Saí no meio da madrugada pra foder

Um conto erótico de Blue
Categoria: Heterossexual
Data: 05/05/2018 08:16:02
Nota 10.00

Infelizmente sou uma pessoa com propensão à insônia, não foram poucas as noites que perdi olhando para o teto, e esta não estava sendo diferente.

Vim de semanas bem puxadas e tudo que queria era me jogar na cama e acordar somente ao meio dia do sábado. Tomei um banho longo e bem quente, me deitei e dei minha gozada de boa noite. Tudo parecia ir de acordo com o planejado, até que despertei às 3h da manhã.

Os adeptos dos filmes de terror (que não é o meu caso) vão achar que escolhi colocar esse horário para incrementar a história, mas estranhamente é sempre nessa mesma hora que acordo nas noites insones.

Como estava nitidamente exausta e não estava com nenhuma tormenta rondando meu singelo juízo, cheguei à conclusão de que esta era uma insônia causada por tesão acumulado.

Como já estou a algumas semanas sem transar e o estresse, o cansaço e a correria dos últimos dias não me permitiram exercitar minha masturbação diária, essa me pareceu uma conclusão lógica.

Comecei a passar a mão pelo meu corpo nu (adoro dormir pelada) e já o senti responder com arrepios leves e um calor na buceta. Busquei meu vibrador, que já estava à mão, e comecei a esfregá-lo no meu grelo.

Mudava o ritmo das vibrações e oscilava entre esfregá-lo no meu clitoris e enfiá-lo todo na buceta. Demorei um pouco mas o gozo veio intenso, me fazendo quebrar o silêncio da madrugada.

Fiquei deitada, ainda um pouco ofegante, e não senti meu corpo relaxar sequer um pouco. Apesar de gostosa, aquela solução não tinha sido efetiva.

Entediada, peguei o celular e comecei a ver bobagens. Ai que uma boa surpresa me aparece, veio um conhecido puxar papo no whatsapp.

Nos conhecemos numa feira meio hipponga aqui perto de casa. Naquele dia apenas conversamos trivialidades e trocamos contatos. Já fazia alguns meses que a conversa rendia vagarosamente e flertes muito discretos de ambas as partes haviam sido trocados.

Naquela noite ele foi direto e categórico:

- Que faz acordada?

- Insônia de novo...

- Quer passar a madrugada acordada comigo?

- Quer ir no café 24h que tem aqui perto?

- Pensei em você vir aqui em casa ou eu ir para sua.

Naquele momento eu ri por achar aquela ideia totalmente descabida, mas ele foi me convencendo aos poucos, o que foi razoavelmente fácil, considerando minha excitação.

- Manda a localização.

- Vem logo! Estou na frente de casa te esperando.

- Em caso de dúvidas, serei a de vestido vermelho, cara de travesseiro e totalmente sem graça.

- Palhaça!

Cheguei e entre na casa dele. Sentamos no sofá e começamos a trocar uns beijos. Nossas bocas e línguas se tocavam lentamente, mas com intensidade. Suas mãos percorriam meu corpo, livrando-me do meu vestido aos poucos.

Ele apertava e abocanhava meus seios e foi chupando-os como quem está se deliciando. A essa altura eu gemia baixinho enquanto mordiscava sua orelha e passava a mão sobre seu pau.

Sentei-me em seu colo de frente para ele e sua língua percorria por minha boca, pescoço e seios, enquanto suas mãos desbravavam minhas coxas e apertavam minha bunda sob o vestido. Tomada pelo tesão, eu gemia em seu ouvido e esfregava minha buceta na sua pica dura.

Fomos para o quarto a nos despimos aos poucos. A cada peça de roupa arremessada ao longe, mãos e boca se apropriavam daquele trecho de pele. Quando estava apenas de calcinha, ele a puxou de lado e começou a dedilhar minha buceta. Vi em sua expressão a surpresa por me sentir tão molhada. Logo estávamos masturbando um ao outro e logo após o meu gozo, eu cai de boca no pau dele.

Me senti realizada quando o vi se contorcer de tanto prazer ao sentir meu boquete. Passava a língua nele todo, deixando-o todo molhado, descia até os ovos e voltava já engolindo tudo.

Ele se levantou e me puxou para beira da cama. Com minhas pernas em seu peitoral, senti sua pica entrando devagar. Ele metia devagar, contemplando a forma que me contorcia e meu jeito de o olhar enquanto mordia a boca.

Querendo me enlouquecer ainda mais, ficou batendo a pica no meu grelo, me fazendo ter espasmos e quando viu que eu era só tesão, passou a me comer com força. Gozei gemendo alto, sentido minhas pernas trêmulas e, ainda assim, me pus de quatro pra ele. Agora seu pau roçava a entrada do meu cuzinho, que cedeu pra ele aos poucos. As estocadas começaram leves e profundas, foram ganhando ritmo acelerado e mais força a medida que ia rebolando pra ele. Senti seu gozo preencher meu buraquinho e me joguei na cama, sendo seguida por ele.

Ficamos deitados conversando e trocando carícias, e logo nossos corpos pediam mais. Me ajoelhei entre suas pernas e voltei a chupa-lo, sentindo seu pau crescer na minha boca. Quem lê meus contos sabe que abocanhar uma pica é algo que me enlouquece e só paro quando me puxam ou sinto um leite quente na minha boca.

Nesse momento fui tomada pela primeira opção. Ele me queria por cima e assim me teve. Sentei naquele pau com tudo e fui rebolando cada vez mais, arqueando meu corpo para trás, cravando minhas unhas em suas coxas e gemendo loucamente. Meu gozo veio seguido do dele e desfaleci sobre seu peito.

Depois de mais um tempinho de carícias safadas, passamos a masturbar um ao outro, até sermos tomados pelo prazer, ele gozando em minha boca e ele lambendo seus dedos lambuzados pelo meu mel.

Agora sim o sono veio, e assim que postar esse conto vou dormir profundamente!

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
05/05/2018 09:41:35
Delicia de conto... Essa sim eh a melhor forma de curar a insônia!
05/05/2018 09:08:29
Delicia!