Casa dos Contos Eróticos

A DELICIOSA “BAITA “ DE PAPAI

Meu nome é Rubens e como todos já sabem, tenho vários tios, que não são apenas meus tios, mas homens maravilhosos, que além de muito amigos e companheiros, são meus amantes fixos e muito machos quando estamos na cama.

Mas o macho mais safado, desbocado e resolvido na cama e que mais me mais satisfaz meu cuzão peludo e meu cacete é o Sr. Rodolfo. Meu querido, delicioso, peludo e taludo paizão. E o relato a seguir é sobre nossa primeira trepada.

Mas antes, descreverei em detalhes Sr. Rodolfo>

Com 46 anos, meu paizão além de continuar em plena forma física, ser lindo, totalmente másculo, ainda é um verdadeiro touro bravo na cama.

Sr. Rodolfo mede 1, 82 cm, tem 93 kilos, ao invés de barriga, o tesudo possui um legítimo tanquinho, repartido em gomos bem firmes ( é viciado em exercícios físicos), é bem claro, tem coxas muito grossas, duras e peludas como o resto de seu corpo, mãos e pés enormes e extremamente bem cuidados. Tem cabelos, barba e bigodes curtos e acastanhados, uma bunda redondinha e muito firme e para minha sorte, uma ferramenta que devido ao tamanho, peso e grossura, passou a ser chamada por mim de “BAITA”.

Tudo aconteceu, no dia que tirei minha carteira de motorista.

Como maioria dos motoristas de primeira viagem, eu só desejava tirar o carro da garagem, abastecer e comemorar com meus amigos minha nova conquista. Resolvi que atravessaria a cidade de norte a sul ao volante, para estrear minha habilitação com chave de ouro. Esperava também, bem ansioso pela madrugada, pois iria me encontrar com um macho turco de narigão, todo cabeludo, que tinha conhecido a poucos dias, para irmos a um Drive-in, onde planejava sentar e rebolar na tora do macho, até o sol raiar.

Mas para encher o tanque e realizar meus planos precisava de dinheiro, e minha mesada já tinha ido para o saco há dias. Estava mais duro que concreto seco. Como mamãe estava viajando a trabalho, a única chance que teria para encher o tanque do carro, era convencer papai, a abrir a carteira.

Mas sabia que não seria uma missão fácil, pois ele vivia me falando sobre a importância de poupar, para momentos de necessidades e afirmava que de seu bolso não sairia nem um centavo a mais que a gorda mesada que me dava todo dia primeiro. E conhecendo o coroa como conheço, sabia que assim do nada, nem fazer por merecer, nem implorando lhe arrancaria algum. E foi a partir dessa conclusão, que tive a ideia realizar tarefas em casa, que se bem feitas certamente seriam bem remuneradas por ele e me renderiam o suficiente para a tão desejada noite automobilística.

Para minha sorte, além de papai trabalhar muito em casa pela internet, estava na biblioteca, que como o restante da casa possuía as paredes frontais todas em vidro transparente e à prova de balas, que certamente lhe permitiriam assistir meu esforço e empenho na realização de trabalhos tão “necessários”, para a manutenção da casa.

Depois de concluir que vários fatores estavam a meu favor, fui ao meu quarto, tirei minha camisa e minha cueca, vesti apenas uma calça de moleton cinza, calcei meus chinelos e encaminhei-me ao jardim, disposto apegar no batente.

Enquanto caminhava rumo ao meu local de trabalho, senti uma deliciosa sensação de liberdade, de baixo para cima. Sem cueca meu caralho balançava pomposo e fresquinho no ventinho que entrava nas pernas do moletom, que estava fazendo minha jeba gritar de tanto que a marcava.

Pensei até em me trocar, pois o bicho estava muito saliente, ali dentro, mas como só estávamos eu e papai naquela ala da casa ( quando papai, trabalhava em casa, aquela parte da mesma ficava trancada a fim de evitar aborrecimentos desnecessários e fazer render seus afazeres), não dei muita bola para o fato. E ainda bem, que não dei.

Resolvi que primeiro podaria a grama, que nosso jardineiro tinha deixado, mais do que caprichada, dois dias antes, mas isso para mim era só um mero detalhe. O importante era papai me ver trabalhando, mesmo que de mentirinha e fingindo estar concentrado, liguei o cortador, mas nem do lugar saímos. De repente, ouço o grito de papai e vejo-o se aproximando:

_ Rubinho. O que pensa que está fazendo, garoto? Pretende destruir nosso jardim? Desligue esse cortador de grama imediatamente, seu sem juízo!!!

- Desculpe-me paizão. Não fique nervoso, coroa!!! Só quero ajudar!!! Está precisando de algo, coroa?

Naquela hora, naturalmente dei uma coçada na cabeça da minha pistola, uma bela esticada no corpo da danada, uma senhora balançada e depois simplesmente a deixei cair balançando satisfeita, ação que chamou tanto a atenção de papai que na mesma hora, fixou seu olhar no bicho, por um bom tempo, sem desviá-lo nem por um segundo sequer.

Enquanto eu tentava entender o que estava acontecendo ali, na maior cara de pau e a apenas alguns poucos centímetros de distância de meu corpo, o coroa sem fazer nenhuma cerimônia ou tentar disfarçar, começou a dar várias e pequenas patolados em sua rola intercalando os movimentos com leves carinhos em toda extensão de sua “BAITA”, que em agradecimento, crescia a olhos vistos. Ao mesmo tempo em que se bolinava e bem na minha frente, secava o volumoso badalo de meu sino, que teso e agitado já começava a querer encher um cu com leite quente e grosso.

- Papai, se comportava com tanta naturalidade, que acabou me deixando bem sem graça. Sentindo-me estranho e muito constrangido, rapidamente, iniciei um assunto bem fútil e me afastei dali. Em seguida vi papai, dar as costas e voltar para a biblioteca, de onde não parou de me olhar nem por um cacete.

- Acho que estou exagerando e muito ! Papai? Claro que não. Todos os seus amigos afirmam que ele é super safado. Dizem que ele é tão macho alfa, que quando vê um rabo de saia, dependendo de onde está, soca um punhetão em sua rola, fazendo a maior boquinha de chupar buceta!!! Com certeza,

Não era nada do que pensai a pouco. Com certeza, Sr. Rodolfo é hetero, pra mais de metro, seu imbecil. Pensava com meus botões. E parei de dar atenção ao fato, focando em minha próxima tarefa, que era tão “importante” quanto a primeira, mas foi o deu para arranjar:

Passar o rastelo no solo, recolhendo as folhas caídas. Mas existia um probleminha. Cadê as malditas folhas? Apenas umas três ou quatro tinham caído recentemente, pois além de ser verão, secretara do lar de mamãe, tinha feito uma bela limpeza na área a poucas horas atrás.

Mas não estava disposto a desistir de minha noitada, por nada desse mundo. Comecei a medir a distância entre as árvores e a biblioteca e conclui, que nem se papai tivesse visão biônica, conseguiria enxergar a limpeza maravilhosa que nossa querida auxiliar doméstica havia feito no quintal, portanto só precisaria fingir e começar logo minha próxima tarefa. Lavar o carro. Essa sim queria muito realizar, pois queria sair com a máquina de papai, brilhando.

Desse modo, assim que peguei o rastelo, para começar a encenar o papel de catador de folhas secas, papai estava novamente atrás de mim. De talo em riste e me devorando com os olhos, novamente ele me repreendeu:

- Filho !!!Para quê esse rastelo? Não há folhas no chão. Está se sentindo bem Rubinho. Estou te estranhando, rapaz!!! Nunca faz nada em casa e resolveu fazer justamente no dia em que não há o que fazer? O que há por trás dessa animação toda, moleque? Alguma coisa sei que está querendo. Porque não diz logo do que precisa e evita todo esse desgaste para nós dois, Rubens?

Dessa vez, não teve jeito. Com certeza, o coroa estava com as piores intenções possíveis, pra cima de mi. Durante toda a sua fala, ele continuava se patolando e alisando seu caralho, que a esta altura, com certeza estava mais duro que barra de aço.

Mas o que realmente me deixou com água na boca e com o cu piscando sem parar, foi enxergar a cabeça do cacete do Sr. Rodolfo todinha pra fora do cós de sua calça jeans, que de tanto apertar o corpo da “BAITA”, obrigou-a a se esticar, desnudando por completo toda a sua grossa e brilhosa glande, que além de pulsar incansavelmente, agora respirava e babava aliviada, arrepiando meu corpo que com muita fúria e volúpia desejava devorá-la por inteiro.

Em questão de segundos, não só secava a trolha paterna, como sentia minha jeba endurecer, de tal forma, que além de taluda estava completamente dormente de tesão.

Sem cueca, duro e bem na frente de mau pai, minha única saída, foi cruzar meus braços e repousá-los em cima de minha vara, muito volumosa ficou quase toda descoberta, incitando o descarado do meu pai a se mover pra frente e pra trás, pra direita e pra esquerda, procurando o melhor ângulo para cultuar mina rola, que em breve iria precisar se alimentar. Precisava me virar e conseguir o cu de papai, para matar a fome do bicho sem demora.

Mas além de meu pulsante desejo, no rabo de meu pai, precisava ainda resolver a parte financeira, pois bolso vazio + falta de dinheiro = passar a noite vendo TV. Nem pensar, pra hoje esta opção está fora de cogitação, mas como consegu... Humm... Isso mesmo... Que excelente ideia .... Eu pensava com meus botões. Se funcionar, o resultado será mais que satisfatório. Se eu conseguir me conter e fizer tudo direitinho, papai me dar uma boa grana e de troco vai me implorar para ser fodido por mim. Preciso começar a agir imediatamente.

Pai ? Papai? Não está muito encalorado, dentro dessas roupas grossas? E esse sol escaldante, coroa? Não sente vontade de ficar assim, como estou? Todo fresquinho e muito confortável? Gostaria de lhe fazer uma gostosa proposta. Sinto falta de ficar em sua companhia, apenas jogando conversa fora, como antes. Lembra-se, tiozão? Será que de tão maduro ficou podre e careta?

E sem nem piscar os olhos, que continuavam filmando minha rola sem parar e após mais uma bela patolada em seu pulsante caralho, ele me respondeu:

- É mesmo, Rubinho. Há tempos não ficamos sem fazer nada juntos, filho. Também sinto muita falta de sua agradável companhia. No que está pensando? Fale rapaz.

E sem tirar olhos de meu corpo, papai se aproximou de mim e resolveu ouvir minha resposta, enquanto me abraçava, o que na realidade era mais um sarro, que qualquer outra coisa. E aproveitando-se da situação, o safado começou a me esfregar sua tora grossa bem lentamente, me matando de tesão. Mas para o sucesso de meu plano, delicadamente e sem grosserias, afastei-me dele e respondi:

- O que acha de entrar, tirar sua roupa e me ajudar a lavar o carro? Pretendo estrear minha carteira hoje e pretendo deixa-lo brilhando, enquanto nos molhamos e damos boas gargalhadas. E então, coroa? Aceita ser meu auxiliar na lavagem do carro?

- Com o maior prazer, filhão. Só vou desligar o PC e me trocar. Mas preciso lhe alertar sobre um pequeno....., digo ENORME detalhe. Como você, também descerei apenas de moleton e sem cueca. E como estamos nos propondo a ficarmos mais próximos, contarei-lhe um segredo, que não pode deixar sua mãe saber que lhe contei. Promete segredo, filho?

- Claro papai !!! Fale ai. Que segredo é esse, coroa?

Estou sem sexo a meses, Rubens. Sua mãe está se tratando, de uns problemas de saúde femininos, que tiraram sua libido por completo. O resultado disso, é que ando até subindo arranha-céus de tanto tesão. Punhetas? Bato muitas, pra quebra o galho, mas não fico completamente saciado e como sou fiel está sendo um período dificílimo para nós dois.

_ Poxa vida, Paizão!!! Quando crescer quero ser igual ao senhor?

- E pretende crescer em qual direção. Pude observá-lo muito bem hoje e constatei que nesse belo corpo, tudo se desenvolveu muito bem, aposto que deve ter partes escondidas aí, que até superam as expectativas, de quem as vê. Estou errado filho? Além de lindo, você se transformou num belo espécime de macho e deve aproveitar muito bem seus 22 anos. Acredite, Rubens, depois dos 30 a vida passa voando.

- Obrigado pelos conselhos e elogios, mas o que gostaria de me dizer, paizão? Se não nos apressarmos, não aproveitaremos quase nada da tarde.

_ só lhe contei sobre o problema de sua mãe, para pedir-lhe paciência comigo, pois como estou na seca a meses, não consigo controlar meu pênis de jeito nenhum. O danado só fica duro, e como quero ficar exatamente como você, preciso avisar-lhe que provavelmente, ficarei taludo o tempo todo. Sozinho e sem putaria, não consigo fazê-lo amolecer de maneira nenhuma. Bom!!! Agora que já me abri contigo vou me trocar rapidão e te encontro na garagem. Certo filho?

- Certíssimo Sr. Rodolfo !!! Agora voa, canoa!!!! E não demore, ok?

Meu pai estava com tanto tesão e com tanta vontade de trepar comigo, que quando estava quase entrando, ainda se virou e sem fazer cerimônias, me fez uma indecente proposta, que preferi responder lá na garagem, durante a lavagem do carro.

- Depois que terminarmos com o carro, vamos tomar um banho de mangueira juntos e peladões filhão? Quero me divertir muito com você hoje, Rubinho.

_ Vá trocar de roupa coroa. Quando voltar, conversaremos sobre isso e sobre tudo que quiser. Que coisa, seu molengote!!!

Sem perder nem mais um segundo, corri pra garagem tirei minha roupa e entrei embaixo de um forte jato de água fria, do pescoço para baixo, para não molhar meus cabelos afim de sossegar minha pica e meu cu, que precisavam se alimentar em breve, para não murchar e desidratar de tesão em meu coroa, que aparentava estar ainda em plena forma e vigor físico, e antes que eu pudesse me sentar, vejo o tesudo, vindo em minha direção, exatamente como eu estava. Apenas um largo e indecente moletom, cobria as partes de baixo de seu peludíssimo e bem desenhado corpo.

.

- Rubinho!!! Estou chegando rapaz!!! Ligue já, essa mangueira !!! Quero ver se essa água gelada, resolve meu drama!!! Não repare filho, mas hoje é que o bicho tá bravo mesmo, viu filhão!!!

Só quando fiquei bem perto de papai quase nu, é que me dei conta do tamanho do tesão, que estava sentindo por ele e do quando estava me divertindo em sua companhia. E tomado de desejo e deixando a ficha cair, mudei de planos numa tranquilidade assombrosa.

“ Ainda bem que mudei de ideia. Imagina só a merda que estava prestes a fazer. Deixar esse tesudo, caralhudo, exalando testosterona, em casa sozinho batendo punheta, numa oportunidade dessas e atravessar a cidade de carro, coisa que posso fazer em qualquer outro dia. E se brincar ainda convenço papai, a me levar no mesmo drive-in que iria levar o macho peludo e faço com ele o mesmo que faria com meu convidado.

Graças a Deus, criei juízo e fiz a opção correta. Vou dar e comer papai, a noite inteirinha. Ôôôhhh sê vô!!!! O coroa que me aguarde!!! Vou mostrar-lhe como amansar um caralho rebelde, já já. Aliás, pra quê esperar mais? Vou começar a seduzir, o coroa agora mesmo.

Me aproximei do gostoso, que tentava tudo, debaixo da água gelada para ver se seu mastro abaixava, e sem dar-lhe tempo ara pensar, envolvi-o em meus braços, abraçando-lhe do mesmo jeito que ele me abraçou a pouco. Dava-lhe um tímido sarro, esfregando meu cacete no dele discretamente e depois de alguns segundos, comecei a subir e descer minhas mãos em suas costas que arrepiadas, não só faziam-no gemer de satisfação, como despertavam nele o desejo de retribuir minhas carícias.

Mas infelizmente, ainda precisei esperar mais um pouco e dar o primeiro passo para nossa putaria, pois por mais que o coroa me quisesse, não conseguia tomar a iniciativa.

- No auge de nosso tesão, acariciando-o e sendo por ele acariciado, olhando fundo em seus olhos e com meus lábios a poucos centímetros dos dele, assim que fechei os olhos, louco para experimentar seu gosto, disfarçando ele escorregou afastando de mim e muito sem graça começou a conversar sobre a lavagem do carro.

Mesmo decidido a dar-lhe um porquinho mais de tempo, provoquei-o bastante para testá-lo. E conclui que para trepar com o tesudo, com certeza era eu quem teria que dar o primeiro passo. Em compensação, também tive a certeza que segundos depois que iniciasse a putaria, ele não só se entregaria por inteiro, como seria difícil, convence- lo a fazer um intervalo, entre nossas trepadas.

Com a mesma cara de pau, que a pouco, estampava a cara do coroa, provoquei-o:

- Sei lá, paizão!!! As vezes acho que custo a compreender os fatos e as pessoas. Podia jurar, que o senhor esta a procura de uma companhia de confiança, pronta para ajudar-lhe a dar uma aliviada nesse toco grosso, que não desce nem por reza brava. Tá vendo, como me confundo, coroa, não foi nada disso que sugeriu, não é mesmo!!! Acho melhor procurar ajuda médica !!! Quem sabe tenho problemas cognitivos e preciso ser medicado, para compreender melhor as coisas.

- Encurralei o safado!!! Concordar que tenho problemas psiquiátricos, ele não concordaria, Mentir ele não podia. Estava doidinho para ouvir sua resposta e me dei muito mal;

O espertalhão, não me respondeu nada. Correu para o banheiro, dizendo estar com a bexiga lotada e retornou, falando de um assunto completamente diferente do nosso.

E escorregando daqui e dali, papai consegui escapar de mim mais de 50 minutos. Só não entendi, porque aquela mudança. Há pouco, lá no Jardim, se eu deixasse seria até estuprado por ele. Porque agora com tudo a seu favor, ele se retraiu todo?

- Pai? Vire-se e olhe bem no fundo dos meus olhos. Porque está fugindo dessa maneira, da solução para seu problema? Porque há pouco tempo lá no jardim me desejava sem nenhum escrúpulo e agora me evita covardemente? Porque fez essa bela sacanagem comigo? Provocou-me até acender a chama de meu desejo e agora quer vê-la apagada?

Lhe causo nojo? Não sente atração por mim? Me acha tão horrendo assim? Não o perdoarei nunca mais, pelo que sofrimento que está me causando? E se quer saber de uma coisa. Não precisa responder nada.

É claro que tudo aquilo foi por mim planejado depois de muito estudar seu comportamento. E acertei em cheio. Sabia que se fizesse o coroa se sentisse culpado, reagiria sem pestanejar, pois se não o fizesse, ao invés de um, teria dois problemas, para perturbá-lo dia após dia.

Dessa forma, fazendo todo o drama relatado, e fazendo a maior cara de sofrimento que consegui, fui me aproximando do macho bem devagarzinho e assim que senti que a única coisa que me separava dele, eram alguns parcos centímetros, abracei-o decidido a beijá-lo em seguida, o que não me foi possível, pois antes de terminar de envolvê-lo seu corpo fechando meu abraço, fui surpreendido por sua carnuda e saborosa boca que antecipando-se a minha, não só inundava minha goela de cuspe paterno, como lambia todo meu rosto, lambuzando-o e babando-o até que aquele líquido viscoso, começasse a escorrer e a pingar por todo meu tórax. Encerrando sua jornada alojado nos lisos fartos e negros pelos de meu peito.

- Hummm !!!! Obrigado Rubinho!!! Se não tivesse me sensibilizado tanto, talvez, não estivéssemos, vivendo nada disso. Não sei do que se trata, nem como e nem onde meu problema surgiu, mas diante de qualquer possibilidade de fazer sexo com qualquer pessoa pela primeira vez, fico completamente travado e petrificado. Nem por um cacete, consigo reagir. Se o/a parceiro/a não tomar frente, voltamos os dois pra casa na maior secura e frustração.

Para dar-lhe uma melhor ideia do problema, mais uma vez usarei sua mãe. Mas antes. Pode me dar mais um beijo de língua, bem babado, filho? Não vejo a hora fazer troca contigo, filhão!!! Esse seu cacete, deve ser gostoso deeemmmaaaaiiisss, Rubinho!! Não consigo nem explicar o tamanho de minha fome nesse seu buraco peludo e nessa sua rola retilínea.

Mas para encerrar e começar nossa “meterola”.vou apenas concluir o exemplo que estava lhe dando. Tudo nem papai !!! mas me deixa pelo menos dar uma apertada nesse tronco de jacarandá, que além de não descer, também não para de pulsar nervoso.

Sua “BAITA” deve estar entupida de porra grossa!!! Vou me fartar em sua fonte, paizão !!!! E sem miséria, viu??? Quero tomar banho em sua gosma leitosa e encher todos os orifícios de meu corpo com ela, meu machão tesudo!!! Me aguarde !!!!

Imediatamente, papai atendeu meu pedido. Enfiou sua mãozona cabeluda, dentro do moletom e libertou sua endurecida jiboia, que antes de ser por mim abocanhada e engolida garganta abaixo, foi também muito alisada, beijada e soprada.

Hummm !! Que delícia, de boquinha, amorzinho!!!! Nossa filhão !!!!

Hummmm !!! Ne deixe apenas concluir meu exemplo Rubinho !!! Iscchhhh !!

Estou lhe ouvindo paizão!!! Pode terminar de falar, a única diferença é que agora vou te ouvir e te mamar ao mesmo tempo !!! HHUMMMM !!!! Que delícia o cheiro de macho que exala dessa tora, macho !!! PORRRA PAPAI !!!!! Isso é testosterona purinha, purinha !!! Tem certeza que mesmo, produzindo esse feromônio característicos de HETEROS DO SACO ROXO, deseja me dar seu cu?

Se essa não for sua praia, não force sua natureza apenas para me agradar pai, pois como agora sou o proprietário dessa ferramentona, cu e que não me fará falta. HUMMMM !!! Que jeba masculina da porra é essa, Meu Deus do Céu!!!! A safada não só empesteia o ar com cheiro de macho alfa, como está cuspindo deliciosos e minúsculos cubinhos de gala dura, que sem ter pra onde ir, empedrou-se toda dentro de seu canal espermático, papai machão!!! Que coisa mais exótica, chupar bala de porra !!!! BOOOMMM DEEEMAAAAIIIISS DAA COOONNNTAAAA PAAAAIZIIINHHHOOOO!!! Mas por favor, termine logo sua fala, já estou querendo tomar no cu, machão !!!!

Ok. Filho. Concluindo....

Como sua mãe resolveu casar virgem, eu nunca tinha comido a bucetinha dela, nem tampouco visto-a nua e se não fosse pela sua perspicácia e iniciativa em nossa lua-de-mel, com certeza teria voltada daquela viagem, com o cabaço intacto, pois assim que me dei conta que estávamos sozinhos num quarto de hotel, todos os músculos de meu corpo se endureceram !!! HUUUUMMM !!! POOOORRRAAAA RAPAZZZZ!! COMO CONSEGUE FAZER ISSO COM A LÍNGUA? Que sensação diferente e gostosa é essa, Rubinho !!! Me mostre como é que faz isso, filhão !!! Tire a rola do pai, da goela só um instantinho, amorzinho!!! IIIIIIiiissooo !! Agora abra essa sua bocona gulosa e repita no meu dedo indicador, os mesmos movimentos que estava fazendo na cabeça da minha “BAITA”, ursinho do pai!!!!

Estique esse dedão gostoso, papai. IIIISSO!!!

Puta merda paizão !!!! Todo no senhor é grande, grosso e cabeludo, assim? POOORRRRAA, COOORROOOAAA !!!! QUE TESÃÃÃOOOO TEEESSUUDDDOO!!

TÚ ÉS MACHO PRA CARALHO, “VÉI”!! Naturalmente, demostra seu masculinidade. Isso é pra lá de gostoso !!! Fiquei muito curioso para foder seu cu !!! Agora quero lhe torar o rabo de qualquer jeito e assistir pela primeira vez, um HETERO ALFA, dando a bunda. Mas agora preste atenção, papai, ursão !!!Além de demonstrar em nesse enorme, peludo e roliço dedo, vou explicar-lhe como fazer e verá que não existe nenhum segredo apenas habilidade:- Veja, atole seu dedo dentro de minha bocona, paizão. Espere só um pouquinho coroa, pois antes de linguá-lo, vou deixa-lo todo babadinho !!!! ESPERE !!!!Me deixe dar uma boa cuspida no primeiro gomo do gorducho. Vamos imaginar que tal gomo é a cabeçorra de sua “BAITA” e dar uma chupadinha nela !!! Desse jeito, paizinho!! Observe !!! Hummmm !!!! Issshhhss !!! Uschsss !!!! Assim que tiver certeza que a rodelona está toda molhadinha, basta apenas segurá-la com uma de sua mãozonas com firmeza e começar a tremer sua linguona o mais rápido que puder. Quanto mais acelerar os movimentos da bicha, mais prazer dará a pessoa que estiver sendo chupada. Entendeu, papai?

- Entendi perfeitamente, professor Rubens !!! E que tal se o mestre, pusesse o cacetão pra fora, me socasse ele na boca e me avaliasse na prática? Aliás !!! Desde a hora em que estávamos no jardim que estou louco pra te ver peladaço, filho! Vamos tirar tudo, assim que terminar meu boquete, vou precisar te foder, Rubinho!!!! Nem pode imaginar a força que estou fazendo , guardando minha porra par inundar seu reto barbudo, macho!!! PUTZ !!! Vamos nos concentrar no boquete, senão já, já o quarto é que ficara inundado.

_ Enfie essa tora todinha dentro da minha boca, filhão, tesudo !!!! Enfie!!! Hummm !!!! Iscccchss !!! Rubens!!! Meu rapaz !!!! Exagerou e muito ao analisar meus cheiros e gostos pois além de me sufocar com o maior e mais delicioso odor de machão taludo, ainda está me alimentando com um cuspe que tem um sabor amadeirado, que acredito que só os legítimos machos alfa é que produzem. O gosto de sua baba me viciou, em segundos, garanhão do pai !!!! PUUUUUUUUUUUUTAAAAAAAAAAAA QUEEEEEEEEEE O PARIUUUUUUUUUUUU, RUBINHO. Só de pensar no leite sabor do leite que vou MAMAR, preciso apertar minha “BAITONA” e desviar meu pensamento, porque se pensar por mais dois segundos, na iguaria que me servirá, não só tomaremos um banho de gala, como desperdiçarei as balinhas de porra que adorou, degustar. Meu saco está tão pesado e lotado que com certeza além de leite de touro, lhe servirei uma boa quantidade de coalhada, pois nem punheta bato há muito tempo. Parece até, que adivinhei que ia de dar de mama, moleque, pois o que vai sair de dentro dos meus “ovões”, com certeza passará pelos três estados físicos da matéria. Vai se deliciar, degustando gala líquida, sólida e gasosa. Ôôôôhhh se vai !!!!! Mas voltando a minha aula. Chego a hora da cuspida, Rubinho !!!! Respire fundo e observe o que é na verdade uma bela cusparada, filho !!! Vou buscar a gosma lá no fundão de minha garganta, fazer a mira e cravar um jato farto e certeiro bem no centro da cabeçorra dessa delicia de jeba, rapaz. Veja e aprenda com o papai, filhão!!!

E exatamente como papai planejou, a cabeça de minha tora em questão de centésimos de segundos, além de toda escorregadia, despejava cuspe pra todo lado. E dando sequência a sua aula, era hora de meu progenitor colocar a língua para trabalhar, e segurando com maestria o corpo de minha cacetona, surrou minha glande, muito melhor que eu tinha linguado a dele. Não pude aproveitar, quase nada, pois se aquilo continuasse por mais cinco segundos papai ficaria com a língua tão pesado e lotada de creme de touro, que com certeza seu veloz órgão enguiçaria.

Nervoso e quase esporrando, deitei no chão de ponta cabeça, arreganhei bem o cu, que todo peludo, e despregueado pelos meus tios, exibia para papai, sua frouxidão que tinha a circunferência, mais ou menos do mesmo tamanho da circunferência do fundo de um copo lagoinha.

E com o toba completamente esburacado, intimei papai e implorei por sua “BAITA”, que assim que me foi totalmente introduzida, entrava e saia de meu reto, nervosa e inchada de gala que não tinha mais como manter armazenada. Exatamente na mesmíssima hora em que eu melecava todo meu rosto com meu leite quente, devido a minha posição, comecei a perceber, que uma enchente estava inundando toda a extensão de meu reto, que guloso papava tudo feliz e satisfeito. Estava louco para sair daquela desconfortável posição, mas para não cortar o prazer do coroa, precisar esperar mais um bom tempo, pois sua esporrada além dolorosa, estava saindo às prestações. Quando ele acreditava que não tinha mais nada de leite de macho para sair, e começava a retirar sua “BAITA” de dentro de mim, mais porra começa a jorrar, até que sem mais aguentar ficar naquela posição, abaixei minha bunda com um só golpe, me desengatando da tora paterna, sentei mais rápido que um raio e enfiei a tetona grossa de papai, goela abaixo sem desperdiçar uma gota sequer do raro leite produzido pelo meu coroa, que continuava cuspindo leite grosso que sedento e faminto eu mamei até ter a certeza que nem uma gota sairia mais da “BAITA“ paterna.

- Meu paizão também não ficou sem leite de macho. Assim que acabei de me amamentar com a gala cremosa do coroa e retirei a chupetona da boca, papai puxou meu corpo e assim que me viu de pé, começou a beijar minha boca apaixonadamente e a lamber todo o meu rosto, que ainda pingava a porra que meu roliço e gordo caralho havia a pouco cuspido.

E depois de muitos beijos, sugadas e lambidas, atendendo ao pedido de papai me diverti muito tomando banho de mangueira com ele.

Não me lembro, quantas vezes fizemos troca naquele e no dia seguinte. Muito felizes e resolvidos sempre que podemos, nos acabamos em nossas “BAITAS”.

Atualmente, além de conseguir dar conta do apetite sexual de quase todos os meus tio, não deixo papai passar fome de jeito nenhum. Continuo alimentando sua “BAITA” com a mesma gana e volúpia de nossa estreia. E com a mesma intensidade, além de saciar minha gula, em seu profundo e peludo rego, não passo dois dias sem mamar leitinho grosso e quentinho de meu paizão machão.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.