Um menino chamado Sasha

Um conto erótico de Matheus
Categoria: Homossexual
Data: 04/05/2018 00:33:27
Nota 9.17

Eu era o cara mais nerd e cabaço em toda a escola, com 16, era um virgem que tinha apenas beijado uma menina, desesperado por contato sexual com qualquer garota, mas incapaz de fazer algo sobre isso. Toda conversa com toda menina sempre acabava em um bocejo por parte dela, ou elas se afastando aos poucos. E esse abismo entre eu e qualquer garota contribuía com a constante ereção que eu carregava no meio das pernas, hora ou outra estava com a mão no bolso para ajeitar meu pau duro nas calças, eu tava ligado que as garotas percebiam porque elas sempre riam e olhavam pra mim quando eu passava.

Mesmo que eu não fosse um galã, eu não era um cara feio, eu, Matheus 1.94, magrelo, pálido, cabelo castanho claro e pau de 20cm. Eu não tinha muitos amigos na escola, nenhum na real, mas semana passada sempre topava na biblioteca com um menino andrógino sardento de uns 1.65, bem magrinho, ele tinha o cabelo comprido e loiro, olhos verdes e um sotaque engraçado, que depois descobri ser russo, seu nome era Aleksandr, mas todos o chamavam de Sasha por ser o apelido comum ao nome na Rússia. Ele não era bolinado pelos caras, por se parecer com uma garota, ele até recebia umas olhadas de tesão, que eram ignoradas 100% por ele.

Nós começamos a conversar em uma sexta-feira, e passei a notar seus lábios rosados e seu perfume adocicado e noitei que ele estava dengoso demais comigo, até que ele sugeriu que fôssemos em sua casa após a aula, disse que tinha de almoçar primeiro em casa e depois iria, quando cheguei em sua casa e apertei a campainha, me deparei com ele de lingerie e um manto de seda cor de pêssego que escorria de sua cintura fina às coxas, fiquei assustado e gritei:

- Caralho, mano, que porra é essa?! - Eu disse enquanto ele me puxou para dentro e fechou a porta

Me tomaram uns dez segundos ou mais para absorver, seus cabelos loiros e ondulados até sua cintura, seu rosto feminino, suas mãos delicadas segurando uma xícara quente de alguma terra eslava bem longe e por ele sempre estar em calças skinny, eu nunca havia percebido a maciez de suas pernas lisas e seus pés delicados e rosados descalços no carpete da sala, quando voltei a mim de novo disse:

- Cara, Sasha, quero dizer, Aleksandr, isso é muito esquisito pra mim, eu preciso ir embora - disse enquanto ia me dirigindo a porta, quando ele pôs a mão em meu braço e disse sedutoramente com sua voz feminina e macia:

- Mas eu não estou bonita?

Eu tirei violentamente sua mão e disse com raiva:

- Cara, tá me tirando? Você é um menino! Essa é coisa mais estranha que eu já vi! Você é o que? Algum tipo de viado?

O efeito foi imediato e horrível, ele estava de coração partido que prontamente começou a chorar com as mãos no rosto, tremendo, até me perguntei se ele podia respirar.

Em soluços ele me implorava por desculpas e dizia que não queria ter me enojado e que ele nunca faria isso de novo. Nesse momento, eu me senti um merda, me ajoelhei na frente dele que estava sentado no sofá, e disse que estava tudo bem que eu não queria ter sido tão duro, ele me olhou com lágrimas escorrendo dos olhos e suas bochechas rosadas e me implorou:

- Por favor, me desculpa, eu prometo que não vou fazer isso de novo

Eu segurei sua bochecha com minha mão que era tão grande perto de seu rostinho que peguei com muito cuidado com medo de machucar, e enxuguei suas lágrimas com os polegares e perguntei:

- Você quer conversar um pouco?

Ele assentiu com a cabeça, eu perguntei o que estava acontecendo, ele me contou que não usa roupas masculinas desde criança quando se mudou da Rússia, e me mostrou sua cômoda cheia de roupas femininas, então tudo aquilo de repente já não me era mais estranho. Tempo depois estávamos vendo filmes aleatórios, quando o senti encostando a cabeça em meu ombro, não tive outra opção que não fosse passar meu braço em seu pescoço e deitá-lo em meu peito, passei a notar sua carinha dormindo, e de primeira senti meu pau pulsar, comecei a imaginar como seria beijar ele enquanto sentia seu cheiro de perfume barato, o perfume que eu não me cansava de sentir naquele momento.

Quando ele acordou quarenta minutos depois, sem perceber estávamos de mãos dadas com os dedos entrelaçados, até que comecei a fazer carinho em seu rosto, senti seus lábios pequenos e gelados no meu pescoço dando beijinhos, meu pau já estava com uma mancha de pré-gozo na bermuda, quando tomei coragem e tentei imitar meu primeiro beijo desajeitado, eu sentia sua boquinha se abrindo pra mim quando paramos com selinhos e ficamos nos encarando, não conseguia parar de olhar para ele, quando ele me deu outro beijo rápido e sussurrou em minha orelha :

- Vamos pro meu quarto?

Quando entramos no quarto, senti cheiro de chiclete de algo entre morango ou tutti-frutti, o que me inebriou, não sabia o que fazer muito bem, então o beijei novamente com calma e tesão, e quando saímos, olhei para ele e disse bobo:

- Você é tão lindo... - Nesse momento seus olhos marejaram

Ele tomou o controle e desabotoou a braguilha da minha bermuda surrada, e quando ele tocou seu dedinho na cabeça já toda melada, eu estava entregue, ele após isso, deu um beijinho que quase me fez gozar, eu gemia em gemidos roucos: "Hmmm, Sasha" senti os cantos da minha boca sorrirem enquanto ele descia chupando na minha rola cada vez mais, foi a melhor coisa que já senti na minha vida, eu já estava todo entregue grunhindo de tesão e acariciando seus cabelos quando ele percebeu que eu iria gozar, ela se sentou sobre meu tronco, enquanto eu apalpava sua bundinha até chegar em seu buraquinho rosadinho, o puxei para mim e o beijei com todo carinho, comecei um beijo grego nele e ele gemia tão delicadinho que me deu vontade de come-lo naquele momento, até que quando ele chorando me implorou sussurando:

- Me fode, meu amor, antes que eu pensasse meu pau já estava deslizando em seu cuzinho, era tão quentinho e macio, ela pôs suas mãozinhas no meu peito e eu acariciei seus braços com uma mão, comecei a bombar enquanto chupava seus peitinhos rosadinhos, ele dizia que me amava quase num sussurro, eu a beijava, estava sendo a melhor coisa da minha vida, quando o senti gozando em espasmos, logo após algumas estocadas despejei jatos de porra grossa em seu cuzinho o beijei até meu pau amolecer, quando meu pau saiu de seu buraquinho, o abracei de conchinha e disse nervosa e carinhosamente:

- Meu anjinho, eu também te amo, você... É... Não gostaria de namorar comigo?

Ele se tremeu todo e chorando e rindo disse que sim tentando conter a emoção, o susto ou a surpresa, nos beijamos a tarde inteira pois ele estava dolorido, até dormirmos, não sem antes me vir a chuva de pensamentos, percebi que nós dois mudamos pra sempre, eu muito mais, cada dia que passa eu o amo mais, seja o tipo de cara escroto que eu seja, eu sou muito melhor com ele.

FIM

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
12/06/2018 16:39:22
amei! quero ver a continuação!
09/05/2018 18:12:39
Uma cdzinha russa em 23 parágrafos kkkkkkk
08/05/2018 16:15:36
Interessante... continue
06/05/2018 18:10:16
A história é boa, mas ficou muito curta e rápida. De ser hétero convicto até começar a namorar com a cdzinha russa em 23 parágrafos e, dentro da históra, em apenas algumas horas, foi instantâneo e apressado demais.
04/05/2018 13:46:35
MAL SE CONHECERAM E JÁ SE TRATAM POR AMOR. COMPLICADO ISSO. MAS FOI INTERESSANTE.
04/05/2018 02:58:24
Adorei teu conto. Trata bem dele e não ligue pra opiniões contrárias. Sejam felizes.