Esposa troféu no jogo de cartas

Sou casado com Vanessa há 9 anos. Já fazia um tempo que queríamos dar um jeito de apimentar a relação. Conversávamos muito sobre isso e nunca chegávamos a um ponto em comum; eu disse que ela podia ficar com outros caras, mas ela não se sentia bem com a ideia e não queria ir tão longe.

Foi aí que eu vim com a ideia mais clichê dos casais, e graças a Deus ela aceitou: ela seria minha esposa troféu, que eu exibiria para meus amigos. Não teria sexo, mas poderia ter qualquer outra coisa. Ela se empolgou com a ideia e combinamos de chamar três amigos meus para tomar cerveja aqui em casa.

Eu já sabia quem chamar porque eram os três que mais secavam ela e faziam comentários: Rodrigo, Marcos e Fernando. A ideia era beber e inventar algum jogo no qual ela fosse o prêmio, tudo começando como uma brincadeira, só para ver a cara de besta que eles falariam.

Daria certo porque realmente Vanessa é uma mulher linda. Não tem tanto peito e bunda como outras, mas tem aquela proporção perfeita da mulher “caseira” sem exageros. Faz academia aqui e ali o suficiente para manter o abdômen sem gordurinha. Com a bunda só um pouco mais volumosa que a média, ela consegue arrancar olhares sem nem se esforçar. Os cabelos castanhos, a pele clara e os olhos verdes ajudam também, mas eu sei que taram ela por causa do restante do corpo.

Foi numa manhã de sábado, como se não tivesse nada mais, que organizamos tudo. Os três chegaram e começamos a conversa besta, até que meia hora depois ela apareceu. Saiu do quarto só de camisa, sem nada por baixo, com a roupa quase sem cobrir a cintura, como se tivesse acabado de acordar e não soubesse que tinha mais gente em casa. Os três arregalaram os olhos ao poder desfrutar da visão das coxas brancas dela que nunca tinham visto antes.

Ela fingiu uma desculpa e eu brinquei dizendo para ir botar uma roupa. O Fernando cortou na hora e disse que a casa também era dela e ela podia ficar confortável como quisesse. Ela riu e disse que ia botar sim, e voltou para o quarto com um sorrisinho safado no rosto. Em pouco tempo, voltou com um short laranja super curto, que de novo deixava completamente expostas suas pernas lisas para todos verem, e mal fez diferença da roupa de antes.

-Pode ser o meio termo? – ela perguntou de brincadeira e disse que ia beber um pouco.

O que quer que estávamos conversando antes se perdeu porque os três não paravam de olhar para Vanessa como se eu não percebesse. Era cada olhar sem pudor, como se eles não acreditassem que isso era possível. Eu falei para ela não beber para ela não ficar “daquele jeito”, mas ela disse que ia beber só um pouquinho.

Não podia ficar só nisso, ela com certeza queria mais. Combinamos de que ela voltaria para o quarto se estivesse incomodada ou tivesse passado dos limites. Ela era a melhor atriz e até agora não demonstrava um pingo de desconforto. Foi então que eu fiz a proposta de um jogo de carta, só para matar o tempo. Ia ser no chão mesmo, sem nada de luxuoso ou diferente.

Como planejado, ela disse que não sabia jogar nenhum jogo e ia ficar de fora. Os caras pareceram tristes, mas ela ainda ia ficar por lá. A ideia era que a cada vez que eu perdesse, ela tivesse que fazer um “favor” para um dos três. Enquanto jogávamos ela continuaria bebendo também, para poder se fingir de bêbada e de atirada.

Na primeira rodada que perdi eu deixei, mas na quarta, eu falei que não tinha como continuar mais no jogo. “Vanessa, faz algo aí para compensar”, eu disse brincando e falei que era strip poker. Todo mundo riu e ela perguntou se era mesmo e que se fosse, ela ia se trocar. Os três não se contiveram e disseram que sim, que se ela quisesse podia ser. Ela disse que era “óbvio” que não ia tirar a roupa, mas que como boa anfitriã e ia dar um jeitinho.

Foi ao quarto e nós paramos de jogar, na expectativa. Quando sal, Vanessa estava vestindo um baby doll rosa que com certeza não cobria nem metade do seu corpo. A roupa acabava bem nos limites das coxas, e parecia não estar usando nada para cobri-las. Os braços descobertos também chamavam a atenção, e a alça fina nos ombros parecia tão folgada e frágil que podia soltar a qualquer momento.

O jogo mudou de ritmo quando ela apareceu assim. Perdi mais uma vez e falei que era a hora do Rodrigo dar uma ideia. Ele falou que queria que ela sentasse com ele para jogar. Não entendi se era isso mesmo, mas falei pra ela sentar no colo dele. Quebrei o gelo sem apresentações e queria ver até onde ela estava disposta a ir.

Me surpreendeu porque ela foi mesmo em direção a ele e disse pra ele afastar se ajeitar que ela ia sentar. Quando se abaixou, por meio segundo a bunda dela raspou no rosto do Rodrigo e eu pude ver a cara de felicidade dele. Ela sentou mesmo no colo, sem cerimônias, e ele botou os braços ao redor dela com as cartas. Ela ficou encolhida, apertada, e com certeza sendo pressionada contra o pau dele, mesmo que pode debaixo das roupas. Era certo que ele estava duro, e se não tivesse, ia ficar em poucos segundos.

A expressão de inveja dos outros dois era clara como neve. Eu me fingi de levemente incomodado e disse que os outros não podiam pedir a mesma coisa. Continuamos, e antes de eu perder, ela quem tomou a iniciativa e se levantou: “Agora é a sua vez, Fernando. Mas não pode ser sentar daquele jeito”, ela enfatizou nas últimas palavras. Ele não foi besta e falou que ela devia sentar nele, mas de frente, e com as costas para o centro do círculo. Era ousado e eu estava adorando o fato de eles se soltarem assim.

Ela sentou e ficou colada no peitoral dele, com os próprios seios pressionados contra ele. Era uma posição desconfortável, imagino, mas ela estava com as pernas dobradas e bem abertas, como se de joelhos na frente dele. Ela não parava de rir dizendo que era impossível jogar sim, e os outros riam também fingindo que não estavam se aproveitando para olhar suas costas nuas. A bebida continuava e eu esperava que isso significasse o aumento da putaria também.

Marcos estava doido para ser o próximo, mas eu queria algo diferente. Falei que não podia mais isso de sentar no colo, e quando chegou a vez dele, ele pensou e falou para ela: “Tu vai me dar essa próxima latinha de cerveja todinha, direto da sua boca”.

Imaginei a cena e olhei de relance para ela, para saber se ela estava afim de fazer o ato. Ela já parecia meio alterada, fora do roteiro, mas disposta a continuar a brincadeira. Será que daria certo mesmo continuar esse jogo?

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
uem
22/10/2018 00:02:39
quero muito participar destes jogos com sua safadinha
17/09/2018 11:25:08
Historia muito excitante, aguardando a continuação
17/09/2018 01:34:24
Muito excitante.