Fui Corno no Resort Com Minha Namorada

Um conto erótico de Namorado Corno
Categoria: Heterossexual
Data: 14/05/2018 10:16:36
Nota 10.00
Assuntos: Corno, Heterossexual

Já fazia algum tempo que eu e minha namorada fantasiávamos com a ideia de ter outro homem com a gente na cama, sempre ficávamos falando sobre isso enquanto transávamos e era sempre delicioso ver a bucetinha dela ficando molhada quando eu começava a falar que ela estava liberada pra sentir outro pau quando quisesse. Por muitos anos ficamos apenas na fantasia, mas finalmente colocamos nossos desejos em prática quando fomos tirar umas férias de 10 dias num resort no nordeste.

Nossa viagem foi programada com antecedência, combinamos de passar 10 dias num resort com tudo incluso para comemorar 5 anos de namoro, a ansiedade antes da viagem foi enorme, contamos nos dedos cada dia esperando chegar nossa viagem. Minha namorada estava malhando todos os dias na academia pra ficar com o corpinho ainda mais delicioso para desfilar pelo calor do nordeste, minha ruivinha, branquinha iria se destacar com certeza. A B. tem 29 anos e é maravilhosa, suas tatuagens destacam na pele clarinha, pequena, cheirosa e deliciosa, ela sempre chama atenção por sua beleza e vaidade.

Algumas semanas antes da viagem ela começou a comprar algumas roupas novas para ficar ainda mais linda, incentivei ela a escolher algumas bem ousadas e sensuais já que estaríamos longe de todos os conhecidos e que ela poderia ficar bem à vontade, ajudei ela a escolher cada biquíni, vestidinho, shortinho, sandália, e blusinhas, fiz questão de pagar por tudo, afinal vê-la desfilando naquelas roupas seria um presente pra mim. A B. adora usar tornozeleiras, outro dia eu estava vendo alguns sites sobre casais liberais e vi que a tornozeleira no pé direito, especialmente com pingentes de pimenta e outros símbolos, significa no meio liberal que a mulher é casada, mas está liberada para conhecer outros homens. Comentei com ela e decidimos comprar uma tornozeleira nova com alguns pingentes de pimentinhas para testar. Até que enfim fomos viajar.

Pegamos o avião de manhãzinha e chegamos ao resort perto da hora do almoço, o lugar era lindo, várias piscinas e áreas verdes, restaurantes e barzinhos de todos os tipos e um clima super agradável que fazia valer cada centavo investido. Nosso quarto era a cereja do bolo, uma cama gigante e deliciosa, varanda com vista para o mar e um banheiro bem amplo com uma banheira de casal e duchas duplas, um verdadeiro ninho de amor. Certamente seriam 10 dias de puro prazer naquele lugar.

Nos primeiros dias aproveitamos para descansar e relaxar nas piscinas do resort e em nosso quarto, vimos algumas pessoas interessantes hospedadas, mas nada que chamasse muita atenção. A B. gostou muito do serviço de massagem e quando eu vi o massagista entendi tudo, um negro alto e forte que oferecia esse serviço para os hóspedes, principalmente o público feminino que tinham que disputar os horários na agenda dele.

No terceiro dia de viagem saímos para um passeio de escuna que o pessoal do resort organizou, minha namorada estava linda com um shortinho sobre o biquíni e a tornozeleira nova no pé direito. O passeio foi bem animado, alguns casais e grupos de amigos que estavam hospedados bebiam drinques e cervejas enquanto trocavam ideias e se conheciam. Percebi um cara que não tirava os olhos da B., ele aparentava ser um pouco mais velho que a gente, mas tinha uma ótima forma física e muito bonito. Toda hora que eu disfarçava e olhava ele estava secando a B. naquele shortinho e com aquele biquíni pequeno cobrindo seus peitinhos, a B. parecia não perceber que estava sendo a atração dele.

Quando o barco encostou próximo a uma ilha, algumas pessoas pularam na água com boias para curtir o mar, eu estava louco para me refrescar, mas a B. não quis entrar na água e disse que ficaria no barco me esperando. Mergulhei e fiquei curtindo aquele mar delicioso e relaxante por um tempo, quando olhei para o barco pra procurar a B. vi que o cara que não tirava o olho dela estava conversando com ela, não era possível ouvir o que falavam, mas estavam animados e sorridentes enquanto tomavam um drinque. Senti um pouco de ciúmes na hora, e achei que o cara estava sendo muito abusado, mas meu pau ficou muito duro também vendo aquilo, pensei que não deveria me estressar, apenas curtir nossas férias e que se a B. estivesse a vontade com aquele homem eu não deveria interferir, prometi que deixaria rolar e senti prazer em aceitar, tive que me distrair um pouco antes de subir de volta pro barco para esconder a ereção.

Quando me aproximei deles a B. me apresentou “esse é meu namorado A. que te falei, A. esse é o Paulo, ele está hospedado lá no resort também.”, o cumprimentei com um aperto de mão e senti que ele tinha uma mão grande e forte, perguntei quanto tempo ele iria ficar hospedado lá e ele respondeu que ficaria mais 5 dias ainda. O barco fez mais algumas paradas para quem quisesse nadar e fiz questão de entrar na água todas as vezes para deixar a B. e o Paulo conversando sozinhos, aquilo estava me deixando muito excitado, ver aquele homem dando em cima da B. bem na minha frente foi uma sensação indescritível. Quando voltamos do passeio sugeri que poderíamos nos encontrar novamente para tomar uma cervejinha, Paulo nos passou seu telefone e disse que era só chamar que ele adoraria.

Quando chegamos no quarto, depois do passeio, a B. estava louca pra transar, estava toda assanhada e quando meti o dedo na sua bucetinha percebi o quanto ela estava animada com a viagem, sua bucetinha depilada estava encharcada de tesão, metemos bem gostoso sem falar nada e gozamos forte antes de cair no sono. A noite jantamos e disse que seria legal tomar uma cervejinha com o Paulo no dia seguinte se ela quisesse, os olhinhos dela brilharam e ela achou uma ótima ideia. Disse pra ela mandar uma mensagem no celular dele para saber se ele tinha alguma sugestão, ela na mesma hora pegou o celular e escreveu pra ele, não demorou nem 10 minutos e o Paulo escreveu de volta dizendo que toda noite tinha uma festa legal num dos barzinhos do resort e que sempre tinha um pessoal animado lá. Decidimos que seria uma boa ideia aproveitar aquela noite deliciosa de calor, marcamos de encontrar com o Paulo na festa por voltas das 23:00 e fomos para o quarto nos preparar.

A B. estava animada com aquela situação, mandar uma mensagem marcando de se encontrar com o cara que tinha passado a tarde inteira dando em cima dela, na frente do namorado, deixava ela eufórica. Eu sentia ciúmes, mas também era muito excitante estar vivendo aquilo e ver a animação dela. Eu estava pronto em 20 minutos, a B. ficou se arrumando por 2 horas eu acho, ver ela sendo caprichosa e se preparando para sair e encontrar nosso novo amigo era lindo. Ela estava com um vestidinho preto que deixava ela um tesão, peitinhos livres em baixo do pano e uma calcinha de renda bem sexy, a sandália de salto deixava a bunda dela ainda mais empinada, pedi pra ela usar a tornozeleira nova, ela sorriu e disse: “Claro que vou com ela né! Parece que ela é minha tornozeleira da sorte!”, e deu risada.

Chegamos no barzinho quase meia noite, estava bem cheio e bastante animado, tinha uma pista de dança com DJ e jogo de luz para a galera beber e dançar. O Paulo estava conversando com um pessoal e quando nos viu veio direto nos receber, elogiou a B. e disse que eu era um homem de sorte e que devia agradecer por ter uma mulher tão linda ao meu lado. Pegamos umas cervejas e ficamos conversando, relembramos os lugares lindos que vimos no passeio de escuna, o Paulo era um pouco abusado, mas era um ótimo sujeito, era educado e adorava conversar, a B. estava se sentindo a vontade com ele e isso me deixava feliz. Tomamos algumas cervejinhas e demos algumas risadas, quando a B. saiu por um momento o Paulo chegou e me falou: “A., acho que você já percebeu o que está rolando, sua namorada é maravilhosa e eu estou quase agarrando ela aqui, quero saber se você está de acordo com isso”, ele ter sido tão direto comigo foi um baque, gaguejei um pouco antes de responder e disse: “Tranquilo Paulo, a B. gostou de você”, ele apertou forte minha mão com aquela mão grande e falou: “Que bom A., vou cuidar bem dela”. Naquele momento eu assinava meu contrato de corno com o Paulo.

Quando a B. voltou o Paulo disse: “Falei com ele B., ele concordou!”, na hora que ouvi aquilo e vi o sorriso de cumplicidade da minha namorada com aquele cara que a gente tinha acabado de conhecer foi um misto de tesão com ciúmes, me controlei e falei: “Essa mulher é maravilhosa ela merece curtir a vida, eu sempre amarei ela”, a B. me deu um abraço e cochichou em meu ouvido: “Te amo, amor”. Esses momentos fazem valer a pena pela dedicação e respeito num relacionamento, eu e a B. somos companheiros e nos amamos, o Paulo era só um garanhão sarado e bronzeado que ela sentia tesão. Naquela noite ela seria dele, mas pelo resto da vida eu seria o sortudo vivendo e acordando com ela todos os dias.O Paulo segurou ela pela mão da aliança e falou: “Então vou dançar um pouco com essa gata enquanto você pega umas cervejas pra gente” e foi levando a B. em direção a pista de dança enquanto ela me olhava e se deixava levar pelas mãos do novo amigo.

Eu já estava entregue aquela situação nova de ver minha querida namorada sendo possuída por um macho que conhecemos naquele mesmo dia, fiquei um bom tempo de longe assistindo os dois se curtindo na pista de dança, ele percorrendo o corpinho dela sobre o vestido, sentindo o cheiro delicioso da minha amada. A B. fechava os olhinhos e se entregava nas mãos do Paulo e de vez em quando me olhava com aquela carinha linda e eu sempre sorria para ela. O clima foi esquentando e os dois começaram a se beijar e se pegar aos olhos de todo mundo, apesar de ninguém conhecer a gente, a situação me deixava um pouco desconfortável, depois de um tempo vendo eles no amasso resolvi sugerir para os dois que podíamos tomar umas cervejas no nosso quarto para ter mais privacidade. Fui até os dois e dei a ideia, eles toparam e fomos curtir a noite em nosso quarto.

Quando entramos no quarto o Paulo disse: “Uau! isso sim é um quarto de resort! O quarto que me deram é menor do que essa cama.” Demos risada e fomos curtir a vista maravilhosa da sacada. Brindamos com nossas cervejas e sai para ir ao banheiro e deixar os dois mais a vontade. Fiquei da porta do banheiro assistindo o Paulo segurando a B. pelo cabelo e beijando ela de língua, beijando e cheirando seu pescoço, fazendo ela contorcer o quadril e soltar gemidos de uma fêmea cheia de tesão. Meu pau estava estourando de tesão, mas eu não queria interferir naquele namoro dos dois, ouvir os dois gemendo cheios de tesão me deixava enlouquecido de prazer. Na posição que eles estavam apenas o Paulo podia me ver, a B. estava de costas para mim e era lindo ver aquela bundinha empinada de salto e com o vestidinho levantado e sua tornozeleira da sorte. O Paulo fazia questão de se exibir e mostrar a pegada dele, pegava com as duas mãos na bunda dela e esfregava o pau duro enquanto beijava e lambia ela, fazendo a B. se entregar toda para ele. Minha cerveja já tinha acabado e não tinha nenhuma em nosso frigobar para eu tomar enquanto assistia aquele show, vi que a cerveja deles estava quase intocada ainda e fui até a varanda pedir se poderia tomar elas enquanto eles continuavam o namoro, eles riram e disseram “Claro! Pode beber!”, encostei na sacada tomando um gole e vendo aquele momento maravilhoso, nisso o Paulo pegou a B. e levou para dentro do quarto e foi tirando o vestido dela e jogando ela na cama, ele tirou a camisa exibindo seu físico e quando tirou a bermuda o volume na cueca era impressionante, a B. olhou e já mordeu e lambeu os beiços imaginando o que viria pela frente. Paulo ficou de cueca e foi em cima dela beijando e encostando aquela rola dura nela, a B. gemia e fechava os olhinhos enquanto o cara se deliciava com aquele corpinho gostoso, ele foi beijando e descendo até chegar na bucetinha dela, ela estava se contorcendo e segurando o lençol de tesão, ele beijou um pouco sobre a calcinha e foi tirando ela e descobrindo a linda bucetinha rosada da B., o Paulo ficou um tempo admirando, passou o dedo pra sentir o quanto estava encharcada aquela buceta rosadinha e caiu de boca fazendo a B. gemer alto e se contorcer, o cara sabia o que estava fazendo minha namorada nunca tinha ficado tão excitada daquele jeito, ele chupava e enfiava os dedos nela deixando ela virando os olhinhos, ela deve ter gozado umas 3 vezes na boca e nos dedos dele quando pediu para tomar uma água e retribuir o carinho. A B. tomou um copo de água e me mandou um beijinho me olhando na sacada, eu já tinha tomado toda a cerveja, mas nem estava preocupado, aquela estava sendo a noite mais excitante da minha vida.

Eu estava apaixonado vendo a B. peladinha só de salto e tornozeleira de pimenta com um macho em nosso quarto, era o terceiro dia de viagem e já tinha valido cada centavo investido, mandei um beijinho de amor pra ela enquanto o Paulo já agarrava ela novamente, ele trouxe ela na sacada bem perto de mim e ficou beijando, esfregando e apalpando a B. bem na minha frente, cheio de tesão na minha namorada. A mãozinha dela tentando segurar o pau dele por cima da cueca era lindo de ver, aquela mão delicada de esmalte vermelho e nossa aliança segurando aquela tora era uma cena marcante. Minha gata não resistiu e desceu beijando o corpo do Paulo até ficar com o rosto bem de frente praquele volume na cueca dele, ela deu alguns beijinhos por cima da cueca e mordidinhas pra provocar nosso amigo enquanto olhava pra ele com carinha de safada. Aquilo era lindo demais, a boquinha carnuda da minha namorada tão perto de chupar a rola do macho, quando ela abaixou a cueca dele e tirou pra fora aquele pau grande e grosso percebi que nem tinha como comparar comigo, além de maior, a rola do Paulo era bem mais grossa que a minha.

Minha linda namorada começou a beijar aquele pau cheia de carinho e tesão, lambia as bolas, subia lambendo e tentava colocar aquele mastro inteiro na boquinha, sem conseguir. A B. tem uma boca deliciosa para mamar, ela chupa sem pressa e deixa o pau bem babado, mas parecia que ela estava ainda mais safada chupando o Paulo, parecia que ela queria impressionar com a habilidade de mamar que ela tem. O Paulo gemia e curtia o boquete da minha namorada, ela elogiava o pau dele dizendo que era o maior que ela já tinha visto. O Paulo olho pra mim e falou: “Será que a B. está preparada pra conhecer um pau de macho de verdade, A.? Põe o dedo na bucetinha dela e me fala o que você acha.” Quando coloquei o dedo eu fiquei impressionado o quanto ela estava molhada e como meu dedo entrou fácil nela, respondi: “Ela está mais do que preparada, coloca uma camisinha e dá um trato na bucetinha dela.”, “Não tenho nenhuma, você vai ter que me emprestar.”, ele falou. Eu e a B. sempre transamos sem camisinha e nem lembramos de levar algumas para um possível encontro. Ao ouvir a conversa a B. tirou o pau da boca um pouquinho e resmungou: “Ai, não acredito que vocês não tem nenhuma camisinha, como eu fico?”. Para não estragar aquele momento eu disse que iria buscar uma camisinha na recepção, e que eles podiam continuar nos beijinhos sem colocar o pau pra dentro até eu voltar com as camisinhas. Os dois concordaram e eu saí do quarto, enquanto fechava a porta aproveitei para admirar mais uma vez minha linda namorada peladinha, só de salto ajoelhada e mamando um cara pauzudo em nosso quarto.

Fechei a porta e fui em direção à recepção, estava um pouco embriagado já com as cervejas e não lembrava que a recepção ficava tão longe, não conseguia tirar da cabeça a cena da minha namoradinha mamando aquele pau grosso de um cara que tínhamos conhecido naquele dia, ficava imaginando o que eles estariam fazendo enquanto eu caminhava até a recepção em busca de camisinhas para eles, estava muito excitado com tudo aquilo, a imagem deles não saia da minha mente. Depois de andar um pouco cheguei na recepção e perguntei se eles tinham camisinhas, o atendente demorou um pouco, mas conseguiu um pacote com 3 que para aquela noite seria suficiente, imaginei. Fiz questão de voltar bem devagar para deixar os dois aproveitarem mais um pouco sozinhos.

Chegando perto do nosso quarto ouvi os gemidos da B. e logo imaginei que ele estava chupando a bucetinha dela de novo, parei na porta do quarto e tentei ouvir o que estava passando lá dentro, era possível ouvir os gemidos dos dois e as vezes barulhos de tapas seguidos de gritinhos dela junto com gemidos, pelo barulho parecia que já estavam metendo, não aguentei esperar mais e abri lentamente a porta. A cena que vi quase me fez gozar na calça, a B. estava peladinha, apenas com a tornozeleira, sentada em cima do pau do Paulo, com a bundinha toda vermelha de tapas, beijando apaixonadamente na boca enquanto engolia aquela tora com a bucetinha. Quando entrei no quarto ela disse “Demorou amor, não aguentamos esperar.”, a B. estava com aquele pau grosso entrando e saindo da buceta sem camisinha e aquilo me deixou um pouco abalado e preocupado, mas completamente excitado também. Sentei num sofá perto da cama e fiquei quieto assistindo a cena mais excitante da minha vida, minha namorada cavalgando no pau grande e grosso do Paulo, de onde eu estava podia ver certinho o pau dele preenchedo ela, entrando e saindo justo e a B. completamente entregue ao macho gemendo e toda descabelada, as marcas vermelhas de tapas na bundinha dela deixava ela ainda mais vagabunda, o Paulo fazia questão de exibir sua masculinidade metendo sem dó nela e abrindo bem a bundinha dela enquanto fodia, a B. anunciou que iria gozar de novo (fiquei chateado de perder a primeira gozada dela no pau dele), ela empinou bem a bundinha e ficou beijando o Paulo de língua atá que começou a gemer mais forte e rebolar igual uma puta no pau dele gozando bem gostoso.

Depois de gozar ela ainda ficou um tempo sentada no pau dele namorando, até que ele tirou ela de cima e colocou ela deitada com a bunda pra cima e foi por trás pra foder ela, foi colocando o pau e mordendo o pescoço dela enquanto ela se entregava e gemia no pau dele. De onde eu estava não dava pra ver o pau dele entrando como antes, mas dava pra ver a cara dela de tesão virando os olhinhos e apertando os lençóis a cada estocada que o Paulo dava, ele estava se divertindo com minha namorada. Enquanto ele metia me perguntou se eu estava curtindo a viagem, respondo que sim, e ele falou “relaxa que teremos mais alguns dias para aproveitar essa viagem seu corno”, a B. deu uma risadinha ao ouvir isso e eu fiquei doido de tesão, era a primeira vez que um macho me chamava de corno enquanto metia a rola na minha namorada. O Paulo começou a aumentar a força das estocadas e a B. anunciou que iria gozar de novo, ele continuou metendo forte e a B. gozou igual uma cadelinha no cio, falando que nunca tinha gozado daquele jeito, que o pau dele era o melhor do mundo, o Paulo continuou fudendo forte atá que começou a gemer e urrar bem alto, parecia que queria acordar o resort todo, colocava bem fundo nela e urrava até que começou a jorrar porra dentro dela enquanto a B. gemia e dava risada. Depois de gozar ele ainda ficou um tempo em cima dela ofegante e depois caiu deitado na cama com aquele pau grosso todo melado de porra e da buceta da B.

A B. estava exausta e caiu no sono toda recheada, o Paulo levantou com o pau meio duro ainda e foi tomar uma ducha no banheiro, aproveitei que estava sozinho com a B. e fui dar um beijinho nela, ela estava toda marcada depois daquela trepada intensa, a porra do Paulo ainda escorria da bucetinha dela para o lençol, não resisti e coloquei meu pau nela toda gozada, sua bucetinha estava larga e meu pau entrou bem fácil, ela nem acorodou, meti um pouco naquele mar de porra e já gozei de tanto tesão. O Paulo saiu do banho pegou sua roupa e falou que ia para o quarto dele e que era pra eu deixar a B. descansar e que ele estaria pronto pra cuidar dela novamente. Fiquei admirando a B. enquanto ela dormia toda descabelada e gozada e pensei na sorte que tenho em namorar uma mulher linda como ela, depois de um tempo também cai no sono.

Nos outros dias muita coisa aconteceu e a B. e o Paulo ficaram ainda mais safados, mas depois eu conto o resto dessa viagem maravilhosa.

contatos: spdvhi@gmail.com

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/06/2019 08:58:31
Excelente conto! Ia adorar ver fotos dessa musa
10/03/2019 08:37:33
Excelente!
10/02/2019 11:51:40
Rapaz, esse conto seu é simplesmente espetacular! Se for verdade mesmo, vc é um cara de sorte. Eu sonho em acontecer isso comigo. Acho que vou enlouquecer de prazer se um dia minha esposa me proporcionar momentos de corno manso como esse que vc relatou. Espero que vc mande umas fotos dela pra mim. Abraços. hquersexo@live.com
06/09/2018 14:03:09
Excitante, leia as minhas histórias verídicas, tenho muitas aventuras para contar. Abs.Sou de São Paulo caso tenha interesse!!!!
19/06/2018 03:11:55
Muito bom
25/05/2018 01:08:47
Tens muita sorte, ser corno de uma gata é uma delícia !!!!!!!!!
16/05/2018 00:58:35
Ótimo conto! Aguardo a continuação
15/05/2018 16:05:49
Uaaaau!!!! Dlc
15/05/2018 09:20:56
Delícia
15/05/2018 07:24:50
Delicioso seu conto. Aproveitem bem essa cumplicidade e só terão a ganhar momentos maravilhosos. Minha esposa é bem putinha também e adoraria que vocês lessem nossos contos e principalmente comentarem. Para começar, indico "O vizinho que minha mulher sempre quis", "O primeiro anal a gente nunca esquece", "Passagem de ano". Acho que com esses você terá prazer em ler os outros.
15/05/2018 03:11:38
Ótimo conto!!! Estou super curioso pra saber o que aconteceu nos próximos dias...
14/05/2018 11:09:53
Maravilha! Você foi perfeito. Confie na sua mulher, sejam cúmplices, e terão mil momentos divinos
14/05/2018 10:22:59
Delícia de conto! Tenho alguns contos de corno escritos lá no site: <a href="http://sexcontos.com">> www.sexcontos.com</a> Quando der leia também, abs.

Listas em que este conto está presente

Meus autores preferidos!
Contos de assuntos diversos, mas, principalmente, os que envolvem temas como poder, sadomasoquismo, orgias e traição.
Ler
Ainda não lidos