha buceta o sofá e o amigo da pica imensa que àquela altura já “morava” com seu cacete enorme dentro de mim. Fui parando de contrair e perdendo as forças, quase desmaiando de prazer mesmo. Senti a tora leitando meu cu e quando, em ato inútil, tentei mexer a perna para sair, o macho que comia minha buceta gritou "toma, puta", e também começou a gozar, desencadeado por aquele simples movimento meu. Foi quando percebi que a estratégia que ele tinha de me prender era porque aquela tora não tava aguentando bombar minha bucetinha gulosa sem me dar porra quente. Meu ego novamente voltou a inflar muito. Eu precisava disso depois do meu marido me ignorar por noites e noites.

Fiquei ali ,entregue, totalmente parada enquanto os machos terminavam de me encher de porra pelos dois buracos, sentindo o leite quente me invadir com o rosto apoiado no encosto do sofá, fraca por completo, enquanto o menino que antes eu mamava agora se punhetava olhando minhas caras e bocas de puta que "sofria" de tanto gozar naquelas toras. Ele exclamou:

"desmaiaram a puta na piroca, vocês são foda".

Nisso o menino se aproximou um passo e eu, já puta instintiva e consciente do meu papel de putinha de ganhar porra quente de todos os "amigos", arreganhei a boca com a língua pra fora, toda grogue e soltei com minhas últimas forças, quase que em grunhido, a frase “dá leitinho pra putinha, dá?”. Ganhei mais porra dele na cara e na boca, e um baita tapa na cara que me encorajou a cair pro lado, no sofá, soltando meu peso. Os machos finalmente me deixaram sair da pica deles e me jogaram igual uma boneca no sofá. Me senti completamente vazia sem aquelas picas, quase oca por dentro. O pau de ambos estava com porra, e me fizeram limpar. Quase zerada de energia, fiz um carinho delicado com a boca enquanto sugava limpando as picas. Aquele cheiro de putaria e resquício de porra que limpei foram a chave de ouro.

Foi DISPARADA a melhor foda da minha vida, e sequer mudei de posição enquanto tomava pica, o que foi muito louco e gostoso. Cada um assumiu seu papel e ficou, e estava tão gostoso pra todo mundo que ninguém quis trocar.

Simplesmente apaguei ali mesmo, totalmente usada, esporrada, aberta, sem ter sequer forças para pensar ou temer o fato do meu marido estar na casa ou a possibilidade de ele – mesmo completamente bêbado e dormindo profundamente - ter ouvido alguém que tenha gritado empolgado em algum momento.

Cochilei coisa de 30 minutos e fui acordada com as três picas duras batendo no meu rosto. Parecia um sonho, mas não era. Continuei sendo fudida, desta vez sim, com revezamentos. Tava todo mundo com muito tesão fui muito usada, gozei muito e engoli muita, muita porra até as 6 da manhã. Deixei eles secos e nas últimas gozadas já não saia mais nada.

Não aguento mais escrever em detalhes pois, comecei aqui para desabafar com a pretensão de um simples desabafo, mais já estou com três dedos dentro da buceta me tocando de novo, depois de perder o controle e começar a lembrar com detalhes a primeira foda da noite.

Por ironia do destino, meu marido quis transar no dia seguinte e eu que tive que recusar e inventar uma desculpa, porque os lábios da minha buceta estavam MUITO avermelhados, inchados, simplesmente judiados de tanto tomar pau grande.

Como eu disse, o carnaval acabou e preciso de mais Dupla Penetração, preciso ser usada daquele jeito. Viciei. Eu sei que no meu casamento não posso ter isso e, apesar do meu marido ter menos fogo do que eu, em outros aspectos a relação é positiva. Estou em um dilema grande. Os amigos dele, assim como eu, fingem que nada aconteceu e só estive com um deles (o pauzudo dono da casa) depois da situação, junto com meu marido, e me molhei na hora, mas não fiquei encarando nem nada assim, pois sei que a situação tem tudo pra dar errado.

Eu sei que não vou me conter, foi despertado algo muito incontrolável dentro de mim e preciso de pelo menos dois paus ao mesmo tempo fazendo dupla penetração. Eu sinto que nunca mais irei me satisfazer fazendo sexo somente com uma pessoa e estou preocupada porque sei também que não posso nem tocar no assunto de chamar outro cara pra me comer junto com meu marido porque ele vai pirar e se separar de mim, e, ao mesmo tempo, não quero me aventurar porque esse tipo de coisa (traição constante) nunca acaba bem, ainda mais com pessoas conhecidas ou por perto de casa.

Se alguém já passou por isso, vou deixar um e-mail secundário que tenho. Entre em contato SOMENTE PARA DESABAFOS e troca de experiências, pois estou quase explodindo com esse assunto.

Não estou procurando sexo. Se fosse para ter sexo, eu poderia ter facilmente com muitos caras (sem querer ser rude mas também sendo realista). É um e-mail para trocar ideias e experiências sobre romper monogamia e eventual necessidade de dupla penetração.

Mulheres que já tenham passado por essa vontade e experiência da dupla penetração (não acredito que seja tão raro assim) falem comigo. Homens tranquilos que querem trocar ideia sobre o assunto também são bem vindos.

A dupla penetração é uma assunto que ainda é tabu, e eu sendo casada, me sinto ainda mais reprimida a falar disso "na vida real".

Beijos, obrigada, e desculpe a extensão do texto, rs. Me empolguei.

carolina1993_mbi@hotmail.com

Até mais.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
24/05/2019 23:18:01
alekast@gmail.com
24/05/2019 23:16:50
eltongrp16721@gmail.com
24/05/2019 17:51:02
Manda pra mim o vídeo, o conto é muito gostoso gabriel96-ns@hotmail.com
24/05/2019 08:01:25
Delicia
23/05/2019 20:25:52
Já enviei o vídeo deste conto pra você, Loirinha peituda.
23/05/2019 16:10:06
adorei josegolveia1245@Hotmail.com
22/05/2019 22:36:03
Já enviei o vídeo pro teu email, Coliman2018.
22/05/2019 21:47:10
Excelente conto. coliman2018@gmail.com
22/05/2019 00:10:45
Já enviei o vídeo deste conto para o Eltinho023 e para o MelT.
21/05/2019 20:39:29
eltongrp16721@gmail.com
21/05/2019 20:36:18
Que desabafo mais excitante
21/05/2019 16:04:36
Que delícia, tenho muita vontade de ser possuída assim, ter duas pirocas metendo gostoso!! Parabéns pelo conto, fiquei molhadinha com seu relato. melcomtesao@gmail.com
21/05/2019 00:29:02
Olá Casal Sintonia. Obrigado pelo comentário. Pena que não deixaram o email, pra gente te enviar o vídeo deste conto. Se quiserem pedir direto na Secret Island, nosso email é: modfant@gmail.com
20/05/2019 04:20:48
Bom...
20/05/2019 00:05:23
Já mandei o vídeo para o teu email, FardadoSafado.
19/05/2019 18:45:07
Olá Carol, adorei seu desabafo, passo por um dilema assim só que em casa é ao contrário tenho vontade de fazer minha esposa ser puta mas ela é muita careta, estou planejando levá-la em uma casa de swing em Curitiba para ver oque acontece... Leia os meus também, vou te mandar um mail... Bju
19/05/2019 01:25:07
Já enviei o vídeo deste conto para o teu email, Denis85
18/05/2019 17:33:56
averagedenis85@outlooks.com
18/05/2019 17:33:42
averagedenis85@outlook.com
17/05/2019 17:26:07
Daqui pra baixo, pra todos que deixaram o email, eu enviei o vídeo deste conto.