Casa dos Contos Eróticos

MEU SOGRO TARADO FOI MEU SEGUNDO MACHO!

Um conto erótico de vanessinha-pst
Categoria: Grupal
Data: 29/07/2018 11:38:53
Última revisão: 25/09/2018 10:39:04
Nota 9.84

Meu nome é Carol e vou revelar para os leitores e leitoras desse site minha louca aventura sexual.

Até meus 17 anos tive uma vida completamente sem graça por causa da repressão de meus pais que são evangélicos bem radicais.

Nunca pude usar uma roupa que valorizasse meu corpo cheio de curvas.

Tenho 1.70m, morena de cabelos pretos bem compridos como quase toda moça evangélica, coxas grossas, bunda bem arrebitada, seios bem grandes e além disso sempre tive um tesão doido no meio das pernas, minha bucetinha peluda vivia constantemente úmida e desde a adolescência mesmo sem entender quase nada de sacanagem descobri que meus dedinhos espertos me proporcionavam prazeres incríveis e maravilhosos quando ia dormir e após trancar bem a porta pra não ser surpreendida pelos meus pais me acabava bolinando meu grelo inchadinho até gozar um monte de vezes, se pudesse ficava a noite inteira siriricando minha rachinha virgem quente com o fogo do inferno.

Era isso que meus pais comentavam sobre as moças que viviam mostrando o “rabo” pelas ruas com seus shorts e minissaias curtinhas, eles diziam de boca cheia que todas elas iriam arder no fogo do inferno e logo descobri que eu iria adorar arder nesse “fogo” que me dava tanto prazer.

Eu tinha pouca liberdade quando não estava no colégio e só aconteceu uma grande mudança quando fiz amizade com uma garota bem putinha da sala de aula vizinha e rapidamente acabei descobrindo que existia muito mais sacanagens do que podia imaginar.

Vera era o nome dessa nova amiga e a safadinha logo me revelou que apesar de ainda virgem na buceta já tinha chupado pau e dado o cuzinho para vários rapazes e quando falei pra ela que nem imaginava como era fazer isso a safadinha me perguntou se já tinha assistido algum filme pornô e comentei que sobre sexo a única coisa que havia feito até aquela dia era me masturbar todas as noites antes de dormir e ela então disse que assim que pudesse me levaria até sua casa pra me mostrar a enorme coleção de filmes pornôs que ela e o irmão possuíam e topei no ato.

Passados alguns dias apos minha conversa com Vera a safadinha disse que sua mãe e nem seu irmão estariam em sua casa e me propôs matarmos as duas ultimas aulas para que fossemos assistir filmes pornôs e rapidinho aceitei o convite.

Quando apareceram as primeiras cenas do filme fiquei chocada com o tamanho dos pintos entrando e saindo das bucetas e dos cuzinhos das atrizes, mas logo minha bucetinha peluda deu sinal de vida e não demorou nem dois minutos para minha calcinha umedecer e Vera toda safada já foi tirando seu uniforme da escola e ali na sala do meu lado começou a siriricar sua bucetinha toda depilada, claro que rapidinho fiz o mesmo e em poucos minutos gozavamos deliciosamente no sofá da sala nos masturbando uma ao lado da outra.

Em uma hora e pouco que durou o filme gozei que nem uma cadela no cio, os bicos dos meus seios estavam doloridos de tanto que os apertei com uma das mãos, meu grelinho ficou tão inchado que até se mostrou vermelho entre os pelos da minha bucetinha encharcada, parecia que tinha feito xixi. Vera tinha um corpo e um rosto muito bonito e era completamente tarada e comentou que estava louquinha de vontade perder o cabaço da buceta e que não ia demorar pra que isso acontecesse e quando toda curiosa perguntei sobre os carinhas que ela já tinha ficado, se eles foram legais, se os pintos deles eram grandes iguais dos filmes pornôs ela deu uma gargalhada dizendo que todos que ela pegou eram pequenos comparado aos dos filmes e o único um pouco maior e mais grossinho era do seu próprio irmão e claro que quis saber se eles tinham bastante intimidade e se contavam um para o outro as sacanagens que faziam ela deu um sorrisinho bem sacana dizendo:

-Carol, pra você eu vou contar, confio que não vai comentar com ninguém meu segredo! Na verdade, eu é que tirei a virgindade do meu irmão, apesar dele ser dois anos mais velho Beto sempre foi muito tímido e só vivia nas punhetas, nunca havia beijado nenhuma garota e foi então que o ano passado quando minha mãe foi viajar e ficamos sozinhos uma semana, estava meio friozinho e ficamos assistindo filmes pornôs na sala cobertos por uma manta e após ter gozado um monte de vezes adormeci e fui acordada pelo meu irmãozinho tarado de conchinha comigo com seu pinto durinho todo babado cutucando meu cuzinho, apesar de achar que era pecado transar com irmão resolvi acabar com a virgindade do taradinho e deixei ele comer meu cuzinho, o safadinho apesar de inexperiente sabia como foder gostoso e gozei que nem doida no seu pinto grossinho, depois da primeira vez ai já viu, viciei em ser enrabada pelo taradinho e então ensinei ele a lamber minha buceta do jeito que adoro e também passei a chupar o pinto dele. Meu irmão depois que perdeu a timidez ficou bem esperto e safadinho já comeu algumas amigas putinhas, só não deixei ele tirar o cabaço da minha buceta porque o meu primeiro caralho me arrombando quero bem grande e grossão, não quero nem saber se vai doer muito, sempre tive essa fantasia louca na minha cabeça e vou realizá-la do jeito que sonhei!

-Vera sua tarada maluca... pode ficar tranquila que nunca irei falar nada pra ninguém sobre suas loucuras sexuais. Foi e esta sendo muito bom ter feito amizade com você, tô podendo abrir minha cabeça e assim que puder também quero experimentar tudo e mais um pouquinho, nossa... também sinto um tesão louco, quanto mais eu gozo com meus dedinhos mais quero gozar, até achava que eu era muito taradinha, mas acho que você também é uma putinha perva sem um pingo de juízo!

Sempre que surgia uma chance eu ia pra casa da minha amiga e gozavamos gostoso nos masturbando no sofá em frente da TV até que uma bela tarde durante um filme onde rolava sexo grupal Vera toda sacana disse:

-Carol, tô cansada de brincar sozinha... vamos experimentar brincar nos duas juntas, com certeza vai ser bem mais gostoso, topas?

Na hora fiquei sem saber o que deveria falar e respondi gaguejando:

-Brincar como Vera... eu não sei... nunca fiz nada... você que sabe disso amiga!

Vera toda safada chegou bem pertinho de mim e logo senti sua mão quente pegando nos meus seios e sussurrou no meu ouvido:

-Não precisa se preocupar... deixa que eu faço tudo... relaxa que você vai adorar gozar comigo!

Em segundos rolou um beijo cheio de tesão, nossas línguas se enroscaram e quando me dei conta Vera estava de joelhos no tapete entre minhas coxas e ela toda safada abriu minhas pernas e sua boca quente colou na minha buceta peluda e quando senti seus lábios sedentos sugando meu grelinho inchado pensei que ia ter um treco, comecei a tremer que nem vara verde e após algumas lambidas e sugadas gozei gritando de tanto prazer, acho que cheguei a fazer xixi na boca da minha amiga que não dava tréguas e continuava a sugar e chupar com uma volúpia incontida meu grelo todo inchado, perdi a conta de quantos orgasmos tive na boca daquela putinha tarada, ela sabia como dar prazer a outra mulher e depois de me deixar molinha de tanto gozar ela subiu no sofá, um pé de cada lado do meu corpo e me pegando pelos cabelos foi encostando sua bucetinha lisinha bem pertinho da minha boca e sussurrou cheia de tesão:

-Sua vez cadelinha gostosa... faça o que fiz em você na minha bucetinha tesuda... quero gozar nessa tua boquinha virgem... chupa e lambe meu grelo bem gostoso... chupa gostoso sua crentinha safada... faz tempo que sou afim de você sua putinha linda!

Nem pensei em não retribuir o prazer que aquela pervertida tinha me proporcionado e fiz o que ela pedia e a putinha rebolava que nem uma louca no meu rosto segurando minha cabeça forçando sua bucetinha na minha cara quase não me deixando respirar e após alguns minutos a tarada gozou copiosamente molhando meu rosto e minha língua, seus gemidos eram escandalosos e depois daquele gozo ela se sentou do meu lado e toda sacana disse:

-Você deve ser a crentinha mais tarada da cidade... pra quem nunca fez nada... já pode até dar aula... Carol... tua boca é uma delicia! Fazia um bom tempo que não gozava tão gostoso assim... nossa... se você tivesse um pauzão no lugar da buceta ia pedir pra você tirar meu cabaço agora!

Depois da primeira sacangem entre nos duas a coisa pegou fogo de vez, que delicia era gozar na boca daquela putinha pervertida, quando a safada passou a enfiar dois dedos no meu cuzinho enquanto sugava forte meu grelo tesudo tudo ficou muito mais gostoso e não demorou pra que eu percebesse que meu grelo até cresceu de tamanho de tanto ser chupado pela minha amiga tarada.

Vera vivia querendo me depilar todinha, dizia que minha bucetinha ia ficar mais linda e mais sexy com meu grelo vermelhinho sempre inchado, mas isso não era possível porque ficava com medo que minha mãe me visse sem nenhum pelinho na buceta e iria querer saber o porque e não teria como explicar isso, mas para diminuir o tamanho da “mata virgem” minha amiga deu uma bela aparada com a tesoura deixando meus pelos bem baixinhos.

Pelo menos uma vez por semana eu e Vera passávamos as tardes assistindo filmes pornôs e uma chupando a buceta da outra gozando gostoso e foi então que um acontecimento totalmente inesperado para mim iria provocar uma mudança bem sacana.

Estavamos no tapete felpudo da sala num 69 perfeito, eu por cima lambendo sua bucetinha lisinha e ela chupando forte meu grelo com seus dedinhos sacanas socados no meu cuzinho quando senti algo diferente, mas nem me preocupei e continuei gemendo e rebolando na boca da putinha tarada até que percebi que não tinha mais os dedinhos mágicos da safada e sim algo bem duro e todo melecado na portinha do meu cuzinho virgem, porém quando fui me ligar com o que estava acontecendo não teve jeito de escapar.

Atras de mim de joelhos estava o irmão da Vera e o taradinho sem pedir licença meteu seu pau de uma vez no meu cuzinho tesudo indo até o talo, gritei de dor, mas ele não tava nem ai e me segurando firme pelos quadris passou a me enrabar sem dó, minha amiga Vera safada tinha combinado com o irmão pra tirar o cabaço do meu cu e a putinha enquanto o irmão socava com força a tarada continuou com sua boca e língua esperta chupando meu grelo inchado, a dor de levar um pau no cu não demorou quase nada pra passar e mais rápido ainda passei a rebolar naquele pau quente e tesudo fodendo meu cuzinho sem um pingo de dó, meu primeiro gozo pelo cu foi tão intenso que pensei que ia desmaiar e o tesão tomou conta do meu corpo e toda tesuda passei a gemer e pedir pra continuar fodendo meu rabo e o safadinho gostoso logo deu um gritinho e encheu meu cuzinho arrombado de porra quentinha me fazendo ter mais um orgasmo maravilhoso.

Depois de um belo banho a três voltamos pra sala e Beto colocou eu e a irmã de 4 no sofá e fodeu nossos cuzinhos até quando quis.

Se antes disso já era bom depois que passei a ser enrabada e gozar pelo cu toda semana descobri que o prazer era algo incrível e inesgotável.

Chupar pau também era tudo de bom principalmente depois do irmão tarado da minha amiga gozar na minha boquinha gulosa, Vera até gostava de chupar, mas a safadinha não curtia que gozassem na boca dela e adorei engolir toda a porra que Beto ejaculava de montão.

Aquela putaria rolou durante alguns meses até que completei 18 anos e fiquei sabendo que o supermercado perto de casa estava sendo ampliado e estavam contratando novas funcionarias e resolvi ir até la ver se conseguia uma vaga e para minha felicidade a supervisora que fazia as entrevistas gostou de mim e disse que seria contratada e se passasse pelo período de experiência e fosse aprovada seria efetivada.

Adorei poder trabalhar e ganhar meu próprio dinheiro e poder ter um pouco mais de liberdade, só que as “brincadeiras” sexuais com a Vera e seu irmão taradinho diminuíram bastante por causa da falta de tempo e o tesão aumentou ainda mais com a falta de pau no meu cuzinho e da boca da minha amiga putinha chupando minha bucetinha virgem e isso fez com que minhas sessões de masturbações antes de dormir se tornassem ainda mais prolongadas, era a única forma de acalmar um pouquinho os desejos do meu corpinho doido por safadezas.

Após alguns meses de ter começado a trabalhar a supervisora do mercado me chamou num canto durante uma tarde com pouco movimento e comentou que tinha um vendedor atacadista que estava super interessado em mim e me passou a ficha completa do meu pretendente dizendo que apesar dele ter apenas 24 anos já era muito bem de vida com carro de luxo, apartamento próprio e que também ganhava muito bem.

Claro que me interessei em saber quem era o meu “pretendente” e quando ela me contou quem era o cara fiquei ainda mais interessada, ele se chamava Pedro e era um tremendo gatão loiro, 1.73m, corpo com tudo em cima e com um lindo sorriso no rosto.

Apesar de ter ficado toda interessada quando na semana seguinte ele voltou ao mercado e me convidou pra almoçar na lanchonete perto dali resolvi ser bem franca com ele dizendo que eu não era moça só pra “ficar”, fiz questão de frisar que era totalmente virgem e que também nunca tive namorado e Pedro sorrindo disse que ele queria uma moça assim como eu era, a minha supervisora já havia comentado com ele que eu era de família evangélica muito “direita” criada com bastante rigidez pela minha familia.

Pedro morava na cidade vizinha distante 45km e passou a vir me visitar na hora do almoço em dias alternados e ficávamos batendo longos papos no restaurante até dar hora de voltar no meu turno e logo percebi que ele estava bastante encantado comigo e era louco pra gente sair durante a noite em um final de semana, mas passei a “cozinhá-lo” em fogo brando pra me valorizar ainda mais, minha supervisora já tinha se casado duas vezes e toda safada dizia que era pra mim dar uma de “moça bem difícil” que iria deixar Pedro muito mais interessado.

Durante nossos almoços trocamos alguns beijinhos rápidos sem muita pegação e depois de um mês e pouco naquele “chove não molha” decidi propor que Pedro fosse em minha casa me pedir em namoro para meus pais para que pudéssemos sair nos fins de semana e ele topou rapidinho.

Pedro como um bom vendedor era bom de conversa e meus pais ficaram encantados com ele e autorizaram o nosso namoro e ai juntou a fome com vontade de comer e todos os finais de semanas eu e Pedro passávamos juntinhos e devagarzinho fui liberando carinhos e uma pegação mais ousada, meu tesão vivia a mil porque depois que passei a namorar as “brincadeiras sexuais” com minha amiga Vera e seu irmão Beto cessaram de vez me deixando louca de vontade gozar gostoso e quando meu namorado também todo taradinho me convidou a conhecer seu apartamento eu já sabia que ia rolar safadeza das grandes e foi o que aconteceu.

Meu tesão era tanto que quando meu namorado enfiou seu rosto no meio das minhas pernas e começou a lamber minha bucetinha peluda virgem tive um gozo tão rápido e tão intenso que achei que ia desmaiar de tanto que meu corpo tremulou de prazer.

Pedro tinha um corpo perfeito, mas de cara percebi que seu pau era menor que do irmão da minha amiga Vera, mas isso não importava naquele momento e passamos a tarde inteira de sábado no seu apartamento e só não dei o cuzinho pro taradinho pra que ele não achasse que eu era uma garota muito fácil, mas como ele havia me feito gozar gostoso com sua boca e língua também fiz o mesmo com o safadinho e ele quase se matou de gozar deliciosamente na minha boquinha sedenta, tive que me controlar pra não demonstrar que já tinha feito isso varias vezes com o irmão da minha amiga pervertida.

Depois da primeira vez era só ter uma folguinha que íamos para o apartamento do Pedro e o bicho pegava, não consegui manter a linha de menina pura muito tempo e logo liberei a bundinha pro safadinho que dava duas gozadas sem tirar de dentro, gostava demais de me enrabar e me elogiava dizendo que eu tinha um cuzinho super apertadinho.

Pedro de vez em quando me colocava de pernas arreganhadas na cama e ficava passando a língua na minha bucetinha virgem peluda dizendo que era louco de vontade de tirar meu cabacinho e eu toda safadinha dizia que isso só ia acontecer quando nos casassemos e ele dizia que estava pensando seriamente nisso.

Demorou bem menos do que imaginei, porque após 6 meses de namoro Pedro me pediu em casamento e claro que topei no ato e rapidinho demos entrada nos papeis e logo a cerimonia foi celebrada em uma bela festa com tudo que tinha direito em uma linda chácara de eventos.

Apenas na vespera do casamento é que conheci meu sogro e minha sogra que se mostraram um casal jovem bem alegres e muito divertidos, só que deu pra notar que Pedro não parecia ter muita intimidade com o pai sendo bem formal, porém com a mãe era todo alegre e sorridente.

Pedro respeitou minha virgindade até na noite de núpcias e eu estava tão taradinha para sentir um pau dentro da minha bucetinha virgem totalmente depilada que quase nem senti dor quando meu cabaço foi rompido, saiu um pouco de sangue, mas nada demais, foi delicioso sentir a porra fervente do meu maridinho lindo inundando minha bucetinha arrombada e depois de transarmos deliciosamente fomos dormir para pegar o avião no outro dia para o nordeste onde iriamos ficar durante uma semana.

A viagem foi tranquila e assim que chegamos ao hotel a sacanagem rolou gostoso, meu maridinho taradinho comeu e lambeu minha bucetinha desvirginada até se fartar e depois de um banho revigorante fomos almoçar e logo após resolvemos dar um passeio pelo calçadão das praia e quando passamos em frente a uma loja de roupas de praia comentei que precisavamos comprar sungas e biquínis porque não tínhamos trazido nenhuma peça desse tipo e assim que entramos a vendedora veio nos atender pedi a ela que nos desse dicas sobre o que deveríamos usar e ela então comentou que iria deixar eu e meu lindo marido ainda mais bonitos do que já eramos, a vendedora era bem esperta e sabia como cativar os clientes. A vendedora trouxe alguns biquínis e sungas para nos e nos conduziu aos provadores e assim que coloquei a primeira peça no meu corpo vi que ela pegou os biquínis mais pequenos da loja, mal cobria minha bucetinha descabaçada, ainda bem que eu tinha feito depilação zero senão ia ficar um monte de pelinhos pra fora e foi então que tive a primeira supresa “boa” do meu lindo marido quando ao abrir a cortina do provador e perguntar a ele se não achava que o biquíni tinha ficado pequeno demais e sorrindo ele disse que tinha ficado lindo e perfeito no meu corpo e era pra comprar todos daquele tamanho ou menor ainda e claro que fiz o que meu maridinho tinha mandado.

A vendedora bem safada sorriu dizendo que se tivesse um corpo tão lindo quanto o meu iria andar pelada na rua o dia inteiro e rapidinho fizemos nossas compras e antes de voltarmos ao hotel paramos em uma sorveteria para dar uma bela refrescada naquele calor infernal.

Enquanto chupavamos sorvete resolvi tocar no assunto sobre o tamanho diminuto dos biquínis e Pedro então disse sorrindo:

-Carol querida... eu sei que você não gostava de usar as roupas que teus pais obrigavam você a usar...agora que está casada comigo quero que aposente de vez todas aquelas roupas horriveis de crente, você é uma tremenda gata e quero te ver toda sexy e sensual, quero que meus amigos e amigas admirem que estou casado com a mulher mais linda e gostosa da cidade.

Após meu lindo maridinho safado demonstrar que queria uma esposa bem “periguete” ai juntou a fome com vontade de comer e minhas roupas passaram a ser extremamente curtinhas e coladas ao corpo, minha calcinhas então eram fio-dentais daquelas de apenas uma tirinha atrás, sandálias então tinham salto bem altos pra valorizar ainda mais meu bumbum empinado e o safadinho adorava desfilar comigo toda sexy nos barzinhos, boates e nas festas de amigos que eramos convidados.

Não demorou pra que descobrisse outro fetiche do meu lindo maridinho safado, após nosso casamento passamos a morar no apartamento dele e nosso quarto apesar de ter cortina blackout logo notei que quando ele se levantava pra tomar banho para ir trabalhar o safadinho deixava a cortina entreaberta e logo percebi que ao lado do nosso prédio estava sendo reformado um apartamento e havia pedreiros tabalhando no local e como eu dormia completamente nua os trabalhadores estavam se deliciando com meu corpinho lindo.

Quando toquei no assunto com meu maridinho ele sorrindo sacana disse que não tinha problemas nenhum, os pedreiros só podiam olhar, não tinha como pularem de um prédio pra outro e me agarrarem na nossa cama.

Se o meu maridinho safado não se importava que vissem sua esposa peladinha na cama passei a facilitar ainda mais e a cortina passou a ficar totalmente aberta e depois do banho ficava andando pelo quarto me enxugando bem devagar me exibindo para aqueles homens rudes que ficavam tarados admirando meu corpo e bem ousados tiravam os paus pra fora das calças mostrando a macheza deles e aquilo me deixava muito taradinha, eles eram muito bem dotados e eu toda putinha me deitava na cama com as pernas arreganhadas e me masturbava pra eles gozando que nem uma louca. Quando Pedro chegava em casa a noite após o trabalho eu contava pra ele sobre os pedreiros e ele ficava mais taradão e a gente transava bem gostoso e o safado dizia que tinha se casado com a putinha virgem mais taradinha do planeta.

Já que meu marido safado adorava exibir sua esposa pra outros machos quando um dia de manhã acordei completamente tarada falei pro meu maridinho que queria que ele comesse meu cuzinho para os pedreiros assistirem e o safadinho tentou sair fora comentando que tinha vergonha de ficar pelado diante de outros homens porque seu pau era pequeno e então que dei uma dura no safado dizendo que se ele não fizesse o que eu queria iria ficar muito magoada e não iria mais realizar seus fetiches e ele rapidinho topou fazer a safadeza que eu desejava... nossa... foi uma loucura... mamei no pau do meu marido e os pedreiros bem dotados que tinham visão bem privilegiada de nossa cama se deliciaram com a putaria, eu rebolava que nem uma louca sendo enrabada e os pedreiros gozaram um monte batendo punheta e assistindo meu maridinho tarado enrabando meu cuzinho apertadinho.

Depois da primeira sessão pornô para os pedreiros do prédio do lado a safadeza passou a ficar mais excitante e meu maridinho pervertido também perdeu totalmente a vergonha de mostrar seu pau pequeno e quase todas as manhãs rolava uma sessão de sexo totalmente explicito para os pedreiros bem-dotados.

Uma pena que a reforma do apartamento do lado não demorou muito e com isso nossas manhãs de putaria bem sacana deixaram de acontecer.

Só que a putaria logou voltou a fazer parte de minha vida e foi meu maridinho safado que sem querer me proporcionou isso.

Pedro comentou comigo que no começo da semana seguinte teria que participar de uma reunião importante na capital representando a empresa que trabalhava e iria ficar fora 3 dias e sugeriu que eu aproveitasse esse tempo que ele estaria viajando para visitar meus pais e resolvi aceitar a ideia, mas a minha mente safada logo pensou em unir o útil ao agradável e decidi ligar para a minha amiga de safadeza Vera e a putinha ficou toda contente com minha ligação e quando falei que estava pensando em visitá-la a safadinha ficou toda assanhada e comentou que estava doida de saudades de nossas tardes de sacanagem total e também comentou que já não era mais cabaço na buceta e quando a gente se encontrasse ela me contaria em detalhes como tudo tinha acontecido.

Meu maridinho viajou e eu também fiz o mesmo indo pra casa de meus pais, como era pertinho rapidinho cheguei la e depois de conversar um pouco com minha mãe dei a desculpa que iria visitar as amigas do supermercado que trabalhei e sai direto pra casa da minha amiga Vera.

Quanto toquei a campainha ela atendeu e nos abraçamos felizes e assim que entramos pra dentro de casa rapidinho nossas bocas ávidas se colaram em um beijo daqueles de tirar o folego, não demorou pra ficarmos nuas e bastaram meia dúzia de linguadas em nossas bucetinhas tesudas pra gozarmos copiosamente, que boca deliciosa tinha aquela putinha tarada, me fazia gozar mais gostoso do que meu maridinho.

Apos um banho refrescante foi a hora de colocamos as fofocas em dia e logo perguntei sobre quem tinha tirado seu cabaço da buceta e primcipalmente se o cara tinha um pauzão bem grande como ela desejava e depois de nos sentarmos peladinhas no sofá da sala ela disse:

-Carol... sim... o cara tinha uma rola grossona daquelas que quase nem cabe na buceta...entra rasgando... só que foi bem sinistro como aconteceu... foi assim: Você sabe que eu gosto de meninos... mas também gosto muito de meninas e um mês depois que você se casou e foi embora daqui, se mudou para essa rua quase em frente de casa a Beatriz... uma garota loirinha muito linda... logo fiz amizade com ela apesar de totalmente virgem levava jeito de ser bem taradinha, até me lembrava você quando a gente se conheceu, ela se mostrava bastante curiosa sobre sexo e claro que trouxe a safadinha aqui pra casa pra assistir uns filmes pornôs pra aprender sacanagem. Beatriz já estava mais que pronta pra safadeza porque quando agarrei a putinha e dei um beijo na boca dela a safadinha se abriu toda e topou tudo... chupou minha buceta com uma vontade louca... resumindo a putinha queria sexo comigo todos os dias... como sempre coloquei meu irmão Beto na nossa “festinha”, ele tirou o cabaço do cu dela e só não tirou o cabaço da buceta porque a putinha loira comentava que o pai dela era um cara muito bravo e violento e achei melhor não ter problemas, ainda mais a gente morando praticamente de frente pro outro. O pai da Beatriz, Carlos, era divorciado e trabalhava de segurança em carros de transporte de valores e era um sujeito grandão bem forte e realmente tinha um semblante fechado sem sorrisos no rosto. Eu, a putinha virgem loira e meu irmão praticamente todos os dias transavamos gostoso, quando minha mãe estava em casa a gente ia para a casa dela, o pai saia cedo para trabalhar e só voltava a tardezinha, só que depois de algumas semanas aconteceu uma loucura totalmente inesperada. Estavamos eu e Beatriz no quarto da casa dela num 69 delicioso quando seu pai entrou no quarto dando o maior esporro em nos duas, ele fechou a porta com a chave e quando tentei argumentar alguma coisa tomei um tapa na cara que fiquei até zonza, Beatriz começou a choramingar na cama e logo em seguida o pai da loirinha virgem tirou a roupa ficando peladão também e disse que ia mostrar pra nos o que as putas precisam pra gozar gostoso, mais uma vez tentei falar algo e tomei mais um tapão na cara e foi então que vi que o pai da minha amiga loirinha era um cavalo, ele tinha uma rola enorme e grossona, o dobro do tamanho do meu irmãozinho e ele todo macho me pegou pelo braço me colocando de 4 na beira da cama e quando pensei em falar qualquer coisa senti a cabeça enorme do pauzão dele bem no meio da minha rachinha virgem e em segundos ele deu uma fincada forte e quando soltei um grito de dor ela já estava atolada na minha buceta arrombada até o talo, ele todo macho me deu uns tapas fortes na bunda e disse que era pra eu rebolar bem gostoso senão ia apanhar de verdade, apesar de todo medo do que estava acontecendo foi incrível perceber que comecei a sentir um tesão louco e quando me dei conta eu rebolava naquele pauzão enorme socando forte na minha buceta tesuda, o sangue do meu cabaço pingava na cama, mas ele não tava nem ai e me fodeu inteirinha, meu cuzinho também levou rola grossa e gozei pelo cu, depois disso ele me largou e pegou a filha loirinha e fez com ela o que tinha feito comigo, arrombou o cabaço da putinha sem dó dizendo que ela tinha que aprender a gostar de macho, a coisa foi tão louca que nem me surpreendi quando a putinha loira começou a gemer de prazer sussurrando: Aiii papai... fode a sua filhinha safada... ahhhh... que delicia... eu era louca pra sentir esse pauzão gostoso dentro de mim... quando você era casado com a mamãe eu assistia vocês dois metendo e me imaginava no lugar dela... me come inteirinha seu tarado safado gostoso! Aquela loucura continuou até quando o pai taradão da Beatriz quis, fomos arrombadas na buceta e no cu e gozamos que nem loucas! Nem preciso dizer que depois da primeira vez o taradão passou a comer nos duas juntas quase todos os dias... que delicia aquele pauzão enorme pentrando na minha buceta e no meu cuzinho. A loirinha era louca pelo pauzão do pai e gozava como uma cadela no cio. Uma pena que Beatriz e o pai se mudaram de cidade a pouco mais de um mês, tenho certeza que minha amiga Carol iria adorar conhece-los e se divertir com os pervertidos.

Fiquei de queixo caído com aquela historia maluca e minha bucetinha encharcou todinha só de imaginar aquela putaria incestuosa acontecendo e toda putinha disse:

-Ahhh Vera... sua louca... com certeza eu ia adorar participar dessa sacanagem... só de ouvir você contando to toda molhadinha... doida pra gozar... me pega de novo putinha... faz eu gozar gostoso com essa boca deliciosa... cadê o Beto seu irmãozinho tarado... ele podia estar junto com a gente... eu adorava dar o cuzinho pra ele... o safadinho sabia como comer gostoso um cuzinho!

Vera toda safada beijou minha boca e seus dedos espertos penetraram minha bucetinha tesuda e rapidinho gozei novamente gemendo alto.

Logo em seguida Vera sorrindo sacana disse:

-É... realmente meu irmãozinho tarado é viciado em cuzinho... mas essa semana ele ta participando dos jogos abertos do interior... ele é goleiro da equipe de futebol de salão... ele iria adorar te rever também... o safadinho sempre comenta que teu cuzinho era uma delicia... só que também aconteceu outra coisa muito louca com o pai tarado da putinha loirinha que vou te contar, eu prometi que não iria falar sobre isso com ninguém... mas... pra você eu posso contar porque você não ira comentar com ninguém!

-Hummm... tenho certeza que vou adorar ouvir esse segredo que minha amiga vai me revelar!

-Então... alguns dias depois que minha buceta foi arrombada pelo pai da Beatriz, fiquei sabendo sobre uma tremenda sacanagem que havia acontecido sem que eu tivesse desconfiado de nada! Após a putinha loira ter sido descabaçada na buceta pelo pai tarado ela acabou contando pra ele que quem tinha tirado o cabaço do seu cuzinho tinha sido Beto meu irmãzinho tarado e foi então que o pai dela resolveu se vingar dele de uma maneira muito louca... ela mandou a filha chamar Beto pra transar e claro que o taradinho foi e quando ele entrou no quarto dela e ficou peladinho o pai taradão entrou atrás e fez com ele o que tinha feito comigo, deu uns tapas bem dados nele pra mostrar que devia obedecer e depois de colocá-lo de bruços na cama amarrou seus pulsos e os tornozelos e enrabou ele sem um pingo de dó, o cuzinho dele virou uma flor, a bunda do meu irmãozinho ficou toda vermelha de tanto tapas que levou, pra ele não gritar o pai da Beatriz enfiou a calcinha da filha na boca dele e fodeu o cuzinho dele até o talo. Para finalizar encheu o cuzinho do meu irmãozinho de porra e depois disso o mandou embora e disse que se abrisse a boca sobre o acontecido da próxima vez ia apanhar de cinta com o lado da fivela! Quando Beto entrou em nossa casa foi direto pro chuveiro e nem sei porque entrei no quarto dele e logo notei que tinha acontecido algo serio e ele então me contou tudo e ajudei-o a tomar banho e após isso ele deitou na cama pra descansar seu corpinho violado e fiquei fazendo companhia pra ele acariciando seus cabelos. Acabamos adormecendo tirando um belo cochilo e assim que acordamos dei um sorrisinho sacana e perguntei se o cuzinho estava ardendo muito ainda e brinquei dizendo que depois do que tinha acontecido ele devia tomar cuidado em comer o cuzinho da filha dos outros e Beto sorriu dizendo:

-Mana... na hora que o filho da puta do pai da Beatriz socou aquele pauzão enorme e no meu cuzinho virgem até parecia que estava sendo rasgado ao meio... ele foi enfiando sem dó até o talo... eu tentava me mexer e também queria gritar... mas com a calcinha da Beatriz na boca não tinha jeito... o taradão colado em minhas costas dizia nos meus ouvidos que se eu fizesse o que tinha que fazer ia doer menos e me mandou rebolar na sua picona grossa, nossa mana, logo percebi que não tinha como fugir e resolvi fazer o que ele mandava e apesar de ainda doer bastante passei a rebolar na pica grossa do taradão e a dor foi diminuindo, quando ele gozou e encheu meu cuzinho de porra ai ficou bem lubrificado e entrava e saia quase sem dor... mas... não foi fácil... tomei no cu sem dó... nunca mais vou passar nem na calçada da Beatriz!

Cai em risos escutando aquela conversa louca da minha amiga Vera e disse:

-Tadinho do seu irmãzinho tarado... foi comer e saiu comido... ainda bem que ele não ficou traumatizado... parece que levou a coisa numa boa!

Vera sorrindo bem sacana continuou a conversa dizendo:

-É amiga... só que não demorei a perceber que meu irmãzinho tarado não achou tão ruim assim de ter levado pauzão grosso na bunda e tive certeza disso uns dez dias após o acontecido com ele. Cheguei da rua de tardezinha e antes de ir tomar banho entrei no quarto do meu irmão pra ver se ele estava em casa e ao enfiar a cabeça pela porta entreaberta vi o safadinho dormindo pelado como sempre fazia e nem sei porque resolvi entrar e fui até a beirada da cama e ele estava quase de bruços com uma das pernas em cima de um travesseiro, sua bunda estava toda arreganhada e seu pinto estava molinho repousando em cima do saco e em segundos notei que seu cuzinho estava inchado como uma flor, praticamente igual ao dia que o pai da minha amiga Beatriz estuprou a bundinha do meu irmãozinho safado, na hora tive a certeza que ele tinha sido comido por um macho bem dotado e logo imaginei que talvez ele tivesse ido visitar a putinha loirinha e o pai dela e então me sentei do lado dele e toda sacana comecei a deslizar meus dedos pelos suas coxas e no seu bumbum, logo senti seus pelinhos se arrepiarem e seu pau começou a ficar duro e bem sacana molhei o dedo de saliva e enfiei bem devagarinho no cuzinho do safado e logo em seguida ele deu um suspiro e acordou e ao me ver ali do lado na cama perguntou o que eu estava fazendo e toda sacana disse:

-Pelo que tô vendo meu irmãozinho tarado resolveu virar bi igual eu né, nem adianta querer me enrolar, já vi que seu cuzinho ta todo arrombado igual no dia que o pai da Beatriz te comeu... gostou e quis de novo né seu taradinho... vai... pode me contar como foi dessa vez... quero saber!

Beto se recostou na cabeceira da cama e com um sorrisinho bem safado no rosto disse:

-Tá bom... não adianta esconder nada de você sua safada... só que não foi com o pai tarado da Beatriz... foi com o técnico do meu time de futsal... ele também tem um pauzão enorme como o pai da Beatriz só que tem uma cabeçona ainda maior... durante os banhos depois do treino o safado adora exibir seu pauzão para os rapazes... de vez em quando ele me assediava dizendo que eu tinha uma bunda gostosa demais e que se eu desse mole iria me comer... foi então que a semana passada o encontrei na saída do shopping e ele me ofereceu uma carona, só que o safado em vez de me trazer aqui pra casa foi direto para o seu AP dando a desculpa que precisava pegar uns papeis e assim que chegamos ele me convidou a subir e resolvi aceitar e quando entramos ele já foi tirando a roupa dizendo que queria tomar um banho pra refrescar e me chamou pra dividir o chuveiro, o safado já estava com o pauzão duro como uma rocha, enorme e cabeçudo, lembrei do pai da Beatriz me comendo e meu corpo arrepiou de vez, desejei experimentar o pauzão do meu treinador e debaixo do chuveiro ele já me abraçou por tras, seu pauzão cabeçudo deslizou no meu rego e quanto tocou no meu cuzinho me arrepiei por inteiro e o taradão rapidinho encaixou na portinha do meu cu e foi enfiando com firmeza, quando senti aquela cabeçona deslizando pra dentro do meu cuzinho gozei no ato, quando senti ele inteirinho socado no meu cuzinho dei uma gemida alta e pedi pra ele me comer com força, eu tinha gozado, mas meu pau continuava durinho, o meu técnico me fodeu gostoso demais me penetranto até o talo, que delicia ser enrabado pelo taradão pauzudo, o safado encheu meu cuzinho de porra fervente e gozei outra vez. Resumindo maninha, hoje foi a terceira vez que dei pro safado pauzudo... nem eu sabia que tinha tanto tesão no cu... o pai da Beatriz despertou esse meu lado gay... não perdi a vontade de pegar putinhas, mas tô na fase de ser comido bem gostoso por outro macho e com certeza que vou continuar querendo!

-Então Carol, agora você já ta sabendo que meu irmãozinho safado que tirou o cabacinho do teu cu ta adorando ser enrabado pelo técnico dele e acho que durante esses dias que eles estão juntos participando dos jogos o safadinho deve ta sendo enrabado todos os dias... viciou de vez!

Matei a vontade de chupar e ser chupada pela minha amiga taradinha Vera durante os dois dias que fiquei na cidade visitando meus pais e quando voltei pra casa e meu maridinho safado chegou quase matei o safado de tanto meter, meu tesão estava chegando num estagio que meu maridinho já não tava dando conta com seu pinto pequeno, eu sabia que minha buceta estava precisando urgentemente de uma pica bem grossa do tamanho que minha amiga Vera tinha sido descabaçada e foi então que o destino resolveu dar uma bela ajuda algumas semanas depois.

Eu e Pedro estavamos no sofá assistindo um filme na TV quando o telefone tocou e era minha sogra dizendo que ela e o marido teriam que vir até a nossa cidade para transferir dois terrenos que meu sogro havia colocado em uma imobiliária para serem vendidos e minha sogra comentou que com a venda desses terrenos eles poderiam comprar uma bela casa na praia que tanto desejavam.

Meu marido ficou todo feliz com a noticia que iria rever a mãe, eles moravam no sul bem distante de nos e ficamos no aguardo da confirmação do dia que eles viriam pra nossa cidade.

Pedro então comentou que o pai teve muita sorte com os terrenos porque quando ele comprou pagou muito barato e com certeza estavam valendo uma nota preta porque aquela região havia valorizado bastante, com certeza daria pra eles comprarem uma ótima casa de praia e meu maridinho disse que com certeza iriamos desfrutar dela no próximo verão.

Pedro adorava a mãe e vivia tocando no nome dela, mas sobre o pai não falava quase nada e foi então que resolvi perguntar a ele sobre o seu relacionamento com o pai e comentei que no nosso casamento percebi que eles quase não se falaram e meu marido comentou que na sua adolescência seu pai era muito rígido e bem bravo e vivia enchendo sua bunda de cintadas por qualquer motivo banal e rapidamente mudou de conversa não tocando mais no assunto.

Ficou tudo certo que os pais do meu maridinho chegariam no começo da semana seguinte, só que no sábado de manhã tinha ido jogar bola com os amigos e atendi uma ligação da minha sogra dizendo que não poderia acompanhar o marido na viagem porque ao descer uma escada seu pé escapou e ela acabou sofrendo uma pancada forte tendo uma fissura em um dos ossos e o ortopedista então colocou uma botinha de gesso e recomendou repouso durante alguns dias e por esse motivo meu sogro teria que vir sozinho pra nossa cidade pra terminar o negócio, não tinha como esperar porque era muito interessante para eles.

Quando meu marido chegou da “pelada” contei sobre a ligação e ele então ligou para a mãe reclamando que gostaria que ela viesse, que estava com muitas saudades dela, aquela frescurada toda pelo telefone e assim que desligou disse que teria que aturar seu pai chato durante 3 ou 4 dias e então comentei que quem iria ter trabalho com o pai dele seria eu, porque com certeza meu maridinho sairia cedo pra trabalhar e quem teria que preparar comida e cuidar do coroa seria eu e Pedro sorrindo sacana concordou comigo.

Meu sogro chegou segunda feira de manhã e enquanto meu marido Pedro foi pegá-lo no aeroporto preparei um café da manhã bem caprichado e quando eles chegaram nos deliciamos juntos e meu sogro me elogiou dizendo que estava tudo muito gostoso.

Após o café meu sogro ligou para minha sogra para dizer que estava tudo bem, que a viagem tinha sido tranquila e brincou dizendo que estava sendo muito bem tratado pela nora e pelo filhão.

Pedro se ofereceu para levá-lo nos lugares que precisasse, mas Felipe meu sogro disse que não precisava se preocupar porque a imobiliária que tinha feito o negócio viria busca-lo de carro assim que ligasse para eles.

Logo em seguida meu marido se despediu de mim e do pai dizendo que tinha muitos clientes para serem visitados naquele dia e meu sogro então pegou o telefone e ligou para a imobiliária para combinar o horário da reunião e ficou marcado que viriam busca-lo as 10 hrs.

Felipe era o nome do meu sogro e se mostrou extremamente simpático comigo, tinha 44 anos,1.80m, corpo bem cuidado sem barriga e alguns cabelos grisalhos que lhe davam um charme especial, realmente meu sogro era um coroa muito gato e certamente fazia sucesso com as mulheres.

Olhei no relógio da cozinha e vi que eram 9.00 hrs e então perguntei para meu sogro se ele não queria aproveitar o tempo de sobra antes de ir para a imobiliaria pra tomar um banho e ele sorrindo e disse:

-Sabe que estava pensando extamente nisso minha nora... vou fazer isso mesmo para dar uma refrescada e uma relaxada nos músculos... avião é rápido, mas bem desconfortável principalmente pra quem tem pernas compridas como eu! Vou aproveitar para tirar minha roupa da mala e pendurar pra não ficar muita amassada!

-Fique tranquilo meu sogro que se precisar eu repasso as roupas que você precisar, sou uma esposa muito prendada!

-É... já percebi que sim... café da manhã tava delicioso... assim vou acabar ficando mal acostumado! Certamente que meu filhão não tem do que reclamar!

-Então vamos lá meu sogro... vou te ajudar a desfazer a mala e pendurá-las no guarda-roupa!

Saimos da cozinha e fui na frente dele pelo corredor até o quarto que ele iria ocupar e assim que entrei no quarto já vi a mala no tapete ao lado da cama e quando meu sogro se inclinou para pegá-la me adiantei e coloquei-a em cima da cama, não era uma mala grande, afinal ele iria ficar em nossa casa 3 ou 4 dias e disse:

-Pode deixar que eu faço isso pra você meu sogro... pode se sentar ai na banqueta e relaxar.

-Pelo jeito que estou sendo tratado acho que vou ter que visitar meu filhão e minha nora com muito mais frequência, mordomia demais!

Resolvi ser espirituosa dizendo:

-É... mas não pense que vai ficar baratinho não... na hora que meu sogro for embora vou cobrar diária de hotel 5 estrelas.

Caimos em risos e meu sogro concordou dizendo que pelo serviços prestados até aquele momento devia valer bastante e foi então que ao tirar uma sacola da mala com meias e cuecas ela caiu no chão se espalhando e ao pegá-la fiquei totalmente de 4 diante do meu sogro sentado atrás de mim na banqueta, até aquele momento não havia passado em minha mente pervertida nenhuma sacanagem a respeito do meu sogro, mas foi então que me toquei que havia colocado apenas um shortinho de malha bem larguinho nas coxas com uma camiseta de malha de alcinha, nada escândaloso, normalmente eu acordava pnua e continuava andando nuazinha pelo AP, só que não havia colocado nem sutiã e muito menos calcinha e tive certeza absoluta que na posição que tinha ficado ali pegando as peças no chão meu sogro tinha visto até minha alma, mas rapidamente me recompus fingindo não ter percebido nada e disse:

-Quer que eu passe alguma dessas roupas para meu sogro vestir após o banho?

-Carol minha querida, já que você ta sendo extremamente gentil se puder passar a camisa azul clara eu vou ficar agradecido, a calça jeans que estou vestindo ainda tá legal pra usar!

-Então tá bom... pode ficar a vontade e tomar teu banho... enquanto isso eu passo a camisa, a tabua de passar roupa fica na área de serviço!

Peguei a camisa e sai do quarto, mas antes de ir para a área de serviço entrei no meu quarto e na frente do espelho enorme do meu guarda roupa fiquei de 4 como tinha feito diante do meu sogro e olhando no reflexo do espelho vi que naquela posição realmente metade das popinhas da bunda e a minha bucetinha haviam ficado quase que completamente à mostra e então dei um sorrisinho sacana e fiquei imaginando o que meu sogro estaria pensando sobre a nora depois do que eu havia feito, mas isso eu só iria ficar sabendo mais tarde.

Rapidamente passei a camisa, porém a deixei pendurada na cadeira da cozinha, até pensei em leva-la até o quarto, mas achei melhor ficar na minha e então aproveitei pra lavar a louça do café da manhã, nem me dei ao trabalho de trocar a minha roupa, continuei do mesmo jeito, já tinha visto tudo mesmo.

Comecei a lavar a louça e depois de alguns minutos meu sogro entrou na cozinha só de calça jeans sem camisa e disse:

-Opa, minha querida nora não para de trabalhar, desse jeito vai ganhar o premio de melhor e mais linda dona de casa da cidade!

Quando olhei pro meu sogro sem camisa com seu peitoral forte peludo todo à mostra, cabelos molhados e todo cheiroso, minha parte putinha não conseguiu se segurar e disse:

-Nem tanto assim querido sogro, só estou fazendo a minha parte, agora o que gostei mesmo foi ouvir que sou a mais linda dona de casa, adoro ser elogiada sempre, faz um bem danado, mas olhando pro meu sogro assim sem camisa tenho que lhe dar os parabéns, meu sogrão é um gato, tenho certeza que minha sogra deve ser muito ciumenta, a mulherada deve dar em cima né?

Meu sogro deu um sorriso todo sacana e se recostou na pia dizendo:

-Sim... minha esposa realmente é bastante ciumenta, mas com certeza isso não adianta né... quando a pessoa quer trair trai mesmo, mas também sou obrigado a dizer, meu filhão também deve ter muito ciúmes de ti... uma tremenda gata de apenas 19 aninhos, toda linda e gostosa, garanto que deve ter um monte de gaviões querendo te pegar né?

-É... não adianta mesmo, quando a pessoa quer aprontar não tem jeito, mas meu maridinho não é ciumento não, ele é tranquilo, não se importa como me visto, alias se ele fosse um chato não teria me casado com ele... adoro me vestir bem sexy e sensual, mas já percebi que meu sogrão sabe como elogiar as mulheres, bem safadinho né, até imagino o que deve falar pras mulheres quando está sozinho com elas, mas quanto aos gaviões por enquanto está tranquilo, eles estão voando em outros lugares, aqui ainda não!

Meu sogro continuou recostado em pé na pia e claro que meus olhos espertos passeavam pelo seu corpão de macho e me deu a impressão que tinha um belo volume entre suas pernas, mas me lembrando do de pau pequeno do meu maridinho achei que era apenas minha imaginação e então voltei a lavar o resto da louça e ele disse:

-Bem... vou pegar minha camisa e deixar minha linda nora terminar o serviço... se ficar aqui conversando vou acabar atrapalhando!

Era incrível perceber que minha bucetinha começava a umedecer com aquela conversinha sacana ali na cozinha e toda safadinha disse:

-Se quiser pode ficar sogrão, senta na cadeira e toma mais um gole de café... conversar não atrapalha em nada, alias é até bom, me deixa mais animada, depois que terminar aqui também vou tomar um belo banho para ficar bem fresquinha e cheirosinha!

Ele deu um sorriso safado e fez o que sugeri sentando na cadeira bem atrás de mim e disse:

-Tenho certeza que minha nora vai ficar mais perfeita ainda... cheiro de gatinha de 19 anos após um banho é tudo de bom!

-Em segundos já senti seus olhos safados secando meu bumbum e aí não consegui manter a linha, minha parte de putinha exibicionista explodiu de vez e resolvi apimentar de vez aquela safadeza e deixei cair uma colher no chão e ao abaixar para pegá-la novamente fiquei totalmente de 4 como tinha acontecido no quarto e fiz isso bem devagar e toda sacana disse:

-Hoje amanheci com a mão boba, derrubando as coisas, ainda bem que não era de vidro!

Meu sogro também não conseguiu manter a linha e todo safado disse:

-Até pensei em pegar pra você, mas preferi vê-la fazendo isso, mulher assim nessa posição é uma delicia... não tem como não olhar e admirar!

O interfone tocou e era o motorista da imobiliária perguntando sobre Felipe, meu sogro e falei que ele já estava descendo e acompanhei-o até a porta do elevador e me despedi dele com dois beijinhos no rosto dizendo:

-Sorte sogrão... espero que corra tudo corra bem e de tudo certo!

Ele deu um sorriso e entrou no elevador e voltei para o AP e fui tomar um banho e não teve como não bater uma siririca bem gostosa, gozei só de imaginar meu sogrão gato com tesão pelo meu corpinho tesudo de 4 bem diante dos olhos dele, adorei aquela safadeza deliciosa!

Meu marido quase nunca almoçava em casa e como meu sogro também havia comentado que iria almoçar com os compradores e corretores fui dar um passeio em uma galeria de lojas que havia não muito distante do AP e aproveitei para comer alguma coisa e era quase 2 da tarde quando voltei para casa e assim que entrei fui passar uma agua gelada no corpo para refrescar e acalmar o tesão, meu grelo teso pulsava forte.

Sai do banho e ao olhar no guarda roupa o que iria vestir já pensei em algo bem sexy e escolhi uma microssaia de lycra bem justinha daquelas que quando você anda ou senta ela sobe pelas coxas e mostra quase tudo, nos seios um top que deixava a barriguinha toda de fora e até pensei em não por calcinha, mas achei que ficaria mais sensual colocar e vesti uma das calcinhas só com uma tirinha enterrada no rego do bumbum.

Fazia dias que não sentia tanto tesão, me exbibir para o sogrão e imaginar incesto com ele fazia minha mente pervertida fervilhar de ideias loucas.

Fui pra sala, deitei no sofá grande e em seguida liguei a TV, na verdade nem prestei atenção no filme e era 4 da tarde quando meu telefone tocou e era meu maridinho ligando pra avisar que iria voltar pra casa la pelas 7 horas e que sairíamos pra jantar junto com meu sogro.

Alguns minutos depois o interfone tocou e era meu sogro voltando da imboliaria e assim que entrou abriu um sorriso todo feliz e disse que tinha deixado tudo praticamente fechado e que no dia seguinte a tarde iria para o cartório terminar o negocio e me pediu um copo de agua gelada.

Ele se sentou na poltrona e fui pegar a jarra de agua na geladeira e servi a ele que tomou tudo de um só gole e pediu mais um pouco dizendo:

-Essa cidade é bem mais quente que o lugar que eu moro... não da para viver aqui sem ar-condicionado minha nora!

Enchi o copo de agua novamente e antes de levar a jarra de volta pra geladeira na cozinha toda safadinha disse:

-Nesse AP tem ar-condicionado nos quartos e na sala, só não tem na cozinha, eu e o seu filhão dormimos pelados com o ar condicionado ligado.

Sai rebolando meu bumbum empinado pra cozinha e retornei a sala e me sentei no sofá bem de frente para meu sogrão, eu queria mostrar que estava com calcinha e nem cruzei as pernas e disse toda safada:

-Sogrão... já que você esta sentindo bastante calor tome outro banho, eu fiz isso agora a pouco quando cheguei da rua, alias quando eu volto pro AP a primeira coisa que faço é passar uma agua gelada no corpo e depois de me enxugar deito nesse sofá peladinha e fico assistindo filmes pornôs... é a minha sessão da tarde especial.

Meu sogro não tirava os olhos do meu corpo, ele tinha um olhar faminto e dava a impressão que iria me agarrar dali a instantes e sorrindo bem sacana ele disse:

-Tenho certeza que seria muito bom entrar nessa sala e dar de cara com uma gata gostosa e completamente nua como a minha nora... mas já que você disse que adora ser elogiada sou obrigado a dizer uma coisa, essa roupa sexy que você tá usando é de matar qualquer macho, mas só ta faltando um detalhe que deixaria você ainda mais perfeita... mas não sei se devo falar o que seria esse detalhe.

Eu sabia que a conversa estava ficando mais quente e toda safada cruzei e descruzei as pernas mostrando minha calcinha e disse:

-Sogrão... eu quero saber que detalhe é esse... pode falar... não me deixe curiosa!

Meu sogrão deu um sorriso sacana e bem safado deu uma ajeitada acintosa no volume da frente de sua calça e disse:

-Já percebi que minha querida nora é muito safadinha, tenho certeza que meu filhão não da conta do teu tesão, mas isso pra mim não importa, mas o que eu queria dizer é que para essa roupa que você colocou ficar totalmente sexy você não deveria estar de calcinha e sim como estava hoje de manhã quando pro duas vezes você se inclinou diante de mim e mostrou sua bucetinha linda e seu bumbum delicioso.

Dei um sorrisinho bem sacana e disse:

-É... eu não tenho mania de usar roupas aqui no nosso AP, adoro ficar nua, seu filhão me incentiva a fazer isso, mas, já que meu sogrão gostou do que viu de manhã, pode ir tomar seu banho que quando voltar vou satisfazer a sua vontade... vou tirar a calcinha e ficar só com a minissaia.

Meu sogrão se levantou da poltrona e não tinha como não notar que havia se formado uma tremenda barraca na frente de sua calça e foi para seu quarto e fiquei ali pensando no que estava rolando e o meu juízo que já era pouco desapareceu de vez e então fui para meu quarto tirar a calcinha e ao passar pelo corredor vi que a porta do quarto do meu sogro não estava fechada e decidi entrar e quando vi meu sogro dentro do box peladão tirando a espuma de seu corpão quase tive um treco ao olhar no meio de suas pernas e me deparar sua rola enorme e grossa, estava dura como uma rocha e chegando quase a bater no seu umbigo e ele logo percebeu minha presença e toda putinha disse:

-Sogrão... você me pediu pra tirar a calcinha, mas depois do que estou vendo ai dentro do box vou tirar tudo, você comentou que seu filhão não dá conta do meu tesão... você tem razão... eu tô precisando de uma rola do tamanho da tua pra matar meu tesão, sai desse chuveiro e vem foder a sua nora tarada... to louca pra dar... vem me foder inteirinha seu taradão pauzudo gostosão!

Em segundos fiquei nua e mais rápido ainda meu sogrão estava me abraçando e beijando minha boca e nossas línguas avidas se enroscaram, seu pauzão enorme cabeçudo se alojou entre minhas coxas e rapidinho ele me colocou de e na cama e se ajoelhando atrás de mim começou a me lamber como um cachorro, sua língua era quente e esperta e passei a rebolar gostoso sussurrando:

-Aiii sogrão... lambe a sua cadelinha... assimmmm... adoro ser chupada... chupa meu grelo com força... ahhhhh!

Meu sogro todo taradão se empolgou com minha entrega e me deu uns tapão forte na bunda e todo macho disse:

-Rebola sua cadela de rua... puta safada... meu filho se casou com uma vadia... mas ele merece... ahhh... rebola sua vagabunda... goza gostoso!

Gozei deliciosamente na língua do meu sogro e logo ele se levantou e ficou atrás de mim e deu umas pinceladas na minha bucetinha toda molhadina e quando pensei em virar o rosto pra tras e pedir pra ele colocar bem devagar aquele pauzão enorme cabeçudo porque até aquele dia só tinha dado a buceta para o pintinho do meu maridinho ele encaixou na entrada da minha rachinha e me segurando pelos quadris fincou com vontade, me senti rasgada ao meio, era muito grossa, as paredes da minha bucetinha foram dilatadas por aquele monstro cabeçudo e ele foi até o talo e gritei de dor dizendo:

-Aiiii... sogrão seu tarado... devagar... nunca senti um desse tamanho na minha buceta... aiiiii... como é grosso... vou ficar com a buceta arrombada!

Meu sogro aplicou mais dois tapas no meu bumbum e disse todo macho:

-Queria rola grossa agora aguenta sua cadela de rua... vagabunda... safada... trata de rebolar na minha rola senão vou te encher de tapas... gosto de puta de verdade... deixa de onda que você nasceu vagabunda... ahhhh... bucetinha apertada... vou deixar ela do tamanho da minha rola... vadia!

Meu sogrão era um macho de verdade e passou a foder minha buceta arrombada com vontade socando até a talo, a dor desapareceu rapidamente e logo passei a rebolar como meu sogro tarado queria e meus orgasmos passaram a ser um atrás do outro, que delicia ser comida por uma rola como aquela, me sentia totalmente preenchida e o safado do meu sogrão enchia minha bunda de tapas e pra mostrar que ele era um macho dominador o tarado colocou aquela cabeçona na porta do meu cuzinho e fincou com força, gritei de dor, mas ele não tava nem ai e arrombou meu cuzinho do jeito que quis, não era pra gozar pelo cu porque doía demais, mas meu corpo tesudo logo se entregou ao prazer de ser sodomizada daquela maneira e gozei gostoso e meu sogrão então deu um urro e inundou meu rabo de porra fervente.

Meu sogro ficou engatado no meu rabo até seu pauzão escapar do meu cuzinho arrombado e todo macho disse:

-Meu filhão soube escolher uma puta de verdade para se casar, vai fazer a felicidade de um monte de machos, porque você não é puta de um homem só, você nasceu vadia, garanto que aprontou muito antes de se casar e depois disso então deve ta dando para um bando de machos.

Me levantei da cama me sentindo toda ardida e bem sacana dei um sorrisinho e disse:

-Sogrão seu tarado FDP, arregaçou meu cu e minha buceta, mas não tem como negar adorei ser comida por você, eu nunca fui santinha, mas não fiz nem 5% de putaria do que tenho vontade, e pode acreditar que foi meu sogrão o primeiro macho a me foder a buceta depois do meu maridinho, o cuzinho eu já tinha dado, mas vamos tomar banho juntos que vou te contar todas as safadezas que já fiz sem esconder nadinha.

Rapidamente contei tudo que tinha feito com minha amiga Vera e seu irmão Beto o tarado comedor de cu, como conheci e passei a me relacionar com o seu filho Pedro, que perdi a virgindade da buceta na noite de lua de mel e aproveitei e contei que seu filhão gostava muito de me exibir para os amigos e também contei sobre os pedreiros assistirem a gente trepando, e que só não tinha dado pra outros machos ainda por falta de oportunidade, que na semana que fui visitar minha amiga Vera na cidade vizinha só não rolou nada mais sério proque o irmão tinha ido participar dos jogos do interior e quando percebi que meu sogrão estava gostando muito de me ouvir contando sobre safadezas emendei e contei a historia sobre a vizinha filha do segurança que o pai sádico estuprou a Vera e também o irmão dela.

Quando desliguei o chuveiro vi que o pauzão enorme do meu sogro estava duro como uma rocha novamente e o safado se deitou na cama e me mandou chupar seu pauzão, quase que não cabia na minha boquinha, mas caprichei no boquete, minha buceta estava quente e inchada e queria mais rola dentro dela, mas foi então que meu sogro me pegou pelos cabelos me levantando e disse:

-Chega sua putinha vagabunda... só queria experimentar tua boca pra saber se sabe mamar direitinho a rola de um macho, realmente você vale a pena Carol, vou ter que voltar mais vezes aqui nessa cidade e da próxima vez vou querer visitar sua amiga Vera junto contigo... adoro foder duas putas juntas, tenho certeza que você e ela valem a pena!

-Sogrão... pode vir que minha amiga Vera adora rola grande que nem a tua... e é mais puta do que eu... só de imaginar seu pauzão na minha buceta e ela lambendo meu grelo já fico taradinha, deliciaaaaaaaa!

Me levantei da cama e ao me olhar no espelho vi que minha bunda tava toda vermelhae dos tapas que levei do sogro e toda safada disse:

-Sogrão... seu tarado, me deixou com a bunda toda marcada, vou ter que dar um jeito de esconder do teu filhão... ainda bem que a gente vai jantar fora... quando ele chegar já vou estar vestida e pronta pra sair, até voltarmos do jantar acho que deve diminuir bastante a vermelhão! Sem contar que se ele quiser me comer hoje vou ter que inventar que tô com cólicas, minha buceta e meu cuzinho estão super inchados!

Meu sogro se levantou e me abraçando por tras disse:

-Pelo que você me falou sobre o seu casamente liberal com meu filho ele não vai achar ruim você ter dado para outro macho... lógico que ele não iria gostar muito de saber que o próprio pai fodeu a esposa puta dele... e já que estamos falando abertamente, na verdade acho que ele casou só pra satisfazer a vontade da mãe, ele gosta mesmo é de outra fruta.

Na hora saquei que meu sogro tinha algum segredo do filho pra me contar e toda safada pedi que ele abrisse o jogo comigo e ele então revelou que quando Pedro adolescente pegou o safadinho fazendo troca-troca com um amiguinho, deu umas cintadas na bunda dele dizendo que ele estava fazendo a coisa errada, não adiantou muito porque depois de algumas semanas ele voltou mais cedo pra casa e pegou o filho com outro amigo um pouco mais velho gemendo e rebolando gostoso na pica grossa do amigo, o safadinho gozou sendo comido por outro macho, a surra foi bem mais forte, a mãe pediu pra ter paciência com o filho que era coisa de adolescente, mas com certeza ele continuou dando o cuzinho pra outros amigos só que bem escondidinho.

Era esse o motivo da raiva do Pedro pelo pai e pelo que meu sogrão me contou meu maridinho não tinha deixado de ser viadinho não e com certeza isso deveria estar acontecendo com algum dos amigos dele de futebol porque todo sábado a tarde ele não deixava de ir no clube jogar as peladas, mas isso eu não iria deixar de saber em detalhes.

Meu maridinho Pedro chegou na hora marcada e saímos para jantar e foi tudo bem tranquilo, meu sogro era bom de papo e nos divertimos muito.

Ainda bem que naquela noite meu maridinho corno não quis trepar porque minha buceta e meu cuzinho continuavam bem inchados, mas ela iria continuar mais inchada ainda porque no outro dia de manhã logo após meu maridinho sair para o trabalho fui pra cama do meu sogrão e levei pau no cu e na buceta até não aguentar mais, dessa vez meu sogrão gozou na minha boquinha gulosa e engoli aquela porra de macho de verdade.

O tesão não diminuía de jeito nenhum e depois do almoço fui arrombada de novo, meu sogrão adorava encher minha bunda de tapas e até tentei pedir pra ele não bater muito forte para meu maridinho não desconfiar, mas o taradão sádico não se importava e dizia que gostaria de dar umas cintadas bem fortes na minha bunda pra ficar bem marcada... e todo safado dizia que não ia demorar pra eu trazer machos para o apartamento pra comer eu e o filhão viadinho!

Na segunda noite meu maridinho ficou de pintinho duro e já veio querendo me comer, mas dei a desculpa que estava menstruada, até coloquei um OB, ele nunca transava comigo menstruada e pra não deixá-lo na mão fiz um gulosa caprichada e ele encheu minha boquinha de porra e dormiu feliz.

No terceiro dia meu marido saiu cedinho, iria visitar mercados nas cidades vizinhas e só iria voltar a noite e meu sogrão tarado veio pra minha cama e me comeu mais gostoso ainda, aquele pauzão enorme me levava a loucura me fazendo gozar que nem uma cadela no cio.

Meu sogro logo após o almoço foi para o cartório transferir e receber o pagamento pelos terrenos e então comprou passagem de avião para o dia seguinte logo cedo e a tardezinha o taradão me pegou de novo, meu cuzinho continuava inchado e ardido, mas queria mais pauzão cabeçudo socando nele, minha bucetinha parecia estar em carne viva de tão vermelha e os gozos eram mais intensos ainda.

Meu sogrão mostrou que era um sádico safado porque ele fez o que havia falado no dia anterior, me pegou de 4 no sofá e todo tarado me deu uma meia dúzia de cintadas no meu bumbum, fiquei com alguns vergões e ele todo macho disse que era para me lembrar dele durante alguns dias quando olhasse meu bumbum no espelho.

Com certeza meu maridinho corno iria ver aquelas marcas de cintas, mas isso era um pequeno “problema” que eu iria resolver na hora certa.

Meu sogrão foi embora prometendo que não iria demorar a voltar e com certeza eu estaria prontinha pra ser comida inteirinha por ele.

e-mail: vanessinhats@outlook.com

MMMMMM60MN

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/10/2018 10:03:15
Sensacional! Parabéns! Que tesão!
08/10/2018 23:04:49
Nossa, que delicia de conto, fiquei com o pau estourando de tesão...manda fotos..
26/09/2018 17:54:35
Gostosa safada.... Delicia de conto...
26/09/2018 00:38:44
ufa! mt grande! quero dizer muito longo. mas n me contive e me masturbei lendo isso. aninha.casada29@outlook.com
25/09/2018 20:41:48
Adorei. Gozei muito lendo esse conto nota 10.
25/09/2018 13:10:18
Oi sou passivo de 52 anose gostaria de conhecer homens ativos com a rola cabeçuda acima de 45 anos que residem em SP zs não curto flex.Procuro um um parceiro fixo.lembrando homens com rola cabeçuda....droid1565@gmail.com
22/09/2018 12:42:08
Ótimo conto. Nota 10. Dê uma lida na minha série: "EU, MINHA ESPOSA E MEU AMIGO DA ADOLESCÊNCIA"
16/09/2018 20:55:09
excelente!! fotos por favor. ed-jorge@hotmail.com
12/09/2018 22:15:50
Conto ricos em detalhes, simplesmente incrível.
05/09/2018 21:33:38
Delicia de conto parabéns muito bem escrito.manda fotos ser possível.ruinegro1970@ Hotmail.com
02/09/2018 03:17:35
Excelente!
29/08/2018 13:58:48
Ótimo conto gostaria de ler mais contos seus fotos de.Milton@.com.br
29/08/2018 13:57:01
Adorei ler esse conto mande fotos e mais contos de.Milton@com.br
25/08/2018 03:57:41
muito bom mesmo adorei queria ter uma nora assim igual a vc
22/08/2018 18:07:04
Adorei o conto e ainda mais o fato de ser mulher fogosa e com vontade de ser bem fodida. Adoro mulher com esses desejos, mesmo que seja em secreto mais que sabe que tem um tesão imenso dentro dela. Podemos conversar falar e explorar esses desejos e fantasias, quem sabe despertando ainda mais... ou até realiza-los. rs whats Onze)nove,sete,três,dois,meia,zero,nove,nove,zero. Quem sabe até não aflora ainda mais esses desejos e vontades.
22/08/2018 00:13:24
Valdivan_triufst@hotmail.com
19/08/2018 22:02:42
O melhor conto que já li. Quero ler a continuação. Adoraria receber suas fotos. E-mail danielguimaraes22@gmail.com
16/08/2018 13:20:21
paulobiagipires@hotmail.com
13/08/2018 07:37:16
Demais
04/08/2018 17:33:05
Delícia de conto,vou fazer coro ao UEM. Tbm foi um dos melhores contos que já li. Minha imaginação não para de te tentar reproduzir como seria seu corpo.bjs .Obs: não pare de escrever.