Casa dos Contos Eróticos

Eu entrei na sala errada. I

Um conto erótico de Guxta_0k
Categoria: Homossexual
Data: 03/05/2018 00:02:14
Última revisão: 10/10/2018 23:52:12
Nota 9.60

- Goza! - Falo cavalgando no pau de Alex. - Mete no cu da sua putinha.

- Sente tudinho, viadinho. Sente seu macho te fodendo todinho. - Ele batia na minha bunda branca deixando ela toda vermelhinha.

- VOU GOZAR, PORRA! AHAHAHA!

- Goza no cuzinho do seu viadinho, vai.

Alex esporra dentro de mim e eu também gozo na barriga dele. Deito sobre seu peito esfregando minha porra toda nele. Seu pau continua dentro de mim.

- Eu te amo, Fê. - Ele me diz fazendo cafuné na minha cabeça.

- Também te amo. Olho para ele. - Seu pau já mole desengata de mim e sua gala começa a escorrer do meu cu. Começo a lacrimejar.

- Que foi, cara? - Ele diz olhando para mim.

- Alex, você sabe, não pode mais adiar. - Ele desvia o olhar. - Não quero ir. Mano, eu te amo.

- Felipe, - Olhando para a janela. - eu sei que você não quer ir para Goiânia, também não quero que você vá, mas, tentei conversar com sua mãe para te deixar com sua avó e ela não deixou. Ela disse que lá a educação é melhor. Cara é melhor para você, Fê. - Ele me olha com a quele olhar doce que só ele tem. - Sorri. - Continuo sério. - Sorri... - Olho nos olhos dele e levanto as sobrancelhas. - Se você não sorrir, já sabe. - Ainda nus, ele segura em minha cintura. Ainda estou sobre ele.

- O que? - Desafio-o.

- Vou te torturar. - Ele se levanta e entra no banheiro do quarto. Ainda nu.

- Me torturar? Não tem coragem. - Faço cara de sédico.

Alex vem correndo em minha direção e deita sobre mim me enchendo de cócegas. - Assim! - Ele diz entredentes.

- PARA, ALEX! PORRA! AHAHAHAAHHA.

- Diz por favor.

-POR FAVOR, ALEX, PARA. HAHAHAHAH. - Alex para e minha barriga continua com aquela dorzinha de pós cocegas.

- Agora sorri quando eu disser.

- Claro patrão. - DIgo sorrindo. - Vai tomar banho agora, porco.

- Ok. kkk.

Alex tomou seu banho no banheiro social e eu no do meu quarto. Na hora de ir embora, ele me beija e simplesmente vira a esquina. Me prometeu que iria vir aqui em casa no dia seguinte quando for para Goiânia.

MATHEUS

- Féria, férias, férias! Por que foi tão rápido?!

- Para de drama, Matheus. - Diz meu pai.

- Ei, foi UM MÊS JOGADO FORA NA FAZENDA!

- Matheus foi bom para todos nós. Respirar ar puro, andar a cavalo. - Minha mãe tenta ajudar os argumentos.

- Mãe, moramos em Goiás. cavalo é o que não falta. - Digo tirando as malas da caminhonete.

- E outra seu avô achou o máximo você ter ido.

- Pois é. O lado bom foi ter ido no Rio Araguaia. Aquele hotelzão! - Digo.

Vejo um jornal de uma semana atrás na calçada de casa: "Goiânia é foco para quem tenta sair do interior."

- Não entendi o porquê tem piscina dentro do hotel se o rio é na frente. - Diz meu pai abrindo a porta de casa.

- Realmente. - Concorda minha mãe. Eu já fico calado.

No outro dia começava as aulas, meus materiais e tals já estavam comprados. 3º ano do E.M.!!!

Entro no meu quarto e vejo meus cabelos pretos todos bagunçados e minha roupa amarrotada. O espelho do meu quarto é de parede, pegando do teto ao chão. Isso fica fácil para comportar meus 1, 73 m de altura. O fato de eu ser branco, me deixa bacana com roupas cinzas mas camiseta amarrotada não fica bem em ninguém. O dia passou tranquilo. De noite, deitado. Coloquei um pornozinho e toquei uma punhetinha meladinha.

FELIPE

- Felipe acorda. Suas malas já estão no carro. Já vamos. O Alex já está te esperando na sala. Sua roupa está aqui do lado da porta.

Visto uma roupa qualquer para ir embora. Alex entra no meu quarto e senta na cama. Quaro vazio. Sem nada além da cama com colchão. Alex só me olha calçar o tênis. Vejo ele lacrimejando. E tampa o rosto com as mãos. Vou até ele. Abraço-o. Ficamos assim. Abraçadinhos. Juntos. Juntos. Juntos. Nos levantamos e coloquei meus braços sobre seus ombros e ele em minha cintura. Ficamos abraçados e dançarolando. Ambos emocionados. Falamos nada. Encostamos nossas testas e de olhos fechados nos beijamos. Não falamos nada.

- Vem Felipe. Já vamos! - Ouço minha mãe gritando do lado de fora.

- Não vai, por favor. - Ele diz chorando.

- Não deixa mais difícil, Alex. - Chorando. Seguramos nossas mãos.

Saímos de mãos dadas e ele me beijou pela última vez. Entrei no carro e o deixei. Cada vez menor no horizonte. No carro, tocava a música "Perfect - Ed Sheeran" em português. Sentado no banco de trás, encostei minha cabeça no vidro ainda escorrendo lágrimas. Vi uma placa: "Goiânia 384 Km". E lá fomos...

Música: https://www.youtube.com/watch?v=YvpphJNcaX4 ("Perfect - Ed Sheeran" em português)

Continua...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
14/10/2018 10:08:15
Despedidas são sempre duras...
12/10/2018 15:23:56
Uma separação assim, por mais que saibamos ser melhor para a outra pessoa, é sempre muito dolorosa...
04/05/2018 15:05:45
Mas o por que dessa mudança......
03/05/2018 19:35:37
SEPARAÇÃO É ALGO SEMPRE MUITO TRISTE. AINDA MAIS QUANDO EXISTE AMOR, TESÃO, JURAS, ETC
03/05/2018 00:14:58
Legal... e a música dá um clima no final kkk.