Casa dos Contos Eróticos

Nathalia gozando com a garrafa na boate liberal em BH

Um conto erótico de cesar
Categoria: Heterossexual
Data: 09/08/2018 23:06:25
Última revisão: 14/10/2018 22:29:43
Nota 10.00

Nathalia gozando com a garrafa na boate liberal em BH

Este conto é verídico e aconteceu em 2015. Alguns detalhes podem ter sido alterados para proteger a identidade dos envolvidosMeu e-mail para contato é cesarbdsm@gmail.com

Nathalia é uma bela mulher de 29 anos, 1,74m, cabelos lisos castanhos, olhos castanhos, pele bem branquinha, maravilhosos seios medios para grandes com silicone, e uma bunda deliciosa de tamanho perfeito.

Além de bonita, é uma mulher bem gostosa que chama atenção.

Nos conhecemos em março de 2015, nos encontravamos pouco, coisa de 2 ou 3 vezes por mês, sempre para sexo, que por sinal, combinamos muito neste sentido.

Ela é uma mulher que sabe do que gosta e como gosta. Não tem o menor pudor em falar como gosta, do que gosta e de direcionar o parceiro para o melhor prazer. É a puta perfeita que todos desejamos na cama, sua buceta é rosada e completamente lisinha.

Apesar de um pouco mandona, adora adjetivos como puta, vadia, vagabunda, cadela, etc. E nossas transas são sempre bem prazerosa para ambos.

Em um dos nosso primeiros encontros, quando falávamos de fantasias sexuais, eu respondi a ela uma pergunta sobre o que já havia feito de “não tradicional” citando, entre outras coisas, uma experiência de ménage (que já narrei aqui).

Nathalia se assustou um pouco com o assunto. E na próxima vez que saímos, ela perguntou de brincadeira se eu toparia arranjar mais um para come-la.

Respondi afirmativamente, mas expliquei que isso requer confiança extrema no parceiro e, principalmente, saber escolher bem o “terceiro elemento”.

Apesar de visivelmente mais “solta” na cama e cada vez mais puta e deliciosa, percebia que alguns temas mais “liberais” eram um pouco incômodos a ela, apesar de parecer ter esses desejos. O ménage e o exibicionismo eram um desses temas.

Não tocamos mais no assunto até que, na semana antes do feriado de 1o de maio, eu estava viajando e começamos a teclar no whatsapp sobre putarias. Então vi no site de uma boate liberal (ou casa de swing) daqui de BH que teria o “show de mascaras”. A ideia de todos mascarados me motivaram a comparecer e a convida-la.

A princípio ela fez várias perguntas. Porém, vimos que na verdade era um show de mascaras (com dançarinos mascarados) e não um dia em que os frequentadores estariam mascarados.

Naquele dia também, era a noite do ménage masculino, em que 5 homens solteiros entrariam na casa. A princípio, achei que isso a teria incomodado. Mas na verdade não. Inclusive ela brincou novamente com o assunto do ménage:

“eu mesma ia querer outro homem. Mulher nem pensar”.

Resolvemos então marcar nossa primeira visita àquela boate na sexta.

Na sexta a peguei em sua casa as 21:30. A casa abria as 22h, mas achamos que 22h não teria ninguém lá. Então resolvemos ir ate minha casa, que é caminho para a boate e curtir um pouco lá.

Nathalia estava deliciosa e maravilhosa. Sem duvida nenhuma seria a mulher mais bonita daquele lugar. Um vestido bem decotado preto com um tecido transparente entre os seios e bem aberto nas costas.

Chegamos em minha casa e na sala já começamos a nos beijar de forma deliciosa. Passava minha língua em sua boca, pescoço, orelha, e aos poucos fomos perdendo as roupas. Tirei seu vestido e vi uma calcinha azul toda enfiada na bunda e transparente. A coloquei sentada no sofá e comecei a chupa-la.

Apos chupa-la e sentir aquela buceta deliciosa da minha puta, lembrei que eu tinha uma surpresa para ela. Um vestido que comprei pela internet.

O vestido era rosa e preto, de manga longa, mas completamente transparente. (vejam ele neste link http://www.solostocks.com/img/leg-avenue-mini-vestido-de-red-a-rayas-con-tanga-a-juego-rojoz0.jpg).

Ela vestiu o vestido e ficou deliciosa, claro. E foi até o quarto para ver no espelho. Fui atrás e a joguei na cama lembrando o quanto estava uma puta deliciosa e voltei a chupa-la, agora já tirando sua calcinha.

Chupei até ela gozar em minha boca. Apos gozar, eu elogiei o quanto estava deliciosa e já colocando a camisinha, falei que ainda iria come-la na varanda com aquele vestido. (já tínhamos falado algumas vezes sobre transar na varanda do meu apartamento). Ela, sem pestanejar perguntou:

- “Quer agora?” E fomos para a varanda.

Moro no 3o andar de um prédio. A varanda tem um parapeito de madeira perfilada. Ou seja, tem visão total da rua e dos prédios em frente.

A encostei de costas no parapeito e voltei a beijar sua boca enquanto apertava sua bunda sem se preocupar com a janela aberta e com a luz acesa do prédio em frente.

Enquanto a beijava, minha mão percorria seu corpo naquele vestido transparente e me abaixei para chupa-la. Não só o seu beijo é delicioso, mas o gosto de sua buceta é viciante.

Ela tomou a iniciativa de apoiar uma das suas pernas na cadeira e guiar meu pau ate a entrada de sua buceta rosada, deliciosa e extremamente molhada.

Ela não enfiou meu pau na buceta. O passava em seu clitóris cada vez mais rápido até que gozou novamente. Nathalia já é linda, mas gozando fica com uma cara de vagabunda irresistível.

Logo após ela gozar, penetrou meu pau em sua buceta e fodemos um pouco nesta posição ate que a virei de frente para a rua, com as mãos apoiadas no parapeito e a bunda bem arrebitada.

Levantei aquele vestido transparente e meti gostoso naquela buceta enquanto dava alguns tapas deixando sua bunda, antes branquinha, bem vermelha e deliciosa para o restante daquela noite. Metemos assim ate que gozei gostoso na camisinha dentro de sua buceta.

O relógio já marcava 23:30 e resolvemos ir. A boate fica no bairro Castelo, em BH. Chegamos, passamos pelo segurança da porta e fizemos nosso cadastro e entramos em um grande salão onde tinha um palco, um bar, uma espécie de mezanino a meia altura, onde é a tal área vip e duas barras de pole dance.

A casa estava vazia, talvez pelo feriado, ou porque como era noite do ménage masculino, poucos casais realmente se interessam pela pratica.

Não achei nada demais nos frequentadores. Não vi nenhum casal, digamos “bonito” entre os que estavam no salão principal. Resolvemos ir conhecer a casa.

Ao sair daquele salão pela porta do outro lado, entramos numa área aberta com varias mesas e outro bar. Algo como um quintal grande coberto.

Ali tinha outros casais. Alguns bonitos, mas ainda assim, nenhuma mulher tão bonita quanto Nathalia. Entramos por uma das portas daquele quintal para conhecer os ambientes. Ali tinha vários quartos normais para transar de forma privada. Não era nosso interesse ir para uma boate liberal transar escondidos.

Na outra porta, uma sala de cinema totalmente vazia.

Na próxima, uma sala escura grande. Tambem vazia.

A ultima porta que fomos entrar tinha 3 homens sozinhos na porta. Logico quando passamos eles fizeram questão de olhar totalmente a minha puta.

Vestida, ela tem uma carinha de santa que a deixa mais irresistível ainda.

Entramos. Ali era o chamado labirinto. Um corredor com vários cubículos com buracos na parede (para toque de quem fica no corredor), e alguns cubículos sem buracos, mas com visor de vidro para exibicionistas.

Nenhum deles estava ocupado. Também tinha outra sala escura, vazia como as outas.

Como estava tudo muito parado, resolvemos pegar umas bebidas. Bebemos e conversamos, assistimos a um show. Eu reparava que vários homens olhavam a delicia da Nathalia e algumas mulheres também. Modéstia a parte, éramos o casal mais bonito e atraente dali.

Com a casa com mais público (mas ainda considerada vazia), resolvemos dar outra volta pelo labirinto. Chegamos na sala escura e novamente vazia. Então a puxei para dentro, a encostei na parede e comecei a beija-la e passar a mão por seu corpo levantando seu vestido.

Em pouquíssimo tempo um casal parou muito perto ao nosso lado e ficou observando. Talvez aguardando um sinal para um swing. Mas continuamos do mesmo jeito. Uma pena que seu vestido era muito justo na parte de cima e de mangas, o que impossibilitava abaixar essa parte para exibir seus peitos maravilhosos.

E apos inaugurarmos a putaria ali, mais casais entravam na sala e começavam a se pegar nos cantos daquela sala, que por ser pequena, acabavam ficando todos próximos.

Nos acomodamos em um dos cantos da sala e eu ja afastei sua calcinha e percebi sua buceta completamente encharcada. Era o sinal que eu queria. Nesse momento eu passava meus dedos em sua buceta e ela ja tinha tirado meu pau completamente duro da calça.

Coloquei sua perna esquerda sobre um puff e abaixei para chupar um pouco sua buceta (ja disse que o gosto é delicioso).

Com pouco tempo chupando ela me puxa para cima, mais uma vez direciona meu pau para sua buceta e começa a passa-lo em seu clitóris. Não demorou muito e ela gozou deliciosamente naquele ambiente publico. O ambiente de erotismo e sexo era inebriante. Apos ela gozar e se recompor, eu me encostei na parede e ela abaixou e iniciou um boquete delicioso.

Como aquela puta sabe chupar bem. Deveria dar curso de como fazer o boquete perfeito. (ja falei isso para ela)

Eu não queria gozar naquela hora, então pedi para ela parar e voltarmos ao salão grande. Porem, antes de voltarmos, tirei sua calcinha. Afinal, ela não precisaria de calcinha ali. Eu queria sua buceta totalmente disponível.

Voltamos ao salão de entrada, especificamente no mezanino de meia altura que era a tal área vip.

Ficamos sentados ali vendo os casais que estavam naquela sala, um a um saírem do labirinto e assistimos o resto do show, que era um sertanejo universitário.

Terminando a música, começou alguns shows de strip masculino. Dois homens fizeram cada um seu show. Neste momento Nathalia bebia uma Smirnoff ice de garrafa long neck.

O performer, que se chamava Marcelo (eu acho) chegou a pegar uma mulher da plateia e a fodeu sobre o palco. Foi uma delicia. E acho que Nathalia também se excitou muito com isso, tanto que continuava muito molhada. Logico que entre um beijo e outro, eu levantava seu vestido e a tocava.

Percebi que sua ice estava para terminar. Perguntei se queria outra. Ela disse que depois. A área VIP era como se fosse uma varanda ao lado deste grande salão, mas um pouco mais elevado (coisa de 1m talvez. 5 degraus). Ali tinha um parapeito de inox e vários sofás. Somente nos estávamos ali naquele momento. Mas acho que se tivesse mais pessoas o enredo não seria diferente.

Estávamos focados no show e conversando sobre a gozada dela no labirinto, então ela fez uma coisa que me surpreendeu. Percebi que apos o ultimo gole da Ice, ela começou a abaixar a garrafa cada vez mais. Eu já não olhava para o palco, somente para ela, enquanto beijava seu pescoço, orelha e ombros e passava a mão em suas pernas e buceta.

Eu tive a impressão que ela iria levar a garrafa ate a buceta, mas desacreditava por achar que aquilo seria somente mais uma depravação minha.

Mas não é que aquela puta realmente o fez!? Lembro perfeitamente de ela colocar a garrafa entre as pernas, de forma muito devagar, puxando o vestido para cima, abrindo suas pernas e direcionando a boca da garrafa ate seu clitóris.

Eu não acreditava que Nathalia era tão depravada quanto eu. A cena era maravilhosa e completamente inacreditável, considerando aquela mulher com rosto de menina santinha iniciando sua transformação em uma cadela insaciável.

Ela passava a garrafa no clitóris fechando seus olhos enquanto eu passava a mão em seu corpo e pescoço. Nem tive como beija-la porque não queria perder qualquer parte daquele show que ela dava junto a garrafa.

Algum tempo depois ela gozou deliciosamente naquela garrafa. Nem sei se mais alguém reparou. Afinal, não tirava os olhos daquela minha vadia e sua garrafa.

Seu gozo foi maravilhoso e ela adorou a situação. Nem preciso dizer que acho que adorei mais ainda.

Pegamos mais uma bebida e fomos dar outra volta no labirinto. La entramos em uma cabine e começamos a nos beijar e trocar caricias. Não tinha muita graça ali, então resolvemos ver se a sala escura estaria cheia.

Fomos ate a outra sala, que estava vazia e com base na 1a experiência, ela disse “Vamos encher essa também”.

Não foi diferente. Começamos a nos beijar e eu levantava seu vestido ate seus peitos deliciosos aparecerem para eu chupar, então a fiz sentar em um sofá e a coloquei para chupar.

Ela chupava com muita vontade, então entra um homem e começa a bater uma punheta próximo de nos.

Apos algum tempo de ele batendo, ele tentou toca-la. Eu o repreendi, dizendo que era só para ver. Me arrependi de ter feito isso, ate porque, talvez ela quisesse ser tocada por outro enquanto chupava, mas enfim. Acho que tive um pouco de ciúme possessivo daquela puta.

A cada vez entrava mais pessoas. Outros casais ja se pegavam naquela sala. Realmente, Nathalia fazia as salas encherem de putaria.

Em pouco tempo com aquele boquete e toda excitação da noite eu gozei em sua boca.

Ja passava um pouco das 3 da manha e resolvemos ir embora.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/08/2018 00:56:51
Nossa eu tive que bater uma siririca aqui, gozei muito lendo o conto.. Pq morro de vontade de da pra dois homens e de ir em uma casa de Swing.. Eu sou do tipo da Natália, bem safada e gosto de muitas putarias.. Delícia nora 10
10/08/2018 00:54:44
Excelente