Casa dos Contos Eróticos

Enterrar o Passado - Claudio- Capitulo XXVII

Capitulo XXVII

GUSTAVO

- Então sentiu minha falta?? – fiquei olhando pra ele, o menino ficou vermelho e baixou a cabeça. –

- Sim ...- simples assim, derreti na hora eu sabia o quanto era difícil pra ele confiar em alguém, já tinha conversado muito com o psicólogo do orfanato e com o Beto sobre ele. –

- Então o que tá lendo?? – ele adorava estórias de aventuras, eu vi que ele estava lendo o livro que eu dei pra ele, (Vinte mil léguas submarinas de Julio Verne)

- Aquele livro que o senhor deixou. – ele me mostrou a capa. -

- Então em que parte tu está?? – era incrível olhar pra ele e pensar como um menino desses ainda não tinha sido adotado, ele estava no orfanato desde os cinco anos e agora já tinha doze. -

Ele ficou ali me contando a estória e eu me perdi, minha mente se acalmou como sempre quando eu estávamos juntos me fazia bem, fiquei olhando ele falando, era loirinho olhos claros, parecia muito frágil e na realidade era mesmo.

Segundo a ficha dele o pai tinha sido morto pela polícia durante um assalto e a mãe desapareceu, foi criado por alguns tios, que infelizmente maltratavam a criança, ele tinha marcas de cigarro pelo corpo como vi pelas fotos que eu tinha no relatório, aquilo me chocou e também me deixou com uma grande raiva e eu não lido bem com isso.

Além das agressões físicas havia agressões verbais e confinamento o menino era acorrentado e...

Meu coração acelerava quando pensava nisso era melhor não pensar mais.... eles foram denunciados e .... bem foi uma das primeiras coisas que resolvi depois de conhecer o menino, essa gente nunca mais teria chance de machucar ninguém ...e isso somente eu saberia....isso já não importava mais, eu me apegava cada dia mais ao Tiago.

Quando o Gus me pediu para cuidar do orfanato na hora achei que era mais fácil pedir pra Paula, mas ele sabia como eu era.

A partir do momento que eu conheci as crianças todas passaram a fazer parte da minha vida, e eu iria cuidar delas uma por uma, como eu sabia que era a vontade do Gus. Era difícil de entender minha relação com o Gus a maioria das pessoas não entendia, mas conhecíamos muito bem um ao outro e sempre seria assim, ele sabia que eu nunca mais deixaria aquelas crianças desamparados.

Me encostei melhor no banco e fiquei prestando atenção no que ele falava, mas era difícil de me concentrar eu tinha muitas coisas pra resolver, a clínica iria ser aberta, escolhi pessoalmente os funcionários tive ajuda da tia Nika e claro do Renato e do Lucas.

Quando conheci os meninos, meu primeiro pensamento tinha sido levar o Lucas para as empresas ele aprenderia muito, mas o Gustavo tinha pedido pra deixar ele cuidando da fundação e ele tinha razão o menino era incansável tudo sempre estava organizado, e claro tinha o Renato eu sabia que ele representava para o Gus, Ele era realmente um menino de ouro, cuidadoso e querido, mas ao mesmo tempo ele tinha aquele jeitão dele, as vezes ele dava medo nas pessoas com aquele olhar duro, mas eu sabia que era defesa. O menino tinha me conquistado e eu sabia que ele sempre estaria ao lado do Gus cuidando dele e ajudando, já tínhamos conversado sobre isso, eu ia fazendo meus planos e quando chegasse a hora eu iria cuidar da minha vida, mas para isso o Gus teria que estar muito bem e cercado de amigos e de gente que poderia ajudar ele com a fundação, da minha parte eu cuidaria das empresas mas para isso eu poderia estar morando na capital. O Renato cuidaria do Gus pra mim, quando eu estivesse longe.

Estava tão perdido dentro da minha mente que notei ao longe o Rodrigo me olhando, foi ai que percebi que o Tiago tinha deitado a cabeça no meu colo e continuava a falar sobre a estória, eu não sabia o que fazer, não sabia se eu me mexia ou ficava quietinho, olhei pro Rodrigo que fez sinal para que eu ficasse parado sabíamos como era importante esse momento para o menino, finalmente ele tinha confiado em alguém, e para minha alegria esse alguém era eu, e eu nunca faria nada para perder essa confiançaQuanto sentei na frente do Rodrigo ficamos falando sobre o menino e a festa na escola do Tavinho, dona Norma tinha me pedido ajuda e eu contava com um auxiliar em segredo.

- Mas Claudio acha realmente que isso seria bom para as crianças?

- Claro só em eles saírem e começarem a ensaiar a música e a coreografia já vai fazer com que eles se sintam bem, e depois eles vão conhecer as crianças do colégio do Tavinho tudo isso vai fazer uma integração entre elas. E sabe que o Tavinho vai infernizar nossa vida se falarmos que as crianças não podem ir...

Começamos a rir, no dia da festa na fazenda o Tavinho perguntou se os meninos do orfanato não podiam participar da festa da escola, na hora eu não soube o que fazer, mas ele me puxou pela mão e fez eu e o Rodrigo prometer que não iriamos contar na pro Gus, seria um segredo entre nós, ele sabia que o Gus ia ficar muito feliz com tudo. Nós combinamos de ensaiar todos juntos na mansão pra isso eu contava com ajuda de muitas pessoas.

Bem eu tava pior que o Gus não conseguia negar nada pro Tavinho, até por que eu sabia que ali estava o motivo para o Gus andar tão feliz, claro tinha o Vinicius mas com o Tavinho por perto o Gus não tinha tempo para ficar pensando no passado, o Tavinho não dava essa chance pra ele, então eu tinha um grande aliado ao meu lado.

Mas eu ainda precisava falar com o médico do Gus, eu acho que ele estava se emocionando demais ultimamente e as dores de cabeça voltaram, eu sabia como funcionavam os sintomas, preciso falar com o Vinicius.

FABRICIO/NICOLAS

- Mas Claudio tu não precisa ir embora ...O que te impede de ficar aqui continuar trabalhando na empresa, por favor ... – fiquei olhando ele que não parava de chorar. -

- Tu sabe que nada disso teria acontecido se não fosse por tu a causa. Eu nunca seria feliz sem a tua ajuda. – eu segurei o rosto do Nicolas e beijei ele. Ele seria pra sempre um homem importante da minha vida, mas agora era hora de eu seguir meu caminho. Sai andando em direção a sala de embarque, virei para minha despedida, eu sei que tornaríamos a nos encontrar, não sei daqui a quanto tempo, mas eu voltaria. Acenei para os dois que estavam abraçados e entrei.

Quando sentei no meu banco no avião, deixei todos os sentimento e dores tomarem conta de mim.

Tudo foi uma sucessão de encontros e desencontrosA minha vida com o Nicolas estava complicada, não por causa dele mas por minha causa. Eu não estava satisfeito e isso transparecia em tudo, eu estava irritado. Minha cabeça não funciona como a das outras pessoas, ver o Nicolas comigo sorrindo e ao mesmo tempo saber que lá no fundo ele continuava sofrendo não era pra mim, eu não era assim, quero alguém inteiro pra mim, não quero meios.

Desde a última visita do Rubens eu via que o Nicolas estava confuso e bem eu ia resolver tudo isso, quase meio ano tinha passado e ele ainda estava triste, claro ninguém notava, mas eu não era alguém normal.

Eu tinha que seguir e não gostava de deixa pontas pra trás. Eu devia isso a eleNICOLAS

Quando entrei na pequena firma fui direto ao balcão.

- Bom dia eu poderia falar com o Rubens tenho algumas coisas para resolver com ele...

- Claro senhor, olha ali ....ele está saindo ...

Quando me virei ele estava saindo por uma porta, era uma empresa pequena, pelo que sei era um tipo de empreiteira.

Logo que me viu ele ficou branco chegou a dar um passo pra trás, mas eu não estava ali pra discutir com ninguém mas sim conversar...

Fui em direção a ele e estendi a mão.

- Bom dia Rubens que bom que pode me atender, eu preciso conversar contigo sobre a obra lá de casa. – ele me olhou assustado mas entendeu que eu não queria conversar com ele em frente a recepcionista. –

- Bem ..Claudio eu não sei...eu ...- ele me olhava sem entender nada, tava todo atrapalhado eu achava engraçado. –

- Vem vamos pra tua sala, pode ser que hoje eu consiga fazer tua vida mudar e finalmente tu ser feliz. – ele saiu andando eu só fui atrás, sabia que naquele momento se tudo corresse como eu queria a minha vida também iria mudar e se tudo desse certo o Nicolas seria um homem feliz e no final de tudo era isso que eu queria. -

- Pode sentar por favor. – ele falou e sentou, ficou me olhando. –

- Bom, eu não sou de muitos rodeios e bem quero saber... Tu gosta do Nicolas? – ele se assustou –

- Eu...eu ...- detesto gente confusa, não sei o que andava acontecendo comigo, eu andava muito sem paciência. –

- Cara fala logo, não tenho o dia para esperar.

- Eu acho que nunca deixei de gostar.... – ele ficou me olhando, tava perdido...eu até entendia...até por ali claro ...

- Tá ok...E o que vai fazer sobre isso? - seria bem melhor ele fechar a boca estava babando, parece que ele precisava de um encontrão, e eu sou bom nisso .-

- Eu não tenho o que fazer .... o Nicolas escolheu ficar contigo e ele tá feliz assim...eu tô acabado com tudo isso, o que pensei na minha vida já perdeu todo o sentido e... com tudo que ele falou ....nunca achei que ele ...bem .. eu tenho família, mulher, filho eu não posso ...E o que minha família vai pensar?

- E ... o que tu quer dizer com isso ...eu ... fazer

Cara que coisa complicada pra mim, detesto gente que não sabe o que quer. –

- Bom então estou no lugar errado, eu nunca ia deixar o Nicolas ficar com alguém tão fraco e indeciso como tu, é melhor eu ir embora já terminei por aqui. – levantei e quando ia alcançar a porta ...

– Como deixar?...Eu ainda tenho alguma chance?...O que tu quer dizer? ...por favor não sai ... – virei ele tava em pé encostado na mesa. –

Voltei e sentei.

- Bem então me ouve, e se tu realmente quer ficar com o Nicolas ...bem tem coisas das quais tu vai ter que desistir...e vai ter coisas pela qual tu vai ter que lutar ...e se no fim tu realmente quiser ser feliz ainda nessa vida...tudo vai estar nas tuas mãos ... É tu que vai ter que decidir. – ele sentou e começou a prestar atenção no que eu diziaFABRICIO

Quando cheguei na pequena cidade, deixei meu carro parado a alguns metros do endereço que ele me deu ...dirigindo... isso era tão estranho ainda ...mas bem tudo muda.

Parei na frente da praça onde ficava a mecânica que ele tinha montado ...realmente agora era algo diferente ... era uma empresa grande, vi alguns funcionários andando pra lá e pra cá, vários carros estacionados...fiquei feliz por ele, a vida do Fabricio tinha mudado e a minha também ia mudar.

Com as questões do Nicolas resolvidas a minha vida tinha que seguir, agora com o filho do Fabricio grande, como seguiria nossa vida, o menino já tinha passado por muitos problemas, mas algumas coisas tinham que ser resolvidas, meu coração estava dividido....

Sempre que dava ficávamos juntos eu e o Fabricio em uma cidade vizinha, mas eu sei que ele queria mais que isso, da última vez que nos encontramos notei que ele tava estranho.

Mas agora era a hora? Que eu amava ele isso para mim era certo. Mas agora era a hora de viver isso? ... Eu não sei.

Eu tinha resolvido mudar de vida novamente, meu momento com o Nicolas já tinha passado, ele foi e é ainda importantíssimo na minha vida. Nesses anos que ficamos juntos ele me mostrou que a vida era muito maior do que eu imaginava, que as possibilidades eram infinitas, me fez entender que com educação e estudo eu poderia chegar onde eu quisesse, ele na realidade plantou em mim essa sede de saber, de conhecer, de fazer acontecer.

Por isso eu estava tão dividido, eu sabia que teria que tomar uma decisão....uma decisão que meu coração já tinha tomado a muito tempo, ficar com o Fabricio ter o nosso momento agora.

A merda era que eu não era guiado somente pelo coração minha razão era muito forte dentro de mim, eu sabia que muita coisa ia depender dessa conversa com o Fabricio.

Através do Nicolas eu tinha conseguido uma vaga muito importante em uma empresa parceira da dele, coisa que ele não estava aceitando muito bem, para ele era importante que eu ficasse ao lado dele agora, mas minha presença sempre seria algo que iria incomodar o relacionamento dele com o Rubens e eu não queria estar no meio de uma relação.

Devido as minhas viagens constantes agora pra São Paulo, esse parceiro do Nicolas ficou interessado no meu serviço, antes seria diferente, mas agora ...bem eu poderia ir para essa nova empresa, novos desafios, novas possibilidades, mas o mais importante terminar meus estudos em São Paulo e depois voltar, mas eu sabia que o Fabricio não iria esperar mais esse tempo.

Me perdi nos pensamentos, quando dei por mim uma caminhonete parou na frente da oficina e dela saiu o Fabricio com um menino do lado, claro o filho dele e do outro lado uma mulher, essa eu não conhecia, ela não era a mãe do menino ...eu devia ter avisado que eu viria??

Eu estava para entrar no carro, eu ia para o hotel e ligaria pra ele.

- Claudio!!

Ele tava atravessando a rua, o menino estava entrando com a mulher.

- Desculpe ter vindo assim, eu devia ter ligado. – me virei e me encostei no carro. –

- Está dirigindo agora?? – tudo que eu queria era que ele me abraçasse e dissesse que tudo ia ficar bem, mas ali naquela cidade isso não era possível. –

- Sim, foi preciso eu tava correndo muito pra lá e pra cá. – ele ficou me olhando estava assustado. –

- Eu ia te ligar .. precisávamos conversar ... - ele disse olhando pros lados. -

- Eu imagino. - olhei pra trás dele onde a mulher tinha entrado. -

- Eu posso explicar sobre ela ... – ele olhava para os lados, eu sabia que muita gente estava nos olhando agora. -

- Não precisa, eu já imaginava alguma coisa, tu tava muito estranho da última vez...eu vou indo depois falamos ...

- Espera ....por favor – ele segurou meu braço, ele sabia que eu não gostava, tirou na hora. –

- Olha vamos sentar ali na praça podemos conversar um pouco...Ela não é o que tu pensa. É só ...Podemos sair daqui?

Não respondi nada sai andando, era uma praça bonita bem arborizada típica das cidades do interior. Meu coração já sabia que as coisas não seriam como ele queria e começou a doer.

Esperei o Fabricio sentar ao meu lado.

- Dio tudo é tão complicado ...

- Quem sabe simplesmente me fala, acho mais fácil ... – ele passou a mão pelos cabelos, continuava lindo do jeito dele, o tempo claro tinha deixado as marcas, ainda éramos tão novos e tínhamos passado por tanta coisa, mas o tempo ....enfim não perdoa.

- Dio eu ainda te amo ...amo muito ...cada vez que nos separamos meu coração fica doente por um bom tempo...eu não aguento mais isso, essa situação meu filho tá bem, e eu preciso tocar minha vida ... mas meu coração não deixa, eu continuo só pensando no momento em que tu vai voltar e vai dizer que agora é a nossa hora que finalmente vamos ficar juntos ...- eu sei que ele não tava mentindo, mas ...de que forma era isso ...

- Bricio...olha pra mim – ele levantou o olhar e encontrou o meu. Era claro que ele me amava assim como eu amava ele, mas ...sempre existe o mas ... –

- Como tu imagina que seria a nossa vida? – ele ficou me olhando vi que a expressão dele mudouEu ...eu sei que não é o que tu imagina ...e isso tá acabando comigo ..- sim eu sabia –

- Me fala, me diz ...

- Tu podia vir morar aqui, eu agora graças a ti consigo nos dar uma vida boa e ... bem seria um pouco diferente .... tu pode abrir alguma coisa aqui pra ti também e... – ele baixou os olhosNão ia adiantar não é ... – ele me falou com lagrimas nos olhos –

- E como seria essa vida aqui Bricio? Eu preciso que tu fale isso, quero que tu veja o que tu está me pedindo pra fazer...

- Dio ...eu sei ...sei tudo que tu tá pensando. –

- Bricio fala por favor, fala o que tu pensa . – ele tava chorando. –

- Tu poderia morar aqui ...eu conseguiria um lugar pra ti e bem ...a gente pode se encontrar sempre que der ...eEu seria teu amante, amigo ...quando as pessoas não estivessem olhando nós poderíamos nos encontrar e ficar juntos e eu ficaria sempre esperando tu aparecer.... – ele chorava, sabia que eu nunca iria concordar com isso. –

- Não precisa ser assim??

- E como seria? ...Nós iriamos morar juntos...criar teu filho que iria finalmente saber quem eu sou ...a cidade toda saberia quem nós somos ...isso iria acontecer Bricio? – eu estava me segurando –

- Tu sabe que não ... – nós dois sabíamos. -

- Então... Vê bem o que tu tá me pedindo ...

- Eu te amo Dio ...te amo ... – eu via as lágrimas caindo, isso eu tinha certeza.-

- Tu viria junto...iria embora comigo ... – fiz a pergunta, mas eu sabia a resposta. –

- Sabe que não ..que não posso ... lutei tanto pra conseguir chegar até aqui e começar tudo de novo em outro lugar ... . – Não podia ou não queria...-

- Então eu não preciso mais estar aqui ... – tentei levantar ele me abraçouDio por favor...vamos dar um jeito ...

- E que jeito seria Bricio ...em que caminho nós teremos uma vida descente e digna ...sem eu precisar ficar me escondendo dos outros. ...- ele chorava comigo. -

- Acho que tu já encontrou teu caminho Bricio, tá na hora de eu encontrar o meu ... – vi que a mulher estava nos olhando do outro lado da rua. -

- Como assim que vai fazer!! – vi que ele se assustou. –

- Vou embora Bricio ...- contei pra ele meus planos. –

- Não pode .... eu não vou mais te ver ...- acho que tava na hora de encerrar isso, ele chamava muita atenção e no final ele ainda ficaria aqui, ninguém sabia quem eu eraOlha tua mulher tá olhando ...

Ele enjugou as lagrimas e endireitou o corpo.

- Ela é só alguém que eu ...- coloquei o dedo na boca dele. –

- Eu não quero saber ...

- Bricio, levanta eles estão vindo ...

Vi que a mulher atravessou com a criança.

- Dio eu não vou mais te esperar ...eu .... – olhei pra ele queria guardar esses últimos momentos ...ele sempre seria meu homem...sempre estaria comigo. –

- Bricio olha como seria ... – vi muita gente nos olhando, algum empregados dele saíram pra rua,-

- Acha que é essa vida escondida que eu mereço? ..

Ele ficou me olhando ...

- Eu não posso mais esperar Dio... eu ... – ele tava destruído estava na hora de eu ir embora. -

- Oi amor tá tudo bem? ..- era uma mulher nova, ela ficou me olhando. –

- Filho vem cá. – o menino foi no colo dele, era uma pequena cópia do Bricio, ele estava bem finalmente e isso já ... é pelo menos pra mim o suficiente, ver que o menino tinha passado por tudo e estava bem fez valer a pena tudo que aconteceu com a gente. –

- Filho esse é teu padrinho Claudio, lembra que sempre falo dele... – olhei pro Fabricio e a mulher não tirava os olhos de mim. -

- Sim papaiE o que tu me disse que ia fazer? ...

- Dindo ... – ele estendeu os braços pra mim eu peguei o menino no colo, ele beijou meu rosto. Passei a mão no rostinho dele ele era um querido ...eu não ia aguentar muito tempo. -

- Que lindo tu tá...sabe que sempre penso em ti não sabe? – eu nunca tinha entrado em contato com ele. Para que se eu nunca estaria do lado dele...mas essa não era a questão...ele estava bem e isso era o importante ...

Ele balançou o rostinho fez sinal que sim, mesmo longe esse menino era importante pra mim...por tudo e principalmente por quem era o pai dele. -

- O Fabricio sempre fala em tia mulher falou, olhei pra ele, ele ainda tava chorando. –

Entreguei o menino pra ela.

- Fernanda leva ele ... – o Claudio disse, e mulher ficou me olhando. -

- Não precisa pode ir Bricio, eu já tenho que ir embora, tenho que pegar a estrada ... ele ficou me olhando sabia que eu estava me despedindo. – ela ficou me olhando e saiu com o menino.

- Dio por favor, eu não vou mais ficar te esperando, eu preciso seguir euBricio eu não tô pedindo nada, só te cuida, seja feliz e eu...bem...vou seguir ...

- Dio eu preciso continuar ... – eu via as lagrimas escorrendo e ao mesmo tempo sabia que ele queria me abraçar, mas isso nunca iria acontecer ali, ele se segurava varias pessoas olhavam na volta. -

- Continua por nós .... – eu disse e ele me abraçou e começou a chorar de novo. -

- Bricio olha na volta, não é a hora ...

- Tá bem.., – Além das pessoas nos olhando, a mulher ainda segurava a criança no outro lado da rua. Ele enxugou as lagrimas e se arrumou. -

- Adeus Bricio ... um dia quem sabe ...

- Vou seguir Dio ... não aguento mais isso. – eu sabia, e eu também não queria mais essa situação ...nem pra ele ...nem pra mim. -

- Adeus ...- disse pra ele, meu coração apertou, ele saiu andando em direção ao filho enquanto eu fui em direção ao carro, eu não ia aguentar muito tempo.

Quando segurei a maçaneta do carro.

Ele atravessou correndo e me abraçou ... falou no meu ouvido.

- Um dia ...- ele me disse e ficou me olhando enquanto eu saia com o carro. –

Consegui andar algumas quadras e parei, foi uma das últimas vezes na minha vida em que meu coração tomou o lugar da minha mente ... eu chorei.

Amar nem sempre é o suficienteValter - oi querido tambem espero que tudo de certo tambem...mas bem é a vida ...grande abraço

Geomateus - com certeza explicou bem o momento...grande abraço querido

Guigo - Que bom querido ele merece...grande abraço

Healer - Sim tambem acho, é o inconsciente deles falando, mas existem gays e gays assim como e heteros e heteros, acho que é o ser humano e seus pensamentos estranhos...grande abraço guri

nayara - É agora a estoria se volta mais pras coisas dele, até por que agora ele fala mais dele o que nao acontecia antes...bjaoooo

Comentários

18/05/2018 23:49:00
Nossa q capítulo. No lugar do Cláudio eu tb não teria aceitado a proposta do Fabrício de ser amante dele. Cláudio mostrou mais uma vez q honra o q tem no meio das pernas...Mesmo já sabendo q os dois vão ter um reencontro no final, fiquei muito triste com esse capítulo...Ansiosa pelo próximo. Bjs meus qrdos.
16/05/2018 08:56:29
Não sei pq meu voto não apareceu.as, votarei de novo.
16/05/2018 00:22:08
Se eu não soubesse pelo conto de Gustavo e Vinicius que no final Cláudio e Fabrício aparecem juntos após a reforma da mansão na festa, eu diria supeficialmente que Fabrício estaria "cozinhando" Cláudio esse tempo todo por uma questão utilitária. Aparecer com uma mulher assim, após tudo que Dio fez, foi fogo e pior ainda sugerir essa proposta de amante, para manter uma imagem para a cidade onde mora. Me fez pensar que ele ainda era aquele barman prostituto que pegava homens para manter o filho, só que agora com outro viés, e que não é gay ou bissexual de "verdade. Mas como disse superficialmente, porque pareceu ter sentimentos de verdade, se não era por amor da parte de Fabrício, foi por consideração pelo que Cláudio ajudou a passar. E no final ele nesse meio tempo decidiu voltar para Dio. Vou pegar sua gíria kkk, um abração guri.
15/05/2018 23:33:59
Ai, esse capítulo foi triste. 💔💔💔😔😔😔
15/05/2018 22:23:36
E quanto ao presente conto, apesar desta separação dolorida do Cláudio e do Fabrício, pelo que me recordo do conto anterior, quando o Cláudio der por terminada a sua tarefa de apoio ao Gus e puder regressar a S. Paulo, ele irá lutar novamente pelo seu amor com o Fabrício e nessa altura, creio que chegará a hora deles.
15/05/2018 21:17:21
Nossa como sempre o Claudio abrindo mão de ser feliz para os outros ser, mas gostei muito da atitude dele não querer ser amante.......
15/05/2018 21:12:50
Esta série de contos é extraordinária, tanto pela diversidade de personagens, como pelo entrecruzamento das suas histórias de vida. Se, para mim, a personagem mais controversa foi a do Monte, no conto "Monte & Bear" tal como comentei lá atrás no capítulo final desse conto, a personagem do Cláudio é sem dúvida a mais apaixonante: desde as suas origens, à sua homossexualidade plenamente assumida, aliada a uma virilidade incontestável na sua capacidade de enfrentar as maiores adversidades da vida, mas sempre lutando com toda a coragem agressividade contra quem se atravessa no seu caminho. Acima de tudo é exemplar a robustez do seu carácter e a forma como consegue estruturar a sua vida, traçando objetivos e lutando passo a passo pela sua concretização, mesmo a longo prazo. É incrível a abnegação com que luta pela felicidade dos seus amigos. E é admirável a sua entrega a um amor praticamente impossível e que mesmo sem futuro não se transforma em ódio nem indiferença. Voltando a esta série de contos, é pena o autor não encarar a hipótese de a publicar em livro, libertando-se da fragmentação narrativa em vários contos e da necessidade de recorrer a saltos cronológicos, impostos pela publicação neste espaço da Casa dos Contos.
15/05/2018 16:28:03
POW. DE LONGE ESSE FOI O PIOR CAPÍTULO QUE EU LI. NÃO CONSIGO IMAGINAR FABRÍCIO SEM CLAUDIO E VICE-VERSA. NÃO VOU NEGAR QUE FABRÍCIO FOI FRACO, COVARDE DEMAIS. NÃO FOI HOMEM SUFICIENTE PRA SUPORTAR A ESPERA, MESMO DEPOIS DE TEREM PASSADO POR TUDO QUE PASSARAM. DECEPCIONEI DEMAIS COM FABRÍCIO AO LER ESSE CAPÍTULO. MAS LÁ NO FUNDO DO MEU PEITO AINDA TENHO A ESPERANÇA QUE ISSO PODE SE REVERTER. LAMENTÁVEL A PROPOSTA DE FABRÍCIO DE SER AMANTE DE CLAUDIO. CHEGA A SER RIDÍCULO. ENTENDO CLAUDIO PERFEITAMENTE. NÃO SEI DIVIDIR PESSOAS TB. OU ENTRO INTEIRO E DE CABEÇA NUMA RELAÇÃO OU NÃO ENTRO. OU A PESSOA É PRA MIM OU É DE OUTRO. POXA, PENSEI QUE FABRÍCIO TINHA AMADURECIDO NESSE TEMPO, MAS ME ENGANEI REDONDAMENTE. AQUI A LAMENTAR. MUITO TRISTE EM VER UM AMOR ASSIM TERMINAR. UM RELACIONAMENTO QUE PROMETIA SER MARAVILHOSO TERMINAR NUMA PRAÇA DE CIDADE PEQUENA. COMPLICADO ISSO.
15/05/2018 10:42:09
Esse amor que eles sentem um pelo amor foi puro contudo a coragem, o tempo, a disposição para se viver não e para cada um,infelizmente o carma se faz presente na vida das pessoas, viver é um aprendizado que algumas vezes sofrido.

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.