Casa dos Contos Eróticos

Sogra no carro

Um conto erótico de Negro Adora Coroas
Categoria: Heterossexual
Data: 16/05/2018 00:46:20
Última revisão: 16/05/2018 00:49:25
Nota 9.43

Acredito que não preciso me apresentar mais, muito menos minha sogra deliciosa. Sugiro lerem meus contos anteriores para se deliciarem com essa mulher maravilhosa.

Chega a ser curioso, minha sogra a cada dia que passa, a cada dia que fica mais velha, fica mais vaidosa e parece que mais gostosa, mais tesuda ! Tanto que recentemente foi chamada até para fazer um trabalho de modelo, um álbum para mulheres mais experientes.

Não consigo mais me controlar quando estou perto dela e ela por sua vez, também não tem mais resistido as minhas investidas, depois da última vez que esfolei o rabo dela com gosto, nunca mais ela recusou essa rola preta. De certa forma estive afastado um pouco por conta do trabalho, viajei para Minas, Campo Grande e Porto Alegre, mais de 1 mês fora.

Quando voltei de viagem havia um aniversário da família da minha noiva para ir, aniversário de uma tia dela. Confesso que não sou muito fã de festas, mas como havia ficado um tempo distante, queria rever o pessoal e comparecer para matar a saudade. Chegando na casa da minha noiva para buscá-la, entrei para cumprimentar todos. Meu sogro, já sabia que não ia, na verdade nunca sai de casa, minha noiva terminando de se arrumar e minha sogra na cozinha. Fui falar com ela dar oi e saber das novidades, tudo muito polido e político, normal, na verdade tudo muito natural.

Como disse anteriormente, ela está cada vez mais vaidosa e além disso, queria transmitir jovialidade. Estava com uma camiseta preta, uma jaqueta jeans, combinando com sua calça que era meio estilizada, tinha aqueles rasgos nos joelhos, partes da coxas e pernas, e um tênis preto. Aqueles tênis que tem uns detalhes brilhantes para chamar atenção. Ela até brincou comigo dizendo, nossa nem vão me notar com esse tênis né ? Rsrs

Apenas sorri, foi quando minha noiva chegou e então entramos no carro para irmos ao aniversário. Chegamos lá, tudo correu conforme o esperado, confesso que minha sogra estava bem soltinha, bebendo uns drinks lá. Já era passava um pouco da meia noite, minha sogra estava cansada e querendo ir embora, minha noiva querendo ficar para curtir mais um pouco. Não coube outra alternativa a não ser sugerir levá-la para casa e depois voltar para curtir mais um pouco, não tinha dúvida de que minha noiva não iria se opor e com o seu aval fomos.

Fomos conversando na boa dentro do carro, eu já estava com o pau duro imaginando o que poderia fazer com aquela mulher gostosa, de certa forma um pouco mais vulnerável, eis que pensei:

Porra, na rua em cima da casa dela, é tudo parado, vazio, uma rua morta... vou fazer o caminho que dá naquela rua e quando chegar lá vejo se consigo algo.

Fiz o caminho mais longo, obviamente que ela notou e disse:

Nossa, está fazendo o caminho mais longo só para matar a saudade de conversar com a sogrinha ?

Respondi:

Sim, com toda a certeza. Fiquei muito tempo fora e quero me atualizar de tudo. Mas não é só disso que senti falta.

Ela então me questionou:

Ah é ? E do que mais sentiu falta ?

Tudo que eu esperava, uma brecha para tentar algo, disse:

Senti falta de você, do seu corpo, do seu cheiro.

Ela apenas abriu um leve sorriso e não disse mais nada. Chegando na rua, fui diminuindo a velocidade e apenas ordenei:

Vai para o banco de trás.

Ela sorriu mais uma vez e respondeu:

Era tudo o que eu queria, pensei que não fosse me propor nada.

Não tinha muito tempo para perder, tinha que ser algo não muito demorado para não ter que ficar justificando nada.

Já tinha tudo o que queria fazer na minha cabeça, então parei o carro, empurrei os bancos para frente deixando mais espaçoso e comecei a beijar aquela boca maravilhosa. Mordia seus lábios, "chupava" seu pescoço e orelhas, notava ela ficando toda arrepiada e gemendo bem baixinho, puxando minha camiseta de tesão, me apertando.

Fui tirando sua jaqueta, sua blusa e seu sutiã, vendo aqueles peitos deliciosos comecei a lamber, mordiscar e chupar muito eles, ela por sua vez cheia de tesão só gemia. Praticamente como um animal, deitei ela no banco, desabotoei sua calça e joguei suas pernas para cima. Tirando seu tênis, não resisti, tinha que beijar aqueles pés, nossa como beijei com vontade !!! Suas unhas feitas, pintadas de preto, contraste perfeito com aqueles pés brancos, que tesão... e o cheiro ? Não era aquele chulé insuportável, era um chulé agradável até, natural dos pés um pouco suados, mas foi maravilhoso beijar e sentir aqueles pés na minha boca.

Depois de tirar seus tênis, com o pau rasgando o shorts, arranquei sua calça com brutalidade, sua calcinha não saiu por completo, nessa hora não pensei duas vezes, rasguei ela e chupei aquela buceta... que buceta gostosa, moicano peludo ! Chupei e em três minutos ela gozou na minha boca, gemia alto. Evitando chamar atenção, cai sobre ela no papai mamãe e enfiei a rola na buceta melada, beijando a boca dela com a intenção de fazer com que ela não gemesse alto.

Comia ela com força, enfincava a rola sem dó nem piedade, aquelas estocadas gostosas que você sente as bolas batendo na xota. Depois do dia que comi o cú dela, queria de novo e dessa vez não ia deixar passar, coloquei ela de quatro no banco virando-a para traseira do carro, ela empinou a bunda, dei umas boas lambidas e sem muita cerimônia enterrei a rola naquele rabo gostoso. Depois que entrou por completo, com uma mão tapava sua boca e com a outra puxava seus cabelos... rola para dentro ! Cinco minutos de estocada no rabo e ela gozou com vontade.

Vendo aquele rabo tremer, aquela bunda gostosa de mulher experiente, com celulite e estria... sim, eu gosto disso, gosto do natural. A cada estocada sentia a pressão na rola aumentando para gozar, dava uns tapas fortes e deixava aquela bunda branca toda vermelha. Eu tinha ficado maluco com aqueles pés, queria beijá-los novamente, então pedi para ela deitar novamente, coloquei seus pés no meu peito e meti gostoso... metia até o fundo e beijava muito seus pés, mordia o calcanhar, apertava suas coxas, não durou dois minutos e gozei, inundei aquela xana inteira de porra, coloquei o pau pra fora e esfregava na xota peluda.

Nos limpamos com o que deu, ela se trocou e entrou para casa, eu voltei para festa e vida que segue. Espero que gostem... abraços e qualquer coisa entrem em contato.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
21/09/2018 15:50:04
Ótimo conto, nota 10. Leia os meus da série: "EU, MINHA ESPOSA E MEU AMIGO DA ADOLESCÊNCIA"
16/07/2018 11:34:28
Querido, é um conto muito bom. Que safadinha essa tua sogra. Mas se ela quer e você quer, quem é quem tem a ver com isso? Só a noiva e o sogro, desde que ela não fiquem sabendo. Rs. Mais uma aventura erótica, sexy...carregada. Fica aqui meu comentário e nota. Sem dúvida, outro dez. Visite meu novo conto quando quiser. Bjs babados.
08/07/2018 09:53:41
sensacional
11/06/2018 23:26:54
Sogrinha safada essa.
18/05/2018 03:54:50
Muito bom!
17/05/2018 00:53:56
Hmmmmm... dlc
16/05/2018 11:45:38
Belo conto, nota 10