A primeira prima a gente nunca esquece I

Um conto erótico de Safado Varginha
Categoria: Heterossexual
Data: 09/05/2018 08:47:14
Nota 10.00

Olá, deixe que eu me apresente, sou Lucas, tenho 25 anos, moreno, alto, olhos e cabelos pretos.

A história que vou contar se passa com minha prima Camila, 26 anos, alta, olhos pretos e cabelo preto com mechas loiras, além de um corpo de parar o trânsito...

Camila e eu crescemos juntos, quase todos os domingos ela vinha à minha casa, para brincarmos, juntamente com seu irmão mais novo, Luiz.

Bem, os anos se passaram e na adolescência, como acontece com muitos garotos, eu comecei a ter um interesse "diferente" pela minha priminha; mas, a pesar de termos idades parecidas, nunca rolou nada.

Às vezes, eu fazia uns elogios mais quentes pra ela, mas ela só respondia "Êh, Lucas", ria e nada mais.

Os anos passaram e, diante da falta de abertura da minha prima, acabei desistindo de tentar ter algo com ela e, me esqueci do meu desejo adolescente de tê-la pra mim.

Ela acabou se casando e, quando eu menos esperava, descobri que ela estava grávida; e essa foi a fagulha que faltava pra eu voltar a me interessar por ela, afinal, minhas duas principais fantasias sempre foram transar com minhas primas e transar com uma grávida; e agora, Camila reunia as duas coisas em uma mulher só...

Como ela estava no início da gravidez, ela sempre sentia alguma coisa, o que fez com que todos os dias minha tia ou alguma das cunhadas dela fossem ficar com ela, já que o seu marido trabalha a noite.

Um dia, elas não puderam ir e, o Adson (marido da Camila) me ligou (somos muito amigos) e perguntou se eu poderia dormir na casa deles, caso a minha prima precisasse de alguma coisa.

Imediatamente disse que sim; afinal, não me custava nada e eu ainda poderia ver minha prima com uma roupa mais "caseira", não é mesmo?

Pois bem, deu 20:00 horas e lá estava eu, o Adson me agradeceu, se despediu da Camila e foi trabalhar.

Minha prima perguntou se eu queria comer alguma coisa, eu agradeci e disse que já tinha jantado...

Nos sentamos na sala e começamos a conversar; conversa vai conversa vem, minha prima começou a se lembrar da nossa época de adolescentes e dos elogios mais quentes que eu fazia à ela...

Tentei mudar de assunto, mas ela não deixou e disse: "O que foi primo, você não me acha digna daqueles elogios mais?"

E eu prontamente respondi: "Claro que acho, mas..."

Quando ia completar a frase, Camila deu um pulo no sofá, para chegar mais perto de mim, e disse: "Estou vendo que você ainda acha que mereço sim", pegando no meu pênis por cima da calça.

A essa altura do papo, eu já estava com o pau duríssimo e, louco para ver onde aquilo tudo ia dar...

{CONTINUA}

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/05/2018 05:18:10
Conto maravilhoso..quero contatos com comprometidas...namorando...noivas e casadas....whats (Vinte dois )nove,, noventa e nove, treze, treze...aguardo
09/05/2018 11:12:25
muito bom