ODEIO PECAR. MAS ADORO PAGAR PENITÊNCIAS! – 21

No dia seguinte, depois do café, Dr. Joaquim dirigia-se para a casa de Joãozinho, para a tão sofrida e necessária conversa, com pai e filho.

Assim que desceu do carro, dispensou Jardel e marcou hora para apanhá-lo, pois quando menos pessoas estivessem por perto, menos a atenção dos dois teimosos se dispersaria. Ainda no quintal, em frente a porta sala e antes de bater Doutor Joaquim deparou-se com a mãe de Joãozinho, que estava de saída.

- Dotô!!!! Cumê quê é que vai o sinhô? O sinhô tá bão?

- Muito bem Dona Dalva. Obrigado!! Disposta e contente, desse jeito, não preciso nem perguntar. Tenho certeza que está ótima. Onde estão Sr. Neto e Joãozinho? Preciso muito lhes falar.

- Os “minino” tá lá nos fundo, fazeno uma limpezim nos mato. Pedi pro Neto, me fabricá um fugão de lenha novo, que vô fazê uns bolo pra modê, ganha mais uns trocado. O sinhô se achega pra drento e vai entronó, que o sinhô cabá achano os doize, viu, dotô. Se num tivesse tão trazada, coava um café trisquim, frisquim, pro sinhô. Mais cumadê Sebastiana tá, me esperanó pra modê nois passeiá na cidade vizinha O dotô pode fica a vontade. Viu, dotô?

_ Fique tranquila, Dona Dalva Sou de casa, se esqueceu? Boas compras e até mais Dona Dalva.

Depois de despedir-se de Dona Dalva, o patrão do Sr. Neto, entrou, atravessou o quintal e lá nos fundos do terreno, sentados e proseando estavam pai e filho. Interessado, preocupado e sem ser notado, Doutor Joaquim resolveu, aproximar-se em silêncio, esconder-se e ouvir um pedacinho da conversa dos dois, para ver do se tratava. Caso não fosse nada de alarmante, sairia do esconderijo, os cumprimentaria e iniciaria a conversa que o levara até lá.

Dessa forma, Dr. Joaquim, caminhou bem devagarzinho, escondeu-se atrás de uns entulhos que estavam empilhados próximos aos dois e assim que começou a ouvir o teor da conversa, resolveu dar mais um tempo onde estava para ver até onde iriam com o mesmo.

- Séu Quinzim, fêis tudo direitim , né Paizim! Noss Santim picó a mula de vêiz, mess!!!

- De vera, fiôte. Dotô jaquim, é um homê danado de sabido, Joãozim.

- Pagá as penitença do Santim, era muito é bão!!! Né, não Paizim? Iêu dorava pagá meus pecado com o sinhô, paizim. Sô num sei quem é que bai judá nois agora a cuntinuá paganó nos pecado. Nóis tem que encontrá Séu Quinzim , pra sabe se nóis vai podê continuá a pagá as danada com o Santim novo, que num dêmora, pra chegá na cidade, Paizim!!

- Nem fala préu, fiutim. Foi bão dimais, quando ocê infió seu piru, no meu cuzim, Jâozim. Iêu gostei foi munto, fiôte. Será que o jeitinho do novo Santim pagá os pecado, é diferente e nóis vai podé pagá muncado suzim?

Enquanto Dr. Joaquim ouvia a prosa dos dois, percebeu como tinha acertado ao querer lhes falar. Era preciso explicar-lhes como penitências são pagas na verdade, o quanto o padre aproveitou-se deles e retirar o peso que o padre lhes deixou em relação a trepada que deram, pois eles acabaram de relatar, que não só adoraram se foder, como gostariam de repetir a incestuosa foda e que só não o fazem devido aos absurdos enfiados em suas cabeças pelo pérfido sacerdote. Mas antes de sair, de onde estava, resolveu ouvir mais um pouco.

- Noss Sinhorá, Paizim!!! Meu piru tá intê dueno de dureza, sô. Vô hoje lá na casa do Séu Quinzim. Tô cum muntá sardade dele e tamém pra modê vê se ele dexá iêu infiá meu piru no cuzim dele, Paizim!! O rabim do Séu Quinzim é quintim, quintim, sô venô paizim!!!

- Jãozim, será que se ocê pidi prêle, infiá o piru dele no meu cuzim, ele num enfiá não, fiôtim? Acho meu patrãozim bystuzim, por demias. Já bate muncado de bronha pensanó no danadim. Meus pensamento só fica me fazenó pensa que deve cê munto é bão dá o rabim prêle, Jãozim !!! Sô cê pedi cum geitm, quem sabe ele num arresorvé pô iêu no meio docêis. Creditô que se npois num se encostá, num tem probrema de jeito manera, nois dois metê com meu patrãozim, né mesmo fiôte? Nossa Senhor, iêu ia era gosta por dimais, Jãozim. !! Vai pidi prêle, cumê o Paizim, fiotim?

- Craro que vo. Paizim!!! Maginá se vô dexá meu paizim nessa sicura toda, sô!! De jeito manera, que dexo. Vô pedi prêle fazê ess favor, hoje mess, Paizim. Imagina se iêu fico em riba dele e ele em riba do sinhô, Paizim. E trem bão, sô!!!! Ôia qui, como meu piru ficó, só de nóis maginá que tá metenó quêle, paizim !! Só uma oiadinha, num deve de te probrema, não Paizim. Ôia sô um tiquim, pro sinhô enxerga, o jeito do danadim ficá!!! Durim, durim... !!!! Tá fazenó intê gosto vê o bichim, suspindido dess jeito, Paizim!!!!

- Iêu, num vô viservá seu piru, não Jãozim, pru modê num fica cum mais queda nele. E tamém nois indá num sabe sê só oiá taném é pedado, fio. Mais né pru fiutim do Paizim fica moado, não. Viu? O Paizim só tá de precavimento, viu Fiôte. Se foss o piru do Dotô, o paizim ia oiá sem para e lambé tamém. Dispois ia pidi prêle me finca ele no rabim. Tô ficanó é munto desejoso do meu patrãozim, fio!!! E se ele, num quisé sabe deu ? Vô fica é só nas vontade. Mas se meu fiutim, pidi cum jeitinho, quem sabe, num agarante ele pro paizim?

Nesse momento, sem calça e taludaço com a conversa que estava ouvindo, Dr. Joaquim , saiu de trás dos entulhos, segurou sua rola em riste, exibindo-a aos dois e respondeu à neto, que como o filho ficou perplexo e boquiaberto com a surpresa:

_ Não preciso do pedido de Joãozinho, para lhe foder Neto. Não escolho ninguém para meter. Caiu em minha rede é peixe. E te acho um baita dum tubarão, coroa. O que está esperando, homem de Deus? Não está com o cu coçando por minha jeba, seu safado? Vou atolá-la todinha nesse seu cuzão peludo, macho. Vai urrar e rebolar, engatado nela, até seu cu perder a pele que o reveste, tesudo. Vem logo !!! Caia de boca aqui, sacana!!!

Enquanto Sr. Neto se aproximava e agachava para abocanhar a rola do patrão, Joãozinho Faz favor, tranquilo como sempre, tira toda sua roupa, se posiciona atrás dele, ajoelha no chão e antes de começar a linguar seu cu, diz para os dois:

- O homê bão esse seu chefim, né Paizim? Podi pruveitá bastante do piru dele, que sem invocação ele tá gostano é por demais dess sua buquinha, vermeinha, em vortá do piru dele. Né não Séu Quinzim??? Tá gostanô da chupadim, que meu Paizim tá dano no seu piru Séu Quinzim? Fala pro Paizim, prêle tê mais gosto de chupa seu pintão, Séu QuinzimHummm !!!! Seu filho tem toda razão, Neto!!!! Ôôôôhhh boquinha nascida pra fazer boquete essa sua, macho. POOOORRRRAAAAAAAAAA!!!!! Sua chupada está divina, neto. Aora, kambe meus ovos, macho !!! Lambe !!! Issssoooo !!! Safadão !!!!

Mais que belezura, Séu Quinzim!!!! Tava era cum munta precisao dento do peito pra vê o sinhô e tamém pra passa meu piru, no seu butãozim, homê. E tô venô que o danadim tamém tavá. Ôia como ele tá dos piscudo, hoje!!! Noss Deus !!! Tá pidinó línguada, que sô veno, Séu Quinzim. Piscudo e munto fechadinho!!! Ridundim... ridundim!!! Faiz intê dó o esforço que o danadim tá fazenó pra exibi as dobrim dele prêu. Dexa eu vê o gustim, que tá nele, hoje!!! Huuuummmm !!!! Cherosim,... cherosim ... !!! Hummm !!! ischhssshhh!!!!!

Durante minutos Dr. Joaquim fora chupado, lambido, sugado, degustado e babado. No cacete pelo pai e no toba pelo filho e depois de ensopado de saliva resolveu fazer um trenzinho, com os dois. Em pé e com os corpos curvados, enquanto Doutor Joaquim, atolava sua manjuba no cu de Neto, Joãozinho torava-lhe a bunda por trás. Engatado nos dois, Dr. Joaquim se movimentava pra frente e pra trás, movimento que não só lhe permitia carcar em neto como também ser carcado por Joãozinho, que gemia e falava putaria sem parar:

- AAAiii !!!! Uiiii!!! Misericórdia, Séu Quinzim!!! Que anerzim mais dislizento ess seu, homê!!! Intê parece que o sinhô, enfio uns gomo de sabão a mãezim faiz cum as gordura dos porco, que nóis côme, só!!! Tá escurreguento por demais, ess seu reguim, Séu Quizim. Tá é bão dimais, metê meu piru, ness cuzim encumoso!!! Ôôôhhh sê num tá!!!

- Então, come, rapaz!!! Come meu cu, com bastante vontade!!!! Hummm !!!! Ischhhsss!!!!! Nosssaaa !!!! Assimmm !!!! Isssoooooo !!!! Não !!! Põe de novo, rapaz !!! Hummmm !!! Asssimmmm !!!! Agora tira.. !!! Iiisssooooo tiraaaaHummmm. Atola de novo !!!! Hummm !!! Iscchhhh !!! Tirrrraaaaa !!!! Hummmmm !!! Issso !!! Agora, enfi tudo !!! Issso !!!

Rebola neto !!!!! Rebola no meu cacete, coroa !!!! Hummm !!!! Nosssa !!! Como consegue fazer Isso , Neto ? Hummmm !!!! Nossa !!!! Está mastigando minha pica, safado? Hummmmm !!!! Que mastigada, seu cu deu em meu cacete, Macho !!! Huummm !!!!! Delíciaaaaa Machoo !!!!!! Nosssa !! Putz !!!!! A partir de hoje, vamos meter toda semana, combinado, rapazes?

_ Nem carecê fala trá vêis, patrão!!! Ischhhhsss !!!! Hunnnnn !!!! Meu reguim, tá abridim, abridim e sastifeito por dimais, de chorá as mágua ness seu negoção, Dotô!! Humm!!! AAAIIII!! UUUIII !!!! Que gustusura, ess piru, Dotôzim!!!!

= Se prepara, neto, vai beber leite grosso pelo cu, já já!!! Hummm !!!! Dá mais uma masyigadinha nele, macho !!! mastiga !!! Isssooo !!!! Asssimmm !!!! Nosssa!!! Que tesão, da porra, rapazes !!!!

- E ocê Jãozim ??? Tá bão aí tamém fiôte?? O cuzim do dotô tamém tá froxo, fiutim? O butãozim do seu Paizim tá num ardume só, fiô !!! Mas tamém tá matanó diritim a fome de piru, que tava dexano ele nas infermidade brava. Hummmm, Nossa sinhorá, ei tam´me tô pra exprudi. Vai avoa gala pra tudo quê é banda, fiutim !!! Hummmm !!! Ischhhh !!!! Se indá guentá cavucá mais o cuzim do dotô, Jaõzim? Hummm !!!! A porra tá nas purtinha, só esperano a hora de ganha mundo !!! Nosssaaaa !!! Ôôôhhh gustusura, sô !!!!

- Tamém tôme espremenó todim, garrado nos fundo do Séu Quinzim Paizim!!! Se demora muntô, na quentura que nóis tá, Séu Quinzim vai sê enchido é de queijo. Meu leitim tá pronyo faiz muntó tempo, Tô só esperanó pra modê nóis esporra juntim. Nóis trêis duma veizada, só !!! Um... doissss.... e ... Hummmm!!!! TOMMMMAAAAA SÉU QUINZIM !!! Tommma leitim do Jãozim !!!! Ichhhhssshhh !!!!

- AAAIIIIII !!! UUUUIIIIIIIII!!! Chupa Neto !!! Chupa porra com o cu, safado !!!!!! Nosssaaa !!!!! Que cu guloso. Sugou minha porra todinha, sem deixar cair nenhuma gotinha !!!! POOORRRAAAAA !!!!

- Hummmm !!!! Issshhhhhhhh !!!! TÔ GOZZZZZAAAANNNNNNNOOOOO, Fiotim !!!!! Virge santa, Dotô !!!! Cabó com eu nas gostusura ! Ôia o tantão de leitim que saiu dos meus ovo. Tô expressionado, com a grussura do creme que meu piru guspiu, Dotô !!! Tudim pra mode mostra pro sinhô o tanto que achei bão dá o cu pro sinhô !! Gradicido, viu, Dotôzim !!! Um homê tão chei dos dinheiro que nem o sinhô, passando os ferro num pubrim, que nem iêu !!! Gradeço dimais, seus esforço me fudeno, pra modê gradá meu fiutim, viu Dotô !!! Gradicido !!!

- Pare com isso, homem !!! Vamos nos vestir e entrar pois preciso muito lhes falar. E Vou responder o absurdo que acabou de dizer, lá dentro. Entendido Sr. Neto ??? Me aguardem seus desmiolados??? Vou fazê-los entender as coisas, nem que seja a última coisa que farei nessa vida. Os amo e os respeito demais, além de me sentir totalmente responsável por vocês. Quero a vida que tinha antes de Padre Paulo chegar, de volta. Só falta me acertar com vocês, para tranquilo, reavê-la e seguir em frente. Portanto vão me ouvir, até se conscientizarem dos perigos e maldades existentes e depois me obedecerão em todas as minhas orientações. Inclusive em relação ao novo sacerdote, que no mais tardar amanhã a tarde, se apresentará para toda a cidade. Entendido seus... seus .....

CONTINUA ....

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
26/04/2018 14:58:28
MUITO BOM. MAS AINDA GOSTARIA DE VER JOÃO FAZ FAVOR NUMA RELAÇÃO COM O PAI.
26/04/2018 13:17:57
Kkkkkkkk "~dotô, cumê quê vai o sinhô??" A ~viadah ñ se deu. Kkkkkkkk. "Tomá seu quinzim". ~Baby, eu ri mais do q sentisso #dogo_no_rabo. Mas a sra foi <quaaase_original e tem meu nove. Hihiihh