Casa dos Contos Eróticos

Amarrada, usada e forçada - 2

Um conto erótico de DaddylittleGirl
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 08/11/2018 02:39:56
Nota 10.00

Quando acordei novamente estava amarrada e imobilizada numa estrutura de ferro, de quatro. Como fiquei em silencio, consegui ouvir os passos do homem se aproximando e então senti uma chicotada dolorosa na bunda.

- Vamos ver quem manda aqui – ouvi ele dizer e senti mais uma chicotada – Como me desobedeceu da última vez você vai ser punida e eu que roo que no final você me conte quantas chicotadas você levou.

E então ele começou, sem parar a chicotear a minha bunda, me arrancando lágrimas e gritos desesperados. Uma vez ou outra ele parava para acariciar a minha bucetinha e dizia o quanto ela estava molhada e eu estava gostando. Eu tentava pedir por favor para ele parar, mas os únicos momentos que ele dava uma pausa era para pegar um chicote mais potente.

- Voce contou quantas chicotadas levou, putinha? – ele me perguntou, mas eu não podia responder com aquela mordaça apertada na boca.

Eu percebi que o homem se afastou de mim e logo senti a minha buceta vibrar loucamente. Ele tinha pego o vibrador de novo. Enquanto deixou ele na minha bucetinha foi tirar a minha mordaça.

- Quantas chicotadas você recebeu, putinha – perguntou ele, segurando o meu rosto. Eu fiquei quieta e ele me deu um tapa na cara – Quantas??

Chorando, eu respondi:

- Se-sessenta.

Eu vi ele sorrir.

- Boa menina. Vai ganhar um prêmio.

O homem segurou meu rosto de novo e me colocou a mordaça novamente sem que eu pudesse impedir. Ele se afastou e quando voltou disse que havia me trazido alguns presentes. Ele desligou o vibrador e me colocou uma coleira, depois, voltou para perto da minha bunda e me deu mais um tapa, me arrancando um grito. Depois, eu senti algo gelado escorrer pelo meu cuzinho, fazendo com que eu começasse a tentar me soltar desesperadamente.

- Sh. Sh. Sh. Fica calminha aí. Esse é o seu prêmio. Quero brincar um pouco com esse buraquinho. Mas fica tranquila, nós não vamos direto, primeiro eu vou colocar um plug especial e eu posso te garantir que você vai amar.

Ele começou a massagear o meu cuzinho com o dedo e eu fazia de tudo para tentar me soltar e tentar gritar, mas não adiantava nada, ele continuava a ficar apertando ele sem parar. Até que comecei a sentir o dedo dele começar a tentar entrar e sair. Doía um pouco e eu tentava pedir desesperadamente para ele parar, até que ele me deu mais um tapão na bunda gritando bravo que se eu não parasse que iria ser pior.

Que ele iria rasgar o meu cuzinho com o próprio pau. Então eu só tive que aceitar. Doía cada vez mais e então ele enfiou o plug na minha bunda, me arrancando um gemido alto.

- Olha que coisa mais linda! – ele disse, dando vários tapas na minha bunda.

O homem logo ligou novamente o vibrador, pressionando ele contra a minha bucetinha novamente.

- Goza pra mim, sua vagabunda, goza, meu brinquedinho – ouvi ele gritar e eu só conseguia gemer – Diz que você é minha putinha! - gritou novamente - Voce é minha putinha?

Eu não conseguia concordar com aquilo, era muita humilhação, mas então ele gritou de novo, parecia mais bravo, e eu, contra a vontade, concordei com a cabeça, logo depois gozando loucamente como uma.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
08/11/2018 12:42:49
Continua?