O CLUBE – Capítulo VI – Mariana e Claudio

Um conto erótico de Nassau
Categoria: Grupal
Data: 22/05/2018 01:02:40
Nota 10.00

Depois de ter gozado na boca de Mariana, Lucio colocou o carro em movimente e alguns minutos depois avistaram a casa ao qual chamavam de pesqueiro. Ao saírem de uma curva, de onde passaram a ter uma visão também da lateral da casa onde existia uma garagem onde havia uma Hylux preta estacionada e, ao avistar o carro, a loira exultou de alegria:

– Oba, o Mauro e a Eliane também vieram!

Constratando com a alegria dela, sabendo que a presença de outras pessoas seria um estorvo aos seus planos de transar com Mariana, Lucio perguntou sem esconder seu descontentamento:

– E quem são esses?

– Um casal de amigos nossos. Você vai adorá-los.

Realmente havia, além de Claudio, mais três pessoas na casa. Não foi difícil identificar o casal, ambos negros. Maurício era altíssimo, maior que Lucio e, senão tivesse mais que dois metros de altura, estava próximo a isso. Usava uma camiseta regata e um calção, o que deixava em destaque seu físico de atleta e a cabeça totalmente raspada, brilhando ao sol. Eliane era um caso a parte. Também negra e alta. Usava um salto altíssimo o que a deixava com mais de um metro e oitenta de altura, mas que impedia conhecer sua estatura real. Os seios grandes se destacavam parecendo querer pular fora do biquíni sumário que usava, cuja parte de baixo mal cobria a xoxota na frente e, depois Lucio pode perceber, nada escondia de sua bunda arrebitada. Era esguia e, a exemplo do marido, não exibia um grama de gordura no seu corpo que parecia ter sido esculpido em ébano legítimo. Seus cabelos eram ondulados e compridos e seus olhos negros como uma noite de tempestade. Para completar o quadro, andava e falava exalando sensualidade. Eliane é o tipo de mulher que basta se mover ou falar silencia a quem estiver próximo.

– Me deixe limpar essa baba. – Brincou Mariana passando os dedos no queixo de Lucio, fazendo com que todos rissem.

Mas o pior ainda estava por vir, quando a terceira pessoa que até então estava deitado em uma cadeira de piscina se levantou e veio ter com eles.

– Agora sim, estou babando. – Falou Lucio resolvido a entrar na brincadeira da loira Mariana.

Ao seu encontro vinha a mulher mais linda que já vira em sua vida. Um metro e sessenta, magra, com seios médios e firmes dentro de um maiô bem comportado. Olhos pretos e puxados, boca carnuda ostentando um sorriso que mostrava dentes pequenos, brancos e perfeitos. Era uma verdadeira deusa que só mesmo a mistura de raças pode criar. E era isso que Christie era. Uma mistura rara da raça oriental e negra se unindo para criar a perfeição. Seu corpo, se construído pelo cinzel do mais hábil escultor não teria formas tão harmoniosas. Christie era filha de Eliane com um antigo amante dela que, sem saber que deixara a mulher grávida, fora transferido para outro país e jamais voltara para vê-la, não tendo conhecimento da filha linda que tinha aqui deixado.

– Estou ferrado! – Falou Lucio baixinho, olhando ao seu redor e admirando uma linda mulher loira, uma deusa de ébano e a perfeição em forma de gente, Christie.

Ao contrário do que esperava o passeio não estava sendo nada daquilo que Lucio esperava. No sábado e domingo não teve nenhuma chance de transar com nenhuma das beldades e todos se comportavam como casais que haviam ido a um local para se divertirem, pois sobre sexo nem sequer falavam. Na segunda-feira de manhã estava Mariana e Claudio ao lado da piscina quando ele se aproximou e começaram a conversar sobre tempo e outras coisas mais, até que Claudio perguntou se dirigindo aos dois sobre o que eles tinham falado durante a viagem até ali. Lucio gelou, mas Mariana riu e disse que não havia acontecido nada além do que ela já havia lhe contado. Claudio disse que já imaginava isso, pois confiava na sua esposa e chocou Lucio ao perguntar-lhe se havia gostado mais da chupada ou da história. Lucio apenas riu sem graça, mas acabou confessando que apesar do fato de ser chupado por Mariana ser uma delícia, a história realmente era sensacional. Então Mariana provocou:

– Aquilo foi só o começo gato. Você nem imagina o quanto de história tenho pra contar.

– Porque você não me conta como tudo começou entre vocês.

– Você que saber de nossa primeira vez? Oras, foi uma transa normal, não aconteceu nada que marcasse nossas vidas.

– Eu me referia ao começo desse relacionamento liberal entre vocês.

Mariana olhou para Claudio que acenou a cabeça, acenando que concordava que ela contasse. Então ela começou a falar.

Depois da transa com Denise, Mariana levou algum tempo encucada com o fato de ter transado com uma mulher e com isso passou a evitar a amiga. Denise, porém, não deixou barato e continuava a procurar a amiga para saírem, como via que a loira estava evitando contato com ela, não se fez de rogada e foi até seu apartamento para um conversa séria. Ali, ela disse para a amiga que não era lésbica, mas que não via problema nenhum e gozar nos braços de uma bela mulher, principalmente sendo meiga e carinhosa como Mariana. Explicou que aquilo era muito natural e que acontecia muito mais do que ela imaginava e mostrou toda sua aflição quando disse que sentia muito mais por perder uma amizade como as delas e que, se soubesse que aquilo mexeria tanto com a cabeça da amiga, jamais teria deixado acontecer. Mariana aos poucos foi se deixando levar e, diante da sinceridade demonstrada pela amiga, acabou se abrindo com ela. Com isso a amizade entre elas voltou ao que era antes, iam para as baladas juntas e não aconteceu novamente delas transarem.

Foi numa dessas baladas que ela conheceu Claudio. Dois anos mais velho que ela, loiro dos olhos azuis, com a mesma estatura dela e um pouco acima do peso. Mas o que impressionou mesmo Mariana foi a forma gentil e delicada com que Claudio tratava a todos a sua volta. Dali nasceu uma amizade que evoluiu para um namoro. Denise, que já conhecia Claudio ficou exultante em notar que eles se davam tão bem.

Todavia, se o relacionamento era perfeito, na cama parecia que faltava algo. Claudio não chegava nem perto de Osvaldo no quesito sexo. Era gentil demais, respeitoso demais e Mariana sentia saudades de fazer sexo com alguém que tivesse realmente pegada. Em virtude do caráter de Claudio e não querendo magoá-lo, ela acabou por confessar tudo isso a ele e quis encerrar o relacionamento, propondo que fossem apenas amigos. Para sua surpresa Claudio confessou que entendia isso e quando explicou o motivo, a deixou de boca aberta. Ele confessou a ela que tinha praticado tantas vezes sexo com outras mais de uma pessoa que não conseguia mais se entregar de corpo e alma a uma transa convencional. Então resolveram realmente terminar o relacionamento, mas continuaram como amigos. Ocorre que, estando sempre se encontrando nas baladas estavam sempre juntos e Mariana acabou por se dar conta que sentia falta dele, o que fez com que tomasse uma atitude, pedindo ajuda de Denise que de imediato aceitou a ideia de irem os três para a cama.

As duas arquitetaram seu plano e Claudio se viu em um motel com as duas beldades, feliz da vida. Mariana viu então que realmente o aquele homem era incrível, pois se mostrou um senhor amante, satisfazendo as duas e delirando quando elas transaram entre si. Ao ver esse lado de Claudio, Mariana resolveu reatar o relacionamento e não demorou em que os dois estivessem morando juntos. Porém, sem a presença de Denise na cama com eles, a rotina dominava e o sexo voltou a ser insosso.

Certo dia, por um problema de ciúmes, estavam em uma de suas raras discussões, quando Mariana cobrou de Claudio que ele só funcionava mesmo quando tinha outra mulher na cama. Foi nessa hora que ele rebateu:

– Não precisa ser outra mulher. Pode ser um casal também.

Mariana ficou sem fala, fitando aquele que já considerava seu marido sem acreditar no que tinha ouvido. Isso fez com que a discussão acabasse e ela quis saber mais sobre isso:

– Quer dizer que você que me ver nos braços de outros homens?

– Você não imagina o quanto eu gostaria disso. Aliás, já imaginei isso e você não imagina o tesão que me dá.

Ela não comentou mais nada, porém, aquilo não lhe saia da cabeça. Mariana sabia que um dia aquela fantasia de seu marido se tornaria realidade e se surpreendeu ao se ver excitada ao se imaginar com ele e outro homem na cama. Mas tudo ficava ainda no campo da imaginação.

Depois de alguns meses dessa conversa, quando a insatisfação sexual dos dois era latente e Claudio já não a procurava por mais de uma semana, eles foram convidados por um casal de amigos para irem a uma casa noturna assistirem a um show de um artista que estava despontando no cenário nacional. Quase que não foram, pois na hora de sair, o carro de Claudio deu defeito e quando ligou para o amigo dele, este se prontificou a passar pelo apartamento deles. Combinaram assim e foram os quatro no mesmo carro. Quando deu duas horas da manhã, o celular do amigo tocou. Era uma ligação para que ele fosse para o hospital que trabalhava uma vez que surgiu uma emergência. Ele era médico e não teve como se livrar da obrigação. Claudio o tranquilizou, dizendo que ele podia ficar tranquilo, que ele e Mariana pegariam um táxi quando resolvessem ir embora. Assim os dois se viram sozinhos na casa noturna.

O show foi realmente um arraso e o casal nem viu a hora passar e só saíram de lá quando as atividades da casa se encerraram. Assim foram para a Avenida próxima à casa noturna, mas não deram sorte, pois todos os táxis que passavam estavam ocupados. Já estavam a mais de vinte minutos, Claudio já estava aflito, quando viu Mariana levantar os dois dedos para um carro enquanto dizia:

– Tem que levar nós dois.

Claudio achou uma bobagem, uma vez que, com os vidros fechados, o cara que estava ao volante não iria ouvir. Mas quando o carro parou logo adiante, Mariana o puxou pelas mãos, foi para o lado do motorista e repetiu a mesma frase, ouvido da parte dele que estava tudo bem.

Era um homem mais velho que eles, aparentando estar próximo dos quarenta anos que se apresentou dizendo chamar-se Sergio. Claudio sentou-se no banco do carona enquanto Mariana ocupava o banco traseiro, sentado atrás de seu marido. Sergio se apresentou e contou que estava chateado em casa, saindo para dar uma volta de carro. Não escondeu o fato de que era casado e tinha duas filhas. No caminho, disse que estava com fome e convidou ao casal para procurarem um local para comerem algo. Na verdade, ele pediu como se fosse um favor, que eles lhe fizessem companhia.

Aceitaram, foram a uma panificadora que já estava aberta naquela hora e conversaram muito enquanto comiam um lanche. Depois Sergio os levou para casa. Na despedida, trocaram números de telefone e Claudio disse ao novo amigo que aparecesse para papear sempre que quisesse.

No mesmo dia, a tarde, o celular de Claudio tocou e era Sergio com aquele tipo de conversa de quem não tem muito a dizer. Ele entendeu logo a intenção do homem e o convidou para vir até sua casa. Sergio não só aceitou, como apareceu com um litro de uísque importado vinte minutos depois. Claudio, talvez de forma intencional, não avisou à Mariana disso e quando Sergio chegou, ela estava vestida com um short curto, um bustiê e descalça, deixando seu lindo corpo quase que totalmente à mostra. Ela ainda tentou trocar de roupas, mas foi impedida pelo marido.

Desta forma surgiu uma amizade entre o casal e Sergio que, segundo percebeu Mariana, era vítima de um casamento sem cumplicidade de vítima da rotina que esse tipo de relacionamento impõe. Enquanto o amigo passou a ser companhia frequente na casa deles, pois aparecia sem avisar, Mariana começou a notar os olhares gulosos que ele lhe dirigia quando achava que Claudio não estava olhando. Quando ela comentou isso com seu marido ele quis saber:

– E como você se sente sendo desejada na frente do seu marido?

Mariana pensou bem, criou coragem e respondeu:

– Não posso mentir que não me dá tesão isso. É uma coisa inteiramente nova para mim.

– Então você devia provocar ainda mais ele para a gente ver qual será sua reação.

– Você só pode estar doido mesmo.

A conversa ficou nesse pé, porém, uma semente fora plantada na cabeça de Mariana. Sergio era um homem simpático, bem de vida, pois era empresário, com altura um pouco superior ao dos dois e um rosto, segundo ela, até bonito. Então, talvez até sem perceber, ela passou a agir de forma mais provocante. Quando Sergio aparecia e ela estava no quarto, aparecia na sala trajando apenas uma camisola transparente e curta, com os seios praticamente a mostra e depois fingia susto por perceber a presença do amigo e saia rebolando da sala em direção ao quarto. Também era comum ela se sentar ao lado dele no sofá quando se reuniam para assistir televisão e de vez em quando, ao se dirigir a ele, punha uma de suas mãos sobre a perna dele e ficava assim durante um longo tempo.

Até o dia em que Claudio chegou em casa e encontrou uma Mariana nervosa. Ele quis saber o motivo e ela confessou que Sergio fora até sua casa e, pelo horário, deveria saber que Claudio não se encontrava lá. Aproveitando o fato de estarem apenas os dois, Sergio resolveu se abrir, falando para a loira do desejo que sentia por ela e no final a convidou para saírem um dia, apenas os dois. Mariana se assustou com aquilo e pediu para que ele se retirasse, pois jamais trairia seu marido.

Se para Mariana a atitude de Sergio era digna de crítica, Claudio ouviu aquilo com toda a naturalidade, o que irritou a ela, obrigando-o a explicar que era normal qualquer homem sentir tesão por ela que era tão linda e que o amigo só estava sendo normal. A princípio ela não se convenceu, porém, naquela noite, ao transar com Claudio, imaginou estar nos braços do amigo e aquilo a deixou muito acesa. Resolveu então instigar ao marido, perguntando o que ele faria se, em vez dele, fosse Sergio que estivesse ali na cama com eles. Foi como ligar um interruptor, pois Claudio, ao ouvir isso, foi acometido de um tesão tão grande que passou a foder Mariana como se fosse a última vez, fazendo-a ter orgasmos múltiplos. Ainda naquela noite, depois de meses, ele pediu e conseguiu comer o cuzinho dela que gritava ao receber aquele pau dentro dela, gozando ainda mais.

As coisas então estavam bem definidas para o casal. Mariana sentia tesão por Sergio que não escondia seu desejo por ela e Claudio demonstrava sempre que adoraria que ela trouxesse o amigo para a cama deles. Mariana então começou a dar mais abertura ao homem, mas como ele fora rechaçado na sua única tentativa, evitava ficar sozinho com ela e até mesmo sua presença na casa dos amigos passou a ser mais esporádica.

Foi então que o casal teve uma conversa séria com Claudio perguntando à sua esposa se ela estava realmente a fim de transar com o Sergio. Ela, sem hesitar, disse que tinha muito medo daquilo tudo, mas por outro lado, sentia um tesão enorme sempre que e Sergio estava presente e também com o fato de provocá-lo. Diante disso, combinaram que ela teria maior liberdade. A partir dessa conversa, era comum Sergio visitar a casa deles e Claudio estar ausente, ou então arrumar uma desculpa para sair. Mariana passou então exercer maior pressão sobre o pobre do homem, chegando até mesmo a deixar-se surpreender por ele com roupas provocantes, chegando um dia a atender à porta usando um baby-doll transparente e embaixo apenas uma calcinha, também transparente. O pobre homem quase teve um ataque cardíaco, porém, não avançou ao sinal. Com isso se passaram quatro meses e nada aconteceu.

Houve um dia em que Claudio pegou Mariana no seu serviço e foram até um Shopping Center. Era uma quarta-feira e do nada, resolveram sair para jantar. Na praça de alimentação do Shopping o assunto Sergio surgiu entre eles, com ela afirmando que era melhor desistir, porque não acreditava mais que poderia surgir alguma coisa. Foi então que o marido teve uma ideia e pediu para ela ligar para ele, dizendo que estavam ali e se ele não gostaria de vir até eles. Mariana telefonou e voltou à mesa sorridente, dizendo que Sergio havia sugerido que fossem até um bar de um amigo dele, que ele em breve iria até lá. Como o apartamento deles ficava no caminho, Claudio resolveu deixar seu carro em casa e seguiram de táxi até o local combinado. Quando chegaram lá, Sergio ainda não havia chegado, então ocuparam uma mesa, sentados um em frente ao outro, ficando um lugar vago em cada um dos lados.

Menos de meia hora depois Sergio lá estava. Ia se sentando ao lado de Claudio, porém, Mariana reclamou dizendo que se sentia rejeitada com dois homens sentados um ao lado do outro e ela sozinha. Sergio, muito sem graça, foi sentar-se ao lado dela. Ali pediram uma pizza e beberam um vinho da casa e depois ficaram conversando por um bom tempo. Quando era quase onze horas da noite, resolveram ir embora, quando então Claudio disse que estava sem o carro, que vieram de táxi. Sergio disse que não havia problemas, que ele levaria o casal em casa. Porém, alegando que tinha bebido um pouco além da conta, pediu para que Claudio dirigisse para ele. Assim foram, com Mariana sentada ao lado de Claudio e Sergio no banco de trás. Logo que saíram, Sergio sugeriu que poderiam beber mais uma taça de vinho e resolveram passar em um bar que ele indicou e que ficava no caminho, porém, ao chegarem ao local, se depararam com o bar fechado. Sergio não conseguiu esconder sua decepção e Mariana fez coro a ele. Foi nessa hora que Claudio sugeriu:

– Num dia como hoje, plena quarta-feira, acho que para beber alguma coisa, só indo a um motel.

Imediatamente Mariana disse:

– Eu topo.

Sergio ainda tentou desconversar, mas Mariana o provocou:

– Está com medo do que gato? Ninguém vai fazer mal nenhum a você.

Diante dessa provocação, ele acabou concordando. Claudio saiu então a um Motel próximo de onde se encontravam e entraram, com Sergio se escondendo no banco traseiro. Entraram em uma suíte com três pisos, no primeiro ficava a garagem, subindo uma escada tinha uma sala pequena com uma escada em espiral e ao lado uma porta que dava acesso a um amplo quarto, com espelhos por toda a parede e, subindo pela escada em espiral, um espaço com teto elétrico, que se abria, uma hidromassagem, sauna e uma pequena mesa com quatro cadeiras. Mariana se encarregou de pedir bebidas e um tira gosto e Claudio se despiu e foi para dentro da hidromassagem que ainda estava enchendo. Sergio, provocado por Mariana, acabou por imitar seu amigo e foi também. Mariana não pode deixar de perceber que o pau de Sergio, a meio mastro ainda, era menor do que o de Claudio que tinha um pau normal, de dezessete centímetros. Ela ficou aguardando a bebida chegar e quando chegou colocou as bebidas e o tira gosto próximo à hidromassagem e saiu da vista dos dois homens.

Logo Mariana voltou e Sergio quase desmaiou com a visão que teve. Com uma toalha na cintura, dobrada para cobrir apenas seu bumbum e a buceta, mostrava seus lindos seios. Mas ele não teve tempo para curtir essa visão, pois logo veio outro melhor, Se livrando da toalha, Mariana entrou também na hidro, sentando-se entre os dois, Nessa altura o clima de tesão já estava alto e começaram a falar sacanagem. Mariana, aproveitando o momento, pegou no pau de Claudio embaixo da água e começou a fazer uma leve masturbação. Sergio reclamou com o tratamento que ela deva ao marido e ela não vacilou em pegar também no pau dele com a mão livre. Muito excitada, ela não conseguiu ficar só nisso e virou-se para o marido, beijando-o na boca, deixando sua bundinha virada para o lado de Sergio que, sem poder mais resistir, a puxou e fez com que ela se sentasse no colo dele. Mariana sorriu e levou a mão até o pau de Sergio, encaixando-o em sua bucetinha e se sentando nele, enquanto dizia no ouvido de Claudio:

– Ai amor, ele está comendo minha xoxotinha.

O tesão de Claudio foi a altura e ele quase gozou só com aquela cena e com os gemidos que Mariana começou a dar. Mas a transa na hidro não demorou muito porque ela, como confessou depois ao marido, estava se sentindo desconfortável naquela posição. Então se levantou e dizendo que ia para o quarto, saiu nua da hidro, e desceu a escada. Sergio não demorou a perguntar para Claudio:

– Eu posso ir lá?

– Acho que não só pode como deve. – Respondeu ele.

Sergio saiu em disparada deixando Claudio sozinho. Não demorou muito tempo e esse também não resistiu e desceu a escada, chegando até a porta e abriu uma fresta, tendo uma visão total da cama. Nela, Mariana estava em cima de Sergio, chupando o seu pau, enquanto ele chupava sua buceta. Ambos gemiam e não demorou em Mariana gozar na boca do seu, agora amante. Então ela se levantou e foi sobre ele, começando a cavalgá-lo, gritando como era gostoso ser fodida daquele jeito e pedindo para que ele gozasse logo, o que não demorou, pois logo ouviu-se os gritos do homem, ao mesmo tempo que socava com força a buceta da loira. Cansados, deitaram-se um ao lado do outro e Mariana, percebendo que seu marido estava assistindo da porta, o convidou para a cama.

Claudio, explodindo de tesão, não resistiu e partiu para cima de sua amada, colocando-se sobre ela e socando o pau na buceta dela com uma velocidade incrível, fazendo com que os dois logo gozassem juntos.

Os três na cama, conversando, agora sobre sacanagem, com Mariana querendo saber de Sergio porque ele havia evitando tanto transar com ela. Ele explicou que, apesar do tesão que sentia, havia se apegando a amizade de Claudio e não queria magoá-lo. Mariana riu muito dele e, rindo mais ainda, contou para o marido que quando descera, Sergio havia trancado a porta do quarto, só a deixando aberta por ser uma exigência dela.

Assim surgiu algo mais que uma amizade entre os três. Naquela noite Sergio ainda transou com Mariana, ficando sobre ela que, levantando as pernas, prendeu seus corpos a ponto de chegar a levantar quando ele levantava um pouco a mais o quadril, até que anunciou seu gozo, não para o macho que a fodia, mas sim ao marido que ali ao lado, assistia a tudo.

Depois desse dia, passou a ser normal o encontro entre os três e quando a filha de Mariana estava com o pai, eles transavam no apartamento do casal mesmo. Sergio, alegando que seu pau era menor, aprendeu a foder o cuzinho de Mariana todas as vezes que transavam. Mas ainda não tinham feito uma dupla penetração nela, o que ela reclamava par ao marido.

– Isso cabe a você determinar quando e como, querida. – Dizia o marido já dando sinais de tesão, o que sempre acontecia quando falavam de suas transas com Sergio.

Mariana não demorou a resolver isso. Em um final de semana que estava só o casal em casa, ela ligou para Sergio, convidando-o a saírem. Ela resolveu provocar já ao se vestir. Pegou uma saia preta justa, cinta liga com meias também preta e um sapato com quinze centímetros de salto. Em cima uma blusa de abotoar, totalmente transparente e um sutiã meia taça que valorizava ainda mais seus belos seios. Chegaram a um local para beber, em que as mesas eram baixas e havia um sofazinho de cada lado. Não demorou para ela ir à toalete e, quando voltou, Claudio notou que ela havia enrolado a saia na cintura, deixando-a bem curta e, mal se sentou, pediu para que Sergio pegasse a sua mão. Ele, que estava de frente para ela, estendeu a mão e ela sorriu dizendo:

– Assim não seu bobo. Por baixo da mesa.

Sergio então obedeceu e ela puxou a mão dele para o meio de suas pernas. A sua expressão de surpresa foi incrível e, sem pensar, disparou:

– Olha só, essa vadia está sem calcinha!

– Você tirou a calcinha na toalete? – perguntou Claudio, também espantado.

– Não querido. Eu já saí de casa sem.

O tesão que tomaram os dois homens ficou incontrolável e, se não estivessem em um local público, teriam partido para cima de Mariana e fodido ela ali mesmo. Não demorou a pedirem a conta e saírem com pressa rumo ao apartamento do casal. Lá chegando, ainda na sala, Sergio agarrou Mariana com um beijo de língua enquanto seu marido a agarrava por traz, puxando sua saia para cima e acariciando sua bunda, enquanto mordiscava seu pescoço e orelhas. A blusa de Mariana foi tirada as pressas, o sutiã arrancando e a saia desapareceu, ficando ela apenas com a cinta liga, meias e sapatos. O trio foi andando com ela para o quarto, onde ambos tiraram suas roupas e Claudio se atirou na cama, deitado de costas. Mariana se colocou entre suas pernas e começou a chupar seu pau, enquanto Sergio chupava a buceta dela, passando a língua desde o grelinho até o cuzinho. Mariana então foi subindo sobre o marido até encaixar o pau dele em sua buceta que entrou de uma vez, diante da excitação dela que já a deixara toda molhada. Com um pau na buceta, ela empinou a bundinha e disse:

– Vem Sergio, come logo meu cuzinho que eu hoje quero dois paus dentro de mim.

Como um louco, o amante não vacilou e subiu sobre a cama, posicionou o pau na entrada do cuzinho dela e foi enfiando sem parar, até entrar todo. Mariana, ao sentir dois paus dentro de si, entrou em um estágio de loucura, gritando como era bom ser a vadia de seus dois machos e gozando sem parar, até que os dois homens encheram seu buraquinhos de porra.

Quando chegou nesse estágio da história, Mariana falou:

– Essa foi a última vez que transamos com o Sergio. E foi também minha primeira dupla penetração.

– E por que vocês pararam de transar? – Quis saber Lucio.

– Porque ele não tinha mais nada a oferecer. Todas as fantasias que tínhamos realizamos com ele. Fora isso, ele era meio travado e sequer tinha uma esposa que compartilhava de suas fantasias. Achamos que isso não era justo.

– Do meu jeito de ver, vocês usaram eles. – Criticou Lucio.

Ao ouvir isso, o casal teve reações diferentes. Enquanto Claudio ficou boquiaberto, olhando para Lucio, Mariana falou em defesa de ambos dizendo que Sergio não demonstrara nenhum arrependimento de ter transado com eles e continuou, fazendo com que Lucio se arrependesse de ter feito aquela observação. Ela disse:

– Estranho você dizer isso. Daqui a pouco vai dizer que usamos você também. Porque, se você tiver, pode até fazer uma reclamação no PROCON, que eu não estou nem aí.

– Não foi isso que eu quis dizer...

– Lógico que foi. – Mariana estava realmente ensandecida e continuou. – Quer saber, você é mais travado ainda, porque nós não podemos falar nada da esposa do Sergio, porque jamais a vimos e ele dizia que ela jamais aceitaria algo assim. Mas você não. Você teve uma grande chance de entrar nesse mundo liberal, pois quase noivou com uma mulher que pelo jeito é muito liberal. E o que você fez? Você saiu todo ofendido,

Lucio tentou então se desculpar, mas não teve chance.

– Quer saber o que mais? Você é patético. Gosta de foder a mulher dos outros, mas quando soube que sua namoradinha era do babado, em vez de aproveitar a deixa e entrar na vida dela, começando a curtir a vida pra valer, ficou todo ofendido, mesmo tendo gozado na parede da casa da amiga dela quando assistiu a transa das duas.

Aquilo foi demais pra Lucio que explodiu:

– E como é que você sabe disso.

– Oras querida. Todo mundo sabe. Ou você acha que ela e Janaína fizeram algum segredo do que aconteceu? Deixe de ser panaca rapaz, o que elas queriam mesmo era ter você no meio delas.

Realmente desnorteado em descobrir que todos sabiam o real motivo do término de seu relacionamento com Roseli, Lucio perdeu totalmente a descompostura. Resolveu parar de discutir e, meia hora depois, estava em seu carro voltando para casa sozinho, imaginando várias formas de humilhar Mariana e também Janaína, e outras mais de demiti-las de uma forma que prejudicassem a carreira delas.

Enquanto isso, na beira da piscina, Claudio dizia para Mariana:

– Pode preparar seu currículo assim que chegarmos em casa, porque você vai se demitida.

– Que se foda, a gente trouxe o cara aqui pra ver se abre a cabeça dele e ele vem criticar a gente! Pois sim, ser usado. Parece até que é viado com essas conversas de boiola.

Claudio não pode deixar de rir e só parou quando Maurício e Elaine chegavam à piscina.

– O que nós perdemos aqui?

– Vocês não perderam nada, só ganharam. Quem estava atrapalhando a gente foi embora. – Disse Mariana enquanto se despia do pequeno biquíni que usava, indo até Maurício e lhe beijando a boca.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
24/05/2018 11:11:16
muito bom
22/05/2018 21:17:48
Feliz por demais com sua visita e leitura de meus contos. Sou seu fã. Tenho um estilo parecido. Falei parecido mas entenda como tento me aproximar de sua forma de contar um história. Saiba que suas histórias me dão gás para buscar fazer o melhor. escritoreroticoba@yahoo.com.br
22/05/2018 11:53:32
Excelente,agora faça com quem o Lucio se imponha diante das situações,creio que está na hora dele ter uma conversa com a Roseli, uma outra observação,contos que demoram muito a postar a continuação tiram o interesse do leitor, no mais parabéns.
22/05/2018 09:28:16
Essa parte não ficou tão interessante, esse caso com Sérgio tirou minha concentração, mas serviu de arremate pro próximo capítulo, quando Roseli deve aparecer novamente