UMA FODA REJUVENESCEDORA

Um conto erótico de Ehros Tomasini
Categoria: Heterossexual
Data: 23/04/2018 00:14:33
Nota -
Assuntos: Oral, Anal, Heterossexual

O HOMEM QUE MATOU MONA – IV

Quando a jornalista acordou, o negrão já não estava lá. Ainda sentia as pregas ardendo, depois da trepada com ele. Mas tinha sido bom. Iria querer outra. Aproveitaria bem enquanto ainda estava entrevistando o cara, antes de voltar para o Recife. Olhou para o relógio. Tinha dormido o bastante e estava com fome. Dessa vez, iria procurar um restaurante para fazer uma refeição mais adequada. Nada de sanduíches. Desceu à recepção e perguntou onde podia encontrar um lugar para comer. Indicaram um bar de pescadores, mais na frente. Era o mesmo onde ela tinha estado à procura do negrão, no dia que chegara a vila de pescadores. Foi para lá. Quando a coroa, dona do bar, veio atendê-la, ela olhava curiosa para o aquário encima da mesa. Perguntou:

– Que bicho estranho é esse?

- Ninguém sabe. Foi capturado no mar por Vadinho, logo que chegou aqui. Ignoramos de que se alimenta. Já botamos de tudo e ele não comeu. Mas parece não precisar comer, pois continua vivo e esbanjando saúde...

– Já eu, estou morta de fome. O que tem para comer?

– Carne ou peixe?

– Prefiro peixe.

– Temos saramonete, albacora, anchova, tainha...

– Não entendo nada de peixes. Asse-me o mais gostoso.

– Então, trate e asse este aqui. - Ouviram uma voz conhecida.

Era o negrão que se aproximava, vestido com roupas simples de pescador. Trazia um cesto debaixo do braço, cheio de peixes, e um na mão. Parecia uma cavala. Já vira algumas fotografias da espécie.

A dona do bar sorriu. Pegou o peixe e desapareceu por uma das portas. Ele disse à mocinha:

– Deixe-me distribuir essa pescaria e logo voltarei aqui. É o tempo do peixe que dei a Zefinha estar frito.

– Não vai me dar um beijo?

– Achei que não lembrava de que havíamos transado ontem.

- Ontem? Caralho. Dormi esse tempo todinho??? - surpreendeu-se ela.

– É, eu não quis te acordar. Saí hoje no final da manhã, para pescar.

– E conseguiu esses peixes todos em tão pouco tempo?

– Tive sorte.

Cerca de meia hora depois, a coroa do bar apareceu procurando pelo negrão:

– Cadê ele?

– Disse que foi distribuir os peixes. Deve estar já voltando.

– Ouvi você lhe pedir um beijo. Estão juntos?

- Sei lá. Ele é resistente. Mas gostei dele.

– Todos gostam, eu já te disse.

- Até você? Vejo que olha para ele de um jeito muito especial.

- Você notou? - Perguntou ela, encabulada – Mas quem vai querer uma velha como eu, se existe gente da tua idade com quem foder...

– Você é uma coroa bonita. Um pouco maltratada, é verdade. Mas nada que um banho de loja e um bom cabeleireiro não dê jeito.

– Loja? Cabeleireiro? E quem disse que tem dessas coisas aqui? Teria que ir até a cidade, mas sou sozinha e não posso sair daqui. Teria que fechar o bar.

– O negrão não ficaria tomando de conta por um dia? Eu iria contigo para o Recife. Se você tiver dinheiro, compraríamos algumas coisas lá...

– Bem pensado. Vou falar com ele. Está vindo para cá.

Quando o negrão entrou de mãos limpas e roupas trocadas, a senhora o chamou:

– Vadinho, vamos ali. Quero falar contigo.

Pouco depois, o cara voltava de dentro da cozinha. Sentou-se à mesa onde estava a mocinha. Disse:

– Soube que você vai à cidade, com Zefinha. É um enorme favor que está fazendo a ela. A pobre nunca sai daqui. Eu ficarei no bar. Não precisam ter pressa para voltar. Acho que dou conta.

– Não vai ficar com saudades de mim?

– Quando voltar, te respondo.

Ela o beijou carinhosamente nos lábios. A coroa chegou com o peixe assado. Cheirava maravilha.

– Sente-se conosco. E chame quem quiser, também. O peixe é grande e dá para todos.

– Não tenho quem chamar. Conheço todos daqui da ilha, mas parece que ninguém me conhece. Às vezes saio para fazer compras, falo com as pessoas, e até falam comigo, mas parecem que não sabem de onde me conhecem.

– Que coisa. Mas isso acontece. Às vezes, nem percebemos quem está ao nosso lado. - Disse a mocinha.

Aí, o recepcionista jovem, que havia ganho um dinheiro do negrão para se divertir, entrou no bar. Veio direto para a mesa.

– Disseram que haviam te visto vir para cá. Preciso falar contigo.

– Senta aí.

– É particular.

O negrão pediu licença e se levantou. Saíram do bar e estiveram conversando lá fora. Quando ele voltou, disse:

– Vamos comer e depois tenho de sair. Mas voltarei logo, então vocês podem ir para o Recife.

***************

– Onde ela mora?

– Bem ali na frente. Fiquei impressionado, quando vi.

– Eu também, depois que me contou. Ela te pediu ajuda?

– Sim. Não sabe mais o que fazer, coitada.

Chegaram a uma casa pobre, a última de uma rua da vila. Por onde passavam, o povo cumprimentava o negrão. Uma mulher, no entanto, perguntou ao jovem recepcionista:

– Já voltou? Não trabalha hoje, para estar na zona?

– Não é da tua conta, velha fofoqueira. - Respondeu o jovem.

A porta da casa para onde se dirigiam estava escancarada. à porta, tinha uma placa:

COBRO CINQUENTA REAIS PELA FODA, COM DIREITO A TUDO.

Uma jovem linda, mas maltrapilha, com uma criança nos braços, veio atendê-los.

– Oi, Fábio. Conseguiu falar com o médico?

- Não. Mas trouxe quem pode dar uma olhada na tua filha. Ele é estudado, pode te ajudar.

A jovem, de cerca de vinte e cinco anos, colocou a criança de três ou quatro anos nos braços do negrão. A pequena tinha quatro braços, perfeitamente formados. O negrão perguntou:

– Ela já nasceu assim?

- Não, nasceu com uma mãozinha defeituosa. Aí, meses atrás, começou a desenvolver os outros braços. E a mão aleijada se tornou perfeita, como as outras. Mas agora está apática. Parece morrer, minha pequena.

Ele esteve examinando a menininha. Depois, afirmou:

– Eu, infelizmente, não posso fazer nada. Fiz medicina, mas não completei meus estudos. Tive que largar o curso no começo, por falta de grana. Mas conheço uma pessoa que pode te ajudar: minha professora de medicina, que vive reclusa nesta ilha.

– Quem é ela? - Perguntou o rapaz.

– A médica Maria Bauer. Dia desses, entreguei-lhe uns peixes. Está velhinha, mas ainda lúcida. Vamos até ela.

A médica Maria Bauer atendeu os três cismada. Antes de fechar a porta da casa de praia luxuosa onde morava, olhou para todos os lados. Só então, percebeu a criança nos braços da mulher. Ela estava enrolada numa manta de croché, por isso não mostrava sua deformidade. A garota retirou o tecido, mostrando a menina. A médica sorriu maravilhada. Mas disse:

– Ela está morrendo. Preciso socorrê-la depressa. Mas só quero o negrão aqui, comigo. O resto, suma da minha frente.

Tomasini olhou para o casal e fez um sinal. A prostituta e o atendente do hotel foram embora, dizendo que voltariam no outro dia.

– Diga a dona do bar que também só volto lá amanhã. Não posso mais ir hoje. - Disse o escritor.

Assim que os dois saíram, a médica disse para o negrão:

– Você sabe do que preciso. Dê-me depressa, antes que eu perca a criança.

O negrão tirou a calça. Ela nem o deixou se despir totalmente, aplicou-lhe um líquido verde na coxa. Ele deu um grito arrastado, mas não desmoronou. Num instante, seu cacete estava duríssimo. Ela o sentou com urgência numa poltrona e se agachou com dificuldade entre as pernas dele. Mamou-lhe o cacete com gula. Ele disse:

– Nunca mais havia precisado de mim. O que houve?

– Eu tinha um homem. Mas ele me deixou.

- Por que não me chamou? Sabe que eu te ajudaria...

– Eu não queria ajuda. Queria morrer. Mas não tive coragem de tirar minha própria vida.

– Ama-o tanto assim?

- Não. Não é isso. É que estou cansada de usar os outros em prol de mim mesma. E não tenho mais dinheiro para prosseguir com as minhas pesquisas. O padre Lázaro também não. E sua esposa ainda está convalescente, não pode nem andar. Isso, sem falar que ainda estamos sendo perseguidos pela Polícia Federal.

– Entendo...

O negrão gozou na boca da velha senhora uma vez. Em seguida, gozou outras vezes, e ela não desperdiçava nem uma gota do seu esperma. Então, demonstrando uma agilidade incrível para a sua idade, levantou-se rápido e sentou-se no colo dele. Apontou seu enorme caralho para a racha enrugada e pediu:

– Agora, foda-me. Foda-me como nunca me fodeu antes. Estou muito carente de rola, desde que perdi meu homem.

Ele levantou-se do sofá e a pôs ajoelhada sobre o móvel. Ela apoiou-se no encosto e empinou a bunda enrugada para ele. Ele teve que lhe abrir as nádegas, para avistar o cuzinho dela. Apontou seu caralho e enfiou ali.

- Uhummmmmmmm, meu gostoso. Eu não queria por aí, mas estava com saudades dessa pica enorme.

O pau chegava a doer, de tão rígido. O negrão nem lubrificou o mastro, foi enfiando devagar no rabo dela. Gozou mais uma vez, mas continuou enrabando-a. Ela gemia gostoso, enquanto ele lhe fodia o cu. Quando ela começou a estremecer de gozo, ele retirou-lhe o pau da bunda e o meteu na xoxota. Ela gemeu:

– Aiiiiiiiiiiii, goza aí também...

Ele cuspiu esperma mais uma vez. Mas ainda continuava com o mesmo vigor da primeira metida. Apoiou-se melhor nas nádegas dela e as sentiu mais durinhas. Perguntou-lhe:

– Ainda falta muito?

– Mais um pouco. Não vai dar para matar a minha vontade, porém preciso salvar a menina.

Ele gozou fartamente, mais duas vezes. Encheu-lhe a tabaca de porra, tanto que ficou escorrendo sêmen. Ela parou de foder e aparou a gala com a mão. Levou-a à boca. Quando se voltou para ele, parecia uns vinte anos mais jovem.

– Não canso de admirar essa tua transformação. Está linda.

– Obrigada, meu jovem. Sei que não é bem assim, mas sinto-me rejuvenescida. Porém, não percamos tempo: deixe-me tomar um banho e vamos ao trabalho. Não saia de perto de mim. Posso precisar de mais porra.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
23/04/2018 11:35:03
Alguns desses personagens já apareceram em outras séries de minha autoria, Astrogilldo. Leia O TAXISTA e BELEZA MORTAL, só para citar algumas. Se quiser, manda teu endereço de e-mail que te envio essas duas séries em PDF.
23/04/2018 09:43:10
Os personagens ganham aspectos sobrehumanos ou sei lá o que, hehehehehe. Só desperta a curiosidade em continuar acompanhando