Foda no carro, dentro da universidade, durante o dia

Um conto erótico de Rafarafa
Categoria: Heterossexual
Data: 25/04/2018 16:13:38
Nota 10.00
Assuntos: Oral, Carro, Heterossexual

Olá leitoras e leitores, sou o Rafael e vou contar sobre o dia q eu fiz de tudo com uma garota na universidade onde estudava.

Eu tinha 22 anos na época e de vez em quando eu ia de carro pra faculdade. No meio de outubro, eu tava de papo com uma garota q eu só tinha visto uma vez na vida, quando eu chamei ela pra encontrar comigo na universidade onde estudo. No dia marcado, nos encontramos, conversamos um pouco, eu mostrei a universidade pra ela e rolaram uns beijos. Até aí tudo bem, nada fora do normal, mas foi quando ela perguntou se tinha como a gente ficar no carro q a coisa começou a esquentar.

O carro tava parado num estacionamento de um dos prédios da universidade, e a frente do carro tava virada pra um gramado movimentado, ou seja, só tínhamos os bancos da frente para nós proteger. Entramos no banco de trás e já fomos dando uns amassos mais quentes, e enquanto ela mordiscava minha orelha, ela disse uma frase que eu acho q todo homem gosta de ouvir: “Posso te chupar?” Meu pau quase rasgou a calça! É claro q deixei. Ela foi desabotoando a minha calça e puxando junto com a cueca e, sem cerimônia, já fiz caindo de boca. E q boca era aquela! Ela babava no meu pau, passava a língua desde a cabeça até o saco e voltava. Se fosse um picolé ela não teria chupado com tanta maestria e vontade. Eu segurava ela pelos cabelos e acompanhava os movimentos dela, apertava os peitos dela e ela só me deixava mais doido! E o fato de ser em um local tão público só fazia ficar melhor. Quando ela tirou meu pau dá boca e me pediu pra retribuir o favor, eu nem titumbiei. Beijei a boca dela é fui descendo devagar, beijando as orelhas, pescoço, passando pelos peitos (até me demorando um pouco neles) beijando a barriga dela, devagar, sem pressa nenhuma, até chegar lá em baixo. Tirei a calça dela é a calcinha fio dental juntas e apreciei aquela buceta grande e lisa, completamente depilada. Sempre gostei de dar prazer às mulheres e sempre gostei de chupar elas, principalmente pra ver a cara de prazer q elas fazem. Fui devagar, achei aquele clitóris pequeno e comecei a massagear com a língua. Passei a variar linguadas no clitóris e metidas com a língua, até q ela pediu pra meter dois dedos, eu meti enquanto eu continuava no clitóris dela. Eu via a cara dela de prazer, olhava pro lado e via as pessoas ao fundo, tudo isso só aumentava nosso tesão. Passei a meter dois dedos nela e massagear o clitóris com o polegar enquanto chupava os peitos dela, fazendo-a gemer tão alto q tive medo de alguém lá fora escutar.

“Vamos achar outro lugar é transar?” parecia q ela sempre perguntava a coisa certa. Pulei pro banco do motorista e vagamos por alguns minutos até achar um lugar mais reservado. Quando achamos, debaixo de uma árvore perto de um prédio q quase ninguém conhece ou usa, já voltamos pra banco de trás e nem perdemos tempo. Eu tirei minha calça e ela a dela, ela deitou de costas e eu por cima. Já com os dedos eu sentia q ela era apertadinha, mas com meu pau a sensação foi muuuuito melhor. Tenho um tamanho normal, nada acima dá média, e mesmo assim ela era apertadinha. Ela estava com as pernas levantadas, com os pés no teto, gemendo de tesão enquanto eu metia, ora devagar, ora rápido. Quanto mais rápido eu fazia, mais forte ela me agarrava e arranhava minhas costas. O tesão entre nós dois estava a mil quando eu eu levantei ela é coloquei-a de quatro. Eu voltei a meter tendo aquela visão do cusinho dela. Minha vontade era meter o dedo nele, e depois meu pau, mas não estava triste por ficar só com a buceta dela, muito pelo contrário. Eu metia cada vez mais rápido, quando ela avisa q aí gozar, e quase inunda o carro de tanto líquido. Eu ainda não tinha gozado, então ela me pediu pra sentar e voltou a me chupar e bater uma punheta pra mim, mas não demorou pra eu gozar tb, na boquinha dela, e ela engolir. Tudo. Nem uma gota fugiu. Depois ainda ficamos mais uns minutos, curtindo aquela vibe pós sexo antes de nós despedirmos. Ainda repetimos a dose mais uma vez na semana seguinte.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
25/04/2018 16:38:06
Porra parça, gostoso pra porra, pivete. Já trepei dentro do carro também e na universidade, porém campus onde estudo tem um matagal do outro lado onde a putaria rola solta. Eh foda, tesão da caralho.