DECEPÇÕES - 01

Um conto erótico de Lucas Junqueira
Categoria: Homossexual
Data: 08/05/2018 21:54:11
Nota 10.00
Assuntos: Gay, Homossexual

Você vai se identificar de alguma forma com essa história.

Decepções e desilusões são a parte ruim da vida, todos nós somos sujeitos a passar por isso em muitos momentos, e para falara a verdade, isso é uma merda. Apaixonar-se é uma coisa muito bonita, quando se é correspondido, mas quando não, se torna um pesadelo e a paixão se torna um sentimento destrutivo, e porque não dizer, catastrófico?

Por muitas vezes, devemos apenas levantar a cabeça e seguir em frente, mesmo quando alguma coisa te puxa para baixo e não te deixa prosseguir, e mesmo não querendo você se deixa dominar pelo medo e pela solidão, e instantaneamente pelo sentimento de que tudo de errado que acontece ao seu redor é culpa sua. Você se pergunta onde errou, e o que fez de tão ruim para não ser mais notado, eu lhes garanto, a indiferença é pior do que uma facada nas costas.

Todos os clichês viram clichês por serem situações que todos já estão familiarizados e como todo clichê, esse não é muito diferente, muitas se não todas as pessoas que lerem essas palavras encontrarão algo de si nelas, afinal, quem nunca se apaixonou? Quem nunca por muitos dias foi dormir escutando aquela playlist depressiva se lembrando de o quão trouxa foi por abrir o seu coração a alguém e não ser levado em consideração? Eu sei, muitos de nós estamos propensos a isso e muitos de nós nos encontramos totalmente perdidos nesses momentos, nesses momentos tão chatos que inconscientemente nos colocamos.

Meu nome é Lucas, e eu contarei um pouco da história que por muitos dias me tirou o sono.

Tudo começou há mais ou menos três anos, quando aquele garoto estupido e brincalhão foi destinado a estudar na mesma sala que eu. Estávamos começando o ensino médio e por muito tempo a nossa relação não foi algo sólido, fazíamos alguns trabalhos juntos, nos falávamos uma vez ao outra quando era necessário e nada mais, porém, eu não pude deixar de observar o seu jeito engraçado e muitas vezes maldoso de ser. Ele era o tipo de adolescente que julgava as outras pessoas e zoava da cara delas, muitas vezes ele as fazia se sentirem para baixo e inúmeras vezes insultou, ou falou palavras tão pesadas que magoaram alguém. Eu fui uma delas, e pra falar a verdade, eu não sinto raiva ou rancor dele, simplesmente não consigo. Ele gostava de apontar o defeito nas pessoas, colocar apelidos ofensivos que denegriam a imagem delas, mesmo não sendo nenhum príncipe encantado e carecendo tanto de beleza como de inteligência, mais isso não vem ao caso.

No segundo ano as coisas foram melhorando um pouco, no começo Rafael não demonstrava interesse em minha amizade, mas eu pelo contrário, queria muito ter algo mais sólido com ele, queria ser seu amigo e estar mais próximo dele, todos acharam que a morte de seu irmão o mudaria em algum aspecto, porém, isso não aconteceu, e Rafael voltou das férias tão babaca quanto antes.

Até a metade do segundo ano nossa relação foi a mesma, a gente só se falava porque tínhamos amigos em comum e as vezes nos encontrávamos na mesma roda de amigos. A partir do segundo semestre daquele ano, eu e Rafael nos aproximamos, mais por interesses dele, já que estava indo mal em química.

- Mano, me ajuda em química, preciso tirar boas notas nesse bimestre, se não vou reprovar – falou Rafael, a voz rouca, podia sentir seu hálito em meu rosto.

- Podemos estudar em minha casa hoje, mas por favor, sem brincadeiras – falei.

- Tudo bem, não brincarei com vossa senhoria hoje – disse sarcástico.

Eu revirei os olhos para ele e me retirei.

Rafael de alguma forma mexia comigo, até hoje eu não consigo dizer o que era, mesmo ele tirando sarro da minha cara e me ignorando muitas vezes eu o ajudava em tudo que era preciso e nunca guardei rancor dele. Eu gostava de ajudá-lo, mesmo quando ele não pedia minha ajuda, caramba, eu sempre fui trouxa.

Como combinado, passamos a tarde toda em minha casa estudando para a tal prova que ele tanto queria passar, química sempre foi fácil para mim, eu podia ajuda-lo e ao mesmo tempo compartilhar de sua companhia. Naquele dia Rafael se manteve focado e poucas vezes fez brincadeiras indevidas, aquilo era um progresso? Eu achava que sim. Durante o resto do segundo ano as coisas entre ele e eu foram melhorando, nos falávamos com mais frequência, fizemos mais alguns trabalhos em grupo no qual ele fazia questão de estar e eu obviamente fazia questão de o incluir. O ano terminou sem muitas mudanças, quando as férias chegaram nós nos falávamos as vezes por mensagem, conversas bobas que raramente se sustentavam.

No começo do meu último ano na escola, eu resolvi mudar de turma, e consequentemente não ficaria mais na mesma sala que Rafael, por um longo tempo eu não pensei nele, e a distância entre nós fez com que o que eu sentia fosse diminuindo pouco a pouco. Começaram as aulas e eu realmente não faria questão de saber de Rafael, seus já estava com os cabelos bem grandes, quase caiam sobre seus ombros, só não eram maiores que a sua estupidez e sua completa capacidade em ser um babaca. Por uma semana a mais eu tive a completa satisfação em não conviver com ele. Porém, no início da segunda semana de aulas eu recebi a notícia de que teria que retornar a minha antiga sala, por problemas envolvendo o sistema da escola e a superlotação na sala em que eu estava. Então, todos os alunos transferidos para a essa turma tiverem que retornar para suas antigas classes, eu fiquei completamente chateado, aquela era a melhor sala da escola, com os melhores alunos, que realmente se importavam em prestar atenção a aula ao invés de ficar o tempo todo fazendo piadas e coisas idiotas ao invés de se controlarem quando era devido, no caso da minha antiga sala, onde eu estaria fadado a estar durante mais um ano. Desculpem o meu desabafo um tanto que exaltado, porem necessário, me sinto muito melhor.

Na segunda-feira eu retornei lindamente para a minha antiga sala, esperei que todos entrassem para que depois eu pudesse entrar.

- Hello galera, eu sei que estavam morrendo de saudades de mim, por isso resolvi voltar – falei ao colocar minha mochila na primeira cadeira da quarta fileira de cadeiras.

Todos riram

- Poderia ter ficado onde estava – aquela voz meio grave ecoou naquela sala e no meio dos risos pude conhece-la.

- Bom dia também, Rafael – respondi ao revirar os olhos para ele, que estava sentado na última cadeira da quinta fileira.

Depois disso, sentei-me e fiquei conversando com minhas amigas que fizeram questão de expulsar um dos garotos da cadeira para que eu ficasse ali, pode parecer meio estupido, mas realmente foi isso que aconteceu.

Avançando um pouco no tempo, Rafael e eu mantínhamos uma relação amigável, porém cheia de idiotices e brincadeiras de mal gosto da parte dele. Não sei se ele queria alguma coisa da minha parte ou se só estava sendo um idiota como sempre, mas ele sempre vinha com brincadeiras digamos que “safadas” para o meu lado, ele por muitas vezes passou a mão em minha bunda, ao no meu volume, uma vez ou duas vezes sarrou em mim propositalmente e uma vez bateu forte em minha bunda com o seu quadril, quase pude sentir seu volume em minha bunda se aquilo não tivesse sido rápido demais, vocês podem estar pensando, grande coisa, isso é brincadeira de meninos babacas, que fazem isso no meio dos amigos heteros para constranger. Mas havia um detalhe, Rafael sempre fazia isso quando não havia ninguém olhando ou por perto, era como um sinal, que eu nunca levava a sério o suficiente, será que ele realmente estava me dando mole ou aquilo realmente era coisa da minha mente paranoica e fragilizada? Parte de minhas dúvidas foram respondidas mais tarde, porém muitas outras foram criadas, quando eu resolvi dar uma festinha em minha casa regada de bebidas e brincadeiras comprometedoras.

OBS.: Qualquer erro gramatical será corrigido posteriormente.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/05/2018 17:31:46
INTERESSANTE MAS VAMOS LÁ. O QUE RAFAEL FAZ É BULLYNG E DEVERIA SER TRATADO COMO TAL. NA VERDADE ELE É UM GRANDE BABACA, MAS MUITO MAIS BABACA É QUEM SE SUBMETE E NÃO FALA NADA OU PERMITE ESSE TIPO DE SITUAÇÃO. QUEM PRATICA BULLYING SE SENTE TÃO INFERIOR QUE PRECIS DESCONTAR ISSO NOS OUTROS. NA VERDADE É UM ATO DE COVARDIA E TENHO CERTEZA QUE ISSO É PRATICADO APENAS COM QUEM NÃO APRESENTA CONDIÇÕES DE SE DEFENDER. NÃO CREIO QUE FAÇA ISSO COM ALGUÉM DIFERENTE. CREIO QUE RAFAEL DEVE SE TRATAR IMEDIATAMENTE. E ESPERO EM DEUS QUE VOCÊ NÃO CAIA NA LÁBIA DELE PARA NÃO SOFRER DEPOIS. CERTEZA QUE ELE APENAS QUER SE DIVERTIR AS SUAS CUSTAS E DEPOIS QUE CONSEGUIR IRÁ TE DIFAMAR PRO COLÉGIO INTEIRO E ESTARÁ PRONTA UMA SITUAÇÃO DE ANGÚSTIA E DOR PRA VC. FIQUE ESPERTO. MAS GOSTEI E VOU LER COM CERTEZA.
09/05/2018 11:22:21
Gostando...