Luana, a dominadora - Oferecendo a namorada para estranhos

Um conto erótico de Corno por vocação
Categoria: Heterossexual
Data: 12/05/2018 14:11:49
Nota 5.00

Naquela tarde Luana nos convidou para ir ao cinema. Como não falamos não pra ela, desmarcamos compromissos e fomos.

Tinha pouca gente no cinema, mas como se tivesse sido premeditado, havia dois caras sentados na mesma fileira que nós e um outro sentado mais atrás.

Tanto Luana quanto minha namorada estavam de vestidos soltinhos e sexys.

Antes mesmo do filme começar, Luana começou a alisar minha coxa e a pegar no meu pau já duro.

- A Samanta me contou da massagem de casal. Estou orgulhosa de você cachorrinho.

- Obrigado... - eu respondi.

- Como recompensa eu vou fazer você gozar muito hoje.

Eu já estava louco de tesão

- Coloca os peitos da Samanta pra fora.

- O que?

- Obedece cachorro.

Ela não parava de alisar meu pau. Eu puxei o decote da minha namorada exibindo seu lindo par de seios. Ela continuou assistindo ao filme como se nada tivesse acontecido.

- Muito bem cachorro... ela falou colocando meu pau para fora... - Agora chama aqueles dois caras e mostra os peitos dela para eles.

- Ei vocês... eu os chamei e ergui os peitos dela na direção deles

Eles ficaram incredulos

- Pede para eles chuparem... Luana falou com voz de orgasmo

- Vem chupar os peitos da minha namorada.

- Isso cachorro, melhor impossível... ela punhetou forte meu pau.

Eles vieram de imediato, enquanto Samanta pulava para a poltrona do lado, abrindo espaço para que cada um sentasse de um lado dela. Mas isso chamou a atenção do cara que estava atrás de nós também, e ele logo meteu a mão por cima do ombro dela e apertou seus lindos peitos.

- Podem usar a vontade... quem falou foi Luana.

Eles começaram a chupar seu pescoço e peitos cheios de tesão. Ela se entregava, mas não interagia com eles, fingia ainda estar assistindo ao filme.

Em pouco tempo seu vestido estava no chão, ela, nua e toda aberta, estava em ecstasy mas não interagia com eles em momento nenhum, fingia com perfeição que não estava percebendo o que acontecia. Eles devoravam minha namorada como animais famintos, dedando sua buceta e chupando todo seu corpo.

O cara que estava atrás colocou o pau pra fora e começou a esfregar em seu rosto. Ela abriu a boca mas não desviou o olhar da tela. Ele forçou sua cabeça e fudeu sua boca. Os outros dois também colocaram o pau pra fora e fizeram ela punhetalos.

- Aproveita... Luana sussurrou em meu ouvido e começou a chupar meu pau.

Ela só precisou de quatro chupada para eu gozar na boca dela. Ela me deu um tapa na cara.

- Nunca mais faça isso. Abre a boca... Ela cuspiu toda a minha porra para minha boca... -Engole.

Eu obedeci. Ela voltou a me pinhetar, MEU pau estava muito sensível.

Samanta ficou de joelhos na poltrona, de costas para a tela. Enquanto ela chupava o de traz os outros se revezavam chupando seu cu e buceta.

Eu gozei novamente, dessa vez na mão de Luana. Ela me deu outro tapa, com a mão suja de porra.

- Limpa seu merda.

Eu chupei toda a mão dela, sugando toda minha porra. Ela voltou a me punhetar.

- Pede para eles comerem ela, mas pede por favor... Luana me ordenou.

- Por favor, comam com força a buceta e o cu da minha namorada vadia.

- Está aprendendo cachorro.

O primeiro entrou em sua buceta com muita facilidade. Metendo como um animal e gozando rapidamente dentro da sua buceta. Eu gozei quase junto com ele, pela terceira vez, meu pau não aguentava mais. Depois de outro tapa na cara, Luana voltou a me masturbar.

O segundo meteu na buceta de Samanta apenas para aproveitar a lubrificação e rapidamente mudou para o cu, colocando sem dificuldade e metendo com vigor até encher o buraco da minha namorada de porra.

O cara de trás a puxou pelos braços e levou até seu colo, metendo na buceta, deixando ela de frente pra tela. Ele metia com muita força e a visão de seus seios balançando me fez gozar pela quarta vez. Dessa vez Luana limpou na minha camisa. Eu implorei para ela parar mas ela continuou massacrando meu pau.

O terceiro cara encheu minha namorada de porra. Luana então mandou os três saírem.

- Agora limpa ela toda.

Eu fui para a fileira de trás, me ajoelhoi e suguei toda a porta de dentro de seus buracos.

- Muito bem, agora pega essa caneta, vai no banheiro e escreve "Minha namorada é puta! Quer comer?" e escreve seu número.

Eu simplesmente obedeci.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
22/05/2018 02:55:49
Excelente conto continue
14/05/2018 00:11:24
Tem gente que quer escrever um conto fantasioso e não sabe. Pelo o que descreve, a sala de cinema Tava vazia prá acontecer tudo isso. O namorado da menina ainda gozou quatro vezes kkkk pergunto: quem dos leitores se excita com um conto desse?
13/05/2018 08:55:31
13/05/2018 08:55:20
LIXO DE MERDA, ALEM DE CORNO VC É RETARDADO MENTAL, ACHA QUE FAZ TUDO ISSO NO CINEMA E NGM VE, VAI SE TRATAR DEMENTE