Perdendo a virgindade com outro

Olá, meu nome é Giuliani e essa história aconteceu quando eu tinha 15 anos e ainda morava em Cabo Frio-RJ.

Eu sempre fui uma menina muito doce e meiga do tipo princesinha, todo mundo se encantava com a minha beleza, tenho os cabelos escuros a pele branquinha, olhos castanhos, peitos médios mas bem desenhado, com os mamilos rosinha da cor dos meus lábios que nem precisavam de batom para ficar bonitos pois eram carnudos e rosinha, tenho as coxas grossas e uma bunda de bem grande e durinha, aparento realmente ter 15 anos pois sou baixinha 1,64 metros e como meu rosto é de novinha todos falam que pareço uma princesinha, mas minha bunda é a paixão de todos. Todos os meninos com quem já fiquei deram um jeito de tirar uma lasquinha da minha bunda e eu sempre deixei porque não havia nada de mais em pegar na bunda.

Eu comecei a namorar com um cara muito bonito, era musculoso, moreno e tinha uma boca muito gostosa e ele era bem mais velho que eu, ele tinha 24 anos e era muito tarado o problema é q eu ainda era virgem e nunca tinha feito nada além de beijar na boca, mas como já tínhamos 4 meses de namoro eu deixava ele pegar na minha bucetinha e as vezes até chupar ela, ele me ensinou a como chupar um pinto e acabei que aprendi muito bem porque ele gozou varias vezes na minha boquinha, eu ficava feliz pois sentia muita confiança no meu lado sexual quando fazia ele chegar ao orgasmo.

Certo dia eu decidi que estava pronta para perder minha virgindade com o Marcos, me produzi toda, me depilei e usei uma lingerie de renda que havia ganhado de presente de uma amiga, ele veio me buscar em casa sem saber da surpresa que eu tinha preparado para ele.

Chegando na casa dele nos beijamos muito, havia muita paixão em nossos beijos e as coisas pegavam fogo então eu falei para ele que queria muito transar com ele e que tinha preparado tudo para em fim perder minha virgindade com ele. Foi quando ele me disse que me amava pela primeira vez, e disse que não poderia fazer isso pois me achava pura de mais, quase um anjo, e ele era muito safado e tinha um gosto diferente, e que queria transar comigo mas queria primeiro que eu transasse com outro cara, ele queria ser chifrado e ter a namorada perdendo a virgindade com outro homem seria o chifre dos sonhos pra ele. Aquilo me chocou de uma maneira que não consegui me conter, eu cai aos prantos pois eu tinha evitado transar com qualquer cara por aí para me guardar a alguém que eu gostasse de verdade, e quando encontro ele me trata assim, me senti um lixo, que não seria suficiente para ele. Brigamos e fui embora sozinha a noite, morrendo de medo, mas não poderia ficar mais nenhum minuto com ele.

Fiquei uma semana sem atender as ligações dele fiquei pensando muito em tudo que ele me falou até que resolvi voltar a falar com ele, ele chorou e me disse que era uma fantasia e que se isso fosse acabar com o nosso namoro ele abriria mão desse desejo pra poder ficar comigo, eu falei que aquilo me machucou muito na hora mas que agora já estava acostumada com a ideia e que não saberia como fazer aquilo e que ele teria que me ajudar nisso.

Passado dois meses depois eu já estava conversando com um menino da minha escola e nós havíamos ficado algumas vezes tanto que até deixei ele pegar na minha bucetinha e me masturbar atrás da escola, a ultima vez que ficamos eu chupei o pau dele e era um pau enorme, bem que sempre me falaram que os negros eram bem dotados, mas chupei bem rápido, coisa de cinco minutos ou menos e ele me chamou para matar aula e ir na casa dele na sexta eu aceitei e falei para o meu namorado tudo havia feito com esse menino e ele nem acreditou pois ele nem sabia de nada, fiz tudo escondido e só resolvi contar agora porque de fato eu iria perder a minha virgindade com ele.

Na sexta nos encontramos próximo a escola e fomos a casa dele, fiquei tremendo de medo pois eu realmente iria fazer isso, iria transar pela primeira vez e ainda por cima com outra pessoa que não era o meu namorado.

Chegando na casa dele ele me levou direto para o quarto dele, e começamos a nos beijar em pé mesmo, ele beijava tão gostoso que acabei perdendo um pouco do medo e relaxando, ele me apartava contra o corpo dele com força e fui sentindo o pau dele ficar duro e continuamos nos beijamos por muito tempo até que ele enfiou a mão dentro da minha calça por dentro da calcinha e começou a dedilhar o meu clitóris, eu disse pra ele não enfiar nenhum dedo porque ainda era virgem, então ele tirou minha blusa e chupou os meus peitos enquanto me dedilhava e apertava a minha bunda eu estava bem molhada já e pedi pra ele chupar a minha buceta pois queria saber se ele chupava melhor que o Marcos. Tirei minha calça junto com minha calcinha e deitei na cama, vi que ele abriu bem as minhas pernas para ter certeza se eu era virgem mesmo e percebi ele sorrindo depois, deve ter confirmado as suas dúvidas, iria tirar a virgindade da menina mais gostosa da escola, então ele caiu de boca na minha bucetinha rosada e lisinha, e como chupava bem, sabia exatamente o que estava fazendo, não tive certeza na hora mas acho que tive um orgasmo pois não tinha sentido nada igual antes e como era nova nisso tive minhas dúvidas, mas foi algo extremamente delicioso. Me senti a vontade com ele e pedi para me tratar igual uma putinha, ele ordenou que eu ficasse de joelho porque eu iria mamar aquela piroca negra, e obedeci sem hesitar, chupei igual o Marcos me ensinou, olhava fundo nos olhos dele enquanto abocanhava aquela rola enorme que me fazia engasgar e babar toda, ele segurou meu rosto e fodeu a minha boca, eu quase vomitei, saia lagrimas dos meus olhos, mas chupei até ele arregrar dizendo que gozaria se eu continuasse, na hora eu não pensei mas deveria ter feito ele gozar na minha boca.

Meu telefone tocou e eu me assustei pensando que poderia ser minha mãe e ter descoberto que matei aula, mas era o Marcos, dizendo que faltou ao serviço porque queria me ver depois que eu terminasse, e disse para eu fingir que desliguei o telefone porque ele queria ouvir tudo. Fiz o que ele pediu e deixei o telefone ligado para ele ouvir.

Quando fingir ter desligado o menino perguntou quem era, e eu inventei ser uma amiga perguntando porque eu faltei, então ele me chamou de puta e me mandou deitar na cama porque agora era a hora de eu perder o cabaço, obedeci toda submissa e deitei e abri as pernas, ele veio em cima de mim me beijando e pincelando o pinto dele na minha bucetinha até eu revirar os olhos, ele percebeu e foi enfiando de vagar e com muita dificuldade, na hora eu queria parar porque estava doendo muito e pedi pra ele ir devagar pois doía muito, ele não deu bola e me prendeu no corpo dele e foi enfiando de uma vez, aquilo doeu na alma, senti aquilo se romper e foi uma dor aguda até começar arder, pedir pra ele sair de cima porque não aguentava mais, ele não obedecia e continua a meter forte em mim e muito rápido, usava muita força eu sentia aquele pau atingir o limite e sair, era uma coisa que parecia gostosa mas acabou se tornando uma dor terrível.

Ele me chamava de puta e dizia que eu estava recebendo o tratamento de uma puta, ele me fodia com muita velocidade até que chegou um ponto onde eu parei de sentir a dor, minha buceta tinha se acostumado com aquele pinto enorme até que ele deu um tapa na minha cara e me xingou, aquilo me deu um baita tesão que na hora eu esqueci que ele não sabia que eu namorava e pedi pra ele foder com força e fazer o meu namorado de corno, ele disse q eu era muito vagabunda pois namorava e perdi o cabaço com outro. Subi em cima dele e cavalguei, sempre gritando que meu namorado era um chifrudo pois sabia que ele estava ouvindo. Fiquei de quatro, já não aguentava mais, mas ele insistiu e foi aí que a dor voltou, ele me arrombou de verdade dessa vez, me prendeu com força e estocava tão fundo que começou a sangrar de novo e parecia que ele se excitava em me ver sofrer tanto que continuou mais rápido até gozar dentro de mim. Foi quando senti o alivio, pois era uma mistura gigante de dor com apenas alguns minutos de prazer, mas havia sido bom para uma primeira vez.

Meu celular começou a tocar e vi que era uma mensagem de texto, o Marcos disse que havia escutado tudo e pediu para que eu não tomasse banho e fosse encontrar com ele na esquina de casa.

O menino tomou banho enquanto eu me arrumava e pediu pra eu chupar ele antes de ir embora, obedeci, pois, ainda era sua putinha, fiquei de joelhos e chupei até ele jorrar muita porra em minha boca, foi muito e parecia que nunca acabava, engoli tudo e adorei aquilo, parecia que eu tinha descobrindo a minha tara, engolir porra.

Avisei a ele que tinha que ir e fui encontrar o meu corninho.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
02/05/2018 09:06:13
Hmmmm!!! Muito bom
26/04/2018 01:04:50
Excelente conto continue
25/04/2018 11:27:55
Que delícia de conto em, meus parabéns RS Se continua morando em Cabo frio? Sempre vou pra aí se ele quiser se corno de novo vai ser um prazer RS Meu e-mail lucasmuitoshow93@gmail.com
25/04/2018 09:26:16
Uma tara estranha do seu namorado, mas que vc soube aproveitar muito bem. A narrativa foi dez e a trepada com o cara foi excitante. Parabéns
25/04/2018 08:46:24
Delicia
25/04/2018 07:10:11
excelente conto ...quero conversar com comprometidas namorando, noivas ou casadas.......whatsapp .... vintetreze...treze... Treze....treze..
25/04/2018 02:06:02
Sim, ótimo. Queria que meu início tivesse sido assim também.
25/04/2018 01:03:15
Que delícia de conto. Continue..