DE VOLTA À PIZZARIA - ÚLTIMO CAPÍTULO

Um conto erótico de Carlao
Categoria: Heterossexual
Data: 01/05/2018 23:44:48
Nota 10.00

DE VOLTA À PIZZARIA

F I M

ATENÇÃO: ESSE É O CAPÍTULO FINAL. ANTES DE CONTINUAR, LEIA A PRIMEIRA PARTE.

ÀQUELES QUE GOSTARAM, MAIS UMA VEZ RECOMENDO A LEITURA DO LIVRO ERÓTICO “A minha longa iniciação” O QUAL ESCREVI EM PARCERIA COM A ESCRITORA SYLVINHA. A OBRA FOI PRODUZIDA GRAFICAMENTE PELA EDITORA SCHOBA, MAS É VENDIDA NA VERSÃO DIGITAL POR R$10,00 (dez reais), E ENVIADA NO E-MAIL DO LEITOR (a) .

Qualquer dúvida que tenha pairado em relação ao fim desta, caso o leitor (a) a tenha, basta expô-la nos comentários, ou por e-mail, que lhe será respondida.

Importante destacar que sempre fica no imaginário do autor a curiosidade em saber qual dos personagens teria sido o de maior agrado do leitor (a), pois ajudaria a dirigir o foco da história para essa pessoa/personagem.

Mais uma vez, obrigado a todos, beijos nas meninas, lembranças aos cornos e, quem sabe, até uma próxima oportunidade!

CAPÍTULO FINAL

DE VOLTA À PIZZARIA

Naquela manhã de sábado após eu ter enrabado a Vera de bruços, no sofá cama do quarto dos meninos, infelizmente, tive que admitir que a minha bateria chegara ao fim. Sem dúvida, essa é uma triste realidade que poucos homens ousam admiti-la, mas, no meu caso, a própria Vera percebera que eu havia “jogado a toalha”, de tal forma que seria despiciendo eu querer provar lhe o contrário. Enfim, assimilei que, por ora, a situação tornara-se irreversível, e de nenhuma valia ser-me-ia o milagroso comprimido azul.

Porém, ainda que intimamente frustrada pela falta de um “segundo tempo” naquele convidativo sofá cama, fingindo-se satisfeita, ela tentou consolar-me dizendo:

—Eu não sou como a Ticiane, Edu.

—Hoje eu já fiz aquilo que queria: gozei gostoso!

Após, deixou-me sozinho no sofá, e saiu nua em direção ao banheiro. Entretanto, mal ela se fora, ouço a Ticiane chamando por mim. Ressabiado, e imaginando que talvez a menina fosse me pedir mais sexo, fingi não escutá-la.

Porém, ante os seus insistentes chamados, fui atendê-la, e pensei comigo:

—Se ela quiser foder mais, agora terá que ser com a língua.

Daí, fui ao quarto onde a menina estava, e quando o adentrei, ela reclamou:

—Nossa, que demora!

—Faz um tempão que eu estou te chamando. Onde você tava, Edu?

—Eu estava com a sua mãe, Tici. Mas agora acho que ela foi tomar banho, no outro banheiro.

Daí, Ticiane deu-me boa notícia:

—Hoje você é dela, Edu.

—Voltou a arder!

Daí, fui lhe consolar:

—Humm. Então a princesinha tá dodói de novo?

—Estou, Edu. Ontem você “abusou” de mim né, cachorro?

—Pois é amorzinho. Mas hoje o seu marido irá deixá-la de repouso, tá bom.

Ela respondeu-me:

—Sim, Edu!

—Obrigada!

E, continuou:

—Depois que a mamy sair do banho, peça pra ela fazer um suco de laranja pra mim, amor.

Eu lhe respondi:

—Eu mesmo faço isso, Tici.

E, perguntei-lhe:

—A princesinha não quer tomar o café da manhã na cama? Seu marido o trás pra você!

Dengosa, Tici respondeu-me:

—Quero, Edu. Mas antes se deite um pouco ao meu lado.

—Quero carinho!

Daí eu me deitei ao seu lado, enquanto nos abraçávamos e beijávamos na cama. Por sorte, ela não me pedira nada além disso —abraços e beijos —, até porque, eu não teria como lhe servir.

Quando a Vera saiu do banheiro ajudou-me a preparar o café da princesinha, e então eu a servi na cama, conforme prometido.

Porém, Vera censurou-me:

—Você tá paparicando muito essa menina, Edu.

—Vai deixá-la mal acostumada.

Então, me justifiquei:

—Mas ela é sua filha, Vera. Faço isso por nós todos.

Feliz, ela comentou:

—Huumm, Edu. Você é o marido “dos sonhos”!

Para agradá-la, respondi-lhe sorrindo:

—E você é a sogra que todo homem “deseja”, Vera. Literalmente!

Percebendo as minhas segundas intenções na observação acima, Vera comenta:

—Humm. Safado! Mas quando você me dará um neto?

Eu lhe respondi:

—Vamos ver, amor. Tomara que seja breve.

Toda essa descontração entre nós naquele ambiente familiar, aliada à simpatia e à beleza das duas princesas, fizeram-me dar conta de que a felicidade sempre me estivera próxima, mas, infelizmente, passara-me desapercebida todo esse tempo.

Pela primeira vez tive que admitir que a Denise não nos fizesse falta alguma, e que fora um enorme erro da minha parte envolver-me na vendeta da Luana. Posso ter perdido a grande chance de ter deixado a Denise partir de vez, e gozar dessa nova e maravilhosa vida, somente com as duas princesas ao meu lado. Cheguei a cogitar em procurar o Caio para abortar a “operação”, mas, infelizmente, tive que admitir que a chance de o estrago já estar feito, seria grande.

Mesmo assim, para que não se pairasse nenhuma dúvida futura nesse aspecto, ou até mesmo para que não se minasse a minha última esperança de voltar atrás, na desesperada tentativa de impedir que o Caio visitasse a Luana, fui o mais rápido possível ao seu encontro. Ao contrário de antes, agora eu só queria facilitar a partida da Denise com o Bruno, para livrar-me dela de vez.

Porém, ao encontrar-me com o Caio, e perceber o seu feliz semblante, só restou-me admitir que o resultado desta minha diligência não fosse animador. E o próprio o confirmou dizendo-me:

—Chegou tarde, amigo!

—A gostosa é um avião!

E rindo, completou:

—Vou até te devolver o seu dinheiro da gasolina.

—Acredita que ela pagou o motel?

Depois, Caio contou-me que fodera a Luana de todas as formas possíveis e, exaltando-a, dissera-me —como se eu não soubesse— que a ruiva parecia uma “profissional do sexo”.

Entretanto, com a curiosidade aguçada, perguntei-lhe acerca do mais importante:

—Mas vocês tiraram muitas fotos, Caio?

—Claro, Edu! Afinal você “me pagou” pra isso, né?

E, todo feliz, frisou:

—Pois é: fodendo uma gostosa daquela, eu tiro mil fotos se ela quiser!

E, rindo, ainda zombou:

—Ela encheu a memória do celular do corno, com as fotos da nossa putaria, Edu!

—Até foto com os seios esporrados ela mandou pra ele ver!

Caio vangloriava-se com enorme desenvoltura do seu feito, sem preocupar-se minimamente com as consequências. Afinal, embora sendo casado com a Cíntia, prima do Leleco, nesse aspecto, isto é, sobre ele sair sozinho com outras mulheres, a situação lhe era extremamente confortável, de vez que não existia ciúme no casamento aberto de ambos.

Porém, obviamente, sem dizer-lhe nada, tive que observar que se existisse uma mulher casada mais piranha do que a Denise, certamente, essa vagabunda seria a Cíntia. Dos meus amigos do meio liberal, não existe nenhum deles que não tenha comido a mulher do Caio. Embora triste, tive que admitir que, igualmente, a Denise fosse companheira da sua mulher.

Mas, voltando ao assunto, como dizem, o “estrago” já estava feito. Ao menos tentei impedi-lo. Consolei-me.

Daí, voltei triste para casa, e passei o fim de semana com as duas princesas, até que no domingo à tarde Ticiane regressou de ônibus para a cidade vizinha, a fim de lá ficar ajudando a sua irmã com a filhinha.

Eram quase 15:00hrs da segunda feira quando, após fazer inspeções regulares em alguns estabelecimentos próximo ao meu bairro, resolvi passar em casa para livrar-me das roupas pesadas que as usava, e vestir camiseta e bermuda para continuar com as visitas, de vez que, naquele dia, eu não mais retornaria à repartição. Iria terminar o expediente na rua, e voltaria direto para casa, a fim de ficar à espera da princesa dos olhos claros, pois, afinal, eu estava a lhe dever “boas fodas”.

Assim, após eu passar pelo portão da rua, e fechá-lo com o cadeado, quando fui abrir a porta da sala, percebi que a mesma não se encontrava fechada à chave. Quando adentrei em casa, vi malas pelo chão, e alguns objetos da Denise por sobre a mesa.

Quando eu tentava entender a situação, ouço voz da minha ex-mulher dizendo-me:

—Você parece meio assustado, Edu!

Com desdém, eu lhe pergunto:

—Você veio me trazer o convite do seu casamento, Denise?

Direta, Denise respondeu-me:

—Deixe de ser sarcástico, Edu!

—Eu estou de volta por sua causa, mas não por causa de você, entendeu?

—Você que se dane!

Fui sincero:

—Claro, Denise. Felizmente, comigo você não terá mais nada!

Daí, ela reclamou:

—Só não entendo o porquê de o filho da puta do Caio aceitar uma baixaria dessa!

Eu lhe respondi:

—Ora, Denise. O Caio é tipo um gigolô. Putas como você, a Luana, e a mulher dele são os seus pratos prediletos.

Brava, Denise rebateu-me:

—Puta é a sua mãe, Edu!

Depois, provocou-me:

—E porque você não foi homem o bastante pra deixar-se fotografar com a esposa do Bruno, Edu?

—Afinal, vocês dois é quem foram os verdadeiros cornos nessa história!

E, insinuou:

—Teve medo dele, e arranjou o Caio?

—É isso?

Eu lhe respondi:

—Olha, Denise. Sobre eu ter medo do Bruno, depois que inventaram o revólver, não existe homem mais macho do que o outro não, viu!

E, continuei:

—Mas, você acha que eu seria trouxa em comer a puta da Luana, e tirar fotos ao lado dela, pra depois você me sacanear, e mostrar pra sua irmã?

—Pensa que eu sou otário, Denise?

E, fui lhe dizendo:

—Você quis partir, e já foi tarde! Mas, a Vera você não vai tirá-la de mim, entendeu?

Daí, ela tentou corrigir-me:

—E quem disse que eu parti, Edu?

—Essa casa também é minha, e eu estou de volta!

Eu lhe respondi:

—Sim. A casa também é sua, Denise.

—Afinal, tem dinheiro do seu trabalho nela.

—Pode ficar.

E, enfatizei:

—Mas, eu não te pertenço mais!

Daí, ela deu ares de mostrar leve arrependimento, dizendo-me:

—Desculpe, Edu. Eu só vacilei essa vez.

Eu a censurei:

—Você não vacilou “só” essa vez, Denise.

Ela questionou-me:

—Como não, Edu. O que mais eu fiz de errado, além disso?

—Ora Denise. Numa única semana, por sua causa, você fez dois homens sérios e honrados virarem cornos!

Eu iria continuar dando-lhe o sermão, inclusive jogando lhe na cara que ela não fora apenas abandonada pelo seu ex-futuro marido mas que, no fundo, este a trocara por uma antiga mulher de zona. Porém, vendo-a cabisbaixa, e em consideração ao nosso passado feliz, sem contar que, apesar dos pesares, ela continuaria sendo minha cunhada e, mormente, em consideração à sua irmã, anunciei trégua lhe dizendo:

—Olha Denise. Nós dois estamos de cabeça quente, e se continuarmos discutindo, isso não irá terminar bem.

—Já está quase na hora de a sua irmã sair do banco, e como ela é uma pessoa sensata, acho melhor que nos ajude a resolvermos essa situação.

Porém, com o dedo em riste, lhe adverti:

—Mas já vou lhe avisar algo importante desde já, Denise.

E continuei:

—Se você tentar arruinar a minha vida junto à Vera, só pra vingar esse lance do Caio, você estará fodida comigo, entendeu?

Depois, mais calmo, amenizei:

—Todos nós perdemos nessa, Denise. Por ora, o melhor será escutarmos o que a sua irmã terá a nos dizer.

Denise nada me respondeu. Entretanto, sem fitar-me nos olhos, triste, balançou a cabeça afirmativamente.

Daí, eu a deixei sozinha em casa, e fui até o banco dar a noticia da sua chegada à Vera.

Como já era de se esperar, Vera sugeriu que a recebêssemos tal qual a passagem bíblica do filho pródigo ou, no caso, filha pródiga. Infelizmente, eu já havia perdido o interesse pela Denise, de tal forma que, quando deleguei competência para a princesa dos olhos claros decidir a nossa situação, acataria qualquer que fosse a sua sentença.

E, assim, após a Vera deixar a agência, quando vínhamos conversando e caminhando distraídos pela calçada, fui surpreendido e agarrado abruptamente de lado, por um homem moreno, que veio me dizendo:

—Me dá um abraço, Edu!

Quando o olhei, não acreditei, e apenas exclamei alto:

—MAGNO!

Com incontida surpresa e felicidade, eu lhe falei:

—QUE SAUDADE CARA! COMO VOCÊ ESTÁ?

Todo feliz, Magno respondeu-me:

—“Tamo” de volta, Edu!

Depois, apontando-me para um veículo SUV Hyundai Tucson, cor preta, de vidros todos escuros, estacionado rente ao meio fio, simplesmente me disse:

—Olhe quem está ali, Edu.

Daí, quando eu virei os olhos em direção ao Hyundai, o vidro automático da porta da frente abaixou-se, e o meu coração quase paralisou quando eu vi uma moça, agora de cabelos curtinhos, sorrindo para mim: era a Alessandra!

Ela só me disse:

—Se esqueceu dos amigos, Edu?

Só aí nós três demos conta da presença da Vera, e fizemos as apresentações de costume. Momentaneamente, deixei a Vera conversando com o Magno na calçada, e ao me aproximar da Tucson, talvez referindo-se à Vera, Alessandra me pergunta descontraída:

—Você se casou de novo, Edu?

Eu lhe respondi:

—Não Alessandra. Tá doida?

Imaginando que ela se referisse à princesa dos olhos claros, expliquei-lhe:

—Essa é a minha cunhada, irmã da Denise!

Demonstrando ligeiro alívio com a minha resposta, Alessandra comentou:

—Humm. Entendi. E você e a Denise como estão Edu?

Alegre, eu lhe respondi:

—Ah! Estamos ótimos!

—Felizes e bem casados, Alessandra!

—E morrendo de saudade de vocês.

Entretanto, passada a grata surpresa motivada pela chegada dos dois, forçosamente, eu teria que, mais uma vez, contar com a prestimosa ajuda da Denise, para que fossemos preparando a Vera aos poucos para um “convívio” saudável entre todos. A partir de agora, nada seria como antes.

Redimindo-me, tive que concordar comigo mesmo, que muitos casamentos terminam, mas, às vezes, alguns se reatam, e que isso faz parte da vida.

Enfim, agora caberia apenas e tão somente à Denise decidir se continuaria sendo, ou não, a minha esposa ou, uma delas. Porém, desde já torcendo pelo “sim”, eu gostaria de lhe repetir a mesma frase que o Magno acabara de me dizer:

—“Tamo” de volta!

Também, percebi que, doravante, eu teria que rever alguns conceitos que até então os mantivera como cláusula pétrea, qual seja, sobre a Vera ter mais alguém.

Entendi que muitas regras agora teriam que se mudar, pois, certamente, valeria a pena todo e qualquer sacrifício para estar novamente com a Alessandra. Tudo isso sem contar que, mais dia, ou menos dia, a Ticiane iria experimentar lhe o grelo duro na bucetinha, e da minha parte eu faria tudo para que isso acontecesse.

Assim, lembrando-me do feliz passado com a doce Alessandra, e tendo-a novamente tão perto, tive que me conter para não chorar de felicidade. Minha vontade naquele momento era beijar lhe muito, mas, percebi que somente beijo era pouco, e que bons momentos estariam a nos aguardar.

E um desses prazerosos encontros seria quando a Vera, de “cabeça feita”, topasse ir comigo “de volta à pizzaria” com o casal recém chegado pois, certamente, o Magno iria gostar muito dessa “volta”. E eu e a Alessandra mais ainda.

Enfim, deduzi que, para comemorarmos a chegada dos novos parceiros, um animado churrasco na casa da Dona Cida, neste final de semana, viria a calhar. Além disso, esta seria uma ótima oportunidade para que a Denise e o Caio fizessem as pazes, pois, a partir de agora, a Luana e o Bruno fazem parte de um passado que todos nós gostaríamos de esquecer.

Quem sabe um dia eu possa contar tudo o que rolou em “A PIZZARIA – Fase 3” mas, isso seria uma outra história. E, como sempre, longa história!

FIM!

e-mail: carlao1978@bol.com.br

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
26/09/2019 09:02:11
Uma série fantástica, amigo. Todos personagens são fascinantes, especialmente a Denise e Vera. Irei acompanhar a fase 3 que promete ser tão envolvente e excitante. Muito obrigado pela leitura do meu. Abs.
25/06/2018 01:09:33
Como o autor pedio para mim a Vera é o melhor personagem mas temo que numa parte 3 com muita putaria ela logo já não faça parte da história
10/05/2018 22:06:27
Espetáculo! Uma das melhores sagas da casa. Espero que venha uma parte 3 por ai
03/05/2018 15:09:09
Nao sou de comentar muitos contos. Mas nao tem como he dar os parabéns que muitos vão dar aqui ainda. Li todos os contos, todo o trabalho que você teve valeu a pena, acredite. O Edu já é um amigo meu e de vários outros aqui, que o invejaram e acharam meio doido mas sempre um cara bacana. E o seu final foi melhor que o de Novela. Parabéns mais uma vez.
02/05/2018 15:38:49
Excelente conto gostaria que continua-se a contar tudo o que rolou ou pelo menos como ficaram as coisas em casa