Descobertas de um filho 4

Um conto erótico de Mrpr2
Categoria: Homossexual
Data: 02/04/2018 23:31:39
Nota 9.75

Descobertas de um filho 4

Ola galera sou eu novamente o Valdir e venho continuar a minha historia. A situação era essa: Meu pai e eu sozinhos na sala assistindo a um pornô hetero. Meu pai apenas tirou o pau para fora ainda vestido com sua regata branca colada ao seu corpo e um calção desses folgados curtos azul eu mais safadamente tirei toda a minha roupa sentei no sofá forrado com a toalha bem ao lado do meu progenitor e alisava vagarosamente meu pau apenas para excitar, não queria acabar gozando.

_ Bater punheta é bom, mas melhor ainda é quando alguém bate pra gente ne não pai?

Disse eu olhando safadamente para meu pai ele então olhou para mim e perguntou:

_ Esta sugerindo batermos punheta um para o outro?

_ Estou dizendo que eu não me importaria se o senhor quisesse me fazer este favor, olha só como estou com tesão, não vai querer que seu filho tenha um problema vai?

Meu pai deu um sorrisinho com o rosto avermelhado e eu sorrindo safadamente balancei meu cacete. Vagarosamente meu pai foi levando minha mão ao meu encontro e pousou sobre meu pau, fechei os olhos sentindo sua mão grande e quente segurar minha vara e encostei minha cabeça no encosto do sofá com o rosto virado para o teto soltando um gemido, abri os olhos e vi meu pai passando a língua nos lábios. Ele olhava para mim olhava para meu pau. Ficamos um tempo assim sem dizer nada um para o outro.

Olhei para o filme e a mulher chupava o cara engolindo toda aquela enorme vara que naquela telona parecia ainda maior e soltei:

_ Puta que pariu isso é bom de mais! O que eu não daria para ter uma boquinha agora no meu pau.

Disse e olhei para meu pai que disse:

_ Que isso Valdir não sabia que estava com uma vida sexual tão aflorada assim, querendo cuzinho, boquete... o que meu filhão anda fazendo hem?

_ Nada demais pai, na verdade não faz tanto tempo assim, comecei a pouco e sabe como é quando o mel é doce você se lambuza kkk

_ kkk Sei como é!

_ Pai o senhor já chupou algum homem?

_ Que pergunta é essa filho?

Perguntou meu pai tirando a mão do meu pau.

_ Não para pai, esta gostoso!

_ Acho melhor a gente parar com isso Valdir.

_ Porque? Não esta gostando? Eu estou!

_ Filho sou seu pai!

_ Eu sei e por isso mesmo o senhor pode confiar que não vou contar para ninguém.

_ Filho...

_ Vamos pai!

Disse pegando na mão do meu pai e colocando de volta em meu pau. Meu pai voltou a me punhetar e eu fui subindo minha mão pelo braço do meu pai ate chegar em seu pescoço, coloquei minha mão atrás de sua cabeça fiz uns carinhos em seu cabelo e bem de vagarinho fui trazendo sua cabeça de encontro ao meu pau ate que meu pai não resistiu e abocanhou meu cacete. Nossa que sensação maravilhosa a boca quente e molhada do meu pai agasalhando todo meu pau. Meu pai chupava molhando ainda mais meu cacete subindo deixando a cabeça ainda dentro da boca e depois voltava a engolir tudo e repetia. Eu apenas gemia com minha mão em seus cabelos.

Meu pai aumentou o ritmo e com uma das mãos acariciava meus ovos e a outra meu peito enquanto que com a boca fudia meu pau. Minha respiração já acelerada ficou ainda mais descompassada meus gemidos aumentaram meu pai experiente percebeu que eu iria gozar, então tirou a boca do meu pau colocou dedos entre meu cu e meu saco pressionando e disse:

_ Calma filhão respira, respira com calma!

Fui me acalmando, não gozei, mas meu pau continuava em riste.

_ Sempre que estiver para gozar, mas quiser continuar, pressione aqui e controle sua respiração.

Disse meu pai pressionando os dedos em meu perimeo, região entre o saco e o cu. Balancei minha cabeça afirmativamente e meu pai continuou alisando os cabelos do meu saco.

_ Esta pentelhudo hem? Sei que você provavelmente acha isso bom e viril, mas para receber boas mamadas vai ter que raspar essas bolas ou vai querer perder isso aqui?

Disse meu pai engolindo todo meu saco de uma vez. Nossa que tesão voltei a encostar minha cabeça no encosto do sofá fechando os olhos sentindo a boca quente de meu pai em minhas bolas, sua língua passando em meus testículos. Meu pai retirou meu saco da boca cuspiu um pouco e tirou alguns pentelhos da boca.

_ Viu? Isso que acontece quando não se depila o saco! Kkkk

_ Ok, mas precisa mesmo raspar tudo?

_ Vamos fazer assim? Te dou uma maquininha ai você raspa o saco, o pau e deixa aqui em cima aparado o que acha?

_ Vou tentar.

Meu pai então voltou a chupar meu pau, depois lambeu minha virilha foi subindo pela minha barriga e passou a chupar meus mamilos que a esta altura já estavam durinhos e espetados. Meu corpo tremia de tesão, meu pau babava pulsando.

_ Pai... deixa... deixa eu comer o senhor?

Meu pai parou de chupar meus mamilos, se afastou ficando de joelhos no chão de frente para mim sem dizer nada com cara de quem estava pensando e eu insisti.

_ Deixa vai... por favor!

Depois de alguns segundos meu pai rompeu o silencio e disse.

Eu devo estar ficando maluco, mas ok deixo!

_ Oba!

Gritei levantando os braços.

_ Mas isso deve ficar em mais estremo absoluto segredo!

_ Prometo!

_ Vem, vamos para o quarto!

Eu não estava acreditando, eu iria meter naquele rabão guloso do meu pai que a dias atrás eu tinha visto engolir aquela rola imensa do Jorge e agora seria a minha vez!

Chegando no quarto meu pai perguntou como eu queria e claro que pedi para ele ficar de quatro. Meu pai abriu o criado mudo pegou um tubo de lubrificante e atendeu deixando aquele rabão branco lisinho arreganhado para mim. Não perdi tempo abri bem o bundão do meu pai e cai de boca lambendo seu cu igual eu tinha visto em um filme, percebi que meu pai se assustou com minha iniciativa, mas logo relaxou e começou a me elogiar e orientar de forma a fazer meu cunete ainda mais prazeroso.

Depois de muito lamber aquele cuzão e as bandas da bunda de meu pai eu resolvi que minha tão esperada hora tinha chegado. Peguei o lubrificante coloquei um pouco em meus dedos e untei aquele orifício piscante, untei bem meu cacete e o posicionei na entradinha forcei um pouco nem precisou de muita força e a cabeça começou a entrar entrou e eu parei, não por sentir alguma resistência de meu pai, mas por querer aproveitar aquele momento. A cabeça dentro aquele quentinho gostoso, meu pai pisca o cu e eu enfio vagarosamente o restante do meu pau, enfio tudo ate o talo, ate meu corpo encostar na bunda de meu pai que da um gemido de prazer, eu seguro firme em sua cintura e sinto seu cu contrair apertando meu pau, paro e fico sentindo aquilo.

Continua...

Autor: Mrpr2

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
15/07/2018 18:26:43
GOSTOSO PRA CARALHO, 10
18/04/2018 10:29:36
delicioso
10/04/2018 00:36:55
Muito bom. Continua.
07/04/2018 23:01:06
Maravilhoso! Estou adotando! Que tesao!
07/04/2018 23:00:36
Perfeito! To adorando!
07/04/2018 07:14:34
Delicioso! Valdir comendo o pai e querendo dar pro padrasto... Que vida boa!
04/04/2018 11:44:37
Muito bom aguardo a continuação
03/04/2018 00:36:37
GRANDE BABAQUICE RASPAR O PAU OU O SACO. GOSTOSO MESMO É UM PAU, SACO E CU BEM PELUDOS. COISA DE MACHO. DEPILADOS DÁ A FALSA IMPRESSÃO DE MAIOR HIGIENE E TAMANHO MAS NA VERDADE LEMBRA MAIS OS ÓRGÃOS DE UMA CRIANÇA. FICA INFANTILIZADO QUANDO LISO. HORRÍVEL. QUE PENA. MINHA NOTA SÓ POR ISSO. POIS DE RESTO ESTÁ PERFEITO.