Perdi a aposta, mas ganhei um boquete de consolação

Um conto erótico de Rafarafa
Categoria: Heterossexual
Data: 26/04/2018 09:32:39
Nota 10.00

Era novembro, reta final de campeonato brasileiro e o Atlético mineiro ia enfrentar o Corinthians do Tite, e eu, como atleticano fanático, confiava no meu time. Confiava tanto q, durante uma tarde jogando sinuca com uma amiga Corinthiana, ela quis apostar no resultado do jogo. No começo foi só dinheiro, 20 reais se não me engano (pode não parecer muito, mas pra universitário isso é uma demande almoço). Até aí, blz. Mas no mesmo dia, mais tarde, pelo Facebook, a gente conversou mais um pouco e decidiu assistir o jogo juntos e aumentar a aposta, pra quem perdesse, tinha q chupar o vencedor.

No dia do jogo, busquei ela e fomos pra um bar e restaurante perto dá casa dela. Chegando lá, sentamos pra assistir o jogo é já dei um beijo nela, meio q de surpresa, mas eu realmente tava a fim de fazer isso. O galo perdeu, e eu perdi a aposta pra uma torcedora Corinthianana muito feliz e q adorou ficar jogando isso na minha cara. Ela falou q não ia cobrar a aposta naquele dia, então fomos pra uma praça e ficamos tomando sorvete e conversando. Mas não deu uma hora e ela mudou de ideia. Fomos de carro (o mesmo do conto passado) pra uma rua meio deserta perto dá casa dela, já q não dava pra ir pra casa dela. E lá fui eu fazendo meu ritual: comecei beijando ela, passando pelas orelhas, coisa q ela adorou, desci pro pescoço, levantei a blusa dela e passei prós peitos. Passava a língua ao redor dos bicos, apertava, gentilmente, chupava com vontade, passava a ponta dá língua pelos bicos e ela delirava, quase implorando pra eu descer e fazer isso na buceta dela. Mas mantive a calma e passei pela barriguinha dela antes de puxar o short q ela usava. Ela tinha uma bucetinha pequena, com apenas um pequeno triângulo de pelos. Comecei passando a língua nela toda, devagar, e passei a massagear ela com a mão. Ficava nisso, até q eu botei a língua com tudo, tirando um gemido mais alto dela, e continuei metendo a língua o mais fundo q eu consegui. Ela não parava de gemer e eu não parava de chupar. Ela apertava minha cabeça contra ela é eu chupava mais ainda, até q ela gozou na minha boca. A cara de prazer dela era de outro mundo. Eu me distanciei um pouco e beijei ela, pra ela sentir o gosto dá própria buceta. E ela continuava com aquela cara de satisfação extrema.

Como já estava ficando tarde, falei pra gente ir embora e já ia pulando pro banco do motorista, quando ela me puxa de volta e fala “calma q ainda tem mais”. Fiz cara de q não tava entendendo, até q ela me beijou e começou a passar a mão por cima o meu pau, q a essa hora já tava mais q duro. Ela tirou ele dá bermuda e começou uma punheta lenta, ainda me beijando. “Tava louça pra perder a aposta'. Foi só isso que ela falou antes de cair de boca no meu pau e fazer um boquete sensacional. Ela babava no pau todo, engolia até a garganta, chupava a cabeça, fazia tudo q ela queria com ele. Como eu estava há algum tempo sem nem mesmo bater uma, não demorou muito até q eu falasse q ia gozar, e ela nem ligar, continuando com a boca ali, até eu liberar tudo na boca e na garganta dela. Ela engoliu e depois ainda me lascou um beijasso. Tem homem q tem nojo disso, mas nunca liguei pra essas coisas. Saindo dali e eu deixei ela em casa. Nós vimos mais algumas vezes, mas não chegamos a transar, só ficar mesmo.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/08/2018 15:27:11
Gostei bastante do seu conto.
26/04/2018 09:46:26
Excelente conto! O Timao nunca decepciona. Em 2012 fiz um menage com duas santistas nas quartas de final! Nunca vou esquecer...