Filha e prostituta

Um conto erótico de Joao
Categoria: Heterossexual
Data: 01/03/2019 21:16:10
Nota 9.77

... Jorge era um homem comum, não era muito bonito nem sarado. Era casado com Josilene. Os dois tinham a mesma idade, 45 anos. Não vou entrar em detalhes sobre os empregos deles, mas posso dizer que eles tinham uma vida confortável.

Eles tinham duas filhas, Yasmin, a mais nova e Karen, uma linda morena de 19 anos.

Karen era uma garota tímida, mas chamava a atenção por onde passava. Ela não era alta, mas adorava usar uns vestidinhos leves que, quase sempre, revelavam um pouco seu corpo.

Karen era baixinha, relativamente magra, seios pequenos, mas tinha uma bundinha arrebitada de fazer babar... "Uma moreninha gostosa" disse um amigo da família quando ela completou 18 anos.

Vamos ao que aconteceu.

Jorge, entediado com a vida ao lado de Josilene vivia vendo pornografia na internet. Às vezes, ele também olhava sites de acompanhantes. Numa dessas olhadas, Jorge ficou fissurado com o perfil de uma tal Jenifer. Não havia fotos do rosto dela, mas o corpinho dela o fascinou. Seios pequenos, mas durinhos e pontudos, coxas lisinhas, uma ninfeta.

Seria só mais uma acompanhante com a qual Jorge manteria contato e não realizaria nada (o simples combinar algo com essas garotas já o deixava com tesão que sua esposa não despertava mais nele).

Seria só mais uma, não fosse um detalhe... Na coxa esquerda de Jenifer, Jorge notou uma marca... Uma pequena marca em forma de "s". Seria algo que passaria despercebido, se ele não lembrasse quem mais tinha uma marca idêntica. Sua filha, Karen.

Quando Jorge notou que uma coincidência daquelas não seria possível, sua mente girou...

Então, ele percebeu que aquele corpo, pelo qual ele estava babando era o de sua própria filha...

Sua própria filha Karen de 19 anos, que dormia no quarto ao lado, que fazia faculdade pela manhã e estágio a tarde.

Naquela noite em que Jorge fez essa descoberta, Karen estava em casa. Como sempre, ela andava pela casa com roupas mínimas. Um babydoll claro, que chegava a revelar seus mamilos escuros.

Jorge estava impaciente com toda aquela situação. Não sabia o que pensar. Chegou a se sentir culpado pelo desejo que sentiu por aqueles corpinho antes de saber que era de sua filha.

Porém, também sentiu uma forte excitação com o fato de saber o que ninguém mais sabia .. das atividades secretas de Karen...

Tomado por esse misto de sentimentos, Jorge saiu de casa e comprou um chip novo para o celular. Voltou rápido para casa e fez o que talvez quisesse desde o início. Mandou uma mensagem para o contato secreto de Karen no site de acompanhantes.

"Oi, Jenifer. Gostei de seu perfil. Quanto é o programa?".

Ele fez isso, enquanto Karen estava distraída na sala. Ele a viu recebendo a mensagem e respondendo prontamente.

"Oi. 150 reais e garanto te deixar louco"...

Ele a viu digitar essa mensagem sem saber que era dele. Viu o sorriso malicioso em seu rosto e perguntou para Karen.

"Com quem que você tanto troca mensagens, filha?"...

"Ah pai, deixa de ser curioso.. tô falando com umas amigas da faculdade"

Jorge viu tudo isso e quis dar uma lição nela... Armaria tudo na noite seguinte. Disse para "Jenifer" que pagaria, não 150, mas 1500 reais se ela fizesse um programa especial para realizar uma fantasia dele.

Prontamente ela aceitou.

O combinado:

Se encontrariam numa pousada. Ela chegaria primeiro e vestiria um babydoll (ele mandou um modelo similar ao que Karen usava em casa).

Quando Jorge chegasse, na hora combinada, o quarto estaria totalmente escuro e ela estaria vendada.

Aconteceu como combinado. Jorge entrou no quarto e viu aquela moreninha deliciosa, com a roupa que ele escolherá, sentada, vendada na cama. Não falou uma palavra.

Começou a acariciar seu corpo pelo ombro, baixando a alcunha de seu babydoll...

Jorge sentiu o corpo dela se arrepiar. O dinheiro alto a fez aceitar o programa, mas ele sentiu que ela estava com medo.

Apenas sussurrando, de modo que ela não reconhecesse sua voz, Jorge disse para ela se acalmar. Ainda a chamou de docinho...

Ela se acalmou um pouco e Jorge continuou com as carícias.

Ele baixou cuidadosamente o babydoll por uma alcinha, revelando apenas um de seus seios. Então começou a lamber aquele mamilo, que endurecia...

Deixou apenas um seio a mostra e depois desceu para lamber sua barriga, seu umbigo. Ela se controcia de prazer e ao mesmo tempo pensava o quanto aquele programa estava sendo ótimo.

Grana alta de um rico excêntrico qualquer e ela ainda estava sentindo prazer. Coisa que não acontecia em quase nenhum de seus encontros.

Sem tirar nenhuma peça de roupa dela, Jorge agora lambia seus pés. Foi subindo enquanto acariciava suas coxas .. chegou ao meio das pernas dela, mas apenas dedilhava sua vagina por cima do shortinho de seu conjunto babydoll..

Jorge não sabia mais o que estava fazendo. Apenas se deixou levar quando tirou o pau para fora e começou a punehtar vendo a filha naquela situação sem saber de nada. Mesmo vendada ela percebeu e perguntou..

"Quer que eu chupe?"

A voz de sua doce filha dizendo aquelas palavras mais uma vez fez a mente de Jorge girar...

Ele ficou sem reação. Ela foi tateando e alcançou seu pau. Começou a chupar gulosamente.

Poucos minutos depois, Jorge enchia a boca de sua filha de porra. Ela cuspiu um pouco e Jorge quis beijar a boca ainda melada.

A essa altura, nada mais fazia sentido. Tudo era apenas prazer. Jorge então retribuiu o boquete que recebeu, chupando enlouquecido a buceta da própria filha, que até aquele momento não imaginava que o próprio pai tinha contratado seus serviços.

Jorge decidiu que ia lamber cada centímetro do corpo de sua filha... E o fez.

Por horas.

Não a penetrou, mas ainda gozou e a fez gozar algumas vezes naquela noite...

Não permitiu que ela tirasse a venda. Ainda deu um beijo bem tórrido antes de deixá-la. Ela ficou extasiada.

Ele voltou para casa. Horas depois , Karen chegava de uma balada. Foi isso que ela disse em casa...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
18/05/2019 13:54:32
Enredo maravilhoso, querido. Envolvente já ao contar sobre o detalhe do sinal ¨S¨ na coxa da tal ¨Jenifer¨. Fico imaginando como ficará a vida em casa, sob o mesmo teto depois disso. Dou nota 10. Se tu não tiveres preconceitos, venha ler os meus. Beijocas.
21/03/2019 08:22:10
Delicia. Continua. roberto.casado.contos@gmail.com
17/03/2019 12:36:51
bem putinha aposto que ela não ia se importar de saber a verdade
12/03/2019 17:20:43
Tenho desejo de conversar com um pai ou filha que viveu de verdade um amor assim, pode ser mãe e ou filha ou filho, conto excelente nota 9 theo_ozga_virury@hotmail.com
08/03/2019 23:05:06
Puta é sempre puta... adoro...
08/03/2019 12:26:59
Delicioso conto, continuação?
03/03/2019 08:23:08
Bom
02/03/2019 19:22:44
Nossa q tesão
02/03/2019 09:15:31
Uauuu ! Ja sou fã desse Escritor desde outros relatos, porem neste ele se superou no suspense de tirar o folego . . . Gostaria de saber como fica a continuação !Nota dez com louvor e adicionado aos meus favoritos.
02/03/2019 08:10:35
Me passa o contato da prostituta meu amigo belíssimo conto nota dez
02/03/2019 08:01:02
muito bom
02/03/2019 01:35:58
Ótimo início de conto,estarei esperando pela próxima parte
01/03/2019 23:08:58
Interessante este conto. Muito bom. Aguardando a continuação.