Casa dos Contos Eróticos

Fantasia romana ll

Um conto erótico de Jacquie
Categoria: Heterossexual
Data: 08/11/2018 00:50:01
Nota 10.00

Para quem leu meu primeiro conto sabe que meu nome é Jaqueline, tenho 28 anos, 62kg bem distribuídos e que sou ruiva.

... naquele fim de tarde, cheguei em casa e fui direto pra banheira e comecei a reviver tudo que tinha acontecido algumas horas antes.

Todo o abuso sexual que me permiti viver com aquele homem que, embora estranho, era patrão do meu marido, queimava-me lá no âmago.

Levei a mão na buceta, que ainda estava vermelha e inchada, e comecei uma leve " siririca " revivendo tudo que rolou naquele motel. A cada cena revivida sentia minha buceta em chamas.

Como foi bom acariciar o pauzão daquele estranho com a minha boquinha, ora passando a língua de leve por toda extensão daquele pau enorme, ora abocanhando-o num vai e vem frenético até sentir toda a porra quentinha que jorrava inundado-a completamente... Humm... gozei mais uma vez.

Passei o resto da noite sentindo-me como a puta mais feliz do universo. As vezes me beliscava pra confirmar que não se tratava de um sonho... aconteceu de verdade, minha fantasia de ser a puta de um homem estranho e poderoso foi realizada.

Quando meu marido chegou eu já estava deitada, fingia que dormia. Não queria ser tocada por nenhum outro homem naquela noite, nem por ele, com medo que minha fantasia sexual fosse maculada.

O tempo foi passando e toda a lembrança que eu guardava daquela experiência foram sendo ocupadas pelos compromissos do dia a dia.

Amava muito meu marido e ainda tinha planos de formar uma família com ele mas, eu precisava ter certeza se o caso que ele teve com a advogada fora somente uma aventura.

Continuei seguindo-o na saída do escritório às quartas-feiras mas não houve novo encontro, ele ia sempre encontrar os amigos no futebol.

Mas para ter certeza, eu inseri um programa espião em seu notebook e no computador de casa...

A vida foi seguindo num ritmo normal...

Num feriado prolongado, viajamos à praia para curtir um sol e mar. Nós tínhamos uma bela casa num condomínio fechado no litoral paulista.

Embora eu não seja muito fã de sol pois, todos ruivos tem pele muito branca e sardas espalhadas pelo corpo, culpa da genética que herdei dos meus avós escoceses.

Essa viagem foi muito deliciosa, meu marido comprou um chapéu de palha bem grande para proteger-me do sol e me dizia que eu ficava linda com ele.

Ele sempre me achou muito bonita, sempre elogiava meus olhos azuis e o meu rosto saliente. - dizia que eu me passaria por uma atriz de cinema em qualquer lugar. (risos)

Essa viagem serviu-me também para desencanar a suspeita que ele ainda continuava me traindo com sua amiga de trabalho.

Ele foi muito atencioso o tempo todo, sempre enroscava-se em mim, me abraçava e me beijava a boca com vontade. Dizia que me amava muito e que era o homem mais feliz do mundo.

Numa noite fomos à orla marítima para passear e ouvir músicas nos barzinhos. Dançamos muito em meio as caipirinhas e cervejas que entornamos aquela noite.

Num determinado momento ele segredou em meu ouvido que estava louco para me foder de todas as formas. Eu olhei bem nos olhos dele e cochichei ao seu ouvido com uma voz bem lasciva... sua esposinha linda, (minha vontade era dizer... sua putinha linda) está ansiosa para ser fodida de todas as formas.

Meu marido sempre foi muito conservador em se tratando de sexo. Embora ele me satisfaça com muitos orgasmos, nunca apimentou nossa relação. O sexo anal que sempre foi uma fantasia desde novinha ele só faz nessas ocasiões.

Mas essa noite foi muito especial. Fomos nos atracando entre abraços e ele me carregava no colo do bar até em casa entre muitos beijos e declaração de amor.

Assim que chegamos já fomos despindo um ao outro em meio a beijos ardentes de paixão. Meu marido sempre foi muito gostoso e sabia me beijar como ninguém.

Uma vez nus ele sentou-se no sofá e pediu pra eu chupar o seu pau. Eu me ajoelhei e comecei a bater uma punheta enquanto lambia toda a cabeça. ( ele me deixaria mais excitada se... " vem aqui sua putinha, se ajoelha perante seu dono e chupa meu pau") Ufa, eu seria capaz de gozar na hora. (risos)

- Continuando pra não deixar os seus paus caírem (risos)

Chupei aquele pau gostoso deixando todo salivado e lambuzava todo meu rosto, esfregando-o no meu rosto. A saliva era tanta que as vezes eu tirava seu pau da minha boca pra respirar e uma "corda" de saliva continuava ligando o seu pau na minha boca. Ele pediu pra eu parar e foi minha vez de sentar e abrir as pernas pra ele retribuir a chupeta que apliquei naquele pau.

Meu marido nunca gostou de chupar minha buceta, nunca perguntei se é nojo ou a contrariedade do seu padrão moral. Nunca tive um orgasmo na boca dele e por incrível que pareça, ele também não gosta de gozar na minha boca, mas tudo bem...

Depois de alguns minutinhos ele pediu para que eu sentasse no seu pau e o cavalgasse. Confesso que essa é uma das minhas posições favoritas. Ao mesmo tempo que controlo o ritmo da trepada eu ainda tenho aquela boca deliciosa pra beijar, e como beijei, enfiava minha língua inteira naquela boca e depois alternava recebendo sua língua inteira.

O tesão era tanto que me fazia acelerar a entrada e saída do seu pau na minha buceta arrancando gemidos cada vez mais ofegantes da minha garganta.

O seu pau tinha um volume considerável, não tanto quanto do seu patrão, mas era bem grossinho e cumprido, me tocava lá no fundo me deixando toda ensopada de tanto prazer.

Agora eu estava de 4 no sofá sentindo ele pincelar a cabeça do seu pau desde o inicio do rego, passando pelo meu cu rosinha até minha buceta.

Eu sabia que ele não ia socar o pau no meu cuzinho ainda porque eu ainda não tinha gozado.

Das poucas vezes que ele fodeu meu rabo ele sempre esperou eu gozar.

Penetrou bem mansinho minha xota e começou a enfiar tudo bem devagarinho, por várias vezes ele tirava todo o seu pau dela e depois enfiava de novo. Eu adorava esse ritmo porque ia me levando a um orgasmo mais demorado.

Depois de um tempinho ele começou a socar seu pau bem fundo e mais rápido, e mais rápido até que o som do encontro da minha bunda na sua virilha fosse ouvido lá da praia. (risos)

Gozei numa intensidade tão louca que foi preciso ele tapar minha boca pra que ninguém ouvisse na vizinhança.

Fiquei muito relaxada e empinei mais minha bundinha, eu sabia o que viria depois e não ia acabar tão rápido.

Antes de sairmos à praia aquela noite eu já imaginava que, por se tratar duma ocasião especial, o meu cuzinho seria a sobremesa... então já havia feito uma limpeza especial pra não ter surpresa desagradável.

Para meu espanto, senti meu marido lambendo toda a região da "terra do fogo" (risos), ele não é disso mas devia estar muito bêbado e foi bom que estivesse porque assim ele não goza tão facilmente.

Ora eu sentia a língua lambendo meu clitóris ora ela subia até o início do reguinho e voltava descendo como que varrendo toda a área até chegar no meu cu. Ali ele se demorava mais, as vezes até forçava a língua como se quisesse penetrar-me com ela, aquilo me deixava doida de tesão.

Pediu-me pra chupar seu pau de novo que tinha murchado um pouco. Me ajoelhei rapidamente antes que ele se sentasse no sofá e coloquei a metade do seu pau na minha boca e fiquei olhando pros seus olhos, só para comparar se a intensidade do tesão fosse a mesma que senti quando eu estava com o pauzão do seu patrão na minha boca na mesma posição.

Infelizmente ele levou uma goleada, tadinho. E isso também prova que o sexo pode ser mais intenso sem o amor envolvido, pena...

Mais ainda assim...era delicioso chupar o pau do meu marido, e eu caprichava nos boquetes.

Ele sempre me dizia que a expressão que saia dos meus olhos e do meu rosto nessa hora parecia duma criança que acabara de ganhar um sorvete picolé. Tão feliz que ficava.

Ele me pegou no colo como uma criança e foi saindo da sala em direção ao nosso quarto, beijava minha boca com tanto amor e quando parava de beijar-me era pra dizer que me amava muito, que estava feliz por ele ser o meu marido.

Deitamos coladinhos e ficamos nos beijando, estiquei minha mão e peguei no seu pau pra não deixar amolecer.

Como ele havia encolhido um pouquinho desci com minha boca na direção dele, beijando seu tórax e barriga, lambendo seu umbigo, fazendo curvinhas com minha língua até chegar na cabeça do seu pau.

Me acomodei numa posição para receber carícias dos seus dedos no meu cuzinho enquanto fazia seu pau ficar duro novamente com minha língua ávida e gulosa.

Ele ficava fazendo pequenos círculos com o dedo no meu rabinho e me penetrava em seguida pra lacear aquele buraquinho que logo iria levar muito ferro.

Aquelas carícias me deixava louca de tesão e ele sabia porque toda vez que ele enfiava o dedo no meu cu, eu o chupava com mais intensidade e da minha garganta escapavam grunhidos denunciando o quanto eu adorava tudo aquilo.

Ele puxou-me contra seu peito e me beijou longamente, fez mais declarações de amor e quase como que pedindo desculpas, falou que ia foder o meu cuzinho. Na visão dele, foder o cu da esposa não tem nada de romântico... pena.

Eu afundei minha cabeça entre os travesseiros e fiquei aguardando ele ter que arrombar meu cuzinho novamente. Se ele me fodesse o cu ao menos uma vez por semana, eu não precisaria sentir tanta dor assim. Mas tudo bem, só dói no começo, depois o prazer fala mais alto.

Ele ainda estava alargando-o com os dedos e lubrificando. Procurei relaxar o máximo possível quando senti uma cabeçona começar a forçar a entrada do meu cuzinho. A sensação inicial é que vai doer muito. Mas posso garantir a vocês... dói mesmo (risos), puta que pariu. Devagar porra, reclamo... Mas ele está bebaço e nesse momento ele quer socar o pau dele no meu buraquinho o mais rápido possível pra não amolecer novamente.

Uma vez que entrou... deixa ficar né (risos)

Nos primeiros instantes, um pau grande no cu dói mesmo... então, como diz o ditado... se o estupro é inevitável, relaxa e goza.

Eu ficava controlando o vai e vem dele com gritinhos de dor, até que a esfíncter estivesse relaxada eu continuava resmungando.

Passados os momentos da dor chega a hora do prazer. É indescritível o prazer que o sexo anal proporciona aos seus aficionados.

Eu particularmente amo, gostaria que meu marido fodesse meu cu pelo menos umas três vezes por semana.

Bom, agora que chegou a hora do prazer vamos aproveitar né...

Já com o cuzinho todo preenchido e sem dor ou quase sem dor, meu marido começou a socar todo ele lá dentro, puta que pariu, que delícia de foda. Algumas vezes ele tirava o pau bem rápido e ficava alguns segundinhos parado pra depois socar tudo duma só vez. Outras vezes ele afundava o pau inteirinho só que lentamente, pra eu sentir meu cu sendo preenchido centímetro por centímetro.

E ficava doida de tesão, acariciava meu clitóris com os dedos e o tesão era tamanho que passava a jogar minha bundinha de encontro ao seu pau.

Gostava se sentir o pau dele bater lá no fundo e só não ia mais porque as bolas se chocava na minha buceta e freava a penetração.

Meu cuzinho ardia um pouquinho ainda mas estava pegando fogo de tesão, meu marido me censurava todo instante pra eu não acordar a vizinhança, tamanho era a delicia que eu sentia.

Trocamos de posição, agora ele esta em cima de mim num " papai e mamãe " mas eu continuo levando ferro no meu cuzinho.

Adoro essa posição pra poder dar longos beijos naquela boca gostosa e também gosto de deixar ele maluco sussurrando no seu ouvido pra foder o meu cu com mais força que eu adoro.

Nessa posição não precisei nem tocar na minha buceta pra gozar, a pélvis dele roçando no meu grelo fez o serviço.

Como ele não gozava trocamos mais uma vez de posição, essa era fatal pra ele gozar. Fiquei de bruços e entreabri minhas coxas e ele sentou um pouco abaixo da minha bunda e ficou pincelando seu pau entre minha buceta e meu cu.

Segundo ele, a visão que minha bunda proporcionava era maravilhosa. Eu arrebitava mais ainda minha bunda pra que meu cu ficasse ao alcance do seu pau que, novamente passou a levar ferro.

Depois de mais uns minutinhos de soca tudo no cu e tira, soca e tira num ritmo frenético meu marido explodiu... gozou feito doido. Inundou meu cuzinho de tanta porra que ele jorrou. Depois prometeu a mesma coisa de sempre.... vou foder seu rabinho todo dia e bla bla bla. Promessas de bêbado. (risos)

Subimos a serra do mar conversando sobre o nosso futuro. Segundo ele, o momento é propício para darmos um passo adiante em nossas vidas... ele queria dizer em outras palavras...Filhos

Confesso que não estava pronta ainda pra maternidade. Na verdade, embora o amasse muito, não podia dar esse passo sem a certeza que ele não me trairia mais. E nem eu (risos)

--

Eu já tinha desistido de seguir meu marido nas quartas-feiras, depois que voltamos daquela viagem ao litoral.

Depois dele ter me cercado com tanto amor, atenção e carinho passei crer que aquela traição dele foi só curiosidade.

No meu entender, é perdoável.

Lembrei-me alguns dias depois que havia inserido um programa espião no note do meu marido e no pc de casa. Resolvi dar uma conferida mas na certeza que não ia achar nadaquando acabei de ler todas as mensagens que ele trocava com a advogada, a amante dele, minhas pernas tremeu. precisei sentar pra não cair. Como o desgraçado pode estar fazendo isso.

...aguardem.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/11/2018 21:52:31
Muito boa a continuação, escreve muito bem.
11/11/2018 21:05:53
Conto delicioso. vou ler o proximo.
08/11/2018 17:01:25
Jaque...entenda, ele te ama, você é a especial, mas esse desejo por uma buceta diferente é uma coisa maluca. Veja, nem te conheço, mas lendo teus contos fiquei de pau duro aqui no escritório em frente ao pc e meteria em todos os teu buracos agora, mesmo sendo casado e amando minha mulher. Você mesma trepou com o patrão pauzudo dele e não deixou de amar...é só sexo, tesão, vontade maluca(no meu caso) de abaixar a calcinha da mulher alheia. rsrsrsrscasalcurioso2013
08/11/2018 17:00:21
Eita que marido burro, uma safada e gostosa em casa e saindo com outra. Você é o sonho de muitos homens, pelo menos eu e minha mulher não temos isso. Tudo que ela quer fazemos, anal só não fazemos anal todos os dias porque depois da gravidez não é tão fácil. Estou curioso para ler o próximo relato. Se quiser mandar fotos vou gostar e muito. O meu e-mail observadorctba@hotmail.com. bjos gostosa.
08/11/2018 14:24:29
gostei do teu ˜mandei mal˜ me identifiquei contigo…..escrevo alguns contos, mas o meu editor chefe interno, sempre me faz queimá-losVc escreve maravilhosamente bem, continue…..lifewklass@gmail.com
08/11/2018 12:33:12
Como vc mesma mencionou em uma passagem, o sexo sem amor tem uma dose a mais de sacanagem e nos contos eróticos causam maior dedicação e possibilidades maiores de serem mais criteriosos e completos. Porem, conseguiu descrever com destreza uma trepada profunda com o marido. Parabéns pelo sucesso da pegada conjugal envolvida e pela leitura de um dos meus contos, grato!
08/11/2018 10:26:30
Aí galera, mandei mal nesse conto. Estava com tanto sono e já passava da 01:00 hs da manhã quando terminei e acabei publicando sem revisá-lo.
08/11/2018 09:12:36
Hmmmm, que delicia! Aguardando a continuação bjs
08/11/2018 08:47:37
Parabéns! Mais um belo conto... Venha ler os meus e veja que um advogado pode ser o que você precisa para dar o troco em alto estilo... Você vai gostar do que lerá!!! Rss
vh
08/11/2018 01:34:27
Estou adorando seus contos!!! Tem email pra conversar ?