Dias Meus 1

Um conto erótico de Menina Descalça
Categoria: Heterossexual
Data: 07/05/2018 23:30:13
Nota 10.00

Todos guardamos desejos reprimidos até que um dia o destino da uma ajudinha e a sacanagem acontece.

Vou usar o pseudonimo de Ana, sou casada, e nunca havia traido meu marido.

Desde minha adolescência sempre achei excitante sexo casual, com desconhecidos, sem compromisso e especialmente os proibidos, mas a insegurança sempre foi maior que a coragem.

Pois bem há 3 meses tive que acompanhar meu pai em uma internacao fora da minha cidade e la passamos uma semana. Não conhecia ninguém e nada naquele lugar mas aos poucos fui adquirindo amizade com os funcionários e me familiarizando.

Uma noite estava no quarto com meu pai e ouvi passos no corredor, saí para ver o que estava acontecendo e vi alguns policiais na porta do quarto ao lado. Era um detento que estava com escolta. Aos ve los os cumprimentei e eles responderam com um gesto com a cabeça. Um deles tinha em sua identificação um sobrenome diferente mas que eu já conhecia. Tomei liberdade e perguntei de onde ele era. Para minha surpresa ele era da minha cidade Natal. Filho de um casal de conhecidos. Conversamos e acabamos por fazer amizade. Quase próximo as 22:00 outra dupla de policiais chegaram para os render. Meu amigo desejou melhoras a meu pai e se despediu. Um outro que havia acabado de chegar vendo a cena veio me cumprimentar e logo começou a puxar assunto. Falou sobre como era o trabalho e que odiava passar a noite cuidando de detentos em hospitais.

Conversávamos e seu olhar vagava entre meu corpo e mais lábios. E foi quase impossível não retribuir.

Pedi licença e voltei ao quarto para ver meu pai e ele estava dormindo. Quando me viro para sair na porta dei de cara com o Sg. e me assustei ele me segurou pela cintura e senti suas mãos firmes. O tesão surgiu feito faísca. Seus olhos em meus lábios. Arrepiei, ele notou, pediu desculpas e no calor na situação não tive resposta.

Voltamos a realidade quando ouvimos que a campainha do quarto 22 tocou. Sorrimos e ele pediu meu número de celular.

Relutei.. disse q era bobagem mas foi em vão. Ele entregou o celular dele em minhas mãos e pediu que salvasse o número.

Disse que teria que atender uma ocorrência mas que não queria me perder. Eu sorri e ğanhei um beijo na bochecha. Humm que labios quentes e que cheiro de homem.

Voltei para o quarto e 10 mim depois vi no visor do celular a msg : "Não sou de me arriscar e quero te dizer que sou casado mas você me chamou a atenção. Por favor me responda. Posso te ver mais tarde?"

O coração pulou fora do peito. Um calor aqueceu e umideceu minha intimidade e tremendo respondi: "Ambos casados e sem juizo kkk.. Meu peito diz que não mas meu corpo diz que sim."

Mal enviei e já tive a resposta. " Sua boca deve ser uma delícia volto ai me espera."

E o calor aumentando o medo a culpa se misturando com tesão e desejo.

Não acreditei muito, fui tomar um banho e fiquei pensando nessa loucura. Não me contive e me masturbei. Gozei pensando naquela farda.. no cheiro, em suas mãos firmes me segurando.

Sai do banho fui para o quarto e me deitei.

Cerca de 40 min depois meu celular vibra. Era ele. A msg dizia estou aqui vem. Pensei em ignorar e não responder mas então ele ligou.

"Oi morena.desce aqui na portaria. Estou na viatura não posso subir." gaguejei e ele disse "Não tenha medo estou trabalhando não posso fazer nada contigo." Respondi que ok e fui.

Ao me ver desta vez ele não fez muita questão de esconder suas intenções. "Linda! Desde a primeira vez q te vi estou encantado. Você é uma delícia."

As palavras tocaram meu corpo. Então ele se aproximou e passou os dedos pelos meus labios. Disse que saia as 7 do plantão e que se eu quisesse ele era todo meu.

Senti a umidade escorrendo e me arrepiei. Numa fração de segundos ele me encostou contra a porta da viatura e me puxou. Ficamos debaixo de uma árvore que nos deixava no total escuro.

Seu olhos brilharam e toda aquela docilidade deu lugar a um selvagem. Me apertou contra si. Mordeu meus lábios e em seguida sua língua procurava a minha. Sua não me segurava pela cintura e a outra se encaixou entre minhas pernas e fez o vestido subir. tudo tão rápido e louco foi quando seus dedos encontraram minha umidade sua boca gemeu na minha. Ahhhh.. escorregou dois dedos dentro de mim e com o polegar apertou meu clitóris. Vi estrelas e aquele educado policial se transformou em um animal. Uma mao me masturbando e a outra agora me segurando pelo cabelos e mordendo meus lábios. O medo de sermos vistos me excitava mais ainda. Ele gemia e dizia que eu era quente.. massageando meu clitóris me fez gozar rápido. E abafou o gemido na sua boca.

Gostosa, delícia, tirando os dedos de dentro de mim colocou os na minha boca e me beijou. Queria sugar meu gosto e isso me deixou mais excitada..

Me disse amanhã.. quero você. Ajeitou a minha roupa disse agora vai, amanhã a gente se vê?

Respondi que sim com a cabeça sem nem saber ao certo o que estava fazendo.

Subi ao quarto e não conseguia dormir pensando na loucura que tinha feito. Aos poucos peguei no sono e logo o dia amanheceu. Peguei o celular e não havia nenhuma msg dele. Logo pensei que tinha sido apenas uma distração no plantão da noite e fui para o banho.

Uma msg pisca no visor do celular. "Bom dia morena, sai do plantão estou esperando você."

Um frio percorreu minha coluna. Não podia ser verdade. Já estava me sentindo mal pelo que havia acontecido na noites anterior e ele ainda insistiu em me ver. E agora? A demora fez com que o celular tocasse. Atendi e ouvi uma voz macia.. "Bom dia delícia, desce e vem me ver?" Respondi que não podia deixar o quarto só e que estava com a consciência pesada. Ele então me disse.. "Não vamos demorar só quero poder te ver mais uma vez. É rápido. Dar um último beijo nessa boca." O juízo fugiu da mente e respondi que estava descendo.

Acabei de me vestir peguei a bolsa e disse que ia tomar um café na cantina.

Mandei uma msg dizendo estou aqui e passei pela portaria. Parada na calçada olhando para os carros e com o corpo todo tremendo vi um carro se aproximar e parar na minha frente. Só reconheci quando o vidro baixou e aquele sorriso lindo se abriu para mim.

Entrei o mais rápido que pude e nem tive reação em cumprimenta lo.

Ele entendeu meu nervosismo e me deu um beijo na bochecha. Saímos com o carro em meio ao fluxo de veículos e eu ja o avisei.. "olha tenho que voltar rápido. Nem sei pq estou aqui. Que loucura minha."

Ele colocou a mão sobre minha perna e disse.. "Fica calma minha linda vou encontrar um lugar pra gente." Não sei como paramos em uma rua de terra cercada por uma área Verde.

Sua não pegou a minha e a colocou encima do seu short onde um volume rígido ja estava pulsando. Me beijando com força logo eu estava masturbando seu pau. Enclinei meu corpo sobre ele e passei a língua sobre a glande ja molhada. A luxúria tomou conta de mim quando ouvi seu gemido e vi seu lábios abertos enquanto seu olhos me fitavam e pediam mais. O encaixei em minha boca e suguei. Seu gemidos aumentaram e senti sua mão direita procurando espaço entre a minha pele e minha calcinha. Soltei um gemido alto quando seus dedos deslizaram por dentro de mim e começaram a se mover. Com a outra não ele me segurou pelos cabelos e ordenou de olhasse para ele... "molhadinha.. você já veio no ponto pra mim. Chupa devagar por quero sentir você por dentro."

Sua mao controlava minha cabeça e as vezes sentia sua glande na minha garganta e ele gemia dizendo para parar pq ia gozar. Seu dedos me abrindo ate que tocou meu clitoris e foi impossivel segurar engoli seu pau mais e mais e abri as pernas para que ele afundasse mais seus dedos em mim. O orgasmo veio e eu gemi quando simultaneamente seu pau pulsou em minha boca e seu leite desceu pela garganta. Ele ainda tentou relutar e perguntou se eu iria engolir. Respondi sugando mais e engolindo tudo.

Ele sorriu e suspirou.. "me beija agora.. quero tua boca com minha porra."

Que delícia ouvir isso. Sua boca sugou a minha e tirando os dedos molhados do meu orgasmo chupou os e voltou a me beijar.

Alguns carros passaram nesse momento mas os vídros escuros nos protegia.

Com muita habilidade empurrou o banco para trás me puxou para cima de seus quadris e encaixou seu pau entre minhas carnes umidas e foi abrindo espaco deslizando ate o fundo. Soltou um gemido alto e apertou mais fundo ainda. Tirou seu pau molhado e rapidamente voltou a meter mas desta vez com força. Animal.. como se estivesse faminto por mim. Mordeu meu mamilos e me fez gozar mais uma vez apertando seu pau com as contrações. Beijou me e fincou seu olhos nos meus. Gemendo e socando mais e mais.

"Olha pra mim. Diz que voce é minha." Respondi que sim e ele continuou.. "tua boca é quente.. mas tua buceta é mais. Rebola pra mim. Quero gozar dentro de você."

Que pedido mais delicioso. Subi e desci naquele mastro e senti suas pulsações. Mordeu meu lábios me apertou contra seu quadril e soltou um gemido enquanto gozava. "Diz que é minha. Diz.?" Fiquei em silêncio e senti sua mão puxar meus cabelos. Seus olhos brilharam e a pergunta foi em um tom mais forte. "Diz que voce é minha. Que eu sou teu Dono." Os gemidos foram amenizando e eu entendi o que ele queria. Respondi que sim. Que eu era seu brinquedo e que faria o que quizesse de mim. Voltei a meu banco. Limpei todo seu pau com minha língua.

Ele me olhava com admiração. Me puxou e beijou me com carinho. "Adorei você. Fica?"

Ao ouvir fica meu coração parou. Putz tenho que voltar. Ele me aninhou em seus braços e disse que me queria mais.

Nos recompomos e voltamos para a portaria, nos despedimos de maneira formal e assim ele se foi.

Desde então nos tornamos amigos confidentes e nos falamos sempre matando nossas vontades por chamadas de vídeo.

Meus Dias 1

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/05/2018 12:23:09
excelente conto continue
08/05/2018 09:13:09
Legal. Vc passou por uma grande experiência. E a vida continua
08/05/2018 09:10:56
Que dia mais delicioso! Quero mais!!!! Bjs