Casa dos Contos Eróticos

TIA SÂMMILA - CLEPTOMANÍACA, PIRANHA, MAS MUITO GENEROSA – PARTE 2

- Claro que sim e com o maior prazer tia Sâmmila. Não está me pedindo nenhum favor, está é me dando um presentão. Mas não quero e nem posso me animar muito não. E se ele se recusar! E se ele não gostar de trepar com homens? E se até gostar de transar com gays, mas não sentir atração por mim? Não está otimista demais, não tia Sam? Tudo vai depender de seus desejos!

- Em relação a isso não precisa se preocupar, rapaz. Não conhece bem sua tia? Acha que lhe mostraria o pote e depois esconderia o mel? Já o peguei no flagra, de pau duro alisando aquela sua foto no clube, deitado de bundão pra cima e fingi que não percebi nada. E como preciso deixa-lo se divertir fora de casa, para aliviar pelo menos um pouco minha consciência, com muito jeitinho o fiz confessar que com você se fosse o caso ele treparia. Vou explicar melhor. Como quem não quer nada, a alguns dias atrás, comecei a elogiá-lo pra ele:

- Ricardo, amor! Não sei se pensa como eu, mas apesar de minha família ser intragável, nos deu um presente e tanto. Nosso sobrinho, Rubinho!! Que rapaz, educado, centrado, inteligente, verdadeiro ele se tornou, não acha?

- Sem dúvidas, Sâmmila, sou apaixonado por ele.

- Ahhh é? Então eu que me cuide né benzinho!! Já que é tão apaixonado pelo Rubinho, assim? Preciso ter ciúmes, amorzinho?

- Deixe de bobagens, mulher! Sabe muito bem em que sentido falo! Mas de uma coisa precisa em seu sobrinho, precisa ter cuidado. Que bunda é aquele dele, não? Se ele brincasse em me dar aquela maravilha, sei não, viu, gostosa! Terei que rebolar e muito para não te trair! Sério mesmo, Sâmmila, que rabo é aquele? Vai me dizer, que nunca percebeu aquela bunda? Impossível!!!

- Sabe por que te amo tanto, Ric? Peia sua sinceridade! E vou além contigo. Se desse uma metidinha na bundinha de meu querido e amado sobrinho, não me importaria nem um pouco, sabia? Acho até que ficaria bem feliz! Afinal seria melhor com ele, que com uma vagabunda na rua.

0 TIA SÂMMILA!!! Me deixou com vergonha, danada!!! Ele falou assim mesmo, tia?

- Com todas as letras e pontos, Rubens!

- Não teria ciúmes e não ficaria magoada de verdade, se fôssemos pata a cama?

- Se fosse ficar, não lhe pediria ajuda, né Rubens? Viajo amanhã a trabalho e só volto na sexta –feira. Claro que onde eu estiver, vou dar com força rapaz, e para me sentir menos pistoleira, gostaria que você passasse esses dias lá em casa, trepando sem parar com seu tio. Diz que aceita, por favor, Rubinho!! Se aceitar, depois que sairmos daqui, te levamos de volta pra casa e pegamos suas malas. Hoje mesmo dormirá lá em casa. Vou sair de madrugada e se quiser, deixo seu tio em ponto de bala, para você terminar o serviço, assim que eu virar as costas. O que acha, topa?

- Lóooooogiiiicccco que aceito. Nós dois não valemos a comida que comemos, sabia tia? ” Mas se é para o bem de todos e felicidade geral da nação”, digo-lhe que estou dentro. Mas como vamos pegar a estrada acho melhor nos apresarmos e sairmos logo após o lanche, ok?

Horas depois, estavamos eu e meus tios exaustos, sentados na sala da casa deles, resolvendo quem tomaria banho primeiro. E o primeiro a correr para o banheiro foi tio Ricardo, que ainda nos deu uns minutinhos a sós para continuar com nosso planos.

- Vou lhe dar mais um empurrãozinho, e depois é com você sobrinho!!

- Ricardo adora, massagens nos pés, fica subindo pelas paredes quando lhe faço uma. Vou dar um jeito de fazer bastante barulho, Deve aproveitar a levantar só de cueca, dizendo que a barulhada que fiz o acordou.

- Todas as vezes que viajo de madrugada, seu tio fica uma pilha de nervos. Não há como dar errado. Pense comigo, ele estará muito excitado, porque lhe deixarei louco e não terminarei o serviço, você de cueca estará desfilando essa sua bundona, que ele deseja demais e recebendo uma massagem nós pés, deve se preparar. Ele irá com tudo pra cima de você. Para começara a massagem, realce o nervosismo dele pela minha viagem e ofereça a massagem apenas para acalmá-lo, dessa forma não corre o risco de assustá-lo muito, ok? Quanto a mim, mal posso esperar. Viajarei com dois colegas da empresa e enquanto um dirige o outro me fode e vice-versa. Quero dar daqui até Curitiba, sem parar.

- Safadinha!!! Não perde uma oportunidade pra transar, me tia?

- Meus desejos e fantasias são incontroláveis, Rubinho. Já tentei de tudo para controla-los, mas minha tara é muito mais forte que eu. Estou cansada de sofrer, buscando tratamentos, terapias que ao invés de me trazer qualquer tipo de melhora me dá é mais vontade de transar.

- Deve ser bem difícil viver assim, tia! Não sei se conseguiria.

- Enquanto estão transando é muito bom, mas depois sinto um enorme vazio que só passa quando transo novamente. Mas agora vá tomar seu banho, pois já são mais de 1:00 e sairei as 3:00. Preciso dar pelo menos uma descansadinha antes de por fogo no seu tio para você apagar.

Vou tomar banho em meu quarto e só vou revê-lo na hora de sair, enquanto faço barulho para você se levantar. Dê um beijo aqui na titia Sâm. Boa Noite, Boa Sorte e aproveite bem safadinho!! Seu tio além de bem dotado, ainda é uma verdadeira fera na cama

- Claro que não consegui nem pregar os olhos nem ver o tempo passar de tanto tesão e quando menos espero, já começo a escutar a barulheira que tia Sâmmila fazia. Era a deixa para eu me levantar e ir ao encontro dos dois.

Vesti uma cueca vermelha bem colada, que fazia meu rabo gritar de tão evidente que o deixava e dei de cara com ambos. Minha tia despediu-se de mim e depois de tio Ricardo, que entregou a mala da esposa para um dos seus amigos do trabalho, que já estava esperando por ela e para carregar sua mala até o carro. Em seguida desapareceu sem deixar vestígios, me deixando a sós com seu marido, que a partir dali com suas bênçãos, seria também meu macho!

Tio Ricardo , muito tenso e inquieto, andava pra lá e pra cá, usando um lindo roupão preto, que cobria quase todo seu corpo, me deixando além de mais excitado ainda, muito curioso pra desvendar os segredos de seu corpo.

Sem muita enrolação, resolvi fazer um chá calmante para ele e só de cuequinha. Levantei do sofá e assim que lhe dei as costas para ir para a cozinha, vestido com aquela indecência de cueca, atolei um de meus dedos no cu e dei uma bela coçad...

CONTINUA ...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.