Casa dos Contos Eróticos

Aventura de novinho com coroa casada em ônibus

Um conto erótico de Daigo
Categoria: Heterossexual
Data: 06/06/2018 03:17:51
Nota 10.00

Acompanho esse site desde quando era bem garoto, as vezes curto mais contos do que os vídeos, sempre gostei do gênero do novinho comendo a madrasta, uma babá gostosa, professora, até mesmo uma tia gostosa, até por que sempre fui louco para comer uma tia minha, mas infelizmente por contas dos taboos da sociedade e falta de coragem minha mesmo sabendo que ela também queria não pude realizar esse sonho, o que vou relatar abaixo foi um conto real e como já li vários contos aqui, seria injusto não compartilhar também, esse é o meu primeiro conto então de antemão peço desculpas nos erros de narrativas ....

Me chamo Danilo moro atualmente no interior de salvador, atualmente tenho 23 anos mas esse fato aconteceu a dois anos atrás, quando fazia faculdade na cidade de salvador, sou negro tenho 1,87 de altura, 78 kg, naquela época era o típico universitário atleta fazia academia e treinava na base de um time de futebol do interior, tinha um corpo um tanto quanto malhado para minha idade mas nada dms, trabalhava em uma fábrica como analista então fazia o estilo nerd descolado, mesmo curtindo garotas da minha idade a maioria das minhas fodas era com mulheres mais velhas, acho que é porque sempre andei vestido socialmente, andava sempre bem perfumado, já tinha meu próprio carro, tinha um bom papo e sempre fui bem humorado, pelo menos é o que eu acho ... kkkk

Quando o fato aconteceu eu estava voltando da faculdade no final da noite, nesse dia eu não fui trabalhar de carro então não sabia ao certo o horário do ônibus na rodoviária, então fui meio que correndo para fila do guichê para comprar minha passagem de ônibus, chegando lá tinham poucas pessoas na fila porém ia sair um ônibus de imediato então quem comprasse a passagem rápido conseguia correr e pegar o ônibus, acontece que nesse meio tempo apareceu uma mulher meio que já sabendo o horário do ônibus me pediu para passar na frente, essa mulher aparentava ter cerca de uns 35-45 anos, pela branca, cabelo castanho, olhos cor de mel, estava com um vestido bem justo com um belo decote, fazia o estilo administrativo ou enfermeira, uma bunda perfeita e um par de seios grandes, e um perfume que na hora me despertou de um jeito fora do comum, algumas marcas da idade, porém ainda bonita de rosto, não pude negar o pedido, no que cedi minha vez para a compra da passagem da mesma ela meio que derrubou algumas coisas da bolsa devido a pressa, como era o único da fila e por educação de imediato me abaixei para apanhar os objetos, foi quando meio que por extinto abaixei e fiquei olhando dos pés à cabeça e pensei comigo mesmo puta que pariu que coroa gostosa, meio que fiquei hipnotizado com aquela visão, quando cai em si ela olhou para baixo e sorriu, ainda fez aquele gesto de acorda com as mãos, lembro de ainda ter feito um comentário a ela apenas sorriu e agradeceu, mas pensei comigo esquece isso cara, corre pra pegar seu ônibus tmb, apesar de ficar com um puta tesão depois disso, era uma sexta-feira não tinha pressa de chegar em casa após a compra da passagem fui em um fast-food comi um sanduíche e depois tomei um chopp para passar o tempo já que ia pegar o ultimo ônibus, quando cheguei no desembarque avistei poucas pessoas já que era o último ônibus, mas continuei com a imagem daquela coroa na mente, subi no ônibus de pau duro, o volume meio que aparente na calça, como o ônibus estava com muitas cadeiras vagas escolhi uma qualquer entre o meio e fundo, passados alguns minutos meu pau não parava de pulsar na calça, já pensava em tira-lo ali mesmo e bater uma para aliviar o tesão, mas as luzes do ônibus ainda estava acesas, então peguei um livro e antes de começar a ler, no piscar de olhos aparece do meu lado aquela coroa da fila, com mil cadeiras para sentar deus escutou minhas orações e ela sentou ao meu lado com aquele perfume maravilhoso, me deu boa noite e a respondi, e pude ver ela olhar para o volume do meu cacete que estava prestes a explodir dentro da calca, antes do motorista desligar as luzes do ônibus ela fez um comentário sobre o livro que estava lendo, e nisso começamos a conversar, e pude ver que além de gostosa ela fazia o tipo atraente até no jeito de falar, ela fazia o estilo culta naquele momento a voz dela me excitava mais ainda, falei onde trabalhava e tmb sobre meu curso superior, e ela falou que era enfermeira chefe de um hospital, mas que quando ela não vem de carro e as vezes o plantão dela muda acaba tendo que correr para pegar esse ônibus, mas que odiava pegar aquele ônibus tão tarde, eu apenas sorri e falei sorte minha que você não pegou o ônibus anterior, ela sorriu deu um soco no meu ombro e falou porquê ? apenas respondi por causa desse momento, é sempre tão chato vim nesse ônibus sozinho, ela murmurou e falou duvido, do jeito que vocês jovens andam se deve no mínimo ganhar uma punheta de alguma dessas meninas quando a luz apaga, foi ai que meu pau que já estava meia bomba voltou a querer rasgar a calça, eu pensei comigo essa coroa está me dando chance e sem nem pensar a puxei e dei um beijo longo nela, ela meio que correspondeu pois de imediato não me interrompeu e então fui direto com a mão na parte de cima do vestido e comecei a descer junto com o sutiã para abocanhar aqueles lindos seios, e quando pensei em colocá-lo pra fora ela interrompeu, e falou você está louco garoto você tem a idade do meu filho, e se alguém nos vê, mesmo sabendo que tinha algumas pessoas nas cadeiras finais e a frente do ônibus, não me passava isso na cabeça, eu estava completamente louco por aquela mulher queria comer ela ali mesmo, chupar aqueles peitos maravilhosos, apenas falei que quando a vi na fila do guichê não conseguia tirá-la da cabeça que não costumo agir assim, mas que o tesão falou mais alto e pedi desculpas, foi nessa hora que ela falou além de tudo você tem que ser tão fofo, e me beijou com mais vigor ainda, ficamos nos amassos até que desci com a mão na buceta dela, ela estava completamente ensopada só coloquei a calcinha de lado e coloquei a masturbá-la com os dedos, no mesmo tempo desci as alças do vestido dela e comecei a chupar aqueles peitos rosados maravilhosos ela gemia baixinho e se contorcia e falava chupa seu safado, não é que você queria então chupa, eu parecia um bebê mamando aquela gostosa foi quando ela me interrompeu novamente, recolocou a alça do vestido e foi com a mão direto na minha calça, abriu o zíper e tirou meu cacete pra fora, e só falou " o que é isso menino? ", meu pau sempre foi padrão 19 cm porém bem grosso e naquele momento não sei se foi por conta daquela mulher mas ele parecia está maior, ele chegava a pulsar e já estava todo babado ela apenas iniciou uma punheta lenta por alguns segundos, e continuou a me beijar, eu já estava prestes a gozar só com a mão dela foi quando ela abaixou a cabeça e começou chupar meu cacete de um jeito fenomenal ela parecia uma atriz pornô, ela engolia meu pau todo, chupava as bolas, passava a mão dentro da minha camisa e arranhava meus peitos com as unhas, parecia que fazia anos que não fazia um boquete, foi a melhor chupada da minha vida, me segurava pra não gozar de tanto prazer que aquela gostosa me dava apenas com a boca, e eu gemia baixinho, até porquê muitos naquele ônibus dormiam mas alguns ainda ficavam em celular, até que quando ela ficou apenas com a língua na cabeça do pau que falei que ia gozar ela falou baixinho goza tudinho seu safado, eu quero engolir essa porra todinha, foi quando comecei a liberar todo meu gozo e ela com a cabeça do meu pau toda dentro da boca engoliu tudo, sem deixar cair uma gota, minhas pernas ficaram bambas de tanto que gozei, foi quando ela fechou o zíper, voltou para sua posição normal colocou a mão na cabeça meio que caindo em si e ficou que com a cara de arrependida, eu fiquei sem reação apenas perguntei se foi porque gozei logo, ela falou que não era isso, que pelo contrário eu aguentei até muito, que amou me chupar, que amou isso, foi quando ela falou que estava assim porquê ela era casada, mas que há algum tempo o marido não a procurava mais, ela vivia estressada do trabalho, a rotina do hospital era cansativa, e que sempre amou sexo mas que nunca pensou em trair o marido, mas que quando me viu olhando para ela daquele jeito na fila do guichê, um garoto da minha idade, ela se sentiu desejada, que a buceta dela ficou molhada apenas com aquele momento, e que me achou negro lindo e charmoso, apesar da minha idade, foi ai que ela perdeu o ônibus de propósito pra ver até o ponto que ela ia chegar, meu pau nessa hora já voltou a dar sinal dnv, e ela aparentava uma lágrima de choro, eu a confortei dando um abraço e falei que o marido dela era um otário que não merecia a mulher maravilhosa que ele tem ao lado, e realmente ela era uma mulher incrível, tanto fisicamente quanto no jeito de falar em tudo, ela me excitava de um jeito sem explicação, e me perguntou se eu realmente achava ela isso tudo, eu apenas tirei meu pau pra fora novamente e falei acho tudo isso e muito mais, ela simplesmente abaixou a cabeça e sorriu e falou, vou te dar algo pra você nunca mais esquecer de mim, tirou a calcinha colocou em minha boca e sem falar mais nada subiu na minha poltrona levantou o vestido e subiu, e aos poucos aquela buceta maravilhosa engolia meu cacete, e ela falando baixinho que pau maravilhoso, que delicia, foi quando desci totalmente a poltrona do ônibus e ela começou uma cavalgada lenta de costas para mim e como estava escuro e as poltronas eram altas, era difícil nos pegar, até porque naquele momento nós dois estávamos em êxtase, nada importava, conforme eu segurava aquele rabo maravilhoso ela continuava a cavalgar, ela tinha uma maestria em sentar em uma pica, o jeito que ela se contorcia conforme meu cacete entrava e saia, eu queria muito comer ela de quatro, de lado, de todos os jeitos, mas o desconforto das cadeiras não possibilitava eu estava completamente submisso, e de acordo que ela diminuía o ritmo eu comecei a estocar com força, ela gemia e falava come essa buceta, mete vai, me come seu safado, mete gostoso, nessa hora eu tirei a calcinha dela da boca e comecei a xingar de cachorra, puxei o cabelo dela e falava no ouvido dela fica de frente pra mim, depois q ela se virou abaixei a parte do cima do vestido e cai de boca novamente naqueles seios maravilhosos e ela continuou a rebolar no cacete e gemia baixinho, mesmo sendo uma mulher de idade a buceta dela era tão apertada, era tão gostosa, eu tinha que fazer ela gozar, até que quando meu pau começou a pulsar mais ainda ela simplesmente falou pode gozar dentro, e começou a falar no meu ouvido bem baixinho goza vai, goza, me enche de porra seu safado, comecei a retardar meu gozo para satisfazer ao máximo aquela mulher, até que a abracei e gozamos juntos, estávamos em transe, parecíamos um casal de cachorros no cio grudados após uma foda, passados alguns minutos ela se levanta do meu cacete lambe toda minha porra, se limpa com a calcinha e me manda guardar na mochila, ela se recompôs, eu também, ficamos em silêncio pois já estávamos em nossa cidade, quando caímos em si, ela disse que a anos não se sentia desse jeito, que nunca se imaginou transando com um garoto da idade do filho dela dentro de um ônibus, e sorriu, olhei pra ela e sorrimos juntos, mas que aquilo não podia se repetir, perguntei se ela podia pelo menos me dar o telefone dela, ela só respondeu falando garoto você é tão novo podendo pegar garotas da sua idade o que se vai querer com uma velha como eu? olhei pra ela totalmente exausto e respondi que tudo, que nunca tinha ficado com uma " velha " como ela, eu realmente queria comer aquela " Velha " mais umas vez, mais duas vezes, quantas vezes fosse necessário, foi ai que ela falou que não podia que tinha família, sobre ela ter o dobro da idade dela, e que meu presente de lembrança daquela noite já estava em minha mochila, chegado o ponto dela ela olhou pra mim falou prazer "Fulana" e eu falei meu nome, me deu um beijo na bochecha sorriu e desceu ....

Realmente foi algo que me marcou naquele ano, para o meu azar não conseguir encontrá-la mais nesse mesmo ônibus, e como ela me falou que era casada, não me senti na obrigação de procurá-la em redes sociais, passado isso tive várias outras fodas, mas nada se compara a aquela mulher, mas o destino é imprevisível meus caros leitores, a algum tempo atrás fui com minha mãe na emergência de um hospital na capital, quando entrei com ela na ala da enfermaria adivinhem quem encontro, e que reencontro, mas ai fica pro próximo conto ....

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
31/08/2018 09:17:02
Muito bom cara, ja tive muitos desejos de encontrar algum madura que tivesse interface recíproco, pois ja teve umas que queria porém nao me interessava por conhecer algumas atitudes delas
06/06/2018 08:55:54
Não existe náda que se compare a uma mulher madura e inclusive aquelas com mais de 50.
06/06/2018 08:54:13
Adorei. Cada dia que passa gosto mais de novinhos. Se possível de uma olhada nos meus relatos.
06/06/2018 06:53:01
sensacional