A dívida

Um conto erótico de Militar Negro
Categoria: Heterossexual
Data: 12/05/2018 14:06:30
Nota 6.50

Olá meus amigos e amigas,

Demorei para escrever outra aventura, mas espero que gostem.

Muito bem, essa deve ter sido a mais excitante que já tive. Para quem não sabe me chamo Paulo, tenho 1,76, 88 Kg, negro, cabelos ondulados e olhos pretos. Mês passado vivenciei uma situação que sou obrigado a compartilhar com vocês. Tenho um amigo chamado Cristiano que conheço há uns 2 anos só. Ele trabalha instalando antena dessas NETGATO. Cristiano um dia se interessou no jogo de rodas do meu carro. Era umas rodas esportivas de dar inveja. Eu nem queria vender, mas ele me fez uma ótima proposta e não pude recusar. Nisso, vendi e ele me prometeu que pagaria no dia do pagamento. Chegou no dia ele disse que tava com uns problemas em casa e não estava com o dinheiro e prometeu pagar no próximo mês. Nessa conversa fiada ele me enrolou por três meses. Cansei e dei o ultimato a ele. Liguei para ele e disse: “fiz um negócio de homem contigo, ou você me paga ou vou bater na sua casa e pegar o que é mais valioso para vc”, ele ficou preocupado, mas disse “olha, eu não tenho como te pagar, mas você pode ir na minha casa e vê lá o que te interessa para ficarmos quites'. Eu não tinha escolha, ou iria lá ou iria ficar no prejuízo. Pois bem, avisei a ele que no outro dia estaria na porta da casa dele para ver se tem algo interessante. Marquei às 10:00h de um sábado e às 10 em ponto lah estava eu em frente a casa de Cristiano. Toquei a campanhia e ninguém atendeu, fiquei preocupado. Será que ele queria me dah um calote de novo? Nem insisti na campanhia e liguei para ele: “ porra Cris, tou aqui na tua casa cadê você?” e ele respondeu “pow meu velho esqueci, tou na pelada com os amigos, faz o seguinte, daqui a pouco minha esposa chega e vou avisar a ela que você vai aí pegar um negócio e depois eu chego, blza?” Dito e feito, mal eu tinha desligado o celular e vinha na direção da casa uma loira com uma roupinha de academia que pqp!!!! Era aqueles macacão vazado, sei lah, branco que de longe dava para ver a calcinha que ela estava usando. Ela chegou e bem educada falou “ Vc deve ser Júnior né? Amigo do meu marido?” Eu afirmei e ela disse “ meu nome é Tábata, pode entrar, ela já me falou da besteira que fez”. Nisso ela abriu a porta e entrou na minha frente. Meus caros amigos, humfp... imaginem essas celebridades, essas funkeiras gostosonas, com aqueles par de coxas roliças, batata da perna bem torneadas, uma bunda a lá Panicat, imaginaram? Pois é, ao vivo era melhor. Tábata tinha uns cabelos loiros, pintados provavelmente, na altura dos ombros, talvez 1,65, olhos cor de mel e uma cara de sadada....nunca deixaria minha esposa sair daquele jeito e principalmente para academia para todos os machos ficarem desejando ela. Porra! Era muito gostosa e com cara de puta ainda, isso enlouquece qualquer um. Pensei comigo mesmo: “isso é bem valioso para ele neh?” e sorri em silêncio. Entrei na casa acompanhando aquela mulher que não se pode restringir a gostosa só. Ela caminhou calmamente à minha frente e o próprio corpo dela dava um andar sensual; sua bunda ia de um lado a outro num movimento hipnotizante. Acompanhei bem o desenho de sua calcinha, que antes que me esqueça era rosa. Então ela usava uma roupa branca, praticamente transparente, que marcava sua calcinha praticamente em forma de “T”, se não era para os machos da rua ficarem com tesão para comer ela era pra q? Pois bem, entrei na casa dele, que até me espantei, uma casa de de pessoa que parece não estar precisando de dinheiro. Fiquei com uma certa raiva e achei que Cris tava me enrolando não sei por quê. Tábata me convidou para sentar e perguntou se eu gostaria de beber alguma coisa e tal e eu disse que tava tudo bem. Ela, então, disse que ia tomar um banho e logo chegaria para fazer companhia. Fiquei na sala, já observando algum objeto que substituiria a dívida do meu amigo. Ouvi o barulho do chuveiro e como o banheiro ficava no corredor, percebi que ela tinha deixado a porta pouco aberta. Estranhei! Fiquei imaginando mil coisas. A curiosidade falou mais alto. E com passos de felino, me aproximei da brecha da porta e olhei pelo espelho do banheiro aquela deusa tomando banho. Ela estava de costas para porta e se ensaboando. Que mulher gostosa! Tava com uma marquinha de biquini que só um corno obediente a deixaria fazer. Fiquei meio receoso pois não queria problema e não sabia da índole dela. Retrair para o sofá e aguardei. Minutos depois Tábata chega com um vestidinho soltinho de algodão estampado e levemente deitava sob o corpo dela, ressaltando todas suas curvas. Com suas coxas à mostra, sentou-se numa cadeira de frente a mim e conversamos educadamente algumas coisas. Papo vai papo vem e Cristiano não chegava. Eu ligava para ele e ele dizia que a pelada ainda não tinha acabado. Eu já estava sem paciência e olhando para aquela mulher já me deixava de pau duro. Então, juntando a raiva e o tesão que eu tava, pensei: “q se foda, vou arriscar e vê no que dá”. Falei :” pois é dona Tábata, seu marido está com uma dívida muito grande comigo e já estou sem paciência. Preciso pegar algo que seja muito valioso para ele; já tinha combinado com ele.” Ela falou: “poxa, tou cansada das atitudes inconsequentes de Cris, vez ou outra ele faz merda, ele precisa aprender. Você pode olhar o que você quer, mas antes tome um cafezinho”. Pela educação dela, eu aceitei. Ela se levantou, o vestido por causa do suor colocou próximo ao início da bunda dela e ela foi pra cozinha. Caralho!!! Ela praticamente mostrou seu corpo sem intenção pra mim e meu pau já estava estourando por baixo do calção que eu usava. No momento eu estava usando um calção de nylon, por que saindo dali ia caminhar na orla. Pois bem, Tábata trouxe um cafezinho e já chegou perguntando: “ o senhor já sabe o que lhe interessa?” e eu respondi, talvez, tem algo que acho q ele não vai querer que eu pegue. Nisso, como ela estava com uma bandejinha, quando ela se virou para deixar em cima de uma mesa, bateu sem querer na minha mão e o café derrubou na barriga e no calção. Ela se desculpando: “ mil desculpas senhor Paulo, sou muito desastrada, vou pegar algo para enxugar”. Rapaz… nem o café amoleceu meu pau, mas me levantei do sofá e fiquei tentando amenizar a situação. Ela chegou com um pano e pediu para eu tirar a camisa q ela iria lavar e eu tirei na hora. Percebi que ela me olhou com um rosto diferente, os olhos abriram mais que o normal e uma leve ofegância na respiração quando tirei a camisa. O que eu não tinha notado era que o meu pau marcava meu calção e queira ou não queira ela estava vendo também aquilo. Meu pau tem 18 cm e bem proporcional. Ela então não desgruda os olhos dele e me pediu para enxugar o pé da barriga que estava com café. Eu já não conseguia disfarçar de tanto tesão. Ela levemente enxugou o pé da barriga e ficou de joelhos para passar o pano no calção que eu usava. Ela então disse: “ Senhor Paulo, tire seu calção também que eu coloca na lavadora e rapidinho ele enxuga”. Eu já tinha perdido a vergonha e tirei. Tava usando uma cueca box branca e que todo mundo sabe que marca mais ainda para quem é negro. Sempre coloco meu pau pro lado esquerdo e de cueca ficava bem aceso o tamanho e a grossura. Ela começou a passar o pano enxugando mas não desgrudava os olhos dele. Passava pela minha coxa e próximo a virilha. Eu acho que naquela hora ela também tinha ficado excitada, por que ela me pediu para enxugar na região do meu pau, apenas acenando com a cabeça perguntando “ posso?” Claro meus amigos, eu consenti. Eu não acreditei que estava passando por aquele momento. Uma mulher casada e gostosa pra caralho ali de joelhos com o rosto a 5 cm do meu pau? Eu tava quase gozando, porque como vocês sabem, se é um negócio que me dá tesão é a mulher ser casada. Pode ser qualquer uma, eu como com vontade. Continuando… Ela já tentava enxugar minha cueca psassando o pano por cima do meu pau e eu sentia ela ofegante. Talvez ela não tenha percebido, mas notei ela olhando fixamente e mordendo os lábios de leve. De repente, ela foi puxar a cueca na parte da abertura da perna próximo a virilha e quando ela levantou a cabeçona do meu apareceu. Não tinha nada discreto mais. Ela respirou fundo, de joelhos e olhando para mim sem baixar a cabeça e falou: “ O senhor quer realmente algo valioso de Cris?” e eu respondi “ Claro”. Entrei em êxtase. Ela com a cabeça do meu pau de fora pela abertura da perna, passou só a pontinha da língua dela. Começou a fazer movimentos em torno da cabeça e dava para perceber claramente que ela estava com tesão pela sua respiração e gemidos de boca fechada. Aquela mulher a partir daquele momento virou uma selvagem. Abaixou toda minha cueca e como uma louca começou a colocar meu pau inteiro. Ela vez ou outra se engasgava, mas o que ela queria naquele momento era chupar meu pau todinho. Eu nem lembrava mais de Cris. Não sabia o que poderia acontecer quando ele chegasse. Tábata já estava entregue. Lambia meu pau do saco até a glande, deixando ele lambuzado por completo. Chegava a escorrer pelo meu saco. Olhava para mim para cima, com uma cara de puta barata e no mesmo tempo que chupava pegava meu pau e batia uma bela de uma punheta. Eu tava praticamente gozando. Não aguentei. Levantei ela e disse: “ Vou ter o que quero agora”. Encostei aquela puta na parede, levantei apenas uma perna dela, coloquei a calcinha de lado e a cabeça na portinha da buceta dela e comecei a fazer movimentos leve de vai e vem. Ela se contorcia como uma louca. Não consigo expressar o quão prazeroso estava sendo aquele momento. Depois de uns dois minutos passando a cabeça do meu pau na portinha da buceta dela, eu ouvi: “ por favor senhor Paulo, eu não tou aguentando. Enfia esse caralho preto todinho dentro da minha buceta” e eu mandei :” implore” e ela: “por favor… hum…. Eu faço o que o senhor quiser, coloca tudo dentro de mim” e eu prontamente enfiei meu pau todo de uma vez dentro da bucetinha dela. Ao mesmo tempo que segurava sua perna levantada, com a mesma mão segurava sua bunda forte e puxava contra mim para que meu pau pudesse entrar todo dentro dela. Naquele momento não pensava em mais nada além de continuar socando aquela vadia gostosa. Virei ela para que ficasse de frente com a parede, desci toda sua calcinha, enfiiei meu pau de novo na buceta e continuei fazendo o movimento de vai e vem. Nisso eu colocava minha mão direita por entre os cabelos na região da nuca e a puxava contra mim com força. Ela gemia muito. Deu pra perceber um momento que suas pernas tremeram. Acredito q tenha gozado. Enquanto eu puxava o cabelo e estocava, fiz ela se enclinar mais, para a bunda ficar empinada, soltei seus cabelos e segurei os seus braços puxando-os para trás. Cada vez eu metia mais forte e ela aumentava o som do gemido. Enquanto fudia, falei: “A dívida de Cris é muito alta, a partir de agora você será minha putinha”. Ela nem titubeou: “vou hum afm… eu sou sua puta, me fode, me come cachorro” e meus movimentos aumentavam. Quando tava perto de gozar, tirei meu pau e mandei ela se inclinar sobre o sofá. E meio que de 4, continuei a fuder aquela buceta rosada que escorria gozo no meu pau. Após alguns minutos que levei ela para o sofá, escutamos o barulho do portão. Ela se desesperou: “Meu Deus, é meu ma… mariido humpf hum” e eu perguntei “paro?” Ela disse : “ si...simmm hummmm. Não dava meus amigos, o tesão era maior. Então, Cris entrou e falou : “ Que porra é essa?” aí Tábata falou: “ amo, ai , humpft, amorrrr to… tou papagando sua dívida” e eu completei: “ Você não disse que era para pegar o que era mais valioso? “ e com tom autoritário falei: “ Agora senta aí e olha sua esposinha sendo fudida por uma rola que não é a sua, uma rola de um estranho”. Ele para minha surpresa, prontamente me obedeceu. Ele ficou sentado no canto do sofá e eu conduzi Tábata para ficar de quatro em cima do sofá virada pra ele. Minhas estocadas ficavam cada vez mais forte, mais rápidas e mais cadenciadas, porque aquela situação estava me dando um tesão do caralho. Ele olhava para ela e ela só curtia meu pau enfiado na buceta e gemia como uma putinha barata. Eu falava : “ Fala para ele o que você é agora” e ela : “ ai...agora só...sou putinha do seu amigo, amor”. E, depois de muita estocada puxando o cabelo dela e batendo na bunda, mandei ela se deitar com a cabeça no colo dele e levei meu pau até a boca dela e esporrei. Nunca tinha gozado tanto em minha vida. Ela se deliciava com meu gozo, se lambendo. O gozo escorria pelo canto da boca e ela limpava toda a cabeça do meu pau. Quando terminei, me levantei e me vesti. Ficou um silêncio na sala. Abri a porta da casa e falei: “ Ainda falta muito para quitar sua dívida viu Cris?”. Fechei a porta e sair. Pela janela ainda dava para ver os dois e fiquei na espreita para ver o que aconteceria depois. Ele beijou a boca dela toda esporrada e percebi um leve sorriso dos dois. Eu me encuquei com aquilo e fiquei pensando: “ será que já estava tudo programado?”

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/05/2018 04:57:41
Excelente conto continue
14/05/2018 00:37:46
O conto é fantasioso, mas se essa moda de pagar dívidas pegar... Sei não.