MADAME BUNDUDA SUBMISSA IV

Um conto erótico de Cesar
Categoria: Heterossexual
Data: 08/05/2018 16:12:25
Nota 10.00

MADAME BUNDUDA SUBMISSA IV.

Lucia fica sem reação. Fecha os olhos, da uns passos para trás, abaixa a cabeça...fica inerte..

A tiro da inércia com um grito:

- anda logo porra!!

A provoco:

- Você acha que eu não sei que você quer, sua puta!!

Lucia se assusta. Me olha e novamente abaixa a cabeça. Penso que ela não vai se sujeitar à proposta...

Eu: - bom então amanha seu dia vai ser...

Antes que eu termine a frase, ela se ajoelha no piso duro, que lhe causa dor, verifico pela sua cara...

Vou ao delírio.

Eu: - Isso, agora ponha essas mãos sujas no chão empine esse rabo grande e venha até aqui como uma cadela que você é!

Nisso dou 5 passos para trás até me encostar na porta pela qual entramos. Enquanto isso, ela apoia suas mãos branquinhas cheias de anéis caros no chão, unhas pintadas de vermelho, abaixa a cabeça e começa a se mexer até mim. Seus movimentos são lentos, talvez pela idade, talvez pelas roupas que estava usando, talvez pela dor nos joelhos gordos..

A cena é maravilhosa, digna de meus melhores sonhos. Aquela coroa madame bunduda e gostosa, arrogante, mitida, vestida com as melhores roupas que o dinheiro pode comprar, naquela posição de subserviência, humilhada, não havia visão melhor e dinheiro que pagasse. Me fez perder totalmente a cabeça. Meu pau pulsava, parecia que iria estourar...tinha conseguido algo que só imaginava em meus sonhos...muitos desejariam estar no meu lugar...com certeza. O bairro inteiro, acredito! Olho pelo espelho da parede de trás dela e vejo aquela bundona volumosa e gostosa arrebitada naquele jeans completamente esticado, as nádegas acompanhando os movimentos das coxas, num verdadeiro vai e vem... suas curvas se mexiam de forma deliciosa...era lindo de se ver!

Eu: - Venha olhando para o meu pau.

Ela levanta a cabeça me olha, faz cara de nojo e raiva, mas me obedece...e vem de quatro como uma cadela, fazendo agora cara de dor...pois como cavala que é, sobretudo o peso de sua bunda, faz forçar muito seus joelhos contra o piso duro do quarto...

Penso quieto comigo: A Sra. vai se locomover muito assim ainda!

Chega até mim. Ponho minhas mãos para trás e ordeno que pegue no meu pau e o beije. Ela se ajeita, erguendo as costas e sentando em cima dos joelhos encostando sua bunda no salto...a calça jeans está toda esticada...de cima dá para ver suas coxas grossas no jeans...ela pega meu pau meio sem jeito com a mão direita e deixa a esquerda apoiada na coxa grossa esquerda...e beija a cabeça do meu pau...

Eu: - Beija melhor!

Ela faz o bico de beijo com aquela bocona e novamente o beija.

Eu: - isso safada, agora abre a boca e comece a chupa-lo. Vamos ver o que seu marido de merda te ensinou...

Ela começa a chupa-lo de forma bem tímida e sem graça...chupa somente a cabeça...eu deixo, só para ver até onde ela vai. Até que eu tiro as mãos de trás puxo-a com força pelos cabelos, fazendo-a olhar em meus olhos e digo:

Eu: Sua vagabunda, a Sra. não sabe nem chupar um pau direito...seu marido não fode essa sua boca grande não? Abre essa boca??

Ainda segurando seus cabelos curtos pintados de vermelho com uma das mãos, com a outra pego no meu pau e começo a enfia-lo em sua boca com rispidez...ela engasga e tenta me empurrar...sem tréguas, tento enfiar novamente ela fecha a boca...batendo meu pau em seus lábios...nisso puxo novamente seus cabelos forçando sua cabeça para trás para que ela olhe para mim...e dou um tapa forte em seu rosto e com o dedo em riste lhe falo:

- Abre essa boca grande sua vaca rabuda.

Ela se assusta com o tapa. Meio perdida, novamente abre a boca, enfio com tudo em sua garganta e começo a fude-la como movimentos rápidos...ela começa a engasgar e a babar que logo escorre em sua camisa e terninho...tiro o pau de sua boca logo vem aquela baba que fica grudada entre ele e seus lábios, fazendo aquela ponte de baba...seus olhos estão lacrimejando...puxo seu cabelo para trás novamente, pego sua baba com a mão livre e espalho em todo o seu rosto e cabelo. O rosto estava com o lado vermelho pelo tapa tomado, passo a mão no meu pau limpando-o, puxo o cabelo dela com mais força, levando-a a fazer cara de dor, e cuspo forte atingindo bem no meio de sua cara larga em cima do nariz, assustando-a...em ato continuo, sem que ela pense, começo a enfiar meu pau fundo na sua boca e a tira-lo completamente, enfio e tiro, enfio e tiro...novamente com as mãos espalho em sua face o cuspe e as novas babas...após, com o pinto começo a bater em seu rosto, fazendo o seu queixo tremer...o barulho que advém de sua cara larga me enlouquece...enfio novamente o meu pau em sua boca segurando sua cabeça por trás e alargo sua boca puxando forte meu pau pelas suas gengivas laterais, fazendo barulho de “rolha sacada”...sua cara larga está toda regaçada e úmida...maquiagem toda escorrida...cabelos meio umidos de babas...parecia que tinha tomado um surra...

A empurro com força fazendo ela cair pelos lados...antes que ela tome conhecimento do que estava acontecendo a pego pelos cabelos, bem em cima da cabeça, puxo-a e digo:

Eu- vamos de quatro cadela..agora eu quero ver esse rabo branco seu...

Lucia: Aii ta machucando...solta...meus cabelos..

Eu: cala a boca!

Ela novamente fica de quatro e eu a puxo pelos cabelos, indo em direção à parede lateral de espelho...enquanto ela se movimenta em cima dos joelhos, dou dois tapas no seu rabo por cima da calça jeans, um em cada nadega. Chegando na parede a faço levantar puxando-a pelos cabelos...ela fica de pé..com um braço eu a envolvo pela cintura e a puxo diante de mim...com a outra mão aperto forte seu rosto dizendo “vadia gostosa...olha a tua cara puta...” dou uns tapas meio de leve em seu rosto...passo meus dedos em seus lábios...”chupe-os”...ela começa a chupa-los..um...depois dois dedos...a solto, empurro-a contra a parede...cuspo novamente em seu rosto..atingindo sua testa...mando ela por a língua para fora e novamente com as mãos começo a espalhar pela sua face o cuspe passando a mão em sua língua e resto do rosto, espalhando a baba e o cuspe...tiro o seu terninho, jogo-o no chão, com força tiro sua camisa branca para fora da calça e puxo para abri-la, alguns botões estouram, abrindo e revelando o soutian na mesma cor com bojo e renda...tiro sua camisa e rasgo seu soutian, puxando-o com força contra mim...seus peitos medianos de coroa, porém empinados saltam...revela-se sua pela branca como leite, seios e barriga, esta um pouco flácida devido a idade e filhos....chupo seus seios passando a mão em sua buceta por cima da calça...ela suspira...passo a mão em todo o seu corpo, apertando rosto, pescoço, peitos, barriga...a abraço e faço o mesmo procedimento pelas costas, rabo, nuca...ela está totalmente entregue...

Dou um passo para trás, saco uma venda negra do bolso e me direciono para vendar seus olhos...ela vira a cara e fala que não...

Eu: Vai por sim...o nosso trato é fazer tudo o que quero....

Me dirijo novamente e amarro a venda em seus olhos...

Eu: - Só vai tirar quando eu mandar...se tirar sem minha ordem a Sra. vai apanhar muito, além é claro de ser presa...(risos)

Afasto dou uma volta para os lados para certificar que ela não está vendo nada. Dou dois tapas em seu rosto forte um de cada lado...ela faz cara de choro e encosta no espelho...seus lábios tremem..seu rosto está totalmente vermelho..

Dou dois passos para trás e começo a observa-la...estava um tesão, só de jeans justo, realçando o seu bocetão, verdadeiro “capo de fusca”, e sandália preta de tirinhas...seu corpo branco como leite, com manchas vermelhas dos apertos que dei, barriga, peitos e cara...a cara estava um tesão...toda vermelha, úmida...cabelos úmidos...seu corpo era muito violão, literalmente formato pera, pera bem recheada...

Saco meu celular do bolso da camisa que já tinha deixado totalmente no silencioso e começo a bater diversas fotos de sua posição...tesão...ela nada percebe...

Guardo o celular de novo no bolso da camisa, a puxo pelos cabelos e digo: ”sua porca-vagabunda, deixa eu ver esse rabo branco que você tem agora”...a viro e a empurro contra a parede de vidro...

Ela fica ereta, sem reação, mãos abaixadas, evidenciando suas costas e braços branquelos e aquele rabo grande, gordo e largo no jeans apertado, empinado pelo salto. Tiro mais fotos. A visão é linda! “Vagabunda” falo.

Esfrego meu pau por toda a extensão do seu rabo, melando um pouco o jeans. Posteriormente me ajoelho, e enfio a cara em seu bundão..aperto...mordo...bato...pela minha voracidade ela se apoia com as mãos nas paredes..tiro novas fotos agora de baixo para cima...a região da sua boceta está toda molhada pela minha baba...abaixo mais e passo a língua em seus pés e dedos..unhas pintadas de vermelho...logo também estão cheios de saliva minha...

Me levanto, a abraço novamente pelas costas, apertando meu pau em seu rabo sobre o jeans, começo a apertar com as mãos seus seios, sua barriga e desabotoo o jeans e o abaixo...tenho que empurrar com força para sair de sua bunda...logo revela o que tanto queria ver...abaixo suas calças e a tiro completamente...mantendo os saltos.

Eu: - Puta que pariu sua vagabunda...que rabo é esse!

O seu rabo era lindo! Era Branquelo (só de enfiar o dedo nas nádegas já avermelhavam!), grande, muito largo e cheio, sustentado por umas pernas grossas, igualmente branquelas. Estava com uma calcinha branca de tamanho mediado. Havia sim celulites pela sua idade e o tamanho do rabo, todavia, era moderada...impressionante, não haviam estrias.. Ajeito sua calcinha, deixando-a comportada. Era mais bonita que em meus sonhos...

Eu: Fica ai vagabunda, quero te olhar mais!

Afasto e começo a olha-la, sem conseguir tirar a mão de meu pau...”bunduda gostosa, empina ela sua nojenta”...ela empina...tiro novas fotos...me aproximo e puxo sua calcinha para cima, que se perde entre do rego e ambas nadegas...novas fotos...puxo a calcinha com força, como se fosse uma corrida de ganso ordenando que ela empinasse mais...ela reclama...tiro outra foto com a calcinha em minhas mãos sendo puxadas...a calcinha arrebenta...novas fotos...

A visão era essa, ela estava de costas, com as palmas das mãos abertas a altura de seu rosto, cara e peitos encostados no espelho, com olhos vendados, tentando empinar o seu rabo, branco, gordo e largo, com uma calcinha branca rasgada mas ainda entalada em sua boceta e caída em suas nadegas, e de sandálias pretas com tirinhas nos dedos e tornozelo revestindo seus pezinhos brancos e bem cuidados. Branquela dos pés à cabeça ruiva.

Chego perto dela, puxo sua calcinha rasgada, que percebo estar úmida..esfrego em seu bocetão e cu e a enfio totalmente dentro de sua boca...prenso sua cabeça no espelho e digo:

Eu: Só vai tirar a cacinha daí quando eu mandar. Empina essa bunda branquela...empina!!

Ela empina.

Ainda empurrando sua cabeça contra a parede dou um tapa forte em sua nádega direita que o barulho ecoa pelo quarto e ordeno:

- Empina mais vagabunda nojenta!!

Dou novos tapas...ela empina o Maximo que consegue, inclusive ficando na ponta dos pés...

- isso fica assim sua puta cuzuda, porca..

Solto sua cabeça e me ajoelho diante de seu rabo, aperto suas nádegas e as abro revelando uma bocetão grande, cabeludo e úmido e um cu rosado...enfio dois dedos em sua boceta..ela geme baixo..

- a nojenta tá excitada?? É uma puta mesmo, sempre soube...a Sra. gosta de ser humilhada não é puta? Essa bocetona sua não nega, o Roberto já deve ter a arrombado de tudo que é jeito!! (grito) Não é puta?

Lúcia nada responde.

Enfio a cara de novo em seu rabo, chupando sua boceta e cu..chego a levanta-la com minha cara afundada no seu rabo...solto-a, seus pés voltam ao chão fazendo barulho pelos saltos.

Enfio dois dedos em seu bocetão por trás e começo um movimento de vai e vem rápido...começa sair fluidos e escorre pela suas cochas...o seu gemido é abafado com a calcinha na boca, começa a se movimentar e a erguer uma das pernas, como se fosse uma cadela...aumento a velocidade, o entra e sai faz muito barulho pela umidade...desacelero...tiro novas fotos com meus dedos na sua boceta...coloco três...fotos. Meus dedos estão todos úmidos, os limpo em suas nadegas..

Pego uma almofada, posiciono meu celular no chão encostado nela, há um metro da gente mais ou menos, numa posição que somente pega a sua bunda e ponho para gravar.

Me aproximo dela, enfio minha mão esquerda pela frente entre suas pernas e começo a mexer no seu grelo e digo: “empina esse rabo cadela anda” e nisso começo uma cessão de espanking, com uma das mãos na sua boceta e outra batendo forte uma vez em cada nádegas...a sua bundona balança com cada tapa...logo está toda vermelha...ela está totalmente entregue!

Paro, pego o celular e começo a filma-la de todos os ângulos, pelos braços a viro de frente, com o celular em uma das mãos ainda filmando, aperto seu rosto, cuja boca ainda está com a calcinha toda dentro, abro sua boca com os dedos e puxo, tirando sua calcinha encharcada de saliva...esfrego em sua cara...penduro-a em sua cabeça..enfio os dedos em sua buceta e começo a esfrega-la de forma rápida com o celular filmando sua cara larga e nojenta se contorcendo e gemendo...paro, paro o vídeo, escondo o celular na camisa e digo: “agora vou fuder esse rabo branco e gordo que você tem sua puta”.

Tiro a calcinha de sua cabeça e a venda de seus olhos...cuspo em sua cara com força. A pego pelos cabelos e a puxo até a cama...ela grita “ai ai ai”...ponho ela na quina da cama, que é alta..deixo somente seu tronco na cama, pernas esticadas e pés com saltos no chão, a sua bundona larga que está toda vermelha está totalmente empinada...abro suas pernas com os pés e meto minha rola em sua bocetona...a fodo rápido e com força, as estocadas fazem barulho, a cama faz barulho..as bandas de sua bunda se movimentam, indo e vindo...puxo seu cabelo com força e intercalo tapas em seu rabo...

Lucia: vai devagar...ta doendo, você está acabando comigo..ai ai..”

Eu: cala a boca!

Fico por muito tempo fudendo o seu rabo desta forma. Logo vem a vontade de gozar. Tiro o meu pau e a puxo com muita força pelos cabelos, levantando o seu tronco de costas até mim, a viro de frente e mando ela ajoelhar anunciando que eu vou gozar na sua cara.

Ela reluta...”vai logo puta” dou-lhe outro tapa forte na cara..ela, totalmente submissa, se ajoelha entre mim e a cama...fico com o pau rente à sua cara larga e nojenta, toda úmida e vermelha, que nem parece aquela madame do inicio da noite...começo a bater punheta, e logo gozo em todo o seu rosto...devido ao meu estado de excitação sai muita porra...ela tenta virar o rosto mas não consegue, pois estou muito perto. A porra espirra em seus cabelos, atinge sua face, a maior quantidade em cima do nariz e boca, que ela mantém fechada.

Me afasto e começo a observa-la. Ela envergonhada se encolhe.

Eu: essa é a cara que a Sra. merece, sua puta, nojenta, porca, rabuda. Ela tenta esconder a cara. Eu puxo seus cabelos forçando a revela-la...com meu pau ainda duro começo a bate-lo em sua face, em cima das porras que se espalham, passo em sua boca...

Eu viro de costas, pego suas calças que estão no chão e me limpo com elas na parte externa da bunda. Limpo suor do rosto e todo o corpo, terminando por limpar meu pau. Me aproximo de Lúcia que ainda está sentada no chão e passo o jeans com a mesma parte e com força em seu rosto limpando-o de toda a porra. Jogo-a no chão, me visto e vou ao carro e pego um envelope lacrado e retorno ao quarto. Lucia agora está sentada na cama, sem reação, olhando-se no espelho com cara de choro, provavelmente vendo o estado que estava ...

Jogo em cima dela o envelope. Ela nada responde.

Eu: - obrigado rabuda, to indo.

Porém, antes de ir pego sua calcinha e ponho no bolso. Ela nem percebe.

Me retiro do quarto. Entro no carro e vou embora.

Lucia fica mais uma hora no quarto, se lava, se veste com sua calça suja e melada, sem a calcinha porém e vai embora.

Continua...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/05/2018 14:00:23
Delícia manda continuacao
09/05/2018 09:50:53
O ódio permeia toda essa parte, mas faz parte de toda revolta que o protagonista criou. Está bem escrito.
09/05/2018 03:07:30
excelente conto continue

Listas em que este conto está presente